Desagregador

8comentários

O senador Roberto Rocha (PSDB), pré-candidato ao governo do Maranhão, mostrou com fatos, em entrevista à Rádio Mirante FM, que o comunista faz o contrário do que a política pede, que é agregar aliados. Rocha se considera mais um dos políticos traídos por Flávio Dino (PCdoB).

Em entrevista ao programa “Jornal da Mira”, o candidato do PSDB pontuou como funciona o comportamento político do governador Flávio Dino. Segundo o senador, o Maranhão nunca teve um governador e, por isso, apresenta números pouco expressivos. Para Rocha, desde 2014, mesmo depois de eleito, o comunista continuou candidato e passou todos os anos de seu mandato de governador nessa condição.

E nessa condição de eterno candidato é que Flávio Dino decidiu afastar e trair aliados que estavam ao seu lado. O tucano falou de Zé Reinaldo Tavares e de Waldir Maranhão. Sobre Tavares, o senador o classificou como o pai político de Flávio Dino, o tirando do nada e o transformando em deputado federal, em 2006. Mesmo sendo criado por Zé Reinaldo, o comunista não teve o menor pudor em desconsiderar quem o ajudou a entrar na vida pública.

Outro traído foi Waldir Maranhão, que, segundo Rocha, virou piada após defender a tese jurídica de Dino no caso do impeachment de Dilma Rousseff.

Mas antes desses dois, o traído foi o próprio Roberto Rocha. Segundo ele, Dino se afastou e o tratou como inimigo político pelo simples fato de vê-lo (isso ainda em 2015) como adversário em 2018.

Sobre a posição de desagregador de Dino, Rocha alfinetou e disse que para homem público, Dino precisa de outro “ingrediente”.

“Para ser homem público, antes de tudo precisa ser homem”, comentou o tucano sobre a posição de traidor de Flávio Dino.

É mais um traído mostrando a face que o governador do Maranhão tem nos bastidores da política.

Estado Maior

8 comentários »

Jogo começa agora

2comentários

O jogo eleitoral tem início a partir de hoje, com o início do prazo das convenções partidárias. No entanto, no Maranhão, o clima não deve esquentar tanto na primeira semana desse período. A tendência é de que os bastidores fervam na segunda semana de prazo para as convenções, que vai até o dia 5 de agosto.

As convenções dos partidos que têm candidatos ao governo estadual estão marcadas para acontecer a partir do próximo dia 26, com o PSTU, partido que apenas cumprirá o que determina a Justiça Eleitoral, já que tem sua chapa majoritária consolidada entre os membros da sigla.

Depois vêm PSL, de Maura Jorge, e PCdoB – e outros partidos aliados -, de Flávio Dino. A candidata do PSL precisa de um vice e um candidato ao Senado. Já Dino virou mesmo as costas para as reivindicações do PT e confirmou que dia 28 escreve a ata da convenção com os nomes de Carlos Brandão como vice, Weverton Rocha e Eliziane Gama para o Senado. E o PT? O partido vive ainda em sua eterna incoerência com alas trabalhando somente para a sobrevivência dentro dos espaços dados pelo Poder Executivo a nomes que têm vez e voto na legenda. Talvez seja por isso que o governador não se preocupa com as reclamações dos petistas de terem que apoiar a candidatura de Eliziane Gama. Como já foi dito um dia: “vão ter que engolir” o que Flávio Dino decidiu.

O MDB reúne sua militância, e também de outros partidos aliados, como PV, PRP e PSD, para confirmar a candidatura de Roseana Sarney ao governo e de Edison Lobão e Sarney Filho para o Senado. Falta somente definir quem será o candidato a vice. Os debates estão sendo feitos e os emedebistas terão aí uma semana para chegar a uma conclusão.

O PSOL vem com Odívio Neto para governo do Maranhão, nome que será confirmado dia 2 de agosto. Por lá, assim como ocorre com o PSTU, não há muito debate a ser travado, porque as composições da chapa majoritária já foram definidas faz tempo.

E fechando o período de convenção vêm Roberto Rocha e seu PSDB. Por enquanto, não há partidos que coligarão com os tucanos. Rocha precisa fechar o nome de seu candidato a vice-governador e também definir quem será o segundo candidato ao Senado: se Waldir Maranhão ou se Zé Reinaldo Tavares. Os tucanos terão mais duas semanas para terminar as costuras já iniciadas desde a abertura da janela partidária para troca de partidos.

Depois das convenções, virá o período de pedido de registro de candidaturas e, logo depois, se iniciará a campanha em 15 de agosto. Em menos de um mês, os candidatos começarão a buscar de forma legal o voto de cada eleitor.

Estado maior

2 comentários »

Coerência necessária

0comentário

O desembargador Marcelino Chaves Everton, do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA) barrou, na semana passada, uma tentativa, no mínimo, estranha do governo Flávio Dino (PCdoB) de realizar uma importante licitação com a participação de apenas um concorrente.

Estava pronto para ser finalizado o certame para a construção de um hospital de urgência e emergência, pelo Executivo estadual, em São Luís. A unidade foi batizada de Hospital da Ilha, pelos comunistas.

Curiosamente, o único concorrente seria um tal Consórcio Hospital da Ilha, codinome da dupla formada pela Construtora Amorim Coutinho – velha conhecida da gestão Dino e dos seus aliados em Caxias – e pela Solufarma do Brasil Engenharia.

Mas o desembargador do TJ não permitiu. Deferiu um mandado de segurança da Planova Planejamento e Construções S.A., e suspendeu a licitação.

Motivos não lhe faltavam mesmo: o tal Consórcio Hospital da Ilha havia sido inicialmente declarado inabilitado, mas entrou na marra, por decisão judicial, proferida pela desembargadora Cleonice Freire, em maio.

Com isso, seria o único licitante e, certamente, teria aprovada sua proposta de pouco mais de R$ 132 milhões para a realização da obra. Por essa razão, Everton mandou suspender o processo. Quer que, antes de sua continuação, o mérito do mandado de segurança que garantiu a Amorim Coutinho na licitação seja analisado.

Estado Maior

sem comentário »

Fazendo água

1comentário

Duas manifestações de apoio recebidas na última terça-feira, 12, pela ex-governadora Roseana Sarney (MDB), exibem bem o que é a fragilidade política do grupo do governador Flávio Dino (PCdoB). A emedebista recebeu em sua casa a visita do pastor Pedro Lindoso, uma das mais respeitadas lideranças evangélicas do Maranhão, e a vereadora do PCdoB de Pindaré-Mirim, Caçula Muniz.

As alianças em torno de Roseana mostram que a base dinista vem fazendo água desde o início desta fase de pré-campanha, provando a falta de um projeto comunista consistente para o Maranhão, calçado em escândalos, como o da espionagem da Polícia Militar e o mais recente, a suposta lavagem de dinheiro na campanha de 2014.

Mas Dino também tem suas armas, e as tem usado sem qualquer escrúpulo. A compra de apoios com uso do dinheiro e da máquina pública é a mais evidente, como a de anteontem, quando aliciou o prefeito de Pinheiro, Luciano Genésio (Avante) a readerir ao seu palanque, mesmo depois de humilhado pelos próprios comunistas, em 2016.

O mais curioso é que Roseana vem angariando esses apoios mesmo “de pijama” e “sem sair de casa”, como provocam os blogs alinhados ao Palácio dos Leões. Se ela, sem sair de casa, consegue atrair até integrantes da base comunista, imagine como será quando ela resolver ir às ruas…

Estado Maior

1 comentário »

Central de fakes

0comentário


Useiro e vezeiro na ação de intimidar a imprensa levando à Justiça – como supostos fake news – todas as matérias que julga contra si, o governador Flávio Dino (PCdoB) já dispõe, ele próprio, de uma central de fakes funcionando em plena estrutura comunicacional de seu governo. Mais um ato criminoso nas barbas da Justiça Eleitoral.

É dessa central que saem banners e notícias falsas sobre adversários, que estampam jornais e blogs alinhados ao Palácio dos Leões. Foi de lá, por exemplo, que saíram as diversas notícias falsas sobre a candidatura da ex-governadora Roseana Sarney (MDB). Todas elas registradas oficialmente nos blogs palacianos, mesmo diante das recorrentes assertivas da própria Roseana sobre a campanha.

Esse aparato comunista já foi alvo de representações do PRP e também compõe o arcabouço de denúncias de crimes eleitorais – sucessivos e recorrentes – do governador e dos seus aliados.

Documentos protocolados por diversos partidos apontam o uso da máquina para autopromoção e ataques a adversários, o que, por si só, já geraria exclusão sumária dos autores da campanha eleitoral presente. Mas as fake news continuam sendo usadas abertamente. Pior: com a estratégia dinista de apontar nos outros o que seus aliados costumam fazer corriqueiramente.

O Estado

sem comentário »

Caravana de Roseana desestabilizou

6comentários

A passagem da ex-governadora Roseana Sarney (MDB) por vários municípios do estado em seu primeiro ato oficial de pré-campanha, mexeu com os brios dos comunistas.

A empolgação da militância e o empenho com que alguns dos principais líderes oposicionistas se dispuseram a “mostrar a cara” para defender uma pré-candidatura contra a força do Palácio dos Leões desestabilizaram os governistas.

O resultado foi um festival de ataques sofridos por Roseana e pelos seus companheiros de jornada – notadamente os pré-candidatos ao Senado, Edison Lobão (MDB) e Sarney Filho (PV) – nos últimos dias.

Por meio das redes sociais, um exército de fakes e de servidores do governo passou o fim de semana tentando diminuir a importância das agendas e, pior, criando mentiras sobre os eventos. Até um falso banner anunciando a presença do presidente Michel Temer foi criado e espalhado na Internet. Coisa de criminosos.

E uma demonstração clara de que não se sustentam as pesquisas fabricadas nos porões do Palácio dos Leões – apontando larga vantagem do governador Flávio Dino (PCdoB).

Fotos: Divulgação

Estado Maior

6 comentários »

Roberto Rocha sem aliança

0comentário

O senador Roberto Rocha (PSDB) deverá mesmo ficar sem o PSB. O motivo é que o vice-governador de São Paulo, Márcio França, deverá ser companheiro de partido de Rocha.

Isso reduz as possibilidades de o PSB sair das mãos da ala pernambucana e, consequentemente, no Maranhão, a possível aliança com os tucanos poderá não ocorrer.

Roberto estava aguardando a eleição para presidente nacional da sigla para saber se ficaria com o partido que um dia comandou.

Sem ganho

Sobre o fato de não conseguir ter o PSB no seu projeto de ser candidato a governador do Maranhão, o senador tucano disse apenas que não se perde o que não se tem.

Ou seja, segundo Rocha, se o PSB não ficar com a ala paulista, ele não perderá nada porque não tem o apoio dos socialistas.

Tudo bem, pode até não perder, mas sabe que poderá deixar de ganhar e pior, ainda saberá que quem vai ganhar mesmo será seu principal adversário no estado, Flávio Dino.

Estado Maior

sem comentário »

Uma imagem de milhões

0comentário

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), elevou à máxima potência, nos últimos três anos, a preocupação com sua imagem no cenário eleitoral. E, na mesma medida, levou às alturas o gasto público com esse tipo de serviço.

Só em 2017, por exemplo, a Informe Comunicação Integrada recebeu R$ 5,5 milhões do Governo do Maranhão apenas para cuidar que a imagem do comunista fosse a melhor possível na mídia nacional.

Os dados são do Portal da Transparência.

A empresa pertence a Rebeca Scatrut, esposa do jornalista Ricardo Noblat, e mantém contrato com o Executivo desde 2015, quando participou sozinha de um processo licitatório.

Desde então, mantém-se por meio de aditivos. No total, durante esses três anos, os gastos com assessoria e imagem do governador já chegam à casa dos R$ 11,32 milhões – somas nunca antes registradas no Maranhão.

Desde que assumiu o comando do Executivo, Dino pagou R$ 1,01 milhão em 2015; R$ 4,72 milhões em 2016; e os R$ 5,59 milhões de 2017.

E como 2018 é ano de eleição…

Estado Maior

sem comentário »

Manchas no caso do ‘aluguel camarada’

0comentário

Jean Carlos, proprietário do imóvel alugado participa de encontro com Júlio Guterres

O Governo do Estado oficializou na sexta-feira o desligamento do comunista Jean Carlos Oliveira dos quadros da Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap).

Jean é filiado ao PCdoB e proprietário de um imóvel na Aurora que abriga unidade anexo da Fundação da Criança e do Adolescente (Funac), que ficou em evidência no escândalo de repercussão nacional e que ficou marcado como “aluguel camarada”.

O comunista participou diretamente da campanha eleitoral do PCdoB em 2014, quando o hoje governador Flávio Dino (PCdoB) disputava o comando do Executivo. E o imóvel foi utilizado como comitê de campanha. Lá, eram distribuídos materiais gráficos da campanha de Dino e eram realizadas reuniões políticas.

Além disso, Jean Carlos recebeu, desde 2015, mais de R$ 170 mil de dinheiro público, pelo aluguel do imóvel na Aurora. A residência, contudo, só foi ocupada pela Funac no início deste ano.

Foi o que motivou a instauração de inquérito no Ministério Público e pelo menos duas ações na Justiça Estadual. A denúncia é de que houve favorecimento e ato de improbidade administrativa.

Talvez por isso a Emap, agora, ao demitir o comunista, sustenta que não vê ilegalidade na locação do imóvel, mas condenou o agora ex-funcionário por não ter informado, no ato de sua nomeação, a existência do contrato com a Funac.

Ora, se não há ato ilícito, porque exigir informação sobre contratos de locação dos funcionários da empresa?

Está claro que o Governo usa a situação de Jean Carlos para isentar-se de culpa no caso, todo ele nebuloso.

Assim como está claro que a exoneração do comunista não elimina eventual ato de improbidade administrativa cometida no governo Flávio Dino, na locação do imóvel na Aurora.

Ato esse que está sob a investigação do Ministério Público e sob a análise da Justiça.

Coluna Estado MAior/ O Estado

sem comentário »

Cenário eleitoral favorável a Edivaldo Júnior

7comentários

EdivaldoJrA coluna Estado Maior desta sexta-feira (1º), fez um levantamento interessante sobre a quantidade de pré-candidatos à Prefeitura de São Luís em 2016. O levantamento aponta até 14 pré-candidatos, mas a expectativa é que pelo menos dez disputem as eleições.

O número deve repetir as eleições de 1992, quando, pela quantidade de candidatos, praticamente não existiram coligações na disputa eleitoral daquele ano e culminou com a eleição de Conceição Andrade a prefeita de São Luís.

Neste ano, além do prefeito Edivaldo Júnior (PDT) que busca a reeleição, existem 13 interessados. As três legendas da “ultra-esquerda” – PSTU, PSOL e PCB – que, tradicionalmente, lançam nomes ao pleito. Além desses, também se lançaram pré-candidatos Eliziane Gama (PPS), Wellington do Curso (PP), Rose Sales (PMB) e João Bentivi (PHS).

Outros três grandes partidos – PMDB, PSDB e PSB – possuem pelo menos dois pré-candidatos e devem participar da disputa eleitoral com cabeça de chapa.

O cenário eleitoral apresentado hoje é amplamente favorável a Edivaldo, afinal a grande quantidade de candidatos deve beneficiar a eventual reeleição do prefeito. Além disso, Edivaldo segue bem articulado e com no mínimo dez partidos ao seu lado, sendo que esse número deve aumentar nas próximas semanas com o embarque de duas grandes legendas no Governo Edivaldo.

Com essas articulações e com essas quantidades de pré-candidatos, Edivaldo também deve assegurar algo em torno de 50% do horário gratuito da propaganda eleitoral no rádio e na TV.

Esse é o atual cenário político eleitoral em São Luís, sem tirar e nem pôr.

Foto: Honório Moreira

Blog do Jorge Aragão

7 comentários »