ATLETISMO – MUNDIAL DE JUVENIS

0comentário
ATLETAS FAZEM ÍNDICE PARA MUNDIAL DE JUVENIS

Fonte: CBAt

Bárbara Farias (400 m) e Andressa de Morais (martelo) vencem em Bragança (Marcelo Ferrelli/CBAt)

Dois atletas conseguiram resultados importantes no Torneio FPA/CNE, realizado em Bragança Paulista (SP), nos dias 29 e 30 últimos, confirmou, nesta segunda-feira, a Confederação Brasileira de Atletismo: Bárbara Farias de Oliveira (400 m) e Jonathan Henrique Silva (salto triplo), que alcançaram a qualificação para o Campeonato Mundial de Juvenis, que será disputado em Moncton, no Canadá, de 19 a 25 de julho próximo.

Campeã brasileira e sul-americana juvenil dos 400 m, Bárbara Farias venceu a em Bragança, com 53.61, e superou o índice da IAAF (53.97). Paulista de Osasco, Bárbara ganhou a medalha de bronze no 4×100 m no 4×100 m, no Mundial de Juvenis disputado na Polônia, em 2008. Ela fará 19 anos em 12 de março próximo, compete pela BM&FBovespa e treina com Marcelo Lima.

Já o mineiro de Varginha Jonathan Henrique obteve a qualificação com 15,76 m e vento contra de 1.4 m/s (o índice da IAAF é 15,67 m). Ele treina com Tânia Moura e fará 19 anos em 21 de julho. Na prova, ele foi o 4º colocado, atrás de Jéfferson Sabino (16,46 m), Jean Rosa (15,91 m) e Fernando Cunha Filho (15,84 m).

No torneio, ainda, Eliane Martins venceu o salto em distância com 6,36 m (vento de 0.1 m/s) e Fabiana Moraes ganhou os 100 m com barreiras, com 14.06 (0.7). As duas já viajaram para a Europa e, segundo o técnico Nélio Moura, nesta terça-feira (2) competem no Meeting Indoor de Viena, na Áustria.

“A Eliane já tem índice para o Mundial Indoor de Doha (Catar, de 12 a 14 de março) e já cumpriu a exigência de fazer uma competição para ser convocada e na Europa tentará aprimorar sua forma”, disse Nélio. Já a Fabiana buscará o índice, que “é muito forte (8.20, nos 60 m com barreiras indoor)”, diz Nélio.

Quem também venceu em Bragança foi Fábio Gomes da Silva (BM&FBovespa), que fez 5,40 no salto com vara. Para obter a qualificação para Doha, ele precisa saltar 5,70 m. “Há mais duas competições até o próximo dia 21 (prazo final para a qualificação) e pode alcançar o índice”, diz o treinador Élson Miranda de Souza.

Elisângela Adriano (BM&FBovespa) venceu no lançamento do disco, com 55,63 m Andressa de Morais (REDE Atletismo) foi a primeira no lançamento do martelo, com 57,42 m Kléberson Davide venceu os 1.500 m, COM 3:48.44 no salto com vara feminino, deu Karla Rosa (BM&FBovespa), com 4,20 m.

Mais informações no site www.nosamamosatletismo.net, da Federação Paulista.

sem comentário »

Escola e Juventude – A força propulsora do Plano Mundial de Atletismo

0comentário

Escola e Juventude – A força propulsora do Plano Mundial de Atletismo

 

Monte Carlo – Ao falar sobre o Campeonato Mundial de Atletismo Plano, que foi criado em 2003 para fornecer um impulso estratégico em todos os aspectos do desenvolvimento do atletismo “, o presidente Lamine Diack sempre sublinha a importância vital de criar uma escola próspera e dinâmica e de juventude que assegure que o atletismo não é só da esquerda para os clubes, mas retorna aos sistemas de educação também.

“Eu acredito que o meu maior legado seria a de saber que eu tenho colocado o esporte de atletismo de volta onde merece estar – no coração da sociedade – e como um instrumento fundamental na educação, saúde e aptidão dos jovens em todo o mundo. E por isso, não estamos apenas olhando para as escolas primárias, onde o nosso bem estabelecido Kids Athletics programa está atingindo os menores de 12 anos -, mas fundamentalmente, o grupo etário 13-15. Se nós podemos pendurar sobre a jovens desta faixa etária, então nós realmente estamos construindo o Atlético adultos do futuro, o que beneficia o atletismo, esporte em geral e da sociedade como um todo. Mas, assim como que, na escola e iniciativas de jovens trabalham todos os níveis – não se trata apenas da IAAF a trabalhar de forma centralizada, pois temos grandes iniciativas também em nossa área de Associações, Federações e os nossos juros reais das autoridades nacionais também. Por sua razão em particular, a escola eo projeto Juventude simboliza o que a IAAF World Athletics plano representa “, disse o presidente Diack.

Da Universidade de Loughborough, uma das universidades do mundo do esporte mais famoso e de uma Academia da IAAF, a IAAF acaba de concluir um curso piloto para finalizar um novo IAAF Juventude Academia qualificação ônibus com um número de peritos de alto nível no domínio do desporto juvenil. O primeiro curso completo está programada para ocorrer em julho de 2010, em Nairobi, pouco antes do Campeonato Africano de Atletismo.

O objetivo não é apenas para criar treinadores especializados, mas para desenvolver os funcionários que podem gerir as estruturas que irão garantir que os adolescentes conseguir as melhores oportunidades para assumir o atletismo e para permanecer no esporte. A IAAF está olhando para criar um novo grupo de especialistas internacionais, criando os conjuntos de habilidades e modelos que lhes permitam gerir o desenvolvimento de atletas em uma faixa etária vital – 13-15 – a pesquisa mostra que muitas vezes afastados do nosso esporte.

A IAAF discutiu e analisou uma série de fatores relacionados ao treinamento e desenvolvimento desta faixa etária especialista – por exemplo, a forma de gerir o crescimento individual e maturidade no desenvolvimento do desporto? Como criar um sistema de identificação de talentos, como já existe no futebol? Como desenvolver a resistência e treinamento de resistência? Quais são as relações sociais entre treinadores, atletas e pais? Como o treinamento de resistência deve ser adaptada para adolescentes?

IAAF Membro Diretor de Serviços, Elio Locatelli, que estava presidindo a oficina disse: “Estamos começando a ter um verdadeiro sucesso em semear nossos programas Kids Atletismo para crianças da escola primária, em todo o mundo, muitas vezes em associação com os sistemas de ensino, o que significa que os efeitos são vai ser duradoura. Mas não queremos que todas essas crianças que gostam Kids Athletics em uma idade jovem para depois cair fora quando atingem a adolescência. A faixa etária de 13 a 15 anos de idade é vital, embora existam diferenças, obviamente, um grande entre 13 e 15 anos de idade, razão pela qual o nosso sistema é flexível e permite selecionar e preparar atletas de forma gradual, em função da sua própria maturidade física . Nosso objetivo é ter tantos jovens de 15 anos, não ficar apenas no esporte, mas com um excelente all-round capacidade atlética. Em outras palavras, eles devem ser “pronto para treinar”, por que a idade e estar no caminho certo para começar especializadas em diferentes eventos no tempo para a primeira competição da IAAF faixa etária, que é o mundo da juventude e aberto a jovens de 16-17 anos. ”

O sistema de competição que está sendo estudado atualmente por 13 anos vai continuar a garantir que todos os grupos de eventos são abordados em uma competição por equipes, mas não será muito complicada para que ele funcione facilmente em desenvolvimento, assim como os países desenvolvidos. O objectivo é ter sprints e obstáculos (variando de 60 – 200m) médio e longo curso (máximo de 2000m, incluindo uma corrida a pé), saltos e arremessos.

“Existem alguns pontos cruciais para o nosso plano. Primeiro de tudo, bem como as competições de si, o que é importante é ter uma série de testes, que nos permitem, em seguida, para monitorar o progresso dos jovens, mas também para verificar se elas são precoces, normais ou desenvolvedores tarde, como este é o caminho justo para medir as performances.

“Assim como esta, é importante notar que o grupo etário 13-15 competições serão, como é o caso do Kids Athletics, tem um conjunto bastante simples, mas abrangente de equipamento especializado. Jogando Especial implementa, obstáculos, etc Isto é importante porque torna os jovens sentem que eles têm um tratamento especial e alguém desenvolvido apenas para eles. ”

No mundo do Kids Athletics, uma das metas para 2010 e além estão a insistir numa abordagem de parceria direta com instituições que possam ver os benefícios do atletismo como esporte de base e uma forma de incentivar a saúde e fitness. Nos esforços para introduzir o atletismo miúdos o mais amplamente possível, a iniciativa mais recente ocorreu em Dacar, no Senegal, onde o prefeito da cidade juntou forças com a IAAF Kids Athletics para introduzir nas escolas primárias de toda a cidade. Abdelmalek El Hebil, responsável pela Escola e as iniciativas da juventude na IAAF, supervisionou o primeiro curso de formação de 3 dias com 30 professores do ensino PE, em 22 de janeiro de 2010. “Temos de explorar o efeito multiplicador, pois as pessoas que treinar aqui estará então em condições de treinar outros e podemos construir um grande número de professores competentes”, disse El Hebil. “Kids Athletics visa tornar a diversão do desporto e relevantes para o grupo etário mais jovem – competindo com os amigos em uma equipe, que é algo que é atraente para as crianças. O apelo do atletismo tradicionais para permitir a realização dos objectivos definidos através do compromisso só é assustador para os jovens de hoje, por isso é necessário encontrar outras formas de obtê-los interessados. ”

Regional da IAAF Centros de Desenvolvimento também são utilizados para esta finalidade, uma vez que cada uma das ERD IAAF, pelo menos, um conjunto de kits IAAF Kids Athletics (contendo os equipamentos técnicos necessários para competições de KA).

– IAAF Kids Athletics Kits foram enviados para cada RDC IAAF, mas também para 67 federações membros da IAAF, incluindo a Argélia, Botsuana, Islândia, África do Sul, Gâmbia, Gana, Noruega, Nigéria, São Cristóvão e Nevis, Quénia, Porto Rico, Ilhas Seychelles , Antilhas Holandesas, Venezuela, Cuba, Estônia, Mali, Cabo Verde, Ilhas Fiji, Líbano, Nepal e Kiribati, Benin, Libéria e de Malta, da Costa do Marfim e Mauritânia.

– Programas IAAF Kids Athletics agora fazem parte dos programas de educação em 14 países, incluindo Espanha, Ucrânia, China, Itália, Islândia, Paquistão, Egito e Ilhas Maurício. Além disso, 23 federações membros comprometeram-se a um projeto piloto para aplicar Kids Athletics em 10 escolas no interior dos seus países …

– Federações Filiadas ter iniciado as suas próprias iniciativas ligadas ao atletismo para crianças em 22 países, incluindo Coréia, Japão, Austrália, Grécia, Hungria Omã, Tajiquistão, Argélia, República do Quirguistão, México, Malásia e no Níger …

IAAF

sem comentário »

ATLETISMO – CALENDÁRIO 2010

0comentário

 O Calendário 2010 do Atletismo nacional foi divulgado oficialmente pela CBAt

A primeira competição organizada pela Confederação na próxima temporada será, mais uma vez, a “Copa Brasil Caixa de Cross Country”, em 7 de fevereiro.

Maio, novamente, será o mês dos Grandes Prêmios internacionais no País. Estão previstos quatro Meetings: Fortaleza, Rio de Janeiro, Uberlândia e Belém.

O Troféu Brasil Caixa de Atletismo, principal evento nacional, está marcado para setembro.

A próxima temporada terá a primeira edição dos Jogos Olímpicos da Juventude, para atletas nascidos em 1993 e 1994, marcados para Cingapura, em agosto.

A seletiva sul-americana para o torneio de atletismo dos Jogos será disputada no Brasil e marcará a inauguração da pista do Centro Olímpico da Prefeitura paulistana, de 3 a 5 de abril (evento pode ser antecipado).

A nova pista poderá, ainda, ser palco de um Meeting internacional, conforme estudos conjuntos da CBAt e da Secretaria de Esportes da capital paulista.

Novidade no Calendário, conforme decisão do IV Fórum Atletismo do Brasil, será a disputa de três competições interclubes, nas categorias mirim (14/15 anos), menor e juvenil.

 

sem comentário »

RIO-2016

0comentário

CAMPEÃ OLÍMPICA DE ATLETISMO LIDERA COMISSÃO DO COI PARA RIO-2016

Nawal El Moutawakel, membro do Conselho da IAAF, presidirá Comissão de Coordenação do RIO-2016 (Divulgação IAAF)

Dois campeões olímpicos de atletismo, atualmente membros do Conselho da IAAF, estão na Comissão de Coordenação do RIO-2016, nomeada pelo COI para atuar junto à organização brasileira dos Jogos. Eles são a marroquina Nawal El Moutawakel, ouro nos 400 m com barreiras em Los Angeles 1984, e o ucraniano Sergei Bubka, campeão do salto com vara em Seul 1988.

 Nawal El Moutawakel, que já havia sido a líder do Comitê que visitou as cidades candidatas aos Jogos de 2016, será a presidenta da Comissão de Coordenação. Por sinal, ela é a primeira mulher a ocupar a função.

Sergei Bubka, 1º vice-presidente da IAAF, ainda hoje é o recordista mundial de sua prova, com 6,14 m (ao ar livre) e 6,15 m (indoor). “Fico feliz com as escolhas de Sergei e Nawal para esta importante missão”, afirmou Roberto Gesta de Melo, presidente da CBAt e colega de ambos no Conselho da IAAF.

sem comentário »

ATLETISMO – NOVOS RECORDES

0comentário

NEWS FLASH – Soboleva improves her World Indoor 1500m record with 3:58.05; 4x800m mark also bettered!

Yelena Soboleva of Russia after her 1500m win in Athens  (courtesy of tsiklitiria.org)

Yelena Soboleva of Russia after her 1500m win in Athens (courtesy of tsiklitiria.org)

Moscow, Russia – Continuing her spectacular form at this weekend’s Russian Indoor Championships, Yelena Soboleva has today (Sunday 10) broken her own World Indoor 1500m record of 3:58.28 (set on 18 February 2006), with a performance that is 23/100th sec quicker – 3:58.05.**

The 25-year-old Russian who is the World Indoor (2006) and outdoor (2007) 1500m silver medallist yesterday set a national indoor 800m record of 1:56.49 at the championships

In second place in the 1500m came Yulia Fomenko, who beat Soboleva to the World Indoor title in Moscow two years ago. Fomenko’s time was 4:00.21 which was also a personal best (4:01.26 – 18 Feb 2006).

The bronze medal position in this Russian championship race was taken by Yekaterina Martynova, 21, and her time of 4:03.56 was the fastest ever indoors by a European U23-year-old athlete.

4x800m world mark also bettered!

A second World indoor record has also fallen today** at the championships, with the Sverdlovsk region improving the 4x800m World Indoor record set by a Moscow Region Team last year.

The Sverdlovsk squad finished the race in 8:14.53 over four seconds better than the previous mark of the Moscow squad (8:18.54 – 11 Feb 2007 in Volograd).

RusAthletics.ru and AFP

 

sem comentário »

ATLETISMO – CNT DE FORTALEZA FUNCIONANDO

0comentário

MAIS DE UMA CENTENA DE ATLETAS NO CNT CAIXA UNIFOR

 O “Centro Nacional de Treinamento CAIXA UNIFOR”, instalado na Universidade de Fortaleza, foca suas atividades na divulgação do atletismo, na busca de talentos e no trabalho de iniciação. Outra característica é ação preferencial para o Norte e o Nordeste do País.

Assim, é natural que a maioria dos atletas da equipe permanente do CNT CAIXA UNIFOR seja formada por atletas juvenis, menores e mirins, destas duas regiões.

Mas há também nomes na categoria adulta: 11 dos 139 atletas da equipe têm mais de 19 anos.

Cumprindo sua função, o CNT realizou 31 eventos, entre cursos, clínicas e competições em 2009. O projeto “MÍNI ATLETISMO”, para crianças de 7 a 12 anos, teve oito edições no ano passado, com a participação de quase mil crianças e professores de educação física de escolas do Estado.

Já o programa “MINHA ESCOLA NA PISTA”, para crianças de adolescentes de 12 a 16 anos, contou com 10 edições. Houve ainda cinco cursos: dois para árbitros de atletismo e três para professores e estudantes de educação física. No total, 703 crianças passaram por testes de avaliação e 128 são assistidas pelo CNT, nas categorias juvenil (até 19 anos), menor (até 17 anos) e mirim. Também houve eventos para a categoria principal, como o CAMPING DE LANÇAMENTOS, com campeões cubanos e brasileiros, e o CAMPING DE PROVAS LONGAS, com importantes corredores africanos. O CNT é resultado de convênio da Confederação Brasileira de Atletismo com a Universidade de Fortaleza, braço educacional do Grupo Edson Queiroz.

O Estádio de Atletismo, com pista de nível internacional, é palco, de 2005, do GP Caixa Unifor de Atletismo, que integra o calendário da IAAF e anualmente leva à capital cearense alguns dos maiores atletas do País, além de estrelas internacionais. “O CNT CAIXA UNIFOR é parte importante do projeto de crescimento do atletismo nacional”, explica o presidente da CBAt, Roberto Gesta de Melo. O Centro tem a direção administrativa do professor Carlos Augusto, da UNIFOR, e a coordenação técnica do treinador Marco De Lazari, da CBAt. Já estão integrados à equipe de preparadores os especialistas cubanos Leonardo Manzano (saltos) e Jorge Madan (lançamentos). Também atuam o professor João Neto (formação) e o auxiliar Leandro Lira.

sem comentário »

AVALIAÇÃO DE ATLETAS

0comentário

http://www.cbat.org.br/noticias/noticia.asp?news=3782

São Paulo – Começou neste domingo (17), em Uberlândia, o “Camping de Avaliação” para a definição da equipe permanente do “Centro Nacional de Treinamento CAIXA SESI”, instalado na Vila Olímpica de Gravatás. Um grupo inicial de 26 atletas e oito treinadores chegou no sábado à segunda maior cidade mineira, e outros dez chegarão ainda este mês, nas provas de velocidade prolongada, meio fundo, arremesso e lançamentos.

O evento marca a abertura do “Programa de Campings” da temporada, aprovado no IV FÓRUM ATLETISMO DO BRASIL, realizado pela CBAt em São Paulo, no mês passado. “Esta Camping é uma das nossas ações já com vista à busca de resultados para grandes competições dos próximos anos, principalmente os Jogos Olímpicos de Londres-2012 e RIO-2016″, disse o presidente da Confederação Brasileira de Atletismo, Roberto Gesta de Melo.

O treinador Luiz Alberto de Oliveira será o responsável pelas provas de pista: 400 m, 800 m, 1.500 m, 3.000 m com obstáculos. Especialistas cubanos liderados por Justo Navarro, responderão pelos trabalhos nos eventos de campo: arremesso do peso, lançamento do disco, lançamento do martelo, lançamento do dardo.

Na manhã de ontem houve uma palestra sobre os objetivos do Camping e à tarde os atletas realizaram atividades físicas, separados por grupos de prova. Nesta segunda-feira as avaliações já serão feitas em dois períodos: das 09 às 12 horas e das 16 às 18:30.

Haverá também palestras para atletas, treinadores e dirigentes. A primeira está marcada para a quinta-feira (21), a partir das 16 horas. Na ocasião, o advogado Thomaz Mattos de Paiva, presidente da ANAD (Agência Nacional Antidoping), falará sobre o “Programa Nacional de Controle de Doping”, da CBAt.

O Camping irá até o dia 13 de fevereiro, quando todo o grupo fará uma avaliação dos trabalhos. Os atletas aprovados, e que aceitarem fazer parte da equipe, assim como seus treinadores pessoais, firmarão termo de concordância com as regras do CNT CAIXA SESI. O Centro, aliás, é resultado de convênio da CBAt com o Sesi de Minas Gerais. A coordenação geral é do professor José Lucas, do Sesi, e a coordenação administrativa, de Anderson Rosa, CBAt.

Entre os atletas que já estão em Uberlândia há vários nomes conhecidos, entre eles o brasiliense Diego Chargal (800 m), a paulista Geisa Arcanjo, medalhista no PAN Juvenil no arremesso do peso, e o cearense Railson da Cruz, campeão sul-americano juvenil do lançamento do disco.

sem comentário »

ATLETISMO – COMEÇA TEMPORADA 2010…

0comentário
TIMBÓ ABRE CALENDÁRIO 2010 COM A COPA BRASIL CAIXA DE CROSS

Fonte: CBAt

Zenaide Viera foi a campeã, no femininoda Copa Brasil de Cross em 2009. (André Schroeder/CBAt)

São Paulo – A Confederação Brasileira de Atletismo já definiu o local em que será disputada a Copa Brasil Caixa de Cross 2010, evento que abre oficialmente o calendário da temporada: será em Timbó (SC), no próximo dia 07 de fevereiro.

Assim, a competição será disputada pelo segundo ano consecutivo na cidade, um dos centros do atletismo catarinense. E mais uma vez a disputa será realizada no Jardim Botânico, em Timbó (SC). Em 2009, os ganhadores das provas de adultos foram Gladson Barbosa (masculino) e Zenaide Vieira (feminino). “Por sinal, os campeões e a maioria dos atletas elogiaram o local da competição no ano passado”, disse o superintendente técnico da CBAt, Martinho Santos.

A competição será seletiva para o Campeonato Sul-Americano de Cross, que será disputado em 27 de fevereiro, em Guayaquil, no Equador. Serão convocados para representar o Brasil os cinco primeiros da prova masculina adulta os quatro primeiros colocados nas provas feminina adulta, masculina e feminina juvenil e os três primeiros colocados nas provas da categoria menor masculina e feminina.

O prazo para inscrição de atletas, treinadores e dirigentes terminará no próximo dia 29, às 18 horas, na sede da Confederação Brasileira de Atletismo, em Manaus. As inscrições podem ser feitas por fax ou e-mail, junto ao Departamento Técnico da entidade.

PROGRAMA HORÁRIO

1ª ETAPA – MANHÃ
08:30 – Cerimônia de Abertura
09:00 – 3 km Feminino Menor
09:30 – 4 km Masculino Menor
10:00 – 8 km Feminino Adulto

2ª ETAPA – TARDE
15:30 – 6 km Feminino Juvenil
16:00 – 12 km Masculino Adulto
16:40 – 8 km Masculino Juvenil

sem comentário »

ATLETISMO – ESPECIALISTAS CUBANOS EM FORTALEZA

0comentário
ESPECIALISTAS CUBANOS EM FORTALEZA

Fonte: CBAt

A partir da esquerda: Carlos Augusto, Marco De Lazari, Manoel Trajano, Jorge Luis, Leonardo Alfonso, Professora Fátima Veras e Professor Randal Pompeu (Divulgação)

Dois treinadores cubanos já estão na capital cearense para reforçar a equipe técnica do CNT CAIXA UNIFOR, instalado em convênio da Confederação Brasileira de Atletismo com a Universidade de Fortaleza.

A apresentação dos especialistas Leonardo Alfonso Manzano (saltos) e Jorge Luis Silveira Madan (arremesso e lançamentos) aconteceu nesta sexta-feira (8), em solenidade com a presença da professora Fátima Veras, Reitora da Universidade.

O CNT CAIXA UNIFOR, entre outras ações, foca suas atividades na divulgação do atletismo, no trabalho de iniciação e na preparação dos jovens talentos, principalmente da região Nordeste.

O chefe de esportes da Unifor é o professor Carlos Augusto de Sousa Costa e o coordenador técnico do Centro é o treinador Marco De Lazari, da CBAt.

O CNT é ligado à Vice-Reitoria de Extensão da Unifor, ocupada pelo professor Randal Pompeu, e à Gerência de Centros da CBAt, pelo professor Manoel Trajano.

Antes da apresentação às autoridades universitárias, Leonardo Alfonso e Jorge Luis foram apresentados ao grupo de atletas que já treinam no Centro.

O estádio de atletismo da Unifor conta com pista de primeira linha e recebe, desde 2005, um Meeting internacional organizado pela CBAt e que integra o calendário da IAAF, a federação internacional de Atletismo.

em tempo: Trajano é o Coordenador dos Centros de Treinamento da CBAt… nos últimos 30 anos, tem atuado no Maranhão, tendo se aposentado como professor de educação física no Instituto Federal… atuou na então SEDEL… na Federação de Atletismo, desde o seu início… me pergunto porque não veio um dos centros desses para o Maranhão… ou porque o Atletismo do Maranhãom está tão desacreditado… por que não temos mais atletas em evidencia, nem mesmo na região Norte/Nordeste… o que qconteceu com o Atletismo maranhense? 
sem comentário »

A CULTURA DO LÚDICO E DO MOVIMENTO DOS RAMKOKAMEKRA DE ESCALVADO

0comentário
Alguns alunos pediram-me um texto para estudar, abordando a cultura indígena; escrevi sobre a Corrida de Toras, dos Canelas. Segue:

A CULTURA DO LÚDICO E DO MOVIMENTO

DOS RAMKOKAMEKRA DE ESCALVADO

 

LEOPOLDO GIL DULCIO VAZ

Sócio efetivo do Instituo Histórico e Geográfico do Maranhão

 

A comunidade científica da área da Educação Física e dos Esportes tem vivido, nos últimos anos, uma crise paradigmática. A episteme tem sido motivo de reflexão na tentativa de estabelecer um referencial teórico que torne a “prática” mais “científica” e a conseqüente aceitação da Educação Física como Ciência.

Tendo acumulado uma postura voltada para o esporte, fez deste um fim em si mesmo – e seu objetivo principal – esquecendo-se que o substantivo – educação – é mais importante que o adjetivo – física. Parece-nos que a educação física precisa descobrir que pertence à cultura do homem.

Alguns pensadores  – como Manuel Sérgio VIERA E CUNHA, SANTIN, MEDINA, FREIRE, CASTELLANI FILHO -, dentre outros, têm-se voltado para o aspecto histórico-cultural – têm “filosofado” – sobre a questão do esporte, do jogo, enfim, da importância que o lúdico assume na prática da educação física. Não é fato novo, nem tende a se esgotar.

O “corpo” começa a ser descoberto na sala de aula do professor de educação física. A educação só é possível se for de “corpo inteiro”. É o que demonstra a produção acadêmica, voltada para os aspectos filosóficos, na busca de um referencial para a prática da sala de aula, procurando deixar de lado a concepção de “adestramento” que nossa profissão assumiu – por influência da missão militar francesa, introdutora da educação física no Brasil nas décadas de 30/40. Ainda hoje “pensamos” sobre um modelo “importado” enquanto estudiosos de outros países vêm buscar junto aos nossos índios respostas à questões básicas.

É o que vêm fazendo  DIECKERT e MEHRINGER junto aos Rankokamekra do Escalvado. Estes pesquisadores alemães – o primeiro, professor de educação física especialista em lazer, o segundo, etnólogo – procuram esclarecer questões antropológicas e esportivas sobre a origem e o sentido da cultura corporal, do movimento e lúdica e as suas respectivas formas de expressão e etnológicas no contexto intra e intercultural.

Buscando atingir aos objetivos que se propuseram, necessário se fez entrar em um acordo sobre os procedimentos metodológicos e a uma concepção integrativa das duas disciplinas científicas – Ciências do Esporte e Etnologia – que se unem em torno da posição básica da ciência humana. Procuram, através de registro de dados, captar e interpretar fenômenos do “ponto de vista interno” onde buscam desenvolver uma concepção da compreensão integrativa comum (procedimentos quantitativos).

Usaram,  para a coleta dos procedimentos qualitativos, a observação com protocolo de movimentos; observação participativa; registro audio-visual, escrito de mitos / histórias / textos de cantigas; entrevistas (abertas, diretivas, comparativas) e protocolos das conversações, confecção de desenhos/pinturas como também a coleção de material cultural correspondente.

Esses dados possibilitaram uma introdução na “perspectiva interna do fenômeno corporal e do movimento”, além de comporem um documento histórico, que, comparados com outras fontes de épocas diferentes, forneceram esclarecimentos sobre a dinâmica cultural, principalmenete no que diz respeito à cultura do movimento dos índios Canelas.

Encontram como exemplo da cultura do movimento desses índios – os Rankokamekra de Escalvado, como se denominama corrida de toras, realizada tanto por homens como por mulheres.

Para se entender toda essa dinâmica cultural, necessário se faz compreender o modo de vida dos Canelas: seu espaço vital – meio ambiente natural e a aldeia; sua história; seu sistema cultural – religião, organização cultural, economia.

A corrida de toras – e as corridas de revezamentos – , no contexto ritual, não aparece apenas nos Canelas, mas é uma característica de outras tribos. Na aldeia do Escalvado, Dieckert e Mehringer observaram cerca de 50 corridas durante três meses de expedição, sendo três de mulheres. Foram observadas três distâncias: corridas longas – 20 a 40 km; corridas médias – 4 a 5 km; e corridas na aldeia – 850 m. Tipo, forma, função, significado, etc., das corridas de tora só se tornam compreensíveis através do conhecimento e análise das regras. Elas constituem-se o caráter das corridas.

A “competição” entre dois grupos masculinos duais opostos, que se formam a cada início de ciclo festivo, durante o período de seca, pertence à regra central. Durante a festa de “Pepkahac” eram o grupo “Hac” (Falcões), com 24 homens entre aproximadamente 18 e 50 anos de idade e o grupo “Cojgaju” (Patos), com 27 corredores. O objetivo da competição é transportar a tora, fazendo trocas entre os corredores-carregadores o mais rápido possível, entre a partida e a chegada, onde ela deve ser jogada. O objetivo  da corrida é: VENCER.

A tática da corrida é estabelecida entre os corredores de um mesmo grupo, para não se perder tempo durante o transporte, ou na troca de ombros, ou para se evitar que a tora seja derrubada, ou que um corredor caia por cansaço. Tudo determinado pelos líderes e sub-líderes, escolhidos pelo “Conselho dos Mais Velhos”.

Embora o objetivo seja vencer o grupo adversário, um dos corredores do grupo “Hac” informou aos pesquisadores que ele sempre procura não correr muito mais rápido do que o adversário. Isso poderia causar inveja e, também, haveria o perigo de um “feiticeiro” o castigar.

Para a realização da corrida de toras há todo um ritual a ser seguido, onde os corredores-carregadores, nem todos os homens ou jovens da aldeia, passam por um período de jejum e provas, por fortificação através de plantas, pintura corporal e a determinação, por parte do “Conselho dos Velhos” de como, quando e porque será realizada a corrida, tudo de acordo com a “Lei dos Bisavós”. O peso das toras situa-se entre os 70 e 120 kg.

As corridas de toras são apenas uma competição de corridas dos índios Canelas. Também foram observadas corridas de revezamento e competição de corridas sem toras ou bastão de revezamento. Durante os diferentes ciclos festivos acontecem outras formas de corridas rituais: “As corridas de toras são, sem dúvidas, a forma de expressão mais marcante da cultura do movimento. Já a apresentação  reduzida das formas e regras, como também dos significados religiosos e dos rendimentos físicos deixa reconhecer que elas são algo muito mais do que apenas ‘amusements’, como Nimuendajú (1946) as descreve”, concluem os pesquisadores.

Para Dieckert e Mehringer é através da criação e da valorização da forma cultural da corrida de toras que os Canelas fizeram com que os princípios da “individualidade” e da “solidariedade” se tornassem a  base para a sua sobrevivência física e social. Em oposição à muitas outras tribos indígenas, que também vivem sobre a influência dos brancos fazem 200 anos, os Canelas puderam conservar de forma admirável grande parte de suas tradições, como também de seus sistemas de normas e de valores. Perguntam: será que a dominância cultural  das corridas de toras teria contribuído para tal ?

 

sem comentário »