A tática de Flávio Dino no 2º turno

1comentário
Falatando 14 dias para a eleição, Flávio Dino se mantém afastado da disputa em São Luís

Faltando 14 dias para a eleição, Flávio Dino (PCdoB) se mantém afastado da disputa em São Luís

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), voltou atrás em sua própria palavra e decidiu se manter neutro nas eleições de segundo em São Luís. No último dia 3, um dia após a eleição de primeiro turno, Dino declarou em coletiva de imprensa que, naquela mesma semana, iria fazer um evento político onde anunciaria o voto.

“Irei fazer um evento político esta semana para anunciar meu voto”, afirmou.

A expectativa era que o anúncio de voto fosse no atual prefeito da capital, Edivaldo Holanda Júnior (PDT), que chegou ao comando do Executivo municipal por mão do próprio Flávio Dino, em 2012. Além disso, o vice de Edivaldo, o sindicalista Júlio Pinheiro, é do PCdoB, o que já aumentava mais ainda os já 100% de chances do governador declarar o voto em seu pupilo.

Contudo, passadas duas semanas, o comunista se escondeu no Palácio dos Leões, fez-se de neutro em relação ao voto e tem evitado falar sobre as eleições nas capital. Ao mesmo tempo, liberou o diretor-presidente da Caema (Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão), Davi Telles, para desmascarar inverdades do adversário de Edivaldo na disputa, o deputado estadual Eduardo Braide (PMN), que tem afirmado ter feito uma gestão competente na Caema, apesar das praias terem continuado sujas, a Lagoa da Jansen fedorenta, a cidade sem saneamento básico e as torneiras das casas da população sem água.

Na lógica do governador do Maranhão, cumprir a própria palavra e declarar voto aberto em Edivaldo seria um desastre para sua hegemonia de poder e, principalmente ego, caso Braide seja eleito.

Por outro lado, mantendo-se neutro, e Edivaldo Júnior sendo reeleito, Flávio Dino usurpa a vitória do pedetista em razão das obras do Poder Executivo estadual terem contribuído para a diminuição de sua rejeição pela população ludovicense.

A mesma estratégia também serve para o caso do próprio Eduardo Braide ser o eleito, já que Dino também lhe usurpará a vitória, alegando que esta só ocorreu devido à sua decisão de não fazer campanha aberta para Edivaldo.

Leia mais

1 comentário para "A tática de Flávio Dino no 2º turno"


  1. Flávio Dino deve declarar apoio a Edivaldo – Zeca Soares

    […] diretamente da campanha de vários candidatos do seu grupo. O que o governador chamava de “neutralidade” na eleição era visto como “omissão” pelos […]

deixe seu comentário