Insônia Produtiva

0comentário


Quando se fala em insônia normalmente se imagina logo que ela é proveniente de preocupações e dificuldades pelas quais o insone deve estar atravessando, mas em algumas oportunidades, ela pode acabar nos dando alegrias.

Normalmente durmo por volta das 11 da noite e acordo em torno das cinco da madrugada, o que me garante seis horas diárias de bom sono.

Esta semana tive dias muito atarefados, mas também muito produtivos. Trabalhei uma média de 16 horas diárias de segunda e sexta e deverei ainda trabalhar umas 8 horas no sábado e no domingo, o que totalizará umas 96 horas de trabalho, nas diversas atividades às quais me dedico.

Estou realizando várias produções cinematográficas. Acabei de produzir dois longa metragens documentais, um sobre o genial escultor maranhense, Celso António, dirigido por meu amigo e parceiro Beto Matuck, e o outro, baseado em imagens do grande fotógrafo Lindberg Leite, no qual divido a pesquisa, a produção e a direção com Cinaldo Oliveira, Joan Carlos Santos e Fernando Baima, respectivamente.

A Guarnicê Produções está desenvolvendo outros projetos. Para a TV Difusora, uma série em parceria com a Freela Conteúdos, espécie de Reality-Road Movie-Musical-Adventure, onde apresentaremos a banda de reggae Raja, em turnê pela Rota das Emoções e em parceria com a Objetiva Filmes, um telefilme baseado no material que Lindberg Leite produziu para esta emissora nos anos de 1960 e 1970.

Estou também produzindo duas séries e dirigindo uma delas, para canais de repercussão nacional e internacional, a Prime Box Brasil e a Fashion TV. O primeiro sobre a vida e a obra do padre António Vieira e o segundo sobre moda produzida de forma artesanal e sustentável. Ufa!… Só relatar isso tudo já cansa, imagina só fazer!?

A Guarnicê Produções está também participando, como coprodutora, do filme Trópico que será realizado no Maranhão e contará com direção de Giada Colagrande e a participação de Willem Dafoe e grande elenco, além de atores e técnicos de nossa terra.

Tem mais! Depois de muito tempo trabalhando como voluntário na Fundação Nagib Haickel, pois antes, pelo fato de ser deputado, não quis assumir nenhuma função de direção naquela instituição, agora sou seu presidente e justo em minhas mãos, ela está atravessando tempos difíceis, como de resto todo mundo está.

Outra tarefa que assumi foi ajudar a Academia Maranhense de Letras a levar em frente seu plano editorial. Eu, Sebastião Moreira Duarte, Félix Alberto Lima e José Neres, presididos por Lourival Serejo, fazemos parte da comissão editorial da AML, que está editando e publicando alguns livros.

Só para vocês terem uma pequena ideia deste trabalho: Eu lhes garanto que editar um livro hoje é infinitamente mais fácil do que em meados dos anos 1980, mas está um milhão de vezes mais difícil convencer alguns escritores que as capas de seus livros não podem ser feitas por eles, mas por artistas gráficos capacitados!

A semana também foi recheada de compromissos empresariais, setor em que graças ao bom Deus de Moisés e Maomé, conto com a indispensável ajuda de meu irmão Nagib e de minha esposa Jacira, sem os quais eu estaria quebrado.

Pois bem! A insônia! Adormeci às 11 horas da noite, com o controle remoto da TV na mão, e do nada despertei uma hora da madrugada.

Fui até a cozinha, tomei água para enganar o estômago e não ter que comer nada. Não funcionou. Assaltei a geladeira, mas fui moderado. Comi apenas frutas.

Como vi que não iria mesmo conseguir dormir fui para o computador. Passeei pela internet. Dei parabéns para os aniversariantes do dia no Facebook, li as últimas notícias e fui ver a página do MAVAM no Youtube… Agora que começa o texto de hoje. Quase no final!

Deparei-me com 60 filmes sobre os radialistas e o rádio maranhense. Um trabalho de registro e preservação de memória que não pode ser mensurado em preço financeiro. Emocionei-me com o Xeleléu de Rui Dourado, com o grande Zé Branco e senti saudade do amigo Edmilson.

Mas vi também outros conteúdos que realizamos: Os 27 filmes sobre os artistas plásticos do nosso estado, os 24 filmes sobre escritores maranhenses, os 19 sobre personagens e fatos importantes de nossa história, os 120 recortes de memória histórica, além de muitos outros filmes ficcionais e documentais nos quais participamos como realizadores ou apoiadores.

Fiz uma continha rápida e cheguei ao número extraordinário de 250 títulos de diversas durações e formas, realizados de 2009 para cá. Aprofundei a conta e cheguei à casa de 3.600 minutos de material finalizado e mais de nove mil minutos de material bruto.

Naquela madrugada fui dormir às seis da manhã e acordei as oito pra pegar no batente. Dormi feliz e acordei realizado.

PS: Quando lerem este meu texto, meu irmão Nagib e minha mulher Jacira, que em última análise, financiam tudo isso, dirão: “Muito bem! Parabéns! Isso é muito importante e até muito bonito, mas esse negócio não consegue se sustentar sozinho!?” Ao que eu responderei: “Claro que sim! Ele sustenta parte de minha felicidade!”

Veja você mesmo: https://www.youtube.com/channel/UCEWQytLxhKZ2gLs-wGn55FQ/videos

Sem comentário para "Insônia Produtiva"


deixe seu comentário