PÂNICO NA CIDADE

0comentário

O clima de insegurança reinante em São Luis cresceu assustadoramente. O pânico e o medo tomaram conta da população e assumiram proporções nunca vistas.

As pessoas estão acuadas e intimidadas com os crimes praticados no centro e na periferia da cidade. Ninguém quer mais sair de casa e quando sai é por extrema necessidade.

O pavor chegou a ponto tão alto que muita gente deixou de carregar  dinheiro, cartão de crédito e jóias, que viraram objetos de desejo dos bandidos, pelos quais os bandidos cometem os mais sórdidos delitos.

Diante da absurda criminalidade que tomou conta da cidade, não se sabe se é na rua ou dentro de casa que se está mais seguro, o que leva a pensar na verdade daquela máxima que diz que  “se ficar o bicho pega, se correr o bicho come”.

ATRITO EM BRASÍLIA

O presidente da Câmara Federal, deputado Eduardo Cunha, está no exterior, em missão oficial.

Ausente do país tomou conhecimento de ato assinado pelo seu substituto, o vice-presidente da Câmara, deputado Waldir Maranhão, que nomeou os membros da Comissão Especial que cuida da votação do projeto de lei da legalização do jogo de bicho.

Em Brasília, corre a informação de que o presidente da Câmara ficou uma fera com o vice, por não consultá-lo a respeito de um assunto que teria de passar pelo seu crivo.

Por praticar um ato à revelia de Eduardo Cunha, Waldir Maranhão que se cuide.

XIXI NA RUA

Não sei se é por conta do nervosismo e do pânico que os maranhenses passaram a ser atacados por uma doença que a medicina chama de incontinência urinária.

Como não existem banheiros públicos na cidade, as ruas e as praças viraram os locais propícios para os  mijões jogarem, sem nenhum constrangimento,  a urina fora.

Quem já viu a cena, diz que as mulheres também aderiram à prática de fazer xixi na rua.

Seria uma iniciativa louvada da prefeitura de São Luis, instalar equipamentos sanitários em locais adequados e dedicados aos mijões masculinos e femininos, pois assim as ruas perderiam o odor fétido que  as contamina.

CASAMENTO DA NETA

Sábado passado, em Brasília, numa cerimônia bem organizada quanto à recepção, decoração e buffet, uma filha de Cláudia Vaz e de José Cláudio Cabral, contraiu matrimônio.

Destaques do evento: o professor José Maria Cabral Marques e o esportista Cláudio Vaz dos Santos (Alemão), avós da noiva.

No salão de festas, Cabral e Alemão, que representavam a velha guarda, deram um show de dança, especialmente no momento da valsa.

IMPLÍCITO E SIMPLÍCITO

Um empresário maranhense, que não integra o primeiro time do sistema produtivo, fez uma carta ao governador Flávio Dino.

Nela, o empresário em vez de grafar a palavra implícita, escreveu simplícita.

Com a palavra simplícita em destaque, o governador achou que a carta não deveria ser encaminhada a ele, mas ao secretário de Indústria e Comércio, Simplício Araújo. Foi o que fez.

GOVERNO DE SARNEY

Vem aí mais um livro de Eliezer Moreira.

No livro, ele, que participou ativamente dos governos José Sarney, Pedro Neiva, Nunes Freire, Luiz Rocha, Edison Lobão e Roseana Sarney,  pretende  mostrar, do ponto de vista técnico e político, o que aqueles governadores fizeram pelo Maranhão nos seus mandatos.

O autor também relatará fatos e atos que aconteceram naqueles governos, muito dos quais desconhecidos. Se nada atrapalhar, o livro será lançado em agosto vindouro.

LISTA TRÍPLICE

O processo sucessório da Universidade Federal do Maranhão não foi encerrado com a eleição que deu a vitoria à professora Nair Portela ao cargo de reitor e Fernando Carvalho a vice.

Até outubro, mês em que o professor Natalino Salgado passará o cargo, outras etapas serão cumpridas.

Primeira, a formatação da lista tríplice, com os candidatos mais votados, ato que se formalizará com a convocação do Conselho Universitário.

Segunda, conhecida a lista tríplice, a mesma será encaminhada ao ministro da Educação, que se encarregará de submetê-la ao crivo da presidente da República.

PREFEITO, JAMAIS

Por falar em Universidade, é pródigo o noticiário criado por jornalistas e blogueiros em torno do nome do reitor da Ufma, Natalino Salgado como  virtual candidato a prefeito de São Luis.

Em conversa com o jornalista Benedito Buzar,  sobre a sucessão do prefeito Edvaldo Júnior, Natalino foi enfático e direto: – Jamais pensei ser candidato a prefeito de São Luis. Nem a curto, médio ou longo prazo. Meu compromisso é com a Universidade.

Pena que a prefeitura esteja fora das cogitações de Natalino, ele que, nos últimos tempos, ganhou visibilidade administrativa e política pelo extraordinário desempenho à frente da Ufma.

ESCRITÓRIO DE SARNEY

Para receber os milhares de amigos, políticos, empresários e intelectuais de todas as partes do país, o ex-presidente José Sarney montou um escritório em Brasília.

Instalado confortavelmente no centro da capital do país, ali,  Sarney, quando não tem compromissos externos, passa o dia inteiro.

A quantidade de gente por ele recebida é tão significativa que dá a impressão de continuar no exercício de relevante cargo.

O escritório de Sarney passou a ser, também, o local de encontro de maranhenses e amapaenses,  que em Brasília tratam de questões particulares ou públicas.

FORMATURA VIA INTERNET

Nos dias de hoje, com a internet colocando o mundo dentro de nossas casas, tudo ficou mais fácil e mais perto da gente.

Por conta desse progresso extraordinário, os amigos e a família Furtado acompanharam, no domingo passado, um ato maravilhoso e produto do desenvolvimento da ciência e da tecnologia.

Diretamente de Estocolmo, na Suiça, pela internet, foi transmitida a solenidade de diplomação em hotelaria, da filha de Roberto e neta de Cléon e Iracema Furtado. Estes, em São Luis, assistiram a tudo com emoção e alegria.

FELICIDADE DE JOAQUIM

O intelectual Joaquim Haickel  assistiu e aplaudiu o magnífico show que o artista maranhense Papete, produziu e apresentou, na semana passada, no Teatro Artur Azevedo.

Ao terminar o espetáculo, Joaquim deixou o Teatro com a maior felicidade do mundo.

Papete, espontânea e publicamente, fez questão de realçar o papel fundamental da Lei Joaquim Haickel, de incentivo à cultura e o esporte no Maranhão. Sem a lei, disse o artista, o show não seria realidade.

DONA RUTH

O poeta Luis Augusto Cassas numa prova cabal de generosidade e fraternidade, de São Paulo veio prestar assistência ao irmão Mariano, que se encontra internado no Hospital UDI.

No domingo passado, depois de ler a coluna Roda Viva, publicada neste jornal,  Luis Augusto enviou ao jornalista, Benedito Buzar,  uma  mensagem, que o deixou feliz e emocionado.

“Parabenizo-lhe pela original, providencial e bela crônica Da arte de falar bem da sogra, que recupera para o jornalismo e a literatura a função da sogra, persona não grata de tempos imemoriais, baseado no exemplo pessoal de dignidade, afetividade, de trabalho e devoção à família de D. Ruth, sua sogra por 5 décadas e que completa 87 anos.”

 

Sem comentário para "PÂNICO NA CIDADE"


deixe seu comentário