Nove magistrados e três membros do MP registraram armas de fogo nos últimos dois anos no Maranhão

0comentário
Membros do Poder Judiciário Maranhão participam de curso de tiro credenciado pela Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados (ENFAM)

Nos anos de 2017 e 2018, nada menos do que nove magistrados e três membros do Ministério Público (promotores, procuradores e outros integrantes da instituição) registraram armas de fogo no Maranhão. O dado consta na 13ª edição do Anuário Brasileiro de Segurança Pública, produzido pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, e sinaliza a tendência crescente dos agentes da Justiça de buscar proteção por meio da autodefesa.

A estatística aponta para o aumento do número de juízes, desembargadores, promotores, procuradores e demais integrantes do MP dispostos a adquirir uma arma de fogo para se defender. Em 2017, quatro magistrados e dois membros do Ministério Público adquiriram armas, segundo informações do Sistema de Gerenciamento Militar de Armas (SIGMA), banco de dados do Exército Brasileiro destinado a esse tipo de registro. No ano seguinte, cinco membros do Poder Judiciário e um representante do MP foram cadastrados no mesmo sistema.

O próprio Tribunal de Justiça do Maranhão oferece aos seus magistrados as condições para o manuseio seguro de armas, por meio de cursos e treinamentos, até mesmo no exterior, como os que aconteceram em abril de 2013, na cidade de Orlando, no estado da Flórida, Estados Unidos, com participação de 40 juízes, desembargadores e servidores do Poder Judiciário maranhense.

Diante do aumento da audácia dos bandidos e da proliferação do crime organizado, a capacitação dos agentes da lei para defender a própria vida em situações de risco é algo realmente necessário.

Confira a planilha abaixo:

Sem comentário para "Nove magistrados e três membros do MP registraram armas de fogo nos últimos dois anos no Maranhão"


deixe seu comentário