AS FAMIGERADAS ELEIÇÕES DA 41ª ZONA ELEITORAL

0comentário

Na semana passada, ao homenagear o saudoso Clodomir Teixeira Millet, que no dia 17 de agosto completaria 100 anos, afirmamos que toda a sua vida política foi cimentada num objetivo: combater a grosseira fraude eleitoral que grassava no Maranhão, para desaparecer sumariamente do processo eleitoral do Estado.
O texto não ficaria completo se, entre tantos recursos impetrados por Millet na Justiça Eleitoral, para extirpar a fraude, não apontasse pelos menos dois deles. O primeiro para fulminar as berrantes eleições realizadas na 41ª Zona Eleitoral, da qual faziam parte os municípios de Vitorino Freire, Vitória do Mearim, Lago da Pedra e Arari. O segundo destinado à realização de uma revisão eleitoral para expurgar das folhas de votação os eleitores fantasmas e os votos viciados praticados pelos políticos com a cumplicidade de juízes e membros do Tribunal Regional Eleitoral.
Vejamos o caso da fraude na 41ª Zona Eleitoral, tomando como referência as eleições de 3 de outubro de 1954, em que para disputar os 403.586 sufrágios, o eleitorado fora convocado para renovar os mandatos de dois senadores, dez deputados federais e 40 deputados estaduais.
Convém registrar o incremento substancial do eleitorado maranhense nas eleições de 1954: 133.616 eleitores a mais do registrado no último pleito (27 de novembro de 1953), resultado, sem dúvida, do alistamento feito sob o manto da ilegalidade.
Antes que o eleitorado comparecesse às urnas, o deputado Clodomir Millet, àquela altura um paladino na defesa da verdade eleitoral, em nome do Partido Social Progressista, assestou duas providências para salvaguardar a lisura do pleito: 1) solicitou ao Tribunal Regional Eleitoral a participação das forças federais nos municípios da 41ª Zona Eleitoral, onde a perspectiva da fraude se desenhava com toda a clareza; 2) argüiu a suspeição de cinco juízes integrantes do TRE.
Logo que as urnas começaram a cantar, como se dizia no interior, em todos os municípios, os vitorinistas impunham-se diante dos oposicionistas, levando de roldão as medidas que tentavam impedir ou embaraçar as investidas políticas articuladas e viabilizadas no Palácio dos Leões pelos estrategistas do PSD.
Diante dessa devastação eleitoral imposta pelos governistas, antes mesmo que os oposicionistas formulassem as primeiras ações com vistas a anular as seções eleitorais e/ou impugnar o pleito, o próprio Tribunal Regional Eleitoral tomou uma iniciativa que deixou atordoado todo o segmento político não acostumado a vê-lo assim atuar: no dia 14 de outubro, por unanimidade, anulou as eleições da 41ª Zona Eleitoral, por entender que naqueles municípios, a fraude, além de grosseira e sem limite, ocorreu do alistamento eleitoral até a votação, com o agravante de promovida sob a complacência de um juiz. O grau das ilicitudes foi tão extravagante que dos 31 mil votantes, que participaram do pleito, no máximo, 10 mil eleitores estariam habilitados a exercer o direito ao sufrágio universal, direto e secreto.
Para não prejudicar o andamento das apurações, o TRE decidiu que novas eleições, chamadas de suplementares, só se dariam na 41ª Zona Eleitoral após revisão do eleitorado de Vitorino Freire, Vitória do Mearim, Lago da Pedra e Arari, tomando por base o relatório circunstanciado do juiz Liberato Barroso, que, designado pela Corte Eleitoral, apurou e evidenciou irregularidades escabrosas e infrações ilegais, tais como: falta de organização do cartório que controlava os serviços eleitorais; títulos eleitorais não guardados convenientemente (os antigos amontoados num caixão, os novos amarrados em cima de uma mesa); títulos em branco e com a assinatura do juiz; títulos assinados por supostos eleitores ou pelos encarregados do alistamento e indicados pelos chefes políticos locais; processos de alistamento sem prova de identidade dos alistados e certidões apócrifas.
Inconformados com a decisão do Tribunal Regional Eleitoral, que anulou todo o pleito da 41ª Zona Eleitoral, os candidatos que se consideravam prejudicados, recorrem ao Tribunal Superior Eleitoral e pedem que a egrégia Corte mande apurar os votos dos eleitores dos municípios abrangidos pela anulação da votação.
Surpreendentemente, o TSE, por unanimidade, deu provimento ao recurso dos candidatos prejudicados, ordenando a apuração imediata da votação dos municípios de Vitorino Freire, Vitória do Mearim, Lago da Pedra e Arari, bem como sustando as eleições previstas para a renovação do eleitorado.
O TRE, cujas decisões quase sempre tidas como equivocadas ou tendenciosas pelo TSE, via-se agora na contingência de cumprir uma determinação da instância superior, considerada vergonhosa e que validava uma votação claramente irregular, contaminadas de erros e em conflito com a lei.
Sem alternativa, a não ser a de cumprir a decisão do TSE, o Tribunal Regional Eleitoral envia as urnas viciadas da 41ª Zona Eleitoral para Vitória do Mearim, onde foram apuradas por juízes suspeitos e, como se não bastasse, vigiadas pelas forças federais.
O resultado da apuração das urnas da 41ª Zona Eleitoral, além do escândalo causado, fez alterar a posição dos candidatos na listagem dos eleitos em 3 de outubro de 1954. No PSD, para a Câmara Federal, os candidatos Costa Rodrigues e Freitas Diniz, perderam os mandatos para Cid Carvalho e Pedro Braga; na Assembleia Legislativa, Antônio Enedino, Luis Mário Jácome, Teoplistes Teixeira, Osvaldo Gomes e Joel Barbosa foram substituídos por Raimundo Bogéa, Henrique Costa Fernandes, Eusébio Trinta, Pedro Brito e Erasmo Dias. No PSP, para a Câmara Federal, Afonso Matos perdeu o mandato para Neiva Moreira, enquanto na Assembleia Legislativa, José Clementino Bezerra e Ignácio Torres Rangel foram substituídos por José Maria de Carvalho e Manoel Fernandes Ribeiro; No PR, para a Assembleia, caiu João de Carvalho e entrou Manuel Gomes.

sem comentário »

HERÓI DA FAB

0comentário

Morreu na semana passada no Rio de Janeiro, onde morava há anos, o major-brigadeiro da Força Aérea Brasileira, Rui Moreira Lima.
Veterano da II Guerra Mundial e símbolo da resistência nas Forças Armadas no período da ditadura militar, o brigadeiro nasceu na cidade de Colinas, no Maranhão, e pertencia a uma das famílias mais importantes de nossa terra – Moreira Lima, que deu ao Brasil tantos e ilustres representantes em diversas áreas profissionais.
O oficial da FAB, pela sua destemida coragem e pelos relevantes serviços prestados ao país ao longo da vida recebeu merecidas homenagens, mas no Maranhão jamais foi lembrado.
Quem o conheceu, diz que esse fato era uma de suas mágoas. O seu livro de memórias, “Senta a pua”, publicado em duas edições, mas esgotado, deve ser reeditado pelo Ceuma, compromisso assumido por Mauro Fecury.
CONVÊNIOS FIRMADOS
Na tentativa de destravar a máquina pública, o governo federal anuncia a flexibilização das regras para o pagamento de convênios firmados desde 2008.
Para que recebam esses recursos da União, os prefeitos deverão atender à legislação que estabelece a comprovação de regularidade fiscal.
Essa exigência do governo federal fará com que poucos prefeitos do Maranhão recebam os recursos, pois, salvo poucas e honrosas exceções, estão inadimplentes e com as prestações de contas em débito com os órgãos que tratam da matéria.
LOJAS DE ÓCULOS
Pela excessiva quantidade de lojas de óculos em São Luis, pode-se afirmar que grande parte de nossa população está com problemas na vista.
São tantas e localizadas em todas as partes da cidade, que permitem concluir que óculos é hoje um dos artigos mais procurados no mercado lojista.
No centro da cidade, em um só quarteirão podem ser encontradas inúmeras lojas de óculos de um lado e de outro da rua.
Em qualquer consultório de oftalmologia, marcar consulta com um especialista é tormento. Ninguém consegue ser consultado com menos de um mês de espera.
CASTELO EM PONTO DE BALA
Quem pensa que o ex-prefeito João Castelo vai cumprir a promessa, feita nas proximidades de deixar a prefeitura de São Luis, de não ser mais candidato a qualquer cargo eletivo, tomou o bonde errado.
Só espera a definição do quadro político, com vistas ao pleito de 2014, para dizer o cargo que pretende disputar.
Uma coisa, contudo, Castelo está certo: se Roseana Sarney não se candidatar ao Senado, ele botará sua candidatura na rua.
SAÚDE DA POPULAÇÃO
O IBGE lançou uma pesquisa para saber como anda a saúde no Brasil.
Até novembro milhares de domicílios em 1.600 municípios serão visitados em busca de informações sobre o atendimento à saúde nas redes pública e particular.
Como no Brasil de hoje, qualquer iniciativa de governo gera manifestação de rua e vandalismo, essa pesquisa poderá resultar em protesto ou, quem sabe, em outra Revolta da Vacina, nos moldes da que aconteceu no Rio de Janeiro, em novembro de 1904, quando a população insurgiu-se contra a invasão de domicílios pelos mata-mosquitos e policiais, imposta pelo governo federal para combater a varíola.
HOMENAGEM A GULLAR
Mais um homenagem ao poeta maranhense Ferreira Gullar está sendo prestada no Rio de Janeiro.
Desta feita, através de hot site especial sobre sua vida e sua obra, sob os auspícios da Editora Record.
O espaço terá biografia, fotos, reportagens e entrevistas do poeta.
Hot site significa levar informações e curiosidades de uma pessoa para o público.
SOUSÂNDRADE NO RIO
Na semana passada, no Rio de Janeiro, o escritor Joaquim Sousândrade foi tema de um seminário realizado na Casa de Rui Barbosa.
Participaram do evento os escritores Luiza Lobo, Luis Costa Lima e Manuel Ricardo Lima.
A escritora Luiza Lobo é membro correspondente da Academia Maranhense de Letras, professora de Literatura da Universidade Estadual do Rio de Janeiro e uma das maiores conhecedoras da obra do poeta maranhense conhecido por O Guesa.
JERRY ADRIANE MARANHENSE
Bastou que fluísse para todo o país a noticia de que um prefeito chamado Jerry Adriane, do município de São Roberto, no Maranhão, havia inaugurado obra em sua cidade, para que as redes sociais entrassem em ação.
Para os internautas, o prefeito era, na verdade, o cantor Jerry Adriane que se mudara para o Maranhão e se elegera, pelo seu prestigio, gestor de uma cidade pequena e desconhecida.
As fãs de Jerry Adriane só sossegaram quando ele, assediado, explicou que não era prefeito de lugar nenhum.
MILIONÁRIO NO CEUMA
O próximo projeto do Ceuma é trazer a São Luís o dono da maior rede de ensino de idioma e profissionalizante do mundo: o empresário Carlos W. Martins.
O proprietário do Curso Wizard lançou recentemente o livro “Desperte o milionário que há em você”, no qual mostra o método, os conceitos e princípios para criar um empreendimento bem-sucedido e também como ajudou a formar mais de uma centena de novos milionários no Brasil nos últimos anos.
Mauro Fecury quer que o empresário, nascido em Curitiba, mas mora nos Estados Unidos, lance o seu livro em São Luis e mostre à juventude maranhense como ficar rico sem precisar apelar para a corrupção e outros mecanismos ilegais.
INTERLOCUÇÃO SOCIAL
Mais uma excelente iniciativa do deputado Arnaldo Melo, presidente da Assembleia Legislativa, será posta em prática este mês.
A criação do Conselho de Interlocução Social, como forma de ampliar o sistema de ausculta e interação entre o Poder Legislativo e a sociedade civil organizada.
O jornalista Benedito Buzar, na condição de presidente da Academia Maranhense de Letras, foi convidado a fazer parte do Conselho de Interlocução Social.
RECADASTRAMENTO
No Maranhão, recadastramento do funcionalismo público sempre foi arte ficcional. Só acontecia em começo de governo e para não dar em nada.
Mas o recadastramento ora realizado pela Secretaria de Administração, parece ser diferente, até porque não começou demagogicamente no começo, mas no fim do governo.
Até agora, o recadastramento vem apresentando resultados altamente satisfatórios para a máquina pública estadual, que vai obter uma diminuição bem significativa na folha de pessoal, haja vista a quantidade enorme de funcionários fantasmas e pendurada nas tetas governamentais, que não apareceu para mostrar os documentos solicitados.
O MAIOR ALUISISTA
O desembargador-escritor Lourival Serejo dedica grande idolatria ao romancista maranhense, Aluísio Azevedo.
No Maranhão ninguém possui mais livros do autor de “O Mulato” do que ele. Dispõe em sua residência, no Calhau, tudo que diz respeito a Aluísio Azevedo. São livros editados no Brasil e no estrangeiro.
O escritor francês Jean Ives Mérien, que escreveu o melhor livro sobre Aluísio Azevedo, fez questão de conhecer a biblioteca de Lourival e saiu de lá impressionado.
Na noite de quinta-feira, jantavam na Cabana do Sol o escritor francês e os acadêmicos Benedito Buzar, Lourival Serejo e Joaquim Itapary.
FILME SOBRE ALUÍSIO
O escritor Jean Ives Mérien chegou a São Luis na época certa para quem tem um projeto de fazer um filme sobre o romancista Aluísio Azevedo.
Trata-se do cineasta Joaquim Haickel, que como membro da Academia Maranhense de Letras, fez uma longa e produtiva entrevista com o escritor francês e ainda gravou toda a sua conferência realizada na Casa de Antônio Lobo.
Em tempo: o professor Mérien tem dois grandes amigos em São Luis: Jomar Moraes que o ajudou a pesquisar sobre Aluísio Azevedo, e Joaquim Itapary, que à frente do Ministério da Cultura, mandou publicar a obra realizada pelo professor francês.

sem comentário »

O PAPA QUE MEXEU COMIGO

0comentário

Descendo tanto pelo lado paterno como do materno de famílias essencialmente católicas apostólicas romanas. Do meu nascimento até certo tempo de minha vida adulta só deparei-me, em matéria de religião, com os ensinamentos emanados da doutrina do cristianismo. Em minha casa, na cidade em que vim ao mundo, nos colégios em que estudei e por onde andei e construí a minha atividade profissional, não tive outra orientação religiosa que não a inspirada no catolicismo.
No meu currículo de católico, pontificam estas singularidades: 1) Após quatro meses do meu nascimento, em 17 de fevereiro, fui batizado em 02 de julho, em Itapecuru Mirim, na igreja-matriz de Nossa Senhora das Dores, em cerimônia conduzida pelo saudoso padre Alfredo Bacelar, portanto, dentro do figurino da igreja de São Pedro.
2) Depois de batizado, ainda criança, fui crismado pelas bênçãos do cristianismo. 3) Para aprender e seguir os preceitos e as regras bíblicas, como rezava a tradição e a época, também recebi aulas de catecismo na igreja de Nossa Senhora das Dores, proferidas por membros das congregações religiosas.
4) No colégio no qual fiz o primário – Grupo Escolar Gomes de Sousa, em minha terra, e depois no Colégio dos Irmãos Maristas, em São Luis, onde concluí o curso ginasial, a cartilha era a mesma: rezar e ouvir aulas de religião. Nos Maristas, sob o regime do internato, rezava antes e depois de dormir, de tomar café, de almoçar e jantar, sem esquecer as missas diárias e os terços que faziam parte das jornadas educativas.
5) Na minha adolescência, o meu pai, Abdala Buzar, um católico de carteirinha e um assumido serviçal da igreja e do clero, compelia-me a funcionar como coroinha nas celebrações litúrgicas, em que me apresentava com vestes semelhantes a uma batina, mas de cor avermelhada.
Por falar no meu pai, não custa nada ressaltar as ações desenvolvidas por ele em Itapecuru, em favor da Santa Madre Igreja. No livro, “No tempo de Abdala era assim”, para celebrar seu centenário de nascimento, focalizei essa faceta de sua personalidade, uma das mais visíveis e elogiadas até hoje pelo povo itapecuruense: a devoção a São Benedito, fato que o levava a organizar e bancar o festejo em homenagem ao santo de sua predileção, que se realizava de 28 de dezembro a 1º de janeiro.
6) Para coroar toda essa influência do catolicismo, sempre presente em minha vida, não dá para olvidar a celebração do meu casamento, a 18 de novembro de 1967. Para ministrar o sacramento de minha união com Solange, que considero o passo mais acertado dado por mim ao longo da existência, fui atrás do monsenhor Ladislau Papp, um sacerdote húngaro que fez de São Luis sua segunda terra. Foi ele que na, igreja de São João, fez com que eu prestasse o juramento de ficar ao lado de Solange, em qualquer circunstância.
Mas o que aconteceu anos depois, já na fase adulta, para que me afastasse dos ofícios religiosos, logo eu que carregava um invejável currículo de católico apostólico romano? Por que eu, um fidedigno assistente de missas dominicais, cultor resignado das obrigações ditadas pela igreja, dentre as quais a de confessar, comungar, respeitar os dogmas e cumprir os rituais e a liturgia pregados pelos seguidores de Cristo, de repente, esquecesse tudo isso para só comparecer às celebrações eucarísticas em atendimento a compromissos estritamente sociais?
A minha resposta é igual à de milhões de católicos, que, nos últimos tempos, abandonaram a Santa Madre Igreja. Dessa numerosa legião de desertores, muitos ficaram apáticos a qualquer tipo de religião e outros tantos abraçaram os cultos mistificadores ou aderiram a seitas radicais e nada exemplares, decepcionados com o comportamento dos representantes da igreja, que deixaram de lado as suas obrigações pastorais, ou ficaram frustrados pela maneira de agir de seus oráculos, que abandonaram os humildes, os pobres, os perseguidos, os menos favorecidos, passando a defender a causa dos que aviltaram as lições de amor legadas por Cristo à humanidade.
Mas para reverter esse quadro de descrença e desesperança, Deus lembrou-se de que na América Latina, região de tanta pobreza, sofrimento, analfabetismo, subdesenvolvimento, injustiça social e corrupção política, havia um Homem, seu servo, que se chamado para ajudar a corrigir essas desigualdades sociais e econômicas e colocasse a igreja novamente no caminho certo e reencontrar-se com os postulados de Cristo, com toda a certeza ele cumpriria a missão de modo competente e seria bem compreendido e entendido pelo povo.
Essa figura abençoada era o arcebispo de Buenos Ayres, Jorge Bergoglio, que para suceder ao papa Bento XVI, foi eleito novo representante de São Pedro. À frente do Vaticano, em pouco tempo de vicariato, vem mostrando que fará uma grande mudança no universo do catolicismo.
Este novo Papa, com o nome de Francisco, esteve recentemente no Brasil, para participar de mais uma Jornada Mundial da Juventude, realizada no Rio de Janeiro, local das reuniões e concentrações evangélicas. Ali, pregou com sua humildade, simplicidade, honestidade, sinceridade e autenticidade uma nova mensagem de esperança para os povos que ainda continuam a viver dias de sofrimento e abandono.
Foi esse papa Francisco, que voltou o seu olhar para os jovens e os idosos e deixou o pedestal de Roma para reanimar a Igreja do mundo inteiro, que mexeu sobremodo comigo, operando em mim uma profunda reflexão, através da qual eu voltasse a repensar o cristianismo como uma saída para a crise em que vivemos.

sem comentário »

A POPULARIDADE DE ADEMAR DE BARROS EM S. LUIS

0comentário

Em 1949, o governador de São Paulo, Ademar de Barros começou a montar um esquema político, com vistas a se candidatar a presidente da República nas eleições de outubro de 1950.
O esquema iniciou com a instalação nos estados brasileiros do Partido Social Progressista, que fundara em São Paulo. Para estruturá-lo no Maranhão convidou o médico Clodomir Millet, que pertencia aos quadros do Partido Republicano.
Em 25 de maio de 1949, Millet, em ação rápida e eficiente, criou a Comissão Provisória do PSP. Bafejado pela sorte, o partido ademarista cresceu rapidamente em função do rompimento do vice-governador Saturnino Belo com o vitorinismo e de sua adesão ao PSP, pelo qual sairia candidato a governador nas eleições de 1950. O ingresso de Satu, como era chamado, deslanchou o partido, que atraiu vários políticos governistas para suas hostes, destacando-se o senador José Neiva, expressivo líder do sertão maranhense.
Essas e outras ações de Milllet fizeram Ademar de Barros dar maiores condições ao seu partido no Maranhão e transformá-lo numa agremiação partidária forte e pujante. Sem medo de ser feliz, doou ao Partido Social Progressista dois instrumentos básicos para torná-lo ainda mais poderoso.
Primeiro, um avião, para que os membros do partido se deslocassem mais facilmente para as cidades do Maranhão e fundassem diretórios em todos os municípios. Segundo, fez chegar a São Luis equipamentos modernos para montagem de um jornal, já que as oposições só dispunham do limitado O Combate.
Com esse veículo de comunicação, intitulado de Jornal do Povo, o ademarismo passaria a se expandir no Maranhão e, ademais, ajudaria as oposições a melhor se habilitariam para banir o vitorinismo. Para dirigir o jornal, Millet trouxe do Rio de Janeiro o jornalista Neiva Moreira, que militava na imprensa carioca e desfrutava de enorme conceito como redator do Diário de Notícias e da revista O Cruzeiro.
Em curto espaço de tempo, o Jornal do Povo, pela sua moderna feição gráfica, pelo seu competente corpo redacional e pela maneira como combatia os atos do governo, virou coqueluche em São Luís. Em função disso, Ademar de Barros virou alvo constante das diatribes vitorinistas, que não o perdoavam pelo fato de influir na política maranhense e de dar condições materiais às oposições para destroná-los do poder. Paralelamente, o povo de São Luís, visceralmente, oposicionista, começou a exigir a presença do governador paulista no Maranhão, para receber as homenagens pelo que ele vinha fazendo pela causa das oposições, bem como manifestar o desejo de vê-lo na presidência da República.
Ademar não resistiu aos apelos maranhenses e marcou para 3 de agosto de 1950, portanto, há 53 anos, sua vinda a São Luis. Por meio do Jornal do Povo, a população foi convidada para ir às ruas e recebê-lo afetuosa e vibrantemente. O comércio e a indústria fecharam as portas às 15 horas, para que a cidade inteira comparecesse ao comício na Praça João Lisboa. Ônibus, automóveis e caminhões foram colocados à disposição do povo, que estava emocionalmente preparado para dar as boas vidas ao líder popular.
Às 16:30 horas, o avião do governador paulista desceu no aeroporto do Tirirical. Em carro aberto, Ademar ao lado do vice-governador Saturnino Belo, rumou para o local da concentração popular, onde uma enorme multidão a esperavam em delírio.
Quase em cima da hora do comício, o chefe de Polícia, João Batista Lemos, a mando dos governistas, informa aos oposicionistas que o comício não poderia ser na Praça João Lisboa, pois a licença para liberação do local não chegara a tempo hábil. Por muito custo, permite que a concentração se realize na Praça Deodoro.
Mobilizada, a população ruma para a Praça Deodoro, onde os oradores foram unânimes em criticar e desancar as autoridades palacianas pela prática de uma atitude antidemocrática e violenta contra o governador visitante, fato que fez o povo ficar mais exaltado. Mas o pior ainda estava por vir. No exato momento do pronunciamento de Ademar de Barros, todo o centro da cidade ficou privado de energia elétrica. A praça estava às escuras, mas o comício não pára, por obra de um serviço de alto-falante, que possibilitou a Ademar falar à multidão, cada vez mais irada. Como se bastasse tudo isso, do céu uma chuva desaba sobre a cidade, mas não impede o orador de continuar sua vibrante oração e sem o povo arredar os pés dali.
Acabado o comício, Ademar é convidado a visitar a sede do PSP na Rua da Paz, nas proximidades da Praça João Lisboa. Aceita o desafio e parte andando e acompanhado da frenética multidão. Quando o cortejo se aproximava da sede do partido, como se fosse uma emboscada, surgem numerosos policiais, fortemente armados, impedindo a passeata de chegar ao destino final. Os populares revoltam-se e reagem com pedras. Ademar e as lideranças oposicionistas recuam prudentemente, mas o povo, contudo, continua sua marcha e, aos trancos e barrancos, chega à praça, onde passa a depredar a redação do jornal Diário de São Luis, que dava cobertura política aos aliados de Victorino Freire.
O confronto entre povo e policiais torna-se inevitável. As balas projetadas pelas forças públicas acertam vários populares, inclusive o operário João Evangelista Vieira, que morre e vira mártir. Dessa luta, resulta também o incêndio do automóvel de propriedade do Dr. Newton de Barros Belo, então, Consultor Jurídico do Estado. Só depois de algumas horas, a paz volta a reinar na Praça João Lisboa.
Antes de deixar São Luis, Ademar comunica o fato às autoridades federais, às quais pede providências enérgicas para punir os algozes do povo, bem como se responsabiliza pela assistência médica às vítimas, inclusive, com ajuda financeira.
A partir daquele dia, Ademar de Barros transforma-se numa figura mítica e idolatrada pelo povo ludovicense. Sua popularidade agiganta-se de maneira fantástica, fazendo com que o seu prestígio político extrapole de São Paulo para o Maranhão inteiro.

sem comentário »