Sampaio Basquete conquista o bi na LBF

3comentários

O Sampaio é bicampeão da Liga de Basquete Feminino – LBF 2019. O time maranhense já havia vencido os dois primeiros jogos do playoff decisivo em Campinas por 81 a 72 e 63 a 59, e precisava de mais uma vitória para fechar a série em 3 a 0.

E a vitória que garantiria o título foi conquistada nesta quinta-feira (22), no Ginásio Costa Rodrigues, em São Luís. O Sampaio fez 76 a 70 e garantiu mais uma conquista na LBF.

A partida foi bastante disputada desde o início com as duas equipes exercendo forte marcação. O Vera Cruz fechou o primeiro quarto por 16 a 18. O segundo quarto continuou no mesmo ritmo e o time Paulista fez 16 a 15, fechando o primeiro tempo em 34 a 30.

No terceiro quarto, o Sampaio voltou melhor e venceu com diferença de 5 pontos 21 a 16, passando pela primeira vez na frente do placar. Empurrado pela torcida, o Sampaio apertou o ritmo e abriu 25 a 20 no quarto quarto fechando o jogo em 76 a 70.

A maior pontuadora da partida, no entanto foi Babi, do Vera Cruz com 22 pontos, seguida por Mariana Dias, com 17 pontos. No Sampaio, as cestinhas foram Rafaella Monteiro com 16 pontos e Clarissa com 15 pontos.

O Sampaio Basquete tem o patrocínio da Cemar e do Governo do Maranhão, por meio da Lei de Incentivo ao Esporte.

Foto: Matheus Marques

3 comentários »

Memória do campeão

3comentários

juracyetica

Por toda a minha vida, Pai…
Por Juraci Filho

Já se passaram 2 anos sem o campeão Juracy Vieira, pouco tempo, perto da imensidão de uma vida inteira que eu Juraci Vieira da Silva Filho e família, teremos que passar sem você Pai, aqui na Terra. Só nos restam às lembranças, aquelas que vêm e que vão trasladando o amor, o desejo perene de vê-lo, tocá-lo e beijá-lo, mas é que nem maré, quando vem traz a memória esfuziante da nossa convivência como: filho, amigo, companheiro, confidente, pai de 2 netos (Rafaella e Leonardo), sobretudo um fã incondicional do homem e profissional exemplar, Juracy Vieira.

Ao que me lembro, a história entre eu e papai, começou logo cedo, aos 5 anos de idade; quando pela primeira vez, ele me levou ao estádio Nhozinho Santos para ver um jogo do Maranhão Atlético Clube, era 1982, me recordo que o M.A.C ganhou o jogo, e logo passei a simpatizar pelo clube, ora, era o time do meu ídolo também, mas confesso: não foi preciso me pressionar para que eu logo viesse a torcer pelo clube das 4 cores.

Entretanto, recordo-me que ficava o tempo todo olhando para cabine, a época da Difusora, o meu querido, Juracy Vieira narrando com a mão esquerda, tirando e botando o fone do lado esquerdo do ouvido, achava impressionante, ver aquela dedicação, vibração e criatividade reluzente, que ele demonstrava com tamanha facilidade pra falar e argumentar, meu pai era aquele homem que podia se dizer: “nasceu com o dom da palavra”, pois falava fácil, fácil e ainda tinha rima rica, é verdade!

Começava ali, uma “página da vida” porque o filho deixava de ser apenas uma reprodução humana, para ceder espaço a uma espécie de fã ardoroso,capaz de pegar os gravadores da equipe de esporte e imaginar partidas de futebol fictícias para narrar,ou seja,também imitar o meu pai,que a esta altura,virou minha inspiração,quantas vezes o meu velho,Juracy Vieira, não estava tomando sua cerveja gelada no bar do Zé Luanda, no São Francisco, e ia me buscar na rua 03 casa 656 no mesmo bairro,para que eu tímido, menino de 8,9,10 anos narrasse ali um jogo fictício para Zé Santos,Anacleto Araújo, José Carlos Teixeira, Ribamar Furtado, Carlos Henrique e o também saudoso Adolfo Vieira (tio) pudessem se deleitar com as minhas travessuras,e por quê não dizer sonho mesmo?

Até que em 1991, aos 14 anos, meu mestre me deu a primeira oportunidade na equipe 680 e na TV Difusora, também, aí não preciso dizer mais nada, foram 20 anos juntos formando a inusitada dupla pai e filho. Um certo dia, ouvir o irmão Zeca Soares dizer o seguinte: “Eu fazia faculdade e às vezes não dava para ir ao estádio de futebol,ver o jogo, mas ligava o rádio e ouvia o Juracy Vieira, narrando pois sabia justamente onde estava,o jogador com a bola” foi uma das falas mais bonitas, que já ouvi alguém dizer sobre o trabalho de um profissional, o Zeca tinha razão.

Confesso que, quando meu pai nos deixou, cheguei a pensar em não mais narrar futebol, passei 2 meses,sem ir a um estádio de futebol, no entanto, um belo dia: acordo ou ainda estava dormindo, e de repente, ouvi aquele vozeirão dizendo: “deixa de ser bobo rapaz,continua tua vida,quem entra nessa profissão, nem depois de morto para, eu não te preparei para ser mole, não cara!”

Depois dessa passagem, eu retomei o trabalho e as narrações esportivas, até mesmo para homenagear o velho, amado pai/mestre Juracy Vieira, não dava para desobedecê-lo. Este ano, menos de 1 mês para completar 2 anos do seu falecimento,recebi um email, que me chamou muita atenção,para ser sincero, até  me causou arrepios!Aguardava a confirmação da rádio Nacional e FIFA para a Copa do mundo, me lembro muito bem que pediram-me nome completo, documentos pessoais e principalmente o nome que era conhecido aqui no Maranhão, o chamado “nome artístico”, eu naturalmente informei ao coordenador da Rádio Nacional Rio, Philipe Deschamps, quando agora recebo a confirmação de credenciamento da FIFA, direto de Zurique, Suíça. Sabem que nome está no credenciamento? Eu me emociono, calma…  “Juraci Vieira”.

De onde estiver pai, sei que está feliz, e pode ter a certeza que com o seu nome vou relembrar um pouco da sua vida profissional na história das copas.

Eu te amo pai, por toda a minha vida!!!

De um filho apaixonado, Juraci Filho.

Neste domingo, haverá uma missa às 17h, na igreja Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, na Cohab. Haverá também um minuto de silêncio no super-clássico, Sampaio x Moto, em homenagem póstuma ao campeão Juracy Vieira.

Todos estão convidados, obrigadoooo!

Foto: Acervo Talvane Lukatto

3 comentários »

Imagem do dia

5comentários

macao

Festa do MAC após a vitória por 2 a 1, contra o Imperatriz e a conquista do 14º título de campeão maranhense: Foto: Paulo de Tarso Jr.

5 comentários »