Incômodos pêlos

0comentário

Pelo incomoda e a maioria das mulheres sente isso. Umas com mais, outras com menos. O que vai influenciar na quantidade é a genética, possíveis distúrbios hormonais ou o uso de alguns medicamentos. Mas quando o assunto é depilação cada uma tem seu palpite, seu método e suas dicas.

Àquelas que reclamam do excesso de pelo, a dermatologista Débora Ormond aconselha procurar um médico para checar a questão hormonal. Se estiver usando algum medicamento, a sugestão é verificar possíveis efeitos colaterais. Caso não seja constatado nenhum distúrbio o melhor mesmo é escolher a depilação que mais se adapte ao organismo e à rotina de cada mulher.

A dermatologista alerta que todas as depilações podem causar algum dano à pele. Para evitar problemas, antes de optar por um ou outro método, é preciso estar atenta à higiene da pele e do local onde é feita a depilação. Reações alérgicas podem acontecer, por isso é importante testar a cera ou o creme depilatório. Além disso, prestar atenção no preparo do profissional pode fazer a diferença.

A esfoliação da pele com buchas naturais, uma vez por semana, também pode evitar os indesejáveis pelos encravados.

Simone Batista é franqueada à Depyl Action, uma rede de franquias especializadas em depilação onde os materiais são totalmente descartáveis, todas as funcionárias passam um treinamento e a cliente pode escolher entre três tipos de cera: fria, morna e em rollon, todas à base de mel e própolis. De acordo com Simone, a cera morna é a mais procurada, pois segundo as clientes é a menos dolorida.

Para quem prefere se ver livre dos pelos, a depilação permanente é uma saída, pois mata a raiz do pelo por meio do laser e garante uma redução de até 70%. Vale lembrar que esse tipo de depilação não é considerada definitiva, porque não é possível impedir que as células dêem origem novos pelos com o passar do tempo. As principais contra-indicações são para pessoas que fizeram bronzeamento, artificial ou natural, até 30 dias antes da sessão; quem possui vitiligo; psoríase ou diabete descondensada.

Quando não há tempo de ir a uma casa especializada ou a condição financeira não permite uma depilação permanente, algumas mulheres optam pela lâmina de barbear ou por aparelhos depilatórios. A técnica é rápida, mas como é superficial os pelos voltam a aparecer em pouco tempo. Já se a dúvida for: a lâmina engrossa o pelo? Débora também é enfática e desmistifica essa idéia.

sem comentário »

O menu do Ataque Cardíaco

1comentário

garconete_enfermeira_bbc-407x305.jpg 

Uma lanchonete temática dos Estados Unidos está usando um menu insalubre rico em gordura e calorias e garçonetes “enfermeiras” como forma de atrair fregueses.

No Heart Attack Grill (“Grill do Ataque Cardíaco”, em tradução livre), em Chandler, no Arizona, a decoração lembra um hospital, as garçonetes se vestem como sensuais enfermeiras e os clientes são chamados de “pacientes”.

A estrela do cardápio é o Quadruple Bypass Burger (“Hambúrguer da Ponte de Safena Quádrupla”, em tradução livre), uma iguaria de cerca de 8 mil calorias.

1 comentário »

A musculação é aliada da boa postura

1comentário

192610post_foto.jpg 

Movimento do corpo e o perfeito equilíbrio da coluna seriam impossíveis sem a ajuda dos músculos. Eles são o sustentáculo da coluna, os responsáveis pelo bom funcionamento do aparelho locomotor. Boa parte das queixas de dores nas costas é resultado de problemas musculares, decorrentes de cansaço e tensão muscular. E a principal causa está no sedentarismo.

 A falta de exercícios leva à flacidez dos músculos, causando problemas posturais, envelhecimento e desgaste precoce dessas estruturas.

Para manter a saúde da coluna, é importante a prática de exercícios regulares.

Eles servem para alongar e fortalecer. — detalha o ortopedista. A boa pedida é a musculação, que permite o trabalho de todos os grupos musculares. A principal vantagem é a possibilidade de realizar um trabalho personalizado.

 De acordo com o nível de estresse, a rotina de trabalho e as queixas,é montada a série para cada pessoa.

Dessa forma, é possível fazer um trabalho voltado ao fortalecimento muscular e, consequentemente, ao melhor posicionamento da coluna. O empenho e a disciplina são fundamentais para que você veja os resultados. Quem malha cinco vezes por semana consegue perceber a melhora em menos de um mês.

Se você for sedentário e começar a malhar, os resultados serão vistos ainda mais rapidamente.

Cuidados prévios

Antes de começar a prática de qualquer exercício físico, não se esqueça de fazer uma avaliação médica.

 Todos devem ser bem orientados para que os exercícios surtam os efeitos desejados.

É importante consultar vários especialistas, como ortopedistas, fisioterapeutas e cardiologistas. Esse cuidado deve ser tomado, especialmente, por aqueles que sentem dores nas costas. Isso porque, a causa desse sofrimento pode ser não apenas muscular, mas óssea, o que exige tratamento médico prévio.

1 comentário »

Depressão pode comprometer a vida sexual da mulher

0comentário

Metade das mulheres que procuram o Projeto Sexualidade (ProSex) do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo sofre de baixo desejo sexual. Entre elas, 40% estão ou já estiveram em tratamento para depressão. Até recentemente, a disfunção sexual decorrente de tratamento antidepressivo também prejudicava a adesão ao tratamento.

O Estudo Mosaico Brasil, realizado em 2008, avaliou o comportamento afetivo-sexual de mais de 8,2 mil brasileiros, 49% do sexo feminino. Comparando as mulheres participantes na faixa etária de 41 a 50 anos em tratamento para depressão com aquelas que não estavam em tratamento, observou-se que havia 22,6% delas com inibição de excitação sexual entre as que estavam em tratamento, contra 15,4% entre as que não estavam.

— A depressão causa desânimo e desinteresse geral, além de afetar a produção e a liberação de hormônios sexuais, o que interfere diretamente sobre a libido feminina — afirma Carmita Abdo, psiquiatra e coordenadora do ProSex, que estuda o comportamento e os problemas sexuais em homens e mulheres há mais de três décadas.

Até recentemente, a disfunção sexual decorrente de tratamento antidepressivo também prejudicava a adesão ao tratamento. Estudos demonstram que a disfunção sexual atinge de 30% a 70% dos pacientes que tomam antidepressivos, sendo uma das causas de abandono ao tratamento e ao medicamento já a partir do primeiro mês.

— Há uma nova geração de medicamentos que minimiza esse efeito indesejável, o que pode contribuir para aumentar a adesão ao tratamento — afirma a psiquiatra. — Isso significa um grande avanço, pois a interrupção prematura da medicação pode levar a um aumento de casos de recorrência dos quadros depressivos.

Depressão e mulher

Estima-se que 17 milhões de pessoas tenham depressão no Brasil, o que representa 10% da população. O problema é mais prevalente entre as mulheres. Estatísticas mundiais apontam que elas sofrem duas vezes mais com o problema do que os homens. Uma das razões são as flutuações hormonais, mais pronunciadas na fase reprodutiva das mulheres. Segundo a psiquiatra, os períodos de oscilação dos hormônios, como ciclo menstrual, gravidez, pós-parto e menopausa coincidem com os picos de incidência de depressão nas mulheres.

— A depressão, quando não tratada, pode comprometer vários aspectos da vida, tais como o profissional, o emocional, os relacionamentos e até a vida a dois. Por isso a relevância do diagnóstico seguro e da adesão total do paciente ao tratamento adequado — destaca a especialista.

Sintomas funcionais

Pesquisa Ibope realizada com 1,1 mil mulheres em oito cidades da América Latina aponta que os aspectos funcionais da depressão são subestimados. Em 78% das entrevistadas, tristeza, melancolia e desânimo são os sintomas mais associados à depressão. Alterações no sono e perda do desejo sexual aparecem no outro extremo, cada qual com 3% das citações.

— As pessoas relacionam depressão à sensação de tristeza ou angústia. Entretanto, a depressão pode ser a causa da pouca vontade de fazer sexo ou do isolamento afetivo e social — diz a psiquiatra, destacando a importância de estar atento também para os sintomas funcionais da depressão.

Entenda a depressão

A depressão é um transtorno mental comum, que é diferente de “sentir-se triste”, e não é algo que as pessoas conseguem simplesmente “superar”. A doença, que tem como base a alteração de substâncias químicas no cérebro, é caracterizada por sintomas persistentes, como humor depressivo e/ou deprimido, alterações de apetite e/ou de peso, baixo desejo sexual, alterações dos padrões do sono, agitação ou retardamento psicomotor, fadiga ou falta de energia, sentimentos de inutilidade ou culpa sem nenhum motivo consistente, dificuldade de raciocinar ou de se concentrar, pensamentos de morte ou suicídio.

A depressão tem forte impacto social e econômico na vida dos pacientes e familiares, especialmente se considerado o pico de incidência: entre 35 e 44 anos, período mais produtivo de homens e mulheres.

Mitos e verdades

Depressão é doença de pessoas frágeis.

Mito. Este é um erro comum que ainda impede muitas pessoas de buscarem o tratamento adequado para a depressão. A depressão é caracterizada por um conjunto de sintomas específicos, de gravidade e duração significativas. A doença está relacionada a um desequilíbrio neuroquímico já bem estabelecido pela ciência. Porém, o mecanismo completo da doença ainda não foi totalmente desvendado pelos médicos. A depressão tem características importantes, afetando o humor, o comportamento, o pensamento e outras áreas do organismo. Acompanham os sintomas emocionais também os físicos, como dores crônicas, e os funcionais, como dificuldade de concentração e falta de motivação. Estes três grupos de sintomas normalmente comprometem de maneira importante o funcionamento cotidiano normal e também a vida familiar, social e profissional do paciente.

A depressão está sempre relacionada a um fator emocional.

Mito. Embora os fatores emocionais, como morte de alguém na família ou uma separação, possam desencadear o problema, nem sempre serão um gatilho para a depressão.

Existem tratamentos eficazes para a depressão.

Verdade. A depressão é uma doença que já possui tratamento. Infelizmente, muitas pessoas ainda sofrem com o problema sem procurar ajuda médica. Os medicamentos para tratar a depressão são sempre vendidos sob prescrição médica e têm surgido opções mais modernas com alta eficácia e menos efeitos colaterais.

A depressão tem cura.

Depende. Não se trata de um mito ou verdade absoluta. A depressão considerada doença, chamada de transtorno depressivo maior, costuma acontecer com episódios agudos que se repetem, podendo durar de semanas a meses e acontecer mais de uma vez num único ano. Em alguns casos, com tratamento correto, é possível, sim, o paciente se tratar e não voltar a ter mais o problema. Em outras pessoas, o tratamento correto proporcionará alívio dos sintomas e tornará bem menos freqüente o aparecimento dos episódios agudos, o que, sem dúvida, é um enorme benefício ao paciente. Por isso, acompanhamento médico é fundamental.

Ao se sentir melhor, o paciente pode interromper o tratamento para a depressão.

Mito. O tratamento para depressão tem dois objetivos principais: o primeiro é o de tirar os sintomas do paciente e fazer com que ele volte à sua vida normal; e o segundo, que acaba sendo a maior preocupação do médico, e que muitas vezes não é levado em consideração pelo paciente, é o de impedir que a depressão retorne.

O tratamento completo dura no mínimo de seis meses a mais de um ano, dependendo do transtorno que o paciente apresenta.

Em torno de quatro semanas já é possível perceber a melhora dos sintomas, que podem até desaparecer completamente por volta da 12ª semana. Porém, se o tratamento for abandonado ainda neste período, a chance de haver uma recaída ou uma recorrência é muito grande e colocaria a perder todo o tratamento.

A depressão afeta mais as mulheres.

Verdade. A depressão é uma doença que atinge até duas vezes mais mulheres do que homens. Os motivos podem estar relacionados ao papel do hormônio estrogênio, já que as mulheres são mais suscetíveis às variações hormonais.

Todo medicamento para depressão compromete a libido.

Depende. Todo medicamento antidepressivo pode levar a disfunção sexual, como por exemplo perda ou diminuição da libido.

A frequência com que isto ocorre varia de acordo com a droga escolhida e com a resposta do paciente. Porém, sabe-se que em torno de 60% das pessoas que usam antidepressivos afirmam ter disfunção sexual.

Como queixas sexuais são causas comuns de abandono do tratamento para depressão, antidepressivos mais modernos que demonstram baixa interferência na função sexual trazem grande vantagem ao tratamento.

É importante lembrar que dentre os sintomas frequentes da própria depressão está a perda do desejo sexual, especialmente comum nas mulheres com depressão. Assim, a disfunção sexual observada num paciente em tratamento para um transtorno depressivo pode não ser atribuída ao tratamento e sim à própria doença.

Todo medicamento para depressão engorda.

Mito. Embora este seja um dos efeitos colaterais mais relatados pelos pacientes e importantes dos antidepressivos, o que muitas vezes leva o paciente, principalmente mulheres, a abandonarem o tratamento, não é possível afirmar que todas as pessoas que fazem uso de medicamentos para depressão engordam. Porém, como é uma queixa muito comum, é importante ressaltar que já existe uma nova opção de medicamento para o tratamento da depressão que não altera o peso.

Antidepressivos alteram o comportamento.

Mito. Os antidepressivos não são a pílula da felicidade. Os medicamentos não provocam reações extremas de mudanças no comportamento. Por isso, é importante procurar o médico para encontrar o tratamento mais indicado.

Mulheres na menopausa têm maior probabilidade de ter depressão.

Verdade. Novamente os motivos para esta afirmação estão relacionados ao desequilíbrio hormonal, em especial, ao estrogênio. Estudos mostram que durante o período da menopausa (chamado de peri-menopausa) uma mulher que nunca teve depressão na vida, tem duas vezes mais chance de ter um primeiro episódio de depressão nesta fase. E se a mulher já tem histórico de depressão, a chance do quadro se repetir é 14 vezes maior do que antes dela entrar na peri-menopausa.

sem comentário »

Ciência do beijo

0comentário

Em três minutos, cérebro aprova ou desaprova o pretendente

Os românticos que perdoem os cientistas, mas uma pesquisa mostra que o beijo tem lá suas propriedades químicas, que são determinantes na conquista amorosa. É o que tenta demonstrar estudo da Universidade de Rutgers de Nova Jersey (EUA). A antropóloga Helen Fisher afirma que o beijo é um mecanismo de avaliação do companheiro. Segundo ela, durante o ato de beijar, ocorre uma série de reações químicas e, em alguns casos, um beijo ruim pode ser o começo do fim de um novo romance ? e o desencanto se daria apenas três minutos após beijar.

 A saliva do outro contém quantidades de hormônios que são um indicador de sua personalidade. Ao beijar, o cérebro fica ativo. Cinco nervos levam mensagens do que estão sentindo. É realmente uma ferramenta de avaliação muito poderosa ? diz Helen Fisher.

Testosterona

A pesquisadora se baseou em imagens do cérebro. Segundo ela, quando beijamos impulsionados pelo amor romântico, uma parte do cérebro enlouquece e se comporta como se estivesse sob os efeitos de uma droga.

 O amor romântico é um impulso poderoso que vem do motor da mente, da área responsável pelas dependências ? diz a antropóloga.

Por outro lado, diz ela, há evidências de que a saliva contém testosterona e que homens preferem beijos com mais saliva e com a boca mais aberta:

 Isto sugere que tentam transferir testosterona para incentivar o apetite sexual nas mulheres.

A pesquisadora investigou um universo de 28 mil pessoas. Fisher descobriu que indivíduos com mais dopamina ? criativos e dispostos a correr riscos ? procuram pessoas com características semelhantes, assim como os que têm mais serotonina ? mais tradicionais ? apaixonam-se por pessoas parecidas.

Por outro lado, os que evidenciam níveis elevados de testosterona ? analíticos, lógicos ? se juntariam a pessoas com mais estrogênio, nas quais predominariam qualidades como imaginação, compaixão e intuição.

Segundo outro estudo realizado na Rússia, beijar beneficia a pressão sanguínea, o sistema cardiovascular e os níveis de colesterol, além de prevenir cáries. As tensões faciais que ocorrem durante o beijo melhoram a circulação e o estado da pele do rosto. Além disso, o beijo pode servir para aliviar a dor, já que, quanto mais apaixonado, maior a liberação de endorfinas, uma substância hormonal que tem propriedades analgésicas semelhantes às da morfina.

sem comentário »

Disfunção erétil

0comentário

187739post_foto.jpg 

Fico muito ansioso na hora da relação e não consigo ter ereção. O que devo fazer? Não consigo mais manter a ereção na relação sexual. Qual é o meu problema? Essas e outras dúvidas aparecem com significativa frequência no consultórios de especialistas.

 Os homens estão mais à vontade para falar de seus problemas e tirar suas dúvidas sobre sexo.  Os temas vão desde as questões mais rotineiras como tamanho do pênis e ejaculação precoce até problemas de ereção.

Alguns pacientes com problemas de ereção que chegam consultório apresentam sintomas geralmente relacionados a insegurança, ansiedade ou depressão. Conflitos no relacionamento e problemas financeiros também influenciam no desempenho sexual.

Fatos estressantes como esses afetam a autoconfiança e o emocional da pessoa, que, por consequência, pode se refletir no sexo.

Há 10 anos Viagra chegava ao mercado, o primeiro medicamento oral para o tratamento da disfunção erétil (DE), que ajudou milhões de homens a superar o problema. O medicamento causou grande impacto na sociedade, desafiando o tabu da discussão aberta sobre sexo e reconhecendo que a DE era uma doença que poderia ser facilmente tratada. Antes do Viagra, falar sobre algum problema de ereção com o médico era considerado um constrangimento sem fim.

As visitas ao médico eram raras e, quando os homens vinham ao consultório, sentiam-se extremamente envergonhados.  Antes da chegada do medicamento oral, as opções de tratamento para disfunção erétil eram limitadas e incômodas, como injeções intracavernosas no pênis, próteses e bombas a vácuo. Isso também era um fator que afastava o paciente de procurar orientação médica.

Estima-se que a incidência de algum grau de disfunção erétil na população masculina brasileira acima de 40 anos seja de 48%. A disfunção erétil está associada a problemas orgânicos, psíquicos ou mistos e pode ser de intensidade leve a completa. A disfunção psicogênica, associada à ansiedade, é mais frequente em homens mais jovens. Com o avançar da idade, é comum o homem sentir maior dificuldade em manter o pênis ereto, por razões de origem orgânica , normalmente associadas a pressão alta, colesterol elevado, diabetes ou problemas cardíacos — ou mista (mescla de origem orgânica e psicogênica). Em qualquer dos casos, o grau da disfunção pode variar entre leve, moderado e completo.

Existe tratamento para todos os graus e tipos de dificuldade de ereção. Mesmo portadores de insuficiência cardíaca, pressão alta e outras doenças relacionadas ao sistema cardiovascular podem fazer uso de medicamentos para o tratamento da disfunção erétil, desde que orientados por seus médicos. Justamente nesses casos, a maioria dos pacientes se beneficia do uso.

Algumas das dúvidas mais comuns dos homens

 A perda da ereção pode estar relacionada a depressão e ansiedade?

Sim, a depressão e a ansiedade podem ser causas da perda da ereção.

 No meio da relação sexual, perco a ereção. Preciso tomar medicamento?

Em alguns casos é necessário, pois a medicação pode auxiliar no resgate da autoconfiança, podendo ser acompanhada de psicoterapia.

 No primeiro encontro com uma nova companheira, não consigo obter uma ereção. Preciso fazer terapia?

É provável que a ansiedade gerada pelo primeiro encontro possa estar prejudicando o desempenho, impedindo o homem de ficar relaxado e tranquilo para ter uma ereção. Por isso, é importante, sim, buscar ajuda.

— Medicamento para DE resolve o problema de ejaculação precoce?

Os medicamentos para ereção são para ereção e não para ejaculação. O ideal é consultar um médico.

 Tenho ereção todos os dias e me masturbo sempre. Isso é normal?

Se a masturbação é uma prática que faz bem ao homem, sem fazê-lo perder o interesse de se relacionar com outras pessoas, não há qualquer problema.

 Existe tratamento para aumentar o tamanho do pênis?

Nada que é vendido na internet ou qualquer cirurgia sugerida para essa finalidade é cientificamente aceito. Portanto, o homem precisa ter cuidado e procurar orientação de um médico.

 Existe risco de contrair alguma doença por meio do sexo oral?

Sim, há. E são várias: herpes, HPV e Aids. Por isso a importância de se praticar sexo seguro.

Sociedade Brasileira de Urologia.

sem comentário »

Use com moderação

0comentário

2961940354_2318c847c6.jpg 

Um alerta da Associação Britânica de Dermatologistas afirma que o uso excessivo de telefones celulares pode ocasionar o aparecimento de erupções na pele da orelha e das bochechas. Segundo os integrantes da associação, um número significativo de dermatologistas não estão cientes sobre esse efeito dos celulares sobre a pele. A inflamação, que ganhou o nome de ‘dermatite do celular’, afeta pessoas alérgicas ao níquel que se encontra na superfície dos aparelhos. Também nesse sentido a Clinica Mayo, nos Estados Unidos, apontou o níquel como uma das causas mais comuns de alergias e inflamações dermatológicas.

sem comentário »

Cirurgia plástica para homens

0comentário

male.jpg

A British Association of Aesthetic Plastic Surgeons divulgou recentemente o relatório referente às atividades realizadas no ano passado e um dos principais destaques desse relatório foi o grande aumento de cirurgias plásticas realizadas por homens. Enquanto o número de cirurgias para redução de mama triplicaram nos últimos cinco anos, as plásticas na região da sobrancelha aumentaram 60% apenas no ano passado. Além destas, as cirurgias mais comuns são a rinoplastia, a correção de orelhas e a lipoaspiração. Segundo o relatório, esse aumento justifica-se, em grande parte, pelo desejo de encontrar parceiras mais jovens e competir com profissionais mais jovens no mercado de trabalho.

sem comentário »

Refrigerante sabor cigarro

0comentário

liquid.jpg 

Um refrigerante cuja fórmula traz a mesma nicotina encontrada nos cigarros deve ser lançado, em breve, no Reino Unido. As latas de Liquid Smoking, extremamente parecidas com maços de cigarro, chegam ao mercado para oferecer aos fumantes uma alternativa de consumo em bares, restaurantes e aviões. Como não poderia deixar de ser, uma série de grupos anti-tabagismo já se manifestaram contra o produto, que contém 15% de nicotina, alegando que o mesmo pode estimular o hábito de fumar.

sem comentário »

Quando o cigarro prejudica a beleza feminina

0comentário

artigo_cigarro_beleza_interna2.jpg

Quem gosta de assistir a filmes clássicos certamente já reparou em cenas de glamour e elegância nas quais os protagonistas consumiam cigarros ou charutos. O cigarro era um acessório – quase obrigatório – do charme de atores e atrizes. As personagens femininas de personalidade marcante acendiam um cigarro para ressaltar sua feminilidade imponente e sedutora. Não por acaso, elas tinham peles e cabelos irretocáveis e sorrisos extremamente brancos.

Essa associação do cigarro à imagem da mulher forte e charmosa prevaleceu até a década de 1980. Desde então, a percepção que se tem dos fumantes, tanto homens quanto mulheres, vem mudando. No cinema, por exemplo, são menos frequentes as cenas usando o cigarro como elemento de glamour. Isso se deve em grande parte à consciência que se estabeleceu com as evidências dos efeitos indesejáveis do tabaco no organismo. Muitos desses efeitos prejudicam intensamente a aparência do fumante e, por isso, são ainda mais indesejáveis para as mulheres, em geral mais vaidosas.

Além de gerar dependência, a nicotina diminui a capacidade de oxigenação de todos os órgãos, entre eles a pele. O uso continuado de tabaco também reduz a produção de colágeno (responsável pela sustentação e elasticidade da pele) e, ao mesmo tempo, aumenta a produção de enzimas que o destroem. Com menor irrigação sanguínea e menos colágeno disponível, o resultado é o surgimento de rugas e flacidez precoces em mulheres fumantes, especialmente nas regiões dos olhos e da boca. O hábito de fumar ainda prejudica todo o processo de regeneração e cicatrização da pele, o que aumenta o risco de formação de queloides – cicatrizes “mal-formadas”, dolorosas e esteticamente incômodas.

A saúde bucal também é intensamente afetada pela ação do cigarro. Além do já conhecido efeito de amarelar os dentes, provocado pelo alcatrão, o calor e as substâncias tóxicas liberadas pela fumaça agridem lábios, mucosas e gengiva, tornando-os mais escurecidos e vulneráveis a doenças periodontais e a lesões que podem se tornar malignas. A gengiva também sofre retração, expondo uma área maior dos dentes e tirando o equilíbrio estético do sorriso. Com essas agressões às mucosas da boca e do esôfago, fica impossível evitar o mau-hálito que é característico ao tabagista.

Esse vício ainda causa a formação de radicais livres no organismo, inclusive na pele. Quanto mais veloz a produção desses radicais, mais rápido o envelhecimento do indivíduo. A Organização Mundial de Saúde (OMS) afirma categoricamente que o cigarro contribui significativamente para o envelhecimento precoce, e que fumantes podem aparentar ter até 10 anos a mais que a sua idade real.

Como se não bastasse o impacto negativo sobre a saúde da pele e do sorriso dos fumantes, o antigo charme da mulher que fuma vem sendo desconstruído pelas evidências da ciência. Os estudos têm relacionado o hábito de fumar a traços de personalidade mais ligados ao perfil ansioso ou ansioso-depressivo, principalmente nas mulheres. Portanto, fumar pode denunciar uma dificuldade de lidar com algumas situações mais do que ser um sinal de segurança e glamour.

Desse modo, o antigo estereótipo da mulher fumante, tantas vezes retratada no cinema e na mídia em geral, definitivamente não existe na realidade. Nenhuma atriz, modelo ou apresentadora tabagista conseguirá impedir os prejuízos precoces à sua beleza. E, ainda que a maquiagem e os cosméticos ajudem a disfarçar os prejuízos por um tempo, o impacto sobre a saúde, mais cedo ou mais tarde, causará descontentamento e transtornos físicos e sociais, já que diversos locais públicos proíbem o tabagismo. A melhor solução, então, é pensar em abandonar esse hábito o quanto antes.

sem comentário »