Ed Wilson é premiado pela Intercom

0comentário

O jornalista maranhense e professor do curso de Comunicação Social da Universidade Federal do Maranhão (Ufma), Ed Wilson Araújo, foi um dos 3 finalistas do Prêmio Freitas Nobre (Doutorado) concedido pela Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação (Intercom).

A Intercom é uma das mais importantes instituições de fomento a pesquisa entre jornalistas atuantes no mercado.  Concede prêmios anuais na área de jornalismo.

Ed Wilson foi um dos finalistas, em 2013/2014, na categoria doutorado. Os finalistas foram anunciados no Congresso Nacional da Intercom, dia 3 deste mês, em Foz do Iguaçu.

Ed Wilson foi o segundo colocado.

Ao todo, foram 37 trabalhos indicados pelos Grupos de Pesquisa após o término do Congresso Nacional da Intercom, em 2013, em Manaus (AM).

Ed Wilson em POA 3 -blog

Jornalista e Professor da Ufma, Ed Wilson

 

Pesquisa

A pesquisa de Ed Wilson, que vem sendo realizada há anos, é a base da tese de doutorado que ele está elaborando na Pontifícia Universidade Católica de Porto Alegre (PUC-RS).

A tese é sobre a “participação dos ouvintes nos programas jornalísticos de rádio AM, em São Luís”

É um estudo sobre a atuação da audiência na produção de conteúdo no rádio, com ênfase na corrente teórica dos Estudos Culturais.

No artigo premiado na Intercom, “Cultura Colaborativa: oralidade e redes sociais nos programas jornalísticos de rádio AM”, Ed Wilson explorou conceitos de ubiquidade, convergência, cibercultura, inteligência coletiva e cultura colaborativa, tendo como objeto de estudo a atuação dos ouvintes de rádio AM, em São Luís.

 

Prêmio

Foi anunciada em Foz do Iguaçu a lista dos três finalistas para cada uma das categorias dos Prêmios Estudantis promovidos pela Intercom.

Os prêmios são:

Vera Giangrande, de graduação;

Francisco Morel, de mestrado;

Freitas Nobre, de doutorado.

Os textos indicados foram enviados para um júri composto por 10 sócios de todas as regiões do Brasil.

Com dados do Portal da Intecom

sem comentário »

Curso de Ouvidoria pela OGU

0comentário

 

A Ouvidoria-Geral da União (OGU), em parceria com o Instituto Legislativo Brasileiro (ILB), abriu inscrições para o curso de ensino a distância “Ouvidoria na Administração Pública”.

O curso é gratuito, tem três módulos e carga horária total de 20 horas.

É oferecido no âmbito da Política de Formação Continuada em Ouvidorias (Profoco).

Objetivo

O curso tem como objetivo contribuir para a formação de profissionais da área e demais interessados quanto aos fundamentos da Ouvidoria Pública e aspectos básicos relacionados à sua atuação.

Matrícula

Antes de se matricular, é necessário fazer o cadastro na Profoco

http://www.cgu.gov.br/assuntos/ouvidoria/profoco/cadastro

Em seguida, realizar a inscrição pelo site do ILB.

http://saberes.senado.leg.br/login/index.php

Ouvidoria-Geral

A Ouvidoria-Geral da União é ligada à Controladoria-Geral da União (CGU).

É responsável por receber, examinar e encaminhar denúncias, reclamações, elogios, sugestões e pedidos de informação referentes a procedimentos e ações de agentes, órgãos e entidades do Poder Executivo Federal.

Coordena o segmento de Ouvidorias do Poder Executivo Federal.

 

sem comentário »

Cirurgiões estrangeiros no HU da UFMA

0comentário

O Hospital Universitário da Universidade Federal do Maranhão (Ufma) está recebendo, neste mês, 22 cirurgiões de vários países.

A iniciativa tem a participação da Cardiostart, entidade internacional formada por voluntários.

O grupo chegou ao Maranhão na última segunda feira (1º) e fica até dia 17.

cirurgia cardíaca no HU UFMA menor

Cirurgiões de vários países que estão no Maranhão

 

A missão estrangeira, também, fará uma viagem de quatro dias ao município de Pinheiro, na Baixada Maranhense, onde a Ufma instalou, no início do ano, um curso de Medicina.

Os cirurgiões são dos Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, Itália e Japão. Desde sua criação, o Cardiostart já realizou 55 missões em 27 países, como Albânia, Bolívia, Croácia, República Dominicana, Egito, El Salvador, entre outros.

sem comentário »

Modelagem Molecular na Uema

0comentário

O pesquisador David Lima Azevedo, da Universidade de Brasília (UnB), ministrou a palestra  “Tendências e Perspectivas da Física no Século XXI”, nesta quarta-feira (3), durante a III Semana de Física da Universidade Estadual do Maranhão (Uema), em São Luís

A modelagem molecular é um tema muito recorrente no ramo da Física. Pode ser aplicada ao planejamento de fármacos de modo direto ou indireto.

 

Foto 1 Uema - modelagem molecular

pesquisador David Lima Azevedo, da UnB

 

sem comentário »

Greve na educação é eficaz?

0comentário

A greve dos professores e funcionários da Universidade de São Paulo (USP) completa 100 dias nesta quinta-feira (4).

É a mais longa paralisação da USP.

A USP é a mais importante universidade da América Latina.

Inúmeros professores da UFMA, UEMA, UNICEUMA etc. foram pós-graduados, gratuitamente, pela USP. Há doutores e mestres de áreas como Administração, Comunicação Social, as agrárias, as engenharias e as artes que estudaram nessa instituição paulista.

Muitos médicos do Maranhão, e professores dos cursos de Medicina, fizeram residência, mestrado e doutorado na USP.

O mesmo acontece em outros estados. Então, é uma greve de ressonância nacional, dentro do meio acadêmico .

Situação financeira

A situação financeira da USP está complicada. Há um déficit em suas contas.

A greve chega a um momento crítico. Alguns grupos de professores são contra e há aluno a favor, bloqueando o acesso de docentes a salas de aula.

As reivindicações são contra contenção de gastos, como o congelamento dos salários de professores e funcionários

Lucidez e filosofia

Uma das posições mais lúcidas, nesta greve, é a de professores de Filosofia.

Eles estão aproveitando a situação para discutir, de forma coerente, a ‘situação de greve’ e a própria identidade da USP.

Questionam se círculos frequentes de greve é a saída para resolver os problemas da instituição.

Crise de identidade

Os professores de filosofia reconhecem a importância das reivindicações, mas perguntam se greve é uma estratégia eficiente.
No manifesto que lançaram, eles falam em ‘crise de identidade’ da USP. “Estamos sob o sério risco de não mais sabermos o que somos e para que existimos”, diz o documento.

É interessante ler o manifesto e pensar a educação de hoje no Brasil.

Vejam o manifesto dos filósofos e quem assinou

” Se não formos capazes de aceitar que certos valores universitários devem ser preservados do conflito político e que esse mesmo conflito deve sempre mantê-los em seu horizonte, teremos então chegado ao esgotamento da ideia de universidade que esta Faculdade sempre disseminou, segundo a qual se defende a possibilidade de um saber livre das amarras tanto do pragmatismo do mercado quanto do aparelhamento  político-partidário

MANIFESTAÇÃO DE PROFESSORES DO DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA – MAIS ESPECIFICAMENTE À FFLCHOs professores do Departamento de Filosofia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas vem a público se manifestar a respeito dos preocupantes acontecimentos a que estamos submetidos, neste momento, na Universidade de São Paulo.Sabemos todos que a USP atravessa um período muito difícil, certamente um dos piores de sua notável história. Uma profunda crise financeira, gerada pela irresponsabilidade da última gestão reitoral, nos coloca em face de um quadro alarmante, com indesejadas medidas de cortes orçamentários. Por isso, não é senão natural que, nessas circunstâncias, se deflagre uma greve, por aqueles que veem seus salários desvalorizados. Também se compreende que tal mobilização abarque respeitável contingente de servidores não-docentes e servidores docentes, e que receba o apoio de parte dos estudantes. Nada disso, em princípio, deve ser tomado como algo estranho à vida universitária, onde vigoram os direitos trabalhistas básicos presentes em todos os segmentos da sociedade.No entanto, particularmente no caso da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, é preciso olhar para esse cenário com alguma cautela. Este Departamento de Filosofia, até mesmo em virtude de sua vocação para a análise crítica – vocação que decerto se exercita em todos os Cursos desta Faculdade -, considera absolutamente inadiável e urgente que se procure olhar para esses acontecimentos como parte de um arco histórico mais extenso, que remonta pelo menos há uma década, e não como um episódio isolado. E nos parece difícil, com base nessa visada mais ampla, escapar de um triste diagnóstico: os movimentos de paralisação das atividades normais a que assistimos quase que anualmente têm produzido o indesejado efeito da degradação da qualidade de nosso trabalho, especialmente em sua parte mais importante e sensível, a docência em nível de graduação, além de conduzirem a um crescente esgarçamento das relações entre as pessoas, em franca oposição àquilo que se espera de um ambiente universitário.

Greves são instrumentos legítimos de pressão e luta. Para que surtam efeito, devem criar uma situação indesejada de anormalidade que obrigue as partes em conflito a uma negociação que permita o retorno à normalidade suspensa. Greves são, pois, instrumentos fortes, que devem ser utilizados com a prudência e o senso de oportunidade que se espera de agentes políticos conscientes.

Ora, no caso desta Faculdade, observa-se um processo de introdução das greves na rotina acadêmica e, consequentemente, de sua banalização. Embora seja preciso reconhecer que algumas delas foram movidas por razões justas e que obtiveram resultados importantes e benéficos, é necessário também admitir que, quando se fazem greves com tamanha frequência, seu caráter extraordinário, condição necessária para sua força, se perde, e o resultado é a inevitável diminuição do poder persuasivo e da credibilidade dos que as promovem.

Esse déficit de credibilidade e de poder persuasivo tem levado os movimentos grevistas, nos últimos anos, a recorrer a expedientes como piquetes, obstrução de salas de aula, cadeiraços etc. Eis aí o cenário que hoje predomina nos prédios da Faculdade: o deprimente esvaziamento, causado, sobretudo, pela deserção da grande maioria dos estudantes.

Muitos docentes deste Departamento fizeram, fazem ou farão greves, na Universidade ou fora dela. Em nenhum momento isso é aqui posto em questão. O que se quer destacar é que a banalização dessa forma de luta instalada na Faculdade conduz gradativamente ao esvaziamento do sentido da instituição e à perda do papel que se espera dela, porque seus fins se veem intensamente ameaçados. Sobretudo o prejuízo causado ao ensino é preocupante, pois as consequências são claras: aumento da evasão e do desinteresse, má formação dos estudantes, além da crescente dificuldade do diálogo e da comunicação. As sempre bem-intencionadas reposições pouco podem fazer para diminuir esses efeitos e, embora em alguns casos os diminuam, acabam, muitas vezes, contribuindo apenas para maquiá-los.

A ação já costumeira da obstrução de salas de aula, impedindo que se exerçam as atividades esperadas e desejadas pela Universidade e pela Faculdade, indicam, portanto, uma preocupante transformação: as finalidades da Universidade, tal como expressas em seus Estatutos, com o intuito de preservar o espírito mesmo que animara sua criação – a produção e transmissão do conhecimento, a aquisição do espírito crítico necessário à boa formação cidadã -, vão sendo destronadas, em benefício de novos fins, de novas práticas que não são minimamente compatíveis com valores que definem a própria ideia de Universidade que nos tem sido cara, como a liberdade de pensamento e expressão, o respeito à opinião divergente como estímulo ao saudável e necessário debate construtivo de ideias, além do direito ainda mais básico de ir e vir.

Cada sala de aula vazia por imposição de força aparece a este Departamento como a negação da Universidade e, mais especialmente, de uma Faculdade que, orgulhando-se de sua condição de célula-mater da Universidade, tem a responsabilidade de pensa-la, de refletir sobre ela, de apontar caminhos para sua preservação e aperfeiçoamento. E esse trabalho do pensamento, impondo-nos certo distanciamento crítico e cautela em face dos acontecimentos, não é plenamente compatível com o voluntarismo irrefletido que tem prevalecido.

Parece-nos, assim, urgente a aceitação de que nos encontramos, nesta Faculdade, diante de uma situação ainda mais crítica do que aquela que acomete a saúde financeira da Universidade. Vivemos, na verdade, uma crise de identidade. Estamos sob o sério risco de não mais sabermos o que somos e para que existimos. Se não formos capazes de aceitar que certos valores universitários devem ser preservados do conflito político e que esse mesmo conflito deve sempre mantê-los em seu horizonte, teremos então chegado ao esgotamento da ideia de universidade que esta Faculdade sempre disseminou, segundo a qual se defende a possibilidade de um saber livre das amarras tanto do pragmatismo do mercado quanto do aparelhamento político-partidário. Está em jogo, para além dos problemas pontuais que hoje nos assombram, a preservação de nossa relevância no interior da Universidade, relevância sempre contestada e por cujo reconhecimento a Faculdade luta desde que a USP é a USP. Cabe-nos reafirmá-la, mas para isso é preciso ter a honestidade intelectual de reconhecer nossos próprios problemas e limites.

Não há pensamento crítico sem autocrítica. Está mais do que na hora de fazê-la. Caso contrário, talvez o futuro nos reserve dias ainda piores.

Assinam este documento:

Alberto Ribeiro Gonçalves de Barros

Caetano Ernesto Plastino

Carlos Alberto Ribeiro de Moura

Carlos Eduardo de Oliveira

Edélcio Gonçalves de Souza

João Vergílio Gallerani Cuter

José Carlos Estêvão

Lorenzo Mammì

Luiz Sérgio Repa

Márcio Suzuki

Marco Antônio de Ávila Zingano

Marco Aurélio Werle

Marcus Sacrini Ayres Ferraz

Mário Miranda Filho

Mauricio Cardoso Keinert

Mauricio de Carvalho Ramos

Milton Meira do Nascimento

Moacyr Ayres Novaes Filho

Oliver Tolle

Pedro Paulo Garrido Pimenta

Ricardo Ribeiro Terra

Roberto Bolzani Filho

Sérgio Cardoso

Valter Alnis Bezerra

 

 

sem comentário »

Estímulo a neurônios pode causar epilepsia

0comentário

estímulo cerebral

Pesquisadores ingleses pedem calma a jovens que estão comprando, pela internet, um aparelho que estimula neurônios, o que proporcionaria pensamentos mais rápidos, maior capacidade de atenção e ajuda problemas de cognição e depressão.

Os especialistas alertam para os perigos dos equipamentos, que ainda não são regulamentados por autoridades de saúde.

Há possibilidade, inclusive de causar ataques epilépticos

 O que é

Os estímulos de corrente direta transcranial (TDCS) são pequenos choques elétricos aplicados na cabeça, estimulando os neurônios do cérebro.

 Uso coerente

A técnica é não-invasiva, extremamente leve e usada até pelas Forças Armadas dos Estados Unidos para melhorar o rendimento de pilotos de aeronaves não-tripuladas.

Algumas pesquisas indicam até que a técnica pode ajudar na resolução de problemas de matemática, um benefício que foi verificado seis meses depois da aplicação

Publicidade

A publicidade na venda dos equipamentos promete ganhos de aprendizagem e rendimento, entre outros benefícios.

O prometido entusiasmo incondicional à nova técnica levou os neurocientistas a fazerem o alerta.

Alerta

Hannah Maslen, pesquisadora de pós-doutorado na área de Ciência e Mente na Universidade de Oxford, recentemente pediu “calma” no uso dos aparelhos. A equipe coordenada por Maslen diz que, entre os possíveis problemas, estão ataques epiléticos e mudanças bruscas de humor.

Com dados da BBC

 

sem comentário »

Estimulo a neurônios pode causar epilepsia

0comentário

estímulo cerebral

Pesquisadores ingleses pedem calma a jovens que estão comprando, pela internet, um aparelho que estimula neurônios, o que proporcionaria pensamentos mais rápidos, maior capacidade de atenção e ajuda problemas de cognição e depressão.

Os especialistas alertam para os perigos dos equipamentos, que ainda não são regulamentados por autoridades de saúde.

Há possibilidade, inclusive de causar ataques epilépticos

 O que é

Os estímulos de corrente direta transcranial (TDCS) são pequenos choques elétricos aplicados na cabeça, estimulando os neurônios do cérebro.

 Uso coerente

A técnica é não-invasiva, extremamente leve e usada até pelas Forças Armadas dos Estados Unidos para melhorar o rendimento de pilotos de aeronaves não-tripuladas.

Algumas pesquisas indicam até que a técnica pode ajudar na resolução de problemas de matemática, um benefício que foi verificado seis meses depois da aplicação

Publicidade

A publicidade na venda dos equipamentos promete ganhos de aprendizagem e rendimento, entre outros benefícios.

O prometido entusiasmo incondicional à nova técnica levou os neurocientistas a fazerem o alerta.

Alerta

Hannah Maslen, pesquisadora de pós-doutorado na área de Ciência e Mente na Universidade de Oxford, recentemente pediu “calma” no uso dos aparelhos. A equipe coordenada por Maslen diz que, entre os possíveis problemas, estão ataques epiléticos e mudanças bruscas de humor.

Com dados da BBC

 

 

 

sem comentário »

Roseana pode receber hoje lista da Uema    

0comentário

Terminou às 15h desta tarde de quinta-feira (28) a reunião do Conselho Universitário (CONSUN) que homologou o resultado das eleições para escolha da lista tríplice de reitor e vice-reitor da Universidade Estadual do Maranhão (Uema) para mandato a partir de 1º de janeiro de 2015 até 2018.

O presidente do CONSUN, reitor José Augusto Oliveira, pode entregar, ainda nesta quinta-feira (28), a lista para a governadora Roseana Sarney.

A governadora terá 15 dias para escolher os novos dirigentes máximos da Uema.

Os candidatos foram escolhidos por meio de eleições diretas, realizadas na segunda feira (25), em 25 centros da Uema, em São Luís e interior do Maranhão.

O resultado das eleições era previsível; a escolha da governadora, que obedece a critérios constitucionais, pode ser de qualquer um dos candidatos incluídos na lista.

Lista

Nas eleições, concorreram seis chapas e três foram eleitas:

1)    Reitor: Gustavo Costa; vice-reitor: Walter Canales (0,7478)

2)    Ribamar Gusmão e João Coelho (0,2373)

3)    José Gomes e Ivaldo Ferreira (0,1907)

Critérios

Os números ao lado dos candidatos não devem ser considerados percentuais, mas índices preferenciais, pois, as eleições universitárias consideram critérios de paridade entre votos de professores, estudantes e funcionários.

Ou seja, o total de votos de cada um dos três seguimentos (professores, estudantes e funcionários) deve ser igual.

Como o número de alunos e maior do que o de professores e o de funcionários, para prevalecer a igualdade entre os três segmentos, o voto de um professor ou de um funcionário tem peso maior do que o voto de um aluno.

sem comentário »

Filosofia Contemporânea, em Curitiba

0comentário

O XII Congresso de Filosofia Contemporânea e o I Congresso Internacional de Direitos Humanos serão realizados, de 2 a 5 de setembro, na Pontifícia Universidade Católica do Paraná, em Curitiba.

O tema é Políticas da Memória e Políticas do Esquecimento.

O objetivo promover uma reflexão sobre a memória política e a atualidade dos Direitos Humanos no Brasil e na América Latina.

A discussão sobre a consolidação dos regimes democráticos e o respeito aos Direitos Humanos diante da memória dos regimes ditatoriais que, desde anos sessenta do século XX, assolaram grande parte das nações latino-americanas estará no centro dos debates. 

Em pauta, também, a  relação entre Teoria Política, Filosofia Política e Direitos Humanos no âmbito da  pesquisa e do ensino.

Mais detalhes em:  

http://congressodefilosofia.pucpr.br

Veja abaixo o banner dos dois eventos.

Congresso Filososfia

sem comentário »

Mestrado em Comunicação, Moda e Design na Itália e Espanha

0comentário

 O Istituto Europeo di Design está com inscrições abertas, até 1º de setembro, para 27 bolsas de estudo de mestrado em Design, Moda, Comunicação Visual e Gestão em Comunicação

A seleção é por meio do concurso “Design para um mundo melhor”.

Barcelona

Barcelona, na região da Catalunha, atualmente anexada à Espanha

 

Os cursos são oferecidos em sedes do Instituto na Europa, como Roma, Turim, Veneza, Milão, Florença, na Itália; e em Barcelona e Madrid, na Espanha.

Para participar, é necessário ter entre 22 e 40 anos, ser graduado e produzir um projeto nas áreas oferecidas pelo programa.

Mais dados

http://creativecontexts.com/contest/context/master-scholarships-2014/

Os trabalhos, que podem ser em fotos, ilustrações, posters, anúncios e animações em 3D, devem conter, além do foco na área escolhida, abordagem em como o “Desgin pode tornar o mundo um lugar melhor e mais democrático”.

sem comentário »