Faixa a faixa com Cecília Leite no Plugado

0comentário

O Plugado desta quinta-feira (5/3), na Mirante FM, recebe a visita da cantora Cecília Leite para um faixa a faixa do seu segundo disco, “Enquanto a Chuva Passa”.

cecilialeite640

As doze faixas que compõem o disco foram gravadas no estúdio Visom, em São Conrado, no Rio de Janeiro. A prensagem e distribuição, deve ser feita pala Tratore (SP), a mesma que distribuiu seu primeiro CD. A arte gráfica está sendo elaborada por Cláudio Lima (que fez também a arte do primeiro CD da cantora), com fotos de Ayrton Valle.

O lançamento do CD “Enquanto a Chuva Passa” será na próxima terça-feira (10/3), em São Luís, com direito a um “pocket show” da artista.

sem comentário »

Marcelinho da Lua faz a festa no fim de semana

0comentário

Nos dias 5 (quinta-feira) e 7 (sábado) de Março, o DJ e produtor carioca  Marcelinho da Lua apresenta-se em São Luís,  ilha do Amor e Patrimônio da Humanidade, que vez por outra, muito feliz aporta. O DJ, a convite da Canil Records e apoio do Hotel Luzeiros São Luís, chega a São Luís para três apresentações, sendo na Quinta do Vinil do DJ Franklin, no Hotel Luzeiros (5/3), a partir das 19h, com lugares limitados e entrada franca.

marcelo640

A dobradinha segue no sábado (7/3), na Feijoada do Luzeiros, onde Da Lua e Franklin tocam Samba de Raiz e outras pilantragens a partir do meio dia até as 16 horas, com entrada a preços da feijoada do Hotel Luzeiros (98 3311-4949). Para fechar com chave de ouro, os DJs descem para o L’apero, para comemorar junto com os “brothers” DJs Pedro Sobrinho e o  convidado do Pôr do Som de Franklin e Pedrinho, DJ Jorge Choairy, outro residente da casa. Uma espécie de aniversário fora de época do projeto Pôr do Som, que em julho desse ano completa 4 anos. O Pôr do Som começa às 17h e os lugares são limitados ao couvert individual de R$ 10,00.

Serviço:

DJ Marcelinho da Lua

5/3- Quinta do Vinil do DJ Franklin, no Hotel Luzeiros (5/3), a partir das 19h, com lugares limitados e entrada franca.

7/3- Sábado , na Feijoada do Luzeiros, onde Da Lua e Franklin tocam Samba de Raiz e outras pilantragens a partir do meio dia até as 16h, com entrada a preços da feijoada do Hotel Luzeiros (98 3311-4949).

7/3- Sábado, às 17h, projeto Pôr do Som, com o DJ Marcelinho da Lua (RJ), Franklin (MA), Jorge Choairy (MA) e Pedro Sobrinho (MA),. Couvert: R$ 10,00 (individual).

sem comentário »

Soulvenir: shows e novo disco à vista

0comentário

Começando a temporada de 2015, paralelo à produção do nosso segundo disco, a banda Soulvenir Brasil alguns shows massa durante esse primeiro semestre.

Neste sábado, 7 de março, tocaremos no Amsterdam Music Pub, e de quebra tem show da Boys Bad News.

E dia 13 de março (sexta-feira), teremos o prazer de tocar pela primeira vez no Pará, na cidade de Parauapebas, no Lab Rock.

Enquanto o disco novo não vem,confira uma prévia do que estamos preparando, com o nosso single “Old Evil”

sem comentário »

João Bosco faz show no TAA na terça-feira

0comentário

O cantor, compositor e violonista mineiro João Bosco, com 40anos de carreira e uma obra de grande relevância para a Música Popular Brasileira, é atração em show voz e violão do projeto MPB Petrobras no dia 3 de março, às 20 horas, no Teatro Arthur Azevedo, com ingressos a preços populares: R$ 40,00 (inteira) e R$ 20,00 (meia).

No show de abertura o público confere o trabalho da cantora Lena Machado, que leva ao palco um repertório pautado nos gêneros que marcam a identidade do povo brasileiro. O MPB Petrobras chega a São Luis para promover a música popular brasileira nacional e local e democratizar o acesso a espetáculos de qualidade. O projeto conta com o patrocínio exclusivo da Petrobras e é uma realização da Caderno 2 Produções Artísticas.

joaobosco6409

Depois de mais de 40 anos de carreira e centenas de músicas compostas com Aldir Blanc, formando uma das maiores duplas da história da música brasileira, João Bosco chega ao CD, show e turnê homônimos “Não vou pro céu, mas já não vivo no chão” que, apesar de não ser explicitamente autobiográfico, soa como espécie de síntese de sua vida e carreira, além de conciliar glorioso passado musical do artista com um futuro não menos promissor.

Do passado, João retoma sua histórica e mítica parceria com Aldir Blanc. Para o futuro, João confirma a excelência de seu mais recente parceiro constante, o próprio filho Francisco Bosco, ensaísta, poeta e letrista que, de tão mão cheia, impossibilita qualquer possível acusação de nepotismo. O próprio mestre Aldir Blanc declarou à imprensa recentemente que o jovem Francisco está mais maduro como letrista do que ele próprio, Aldir, quando tinha a idade dele.

Assim, meio sem querer, no seu novo show, João Bosco repassa toda sua trajetória musical. Vê-lo desfiando seu amplo leque musical em “Não vou pro céu, mas já não vivo no chão” é, como o título indica, voar pela própria história singular da música brasileira.

lenamachado

Atração Local – Lena Machado

Natural de Zé Doca, no Maranhão, a cantora Lena Machado vive em São Luís há 14 anos, mas tem no seu estado natal a inspiração para a sua música e poesia. Ela se define pela paixão à música brasileira e traz para o palco um repertório pautado nos gêneros que marcam a identidade do povo do seu país.

No seu show, Lena Machado canta pérolas de compositores maranhenses, valorizando, sobretudo os gêneros samba e choro, mas com pitadas de baião, blues, eletrônica, salsa e dos ritmos da cultura popular do Maranhão. A artista tem dois CDs gravados. O segundo deles, “Samba da Minha Aldeia” teve repercussão nacional, ganhando destaque no blog Sintonia Fina, do crítico musical Nelson Motta.

Serviço: MPB Petrobras

Show: João Bosco

Show de Abertura: Lena Machado

Dia: 3 de Março

Horário: 20h

Local: Teatro Arthur Azevedo

Ingressos: R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia-entrada)

Realização: Caderno 2 Produções Artisticas

Produção Local: Simão Caminha (98) 98856-7522

Classificação: 15 anos

Patrocínio: Petrobras

sem comentário »

Medida “ilegal” e “extremista” (?)

0comentário

A ação que exigia a suspensão do WhatsApp tinha sido classificada por profissionais especializados no Marco Civil da Internet como “ilegal”, além de “extremista” e  “autoritária”.

“Não é que o juiz esteja errado em querer punir o WhatsApp por não cumprir determinações legais”, explicou Celina Beatriz, pesquisadora do ITSrio.org (Instituto de Tecnologia e Sociedade do Rio de Janeiro). Segundo ela, o problema está na escolha da punição, que não está amparada pelo Marco Civil da Internet, sancionado pela presidente Dilma Rousseff em abril de 2014. “A legislação prevê sanções, mas não a interrupção dos serviços.”

O SindiTeleBrasil –entidade que representa as empresas de telecomunicações no país– havia divulgado nota dizendo que o setor recebeu com surpresa a decisão do juiz Luiz Moura Correia. Segundo o órgão, a suspensão do aplicativo poderia causar “um enorme prejuízo a milhões de brasileiros que usam os serviços, essenciais em muitos casos para o dia a dia das pessoas, inclusive no trabalho”.

Decisão

O desembargador Raimundo Nonato Alencar, do Tribunal de Justiça do Piauí, derrubou a decisão do juiz Luiz de Moura Correia, da Central de Inquéritos da Comarca de Teresina, que pedia a suspensão do aplicativo WhatsApp no Brasil por não colaborar com as leis brasileiras.

De acordo com o desembargador, o ato punitivo aplicado pelo juiz não é razoável. “A suspensão de serviços afeta milhões de pessoas em prol de investigação local”, justificou Alencar na sentença, publicada nesta quinta-feira (26), um dia após o polêmico pedido de suspensão ter vazado na internet.

Justificativa

Em nota, o juiz disse que a determinação foi fruto “de reiterados descumprimentos de ordens judiciais, em diversos procedimentos que apuram crimes da mais elevada gravidade”. Segundo ele, o WhatsApp tem adotado uma “postura arrogante“. “Sob a alegação de não ter escritório neste país, se mantém inerte às solicitações da Justiça brasileira, desrespeitando decisões judiciais a bel-prazer.”

Memes

A notícia de que o WhatsApp poderia ser suspenso no Brasil em função de uma decisão da Justiça do Piauí fez com que vários internautas no Twitter fizessem memes. Na rede social, foram criadas duas hashtags para o assunto: #SuspensaoWhatsappSóDeQuem (com brincadeiras de quem deveria ser suspenso) e #SemWhatsAppEu (com brincadeiras do que fariam sem o aplicativo)  Clique Aqui…

Deu no UOL

sem comentário »

Depois de 30 anos, Queen de volta no Rock In Rio

0comentário

Há 30 anos, em 11 de janeiro de 1985, a primeira edição do Rock in Rio foi aberta com show da banda britânica Queen, para 250 mil pessoas.

queenadamlambert640

Agora, para reforçar a comemoração do aniversário de três décadas, uma nova apresentação do grupo –desta vez, porém, sem Freddie Mercury (1946-1991)– foi anunciada nesta quinta (26) pela organização do festival para a sua edição carioca, em setembro.

Com o cantor americano Adam Lambert, 33, nos vocais, o grupo será a atração principal do palco Mundo na primeira noite de evento, em 18 de setembro –o festival será realizado também em 19, 20, 24, 25, 26 e 27 de setembro.

sem comentário »

“O Circo pode voltar a funcionar ainda em 2015″

0comentário

Em um dos posts deste Blog, cobramos o funcionamento do “Circo Cultural da Cidade” ou “Circo Cultural Nelson Brito”, desmontado em setembro de 2012, para dar início à obra do Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT), durante a gestão do prefeito João Castelo (PSDB).

circodacidade4640

A iniciativa visava dar mais fluidez ao trânsito de São Luís, mas, infelizmente, o projeto não tornou-se realidade. Os artistas ainda fizeram um ato público apartidário, chamado “Abraço Coletivo ao Circo da Cidade”. A intenção era chamar atenção das autoridades competentes, porém de nada adiantou.

Foi cogitada, também, a possibilidade de o Circo Cultural “Nelson Brito” funcionar ao lado da Praça Maria Aragão, no estacionamento do antigo Espaço Cultural, outra possibilidade que não se concretizou.

Mas, existe uma luz no fim do túnel. E Deus ouvindo as nossas preces. O presidente da Fundação Municipal de Cultura (Func), Marlon Botão, afirmou, em um programa da rádio Universidade FM, que já existe um projeto em andamento, junto ao governo federal, para que o Circo Cultural “Nelson Brito” volte a funcionar ainda este ano.  Ele informou, ainda, que a intenção é de que o Circo continue a funcionar no espaço origem, ou seja, ao lado do Terminal da Praia Grande.

Histórico

Lançado oficialmente no dia 27 de março de 1999, o “Circo Cultural da Cidade” funcionou nos primeiros dois anos em caráter experimental. Ligado à Fundação Municipal de Cultura (Func), o espaço público e cultural estratégico ficava instalado ao lado do Terminal da Praia Grande, no Centro Histórico de São Luís. Por lá, artistas maranhenses, nacionais e de diversos segmentos fizeram grandes apresentações.

Em 2009, após passar por reformas e receber nova fachada, o local passou a ser chamado de Circo Cultural “Nelson Brito”, em homenagem ao ator e diretor maranhense, que faleceu no início daquele ano.

 

sem comentário »

Roberto Carlos rende-se a “Fé” com Rita Benneditto

0comentário

Sem essa de ‘toc’ religioso. Até Roberto Carlos rendeu-se ao som afro-espiritual-brasileiro que é marca registrada da cantora e compositora maranhense Rita Benneditto.

rita640

Conhecida pelo show Tecnomacumba, que trouxe a música de macumba para o universo pop, ao ficar em cartaz por 11 anos ininterruptos (a mais longa turnê da música brasileira), Rita ganhou o aval do Rei para regravar seu sucesso ‘Fé’ (1978). A faixa ganhou pegada roqueira para seu novo disco, Encanto, com o qual ela inicia nova turnê a partir de 6 de março no Vivo Rio, no Rio de Janeiro. Na sequência, ela se apresenta em São Paulo, no HSBC Brasil.

Encanto marca os 25 anos da carreira de Rita, e é tão eclético (e inusitado) que tem ainda as participações especiais de um padre jamaicano (Priest Tiger) declamando o ‘Salmo 24′, e de um pai de santo incorporado em outra faixa (‘Extra’, de Gilberto Gil). Além de parcerias com Frejat, Arlindo Cruz e Paralamas. Aperta o play!

Fonte: Época

sem comentário »

Rock Brasileiro é raridade no Rádio

0comentário

Para quem curtiu o ‘boom’ do rock nacional lá pelos anos 80, fica a refletir sobre o atual estágio da vertente no Brasil. Cada vez mais presente no ‘underground’ e esquecido pelo público brasileiro de rádio e shows. Segundo um levantamento da empresa de aferição Crowley, entre as músicas mais tocadas no dial em 2014 no país, a única banda nacional a figurar no top 100 é o Skank, que ocupa a 93ª posição com a canção “Ela me deixou”, do último disco dos mineiros, “Velocia”. Enquanto isso, figura em primeiro lugar “Domingo de manhã”, dos sertanejos Marcos & Belutti, Anitta, Pablo, entre outros novos nomes da Música Brasileira. O Ecad (Escritório Central de Arrecadação) divulgou seu top 50 nacional — o top 100 só será conhecido em abril —, em que não há representantes do rock nacional. O número 1 nas mais tocadas é “Mozão”, interpretada pelo também sertanejo Luccas Lucco.

O rock deixou de ser preferência do grande público porque também não se reinventou, enquanto o rock gringo faz o contrário. Para Samuel Rosa, vocalista do Skank, é necessário a renovação no rock brazuca. “Se novas bandas aparecessem , estar entre os 100 em 2014 é uma vitória tão grande quanto estar entre os 10 em 1994. A gente talvez deixasse de conhecer o Renato Russo se ele estivesse começando hoje, porque as pessoas só dão atenção para Gusttavo Lima. Na época da Legião Urbana já existiam esses Gusttavos, mas o rock conseguia romper as barreiras. O músico diz que “o Brasil precisa amadurecer para gostar de músicas mais elaboradas, sem refrões pobres”. Para um bom entendedor, o problema passa pelo processo de educação, cada dia em baixa nesse País. As pessoas lêem menos e consomem mais futilidades.

Por que os ouvintes estão indo na direção oposta ao rock nacional? Alexandre Hovoruski, diretor artístico da Rádio Cidade, faz sua aposta:

— O rádio ainda é o grande veículo associado à música no mundo. Temos tentado mostrar trabalhos novos, mas bandas consagradas nunca agradaram tanto. Legião Urbana, Paralamas do Sucesso e Cazuza dominam boa parte da execução. É legal por um lado, mas problemático por outro, pois significa que a nova geração não está tendo vida fácil. Mas, assim que estourarem algumas, mudará tudo — aposta Hovoruski. — O rock no Brasil passa por um momento de grande mudança. O “quase” fim das gravadoras, a falta de investimentos, a curadoria, o fato de ficarmos oito anos sem rádios dedicadas ao gênero (no Rio) foram pontos negativos e decisivos nessa queda. É a hora de reinventar. A internet chama a atenção, mas, se não houver consistência, vira mais um caso de 15 minutos de fama. No Brasil, o sertanejo vem dominando as paradas, pois é, sem dúvida, o braço musical mais organizado e com mais dinheiro hoje.

Com os álbuns “Titãs” (1984), “Televisão” (1985) e “Cabeça Dinossauro” (1986), a banda de Tony Bellotto, Paulo Miklos e companhia lançou hinos de rock que são cantados até hoje em shows lotados. Há mais de 30 anos na estrada, o guitarrista Bellotto já ouviu inúmeras teorias sobre a morte do rock.

— Daqui a pouco, o público brasileiro vai se cansar do sertanejo e voltar a ouvir rock, que é um movimento sempre presente na História — diz Bellotto. — Fora do Brasil, ele se mantém entre os grandes, aqui está no subterrâneo. Nós é que estamos vivendo uma fase complicada, cultural, social e politicamente. E há coisas que só o rock consegue fazer, como música de protesto. O ano de 2014 foi muito rico em produção artística no rock, muitas bandas fizeram discos de excelência. É uma dicotomia, porque nada aparece nas rádios.

Num cenário justo, o Brasil deveria ter ao menos 20 bandas de rock entre as 100 mais tocadas. As gravadoras precisam fazer a roda girar e buscar outros nichos. Enfim, o mercado é cíclico. A única certeza que temos é que a internet é fundamental. Ela já saiu da obscuridade da pirataria para a absoluta relevância, talvez mais até que o disco físico, em muitos casos. É preciso que algum artista lidere um novo movimento.

Paradoxalmente, a produção de rock no Brasil só aumenta. Festivais como o Bananada, em Goiânia, e o Picolé, que acontece há dois verões no Circo Voador, promovem a circulação de novos nomes. Mas a postura das bandas talvez seja muito diferente daquelas que dominaram o país há 30 anos.

— O rock hoje está mais sisudo. O interesse das bandas em conversar com o grande público diminuiu. Elas querem cada vez mais estar na cena alternativa, com canções mais conceituais e menos comerciais — opina Samuel Rosa. — A Legião Urbana dialogava com o público de rock, mas também com quem não era desse nicho, assim como Titãs e Paralamas do Sucesso. Eles faziam um trabalho de qualidade e ao mesmo tempo abrangente. A MTV também tem culpa, porque deixou de ser uma plataforma de vanguarda e passou a ser divulgadora de bandas de molecada. Quando o Skank surgiu, ao lado dos Raimundos, todos ouviam “Garota nacional” e “Mulher de fases”, porque sempre tivemos vontade de falar para o grande público. A Nação Zumbi, por exemplo, preferia o underground. Eu sempre falava com o Chico Science: “Vocês estão privando a população de conhecer música de qualidade”, porque eles se recusavam a ir a meios populares, como o Faustão.

Passividade Política

A banda de “Mulher de fases” também precisou se reinventar para não depender das rádios e gravadoras. Novamente em alta depois de uma década de vacas magras, os Raimundos usam a internet e o boca a boca para manter seus shows cheios. Assim, Digão e companhia foram escolhidos para abrir os shows do Foo Fighters pelo Brasil, em janeiro. O cantor e guitarrista aponta a passividade política como um dos fatores de fraqueza para o rock nacional:

— O que aconteceu com o Brasil? Um país que aceita calado toda essa roubalheira está longe de ser rock’n’roll, pois foi sempre através do rock que se questionou o que estava errado. O verdadeiro rock não morreu, está no seu habitat natural, o underground.

Texto: Michelle Miranda – O Globo

sem comentário »

Rock in Rio anuncia Mettalica como atração

0comentário

O Rock in Rio anunciou o Metallica como a mais nova atração confirmada da edição de 2015 do festival no Brasil, em setembro. A banda de metal da Califórnia (EUA) se apresenta no Palco Mundo, por onde também vão passar Slipknot, Faith no More, Queens of the Stone Age e outros grupos de rock.

metallica640

Com a presença garantida no Rock in Rio deste ano, o Metallica irá participar pela terceira vez seguida do festival. Antes, o grupo esteve no Rio de Janeiro em 2011 e 2013. Em sua última passagem pelo Brasil, em março de 2014, a banda fez um show em São Paulo com o setlist escolhido pelos próprios fãs por meio de votação.

Rock in Rio 2015

A edição brasileira do Rock in Rio está confirmada para 18, 19, 20, 24, 25, 26 e 27 de setembro de 2015, na Cidade do Rock, no Rio.

sem comentário »