FILME SEM ELEIÇÃO DE CHATÔ

0comentário

Eu não assisti ao filme “Chatô o Rei do Brasil” sobre a trajetória particular e pública do poderoso jornalista Assis Chateaubriand.

Pelo pouco tempo de exibição nas salas de projeção, concluo que o filme não agradou ao público brasileiro. Em São Luis, nem se fala, foi meteórica. Poucas pessoas viram a produção cinematográfica dirigida por Guilherme Fontes e baseada no livro homônimo do jornalista Fernando Morais.

Pelo lido e visto, a película omitiu o sinistro episódio da eleição de Chateaubriand a senador no Maranhão, depois de perder o mandato no estado de origem – a Paraíba, obrigando-o a realizar maquiavélica operação política, para não perder a imunidade parlamentar e continuar impunemente fazendo negociatas, dentro e fora do país.

Confesso o meu estarrecimento e a minha revolta pela maneira como o diretor Guilherme Fontes – passou mais de quinze anos ludibriando os órgãos de financiamento do governo – excluiu do seu trabalho cinematográfico manobra espúria, mas de grande repercussão no país inteiro, razão pela qual não podia ser descartada ou escondida da opinião pública.

Omitir aquela vergonhosa operação política, que galvanizou as atenções da sociedade brasileira, começada em setembro de 1954, no Rio de Janeiro, e concluída em março de 1955, em São Luis, é querer apagar de nossa memória histórica, uma deslavada barganha, da qual participaram altas figuras da República, todas interessadas em devolver a Chateaubriand um cargo eletivo, que os paraibanos acharam por bem não lhe outorgar e, por tabela, propiciar a condução de Juscelino Kubitscheck ao Palácio do Catete.

Toda essa trama, relatada pelo jornalista Fernando Morais, no livro “Chatô o Rei do Brasil”, foi projetada e costurada pelas “raposas” do PSD. Quem auxiliou e assessorou o jornalista paulista a obter as informações a respeito da eleição de Chatô a senador pelo Maranhão, foi este colunista. Durante vários dias, ele e eu compulsamos jornais da Biblioteca Pública e dos Diários Associados, entrevistamos políticos do governo e da oposição, que tomaram parte ou denunciaram aquela nefasta negociata, que o diretor do filme, lamentavelmente, suprimiu do roteiro.

Fernando Morais dedicou quase todo o capítulo 32 de seu livro às peripécias perpetradas pelos cardeais do PSD nacional – Amaral Peixoto, Juscelino Kubitscheck, Tancredo Neves, Vitorino Freire e Renato Archer, que vieram a São Luis confabular e convencer o governador Eugênio de Barros, que resistiu o quanto pôde, a chancelar uma operação política que resultou na renúncia do senador Antônio Bayma e do suplente Newton Bello, por meio da qual se realizou no Maranhão a intempestiva eleição de Assis Chateaubriand e do suplente, Públio Bandeira de Melo, ao Senado da República.

Sem condições de enfrentar os candidatos vitorinistas, às oposições só restaram o protesto e a participação bisonha num pleito desmotivado e com candidatos desconhecidos: o coronel da Aeronáutica, Armando Serra de Menezes e o jornalista Franklin de Oliveira, que integrava o corpo redacional da revista O Cruzeiro junto com Neiva Moreira. Ambos foram demitidos e perseguidos pelo ex-patrão.

Como a eleição não corria risco, Chateaubriand chegou a São Luis um dia antes do pleito. Sem fazer discurso e participar de nenhum ato público ou comício, limitou-se a fazer uma pequena saudação ao descer do avião: “Viva o Maranhão.”

Com apenas três palavras, Chatô conquistou uma acachapante vitória nas urnas, resultado esperado e que confirmava a força de Vitorino Freire no Maranhão. Ironia da eleição de Chateaubriand: após diplomado, não exerceu o mandato de senador. Foi nomeado pelo presidente JK embaixador do Brasil na Inglaterra, onde pintou e bordou, e nunca mais pisou o solo maranhense.

ALEMÃO OITENTÃO

Na última quinta-feira, 24 de dezembro, familiares de Cláudio Vaz dos Santos (Alemão) chamaram os amigos para a celebração de importante efeméride.

A comemoração, com muito afeto e excelente café da manhã, dos oitenta anos de Cláudio Alemão, figura querida de todos, que sabe cativar e cultivar amizades, e exemplo de cidadão e esportista.

O octogenário, cuja vida foi pautada na prática do bem e no cumprimento das obrigações familiares, merece não apenas aquela afetuosa comemoração, mas uma estátua pelas inúmeras iniciativas e ações desenvolvidas nesta cidade em benefício da juventude maranhense.

CUSCUZ IDEAL

O senador Roberto Rocha comemorou o seu primeiro ano de mandato no Senado da República de maneira bem maranhense.

Mandou servir aos amigos que o ajudaram a se eleger uma farta quantidade de cuscuz ideal, delicioso prato que há anos faz parte da tradição gastronômica de São Luis.

Quando falo do cuscuz ideal não posso esquecer o saudoso Erni, conhecido popularmente por Drácula. Ele costumava dizer que em São Luis só quem tinham ideal era a médica Maria Aragão e o cuscuz do João Paulo.

A FICHA DO VICE

Se o deputado Eduardo Cunha perder o cargo de presidente da Câmara Federal, o seu eventual substituto, Waldir Maranhão, não terá a mínima condição de ocupar o seu lugar.

O parlamentar maranhense, 1º vice-presidente da Câmara, tem ficha suja e só perde para ele mesmo.

BRADESCO E LICITAÇÃO

O Bradesco venceu a licitação para administração da conta da Câmara Municipal de São Luis.

Como pode uma instituição bancária vencer uma licitação, que até hoje não se sabe absolutamente nada sobre a recente operação dolosa, realizada por agente do Bradesco, em conluio com vereadores e servidores, que lesaram a própria Câmara Municipal?

Será que Freud explica?

PROBLEMA ELEITORAL

Nem bem sentou na cadeira de presidente do Tribunal Regional Eleitoral, o desembargador Lourival Serejo se viu desafiado a enfrentar um problema grave.

Trata-se da situação física do Fórum Eleitoral de São Luis, cuja estrutura está com problemas de rachaduras, que comprometem o andamento dos trabalhos eleitorais, num ano marcado pela realização de eleições para os cargos de prefeito e vereadores da Capital.

ROTA DO PIOCERÃO

Antigamente quando os secretários de Turismo do Piauí, Ceará e Maranhão se reuniam para tratar de problemas do setor, dizia-se que o encontro era para incentivar a Rota do Piocerão.

Nos novos tempos, as reuniões para a discussão de problemas do turismo regional mudaram. A Rota do Piocerão cedeu lugar à Rota das Emoções.

COM E SEM CUNHA

Dois deputados federais da bancada maranhense, em relação ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha, mudaram de posição rapidamente: Hildo Rocha e João Marcelo.

Ao chegarem ao Congresso Nacional, acharam que Eduardo Cunha tinha o biótipo de herói.

Com o passar do tempo, chegaram à conclusão de que o presidente da Câmara de Deputados assemelha-se a Herodes.

 

sem comentário »

GENERAL ITAPECURUENSE GOVERNOU SÃO PAULO

0comentário

No meu tempo de criança, havia uma praça pública, em Itapecuru, com o nome de General Hastimphilo de Moura. Durante anos, procurei saber quem era e o que fez para merecer tão significativa homenagem do povo de minha terra. Meus esforços foram em vão.

Passaram-se os anos e eis que dias atrás tive a grata surpresa de saber tudo e mais alguma coisa a respeito daquele militar, de nome complicado e pomposo, que realizou brilhantes feitos no Brasil.

Tais informações foram a mim repassadas por Jucey Santana, confreira da Academia Itapecuruense de Ciências, Letras e Artes, que, por meio da internet, descobriu e rastreou a trajetória do general Hastimphilo, que se impôs no cenário nacional pela competência, hombridade e trabalho em prol do país, mas tão ignorado no Maranhão.

A minha alegria multiplicou-se ao saber ser ele itapecuruense, nascido a 22 de dezembro de 1865, filho do comendador português João Ribeiro de Moura e de Leonília Frazão de Moura. A família Moura residiu 33 anos em Itapecuru, onde o pai se estabeleceu com um empório de importação e exportação na Rua do Egito. Em 1874, mudaram-se para São Luis, onde os filhos estudaram e o comendador assumiu a diretoria do Banco Comercial do Maranhão.

Em São Luis, o garoto Hasthimphilo estudou no Liceu Maranhense. Queria seguir a carreira militar, mas o pai não deixou. Fez o curso de contabilidade e abraçou os negócios comerciais. Pensando na atividade militar, foi para o Rio de Janeiro e ingressou em 1885 na Escola Militar da Praia Vermelha. Aluno brilhante na Escola Superior de Guerra e na profissão de engenheiro.

Na vida militar, ocupou postos de destaque e serviu em várias unidades do Exército brasileiro. Por onde passou, deixou o nome gravado como oficial de primeira linha. Em 1891, casou com a jovem Clarinda, da alta sociedade carioca. Pelo desempenho profissional, em 1892, foi indicado pelo astrônomo belga Luiz Ferdinand Cruls, para integrar a comissão demarcadora do Planalto Central, com vistas à instalação da futura capital do país.

De volta ao Rio de Janeiro, assumiu importantes funções no Ministério da Guerra: comandante da Escola Prática do Exército, diretor da Fábrica de Cartuchos, chefe do Departamento de Material Bélico e do Pessoal de Guerra, chefe da Casa Militar da Presidência da República, nos governos de Epitácio Pessoa e Artur Bernardes, comandante da 2ª Região Militar de São Paulo.

Participou ativamente da Revolução de 30, da qual recebeu a incumbência de governar interinamente o Estado de São Paulo. Na sucessão do governador do Maranhão, Magalhães de Almeida, foi insistentemente convidado para substituí-lo. Radicado no Rio de Janeiro, onde moravam os sete filhos, declinou do convite. Aposentou-se aos 70 anos em 1935. Intelectual e homem de letras escreveu o livro “Da Primeira e Segunda República”.

Faleceu a 25 de junho de 1956, com a idade de 91 anos. Em 1942, esteve em sua terra natal para rever as suas origens. Na condição de itapecuruense, doou à paróquia de Nossa Senhora das Dores as terras que herdou.  Foi homenageado pelo prefeito Bernardo Matos, que deu o seu nome à praça da igreja matriz da cidade. Anos depois, a praça com o nome do general, passou a denominar-se Padre Alfredo Bacellar.

Convém ressaltar que em 1996, uma bisneta do general Hasthimphilo, a embaixatriz Beatriz de Moura, residente na França, esteve em Itapecuru,  atrás de informações de seus antepassados, mas nada encontrou. Nem a praça com o nome do bisavô.

VINHOE BOFETADA

O desagradável episódio ocorrido na semana passada em Brasília, na residência do senador Inocêncio de Oliveira, em que a ministra da Agricultura, Kátia Abreu, jogou uma taça de vinho no rosto do senador José Serra, fez lembrar o que aconteceu nos anos 1940, em São Luis, tendo como protagonistas o médico Osvaldo Nunes Freire, diretor do Departamento de Saúde Pública, e o escritor Josué Montello, secretário-geral do Governo do Maranhão.

A cena ocorreu no Palácio dos Leões e numa acalorada discussão em que  Nunes Freire desferiu violenta bofetada no rosto de Josué Montello. As mais variadas versões vieram à tona em torno daquela violenta bofetada. Algumas até impublicáveis.

AS VAQUEJADAS DE JAIME

Encontro o ex-deputado Jaime Santana e falo da tramitação na Câmara dos Deputados do projeto que considera a Vaquejada Patrimônio Cultural e Imaterial da Humanidade.

Jaime fica contente e relembra as terríveis criticas da época em que o pai, Pedro Neiva, governou o Maranhão e ele, como secretário da Fazenda, introduziu a Vaquejada como novidade esportiva, no interior do Estado.

CRIADOR E CRIATURA

Na política maranhense são abundantes os casos em que as criaturas se voltam contra os criadores.

O passado e o presente estão repletos de exemplos, nos quais as criaturas pagam um preço alto pelo cometimento de atos desleais contra os que os criaram e os lançaram na vida pública.

O mais recente caso envolvendo criador e criatura tem a cidade de São José de Ribamar como cenário.

VOLTA ÁS ORIGENS

A ex-governadora Roseana Sarney, na sua irrefreável vontade de retornar à militância a atividade partidária, mostrou amadurecimento e comportamento exemplar.

Se quisesse, ela que foi deputada federal, senadora e governadora, poderia cobiçar um posto alto no partido a que está filiada.

Ao contrário disso, e com humildade, optou por uma função modesta, mas significativa: a presidência do PMDB Mulher.

EXPORTAÇÃO DE BOIS

A primeira exportação de bois pelo Porto do Itaqui teve o destino da Venezuela .

A segunda exportação, com mais de 12 mil bovinos, será para o Líbano, antes do fim do ano.  A colônia libanesa de São Luis está em êxtase.

A terceira exportação se dará em junho de 2016. Serão os Bois de Pindaré, Morros, Icatú, Axixá,Nina Rodrigues, Maioba e Rosário, que vão para os Estados Unidos se apresentar em eventos festivos e shows.

CATILINÁRIA

Essa operação Catilinária, desencadeada pela Polícia Federal, me transportou para os anos 1960, quando ingressei na Faculdade de Direito de São Luis, mediante provas escrita e oral.

O vestibular exigia conhecimento de latim. Para enfrentar a banca examinadora, sabia na ponta da língua a famosa frase do discurso de Cícero: Quosque tandem, abutere Catilina, pacientia nostra?

Traduzida para o português, ficou assim: “Até quando, Catilina, abusarás de nossa paciência?” Até hoje não a esqueci.

sem comentário »

O IMPEACHEMENT QUE NÃO HOUVE

0comentário

Os menos antenados costumam dizer que o Maranhão foi o primeiro estado do Brasil a empregar o dispositivo constitucional conhecido por impeachement para apear um governador do poder.

Quem afirma isso não sabe o que diz e comete grave falta de conhecimento político acerca de um episódio ocorrido em 1935, em São Luis, com o envolvimento dos três poderes e que demorou mais de um ano para o seu desfecho.

É verdade que houve o ato gerador do impeachement para afastar o governador Aquiles Lisboa do governo, tanto que as formalidades para tal cometimento foram desencadeadas, mas não chegaram a se materializar pela ação do presidente Getúlio Vargas, que usando medida de força, interrompeu a consumação do ato final do processo, para atender aos apelos da Associação Comercial do Maranhão, preocupada com a crise que ameaçava engessar a vida econômica do Estado.

A iniciativa do Chefe da Nação, tomada para acabar a confusão política reinante no Maranhão e danosa à população, fez-se através de decreto, assinado a 5 de julho de 1936, que produziu efeito mais rápido e mais eficaz do que o impeachement: a intervenção federal, por meio da qual o  governador Aquiles Lisboa foi sumariamente afastado do cargo e substituído pelo interventor, major Roberto Carneiro de Mendonça, que recebeu a missão de restabelecer a tranqüilidade social e fazer as atividades econômicas voltarem à normalidade.

Mas o que aconteceu para causar tão grande celeuma política, a ponto de fazer um grupo de deputados se socorrer do expediente do impeachement, para expulsar do governo um cientista maranhense tão respeitado e conceituado dentro e fora do Brasil? Resposta: a inabilidade e a inexperiência do médico Aquiles Lisboa, que ao assumir o cargo de governador deixou de cumprir o acordo com a União Republicana Maranhense, que previa a nomeação de um membro do partido à prefeitura de São Luis.

Com isso, a Assembleia Legislativa dividiu-se e passou a funcionar com dois presidentes, cada um tentando, mas sem conseguir, conduzi-la a bom termo e com vistas à elaboração da nova Constituição do Estado do Maranhão.

Com dois presidentes e um governador que não administrava e nem governava, o quadro político ficou confuso e para dirimi-lo chegou ao Poder Judiciário, que, também, dividiu-se, fazendo a crise aumentar e sem encontrar a fórmula política e jurídica capaz de desarmar os espíritos. Nesse cipoal de divergências e conflitos, vem a lume o decreto de intervenção federal, assinado pelo presidente Getúlio Vargas.

Ainda sobre o impeachement, vale informar que outra tentativa de aplicá-lo no Maranhão foi perseguida, mas sem também prosperar. Isso ocorre em maio de 1964, quando deputados oposicionistas, com base numa carta endereçada pelo general Anacleto Tavares ao general Justino Alves Bastos, comandante do IV Exército, consubstanciada no pedido de intervenção do movimento militar na vida pública do Maranhão, onde, segundo ele, a corrupção grassava ilimitadamente.

A carta do general maranhense serviu de sustentação para a formalização de denúncia contra o governador Newton Bello, acusado de prática de crime de responsabilidade. Mas a representação contra o chefe do Executivo morreu no nascedouro, porque a maioria da Assembleia mandou arquivá-la por considerá-la “frívola e improcedente”.

NA CORRIDA DA COMUNICAÇÃO

Se comparada a estrutura de comunicação do governador Flávio Dino com a do prefeito Edivaldo Holanda, a deste perde quilômetros de distância para aquele.

Por contar com mais recursos e melhores profissionais, o órgão de comunicação do governo teoricamente dispõe de um poder de fogo muito mais forte que o da prefeitura de São Luis.

Mas no dia a dia o que se vê é que o serviço de comunicação do prefeito é mais eficiente e tem melhor atuação junto à opinião pública do que o do governador.

Não é a toa que atualmente a imagem de Edivaldo está situada num plano mais alto do que a de Flávio.

IMPEACHEMENT NÃO É GOLPE

Quem conhece o advogado Flávio Dino e sabe de sua privilegiada competência jurídica, fica pasmo com o que ele diz ou escreve quando classifica o impeachement como golpe.

Custa crer que um homem da sua dimensão intelectual e com passagens em cargos iluminados na esfera do Direito, defenda um ponto de vista que vai de encontro à Constituição do Brasil.

Até eu, que não sou advogado, mas um simples bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais, diplomado pela antiga Faculdade de Direito da Rua do Sol, sei que na nossa Carta Magna, a partir do artigo 85, os crimes de responsabilidade do Presidente da República não são configurados como instrumentos de golpe, mas ferramentas democráticas, com os seus termos definidos em lei desde 1950.

ASSESSORIA DE ROSEANA

A ex-governadora Roseana Sarney, no momento, não exerce nenhum cargo público. Não é por isso que assista ou deixe os atos e fatos políticos correrem alheios à sua vontade.  Para acompanhá-los com a atenção que merecem, precavidamente, montou uma assessoria para com ela pensar, refletir e fazer projeções no campo da futurologia.

São ex-auxiliares de confiança e de reconhecido QI que fazem parte da assessoria de Roseana: a ex-secretária da Cultura, Olga Simão, a ex-chefe da Casa Civil, Ana Graziela, o ex-chefe da Casa Militar, coronel José de Ribamar Vieira, e a ex-secretária de Comunicação, Carla Georgina.

VOTO DE ZÉ REINALDO

O deputado José Reinaldo, a princípio, era completamente contra a presença da presidente Dilma Roussef no Palácio do Planalto, razão pela qual não escondia o voto a favor do impeachement.

Com o passar dos dias, pensou melhor, mudou de posição e diz que o seu voto é para quem se comprometer a ajudá-lo na montagem do Pacto pelo Maranhão.

Significa dizer: instalar projetos fundamentais para o desenvolvimento do Estado, destacando-se o Instituto Tecnológico da Aeronáutica em Alcântara, a Cidade Digital no Centro Histórico, mini-usinas de biodiesel de óleo de babaçu e a duplicação da BR-135.

RECUPERAÇÃO DE ARTUR ALMEIDA

Desde setembro o médico Artur Almeida estava ausente de São Luis e longe do convívio de pacientes e amigos.

Três meses de sofrimento em São Paulo, todos vividos em hospitais, nos quais a assistência dos familiares foi importante para curá-lo, ressaltando-se a esposa Maria de Lourdes, que dele não se separou um minuto.

Tudo começou com uma cirurgia cardíaca, com desdobramentos em outros órgãos. Lutou, conseguiu superar os problemas e voltar são e salvo para a cidade onde vive, construiu família, e é respeitado e conceituado como médico idôneo e competente.

CARA NOVA

Em 2016, a família do governador Flávio Dino vai aumentar de tamanho.

A esposa engravidou e ela e ele estão radiantes de felicidade, com a chegada do mais novo rebento.

O casal governamental já decidiu: menino ou menina não importa, o fundamental é que nascerá em São Luis e não em Brasília.

sem comentário »

FIEMA E SEBRAE

0comentário

Tiveram repercussão nacional dois eventos realizados em São Luis por entidades da iniciativa privada. Quase simultâneos, no mesmo espaço, com objetivos semelhantes, mas focos diferenciados. A Expo promovida pela Federação das Indústrias do Maranhão tinha em vista mostrar, a despeito da crise no país, que o setor privado maranhense continua em pleno processo de desenvolvimento, atraindo investimentos e contribuindo para o incremento da receita e distribuição da renda.

A proposta da Feira do Sebrae foi evidenciar a acertada política que o órgão realiza no Maranhão e destacar as ações de empreendedorismo,com resultados otimizados pelas práticas produtivas adotadas em diversas regiões do Estado, até pouco tempo sem nenhum desempenho na economia regional.

PRESIDENTE DO TRE

Quem vai presidir as eleições municipais de 2016 é um dos mais tranqüilos e corretos membros do Poder Judiciário do Maranhão.

O desembargador Lourival Serejo  assume a direção do Tribunal Regional Eleitoral dia 17 deste mês.

Conhecido pela sua competência jurídica, intelectual de primeiro nível e integrante de quatro Academias de Letras, o novo presidente ainda se notabiliza pela inequívoca serenidade, o que dará ao pleito do ano vindouro segurança e confiabilidade

PRESIDENTE DA AML

Num pleito tranqüilo e sem contestação, o acadêmico Benedito Buzar foi eleito para cumprir mais um mandato na presidência da Academia Maranhense de Letras.

Pela terceira vez, o jornalista itapecuruense é reconduzido ao cargo, no exercício do qual só tem merecido elogios dos confrades, pela maneira equilibrada e correta como dirige a Casa de Antônio Lobo.

O novo mandato de Buzar irá de março de 2016 a março de 2018, biênio  que ele espera não passar por tantas dificuldades como nos  passados.

ANIVERSARIO DE MAURO

No ano passado, Mauro Fecury festejou o seu aniversário, que ocorre a 13 de janeiro, na Cidade Maravilhosa.

Gostou tanto da comemoração, que vai repeti-la em 2016.

Como deseja fazer uma festa bombástica e com mais amigos, começou a convidá-los com antecedência.

OITO STENTS

Quem viu o empresário João Martins Neto nos últimos dias jamais poderia imaginar o que ele acabou de passar.

De repente, não mais que de repente, o seu coração deu sinal de desconforto e ele, precavido como o é, rumou direto para a casa de saúde mais próxima.

Examinado, foi imediatamente submetido a uma bateria de exames, que o levou à introdução de oito stentes em seu fragilizado coração.

Resistiu resignadamente à angioplastia e passa bem.

GENRO E SECRETÁRIO

O deputado Neto Evangelista foi o que mais sofreu no evento realizado em Lago da Pedra, onde o governador Flávio Dino e a prefeita Maura Jorge bateram boca.

O sofrimento do parlamentar vem do fato de ser genro da prefeita e membro do primeiro escalão do atual governo.

Sem poder, por razões óbvias, intervir diretamente na questão, viveu  momento s complicados e dramáticos, que fez lembrar a máxima de “se  ficar o bicho come, se correr o bicho me pega”.

NAURO E ACADEMIA

Não foram poucas as vezes que o poeta Nauro Machado foi convidado a se candidatar a uma vaga na Academia Maranhense de Letras.

A última ocorreu quando do falecimento do poeta José Chagas. A princípio, topou, mas depois recuou por razões que somente ele cabia explicar.

O fato de ele não pertencer à Academia Maranhense de Letras não significava desapreço por ela ou que a minimizasse como instituição cultural. Prova disso é que sempre marcava presença em atos e eventos ali celebrados.

CANTATA DE NATAL

Já tem data e hora a Cantata de Natal a ser realizada em frente à Igreja de São João Batista: 17 de dezembro às 20 horas.

Os que não viram o concerto da professora Zezé Cassas, com a Orquestra de Câmara da Escola de Música e o Coral de São João, realizado dias atrás, no Teatro Viriato Correia, terão agora a oportunidade de ouvi-lo e aplaudi-lo.

A iniciativa de promover espetáculo tão maravilhoso para os olhos e os  ouvidos é do padre Heitor Costa.

PRÊMIO INOVARE

Foi divulgada a relação dos ganhadores do Prêmio Inovare, promovido pelo Conselho Nacional de Justiça.

Se algum magistrado maranhense participou do concurso de 2015, ficou de fora da premiação.

Até agora, só um juiz do Maranhão ganhou tão cobiçado prêmio: Marlon Reis. Ganhou e ficou famoso no país.

BODAS DE OURO

Os filhos, Roberto, David, Junior e os netos, David Filho, Rahul, Rânya, Adli e Sahra estão convidando os amigos para a cerimônia de Bodas de Ouro de Jalila e Antônio Carlos Ribeiro.

O evento se realizará às 21:30 horas de 23 de dezembro, na Avenida São Carlos no Olho D’Água.

JANTAR A TRÊS

Depois da palestra proferida na Universidade Dom Bosco, o ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, participou de um jantar a três.

Ele, o governador Flávio Dino e o desembargador Ney Barros Filho.

Local: Palácio dos Leões.

 

sem comentário »

DONA JANDYRA GOMES

0comentário

Em 27 de novembro de 1935, há oitenta anos,  um movimento sedicioso, que a história registra com nome de Intentona Comunista é articulado pelo PCB, com vistas à instalação de um governo popular e revolucionário.

A insurreição comunista dá-se através de levantes armados nos Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte e Pernambuco, mas sufocada pela ação das forças legais. Em São Luis, onde um grupo de adeptos de Luis Carlos Prestes marcava presença na Aliança Libertadora Nacional, não promove qualquer iniciativa para desestabilizar a ordem social e a situação política vigente.

Os maranhenses da ANL mantiveram-se apáticos em relação aos acontecimentos pipocados em algumas cidades do país, mas não deixaram de ser perseguidos, presos, deportados e julgados pelo Tribunal de Segurança Nacional.

Dentre os oitenta prisioneiros, a presença do empresário Jesus Norberto Gomes, preso por denúncia infundada. Sem culpa formada, ficou trancafiado no Quartel do 24º Batalhão de Caçadores por mais de um ano. Para tirá-lo dessa situação, a esposa Jandyra Nogueira Gomes, aparece de forma corajosa e altiva. Ela move uma encarniçada batalha para convencer as autoridades executoras do famigerado Estado de Guerra de que o seu marido era inocente e pagava um preço alto por uma acusação inidônea e inconsistente.

Com fibra e valentia, Jandyra Gomes não se intimida com o clima de insegurança vivido pelo o país em 1935. Destemidamente escreve cartas e faz relatórios circunstanciados ao coronel Othon Feio da Silveira, que executava o Estado de Guerra no Maranhão, e aos interventores federais  major Roberto Carneiro de Mendonça, e Paulo Ramos, aos quais exige não somente a apuração dos fatos e atos que conduziram o marido à prisão, mas a restituição da sua liberdade, para continuar junto “à família, no trabalho, na direção de sua farmácia, e no convívio de seus concidadãos”, pois nos inquéritos a que respondeu nenhuma culpabilidade foi comprovada, até porque quando estourou o movimento sedicioso ele não se encontrava em São Luis.

Essa renhida batalha, pela soltura do marido Jesus Gomes, foi longa, sofrida e insana. Mas não esmoreceu e se deixou abater com as dificuldades encontradas no árduo caminho. A sua luta só chegou ao fim no dia 10 de março de 1937, quando o Tribunal de Segurança Nacional mandou soltá-lo por não encontrar motivos que o incriminassem.

REMI TRINTA E DELCÍDIO

Em 1999, o deputado Remi Trinta ganhou manchete nacional por um problema de origem racista. Foi preso, a despeito da proteção da imunidade parlamentar. O episódio volta à tona por analogia com a prisão do senador Delcídio Amaral.  A bordo de uma aeronave, no trajeto Brasília – São Luis. Remi, desentendeu-se com um tripulante de cor negra, ao qual dispensou tratamento racista. O comandante comunica o fato à Polícia Federal, sediada em Imperatriz, que prende Remi pelo cometimento de crime preconceituoso. Os deputados maranhenses que vinham na aeronave, imediatamente informam do acontecido ao presidente da Câmara Federal, deputado Michel Temer, o qual, por medida judicial, requer a imediata liberdade do deputado maranhense, com base no respeito à imunidade parlamentar. Por medida liminar, o Supremo Tribunal Federal, manda imediatamente libertar Remi.

DESCONTRAÇÃO NO VELÓRIO

O poeta José Maria Nascimento foi o agente do momento de descontração no velório do inseparável amigo, Nauro Machado.

Contou que estava em Recife, tratando-se de uma tuberculose, eis que recebe a visita de Nauro Machado. Ao verificar que o amigo doente residia num apartamento localizado no 9º andar, o poeta desabafou: – José Maria, você está morando num lugar adequado para o suicídio. Não houve quem ficasse sério.

HOMENAGENS AO VIVO

O poeta Nauro Machado antes de morrer recebeu três merecidas e justas homenagens.

Pelo seu talento de poeta consagrado e dedicação às letras e à sua terra, teve a felicidade de recebê-las em momentos de gloriosa vitalidade.

Da Prefeitura de São Luis, a fixação de seu nome em importante praça, do Centro Histórico; da Academia Maranhense de Letras, uma sessão especial pelos seus oitenta anos; da Universidade Federal do Maranhão, o título de Doutor Honoris Causa.

SENTIMENTO DO ÓDIO

“Deus me poupou do sentimento do ódio”, esta frase é muita conhecida dos brasileiros. Há dúvidas quanto à sua autoria. Há quem ache ser do ex-presidente José Sarney, mas há, também, os que advogam a autoria ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

Antes que o assunto seja questionado na Justiça, quanto à titularidade da frase, não custa dar a minha opinião e o faço com base na máxima de “bebe água limpa quem chega primeiro na fonte”.

Como Sarney governou o Brasil antes de Fernando Henrique, ao maranhense cabe o direito de propriedade da frase.

VIAGEM BOVINA

Nem na época em que a pecuária maranhense tinha boa cotação no mercado, o nosso gado teve cotação tão alta.

Está tão valorizado que não é mais transportado em vagão de trem ou em carroceria de caminhão. Ou viaja de navio, ou não sai do Maranhão. Antes, só o Boi Barrica teve o privilégio de viajar para o exterior em melhores e mais confortáveis condições.

Mas o boi nosso de cada dia só partiu para a Venezuela depois de boa alimentação, descanso e assistência de pessoal treinado.

LIÇÃO DE ROSEANA

O governador Flávio Dino, se não quiser passar por outro vexame, no interior do Estado, deve mirar-se na assessoria da ex-governadora Roseana Sarney.

Nas visitas dela ao interior, prefeitos e deputados eram previamente avisados de que podiam usar da palavra em eventos de inauguração. Mas, qualquer discordância contra essa orientação, o evento podia ser cancelado ou mantido. Se mantido, só a governadora falava.

Em certos casos, ela radicalizava. Chegava, descia do carro, dava uma volta a pé na cidade, fazia o que tinha de fazer e vinha embora.

A MOÇA DO SENADO

Em entrevista ao jornal O Globo, referindo-se à fidalguia do senador Delcídio Amaral, o senador João Alberto o comparou a uma moça.

Não é a primeira vez que João Alberto vacila e dá margem à imprensa de explorar equivocadamente o seu pensamento em torno de um fato ou de uma pessoa.

Em São Luis, ao deixar o cargo de governador, em março de 1991, disse impensadamente: – No governo, fui honesto apenas noventa por cento.

A frase mal construída custou a ele um preço alto. A imprensa e os adversários políticos até hoje não o perdoam por isso.

sem comentário »

REELEIÇÃO DE PREFEITOS

0comentário

Em 2016, pelo calendário eleitoral, o povo brasileiro vai eleger prefeitos de mais de cinco mil cidades.

Se não existisse o exercício da reeleição, no Maranhão, o povo estaria  livre de uma cambada de prefeitos que nos cargos só se preocuparam em desviar os recursos públicos.

Na gestão prestes a acabar nada fizeram em benefício da coletividade, mas não vão abrir do direito de concorrer à reeleição.

Grande parte, infelizmente, se reelegerá, pois fizeram poupança para a manipulação de votos.

MARANHÃO NOVO

Eliézer Moreira, um dos mais ativos participantes do governo José Sarney, em homenagem aos cinqüenta anos da posse do governador, que ocorreu a 31 de janeiro de 1966, lançará o livro “Maranhão Novo”.

Nele, o relato do planejamento, da execução e do acompanhamento dos recursos e das obras que mudaram a fisionomia do Maranhão.

Além dos aspectos técnicos, Eliézer também aborda questões políticas afloradas numa fase ditatorial, mas que o governador soube conduzi-las democraticamente.

FUNDAÇÃO DOM DELGADO

O jovem padre Heitor da Costa Morais, que dirige a paróquia de São João Batista com enorme sabedoria, acaba de criar uma entidade para angariar contribuições às obras sociais da Arquidiocese de São Luis.

Trata-se da Fundação Dom José Delgado, mantenedora da Rede de Televisão Nazaré em São Luis, que se encarregará de gerar um fundo de investimentos para mantê-la e divulgar programas educativos e cristãos.

A FUNDEL por iniciativa do vereador José Joaquim Ramos é considerada de utilidade pública por lei municipal.

COCERTO A CEU ABERTO

O sucesso do concerto realizado pela pianista Zezé Cassas, com a Orquestra de Câmara da Escola de Música do Maranhão e o Coral de São João, foi de tal modo retumbante, que o padre Heitor quer repeti-lo.

Desta feita, a céu aberto, em frente à igreja de São João Batista, nas proximidades do Natal.

Os procedimentos para o evento artístico obter o mesmo sucesso do anterior, realizado no Teatro Viriato Correia, correm em ritmo acelerado.

LITERALMENTE VAZIAS

A partir do momento em que o Centro Histórico de São deixou de contar a freqüência que lhe era habitual, as prostitutas e os travestis passaram a ocupá-lo.

De uns tempos para cá, em vista dos assaltos costumeiros, até os atuais ocupantes abandonaram as Praça João Lisboa e Benedito Leite.

Hoje, quem transita naquele espaço, outrora o mais movimentado da cidade, dia ou noite, só vê João Lisboa lendo tranquilamente o seu jornal e Benedito Leite, em pé, vigiando alguns fantasmas que teimam em ali assinar o ponto.

SEGURANÇA NO CENTRO

A Secretaria de Segurança tomou uma providência altamente positiva para a tranqüilidade dos que moram no Centro Histórico.

Vai ocupar um prédio espaçoso e adequado e instalar duas superintendências policiais, uma delas a de homicídios.

Essa providência, reclamada há tempo, com certeza contribuirá para pacificar uma das áreas mais importantes da cidade, onde se acham o patrimônio histórico e artístico e transitam os turistas que nos visitam.

COVER DE R.CARLOS

Mauro Fecury é fã de Roberto de Carlos. Tem todos os seus discos e sempre que pode não perde os shows nos quais se apresenta.

Na impossibilidade de trazê-lo para cantar na Festa dos Amigos, dia 12 de dezembro, Mauro contratou uma atração que vai lembrar o seu ídolo.

O contratado tem cara, voz, trejeitos e se veste como Roberto Carlos, mas não é o próprio.

ANIVERSÁRIO NOS STATES

Na agenda de viagens de Carmem Lúcia e Antônio José Ferreira, novembro em Nova York é uma parada obrigatória.

Com faz anualmente, dia 25 deste mês o casal comemorava na Big Apple uma data que lhes é cara: o aniversário de Ferreira. Para manter a tradição, sempre no restaurante cubano, Vitor.

DOUTOR REY

Nesta quarta-feira, o médico Robert Rey inaugura a clínica Estética Holllyood em São Luis.

Especializado em cirurgia-plástica, ganhou fama nos Estados Unidos de onde retornou ao Brasil para fazer sucesso.

A presença de Robert Rey em São Luis gera expectativa por dois motivos: 1) se fará alguma cirurgia; 2) o nome da mulher maranhense a ser por ele operada.

ANIVERSÁRIO DA MARRON

Por pouco não melava o aniversário da cantora Alcione, comemorado, ao seu estilo, no Rio de Janeiro.

Tudo começou quando Fafá Belém, salgueirense por inteira, resolveu cantar, em plena festa, a música Explode Coração, enredo da Salgueiro, no próximo carnaval.

O pau só não comeu porque a anfitriã, com serenidade, aplacou a fúria dos convidados, quase todos mangueirenses.

LIVRO DE PRESTES

O ex-deputado Sálvio Dino, lançará sua mais nova obra, de cunho histórico, no final do ano.

Chama-se “A Coluna Revolucionária”, que conta a saga de Luis Carlos Prestes e de seus companheiros de luta, em terras maranhenses.

Para dar maior autenticidade ao livro, Sálvio fez questão de pessoalmente revisitar todos os locais por onde o Cavaleiro da Esperança passou e travou combate com as chamadas forças legalistas.

REPRESENTAM O MARANHÃO

Os professores da UFMA, Márcio Vaz e Oswaldo Saavedra  estão no País de Gales representando o Maranhão na Missão Projeto Hidrocinético no Norte do Brasil

O projeto é organizado pela Embaixada Britânica para a prospecção de oportunidades de colaboração técnica e científica, como foco em energias oceânicas, em especial energia de marés e correntes marinhas.

sem comentário »