Senador Edward Kennedy

0comentário

ed_kennedy_05211.jpg

       O senador democrata americano Edward “Ted” Kennedy, de 76 anos foi internado no Hospital de Massachusets, em Boston na semana passada onde foi diagnosticado um Tumor Maligno no cérebro.

       Ted é o último irmão vivo do ex-presidente John Kennedy, assassinado em 22 de novembro de 1963. Eleito senador pela primeira vez em 1962, tem forte influência no Partido Democrata e no Congresso, é um crítico feroz do presidente George W. Bush e a póia o pré-candidato Barack Obama.

       O tumor que acomete o senador, é diagnosticado em 40.000 americanos todos os anos. Conhecido como glioblastoma. É o mais comum e mais letal dos tipos de câncer de cérebro. Detalhes da doença do senador e seu possível tratamento não são conhecidos. Muitas vezes a cirurgia simplesmente não é efetiva no tratamento dos gliomas, onde o tumor pode voltar a crescer. Radioterapia e quimioterapia também ajudam pouco. Outros tratamentos promissores começam a aparecer, como o uso de vacinas onde se combinam células do tumor com células brancas do sangue -Relata o Dr Michael Gruber, diretor médico do Centro do Tumor do Cérebro de New Jersey. Há também a possibilidade injetar vírus nas células tumorais.

       O tratamento habitual é uma combinação de quimioterapia e radiação.

sem comentário »

Estamos cuidando bem das mães e das nossas crianças?

0comentário

          Como  medir o progresso  e desenvolvimento dos países e do nosso planeta?

          Uma via indicada e de amplo consenso, é perguntar como estão sendo tratadas as mães e as crianças. Um recente informe da Unicef 2008 dedicado as crianças do mundo e que acaba de ser publicado, mostra um panorama inquietante.

          O documento mostra que é prioridade oferecer assistência adequada durante a gravidez e parto, dar cuidados necessários ao bebê. Ambos são altamente vulneráveis nesta fase. A situação da mãe e do bebê estão muito ligadas. Se a mãe tem problemas de saúde, a repercussão é imediata no bebê.

          Nos países desenvolvidos são tomados todos os cuidados, só morre uma mãe a cada 14.285 nascimentos. No mundo em desenvolvimento morrem 500.000 mães por ano, uma a cada minuto. A razão central dessa distorção é a falta de assistência médica. A OMS recomenda um médico a cada mil pessoas. Nenhum país da África sub-saariana e do sul da Ásia chegam a esse número. Na Nigéria e Tanzânia há um médico para cada 50.000 pessoas. Vejam o outro lado moeda. Todos os partos na Suécia, Noruega e Finlândia são atendidas por especialistas. Por aqui na América Latina enormes progressos estão sendo alcançados segundo a Organização Panamericana de Saúde(OPAS), mas muito há de ser feito. morrem 22.000 mães anualmente.

          Os cuidados com recém-nascido devem ser o tema central das políticas de saúde. Apesar das melhorias, as cifras são ainda muito preocupantes. Cada ano, no mundo morrem 9.7 milhões de crianças, antes de completar os 5 anos de idade, 26.000 por dia e 3 por segundo, na sua grande maioria de causas preveníveis. Um terço das mortes são de crianças que perecem no primeiro mês de vida, sem ter acesso a serviços elementares de saúde. Se estima que as mortes anuais de crianças equivalem as vítimas das mortes de um tsunami. 50% das mortes são causadas por desnutrição da mãe e das crianças. Ao reduzir a desnutrição, se reduziria fortemente as mortes por enfermidades facilmente tratáveis, como diarreia e pneumonia, que tem como causas principais a falta de água potável e instalações sanitárias adequadas e más práticas de higiene. Só a pneumonia mata mais de 3 milhões de crianças menores de cinco anos a cada ano. Os antibióticos que se necessitam para tratar pneumonia, custam menos de 30 centavos de dólar. Qual ao justificativa para não serem tratadas? A elevação dos preços mundiais dos alimentos básicos podem agravar ainda mais esses problemas. Se estima que podem chegar a probeza extrema, as cifras de mais de 200 milhões de pessoas.

          A nossa America Latina mostra um quadro paradoxal, Produz alimentos, três vezes mais  que sua população atual, no entanto 25% das mães que dão a luz, sofrem de desnutrição, e mais de 50% das mortes das crianças também são causadas por ela, 16% das crianças têm desnutrição crônica. Segundo informa The New York Times, investigações recentes mostram que quando as crianças não são amamentadas, aumentam o risco de infecção pulmonar,obesidade,diabetes e até câncer. 60% das crianças do mundo em desenvolvimento não recebe lactância materna, durante o período mínimo desejável.

          A prestigiosa instituição Save the Children mostra que as mulheres suecas têm educação formal durante mais de 17 anos e uma esperança de vida de 83 anos, e que só uma de cada 185 perde um criança antes que cumpra um ano. Cada mulher na Nigéria só têm três anos de assistência à educação, só uma de cada dez sabe ler e sua expectativa  de vida é de apenas 45 anos, 25% das crianças morrem antes de completar um ano. Cada mulher na Nigéria verá uma criança morrer e 90% delas podem perder até 2 crianças no decorres de sua vida.

          Não há muitas justificativas para o péssimo trato, que o planeta que transborda em riquezas e tecnologias, tenha dado para as mães e as crianças. Com 20 dólares, se pode assegurar a um recém-nascido, como se faz na Noruega, toda  bateria de vacinas básicas que necessitará em sua vida. Com 5 doláres se pode comprar uma rede para proteger contra mosquitos e reduzir radicalmente os milhões de mortes anuais por malária. Com 33 centavos de dólar, se pode vacinar contra sarampo e nisso o Brasil é bom. O sarampo está matando 240.000 de crianças por ano, e em 47 países têm alta incidência porque um terço dos menores de 5 anos não são vacinados.

          Bastariam proporcionar ínfimos valores do PIB de países mais ricos para dar possibilidade de vida a muitas vítimas inocentes. 

sem comentário »

Congresso Mundial de Cardiologia

1comentário

        Realizado esta semana em Buenos Aires, o Congresso apresentou como destaque um trabalho que vem sendo executado  por médicos espanhóis, onde iniciou-se os testes com a esperada polipílula, em que juntam várias substâncias em um só comprimido  (aspirina, estatina e o antihipertensivo conhecido como  IECA) em pessoas já acometidas de evento cardiovascular. A expectativa é que a pesquisa seja concluida em 2 anos.

       O conceito de polipílula foi desenvolvido por médicos ingleses Nicholas Wald e Malcolm Law em 2003, onde o projeto original era com 6 medicamentos (aspirina, estatina,beta-bloqueador, IECA e ácido fólico) com a tese que esses medicamentos contidos em uma só pílula pudessem reduzir a prevalência de  eventos cardiovasculares em 80%. Só agora que essa polipílula dos ingleses, começou a ser testada.  

       A noticia mais importante desses trabalhos é relacionado a efetividade do medicamento usado em doses fixas e a redução de seus custos. Admite-se que esse tratamento com a polipílula, deva custar menos de 10 dolares pelos 30 dias do mês.

1 comentário »

Ariel Sharon

0comentário

        O ex-primeiro ministro   de Israel Ariel Sharon se encontra internado no centro de reabilitação do Hospital Sheba em Tel Aviv,  desde o dia 4 de janeiro de 2006 quando sofreu um Acidente Vascular Cerebral Hemorrágico. Seu estado é de consciência mínima.

        Sharon de 80 anos, recebe visitas de seus familiares e amigos e é estimulado por uma equipe multidisciplinar que alterna respirador artificial com respiração espontânea. 

        O dr Félix Umansky, neuro-cirurgião argentino que operou Sharon de hemorragia cerebral, visita periodicamente, para observar sua evolução. Do ponto de vista médico geral encontra-se bem, mas o estado neurológico é de consciência mínima(ele senta, olhos abertos, não fala, dirige o olhar, sem nenhuma comunicação intelectual).

        Em uma situação de coma que parece irreversível, ele é assistido por dois filhos e outros familiares.

       

 

sem comentário »