Após denúncias, ambulâncias do Samu serão disponibilizadas à comunidade

1comentário

Após denúncia feita pelo jornal O Estado do Maranhão de que sete ambulâncias do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) permaneciam paradas na sede da unidade desde que foram compradas, a Secretaria Municipal de Saúde (Semus) finalmente disponibilizará os veículos à comunidade.

O anúncio foi feito no início desta tarde pelo assessor da Semus, Marcos Pacheco. Segundo ele, as ambulâncias estarão circulando ainda hoje.

Adquiridos com recursos do Ministério da Saúde, os veículos jamais haviam deixado o pátio do Samu, na área Itaqui-Bacanga. A alegação da Prefeitura é de que a documentação referente ao seguro das ambulâncias estava pendente.

Por causa da frota reduzida, os atendentes do Samu vinham sendo obrigados a priorizar as ocorrências consideradas mais graves. Invariavelmente, quando havia mais de um caso extremo a atender ao mesmo tempo,  os socorristas escolhiam aleatoriamente o paciente a quem prestariam assistência.

Não raro, vítimas de acidentes de trânsito permaneciam agonizando em via pública. Não foram poucas as que morreram por falta de atendimento, à espera de resgate do Samu.

Espera-se que com a disponibilização das ambulâncias, o trabalho de socorro esteja ao alcance de todos os que precisem.    

   

     

1 comentário para "Após denúncias, ambulâncias do Samu serão disponibilizadas à comunidade"


  1. Renato Waquim

    Professores denunciam autoritarismo na rede estadual de ensino em Rosário

    Nota de esclarecimento

    Os professores, abaixo relacionados, lotados no CE Raimundo João Saldanha vêm a público denunciar as medidas tomadas pela senhora Márcia Helena Matos de Souza, gestora de Educação da Regional de Rosário, qual seja:

    1. Calunias, ditas e escritas em relatórios oficiais sobre professores deste estabelecimento;
    2. Não direito a defesa, negando o acesso aos referidos relatórios;
    3. Demonstração de autoritarismo, usando inclusive, o aparato policial do Estado para intimidar alunos, professores e o Conselho Escolar;
    4. Afastamento dos professores de suas atividades profissionais, novamente sem nenhum motivo e mesmo sem documento oficial.

    Diante disso, os professores não aceitam e repudiam os atos arbitrários e injustificáveis da referida gestora de Educação, os quais são impróprios ao contexto educacional e ferem, mortalmente, princípios ético-democráticos tão valorizados e defendidos por toda e qualquer sociedade que prima por liberdade de pensamento, de expressão, de defesa de direitos e de livre manifestação.

    Fraternalmente,

    DENILSON REIS
    JOSÉ DE RIBAMAR (seu Riba)
    ARAÚJO JÚNIOR
    PAULO AFONSO
    SILVIA CARDOSO
    JOSENILTON MELONIO
    FERNANDO MARCELO LEMOS FERREIRA
    LEONEL TORRES
    MANOEL IZENILDE
    AMARILDO PINHEIRO

deixe seu comentário