Descontinuação dos tratamentos em Psiquiatria

0comentário

                  No universo dos tratamentos médicos, várias questões sempre são consideradas quando alguém procura um profissional para fazê-lo. Quando a busca do tratamento é na psiquiatria, as coisas se complicam um pouco mais. A pessoa que necessita desse tratamento, e em geral, também sua família, encaram isso como um fato especial na vida dessas pessoas, pois em geral para irem na busca desse apoio, fazem muito esforço para se superarem os enormes preconceitos que ainda há, quando alguém se decide a se tratar com um médico dessa área. Sem contar, que muitas doenças mentais, impedem senso de autocrítica que lhes permitiria perceber, que de fato, eles necessitem de um tratamento. Isto é, muitas dessas doenças mentais acabam dificultando que a própria pessoa reconheça a necessidade de se tratar, a doença não deixa claro em sua mente essa consciência a real da necessidade de buscar um tratamento psiquiátrico.

             Para tanto, várias outras etapas deverão ser percorridas até que se chegue ao tratamento propriamente dito. Um fato inicial, sumamente importante por parte do médico é buscar a confiança do paciente e dos familiares para a realização do tratamento propriamente dito e isso se adquire, entre outras coisas, estabelecendo-se um bom relacionamento médico-paciente e com a família do enfermo para deslanchar as propostas terapêuticas.

           Em um segundo momento, vem a expertise, a experiência e o necessário conhecimento médico e técnico do profissional para formulação de possível diagnóstico sobre o que se passa com esse enfermo. A colaboração da família e do próprio paciente, nessa etapa de investigação clínica é fundamental, pois muitas informações deverão ser solicitadas pelos mesmos para essa finalidade. Em geral, alguns procedimentos médicos e as solicitações de exames laboratoriais são relevantes para o fechamento do diagnóstico. Uma boa, competente a cuidadosa anamnese, o exame físico e a solicitação de exames laboratoriais, colaboram muito para fundamentar a proposta diagnóstica.

            Em um terceiro momento, após percorrido essas duas etapas anteriores e já tendo o diagnóstico em mãos, o psiquiatra irá formular o projeto terapêutico a esse paciente. Esse projeto terapêutico, nada mais é, que um conjunto de recomendações éticas técnicas que o profissional recomenda ao enfermo e a sua família, para tratar, prevenir ou reabilitá-lo, na totalidade de suas queixas e de seu sofrimento.  O projeto terapêutico, contempla todas as medidas que devem ser tomadas em bloco para o tratamento dessa pessoa e deve respeitar as particularidades de cada paciente e de sua condição social.

           Atualmente denomina-se, Projeto Terapêutico Singular – PTS, à rigor não se realiza, tão somente, pela participação só do médico, outros profissionais da saúde têm papeis relevantíssimos na consecução dos tratamentos. O médico, tem a responsabilidade de elaborar PTS, especialmente quanto sua execução e a supervisão. É no PTS que iremos definir um tratamento específico para cada pessoa, respeitando suas caraterísticas e particularidades biológicas, psicológicas, pessoais, sociais e culturais formulando-lhe uma atenção terapêutica especifica dentro dessas caraterísticas. Esse programa se aplica tanto em condições ambulatoriais quanto aos pacientes tratados em regime de internação hospitalar.

           E, é justamente no tratamento proposto que começam a surtir os problemas mais relevantes na área da assistência psiquiátrica. Pois muitos enfermos, lamentavelmente, não conseguem prosseguir um tratamento a contento pelo tempo necessário por descontinuá-lo, indevidamente, em qualquer das etapas que o mesmo se encontre.

         Hoje a descontinuação dos tratamentos em psiquiatria é um dos assuntos mais debatidos em rodas de conversas entre médicos e entre outros distintos profissionais da área da saúde se constituindo um dos temas mais relevantes que há na prática médica. Um complicador para isso, já vimos acima, é a ausência de autocritica, por parte do doente mental, sobre a própria necessidade de tratar sua doença e isso é próprio de algumas doenças psiquiátricas. Outro fator relevante é a inacessibilidade aos serviços da saúde mental em nosso meio e em nosso país. São muito poucos os profissionais dedicados a essa área, prestando assistência a muita gente que precisa desses cuidados. Nunca se adoeceu, mentalmente, tanto quanto se adoce hoje e os servidiços de saúde essa área, não acompanharam essa demanda.

           Outro fator relevante é desconhecimento (baixa formação especializada) de profissionais sobre o manejo adequado desses tratamentos. As dificuldades financeiras, devido o desemprego ou devido a baixa renda da população os impedem de adquirir esses fármacos ou realizar outras formas de intervenção terapêutica, é também um outro grande problema na consecução do tratamento. Enfim, vários fatores colaboram para essa problemática grave, do ponto de vista do tratamento psiquiátrico.

            O fato é que, do ponto de vista médico e psiquiátrico, ao se interromper um tratamento desse tipo, em qualquer uma de sus etapas ou realizá-lo de forma incorreta, as consequências são avassaladoras. A primeira delas é a possibilidade de cornificá-las o que, certamente, acontecerá com as interrupções sucessivas desses tratamentos. Hoje, todos sabemos, que tratar de doenças crônicas é muito mais complicado e de prognóstico sombrio. Sabe-se, que sucessivas interrupções em tratamentos dificultam muito a recuperação plena desses enfermos.  

              A refratariedade aos fármacos é outra possibilidade esperada em interrupções de tratamentos. Isto é, os medicamentos que anteriormente faziam efeitos e nos davam respostas clinicas satisfatórias, passam a não responder plenamente ao tratamento. Em geral, esses enfermos crônicos, passam a precisar de maiores doses dos medicamentos que faz uso ou adicionar outros fármacos para produzir os efeitos esperados. A organização Mundial da Saúde em um documento de 2016 estimou que em torno de 45% das recaídas em quem se trata de depressão foi atribuído à interrupção do tratamento que o paciente vinha fazendo. Isso, demonstra a importância de não interrompermos um tratamento, qualquer que seja ele em qual quer de suas etapas.

            Como podemos notar, a cronificação a refratariedade, as recaídas e o agravamento na evolução clinico dessas enfermidades psiquiátricas, poderia ser evitado caso prosseguíssemos com o tratamento que qualquer uma dessas fizerem jus.

Sem comentário para "Descontinuação dos tratamentos em Psiquiatria"


deixe seu comentário