OS INESQUECÍVEIS DOENTES MENTAIS DE SÃO LUÍS

0comentário

Na semana em que se comemora o aniversário de São Luís, lembrei-me de uma  gente que, em passado não tão distante, deixou na cidade a marca da presença pela simplicidade e fragilidade, vivendo em nossas ruas e praças sem molestar os semelhantes, mas mostrando o sofrimento na alma e no corpo.

Ao reportar-me sobre gente tão humilde, nem sempre bem vista ou compreendida pela sociedade, atenho-me a um caso inusitado, acontecido anos atrás em São Luís, que, pela sua singularidade,  chamou a atenção dos que se encontravam no aeroporto Hugo da Cunha Machado.

Naquele ambiente de grande movimentação, um homem, razoavelmente bem vestido e com menos de cinquenta anos foi preso pela Polícia Federal por tirar a roupa e ficar plenamente pelado na área de embarque de passageiros.

O estranho ato, praticado por um cidadão desconhecido, imediatamente chegou ao domínio público pelos meios de comunicação, que se encarregaram de divulgá-lo com estardalhaço, dando margem a que desusados comentários o apontassem como algo insano ou imoral.

Enquanto a opinião pública especulava em torno da invulgar cena, a Polícia Federal, a quem estava afeto o caso, informava que o homem era um estrangeiro e doente mental, por isso, sofrera um surto e necessitava de tratamento especializado.

Ao saber do fato, o meu pensamento fez uma viagem ao passado não tão distante, época em que São Luís hospedava uma quantidade de gente que sofria das faculdades mentais, alguns, à falta de parentes ou de quem deles tivesse comiseração, passavam o dia e a noite em logradouros públicos, onde praticavam insanidades que os leigos chamavam doidices e maluquices, rótulos que a medicina moderna tratou de expurgar de seu glossário, passando a chamá-las de surtos psicóticos.

Registra a história que as doenças mentais, em São Luís, como problemas da saúde pública, vieram à tona no primeiro quartel do século XX, quando a imprensa passou a exigir do governo a construção de hospital para os alienados. Nesse sentido, o governador Godofredo Viana (1922-1926) chegou a adquirir um sítio, no Cutim, destinado à instalação de uma colônia para psicopatas, mas a obra não foi adiante.

Na verdade, a construção de um hospital para tratamento de doentes mentais,  ocorreu na gestão do interventor Paulo Ramos, inaugurado em março de 1941. Com seis pavilhões e bem equipado, localizado num sítio chamado Dois Leões, no antigo Caminho Grande, com o nome de Hospital-Colônia Nina Rodrigues, para o qual foram transferidos os infelizes insanos que se encontravam internados em prisões, como se fossem criminosos, e os albergados em “casas de mortos”, onde viviam na mais triste miséria e em nociva promiscuidade.

Com esse feito governamental, os nossos doentes mentais passaram a ser vistos como pacientes que podiam ser tratados com seriedade e abnegação. Antes, a grande maioria da sociedade não tinha nenhum constrangimento de apontá-los como doidos ou malucos, alvos, portanto,  de inclementes deboches, escárnios, zombarias, troças, caçoadas, chacotas, quando não humilhações e agressões.

Na condição de gente mal tratada e abandonada, havia doentes mentais dos mais variados tipos e de todos os gostos: alegres, brincalhões, tristes, pacíficos, inofensivos, agressivos, atrevidos, falastrões, calados, maltrapilhos, arrumadinhos, grosseiros, calmos, inteligentes e rudes.

Alguns alegravam a população pelo modo como falavam e contavam histórias, quase sempre fantasiosas, a respeito de suas vidas. Outros, contudo, mais arredios e tolerantes, mostravam-se calados e indiferentes ao que acontecia com eles e o mundo. Mas existiam os exaltados e agressivos, que quando provocados ou chamados por apelidos, perdiam a censura e mandavam para o ar palavrões de todos os calibres. Um dos mais populares, Humberto Coelho, conhecido por Vassoura, não perdoava quem assim o chamasse. De sua boca, saiam obscenas expressões, que abalavam degenerados e castos, numa época em que sacanagem era palavrão e agredia os ouvidos dos moralistas. Outra figura bem conhecida na cidade, respondia pelo nome de João Pessoa. Ficava extremamente irritado quando a molecada dizia que ele não casaria. Batia o pé, soltava impropérios e garantia que não ficaria solteiro.

O saudoso compositor e poeta popular Lopes Bogéa escreveu um livro interessante a respeito dessas figuras humanas que percorriam a cidade e sempre tinham algo a dizer aos que os ouviam pacientemente ou lhes dedicassem certa atenção. Em “Pedras de Rua”, publicado em 1988,  biografou 135 doentes mentais, maranhenses e de outras terras, que aqui viviam por conta da solidariedade humana ou ao deus dará.

Da relação pesquisada por Lopes Bogéa, guardo na memória, Bota Pra Moer, Só Bogre, Chibé, Domingos Pé Gordo, João Pessoa, Moreno Borges, Mete a Vara, Mocó, Míster, Maria Preá, Mamífero, Pirão Cru, Sopa Fria, Periquito, Pedro Peru, Pato D´água, Rodó, Rei dos Homens, Rafael Canindé e Vassoura.

Bota Pra Moer ficou famoso pela sua atuação na greve contra a posse do governador Eugênio Barros. Na tentativa de invasão do Palácio dos Leões deram a ele a tarefa de comandar a massa, que o seguia firme e resoluta. Ao chegar à Avenida Pedro II,  avistou os policiais de arma em punho e prontos para meter fogo nos chamados “soldados da liberdade”. O que fez Bota Pra Moer?  Simplesmente parou a marcha e anunciou: – Até aqui eu vim, daqui pra frente arranjem um mais doido do que eu.

Outra personagem citada no livro Pedras de Rua: Mamífero, mais folclórico do que doido, resolveu entrar na política, em 1948, candidatando-se a vereador de São Luis pelo PDC, do austero professor Antenor Bogéa. Num comício, no João Paulo, no auge de seu discurso, Mamífero disse essa pérola: – Se eleito vou acabar com esse terrível vexame de as mulheres ricas dormirem em colchões de molas e as pobres, coitadas, dormirem em pau duro.

O FOGO NÃO PERDOA

Quando a gente vê o que aconteceu, no Rio de Janeiro, com o fogo destruindo completamente o Museu Nacional, logo pensa no nosso Centro Histórico.

Os velhos sobrados do nosso Centro Histórico, de imenso valor artístico e  arquitetônico, são tão vulneráveis quanto o Museu Nacional, por isso, correm riscos semelhantes.

Se não fosse a proteção de Deus, alguns prédios coloniais da Praia Grande já teriam sumido do mapa.

RAPAZIADA DO PSTU

O PSTU é um partido pequeno, com poucos quadros humanos, portanto, sem condições de fazer uma boa campanha política.

Sendo inexpressivo do ponto de vista partidário, não alimenta a esperança de eleger algum candidato a qualquer cargo eletivo.

A despeito da sua modesta estrutura, o PSTU, em eleições passadas, se destacou no programa eleitoral por usar a composição musical “Eu acredito na rapaziada”.

BATALHA EM RIBAMAR

Em São José de Ribamar, as eleições deste ano ganharam um diferenciado componente.

Ainda que não esteja em disputa o cargo de prefeito, a luta política se travará entre as forças políticas do atual gestor, Luís Fernando Silva, e as do ex, Gil Cutrim.

Antigos aliados, hoje, ferrenhos inimigos políticos, querem mostrar nas urnas quem é o mais popular, o que tem mais prestígio e mais voto na cidade balneária.

DE MAL A PIOR

Há candidatos que facilmente caem nas graças do eleitorado e não dão trabalho para se eleger. Outros, contudo, não conseguem sair do chão, nem com a proteção dos detentores do poder.

O candidato a senador, Weverton Rocha, por exemplo, está em todas e conta com o apoio de figuras de realce da política maranhense, mas não tem santo que o faça decolar nas pesquisas.

EX-PRESIDENTES

Três ex-presidentes da Assembleia Legislativa do Maranhão postulam voltar às atividades parlamentares: Manoel Ribeiro, Arnaldo Melo e Marcelo Tavares.

Se eleitos, pretendem postular o cargo de presidente do Poder Legislativo.

Com a participação de Arnaldo Melo no pleito, a filha, Nina, que exerce o mandato nesta legislatura, não concorre à reeleição.

Se Roseana ganhar a eleição para o Governo do Estado, Manoel Ribeiro ou Arnaldo Melo  poderão presidir a Assembleia. O mesmo se pode dizer de Marcelo Tavares se Flávio Dino se reeleger.

BRITÂNICOS NOS LENÇOIS

Os turistas ingleses que gostam de viajar para o Brasil, em busca dos encantos da natureza, foram aconselhados por uma das maiores operadoras de turismo britânico, a conhecer oito cidades brasileiras.

Uma delas, Barreirinhas, por causa dos Lençóis Maranhenses.

Sem comentário para "OS INESQUECÍVEIS DOENTES MENTAIS DE SÃO LUÍS"


deixe seu comentário