AS PÉROLAS POLÍTICAS DO MARANHÃO

0comentário

Do meu tempo de colunista político do Jornal do Dia, O Imparcial e O Jornal, guardo carinhosamente um extraordinário repertório de frases de  políticos maranhenses.

São frases, batizadas de pérolas políticas, reveladoras do sentimento e do pensamento de figuras que marcaram presenças no cenário público do Maranhão. Algumas decorrentes de improvisados desabafos; outras, adrede buriladas ou previamente preparadas. Se umas foram proferidas em ocasiões propícias, certas ou necessárias, outras, contudo, o foram em momentos inadequados e inconvenientes.

As pérolas aqui arroladas são do meu arquivo pessoal e as selecionei sem critério cronológico ou ordem alfabética. São frases de efeito, pitorescas ou folclóricas, produzidas pela verve privilegiada dos políticos maranhenses, que, nessa arte, são imbatíveis e inigualáveis. Muitas caíram no gosto popular e, por isso, tornaram-se conhecidas nacionalmente pela divulgação nos meios de comunicação. Antes que o leitor comece a lê-las, vale um aviso: elas são de uma época, não tão remota, em que a política movia-se pela paixão e não por interesses escusos.

Do governador Pedro Neiva de Santana: 1) Sou o último governador do Maranhão pobre.

2) Enquanto não tomar posse, governador só deve falar em circuito ASfechado de televisão.

3) Político desonesto não deve se curar de dor de ouvido.

4) Sou um governador bom de voto. Fui eleito com 39 votos de deputados da Arena.

Do senador José Sarney: 1) Para o Pedro Neiva ser o governador do Maranhão só precisa fingir-se de morto.

2) No governo Castelo quero ser apenas o muro das lamentações.

3) Se depender de mim, nenhum dono de terra será governador do Maranhão.

Do governador João Castelo: 1) O Maranhão não é Estado problema. É Estado solução.

Do deputado federal João Castelo: 2) Se eu votar a favor do divórcio, nunca mais o bispo de Caxias pisará no meu palanque.

Do prefeito Epitácio Cafeteira: 1) São Luis é uma ilha cercada de merda por todos os lados.

Do deputado federal Epitácio Cafeteira: 2) Se para governar o Maranhão o candidato precisa ter ficha limpa, há que se buscar fora do Estado.

Do governador Epitácio Cafeteira: 3)  No meu governo não vou deixar ninguém meter a mão no jarro. Quem tentar mando cortar as mãos.

Do deputado federal Líster Caldas: – 1) Não é a gente que larga a política, a política é que larga a gente.

2) Sarney no Senado parece um John Travolta nos embalos de sábado à noite.

3) A diferença entre Pedro Neiva e Nunes Freire depois que deixaram o governo. Um, passou a ver tralhoto dar salto mortal na Beira-Mar; o outro,  a ver sacristão tocar  sino da igreja de Santo Antônio.

Do deputado federal, José Burnett: – Oposição é como cigano. Só arma a barraca onde a polícia deixa.

Do deputado estadual, Nagib Haickel: 1) No dia em que o Partido Comunista chegar ao poder, eu serei o primeiro a aderir à ideologia vermelha.

2) A maior emoção da minha vida foi apertar a mão do general e presidente da República, João Figueiredo.

3) O eleitor vota em mim porque sabe que não uso desodorante, mas sou cheiroso.

4)  Nunca pensei que caboclo do Pindaré  em Brasília fosse chamado de excelência.

5) A situação de Pindaré  é tão difícil que até os mortos preferem ser enterrados em Santa Inês.

Do deputado estadual Maneco Paiva: 1) No Maranhão, deputado estadual é mais assistente social do que legislador.

2) Sou um bom político porque nasci em Pinheiro, terra de José Sarney.

Do senador Vitorino Freire: 1) É mais fácil o navio Rosa da Fonseca atravessar a Avenida Rio Branco do que Costa Rodrigues ser eleito prefeito de São Luis.

2) Pelo tempo de convivência com o povo do Maranhão, sou cidadão maranhense por usucapião.

-3)  Ivar Saldanha é o político mais esperto do Maranhão porque lê até anúncio do Diário Oficial.

Do senador Clodomir Millet: – Em tempo de crise, político não deve estar por cima nem mesmo de avião.

Do secretário de Educação Antônio Carlos Beckman: – No Maranhão, a secretaria de Educação não é um barco furado, mas um barco sem fundo.

Do deputado federal Eurico Ribeiro: – Na vida, só uma vez fiz besteira: quando Cid Carvalho induziu-me a romper com o governador Newton Bello.

Do deputado estadual José Dominice: – Político é como cerca velha, quando cai derruba tudo.

Do deputado estadual Josélio Carvalho Branco: – João Alberto comunga para fazer demagogia. Vitor Trovão, para matar a fome.

Do suplente de deputado federal, José Sousa: – Capim em casa de candidato derrotado só não cresce por causa dos credores.

Do deputado estadual Baima Serra: 1) Jardim da casa de Nunes Freire não tem flores. Só espinhos.

2) Se a situação do país é grave, a minha é mais grave do que a do país.

Do deputado estadual, Wilson Neiva – Para Sarney se eleger governador só precisa de um por cento de sorte.

Do deputado federal, Vieira da Silva: 1) Quando reatei a amizade com Sarney passei o dia todo em estado de graça.

2) Fiz as pazes com Sarney pensando mais na diplomacia do que na política.

Do vereador Eurípedes Bezerra: – A pior coisa que fiz na vida foi candidatar-me a vereador de São Luis.

Do senador da Praça, Michel Nazar: – Pedro Neiva era um governador careca, com uma eminência parda, Orlando Leite. Nunes Freire era um governador pardo, com uma eminência careca, José Araújo.

Do deputado estadual, Orlando Aquino: – Eu sou igual à Gabriela, de Jorge Amado, nasci no governo, me criei no governo e vou morrer no governo.

Do deputado federal Magno Bacelar: – À exceção do grupo Cepalma, os grupos escolares que construí no Maranhão todos ficaram de pé.

Do secretário de Agricultura Lourenço Tavares:- Se houvesse um campeonato nacional de grilagem, o Maranhão seria o campeão.

Do deputado estadual Gonçalo Moreira Lima:- Daria toda a minha fortuna para ter a inteligência do Orlando Leite e a sagacidade do Mário Flexa.

Do deputado estadual José Brandão: – Somos uma oposição que cabe num jipe, mas com tração nas quatro rodas.

Do deputado estadual Sálvio Dino: – Candidato a cargo eletivo no Maranhão sofre antes, na hora e depois do parto eleitoral.

Do deputado estadual Fernando Viana: – Sou médico e especialista em rabo, mas em rabo limpo.

Do suplente de senador Alfredo Duailibe: Suplente de senador é igual a rabo de papagaio.

sem comentário »

A PRESENÇA DA COLÔNIA ÁRABE NO mARANHÃO

0comentário

O marco temporal da chegada dos primeiros contingentes árabes no Brasil é a década de 1880, razão pela qual a colônia sírio-libanesa comemora nesta terça-feira, 29 de março, 135 anos de sua presença em terras brasileiras.

No Maranhão,  um grupo de descendentes árabes movimenta-se para a Câmara Municipal de São Luis, que tem a competência legal de dar nome aos logradouros públicos da cidade, de mediante lei, mudar o nome da Avenida Luis Eduardo Magalhães, no Calhau, para Avenida dos Libaneses, em homenagem a uma colônia, que depois da portuguesa foi a de maior  presença em São Luis e com forte contributo nas áreas empresariais, políticas, científicas e culturais do Maranhão.

Não é á toa que nada menos do que quatro descendentes árabes ocuparam o cargo de governador do Estado: Alfredo Duailibe, Antônio Dino, José Murad e Ribamar Fiquene. Se computarmos os eleitos para a Câmara Federal e Assembleia Legislativa, bem como os que alcançaram os postos mais altos do Poder Judiciário, veremos, em toda plenitude, a marcante expressividade libanesa na estrutura institucional do Maranhão.

Em dois momentos, os fluxos migratórios árabes ingressaram no Brasil. O primeiro, entre os anos 1880 e o começo de 1900, para se livrarem das perseguições movidas pelos turcos e pelo convite do imperador Pedro II, que, em visita diplomática ao Oriente Médio, concitou-os a substituírem o braço escravo, haja vista a abolição da escravatura. O segundo momento deu-se entre 1920 e 1940, quando o Brasil atravessava uma nova fase econômica e social, e precisava de mão de obra abundante para incrementar o processo de industrialização no sudeste brasileiro, mais notadamente São Paulo.

Com respeito ao Maranhão, não há registros oficiais ou oficiosos que precisem a chegada dos pioneiros árabes.  Nem os “Almanaques do Maranhão”, publicados na segunda metade do século XIX, que traziam informações preciosas sobre os estrangeiros que desenvolviam atividades econômicas, faziam alusão à participação dos sírio-libaneses.

A única informação, assim mesmo duvidosa, sobre o assunto vem do professor e médico Olavo Correia Lima. No opúsculo de sua autoria, “Sírios e Libaneses no Maranhão, publicado em 1986, afirma que José Zequetervi, Miguel Mettre Heluy e José Nicolau Heluy foram os primeiros árabes a chegar a São Luis, fato ocorrido em 1886 e “hóspedes dos frades no Convento do Carmo”. Sobre o que vieram aqui fazer nada foi revelado.

Novas e mais categorizadas notícias acerca dos árabes no Brasil datam do alvorecer do século XX, quando atraídos pelo mercado paulista, foram absorvidos em grande quantidade para o trabalho nas fábricas em processo de montagem.

Anos depois, parte mais reduzida dela dessa corrente migratória, debandou para outras regiões do país.  Nessa empreitada, enfrentaram dificuldades de toda ordem, sobretudo com relação aos meios de transporte, mas não se intimidavam com as adversidades, pois, obstinados como eram, só sossegavam quando encontravam lugar onde pudessem se instalar e prosperar.

Nessa peregrinação pelo interior do Brasil, feita com coragem e sacrifício e quase sempre em lombos de animais ou usando os próprios pés, comercializavam bugigangas e com a venda delas sustentavam-se e conquistavam estímulo e força na perseguição dos objetivos que os levaram a deixar o país de origem. Como mascates, atividade na qual ninguém os superava, acumularam poupança e se estabeleceram como futuros comerciantes.

Dentre os estados nordestinos, o Maranhão se deu bem com a presença das correntes migratórias procedentes da Síria e do Líbano. Atraídos pelas condições que a natureza nos oferece, fixaram-se com a vontade indômita de ganhar dinheiro e construir família. Quando não se estabeleciam em São Luis, procuravam cidades localizadas às margens dos rios Itapicuru, Mearim e Pindaré, produtoras de grande parte dos gêneros alimentícios que outras regiões do estado consumiam.

Nessas cidades, chegavam sem saber falar o nosso idioma, mas através de gestos conseguiam vender os produtos que mascateavam e ainda recebiam as atenções dos moradores do lugar, principalmente quando vinham acompanhados de mulher e filhos.

Foi dessa maneira que o Maranhão os recebeu e de braços abertos os ajudou a se tornarem bem-sucedidos nas atividades produtivas, por conta das quais construíram famílias e contribuíram decisivamente para o engrandecimento e prosperidade das cidades.

Dentre os árabes que aportaram pioneiramente em nossa terra, figuram nomes que, com o passar dos anos, tornaram-se emblemáticos pela participação e atuação em todos os setores da vida maranhense, tais como: Simão, Murad, Mettre, Salomão, Jorge, Duailibe, Aboud, Farah, Àzar, Damous, Maluf, Buzar, Fiquene, Sauaia, Fecury, Mouchereck, Saback, Tajra, Curi, Millet, Sekeff, Safaddy,Nazar, Mubarack, Abdala, Tomeh, Bouéres, Waquim, Nahuz, Dino, Mattar, Francis, Boabaid, Chouairy, Assef, Zaidan, Mohana, Hadad, Haikell e Lauande.

João e Rafiza Buzar, meus avós, quando chegaram a Itapicuru-Mirim, já ali encontraram os patrícios Basílio e Paulo Simão, Chafi Buzar, João Elias Murad e Jorge Assef. Em abril de 1913, eles desembarcaram no porto de Salvador, de onde rumaram para a cidade que os acolheu de modo fraternal, por isso, de lá nunca saíram. De mascates, transformaram-se em prósperos comerciantes, com a ajuda dos filhos ali nascidos: Abdala e José João Buzar.

sem comentário »

AS PÉROLAS POLÍTICAS DO MARANHÃO

0comentário

Do meu tempo de colunista político do Jornal do Dia, O Imparcial e O Jornal, guardo carinhosamente um extraordinário repertório de frases de  políticos maranhenses.

São frases, batizadas de pérolas políticas, reveladoras do sentimento e do pensamento de figuras que marcaram presenças no cenário público do Maranhão. Algumas decorrentes de improvisados desabafos; outras, adrede buriladas ou previamente preparadas. Se umas foram proferidas em ocasiões propícias, certas ou necessárias, outras, contudo, o foram em momentos inadequados e inconvenientes.

As pérolas aqui arroladas são do meu arquivo pessoal e as selecionei sem critério cronológico ou ordem alfabética. São frases de efeito, pitorescas ou folclóricas, produzidas pela verve privilegiada dos políticos maranhenses, que, nessa arte, são imbatíveis e inigualáveis. Muitas caíram no gosto popular e, por isso, tornaram-se conhecidas nacionalmente pela divulgação nos meios de comunicação. Antes que o leitor comece a lê-las, vale um aviso: elas são de uma época, não tão remota, em que a política movia-se pela paixão e não por interesses escusos.

Do governador Pedro Neiva de Santana: 1) Sou o último governador do Maranhão pobre.

2) Enquanto não tomar posse, governador só deve falar em circuito ASfechado de televisão.

3) Político desonesto não deve se curar de dor de ouvido.

4) Sou um governador bom de voto. Fui eleito com 39 votos de deputados da Arena.

Do senador José Sarney: 1) Para o Pedro Neiva ser o governador do Maranhão só precisa fingir-se de morto.

2) No governo Castelo quero ser apenas o muro das lamentações.

3) Se depender de mim, nenhum dono de terra será governador do Maranhão.

Do governador João Castelo: 1) O Maranhão não é Estado problema. É Estado solução.

Do deputado federal João Castelo: 2) Se eu votar a favor do divórcio, nunca mais o bispo de Caxias pisará no meu palanque.

Do prefeito Epitácio Cafeteira: 1) São Luis é uma ilha cercada de merda por todos os lados.

Do deputado federal Epitácio Cafeteira: 2) Se para governar o Maranhão o candidato precisa ter ficha limpa, há que se buscar fora do Estado.

Do governador Epitácio Cafeteira: 3)  No meu governo não vou deixar ninguém meter a mão no jarro. Quem tentar mando cortar as mãos.

Do deputado federal Líster Caldas: – 1) Não é a gente que larga a política, a política é que larga a gente.

2) Sarney no Senado parece um John Travolta nos embalos de sábado à noite.

3) A diferença entre Pedro Neiva e Nunes Freire depois que deixaram o governo. Um, passou a ver tralhoto dar salto mortal na Beira-Mar; o outro,  a ver sacristão tocar  sino da igreja de Santo Antônio.

Do deputado federal, José Burnett: – Oposição é como cigano. Só arma a barraca onde a polícia deixa.

Do deputado estadual, Nagib Haickel: 1) No dia em que o Partido Comunista chegar ao poder, eu serei o primeiro a aderir à ideologia vermelha.

2) A maior emoção da minha vida foi apertar a mão do general e presidente da República, João Figueiredo.

3) O eleitor vota em mim porque sabe que não uso desodorante, mas sou cheiroso.

4)  Nunca pensei que caboclo do Pindaré  em Brasília fosse chamado de excelência.

5) A situação de Pindaré  é tão difícil que até os mortos preferem ser enterrados em Santa Inês.

Do deputado estadual Maneco Paiva: 1) No Maranhão, deputado estadual é mais assistente social do que legislador.

2) Sou um bom político porque nasci em Pinheiro, terra de José Sarney.

Do senador Vitorino Freire: 1) É mais fácil o navio Rosa da Fonseca atravessar a Avenida Rio Branco do que Costa Rodrigues ser eleito prefeito de São Luis.

2) Pelo tempo de convivência com o povo do Maranhão, sou cidadão maranhense por usucapião.

-3)  Ivar Saldanha é o político mais esperto do Maranhão porque lê até anúncio do Diário Oficial.

Do senador Clodomir Millet: – Em tempo de crise, político não deve estar por cima nem mesmo de avião.

Do secretário de Educação Antônio Carlos Beckman: – No Maranhão, a secretaria de Educação não é um barco furado, mas um barco sem fundo.

Do deputado federal Eurico Ribeiro: – Na vida, só uma vez fiz besteira: quando Cid Carvalho induziu-me a romper com o governador Newton Bello.

Do deputado estadual José Dominice: – Político é como cerca velha, quando cai derruba tudo.

Do deputado estadual Josélio Carvalho Branco: – João Alberto comunga para fazer demagogia. Vitor Trovão, para matar a fome.

Do suplente de deputado federal, José Sousa: – Capim em casa de candidato derrotado só não cresce por causa dos credores.

Do deputado estadual Baima Serra: 1) Jardim da casa de Nunes Freire não tem flores. Só espinhos.

2) Se a situação do país é grave, a minha é mais grave do que a do país.

Do deputado estadual, Wilson Neiva – Para Sarney se eleger governador só precisa de um por cento de sorte.

Do deputado federal, Vieira da Silva: 1) Quando reatei a amizade com Sarney passei o dia todo em estado de graça.

2) Fiz as pazes com Sarney pensando mais na diplomacia do que na política.

Do vereador Eurípedes Bezerra: – A pior coisa que fiz na vida foi candidatar-me a vereador de São Luis.

Do senador da Praça, Michel Nazar: – Pedro Neiva era um governador careca, com uma eminência parda, Orlando Leite. Nunes Freire era um governador pardo, com uma eminência careca, José Araújo.

Do deputado estadual, Orlando Aquino: – Eu sou igual à Gabriela, de Jorge Amado, nasci no governo, me criei no governo e vou morrer no governo.

Do deputado federal Magno Bacelar: – À exceção do grupo Cepalma, os grupos escolares que construí no Maranhão todos ficaram de pé.

Do secretário de Agricultura Lourenço Tavares:- Se houvesse um campeonato nacional de grilagem, o Maranhão seria o campeão.

Do deputado estadual Gonçalo Moreira Lima:- Daria toda a minha fortuna para ter a inteligência do Orlando Leite e a sagacidade do Mário Flexa.

Do deputado estadual José Brandão: – Somos uma oposição que cabe num jipe, mas com tração nas quatro rodas.

Do deputado estadual Sálvio Dino: – Candidato a cargo eletivo no Maranhão sofre antes, na hora e depois do parto eleitoral.

Do deputado estadual Fernando Viana: – Sou médico e especialista em rabo, mas em rabo limpo.

Do suplente de senador Alfredo Duailibe: Suplente de senador é igual a rabo de papagaio.

sem comentário »

AUSÊNCIA DO GOVERNADOR

0comentário

Há solenidades no Maranhão em que o governador só poderá faltar se for por motivos irrelevantes.

Exemplo: desfile militar de 7 de setembro e abertura da Exposição Agropecuária do Maranhão.

São eventos que, pela sua importância, não podem prescindir da participação do chefe do Executivo. O desfile, pelo seu significado histórico, a Expoema, pelo fato de ser a maior exposição do setor primário estadual.

Este ano, contudo, o governador Flávio Dino quebrou a tradição. Não apareceu no primeiro e muito menos no segundo.

MULHERES EM TRANSE

Nas eleições passadas, um bom número de mulheres teve participação ativa no processo eleitoral e algumas se elegeram prefeitas.

Dentre as eleitas, se destacaram pela beleza física, a de Bom Jardim, Açailândia e Bom Jesus das Selvas.

Coincidentemente são as que estão vivendo um tremendo inferno astral. Pelo péssimo desempenho nas prefeituras, são repudiadas pelo povo e sujeitas à perda dos mandatos por irregularidades praticadas nos cargos.

SECRETÁRIA E CONSELHO

Faz parte da rotina burocrática da secretaria da Educação, toda a vez que assume um novo gestor, este, visita o mais importante órgão de sua estrutura administrativa.

Trata-se do Conselho Estadual de Educação, que, até agora, a secretária, Áurea Prazeres, dele não tomou conhecimento.

Além de desconhecê-lo, não faz gestões junto ao governador para nomear os novos conselheiros, daqueles cujos mandatos chegaram ao fim.

NOVIDADES NO CÉU

Os urubus, os aviões de carreira e os helicópteros eram os equipamentos que dominavam o espaço celestial de São Luis.

Nos tempos mais recentes, uma novidade está a sobrevoar as nossas cabeças.

Os drones (em inglês significa zumbido) invadiram a cidade, mormente em comemorações festivas, formaturas, casamentos e shows.

SEM DIRETOR

A Fundação da Memória Republicana está sem diretor.

Quem respondia pela direção da instituição, o procurador Valdene  Caminha, deixou o cargo sem maiores explicações.

O governador, sem pestanejar, acatou o pedido do procurador.

ROUBO NO AEROPORTO

Um novo esquema de roubo parece montado no aeroporto de São Luis.

Alvo do roubo: bagagens vindas do estrangeiro.

Dias atrás, sumiu misteriosamente da esteira a mala de Caetano Braga, que regressava de Nova York.

Há suspeitas de que um intruso, talvez, com a cobertura do pessoal do aeroporto, penetre no saguão de desembarque para praticar um crime, contra a cidade e causa prejuízos ao passageiro.

NETA DE EX-SENADOR

Uma das filhas do ex-senador Clodomir Cardoso, Maria Helena, faleceu no Rio de Janeiro, onde residia.

Nasceu em São Luis, época em que o avô era influente político e exerceu cargos de prefeito de São Luis, deputado estadual, deputado constituinte federal e senador da República.

Maria Helena, ou Lenita como era chamada, sempre vinha a São Luis e hóspede de Iolenita e Celso Leal.  Era mãe do jornalista Merval Pereira, colunista conceituado do jornal O Globo e membro da Academia Brasileira de Letras.

FUTURO MINISTRO

Não vai demorar muito para o médico José Márcio Leite chegar ao cargo de ministro da Saúde.

Pela sua capacidade técnica e conhecedor dos problemas da saúde pública do país, tem cacife para isso e desfruta de conceito em Brasília.

Não à toa, recebeu convite do secretário de Saúde de Brasília, Fábio Gondim, para ocupar o cargo de chefe de gabinete.

EXTINÇÃO DA CULTURA

O que mais se fala em Brasília é a reforma do ministério federal.

Um dos ministérios possíveis de desaparecer, pasmem, é o da Cultura.

Artistas, escritores, enfim, todos os que atuam na área cultural do país, mobilizam-se para evitar que essa catástrofe administrativa aconteça.

Não custa nada o segmento cultural do Maranhão por as barbas de molho.

ILHAS TURÍSTICAS

O Ministério do Turismo anuncia um programa chamado Ilhas Brasileiras,  para fomentar o turismo, em especial, o estrangeiro.

Ilhas escolhidas para o programa: Fernando de Noronha, no litoral pernambucano, Ilha Bela, no litoral paulista, e Ilha Grande, no litoral do Rio Grande do Sul.

Como é que a Ilha de São Luis pode ficar fora de um programa desse porte?   Respostas para a Secretaria de Turismo do Maranhão.

RESTOS MORTAIS

NA última sexta-feira, o povo de Itapecuru participou com emoção da chegada ali dos restos mortais do saudoso padre Benedito Chaves.

Antes de morrer em São Luis, o sacerdote deixou escrito que desejava ser enterrado em Itapecuru, onde exerceu o vicariato por mais de vinte anos, mas os familiares contrariaram a sua vontade.

Arrependidos, após o passar dos anos, concordaram  em materializar o último desejo do religioso.

ITAPECURUENSES NO SHOW

Além da família, com o jornalista Benedito Buzar à frente, dois ilustres itapecuruenses assistiram ao show da cantora Sandra Duailibe, em homenagem ao compositor Nonato Buzar.

O psicólogo William Amorim e o médico Tarcísio Mota.

Como conterrâneos de Nonato, ficaram emocionados com o que viram e ouviram naquela deslumbrante noite, no Teatro Artur Azevedo.

sem comentário »

O MALOGRO DOS IMPEACHEMENTS NO MARANHÃO

0comentário

A Presidente da República, Dilma Roussef vive atualmente o drama do cientista, nascido em Cururupu, Aquiles Lisboa, eleito indiretamente em 1935 para governar o Maranhão.

Entre Dilma e Aquiles a separá-los o tempo e as circunstâncias políticas. Em 1935, há noventa anos, o então governador maranhense, ameaçado de sofrer impeachement, lutou desesperadamente para salvar o seu mandato, que, por inabilidade política, não soube preservar e conduziu o Maranhão a uma crise de proporção assustadora entre os três Poderes Constitucionais, com reflexos negativos na vida econômica e social do Estado.

Em 2015, a Presidente da República, vê-se, também, mergulhada em crise idêntica a do governador. Envolta em complicada e difícil situação, está sujeita a um processo de impedimento e de afastamento do exercício do cargo. Por sua total incompetência política e administrativa, conduz o país a um terrível impasse econômico e financeiro, em que a recessão, o desemprego, a inflação pontificam e causam desarranjos na vida da população.

Deixando Dilma de lado, mas mantendo o impeachement como assunto recorrente, ver-se-á que, em três momentos distintos, os políticos maranhenses tentaram usar um dispositivo de lei, que os constituintes brasileiros introduziram na Carta Magna de 1891, baseado no modelo americano, com o objetivo de catapultar do cargo os chefes do Executivo.

A primeira tentativa ocorre em 1935, com a eleição de Aquiles Lisboa ao governo do Estado. A inexperiência política do governador gera um divisor d’água na Assembleia Legislativa. Por não cumprir o acordo com a União Republicana Maranhense, pelo qual o prefeito de São Luis seria o genesista Francisco Costa Fernandes, a URM abandona a base governista e alia-se aos partidos de oposição, que se juntaram para mover contra Aquiles agressiva campanha e afastá-lo do poder.

Com a Assembleia Legislativa dividida, o plenário não funciona haja vista a presença de dois deputados a presidi-la: Salvador de Castro Barbosa e Antônio Pires da Fonseca. O grupo parlamentar minoritário, impedido de participar dos trabalhos constituintes, homizia-se no 24º Batalhão de Caçadores e impetra recurso à Corte de Apelação para garantir o livre exercício do mandato, não sem antes aprovar um dispositivo estabelecendo que, com a promulgação da nova Constituição, o mandato do governador se extinguiria.

A despeito da confusão, a nova Constituição, sabe Deus como, é votada e aprovada, mas Aquiles Lisboa, além de não reconhecê-la, requer mandado de segurança para continuar à frente do governo. A crise agora envolve os Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, este, também, se divide e julga conforme as conveniências de cada desembargador. Resultado: a vida institucional, econômica e social do Maranhão agrava-se e leva um deputado oposicionista a denunciar o governador pelo cometimento de crime de responsabilidade e pede o seu afastamento do cargo. Uma Comissão Especial considera Aquiles Lisboa inabilitado para o cargo, mas o governador, através de mandado de segurança, permanece no mandato.

A situação de confusa vira caótica. A Associação Comercial, preocupada com a crise, requer ao Presidente Getúlio Vargas intervenção no Estado. A 5 de julho de 1936, o major Roberto Carneiro de Mendonça é nomeado interventor federal no Maranhão, que desarma os espíritos, restaura a pacificação política e as atividades produtivas retornam.

A segunda vez que o impecheament tenta ser aplicado, para satisfazer interesses políticos, ocorre em maio de 1964, depois da eclosão do movimento militar, que derrubou o presidente João Goulart da Presidência da República.

Uma carta do general Anacleto Tavares da Silva, endereçado ao general Justino Alves Bastos, comandante do IV Exército, gera uma crise política, na medida em que o oficial maranhense alerta o companheiro de farda para o fato de a Revolução cassar mandatos políticos, por motivos ideológicos, mas “deixava livre os administradores públicos implicados com a corrupção, negociatas, contrabandos, fraudadores e responsáveis pela desastrosa situação em que vivia o Maranhão”.

A carta do general Anacleto assanha imediatamente os oposicionistas, que, com base nela, aproveitam para acusar e incriminar o governador Newton Bello, o qual, pela imprensa, rebate as acusações a ele imputadas. Para imobilizar o chefe do Executivo, duas ações são praticadas. A primeira visa dar ao caso repercussão nacional, ato que os deputados federais Ivar Saldanha, Alexandre Costa e Henrique de La Rocque Almeida se encarregam de fazê-lo, com a leitura da carta no plenário no Congresso Nacional. A segunda, e mais conseqüente, veio da parte dos deputados estaduais Manoel Gomes, Francisco Figueiredo, Antenor Abreu e José Mário de Araújo Carvalho, que formalizam denúncia contra o governador Newton Bello, acusado de prática de crime de responsabilidade, explicitamente configurado no “desrespeito às decisões judiciais, falta de pagamento de dívidas do Estado e retardamento na publicação de leis e resoluções do Poder Legislativo”.

Por conta dessa denúncia, a Assembleia cria Comissão Especial para emitir parecer à representação contra o governador, o qual mobiliza a sua bancada, com maioria no plenário, para liquidar o problema que o incomodava pela repercussão que a imprensa a ela empresta.

Em ação rápida e fulminante, realizada em duas sessões extraordinárias, a maioria governista resolve o problema. Na primeira sessão, a 24 de maio de 1964, aprova o “arquivamento da denúncia por considerá-la frívola e improcedente”; na segunda, em 27 do mesmo mês, rejeita a denúncia apresentada pela bancada oposicionista, que pretendia enquadrar o governador em crime de responsabilidade.

A terceira tentativa de formatação do impeachement no Maranhão vem à tona pela iniciativa do Coletivo de Advogados em Direitos Humanos, que inspirado em objetivos essencialmente políticos, ingressa na Assembleia Legislativa, com uma denúncia cujo alvo era a governadora Roseana Sarney, sob a justificativa de ela praticar crimes contra os direitos humanos, tomando por base fatos acontecidos na Penitenciária de Pedrinhas.

Sustentado em parecer da Procuradoria-Geral da Assembleia Legislativa, segundo a qual o pedido era destituído de “pressuposto válido para o prosseguimento do procedimento parlamentar”, além da “ausência de justa causa para início da persecução por crime de responsabilidade” o presidente Arnaldo Melo, monocraticamente, em 16 de janeiro de 2013, fulmina uma ação sem propósito através de um despacho simples e resumido em uma palavra: arquivamento.

sem comentário »

O SENADOR E A PREFEITURA

0comentário

Antigamente se dizia que cabeça de juiz e barriga de mulher grávida só se sabe o que tem dentro quando se abre.

Cabeça de político também se enquadra nesse axioma.

Veja-se, por exemplo, o senador Roberto Rocha. No ano passado se elegeu, com dificuldade, para o Senado, mas já pensa ser candidato a prefeito de São Luis, nas eleições de 2016.

Que cabeça é essa que troca um mandato de nove anos, numa das mais desejadas Casa do Parlamento brasileiro, por um cargo de prefeito de São Luis, cidade reconhecidamente cercada de problemas por todos os lados?

CONFUSÃO DE NOMES

Muita gente ainda não se deu conta do nome correto do atual secretário de Articulação Política e Assuntos Federativos.

Só os que os conhecem mais de perto e/ou são seus correligionários políticos, não confundem Márcio Jerry com um quase homônimo.

O quase homônimo é o famoso cantor da Jovem Guarda, Jerry Adriane.

HISTÓRICO E GEOGRÁFICO

O escritor Jomar Moraes encontrou-se recentemente com o governador Flávio Dino.

Em meio à conversa, o governador perguntou ao escritor sobre o Dicionário Histórico-Geográfico da Província do Maranhão, do renomado professor César Marques.

Jomar respondeu que o Dicionário, por ele editado recentemente, está esgotado.

Flávio, que sabe da importância da obra, assegurou a Jomar que o seu governo irá reeditá-la.

DEPUTADO SURPREENDE

O deputado federal Aluísio Mendes continua surpreender o mundo político maranhense.

Primeiro, quando assumiu a liderança de um grupo formado por quarenta parlamentares, na Câmara Federal.

Agora, indica um técnico de sua confiança para o cargo de superintendente da Companhia de Desenvolvimento do Vale do São Francisco e do Parnaíba, que a presidente Dilma nomeou e sem pestanejar.

Vem aí outra ação de Aluísio e que vai dar o que falar.

MÚSICAS E NOVELAS

Dois cantores maranhenses a TV Globo selecionou para participar da trilha sonora de duas novelas que ora estão no ar: I Love Paraisópolis e A regra do jogo.

Mano Borges, com a bela canção de sua autoria, Você é tudo, gravada pela banda Jamil e Uma Noite, aparece no final da novela I Love Paraisópolis; Alcione, com a composição Juízo Final, está na abertura da novela A regra do jogo.

Mas não é a primeira que isso acontece, com relação aos artistas maranhenses. Nonato Buzar, Zeca Baleiro e Antônio Vieira, também, já emprestaram músicas às trilhas sonoras de novelas da TV Globo.

GASPAR NAS ORIGENS

O empresário Carlos Gaspar volta a praticar um ato que interrompeu por motivos estritamente particulares.

Ele, nos bons tempos, pelo menos uma vez ao ano, viajava para Portugal para rever parentes e as suas origens.

Para matar as saudades, desde ontem Gaspar está em Lisboa, onde fica até o final do mês.

DEBANDADA GERAL

Custou um pouco, mas a velha prática reinante na política maranhense está de volta e com toda força.

A migração dos políticos para o partido que se encontra no poder, ou seja,  aquele em que o governador está filiado.

Nos últimos dias, a corrida com destino ao PC do B tem sido acelerada. Na contra mão disso, o PMDB, que vem perdendo filiados aos montes.

A recente migração do prefeito de Viana, Chico Gomes, um sarneísta de carteirinha, do DEM para o para PDT, deixou os meios políticos em estado de perplexidade.

PREFEITA E ATRIZ

Os que gostam de ver a novela A regra do jogo, que começou agora, observaram um fato ficcional que tem tudo a ver com a realidade maranhense.

A atriz Giovanna Antonelli, que vive o papel de Atena, é uma golpista que adora viver na opulência, mas por conta de recursos ilegais.

Qualquer semelhança de Atena com a prefeita Lidiane Leite, do município de Bom Jardim, é mera coincidência.

LANÇAMENTO E POMPA

Na história de lançamento de livros, ainda não houve nenhum que se comparasse ao do livro de Lourdinha Lauande – História da  Medicina em  São Luis.

Ela foi recebida no Conselho Regional de Medicina com discursos, hinos, pompas, honras e coquetel.

Lourdinha repetiu o feito de 2004, quando lançou o livro São Luis Corpo e Alma, em comemoração aos 400 anos da cidade. O evento de segunda-feira foi tão concorrido e prestigiado quanto ao primeiro.

Em tempo: o novo livro da historiadora, a partir desta semana, pode ser encontrado na Academia Maranhense de Letras, a quem a autora deu a primazia de vendê-lo.

EMPREENDEDORISMO E CULTURA

A convite do presidente da Academia Maranhense de Letras, Benedito Buzar, o superintendente do Sebrae-Ma, João Martins, participou da reunião da instituição, na quinta-feira passada.

O encontro foi o mais proveitoso possível, pois as duas instituições iniciaram um processo de produtiva parceria e inédita no país.

O Sebrae-Ma e a AML firmaram um acordo de trabalho,em que o empreendedorismo e a cultura vão caminhar juntos.

PRIMO DO SENADOR

O senador João Alberto emplacou um primo, aliás, um técnico competente, num órgão importante da administração pública federal.

Trata-se de Marco Fernando Jacinto para vice-diretor da Caixa Econômica Federal.

Ele, final do governo de Roseana Sarney, ocupou o cargo de secretário de Gestão e Previdência, no qual realizou bom trabalho.

GESTORES DA CEMAR

A Cemar é atualmente uma empresa tão bem administrada que exporta gestores para outros estados.

Recentemente a Equatorial, dona da Cemar, comprou a Celpa do Pará.

Para dar qualidade e eficiência à nova empresa paraense, 27 técnicos da Cemar foram recrutados para ali ocupar cargos de gestores.

DESFILE EM ITAPECURU

O desfile de sete de setembro, em Itapecuru-Mirim, pode ser cancelado pelo prefeito Magno Amorim.

Motivo: está previsto uma manifestação de protesto da população contra a administração do atual gestor municipal.

A manifestação ocorrerá em seguida ao desfile estudantil.

 

sem comentário »

DEPARTAMENTO DE INFORMAÇÃO DA VIDA ALHEIA

0comentário

Semanas atrás, o confrade Jomar Moraes, requentou um texto de sua autoria, publicado no século passado, em homenagem ao aniversário de São Luis, sobre o Senado da Praça, importante Instituição desta cidade.

Hoje, também, requentarei matéria de minha autoria, publicada em O Imparcial, a 29 de maio de 1975, portanto, há quarenta anos, sobre outra Instituição que marcou  São Luis, o famoso DIVA ou Departamento de Informação da Vida Alheia.

O saudoso comerciante José Mendonça, proprietário do Foto Mendonça, localizado na Rua de Nazaré, foi um dos fundadores desse movimento. Antes de sua partida para a eternidade, falou-me à vontade e sem constrangimento a respeito da instituição que marcou época e era temida pelo seu poder de fogo na arte de falar mal.

Para situar a entidade no tempo e no espaço, Mendonça revela, como informação preliminar, o nome dos fundadores da Instituição:  Mimi Silva, tesoureiro do Estado, Luis Silva, funcionário do Banco do Brasil, Amadeu Araújo, representante da Brahma, Antero Matos, comerciante, Soriano Caldas, funcionário público aposentado, e o comerciante Benedito Silva.

Por volta de 1938, esse grupo se reunia na Praça João Lisboa, das 19 às 21 horas, para conversar sobre variados assuntos. Esgotada a pauta, outras conversas vinham a lume, acerca de fatos e atos da sociedade maranhense, à época, não tão numerosa, portanto, ao alcance da língua dos que gostavam falar da vida alheia.

Pelo fato de se reunirem todas as noites na mesma hora e no mesmo lugar, aquelas pessoas passaram a ser alvo das atenções dos olhares e dos ouvidos dos moradores da cidade, que supostamente a elas atribuíam o prazer de falar mal da gente maranhense. Veio daí o nome de batismo dado ao grupo: Departamento de Informação da Vida Alheia ou DIVA, sigla pela qual ficou conhecida.

Foi graças a esse nome que o grupo ganhou notoriedade e fama. Por isso, os que dela faziam parte não ficaram estomagados ou aborrecidos com o batismo do povo. Afinal de contas, comentar e discutir atos, ações e condutas de quem se comportava incorretamente ou infringisse as regras e os costumes da sociedade, era coisa corriqueira nesta cidade que habitualmente gostava e cultivava a arte de falar mal de tudo e de todos.

As reuniões do DIVA praticamente não se realizavam durante o dia. Depois do jantar, eles rumavam para a Praça João Lisboa, onde se juntavam e passavam em revista os acontecimentos merecedores de comentários, criticas e censuras.  Às vezes, aos domingos, das 9 às 12 horas, reuniam-se, em caráter extraordinário, para apreciar algum fato inesperado e de repercussão na cidade.

Só um assunto, durante um determinado tempo, deixou de ser focalizado em suas reuniões: a política. Não por serem apolíticos ou pouco se interessassem pelos negócios públicos de São Luis e do Maranhão. Mas por causa da situação do país, então, sob o domínio da ditadura de Getúlio Vargas e do interventor Paulo Ramos, que inibia qualquer tipo de reunião em praça pública. O desacato a essa ordem, implicava em prisão.

Quando o Brasil entra na II Guerra Mundial, o DIVA, também, viveu momentos aflitivos. Como o governo proibia a presença noturna de gente nas ruas e praças da cidade, a casa de Benedito Silva, na Rua das Barrocas, foi a alternativa encontrada para o grupo não se dispersar. Ali, se reuniam e ouviam o noticiário transmitido diretamente da Inglaterra, pela Rádio BBC, sobre o desenrolar do movimento belicoso.

Um fato, contudo, os deixou tristes e desolados. Na gestão do prefeito Pedro Neiva de Santana, a prefeitura realizou ampla reforma na Praça João Lisboa, que não ficou pedra sobre pedra. Por força disso, mudaram de pouso. Tentaram se instalar em frente à igreja do Carmo, mas não se adaptaram e nem ficaram à vontade. Decidiram se reunir nas imediações do prédio dos Correios e Telégrafos.

Refeita a praça, o grupo volta a funcionar com rigor e vigor, e ganha   impulso qualitativo e quantitativo com o ingresso de Franklin da Costa, José Dourado, Mário Rego, Tiago Silva e Evandro Rocha.

Como toda organização que se preza, após essa fase de fastígio, a Instituição vive uma temporada crítica, chegando mesmo a dissolver-se por uns tempos, em decorrência do falecimento de alguns membros, dentre os quais Antero Matos e Mimi Silva.

José Mendonça e Benedito Silva, remanescentes do grupo, não se conformam e nem aceitam o engessamento da entidade, principalmente porque o país se livrara do Estado Novo. Para conviverem com os novos tempos, trouxeram para o seu convívio personalidades do nível de Castro Barbosa, gerente da Sul América de Seguros, Alberto Bello, funcionário da Alfândega, João Trindade, funcionário da Imprensa Oficial, Raimundo Moreira, funcionário do Tesouro Nacional, e o comerciante Castro Gomes.

Mas essa turma não consegue sustentar a instituição como nos outros tempos.  Aos poucos e lentamente perde a importância e deixa de ser referência na cidade, sobretudo porque pessoas estranhas e não confiáveis passaram a freqüentá-la. Resultado: o DIVA sai de cena e o seu lugar é  ocupado por outro grupo, este, politizado, razão pelo qual recebe o nome de Senado da Praça, e segue a tradição da organização desaparecida:  aprecia a arte de falar da vida alheia, no suposto de que essa prática, segundo a Organização Mundial da Saúde,  faz bem à alma e ao corpo.

 

sem comentário »

A PREFEITA DAS BUTIQUES

0comentário

A Polícia ainda não descobriu a boutique que vende produtos sofisticados para a prefeita de Bom Jardim.

Os policiais acham que através das butiques poderão encontrar a mulher que gostava de ser elegante por conta dos recursos públicos.

Lidiane não comprava só nas boutiques de São Luis. Ela gostava de Brasília, não para tratar de problemas administrativos, mas esbaldar-se na aquisição de artigos de luxo, que dessem a ela projeção e notoriedade.

POSTO IPIRANGA

Até agora não se sabe o paradeiro da prefeita de Bom Jardim.

Não é preciso ir tão longe para saber. Basta encontrar o primeiro Posto Ipiranga e perguntar.

CAMISA DO FLUMINENSE

O vandalismo das grandes cidades chegou ao interior do Maranhão.

O túmulo em que está enterrado o saudoso artista Nonato Buzar, na cidade de Itapecuru, onde  nasceu e fez questão de ser enterrado,  foi literalmente destruído.

O vandalismo tinha um objetivo: surrupiar os objetos que os amigos de Nonato colocaram no seu caixão.

Mas os vândalos se deram mal. A única preciosidade encontrada foi uma  camisa do Fluminense, time da paixão de Nonato.

ENXUGAR O SECRETARIADO

O governo do Maranhão, ao longo do tempo, procura  imitar o governo federal no que diz respeito à estrutura administrativa.

Nesse particular, a presidente Dilma Roussef, para atender às recomendações da Agenda Brasil, anuncia a extinção de dez órgãos do primeiro escalão do governo.

O governador Flávio Dino tem agora a grande oportunidade de enxugar a máquina administrativa do Maranhão, extinguindo órgãos  completamente dispensáveis, que só servem para dar empregos a afilhados políticos e onerar a folha de pessoal.

DIETA DE DILMA

Na recente visita da presidente Dilma Roussef a São Luis, para inaugurar obras realizadas com recursos federais, encontrou o ex-ministro do Turismo, Gastão Vieira.

Depois dos afagos mútuos, Dilma achou Gastão com excesso de peso e o aconselhou a perdê-lo por meio de dieta e uso de bicicleta.

Gastão acatou a sugestão de Dilma: comprou a bicicleta e cumpre   rigorosamente o cardápio da presidente.

BIOGRAFIA DE SARNEY

Já existe livro que trata da vida e da obra de José Sarney.  A jornalista Regina Echeverria é autora da obra.

Sarney acha o livro de Regina bom e bem escrito, mas há anos escreve não uma obra biográfica, mas um livro que mostra a sua trajetória política brasileira, em que atos e fatos, ainda não abordados ou desconhecidos pela opinião pública, serão devidamente tratados.

O livro de memórias de Sarney, intitulado “Boa noite, presidente”, foi  concluído, mas só será lançado quando o país voltar à calmaria.

O ESPERTO FUFUQUINHA

Só agora se sabe como e por que o jovem deputado Fufuquinha é tão prestigiado pelo presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha.

O jornal O Globo se encarregou de contar a verdade sobre o bom relacionamento de Fufuquinha com Eduardo Cunha.

O deputado maranhense é cliente de uma empresa de assessoria e divulgação da filha do presidente da Câmara, Daniella Cunha.

MOVIMENTO NO INTERIOR

A TV Globo presta ao país um grande serviço ao divulgar fatos que ocorrem em cidades brasileiras e que precisam ser banidos da vida pública.

De um lado, as extravagâncias de prefeitos e vereadores com o dinheiro público. De outro lado, a reação da população contra essa indevida e desastrada maneira do uso dos recursos em benefício próprio.

No interior do Maranhão, o povo despertou para essa realidade e começa reagir contra os altos vencimentos dos membros do Executivo e do Legislativo municipais.

TRISTE MARANHÃO

Um deputado de nossa bancada federal, acusado de realizar as mais diversificadas maracutaias, carrega o Maranhão na sua identidade.

Por ser atualmente o vice-presidente da Câmara Federal, corre o risco de ser ungido à presidência do Poder Legislativo, se o deputado Eduardo Cunha renunciar ou for expelido do cargo que ora exerce.

Em Brasília, uma forte movimentação política impedirá o parlamentar maranhense de chegar ao posto mais alto do Congresso Nacional, pois é useiro e vezeiro na prática da  “corrupção passiva, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha”.

BAIXO NÍVEL

O governador Flávio Dino precisa o quanto antes chamar a atenção de seus auxiliares pelo cometimento de indelicadezas e maus exemplos.

Dias atrás, a Associação Comercial convidou o secretário de Indústria e Comércio para falar sobre Cenários Econômicos e o Novo Ambiente de Negócios do Maranhão.

Para surpresa geral e decepção dos convidados, o secretário passou o tempo inteiro a criticar o seu antecessor, o competente economista, Maurício Macedo.

Sobre o assunto que teria a incumbência de falar não disse absolutamente nada.

ANIVERSÁRIO DE RONALDO

Há anos o intelectual Ronaldo Costa Fernandes não passava o seu aniversário em São Luis.

Este ano, fez uma surpresa à mãe e à irmã, Ceres. Veio de Brasília e comemorou com elas o dia em que nasceu: 29 de agosto.

Ronaldo compareceu à reunião de quinta-feira, da Academia Maranhense de Letras, onde recebeu os cumprimentos dos confrades.

sem comentário »