Superintendente da Fecomércio critica omissão de conselho empresarial criado por Flávio Dino na discussão do aumento de impostos

0comentário

Max de Medeiros faz intervenção durante a roda de conversa, observado por Márcio Jerry e demais presentes

Ao comentar, em rede social, sua participação, semana passada, em roda de conversa do projeto BR-135 sobre a cadeia produtiva da cultura, o superintendente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Maranhão (Fecomércio), Max de Medeiros, questionou o papel do Conselho Empresarial criado pelo governo Flávio Dino. Fazendo referência ao projeto de lei do Poder Executivo que prevê aumento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para a gasolina, o óleo diesel, bebidas e outros itens, o representante da Fecomércio indagou por que o conselho não discute a proposta, que impacta fortemente o setor produtivo.

Em sua intervenção, durante a roda de conversa, Max de Medeiros comentou a necessidade de atualização da tabela de diferenciais de alíquota de ICMS para as micro e pequenas empresas no estado e apontou dificuldade de diálogo da classe empresarial com o governo. Presente ao debate, na condição de representante do Palácio dos Leões, o secretário de Estado da Comunicação Social e Assuntos Políticos, Márcio Jerry, respondeu que o governo já havia criado o Conselho Empresarial.

Evitando fugir do tema central da discussão, que era a cultura, o superintendente da Fecomércio não fez nenhuma consideração sobre a resposta de Jerry. Mas voltou ao assunto hoje, de forma contundente, em sua rede social:

“Não quis abrir o parêntese na oportunidade, pois o assunto da roda de conversa era cultura. Mas ficou a dúvida: pra que serve um Conselho Empresarial que não discute, por exemplo, aumento de impostos que impacta o setor produtivo? Esta semana, a proposta de atualização da tabela veio junto com um pacote de aumento de impostos e foi mal recebida pela classe empresarial. Com diálogo, poderia-se facilmente justificar as medidas do ajuste fiscal proposto, no sentido de favorecer as MPE’s e sobretaxar os produtos considerados de “luxo”. Mas, infelizmente, mais uma vez faltou diálogo e o projeto de lei segue agora tramitando em regime de urgência na Assembleia sob incontáveis críticas”.

A posicionamento do superintendente da Fecomércio ecoa a insatisfação de todo o empresariado maranhense com os três aumentos de impostos propostos pelo governo Flávio Dino só neste primeiro mandato. E, com certeza, sinaliza forte abalo na economia local.

Sem comentário para "Superintendente da Fecomércio critica omissão de conselho empresarial criado por Flávio Dino na discussão do aumento de impostos"


deixe seu comentário