K-EntreNós, tem tudo a ver, sim…

2comentários

Acompanhando as notícias de hoje, leio nota da Kátia em que diz não ter nada a ver a indicação do Joaquim Haickel para a Secretaria de Esportes e Lazer – agora desmambrada da Juventude; um grande equívoco…

Joaquim tem se dedicado, sim à Cultura nos últimos anos. Claro que paralelo à sua carreira política. Deputado que soube honrar a herança de seu pai, Nagib. Sempre conciliador, um homem de partido, haja vista sua renuncia a um novo mandato garantido.

Justa a contrapartida do sacrificio imposto!!! Joaquim é e sempre foi um homem do esporte. Mais, ouso dizer que é um ‘lazerista” ou ‘lazerento’, como dizem alguns.

Servo-me de Jordão Ramos (1978) para explicar esse ponto de vista. Afirma que “… desde a velha Grécia, sente-se enorme afinidade entre cultura e desporto, duas fontes do mesmo humanismo, na apreciação feliz de René Maheu. Ambas procedem da mesma origem, o lazer …” (p. 21.).

A este respeito, Aristóteles já questionava se a ginástica não contribuiria para a recreação mental e para a aquisição de conhecimentos. Para Aristóteles, a preguiça e o ócio são o princípio do universo. A concepção grega do lazer baseava-se numa associação à aprendizagem ou cultivo do eu, pois nos tempos antigos o homem livre, fora da guerra, não tinha mais do que lazeres.  Isso significa que o lazer é uma condição ou um estado – o estado de estar livre da necessidade do trabalho.  (PARKER, 1978)

Deve-se destacar que os gregos empregavam a mesma palavra para designar o ócio, a escola e a educação pois “… a palavra ‘escola’ tem por trás dela uma história curiosa. Originalmente significava ‘ócio’, adquirindo depois o sentido exatamente oposto de trabalho, preparação sistemática, à medida que a civilização foi restringindo cada vez mais a liberdade que os jovens tinham de dispor de seu tempo,  e levando estratos cada vez mais amplos de jovens para uma vida cotidiana de vigorasa aplicação da infância em diante”. (HUIZINGA, 1971, p. 165).

Então, Lazer é termo amplo, e abriga tanto o esporte quanto a cultura. Daí Joaquim estar sim, no lugar certo. Na Secretaria de Esportes e Lazer, e não da Cultura. Ganhamos duplamente…

Mas o que Kátia talvez naõ lembre – nem tenha lido a reportagem logo adiante de sua coluna – que Joaquim é e sempre foi um homem do esporte.

O conheci ainda em 1976, jogador de basquete. E já na Seleção Maranhense, que iria disputar os Jogos Escolares – daquele ano e dos anos seguintes, enquanto atleta do Batista. Sem favor, por méritos próprios, dada a sua qualidade técnica!!! O que se pode verificar até hoje, quando das partidas dos Masters. Nunca abandonou as quadras…

Por ser oriundo de um esporte coletivo -  e seu perfil enquanto deputado o demonstra – aprendeu que a equipe, o conjunto, é que importa: trabalho em equipe…

Conhece, e acompanha as sucessivas crises de nosso esporte, em especial o esporte escolar e o amador, onde sempre militou. Se não se envolveu, tomando partido, é em razão de seu espírito conciliador, de procurar uma solução pacífica e que agrade a gregos e troianos… em cima do muro? não, aprendeu a ser conciliador com seu pai… e a ginga que a politica lhe ensinou desses anos de Assembléia Legislativa…

Outra coisa, Kátia, isso será muito favorável nesse momento. Primeiro, sua proximidade com a Governadora; segundo, sua proximidade com os dirigentes do esporte; terceiro, as manifestações dos diversos setores do nosso ‘f…’alido esporte, apoiando a escolha. Dou-lhe um crédito de confiança…

Depos, sua experiencia na politica, a convivencia com nossos representantes, seja de que partido e/ou corrente, nos será – e a ele – útil: voce viu os pouco mais de 176 MILHÕES  destinados apenas pelos Federais para nosso esporte? na dinamica de sua distribuição, 50 milhões estão destinados à São Luís – aí é Castelo quem decide onde aplicá-los; 100 milhões – será que esse valor está certo? – para Timon… e o restante para algumas Prefeituras – e são os Prefeitos que decidem onde aplicá-los – e a outra parte para ‘municípios do estado do Maranhão’, onde a SEDEL (?) poderá intervir.

Meu conselho? cerque-se de gestores competentes, de preferencia de carteirinha, para preparar os projetos – de aplicação e o arquitetonico, e que conheçam o mercado da construção esportiva -, para ajudar a essas Prefeituras, em um plano integrado de aplicação…

Mais importante de tudo: uma equipe técnica!!! não curiosos, como a SEDEL está cheia… para um trabalho profissional, profissionais… em que pese o relevante serviço que essa equipe prestou nesses anos, está na hora de uma arejada. A realidade do Estado mudou, e muito, assim como as Políticas Públicas do esporte.

Lembrando que temos pela frente alguns grandes eventos – megaeventos – e que o Maranhão, fatalmente – está na rota, seja como participe direto – subsede – seja como roteiro de viagem – turismo.

Coloco à disposição todo o material do último ENAREL – tenho todas as palestras – escrita, e os videos das apresentações, em que foram definidas e expostas as diversas políticas para a área – Lazer , em sua concepção ampla…

Temos um evento internacional na área, já aprovado para 2012, quando setembro vier: o 24o. ENAREL… o IF-MA/Centro Histórico apresentou  proposta de sediar o evento, em razão dos 400 anos de São Luis… e há uma grande expectaiva em torno disso. Então, Joaquim, de primeira hora, uma reunião com a Professora Terezinha e sua equipe para definir a participação da SEDEL: há necessidade de inclusão desse evento no orçamento de 2012, e se deve desde já garantir a participação da SEDEL (?)…

O Biguá fez uma provocação, e nos comprometemos, o Oliveira Ramos e eu, em entrar nesse barco (já furado…) de discutir os rumos do esporte e do Lazer do/no Maranhão. Uma Desconferencia do Esporte & Lazer… possibilidade de um diagnóstico… se haverá a construção de um Plano de Governo, onde serão estabelecidas as Políticas Públicas – de Estado e de Governo – seria interessante reunir as principais lideranças para uma conversação. Indico os Drs.  Laércio Elias Pereira e Lino Castellani Filho  – ambos seus conhecidos – para coordenar os trabalhos…

Bom, Kátia, fiz uma mistura danada, mas acho que deu para voce entender, cá para nós, que Joaquim tem competencia, sim, para gerir nosso esporte. Pelo menos, essa é nossa esperança e desejo para o ano novo que se aproxima…

Leopoldo 

2 comentários para "K-EntreNós, tem tudo a ver, sim…"


  1. José de Oliveira Ramos

    Quer saber, sinceramente?
    Eu também fiquei dividido e caminho de mãos dadas com Kátia. Claro que o Governo é da Roseana e ela tem o direito de nomear quem bem entender, até porque a nossa democracia é mais uma coisa de mentirinha e a única coisa que temos direito é pagar impostos e a obrigação de votar – e muitas vezes nem naquele que queremos.
    Talvez a minha meia decepção esteja justamente no fato de que, “TÉCNICO”, em relação ao ESPORTE, eu considero não aquele que SIMPLESMENTE PASSOU OU PRATICOU uma modalidade, pois isso não lhe aufere conhecimento suficiente para comandar uma pasta. Fica evidente que, se o Joaquim comedor de tapiaca acertar no comando da Secretaria, terá sido mais pela sua competência, pela sua formação cultural e principalmente pelo trânsito que possui em algumas áreas do que pelo fato de ter sido jogador de Basquete. Quando penso em técnico, estou pensando, também, em gestão. Nesse caso específico, técnico para minha satisfação é Manoel Trajano, Dimas Araújo, Denise Araújo, Leopoldo Vaz, Zimbres, Paulo Tinoco entre outros. Não fosse assim, já imaginou nomear Tião (o falecido) como Secretário de Esportes?
    No fundo, o Joaquim esteve titubeando por alguns dias, porque ele tinha em mente a Secretaria de Cultura e para a qual eu considero que ele é até melhor que o Bulcão. Mas, quando ele teve conhecimento que a Governadora não mexeria com o Luís Henrique, resolveu esquecer qualquer outra. E ele fora realmente convidado para a Secretaria de Esportes antes mesmo da eleição e desdenhou porque pensava exclusivamente na Cultura. Mas esse é outro assunto.
    Dá para esperarmos alguma coisa positiva do Joaquim no Esporte?
    Claro que dá. Evidente que dá. Repito, mais pela sua formação cultural e trânsito livre do que pelo fato de ter navegado pelo Basquete. Estou produzindo matéria a respeito para esta sexta ou para sábado. Abraços. Feliz Ano Novo.

  2. leopoldovaz

    Meu Mestre Oliveira,

    Dos males, o menor!!!
    Você preferia o Roberto, de volta? ou o seu clone, o ‘Tafarel”? Ou que seguisse ‘juntadas’ as duas ‘vertentes’, esporte + juventude? viu no que deu…
    Joaquim, pelo menos, se não é um ‘profissional de educação física’ de formação universitária e conhecedor de gestão esportiva, como os que você nomeia – me incluindo entre esses, obrigado! – pelo menos tem uma visão melhor, experiencia e viveu os bons tempos de nosso esporte. 1976 era uma criança… aluno-atleta do Batista (do colégio…); Claro que isso apenas não o qualifica.
    O Tião, antes do desastre de ser levado para esse mesmo Batista e ter vivido uma vida que não era a dele, tinha alguma formação, mas não a ponte de hoje merecer uma função como essa, pelo que foi ao final de sua melancólica carreita. Fica, apenas, o exemplo, de (des)contrução de um mito, como tantas promessas que vimos e conhecemos.
    Volto a reafirmar: neste momento, trata-se de uma boa escolha. Vamos ver como vai se desdobrar, com a indicação dos demais cargos. Se os mesmos ficarem nos mesmos lugares, sei não!!! vamos esperar a nomeação dos Vices – vai permanecer aquela quantidade de subsecretários, criados pelo Jackson para acomodar as diversas correntes PDTistas e o chororô da mulher do seu fiel escudeiro Reginaldo – lembra de Don’Ana? ‘vai sê deputá cute o que cutá?, pois é, a história se repete como farsa… ‘meu filho vai ser secretário, custe o que custar’… cria-se (mais uma) subsecretaria para abrigar os interesses pessoais/partidários… e ainda tinha o Sr. Pereirinha no pé…
    Se se vai repetir a história, não será mais como farsa, será como tragicomédia, então… trágico para o esporte, e comédia na medida em que estarão rindo, uma vez mais, de nossa cara. Aliás, ainda mantenho perto do compu-puta-dor meu nariz vermelho, para ler as noticias… e alguns blogs…
    Mas vamos esperar. Ver se Joaquim é tudo isso que penso! espero estar certo, em pelo menos 50%, de que ele se cercará de pessoal técnico. Afinal, o cargo é políticp e se ele souber se valer conseguirá reverter a debaclê de sua carreira política…
    O tempo, é o senhor do destino…

deixe seu comentário