Conheça a Biblioteca Virtual do CNJ

0comentário

Fonte: http://www.cnj.jus.br/cidadao/publicacoes

Quer saber mais sobre as atividades do Judiciário?

Então você está no lugar certo!

Na Biblioteca CNJ estão reunidos relatórios, pesquisas, cartilhas e manuais sobre programas e ações do Conselho e demais órgãos da Justiça.

Alguns temas estão disponíveis a seguir, basta clicar na imagem desejada. Outros, você pode acessar nos links a seguir.

Boa leitura!

 

capas-01 capas-02 capas-03 capas-04
capas-06 capas-07 capas-08 capas-09
capas-11 capas-12 capas-13 capas-14
capas-10 capas-05  capas-15  capas-16
capas-17  mutirão  capa justica em numeros  adolescente-privado-de-liberdade
maria-da-penha  150X213  cartilha divorcio pais  cartilha adolescentes
guia advogado manual de bens apreendidos  guiapje-advogados-1 2  guiapje-tribunal-1 2
guiapje-usuarios-1 2  relatorio anual 2013
sem comentário »

Portaria de juiz de Tuntum/MA proíbe petições em duplicidade

0comentário

Fonte: e-mail da Ass. de Com. da CGJ do TJMA

Portaria assinada pelo diretor do Fórum de Tuntum e titular da 1ª Vara da comarca, juiz Edmilson da Costa Lima, proíbe o recebimento de contestação ou recurso em duplicidade. Segundo o documento, a medida se deve à “reiterada prática na unidade de a parte demandada protocolizar peça original de contestação ou recurso em duplicidade, porque ou fora ofertada em audiência, ou protocolizada anteriormente na secretaria judicial, ou, ainda, porque os autos do processo, julgado, foram remetidos à superior instância”.

Segundo o juiz, “são muitos processos (atualmente cerca de dois mil tramitam na unidade, informa), com ritos sumários, extraordinários. Às vezes, a parte junta uma contestação antes da audiência, e depois da audiência junta a mesma contestação. Há processos com duas, três contestações, o que gera um ‘tumulto processual’. O magistrado tem que ler três defesas com o mesmo teor. Se a contestação já foi apresentada antes da audiência, não tem que repetir o ato. É desnecessário”, observa o juiz.

Pesquisa – Na portaria que proíbe a duplicidade (Portaria 498/2015), Edmilson Lima determina que o servidor responsável pelo recebimento da via original da peça (contestação, recurso ou outra peça da parte interessada)  deve proceder à pesquisa no sistema de informática ou diretamente no processo de modo a verificar se a peça já consta dos autos, “sob pena de responsabilidade administrativa do respectivo servidor”.

Segundo Lima, de modo a facilitar essa verificação, a Secretaria Judicial deve adotar uma rotina de discriminar a peça no sistema Themis.

sem comentário »

OAB/MA define programação para o Dia Internacional da Mulher

0comentário

Fonte: e-mail da Ass. de Com. da OAB/MA

Atividades terão início no dia 12 com a oferta de serviços, segue no dia 13 com palestra e outorga de medalhas e encerra-se dia 13 com atividades esportivas
A OAB/MA por meio da comissão dos Direitos da Mulher a da Advogada definiu a  programação que marcará as festividades em homenagem ao Dia Internacional da Mulher celebrado em 8 de março. Os eventos acontecem nos dias 12, 13 e 14 de março.

Abrindo as comemorações, no dia 12 de março, serão ofertados vários serviços para as advogadas no prédio da Seccional. Durante todo o dia nos horários das 8h30 às 11h30 e das 14h às 17h30 serão disponibilizados tratamentos estéticos como massagens e relaxamento corporal, limpeza de pele, planejamento alimentar, além de consulta gratuita com uma esteticista da Faculdade Santa Teresinha (Cest). Será necessário agendar previamente os horários na Secretaria das Comissões pelo telefone 2107-5409.

Já no dia 13 de março às 19h acontece solenidade de outorga da medalha Mérito da Mulher “Advogada Célia Linhares” no auditório da OAB/MA. Segundo a presidente da Comissão da Mulher, Ligia Santana, o prêmio homenageará a todas “as mulheres que se destacaram em suas respectivas áreas de atuação tendo como norte os Direitos Constitucionais, a Justiça, a Cidadania e a Dignidade Humana”, explicou.

Na mesma ocasião será realizada a “Conferência da Advogada” ministrada pela professora e conselheira Federal no estado de Alagoas e Presidente da Comissão Especial da Mulher Advogada do Conselho Federal, Fernanda Marinela, que abordará os temas “O Processo Administrativo no Novo Código de Processo Civil” e “A Mulher e Advogada: Desafios e Conquistas”. No final, ocorrerá sorteio de brindes entre as advogadas. Para participar do evento, as inscrições devem ser feitas gratuitamente no prédio da OAB/MA e no site da instituição, as vagas são limitadas.

Fechando a programação, no dia 14 de março às 8h30, a OAB/MA promoverá uma manhã de atividades na academia Viva Água, Renascença II. Serão oferecidas às advogadas diversas atividades fitness como pilates, treinamento funcional, zumba, hidro, lanches lights, sorteios e distribuição de brindes. A médica especialista em endocrinologia, Viviane Chaves de Carvalho, ministrará palestra sobre Qualidade de Vida. A Comissão dos Direitos da Mulher e da Advogada entregará na portaria da academia as camisas convites para garantir o acesso ao evento. O encerramento das atividades está previsto para 11h30.

sem comentário »

Bogotá é aqui [artigo do juiz federal e professor universitário Roberto Veloso]

0comentário

Diante do fenômeno crescente da criminalidade, a discussão sobre segurança pública é urgente. O título deste artigo é propositadamente provocante, deixa margens a muitas leituras. Interpretações podem ser usadas para um passado, para um presente e para o futuro. Um passado que já se foi em Bogotá, mas é presente aqui. Um presente em Bogotá que pode ser o futuro de São Luís.

Falando de um passado em Bogotá, pode-se verificar que até 1995 a taxa anual de homicídios era de 80 para cada grupo de 100.000 habitantes. A Capital da Colômbia era o paraíso do narcotráfico. O consumo e o comércio de drogas faziam parte do cotidiano da população. Os furtos e os assaltos praticados por usuários alimentavam o sistema. A disputa entre grupos rivais pelo controle dos pontos de venda causava mais mortes.

O presente de São Luís se parece com o passado de Bogotá. Segundo dados da Secretaria de Segurança Pública do Estado, em dezembro de 2014, ocorreram 78 homicídios na região metropolitana da ilha de Upaon Açu.  No ano passado foram cerca de 1.000.

Tal número de assassinatos confere à ilha – ainda encantada – uma taxa aproximada de 80 homicídios a cada 100.000 habitantes, mesmo percentual de Bogotá antes de 1995. Note-se que a região metropolitana inclui os Municípios de São Luís, São José de Ribamar, Raposa e Paço do Lumiar.

Bonde dos 40 e Primeiro Comando do Maranhão são os nomes das organizações criminosas que disputam o controle do narcotráfico por aqui. A disputa por território entre essas facções desencadeia mortes em série, uma espécie de efeito dominó, no qual a morte de policiais começa a ser inserida como prêmio aos mais ousados membros dos bandos. Consequentemente, a violência atingiu a Penitenciária de Pedrinhas que vive sob  terror desde 2013, com o assassinato e o esquartejamento de presos.

Não se pode negar o aumento nos últimos anos dos furtos e dos assaltos, seja nas ruas ou nas residências. Tais atitudes geram mais mortes, quando os assaltados são tomados instintivamente pela vontade de defender seus patrimônios e são alvejados por projéteis desferidos por pessoas desprovidas de qualquer conceito de humanidade, ceifando a vida de pais de família, deixando viúvas e filhos ao desamparo.

Toda essa situação pode ser minorada se forem adotadas medidas transformadoras da realidade. O exemplo de sucesso na América do Sul é a experiência de Bogotá. Adotar providências semelhantes às praticadas na capital colombiana podem melhorar a qualidade de vida do habitante insular no aspecto da segurança pública.

Para isso, a primeira atitude é investir na polícia, tanto civil quanto militar, dando-lhes a necessária infraestrutura para combater a criminalidade. Não se faz isso da noite para o dia, mas é urgente pelo menos dobrar o efetivo das duas polícias, com a capacitação dos recrutados e dos veteranos.

Ao mesmo tempo, adquirir novas viaturas e dotar as delegacias e os batalhões de equipamentos de alta tecnologia e armamento compatível com os usados pelos traficantes. Nos bairros onde há maior incidência de crimes, devem ser instaladas unidades permanentes de policiamento preventivo, repressivo e investigativo, nos moldes das UPPs cariocas.

Nessas localidades moram, na imensa maioria, cidadãos de bem, trabalhadoras e trabalhadores, pais e mães de famílias precisando de atenção estatal.

Outra medida tomada em Bogotá foi a determinação do fechamento a uma hora da manhã dos bares e casas noturnas que vendem bebidas alcoólicas. Em um ano, o número de homicídios caiu em 8%. O de mortos em acidentes de trânsito diminuiu 15% e o de feridos em 11%. Os médicos, enfermeiros e funcionários do Socorrão agradecerão a medida.

Ao lado dessas restrições, em Bogotá, houve uma intensificação das ações sociais, com água encanada, esgoto sanitário, escolas, postos de saúde e outras atividades de cidadania aplicadas às comunidades atingidas pela entrada da polícia. Hugo Acero, secretário municipal de segurança pública de Bogotá entre os anos 1995 e 2003, disse que aos delinqüentes deixavam muito clara a mensagem: “Nós não vamos sair daqui”. E aos cidadãos, diziam: “Estamos aqui para melhorar a vida de vocês”.

Em oito anos, Bogotá reduziu o número de homicídios de 80 para cada 100.000 habitantes para 23 a cada 100.000, tirando a capital colombiana do rol das cidades mais violentas do mundo.

São Luís precisa reagir, hoje ela ocupa a incômoda posição de 15ª mais violenta do mundo e a 7ª do Brasil, segundo a ONG Conselho Cidadão pela Seguridade Social Pública e Justiça Penal, do México. Tomando as medidas adequadas, a capital maranhense pode ser o que hoje é Bogotá: uma cidade pacificada.

sem comentário »

Corregedoria Geral da Justiça do TJMA instala Conselho da Infância e da Juventude

0comentário

Fonte: e-mail da AssCom da CGJ do TJMA

Com o objetivo de atuar na promoção de políticas públicas que garantam os direitos de crianças e adolescentes a Corregedoria da Justiça do Maranhão instalou, segunda-feira passada (23/02) o Conselho da Infância e da Juventude. Os membros empossados aproveitaram para realizar a primeira reunião de alinhamento do órgão, que foi coordenada pelo juiz corregedor José Américo Costa.

Além do juiz corregedor, compõem o Conselho a corregedora da Justiça, desembargadora Nelma Sarney; o promotor de Justiça Marcio Tadeu; os juízes da Infância José Costa, Livia Aguiar e Delvan Tavares; e a assistente social Tatiana Machado.

Na abertura dos trabalhos, José Américo disse que o órgão tem a finalidade de dar apoio aos juízes que atuam no 1º grau e fortalecer a rede de proteção à criança e ao adolescente. O magistrado também destacou que é preciso buscar a uniformidade na adoção de procedimentos, melhorando os serviços judiciais. “Vamos atuar no sentido de articular ações e institucionalizar iniciativas voltadas para a garantia dos direitos da infância e da juventude”, afirmou.

O promotor de Justiça da Infância Marcio Tadeu elogiou a iniciativa da Corregedoria na instituição do Conselho. Para ele, o Judiciário tem um espaço privilegiado na garantia dos direitos dos cidadãos, sendo importante essa atuação do órgão corregedor. “O que a Corregedoria garante com essa medida é a obediência ao princípio constitucional da prioridade absoluta aos direitos da criança e do adolescente. Assim, vai caber ao Conselho, com apoio de todos os integrantes, realizar ações articuladas na área em questão”, explicou.

O juiz corregedor Tyrone Silva acompanhou a reunião e reforçou a necessidade de intensificação das ações voltadas para crianças e adolescentes. “Como juiz já atuei nessa área e entendo como fundamental o estabelecimento de iniciativas que venham para fortalecer as ações de proteção a menores”, disse.

Delvan Tavares, juiz titular da Vara da Infância de Imperatriz, avaliou que, com a instituição do Conselho, as ações poderão ocorrer de forma integrada em virtude da maior articulação entre os conselheiros. Ele alertou para o grande número de adolescentes vítimas da violência em sua comarca sendo necessária uma atuação mais enérgica do poder público.

Essa visão também é compartilhada pelo juiz da 2ª Vara da Infância de São Luís, José dos Santos Costa. De acordo com o magistrado, somente em 2014, mais de 30 ações contra menores infratores foram extintas. Estima-se que mais de 90% tenha ocorrido em função de morte violenta desses adolescentes que respondiam por atos infracionais.

Estatística– A preocupação trazida pelos juízes se justifica ao analisar o Índice de Homicídios na Adolescência (IHA), divulgado pelo Programa de Redução da Violência Letal, que é coordenado pelo Unicef e Secretaria de Direitos Humanos do Governo Federal. De acordo com os dados do IHA, 36,5% das causas de morte dos adolescentes decorrem de homicídios, enquanto para a população total esse percentual não ultrapassa 4,8%.

Com base de dados de 2012, o Índice também mostra uma previsão assustadora, ao estimar que mais de 42 mil adolescentes, entre 12 e 18 anos, poderão ser vítimas de homicídio nos municípios brasileiros com mais de 100 mil habitantes até 2019. E aponta que a Região Nordeste apresenta maior incidência de mortes violentas de adolescentes, 5,97 ante 3,32 da média nacional.

Dados da Secretaria de Segurança do Maranhão revelam que somente nos dois primeiros meses de 2015, das 143 mortes registradas na Região Metropolitana de São Luís, 15 foram de adolescentes. Dois casos acendem o alerta, os homicídios de um adolescente de 14 anos e de outro com apenas 13. Outras 56 pessoas assassinadas tinham idades de 18 e 25 anos. Segundo as forças de segurança do Estado, grande parte desses crimes está relacionada ao tráfico de drogas.

Para José Américo os dados são reflexos uma realidade cruel, que precisa ser combatida com uma atuação integrada da rede de proteção à criança e ao adolescente. “Nosso papel é atuar na correta aplicação do Estatuto da Criança e do Adolescente, assegurando os direitos previstos na legislação, sobretudo a proteção integral”, ratificou o juiz.

Prioridade absoluta– Definido pela Constituição de 1988 (art. 227), esse princípio determina como dever da família, da sociedade e do Estado assegurar direitos fundamentais à criança e ao adolescente, tais como o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, à profissionalização, à cultura, à dignidade, à convivência familiar e comunitária. Esse dispositivo constitucional foi esmiuçado na Lei 8.069/90 (Estatuto da Criança e do Adolescente).

Também participaram da reunião a juíza Livia Aguiar, que atualmente responde pela 1ª Vara da Infância de São Luís; e a assistente social Tatiana Machado. A juíza falou da necessidade do resgate de alguns projetos, como o Família Acolhedora. Enquanto a assistente social lembrou que, tanto no trabalho de proteção como na aplicação de medidas socioeducativas, é importante a participação dos familiares dos menores.

sem comentário »

Juiz Douglas de Melo Martins convoca audiência pública para ouvir Petrobrás sobre obra de refinaria em Bacabeira/MA

0comentário

Fonte: e-mail da AssCom da CGJ do TJMA

Audiência pública marcada para o dia 18 de março, às 9h, no Fórum Desembargador Sarney Costa, no Calhau, tem por objetivo ouvir a Petróleo Brasileiro S/A – Petrobrás acerca da obra da refinaria em Bacabeira. Assinada pelo titular da Vara de Interesses Difusos e Coletivos de São Luís, juiz Douglas de Melo Martins, a convocação atende a pedido de tutela antecipada em Ação Popular interposta pelo advogado Pedro Leonel Pinto de Carvalho em face da Petrobrás.

Na ação, o autor pretende que seja determinado à ré, por determinação judicial, “a retomada definitiva da execução do projeto de implantação da Refinaria Premium I, no município de Bacabeira”.

Dinheiro público - Nas palavras de Douglas Melo, o objetivo da audiência é ouvir a Petrobrás sobre os fatos alegados pelo autor, entre os quais o investimento de dinheiro público (“daí a competência da Vara”, explica o juiz) na obra. Segundo o autor, o Governo do Maranhão pagou e paga para as pessoas que foram remanejadas do local, explica o juiz.

“Vamos convocar Governo do Estado, Prefeitura de Rosário, Secretaria de Indústria e Comércio do Estado, representantes das comunidades que foram remanejadas, parlamentares”, diz o juiz. De acordo com o magistrado, a ideia é colher informações para subsidiar a decisão quanto ao pedido de liminar para que as obras sejam retomadas. Ainda segundo Douglas, a decisão deve ser proferida “uns cinco dias após a audiência”.

Terrenos - Na ação em tramitação na VIDC, o autor alega que, nos idos de 2008, Petrobrás e Governo Federal noticiaram a construção e instalação da Refinaria no município, obra essa inserida na segunda etapa do Programa de Aceleração de Crescimento – PAC 2. Ainda de acordo com o autor, em protocolo assinado em 2009 por Petrobrás e Governo do Maranhão o Governo “se comprometeu a disponibilizar, desembaraçados e legalizados, todos os terrenos para construção do complexo, além de garantir a infra-estrutura básica de segurança, educação, saúde e transporte para os trabalhadores”.

O autor alega ainda os recursos de particulares investidos nas demandas da construção da refinaria, bem como o investimento de R$ 2.111 bilhões (dois bilhões, cento e onze milhões de reais) em verbas públicas e o anúncio da Petrobrás do cancelamento da obra.

Moralidade - Na visão de Pedro Leonel, além de grave dano ao patrimônio público, o abandono da obra caracteriza ainda grave dano à moralidade pública. “Caracteriza-se deveras imoral o abandono de uma obra pública após um dispendioso gasto público da ordem de R$ 2,1 bilhões de reais”, afirma.

Para o autor, “é dever do Judiciário expurgar do mundo jurídico não só os atos administrativos que não se coadunam com a lei, como também aqueles que ferem a moralidade administrativa”.

sem comentário »

Corregedoria Geral da Justiça do TJMA vai auxiliar projeto do Governo Estadual para a emissão de certidão de nascimento

0comentário

Fonte: e-mail da AssCom da CGJ do TJMA

Exibindo Oriana Gomes e Sec Direitos Humanos (2).JPG

Uma reunião entre a juíza auxiliar da Corregedora Geral da Justiça Oriana Gomes e a diretora da Casa do Cidadão da Secretaria de Direitos Humanos do Estado (Sedihc), Mari Silva, marcou a retomada do diálogo entre as duas instituições. A proposta principal do encontro foi discutir sobre o apoio do Judiciário ao projeto Mais IDH na emissão de registro civil de nascimento.

Desenvolvido pela SEDIHC, o projeto Mais IDH pretende levar ações de cidadania, por meio de unidades móveis, aos municípios maranhenses com menor Índice de Desenvolvimento Humano do Estado. Na primeira etapa do projeto, serão contemplados 30 cidades nessa situação.

A solicitação do apoio consiste na intermediação da Corregedoria junto aos cartórios, a fim de agilizar o processo de emissão da certidão de nascimento. A juíza Oriana Gomes destacou que os cartórios seguem procedimentos padrão para emitir os documentos, mas assumiu o compromisso de contribuir no que for possível para o sucesso na execução do projeto.

sem comentário »

Advogados e estagiários maranhenses têm até o dia 28/02 para efetuar pagamento da anuidade 2015 com 5% de desconto

0comentário

Fonte: e-mail da AssCom da OAB/MA

Advogados, estagiários e provisionados da OAB/MA têm até o dia 28 de fevereiro para efetuar o pagamento da anuidade de 2015 com 5% de desconto e também para efetivar o parcelamento no cartão de crédito em até 10 vezes, sem desconto, conforme resolução nº 005/2014. O prazo final para pagamento, sem o abatimento, vence no dia 31 de março.

Para os estagiários, o valor da anuidade será de R$ 380,00, equivalente à metade da anuidade de advogados e provisionados. A novidade este ano é que também o estagiário poderá optar pelo desconto ou pelo parcelamento da sua anuidade, nas mesmas condições aplicáveis aos advogados (art. 2º, § único). Advogados licenciados não pagam anuidade.

sem comentário »

Qual a utilidade e como funcionam as tornozeleiras eletrônicas?

0comentário

Fonte: http://www.cnj.jus.br/noticias/cnj/30743-qual-a-utilidade-e-como-funcionam

Divulgação/CNJ

Qual a utilidade e como funcionam?

A colocação de tornozeleiras eletrônicas em pessoas investigadas e condenadas está entre as alternativas adotadas pelas autoridades para frear o encarceramento em massa no Brasil, hoje com uma das maiores populações prisionais do mundo, de 581.507 detentos (dados do Ministério da Justiça de dezembro de 2013). Essa tecnologia permite que, a partir de uma central de monitoração, servidores da Administração Penitenciária dos estados acompanhem, à distância, os deslocamentos dos vigiados.

A monitoração eletrônica tem base legal relativamente recente no País, sendo prevista, inicialmente, na Lei n. 12.258/2010, que alterou a Lei de Execução Penal (Lei n. 7.210/1984) para permitir o emprego dessa tecnologia na fiscalização do cumprimento de benefícios penais por condenados, entre eles a saída temporária e a prisão domiciliar.

Já a Lei n. 12.403/2011 alterou o Código de Processo Penal (Decreto-Lei n. 3.689/1941) e admitiu a monitoração eletrônica também como medida cautelar diversa da prisão – uma estratégia para enfrentar o alto índice de presos provisórios (réus que aguardam na prisão o julgamento de seus processos), hoje de 41% da população carcerária nacional. Entre as medidas cautelares está a proibição de o investigado ou processado frequentar determinados lugares como bares, casas noturnas e estabelecimentos congêneres.

Como a legislação sobre o uso de tornozeleiras é recente, nem todas as unidades da federação utilizam essa tecnologia. Para ampliar o seu emprego, o Departamento Penitenciário Nacional (Depen) do Ministério da Justiça repassa recursos por meio de parcerias que foram firmadas, até o momento, com o Distrito Federal e os estados de Alagoas, Bahia, Goiás, Paraíba, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Espírito Santo, Tocantins e Santa Catarina.

Vantagens – Segundo o Depen, além de evitar que investigados e condenados entrem em contato com o ambiente estigmatizante das prisões, a monitoração eletrônica também traz economia aos cofres públicos. Enquanto um preso custa, em média, R$ 1,8 mil por mês, a monitoração eletrônica de uma pessoa pode custar de R$ 200 a R$ 600 mensais, dependendo dos termos contratuais da empresa fornecedora dos equipamentos, informou o órgão federal.

Outro benefício trazido pela tecnologia, conforme o Depen, é a aplicação de tornozeleiras em pessoas consideradas em situação de vulnerabilidade dentro do sistema prisional, como, por exemplo, gestantes, portadores de doenças infectocontagiosas, condenados maiores de 70 anos de idade, mulheres com filho menor e portadores de deficiência física ou mental.

O órgão destaca ainda a eficácia da tecnologia no controle de fugas, pois os equipamentos possuem sensores que identificam a proximidade da tornozeleira com a pele, além de outros destinados a alertar para o seu rompimento. Quando a pessoa vigiada viola as regras, geralmente ela perde os benefícios legais e vai para a prisão. No estado de São Paulo, de uma população carcerária de 222.577 detentos, 4.800 (2,15%) usam tornozeleiras, todos cumpridores de pena no regime semiaberto. No Rio de Janeiro, de um total de 40.984 detentos, 1.441 (3,51%) usam tornozeleiras, sendo a maioria cumpridores de prisão domiciliar.

sem comentário »

Gostaria de participar do projeto – Anjos da Enfermagem – da Universidade CEUMA?

0comentário

Fonte: http://www.ceuma.br/portal/projeto-anjos-da-enfermagem-esta-a-procura-de-novos-voluntarios/

flyer[1]

A Coordenadoria do Curso de Enfermagem da Uniceuma informa que o Projeto Anjos da Enfermagem está à procura de novos Voluntários! Estão abertas as inscrições para o maior projeto de Responsabilidade Social da Enfermagem. A importância da terapia do riso na recuperação de pacientes, já foi cientificamente comprovada.

A técnica terapêutica possibilita o resgate do nosso bom-humor, bom astral e otimismo, possibilitando atitudes mais positivas e prazerosas perante a vida. Nessa perspectiva, surgiu o Instituto Anjos da Enfermagem, organização não governamental, no estado do Ceará. No estado do Maranhão, a implantação da Ong no ano de 2008 foi uma iniciativa do Conselho Regional de Enfermagem (Coren) e teve o acompanhamento de representantes do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen). Foram selecionados acadêmicos de Enfermagem da Universidade Ceuma (UNICEUMA) e Instituto Florence de Ensino para atuarem como voluntários na Ong Anjos da Enfermagem.

Para a nova geração de Anjos, Poderão concorrer às vagas, somente acadêmicos de enfermagem das instituições parceiras (CEUMA e FLORENCE) e, que, comprovadamente preencham os seguintes requisitos:

– Ser maior de 18 anos;

– Ter disponibilidade de 10h semanais para se dedicar as atividades previstas pelo projeto;

– Residir no município para o qual irá concorrer;

– Estar devidamente matriculado na universidade parceira;

– Não pertencer ao quadro de voluntários de outros programas;

– Está cursando entre o 1º. e 6º. Semestres.

As inscrições vão de 02 a 06 de março e podem ser realizadas nas Coordenações de Enfermagem do Instituto Florence e Universidade CEUMA!

O seletivo será realizado nos dias 12,13 e 14 de março, na sede do Conselho Regional do Maranhão (Coren-Ma).

Edital: http://www.ceuma.br/portal/wp-content/uploads/2015/02/EDITAL-Projeto-Anjos-da-Enfermagem-2015.pdf

Anjos da Enfermagem Núcleo Maranhão, Somos mais que AMIGOS, Somos ANJOS!!

sem comentário »