Igreja de São José de Ribamar quer fim da Romaria dos Motoqueiros

5comentários

A Igreja de São José de Ribamar quer acabar, a partir do ano que vem, com a Romaria dos Motoqueiros, realizada há 22 anos. Em mais de duas décadas, o cortejo de motocicletas tornou-se tradicional e já faz parte do calendário do festejo em homenagem ao santo padroeiro do Maranhão. A edição deste ano está confirmada e acontecerá amanhã, a partir das 22h, com saída do retorno da Forquilha.

Uma das alegações dos católicos para acabar com a Romaria dos Motoqueiros é de que o ruído produzido pelos motores das motocicletas causa incômodo durante o percurso e principalmente quando os veículos chegam a São José de Ribamar. O coordenador do Conselho Paroquial, Raimundo Ramos, argumenta ainda que os participantes do evento não mantêm vínculo com a Igreja.

Ano passado, a romaria reuniu cerca de 8 mil motociclistas do Maranhão, Piauí, Pará e Paraíba. A organização do evento arrecadou toneladas de alimentos. Os donativos foram doados a instituição de caridade.

TRADIÇÃO

A primeira Romaria dos Motoqueiros aconteceu em 1986, com a participação de apenas 50 motociclistas. A idéia de realizar um cortejo de motocicletas surgiu a partir de uma promessa feita a São José de Ribamar pelo motociclista Alan Moraes, após ele sofrer um grave acidente na estrada do Araçagi. Há 12 anos, o evento é organizado pelo Clube dos Motociclistas do Maranhão e conta com o apoio de várias empresas locais.

5 comentários para "Igreja de São José de Ribamar quer fim da Romaria dos Motoqueiros"


  1. Milton

    Se alguém, não religiosos, critica um culto, seja por ideologia ou por aspectos práticos, como a barulheira, esse alguém é duramente criticado por estar “questionando um evento religioso”, porque “fé não se questiona”. Porém agora a própria igreja resolve vetar um evento de caráter religioso. QUEM é essa igreja pra decidir o que e como cada um resolve expressar sua fé?

    • Julio

      Walber, a liberdade que vc tem, é igual a minha, as leis existem para os insubordinados, para os infratores, portando não venha corrigir um erro com outro, leis existem para serem cumpridas. Ninguém aguenta o barulho infernal que fazem esses delinquentes motoqueiros que dão um show em matéria de desrespeito as leis de transito. Vai vê que vc é um desses motoqueiros bagunceiros que quer justificar seus erros apontando outros.

  2. Walber Barros

    Foi-se o tempo em que a igreja tinha dominio politico….será que que eles pensam que vivem em que seculo???e quanto ao barulho,temos leis definidas pra isso…se o estado naum as poem em pratica….é outro problema…..abçs

  3. Julio

    Milton, a LIBERDADE que Deus nos dá, não permite que a transformemos em LIBERTINAGEM pra fazermos o que vem na cabeça, inclusive passando por cima das leis que foram criadas para colocar ordem onde não existe. Quando respeitamos as leis, exercitamos a fé no verdadeiro Deus que sempre nos deu um exemplo de organização, inclusive na criação do mundo físico,cósmico… quando pôs ordem no caos.

  4. HELTON

    Gostaria novamente de externar minha indignação contra esta romaria e ela deveria sim terminar. De católica e religiosa não tem nada, há muito tempo deixou de ser romaria em sua essência e em seu sentido amplo e verdadeiro, que deveria ser uma peregrinação de pessoas religiosas que agradecem, pagam promessas ou pedem graças, deixou de ser devoção e passou a ser aberração. Sou católico praticante, coordenador de pastoral e tenha propriedade também para falar pois organizo romarias e procissões religiosas que é a de N. Sra da Conceição do Monte Castelo, por sinal até maior e com exemplo verdadeiro de fé e devoção, do que esta loucura que estamos vendo a cada ano em Ribamar e também no Cohatrac. Está na hora sim de terminar esta loucura e começar a ter um festejo 100% religioso, de oração, fé e devoção. A cada ano estes dois festejos deixam promover e são convenientes ao uso excessivo de álcool e outras drogas que são consumidas livremente em suas procissões e romarias, causando acidente, mal estar, indignação e nos deixam envergonhados. Está na hora da arquidiocese de São Luis, intervir neste festejo de Ribamar e no do Cohatrac, pois o povo quer aproximação de Deus pelas missas, orações e devoções, o restante não serve para nada. Aprendemos isso e hoje não queremos mais ter um jornal e diversos blogs estampando em sua manchete os abusos e as imprudências em todas as suas formas. Estamos no ano da fé e tivemos neste ano mais um exemplo de fé e carisma na pessoa do nosso Papa Francisco que veio nos ensinar através de palavras e ações como devemos ser Igreja nos dias de hoje. Por isso ou colocamos em prática o que realmente a igreja católica se propõe a fazer ou a cada dia veremos as pessoas se distanciarem dela, pois esta não consegue mais distanciar o profano do religioso.

deixe seu comentário