Não quero ter razão, eu quero é ser feliz! [artigo do ex-aluno HCL Fonseca]

0comentário

 

Essa clássica frase de nosso ilustríssimo poeta maranhense Ferreira Gullar, que recentemente foi empossado na Academia Brasileira de Letras, pode maturar e conduzir nossas reflexões com equilíbrio e bom senso diante das trincheiras ideológicas e doutrinárias que costumeiramente são jorradas na mídia e nos círculos opinativos. O debate é intenso e amplo, o terrorismo de longa data vem ceifando vítimas inocentes. Refletir um tema atualíssimo nos ajuda a entender o lado interno de nossos instintos mais primitivos.

É possível conviver com as diferenças do outro e ao mesmo tempo respeitar o direito de se expressar livremente? Deixando de lado o frenesi pregnante do momento comecei a escrever essas reflexões dias após o atentado ao jornal Charlie Hebdo em Paris. Um olhar menos inflamado e mais clínico pode nos dar vislumbres de quem somos e para onde estamos caminhando. O ter razão não nos enseja o direito de alienar a vida do outro.

Todo mundo quer ter razão, e muitos quando não encontram a sua razão fazem de tudo para convencer o outro. Isso é um fato que adorna a vida e os relacionamentos, sempre foi e sempre será assim. Qual o melhor time de futebol?  E o melhor filme para vencer o Oscar? Qual partido político mais atuante?E o melhor estilo musical? Pronto aí já começa a guerra de opiniões e a lista não termina, vai longe. Os argumentos são infindáveis. Tudo é legitimo, assim construímos a vida, agora quando sangue inocente é derramado tudo se complica. Isso me faz relembrar os tempos da barbárie, malditos tempos.

A vida é um mosaico de diferenças. A natureza que o diga, olhe os jardins e seus matizes. Veja a beleza singular dos seres humanos; o espetáculo das raças e as suas idiossincrasias. Contemple a singular geografia do planeta, a riqueza da fauna, o milagre da flora, a maravilha excepcional do cosmo. A diferença é um axioma inconteste. O pensamento também é díspar, e a forma de pensar também o é, a filosofia ainda continua rompendo fronteiras e paradigmas. Eis a combustão que dinamiza a vida.

A humanidade chegou ao estágio que está graças aos insights das diferenças. De um entretenimento supérfluo como torcer pra um time de futebol até as questões mais complexas da vida, como a religião, acentuamos a existência do outro respeitando suas diferenças. Vivemos em função do outro e de suas cosmovisões de mundo. Assim arquitetamos os pilares da sociedade, administramos conflitos e planejamos nossas relações sociais.

Até que ponto a liberdade de expressão pode invadir e chacoalhar irreverentemente o imaginário do outro? São dilemas que devem ser maturados e repensados, levando em conta os contextos e as diferenças valorativas onde estão inseridos. O ataque terrorista ao jornal Charlie Hebdo em Paris nos leva a repensar os limites do pensamento e do comportamento, isso serve como reflexão para todo imaginário humano. Não há nada que justifique tamanha barbárie, a vida é um bem valiosíssimo.

A liberdade do pensamento é uma das mais importantes conquistas da modernidade, e isso ninguém discute. O direito de livre manifestação me autoriza ultrapassar os limites éticos e morais que me são convencionados? Posso achincalhar questões religiosas e profanar o sagrado das pessoas de maneira desmedida, há limites?  Alguém pode ate confundir isso com censura, ledo engano. Existem questões na vida onde a censura contribui para o respeito e o aprimoramento das relações, de certa forma ela controla nossos impulsos primitivos, dignifica os limites e aflora o respeito entre os diferentes.

A liberdade de expressão é construída dentro dos valores da reciprocidade. Há uma frase creditada a Voltaire; “não posso concordar com o que dizes, mas darei a minha vida para que o digas”. Dizer aquilo que é pertinente e construtivo sem macular ou segregar o outro. A liberdade de expressão alicerça o dizer livremente sem infamar o outro ou seu universo.

O extremo desta discussão é justificar tamanha barbárie em pleno século 21. O terrorismo é o efeito colateral de nosso lado mais insano. A perfumada  Paris, a cidade das luzes, a cidade do amor foi golpeada na sua veia jugular. Não Paris, mas a liberdade de expressão, o próprio homem civilizado foi golpeado. Logo na cidade que deu a luz a liberdade. A Revolução Francesa mudou para sempre as relações humanas em todos os segmentos da vida.

Proclamam os “filósofos de esquina” que religião e política não se discutem. Discordo essencialmente, se discute sim. O debate, o afinar das ideias contribui para que novas sínteses aconteçam; assim elas emergem formatando novos contextos. Isso enaltece o crescimento humano, pois novas efervescências intelectuais, morais e filosóficas se consolidam. É preciso derramar sangue inocente por causa das diferenças? Claro que não. A pluralidade tempera o cardápio da vida.

A criticidade afina e enobrece a busca pela dignidade na diversidade. Isso acentua nossas peculiaridades, pois somos diferentes, e a diferença dignifica quem somos e explicita o que podemos ser.  A História testemunha e efervesce possíveis e confluentes caminhos. Assim  refletimos e maturamos os diversos postulados valorativos.

A religião foi inventada, dizem alguns “pensadores”, para aliviar nosso sofrimento ou nossas angustias existenciais. Ao longo do tempo essa palavra tem causado um estardalhaço na vida de milhares de pessoas. O termo latim é pertinente se o objetivo fosse de fato a ligação com o divino, fazendo jus a palavra  religare. Não há nada de errado em ser religioso, até acredito e professo que sem esperança, somos os piores miseráveis desta vida, ter e professar uma crença deixa a vida mais perfumada, mas não é esta a discussão. A religião desenvolve e conserva princípios morais de importância vital,pois exerce no aspecto educacional o senso de comprometimento com o desenvolvimento físico ,moral e intelectual do ser humano.Ate aqui tudo bem, mas há uma linha tênue entre ser religioso e ser extremista.

Você já percebeu que os extremos levam ao abismo? Em algum lugar do planeta você irá se deparar com um extremista, um indivíduo que não respeita o outro e impõe sua crença como suprema e verdadeira. Esse filme não é estranho. Em todos os aspectos da vida encontramos esse tipo de comportamento.

Todo extremo é prejudicial. Excesso de zelo causa fanatismo. Parece contradição, mas ao longo do tempo a religião extremista tem levantado muros e destruído pontes, segregado grupos e derramado sangue inocente. Não me leve a mal os teóricos com suas justificativas econômicas, étnicas ou antropológicas. Milhares de vidas inocentes foram ceifadas ao longo de séculos, e não há que se tergiversar fazendo conjecturas intelectuais ou filosóficas. O extremismo é insano e sufoca.

A vida não tem preço. Uma retrospectiva episódica bem sucinta pode aguçar nossas memórias. No primeiro século muitos cristãos foram jogados às feras nas arenas romanas para delírio dos expectadores. As Cruzadas, a guerra santa, movimentos militares contras os mouros ceifou muitas vidas inocentes, outro episódio em nome de fé. E sem falar da inquisição, onde milhares de “hereges” foram torrados nas fogueiras medievais. Eu fico pensando que em nome da religião se mata, se persegue, e se classifica as pessoas. O fundamentalismo radical nos remete aos tempos pré-civilizatórios.

O radicalismo religioso tem causado rebuliço neste requesito, o fanatismo extremado não perde as rédeas ao impor sua ditadura sanguinária. O homem nunca deixou de ser o lobo do homem. A maquiagem ora ou outra se esvai e revelamos o que somos na essência. Tudo é possível quando o selvagem se liberta.

A liberdade de expressão e a liberdade religiosa são princípios fundamentais na construção da cultura ocidental. Os valores religiosos e a liberdade do pensar combustanciam  o crescimento individual e cultural. Infelizmente há páginas manchadas de sangue na História. Elas foram escritas por aqueles que não respeitavam as diferenças.

Essas mesmas diferenças estão a nos construir em nosso universo cotidiano. Vivemos em função do outro. Assim construímos as mais sublimes relações. Tolerar é respeitar a nós mesmo e nossa posteridade. Isso começa no cotidiano cinzento ou colorido de cada dia.

O sábio poeta após um debate caloroso com a sua amada e depois de vencê-la nos argumentos, viu seu passeio ao cinema dissipar-se. Cheio de razão o poeta caiu em si e pensou, ”Eu estou aqui cheio de razão e infeliz sozinho. O que eu ganhei com isso? Não a convenci, pois ela pensava diferente. Eu não quero ter razão, eu quero é ser feliz.”

sem comentário »

Mercosul aprova modelo de placas unificadas para veículos do bloco

0comentário

Fonte: http://blog.planalto.gov.br/mercosul-aprova-modelo-de-placas-unificadas-para-os-veiculos-do-bloco/

Dilma Rousseff e José Mujica apresentam novo modelo de placa unificado para veículos dos países do Mercosul. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR.

Foi aprovado no último sábado (28) o modelo da placa unificada para veículos dos cinco países que fazem parte do Mercosul – Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai e Venezuela. Em reunião nesta tarde no Uruguai, a presidenta Dilma Rousseff disse que a placa unificada é o indício da integração entre o bloco em termos de movimentação de pessoas.

“É um passo que vai ser seguido de vários outros passos para que se possa consolidar [a integração]”, afirma. Após cumprimentar o presidente uruguaio José Mujica e autoridades presentes, Dilma disse “demos o primeiro passo, agora trata-se de caminhar para frente”, disse à imprensa após cerimônia de inauguração do Parque Eólico Artilleros.

Nova placa facilitará fiscalização, circulação e controle de veículos dentro do bloco. Imagem: Divulgação/Mercosul.

A norma, que vale a partir de 2016, foi incorporada na Resolução nº 510 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran). A placa facilitará a circulação e o controle de veículos nos países bloco, contribuindo, por exemplo, para uma melhor fiscalização aduaneira e migratória.

Além disso, a unificação resultará em um sistema integrado de consultas às informações dos veículos. Essa integração também facilitará o acesso a dados de propriedade, modelo, marca, fabricação e tipo de veículo, além de gerar informações sobre roubos e furtos.

A partir de 1º de janeiro de 2016, a placa comum será de uso obrigatório para todos os veículos registrados pela primeira vez. Os países que desejarem poderão antecipar a adoção da placa.

sem comentário »

Segurado deve ficar atento ao novo CNPJ do INSS quando for fazer a declaração do IR

0comentário

Fonte: http://www.brasil.gov.br/economia-e-emprego/2015/02/cnpj-do-inss-e-alterado-segurado-deve-estar-atento

Número usado para fazer o ajuste anual não é mais o mesmo do ano-base 2013, agora o número é o 16.727.230.0001-97

Os segurados da Previdência Social devem ficar atentos para informar o novo Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) do INSS no momento de fazer a Declaração de Imposto de Renda da Pessoa Física (DIRPF) 2014.

O CNPJ usado para fazer o ajuste anual não é mais o mesmo do ano-base 2013, agora o número é o 16.727.230.0001-97.

A mudança se deve ao fato de que, em atendimento à determinação do Tribunal de Contas da União (TCU), foi criada a Unidade Gestora do Fundo do Regime Geral (FRGPS) que passou a ser responsável pelo pagamento dos benefícios previdenciários.

Antes, era o próprio Instituto que efetuava o pagamento diretamente e, por isso, era preciso citar o CNPJ do INSS (29.979.036.0001-40) nas declarações dos beneficiários.

O coordenador-geral de Orçamento, Finanças e Contabilidade (CGOFC) do instituto, Antônio Bacelar Ferreira, alerta para o fato de que se o beneficiário usar o número antigo, sua declaração poderá cair na malha fiscal da Receita Federal do Brasil.

O mesmo pode acontecer também com uma pessoa que, ao fazer o ajuste anual, declare como dependente (pai, mãe, filhos, etc) alguém que receba benefício previdenciário.

O prazo para a entrega das declarações à Receita começa na próxima segunda-feira (2) e termina no dia 30 de abril.

Extrato

O Demonstrativo de Impostos de Renda de Pessoa Física (DIRPF), ano base 2014, já está disponível na página da Previdência Social na internet e poderá ser acessado pelos 32 milhões de segurados, inclusive os isentos. O documento pode ser acessado também nos terminais de autoatendimento dos bancos.

Para consultar o extrato, o segurado deve acessar a Agência Eletrônica, informar o ano base no caso, 2014, o número do benefício, a data de nascimento, o nome do beneficiário e o CPF. Não é necessário o uso de senha.

O documento também poderá ser retirado nas Agências de Previdência Social (APS). Para mais conforto ao cidadão, o INSS recomenda que a impressão seja feita no Portal da Previdência Social.

As instituições pagadoras de benefícios vão enviar 6,2 milhões de extratos para a residência dos segurados que serão obrigados a fazer a declaração de Imposto de Renda junto a Receita Federal.

Está obrigado a apresentar declaração quem recebeu, em 2014, rendimentos tributáveis superiores a R$ 26.816,55 ou rendimentos isentos – não tributáveis ou tributados somente na fonte – cuja soma seja superior a R$ 40 mil.

sem comentário »

Dilema cruel: alongar a sobrevida de um e matar outros três ou salvar três e deixar um paciente terminal morrer?

0comentário

Fonte: http://www.naoentendodireito.com/2015/03/alongar-sobrevida-de-1-e-matar-outros-3.html?m=1

Se você é um estudante de Direito e está na faculdade única e exclusivamente para prestar concurso pra Juiz de Direito por causa do elevado salário que eles recebem, saiba que a vida não são só flores.

É bacana ter um salário alto, mas deve ser muitíssimo complicado, ter um caso em suas mãos em que precisa decidir se fornece tratamento médico a um paciente que sabidamente irá morrer em questão de meses e deixa outras 3 pessoas sem tratamento, ou trata 3 pessoas e apressa a morte de outro.

mm

E aí, como julgar um caso desses?

sem comentário »

STF decide que Sindicato não tem legitimidade para ajuizar ADI

0comentário

Fonte: http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=286366

O Sindicato dos Despachantes e Autoescolas do Estado de Mato Grosso (SINDAED/MT) não tem legitimidade para ajuizar ações de controle concentrado no Supremo Tribunal Federal (STF), uma vez que tal entidade não se caracteriza como confederação sindical ou entidade de classe de âmbito nacional. Foi com base nesse fundamento que o ministro Luiz Fux negou seguimento (considerou inviável) à Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 5123.

O ministro observou que a jurisprudência do STF é pacífica no sentido de que, na estrutura sindical brasileira, somente as confederações sindicais são partes legítimas para propor ações de controle concentrado de constitucionalidade. “Ou seja, tal legitimidade não alcança as entidades sindicais de primeiro grau”, observou Fux. No caso dos autos, o sindicato pretendia questionar a Lei Complementar 537/2014, do Estado de Mato Grosso, que dispõe sobre a estrutura organizacional do Detran/MT.

Segundo o artigo 103 da Constituição Federal, podem propor ação direta de inconstitucionalidade e ação declaratória de constitucionalidade no STF: presidente da República; Mesas Diretoras da Câmara dos Deputados,  do Senado Federal,  de Assembleias Legislativas ou da Câmara Legislativa do Distrito Federal; governadores de estado e do DF;  procurador-geral da República; Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil; partido político com representação no Congresso Nacional;  e confederação sindical ou entidade de classe de âmbito nacional.

O ministro Luiz Fux destacou que o SINDAED/MT é entidade de classe cujos interesses e atuação estão limitados ao território do Estado de Mato Grosso. “Fica claro, portanto, que apenas as confederações sindicais de terceiro grau estão aptas a deflagrar o controle concentrado de normas, excluindo-se, dessa forma, os sindicatos [primeiro grau] e as federações [segundo grau], ainda que possuam abrangência nacional, hipótese não configurada no caso”, afirmou o relator.

Desse modo, o ministro negou seguimento à ação, “diante da manifesta ilegitimidade ativa da entidade autora”.

sem comentário »

Sempre defendi esta ideia: estudo de cidadania poderá ser obrigatório em escolas de ensino médio!

1comentário

Fonte: http://www12.senado.gov.br/noticias/materias/2015/03/02/estudo-de-cidadania-podera-ser-obrigatorio-em-escolas-de-ensino-medio?utm_source=midias-sociais&utm_medium=midias-sociais&utm_campaign=midias-sociais

Termina na quarta-feira (4) o prazo para os senadores fazerem emendas ao projeto que obriga as escolas de ensino médio a ministrar a disciplina cidadania. De acordo com a proposta (PLS 38/2015), do senador Reguffe (PDT-DF), em todos os anos do ensino médio os alunos estudarão direito constitucional, cidadania, democracia, direitos e garantias fundamentais.

Se aprovado, o currículo terá incluídas aulas sobre competências e atribuições de deputados, senadores, prefeitos, governadores e presidente da República. Também está previsto o ensino de direito do consumidor e de educação fiscal.

“Tão importante quanto o ensino de português ou matemática é a escola ensinar os princípios básicos da Constituição federal, a importância de se exigir uma nota fiscal, noções de direito do consumidor, qual a função de um parlamentar ou de um governador, quais as diferenças de atribuições entre estes cargos. Uma população que não conhece seus direitos não tem como exigi-los”, afirma Reguffe na justificação.

Pela proposta, se sancionada a lei acrescentando a disciplina cidadania na Lei de Diretrizes e Bases da Educação (artigo 36 daLei 9.394/1996), os sistemas de ensino terão três anos letivos para começarem a oferecer a matéria.

Se for aprovado na Comissão de Educação (CE), o projeto seguirá para a análise da Câmara dos Deputados, pois a decisão do colegiado será terminativa (só vai a voto no Plenário caso haja um recurso nesse sentido).

1 comentário »

Tribunais debaterão soluções para implantar política de priorização do 1º Grau

0comentário

Fonte: http://www.cnj.jus.br/noticias/cnj/30787:tribunais-debaterao-solucoes-para-implantar-politica-de-priorizacao-do-1-grau

Divulgação/CNJ

Tribunais debaterão soluções para implantar Política de Priorização do 1º Grau

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) reunirá em Brasília, na primeira quinzena de maio, representantes de tribunais e das entidades de classe que representam magistrados e servidores do Judiciário para discutir medidas concretas para a efetiva implantação da Política Nacional de Atenção Prioritária ao Primeiro Grau de Jurisdição na Justiça brasileira. Instituída pela Resolução CNJ n. 194, de maio de 2014, a Política busca melhorar o serviço prestado pela primeira instância. A porta de entrada da Justiça, como o primeiro grau é conhecido, hoje enfrenta dificuldades de funcionamento devido ao excesso de ações para julgar e ao déficit de estrutura e de pessoal.

Durante a 1ª Reunião da Rede de Priorização do Primeiro Grau serão compartilhadas experiências práticas de adoção da Política nas esferas nacional e local. Haverá também oportunidade para propor soluções concretas que aperfeiçoem os planos de ação dos tribunais, que priorizam as unidades judiciárias de primeira instância, responsáveis por lidar atualmente com nove em cada dez processos na Justiça. A programação provisória do evento inclui ainda espaço para discussão da minuta de plano nacional de implementação da Política, que será sugerida pelo CNJ.

A proposta do Comitê Gestor da Rede de Priorização do Primeiro Grau, que se reuniu nesta semana na sede do CNJ, é de que o evento seja realizado em conjunto com a 1ª Reunião Preparatória para o IX Encontro Nacional do Poder Judiciário, também prevista para maio. Serão convidados os presidentes de 90 tribunais, membros da Rede de Priorização do Primeiro Grau e da Rede de Governança Colaborativa do Poder Judiciário, além das associações que representam a magistratura e entidades que respondem pela categoria dos servidores da Justiça.

Sobrecarga – Uma das justificativas para uma política voltada para a primeira instância da Justiça é a alta concentração das ações judiciais – 90% dos 95 milhões de processos judiciais tramitaram nas varas e demais unidades judiciárias de primeiro grau em 2013. A demanda excessiva da primeira instância e a escassa força de trabalho e orçamento disponíveis são apontados como responsáveis pela quantidade de processos que o Judiciário não consegue julgar ao longo do ano, chamada de taxa de congestionamento.

Em 2012, a taxa foi de 75,6%, ou seja, os juízes e servidores que trabalham na primeira instância só conseguiram solucionar um em cada quatro processos judiciais. No ano seguinte (2013), a taxa de congestionamento na primeira instância subiu para 77%. Tanto em 2012 como 2013, os índices são quase 30 pontos percentuais superiores à taxa verificada no segundo grau – 46,3% e 47,2%, respectivamente.

sem comentário »

Novo requerimento de justiça gratuita só é necessário quando houver negativa ou revogação anterior

0comentário

Fonte: http://www.stj.jus.br/sites/STJ/default/pt_BR/noticias/noticias/Destaques/Novo-pedido-de-justi%C3%A7a-gratuita-s%C3%B3-%C3%A9-necess%C3%A1rio-quando-houver-negativa-ou-revoga%C3%A7%C3%A3o-anterior

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) reconheceu que não há previsão legal que autorize a exigência de renovação do pedido de assistência judiciária gratuita, já concedido, em cada instância e a cada interposição de recurso, mesmo nas instâncias superiores. O processo foi julgado na Corte Especial e pacificou a jurisprudência do tribunal.

Até agora, diversas decisões proferidas no âmbito do STJ vinham entendendo que caracterizava erro o pedido de assistência judiciária gratuita formulado no curso da demanda, perante o STJ, na própria petição recursal, e não em petição avulsa. Com isso, consideravam desertos os recursos que chegavam ao tribunal sem o recolhimento de custas e sem a renovação do pedido feita dessa forma.

No entanto, o ministro Raul Araújo, relator de agravo em embargos de divergência que discutiram a questão, reconheceu que a exigência é uma afronta ao princípio da legalidade. Ele afirmou que, se as normas que tratam do tema não fazem exigência específica, expressa, mas, ao contrário, dispensam a providência, é vedado ao intérprete impor consequências graves contra o direito de recorrer da parte.

“O intérprete não pode restringir onde a lei não restringe, condicionar onde a lei não condiciona ou exigir onde a lei não exige”, afirmou Raul Araújo.

Eficácia plena

No caso analisado, o recurso (embargos de divergência) foi considerado deserto – não foi juntado comprovante de pagamento de custas. A parte declarou não ter condições de arcar com as despesas processuais no corpo da peça recursal, não em petição avulsa. Ocorre que o tribunal de segunda instância já havia deferido o benefício da assistência judiciária gratuita, decisão que, para o ministro relator, tem plena eficácia no âmbito do STJ.

O ministro destacou que a Constituição assegura a concessão do benefício, sendo suficiente para a sua obtenção que o interessado, em se tratando de pessoa física, afirme não dispor de recursos suficientes para custear despesas do processo sem sacrifício do sustento próprio e de sua família. “A assistência jurídica integral e gratuita tem natureza de direito público subjetivo, sendo uma das garantias constitucionais do cidadão brasileiro”, asseverou.

Conforme o magistrado, a legislação garante que a gratuidade possa ser requerida a qualquer tempo e em qualquer grau de jurisdição, no processo de conhecimento ou, extraordinariamente, na própria execução. “Não há momento processual específico para autor, réu ou interveniente requererem o benefício”, constatou Raul Araújo.

O ministro entende que nada impede a apreciação do pedido de assistência judiciária gratuita em segunda instância ou já na instância extraordinária. E, uma vez deferida, a assistência gratuita não terá eficácia retroativa (efeito ex tunc) e somente deixará de surtir efeitos naquele processo quando expressamente revogada, sendo desnecessária a constante renovação do pedido a cada instância e para a prática de cada ato processual.

A decisão da Corte Especial foi unânime.

sem comentário »

Oficial de Justiça tem que enfrentar cada situação!

0comentário

Fonte: whatsapp

sem comentário »

Proposta veda segredo de justiça em processos contra agentes públicos

0comentário

Fonte: http://www12.senado.gov.br/noticias/audios/2015/02/proposta-veda-segredo-de-justica-em-processos-contra-agentes-publicos?utm_source=midias-sociais&utm_medium=midias-sociais&utm_campaign=midias-sociais

A Constituição determina que os processos judiciais sejam públicos, mas a lei também assegura o segredo de justiça em certas situações. O PLS 141/2012, do senador João Capiberibe (PSB-AP), acaba com essa possibilidade nos casos em que políticos com cargos eletivos, servidores efetivos ou comissionados, militares e funcionários de estatais sejam investigados ou acusados judicialmente.

sem comentário »