Lixo químico acumulado pode causar desastre ambiental no Porto do Itaqui

0comentário

lixo-itaqui2.JPGMais de uma tonelada de fertilizantes em decomposição está acumulada há cerca de um ano e meio no pátio da Companha Operadora Portuária (Copi), no Porto do Itaqui, o que representa forte ameaça de desastre ambiental no terminal. A montanha de lixo químico, composta por sobras de cargas transportadas por navios, está a cerca de 200 metros da área de atracamento e com a proximidade das chuvas parte dos resíduos pode escorrer para o mar.

Profissionais da área de segurança no trabalho já alertaram inúmeras vezes à direção da Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap), responsável pela gestão do porto, sobre o risco que o material representa para o meio ambiente, mas nenhuma providência foi tomada até o momento. 

Técnicos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) já conferiram in loco a situação, mas nem assim o problema foi resolvido. Sobre a atuação dos dois órgãos no caso, uma fonte informou que a Anvisa desempenha um papel mais efetivo, mesmo que de forma paliativa. “Existe amizade entre os técnicos da Sema e  gestores do porto. Por isso, eles agem com descaso”, alega.

Inicialmente, o fertilizante seria doado à comunidade. Depois, um diretor da Copi decidiu vendê-lo. Como não há procura, o adubo se acumula com o passar do tempo. Uma possível solução seria transportar o material ao aterro da Ribeira, o que depende de um estudo sobre um possível impacto ambiental a ser causado pela substância naquela área.     

Sem comentário para "Lixo químico acumulado pode causar desastre ambiental no Porto do Itaqui"


deixe seu comentário