CEV Novidades – •A Avaliação da Produtividade em Pesquisa na Educação Física: Reflexões Sobre Algumas Limitações dos Indicadores Bibliométricos

0comentário

Educação Física no Ceará: Eventos (congressos) na área de Educação Física

Posted:

Legislação Desportiva – CEVLeis: Lanfredi Será Juiz Auxiliar no Cnj

Posted:

Cartas de Referência do Crescimento Somático de Crianças dos Seis Aos 10 Anos de Idade do Concelho da Maia, Portugal.

Posted:

Comparação do Sinal Emg e das Características da Passada em Diferentes Protocolos de Corrida Incremental.

Posted:

A Avaliação da Produtividade em Pesquisa na Educação Física: Reflexões Sobre Algumas Limitações dos Indicadores Bibliométricos.

Posted:

Efeito da Amplitude de Movimento no Número Máximo de Repetições no Exercício Supino Livre.

Posted:

Interação de Variáveis Biomecânicas na Composição de Feedback Visual Aumentado Para o Ensino do Ciclismo.

Posted:

ABENEFS – Associação Brasileira de Ensino da Educação Física para a Saúde: Livro Grátis: a Formação do Profissional de Ef Para o Setor Saúde

sem comentário »

NA ESTRADA

0comentário

Caríssimos,

estou já em Londrina-Paraná. Para participar logo mais da Abertura do XIII Congresso Brasileiro de História dos Esportes, Lazer, e Educação Física. Já tenho avisado, e postado, várias vezes sobre isso.

Hoje, teremos credenciamento logo mais a partir das 16:00 horas, e as 19 a abertura…

Amanhã, a partir das 14:00 horas começam os trabalhos. Logo as 14 tenho uma apresentação – sobre a Capoeira – e ao mesmo tempo, coordeno a mesa; e a ultima apresentação do dia, 16 horas, também é minha – sobre o Tarracá… creio que por estar na mesa não terei condições de acompanhar todos as apresentações de temas livres de hoje… nem as de sexta-feira, pois nesse dia tenho 3 trabalhos para apesentar…; na quinta não tem apresentação de tema livre…

Mas vou poder ver a quase todas as mesas redondas, das 16 até as 21 horas…

Até mais…

sem comentário »

INFLUENCIA MILITAR NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

0comentário

Este um dos trabalhos que apresento na quarta-feira, no XIII Congresso de História; simultaneo com o lançamento do livro sobre a Historia do Esporte Militar, da Karina Cancella, orientada pelo Leonardo Mataruna:

 

O esporte e as Forças Armadas na Primeira República

 

INFLUENCIA MILITAR NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

LEOPOLDO GIL DULCIO VAZ

IHGM / ALL

vazleopoldo@hotmail.com

 

RESUMO – A historiografia no campo da educação física tem afirmado, em vários estudos, a prerrogativa dos militares na educação por meio da educação física. Desde o século XVIII, encontram-se propostas precursoras de um tipo de Educação Física que se tornaria em modelo pedagógico para os séculos seguintes: a gymnastica, constituída como um conjunto de exercícios organizados com o objetivo de cuidar do corpo.

EDUCAÇÃO FÍSICA. INFLUENCIA MILITAR. HISTÓRIA

 

A historiografia no campo da educação física tem afirmado, em vários estudos, a prerrogativa dos militares na educação por meio da educação física (FINOCCIO, 2013).Desde o século XVIII, encontram-se propostas precursoras de um tipo de Educação Física que se tornaria em modelo pedagógico para os séculos seguintes (Basedow; Guts Muths; Vieth; Nachtegall; e outras): a gymnastica, constituída como um conjunto de exercícios organizados com o objetivo de cuidar do corpo (FINOCCHIO, 2013).

O pedagogo e ativista político Friedrich Ludwig Jahn, por volta de 1809, adotou um princípio educacional realista, à guerra nacional, e desenvolveu um tipo de ginástica com valorização da luta. Criou aparelhos que se constituíam em representações de obstáculos naturais (ROUYER, 1977, citado por FINOCCHIO, 2013).

Além de criar aparelhos e novas formas gímnicas, fundou, em 1811, o primeiro ginásio ao ar livre de Hasenheide, Berlim. Daí nasceu o termo “Turnkunst” pelo qual ele substitui a palavra “Gymnastik”. A ginástica de Jahn, com um conteúdo mais social e patriótico, rapidamente superou as ideias pedagógicas de Guts-Muths, tendo por objetivo formar homens fortes para defender a pátria. Embora já houvesse várias formas de ginástica, acrescentou aos exercícios já conhecidos, as barras e a barra alta.

Para Coertjens, Guazzdelli e Wasserman (2004) a utilização dos ‘turner’ entre o discurso nacionalista e a prática esportiva nos pequenos estados que, anos mais tarde, formaram o Estado alemão. A ginástica (turnen) se transforma em uma escola de patriotismo, educação para se preparar para a guerra de libertação; seu curso visava o “despertar da identidade nacional” (construção de uma nação).

A ginásticaé um conceito que engloba modalidades competitivas e não competitivas e envolve a prática de uma série de movimentos exigentes de força, flexibilidade e coordenação motora para fins únicos de aperfeiçoamento físico e mental. Tem sua origem no grego, gymnastiké – da palavra grega “gymnos” (nu) pelo fato de, na antiguidade clássica, os exercícios se praticarem com o corpo nu. É o conjunto dos exercícios corporais sistematizados, para esse fim, realizados no solo ou com auxílio de aparelhos e aplicados com objetivos educativos, competitivos, artísticos e terapêuticos, etc.

A prática só voltou a ser retomada – com ênfase desportiva e militar – no final do século XVIII, na Europa, com a influência de vários pensadores que se debruçaram sobre as vantagens da prática do exercício físico, destacando-se o contributo de Jean-Jacques Rousseau na obra pedagógica “Emílio”, em que o autor se refere à necessidade da pratica física como meio para atingir a razão. A partir daqui surgiram várias correntes, que encontraram eco na Alemanha com Johann Bernard Basedow, pedagogo e educador, que conseguiu assimilar e transformar os princípios orientadores de Rousseau e impulsionou a ginástica, tendo para isso criado em 1775 o pentatlo de Dassau, no seu “Philanthropicum“, constituído por provas de corrida, saltos, transporte, de equilíbrio e de trepar. Foi o primeiro pedagogo, desde a Antiguidade, a defender que o exercício físico deveria fazer parte dos programas das escolas primárias.

Em 1784, Christian Gotthlif Saltzmann, pedagogo e educador, abre outro “Philanthropicum“, em Schneppenthal. Em 1785, Johann Christoph Friedrich Guts-Muths, professor e educador, inicia sua obra com um novo conceito de ginástica. As ideias filantrópicas e os conteúdos pedagógicos de Guts-Muths tiveram eco nos países da Europa, especialmente na Suécia, Dinamarca e França. No período de 1861 a 1871 verifica-se a presença de alunos de nacionalidade brasileira no Philantropinum, sediado em Schnepfenthal.

John Locke (1632-1704), um dos mais importantes teóricos do liberalismo, sintetiza suas concepções educacionais: formação do gentleman e dos “sem propriedades”. A educação dos que possuem a propriedade privada e posses deveria ser feita por preceptores capacitados e cultos, em local aprazível e com boas condições higiênicas, com ênfase nos saberes clássicos e na preparação do jovem como bom administrador dos negócios da família, para assumir posições de comando no estamento estatal e na guerra.

Desde 1771 em Portugal, sob o balizamento da Universidade de Coimbra, se estabeleceu que as atividades físicas como conteúdo educacional, atendiam aos pressupostos da nova educação. As “Artes Liberais” nos Estatutos do Collegio Real de Nobres da Corte, e cidade de Lisboa eram a Cavalaria, Esgrima, e Dança. Apesar de contar ainda um sentido cavalheiresco (educação dos nobres), essa introdução se deu através das ideias burguesas.

Immanuel Kant (1724-1804) propôs o fortalecimento das escolas públicas, em relação às domésticas, sob a consideração de que são mais propícias ao ensino de várias habilidades, e formadoras do caráter. Recomendava ainda escolas experimentais, que dariam direcionamento às várias escolas elementares. Em síntese, tinha como plano educativo uma educação pela moralidade, o fortalecimento das escolas públicas e o desenvolvimento de uma experimentação educativa.

Para Finocchio (2013) em suas propostas de formação do ser humano, a burguesia pensava a educação como essencial à formação plena da personalidade do indivíduo, incluindo aí a educação do corpo como uma necessidade. A gymnastica consistia na metodização da educação do corpo, imprescindível à formação do homem, não só fortalecendo o corpo, mas enriquecendo o espírito e enobrecendo a alma.

Francisco de Amorós y Ondeano (1770-1848) é conhecido por ser um dos fundadores da Educação Física moderna. Em razão de suas ideias liberais e do apoio a José Bonaparte I, em 1814 exilou-se na França e aí desenvolveu a Escola Francesa de Ginástica. Seu método, de inspiração pestalozziana e fundamentado em Locke e Rousseau, defendia a “educação integral”. Contudo, em sua ginástica prevalecia o lado militar sobre o educativo, tal como se pode notar em seu tratado Nouveau Manuel d’Education Physique, Gymnastique et Morale, no qual propõe um soldado da Pátria e um benfeitor da Humanidade.

Diferente da europeia, desenvolvida ao final do século XVIII e início do seguinte, de caráter nacionalista, e visando à disciplina e ao treinamento físico, bem como à defesa nacional, a Educação Física na Inglaterra tomou aspecto diverso de outras nações: seu destaque não se deu na ginástica, mas no Esporte, em estreita relação com as transformações socioeconômicas resultantes das alterações produzidas pela Revolução Industrial, iniciada em 1760. Ainda que adotasse a gymnastica nas escolas básicas, como meio da educação do físico, era no ensino secundário, destinado à aristocracia e à burguesia, que se aprimoravam o cuidado do físico e o cuidado da formação moral, empregando os esportes. No começo do século XIX, o clérigo Thomas Arnold se utilizou de uma forma de ócio da classe dirigente, os jogos populares, para criar um novo modo de educação. O desporto, naquele momento, teve por função propor às classes dirigentes enriquecidas, mas em estado de degradação física e moral, uma formação mais adequada, em relação à tradicional. Apesar de grande reação religiosa e dos meios intelectuais, o desporto foi adotado para responder às conveniências práticas do imperialismo britânico (ROUYER, 1977, citado por FINOCCHIO, 2013).

A partir da segunda metade do século XIX houve, ao seu final, uma biologização da educação física (PAIVA, 2003), ocorrendo a migração da preocupação com a abrangência da formação humana para o estabelecimento de sua especificidade, biológica.

Finocchio (2013) ao analisar o processo de constituição do pensamento burguês nas relações econômicas, políticas e sociais brasileiras e o papel, dito civilizador, da educação em suas propostas de adequação da nação ao modo de produção capitalista, enfoca as expressões do pensamento burguês na Europa e sua influência sobre a gymnastica/educação física, considerando-a como elemento constitutivo de seu projeto educacional. Num segundo momento, observa a inclusão da Educação Física/Gymnastica na educação burguesa e, finalmente, identifica como essa prática assume funções objetivas em atendimento às sociedades em que se manifestaram e como são organizadas em “métodos” de Gymnastica. Às condições políticas da Alemanha no século XIX, por exemplo, deve-se o desenvolvimento de uma ginástica com função militarnacionalista; no desenvolvimento industrial e científico da Suécia, sobressai uma função nacionalista, de cuidados com o cidadão de forma que pudesse preservar a paz, na formação do soldado e do operário. O método ginástico de Ling (1776-1839), fundamentado em estudos anatomo-fisiológicos, com um viés médico higiênico, é composto por uma série de movimentos segmentados, com uma série racional de movimentos.

De acordo com Cancella (2012); Cancella e Mataruna (2013); e Finocchio (2013) a prática esportiva em meio militar foi intensificada na virada do século XIX para o XX sob o argumento de que para a estruturação das Forças Armadas era fundamental o desenvolvimento físico do pessoal militar. Estas atividades eram consideradas importantes para a formação não somente de militares mais preparados, mas também de potenciais “soldados-cidadãos” e “cidadãos-marinheiros” entre os praticantes civis. Por isso, as atividades físicas e esportivas foram gradativamente incorporadas aos currículos de instituições de ensino do país, iniciando este processo pelas escolas militares.

Percebe-se a aproximação dos militares não somente das atividades ginásticas, mas também de práticas que possibilitassem o desenvolvimento de habilidades fundamentais para o exercício militar no período, práticas que posteriormente passariam a ser realizadas também em caráter esportivo como a natação, a esgrima e a equitação (Cancella, 2011).

Os projetos de modernização para o Exército Brasileiro espelhavam-se nos modelos de organização das Forças estrangeiras. Assim, na edição de 1906 da Revista Militar, o Capitão do Estado-Maior de Artilharia Liberato Bittencourt destacava no artigo “Princípios geraes de organização dos exércitos” 12 temas que deveriam ser levados em conta neste processo de modernização. Entre os princípios elencados pelo autor, destaca-se o de número 10 “[...] Principio de educação physica, intellectual e moral: organisar os exércitos de modo a serem elles grandes escolas de educação physica, intellectual e moral da mocidade [...]”.

A prática dos exercícios físico-militares nas escolas fazia parte de uma filosofia educacional geralmente desconhecida por regentes e pais. Alguns destes acreditavam que seus filhos corriam o risco de ter que entrar para a carreira militar por estarem participando dessas aulas nas escolas. Também havia aqueles que não viam nenhum sentido ou utilidade nos exercícios. Outros apontavam os riscos para a saúde de crianças e jovens, especialmente por inexistirem espaços físicos para a realização das atividades. (Nascimento, 2012).

Prossegue Nascimento (2012), essas atividades ensinadas por professores e militares tinham como objetivo preparar os alunos, a fim de que pudessem ser chamados para defender a nação em conflitos armados no futuro. O funcionamento dos nossos batalhões formados por estudantes e a prática desses exercícios nas escolas daqui foram bem menos intensos do que na Europa, mas ocorreram em instituições educacionais de vários estados e geraram muita polêmica.

Melo e Peres (2013) e Peres (2013) trazem que a Junta Central de Hygiene Pública apresentava um relatório – a 15 de abril de 1885 -, cuja “espinhosa tarefa” era “levar ao conhecimento do Governo Imperial os factos mais culminantes occorridos no Império relativamente à saúde publica” (1885, p. A-F-1). A análise da estatística das mortes na cidade do Rio de Janeiro, um dos pontos centrais do relatório, dedicava especial atenção às causas da “notável” mortalidade infantil ocorrida no ano anterior.

As relações entre higiene, medicina e saúde estruturaram projetos públicos e privados de educação (sobretudo, escolar) da população brasileira no decorrer do Império. Assim, a relação entre educação física, exercícios corporais e saúde pública não era gratuita e nem óbvia. Tratava-se de uma construção que se deu de forma lenta, paulatina e muitas vezes pouca harmônica entre atores, práticas e ideias que configuravam o saber médico-científico do século XIX. (MELO, PERES, 2013; PERES, 2013).

 

BIBLIOGRAFIA

BITTENCOURT, Liberato. Princípios geraes de organização dos exércitos. Revista Militar, ano VIII, p. 341, citado por Cancella, Karina. A defesa da prática esportiva como elemento de preparação dos militares por meio das publicações institucionais “Revista Marítima Brasileira” e “Revista Militar”. Anais do XV Encontro Regional de História da ANPUH-RIO, 2012.

BRASIL. Decreto n° 2.116, de 01 de março de 1858. Aprova o Regulamento reformando os da Escola de aplicação do exercito e do curso de infantaria e cavalaria da Província de S. Pedro do Rio Grande do Sul, e os estatutos da Escola Militar da Corte. Disponível em: http://www.camara.gov.br/Internet/InfDoc/conteudo/colecoes/ Legislacao/1858-pronto/leis-1858/dec%20n%b02116-p1-01031858.pdf#page=1.

BRASIL. Decreto n° 4.720, de 22 de abril de 1871. Altera o Regulamento da Escola de Marinha, em virtude da autorização contida no § 18 art. 8º da Lei nº 1836 de 27 de Setembro de 1870.

BRASIL. Decreto n° 5.529, de 17 de janeiro de 1874. Aprova o Regulamento para as Escolas do Exercito.

Cancella, Karina Barbosa O esporte e a Marinha do Brasil: primeiras aproximações e a institucionalização da prática esportiva através da criação da Liga de Sports da Marinha. In Anais do XXVI Simpósio Nacional de História – ANPUH • São Paulo, julho 2011

Cancella, Karina. A defesa da prática esportiva como elemento de preparação dos militares por meio das publicações institucionais “Revista Marítima Brasileira” e “Revista Militar”. Anais do XV Encontro Regional de História da ANPUH-RIO, 2012.

Cancella, Karina Barbosa; MATARUNA, Leonardo. Liga Militar de Football e a Liga de Sports da Marinha: uma análise comparativa do processo de fundação das primeiras entidades de organização esportiva militar do Brasil. In HOFMANN, Annette; VOTRE, Sebastião (organizadores). Esporte e Educação Física ao redor do mundo – passado, presente e futuro. Rio de Janeiro: Editora Gama Filho, 2013, p. 119-132.

COERTJENS, Marcelo, GUAZZELLI, Cesar Barcellos; e WASSERMAN, Cláudia. Club de Regatas Guahyba-Porto Alegre: o nacionalismo em revistas esportivas de um clube teuto-brasileiro (1930 e 1938). In Rev. bras. Educ. Fís. Esp, São Paulo, v.18, n.3, p.249-62, jul./set. 2004,

FINOCCHIO, José Luiz. A inserção da Educação Física/gymnastica na Escola Moderna – Imperial Collegio de Pedro II (1837-1889). 2013. 258f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Linha de Pesquisa: História, Políticas e Educação. Centro de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, 2013

FREIRE, Domingos José. Relatório do Presidente da Junta Central de Hygiene Publica. In: BRASIL. Ministério do Império. Relatorio do anno de 1884 apresentado a assemblea geral legislativa na 1ª sessão da 19ª legislatura (publicado em 1885). Rio de Janeiro: Ministério do Império. p.A-F-1 – A-F-9. 1885, citado por PERES, 2013.

FREIRE, Domingos José. Relatório apresentado ao governo imperial pelo Dr. Domingos José Freire, Presidente da Junta Central de Hygiene Publica. Epidemias na cidade e subúrbios. Endemias. Tuberculoses pulmonares. In: BRASIL. Ministério do Império. Relatorio do anno de 1883 apresentado a assemblea geral legislativa na 4ª sessão da 18ª legislatura (publicado em 1884). Rio de Janeiro: Ministério do Império. p.A-F2-1 – A-F2-39. 1884; citado por PERES, 2013, obra citada.

KANT, Immanuel (1724-1804). Sobre a Pedagogia. Trad. Francisco Cock Fontanella. Piracicaba: Unimep, 1996.

MAZO, Janice Zarpellon; PEREIRA, Ester Liberato. PRIMORDIOS DO ESPORTE NO RIO GRANDE DO SUL: os imigrantes e o associativismo esportivo. IN GOELLNER, Silvana Vilodre; MÜHELEN, Joanna Coelho von. MEMORIA DO ESPORTE E LAZER NO RIL GRANDE DO SUL. Porto Alegre, 2013. Vol. 1.

MELO, V. A., PERES, F. F. O corpo da nação: posicionamentos governamentais sobre a educação física no Brasil monárquico. História, ciências, saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, 2013, no prelo.

PAIVA, Fernanda Simone Lopes de. Sobre o pensamento médico-higienista oitocentista e a escolarização: condições de possibilidade para o engendramento do campo da Educação Física no Brasil. 2003. 475 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2003.

PERES, Fábio. Educação Física, Higiene e Saúde Pública na Corte – Parte 1. Blog História(s) do Sport, disponibilizado em dezembro de 2013, in http://historiadoesporte.wordpress.com/2013/12/15/educacao-fisica-higiene-e-saude-publica-na-corte-parte-1/#like-4117 , acessado em 14 de dezembro de 2013.

TESCHE, Leomar. A Prática do Turnen entre Imigrantes Alemães e seus descendentes no Rio Grande do Sul: 1867-1942. Ijuí: Ed. Unijuí, 1996.

TESCHE, L. O TURNEN, a Educação e a Educação Física. Ijui: Unijui, 2002

TESCHE, Leomar.. O Turnen, a Educação e a Educação Física nas Escolas Teuto-brasileiras, no Rio Grande do Sul: 1852-1940. Ijuí: Ed. Unijuí, 2002.

TESCH Leomar. Turnen: transformações de uma cultura corporal europeia na América. Ijuí: Ed. Unijuí, 2011

http://vamos_fazer_educacao_fisica.blogs.sapo.pt/10679.html

http://pt.wikipedia.org/wiki/Gin%C3%A1stica

 

sem comentário »

CEV Novidades – Lançamento de Livro Histórico do Esporte Militar

0comentário

Sobre a Obra

Mostra a inserção dos esportes nas Forças Armadas brasileiras, no final do século XIX e início do século XX, e seus impactos na organização interna dessas instituições, bem como nas suas relações com a sociedade. Num tempo em que não se cultivavam atividades sistemáticas de exercícios físicos, Exército e Marinha participaram decisivamente do processo de instalação das primeiras escolas de educação física no país na década de 1910. A autora destaca que os militares passaram não somente a praticar vários tipos de ginástica e de esportes no interior dos quartéis, mas também desempenharam importante papel de fomentadores dessas atividades na sociedade, como instrutores ou esportistas em competições de diferentes modalidades.

Endereço: http://www.bibliex.ensino.eb.br/?Token=MQ==700470&l=Mzgz410933

 


O esporte e as Forças Armadas na Primeira República

Espaço, Escola, Educação Física e Ensino Médio: Um Caminhar Sistêmico

Posted:

  

Fisiologia do Exercício

Posted:

  

Bola na Cesta e Mãos na Taça – em Memória de Uma Geração Bicampeã

Posted:

  

O Esporte e as Forças Armadas na Primeira República

Posted:

  

Educação Física Militar: Lançamento de Livro Histórico do Esporte Militar

Posted:

sem comentário »

EDUCAÇÃO FÍSICA DO SUL DO MARANHÃO – AÇÃO; DIVERSÃO; MOVIMENTO – 31/08 a 1o/09 – BEIRA RIO

0comentário
IMPERATRIZ VAI SE SURPREENDER COM UM MEGA EVENTO QUE ACONTECERÁ DIA 31 DE AGOSTO E 1º SETEMBRO NA BEIRA RIO.
MOBILIZANDO TODA COMUNIDADE!!!
VENHA PARTICIPAR JUNTAMENTE CONOSCO, CONVIDE FAMILIARES E AMIGOS PARA ESTARMOS JUNTOS.
CURTA E COMPARTILHE!!! É GRATUITO.
IMPERATRIZ VAI SE SURPREENDER COM UM MEGA EVENTO QUE ACONTECERÁ DIA 31 DE AGOSTO E 1º SETEMBRO NA BEIRA RIO. MOBILIZANDO TODA COMUNIDADE!!! VENHA PARTICIPAR JUNTAMENTE CONOSCO, CONVIDE FAMILIARES E AMIGOS PARA ESTARMOS JUNTOS. CURTA E COMPARTILHE!!! É GRATUITO.<br /><br /><br /><br /><br />
IMPERATRIZ VAI SE SURPREENDER COM UM MEGA EVENTO QUE ACONTECERÁ DIA 31 DE AGOSTO E 1º SETEMBRO NA BEIRA RIO. MOBILIZANDO TODA COMUNIDADE!!! VENHA PARTICIPAR JUNTAMENTE CONOSCO, CONVIDE FAMILIARES E AMIGOS PARA ESTARMOS JUNTOS. CURTA E COMPARTILHE!!! É GRATUITO.

IMPERATRIZ VAI SE SURPREENDER COM UM MEGA EVENTO QUE ACONTECERÁ DIA 31 DE AGOSTO E 1º SETEMBRO NA BEIRA RIO. MOBILIZANDO TODA COMUNIDADE!!! VENHA PARTICIPAR JUNTAMENTE CONOSCO, CONVIDE FAMILIARES E AMIGOS PARA ESTARMOS JUNTOS. CURTA E COMPARTILHE!!! É GRATUITO.

sem comentário »

CEV Novidades – •Planejamento de Equipamentos de Lazer

0comentário

Estudo Comparativo dos Níveis de Cortisol Salivar e Estresse em Atletas de Luta Olímpica de Alto Rendimento

Posted:

  

Análise da Intervenção de Um Programa de Atividade Física nos Hábitos de Lazer

Posted:

  

Postura Corporal: Um Problema Que Aflige os Trabalhadores.

Posted:

  

Rbso Revista Brasileira de Saúde Ocupacional

Posted:

  

Dança: Especialização em Dança Educação, Inscrições Prorrogadas

Posted:

  

Planejamento de Equipamentos de Lazer

Posted:

 
sem comentário »

NOTA DE REPÚDIO – REPLICO EM SOLIDARIEDADE AOS ALUNOS DE IMPERATRIZ, AO CHARLES E À DINALVA…

0comentário

PREFEITURA DE IMPERATRIZ.

NOTA DE REPÚDIO

Chocado com as cenas de violência e barbárie protagonizadas por homens do  Corpo de Bombeiros de São Luís, contra alunos, menores de idade, da Escola
Municipal Maria das Neves Marques de Souza , que se encontrava na capital  participando dos Jogos Escolares Maranhenses, o prefeito de Imperatriz
Sebastião Madeira, vem a público, em seu nome, e nome da população de  Imperatriz, repudiar veementemente tal atitude, a que considera
repugnante e indigna daqueles que, em tese deveriam zelar pela segurança  da população.

É inconcebível que em pleno século XXI o Maranhão e o Brasil ainda se  deparem com episódios como esse, eivado, sobretudo de fortes doses de
preconceito contra um grupo de adolescentes, recém saídos da infância, que  em São Luís realizava o sonho de pela primeira vez participar dos Jogos
Escolares Maranhenses.

O episódio atenta, e fere de morte, de uma só vez, diversos princípios  constitucionais, entre eles o da dignidade da pessoa humana.

Temos consciência de que esse é um episódio isolado que não reflete na  imagem do Corpo de Bombeiros do Maranhão, uma entidade séria e benquista
por todos os maranhenses, e com quem desenvolvemos diversas  parcerias; contudo,  Isolado, ou não, o que se espera é a punição exemplar de todos os
envolvidos no triste episódio, de modo que casos similares não ocorram mais  e não maculem mais ainda a imagem Maranhão.

Fica aqui registrado, nosso repúdio e nossa indignação diante dessa  atitude grotesca contra nossos alunos e a certeza de que o Sistema de
Segurança, com quem entramos em contato imediatamente ao tomarmos  conhecimento  do caso, adote as medidas necessárias para não deixar impune os culpados.

Aos nossos alunos, aos seus familiares, e professores a nossa  solidariedade e votos para que superem o mais breve possível o trauma
sofrido.

Sebastião Torres Madeira

 

sem comentário »

XIII CONGRESSO BRASILEIRO DE HISTÓRIA DO ESPORTE, LAZER E EDUCAÇÃO FÍSICA – LONDRINA 2014 – PROGRAMAÇÃO

0comentário
PROGRAMAÇÃO DO XIII CHELEF

PROGRAMAÇÃO MESAS TEMÁTICAS

19/08/14 (TERÇA-FEIRA)

16h30 – 18h00: Credenciamento (Local: Anfiteatro do Centro de Estudos Sociais Aplicados-CESA) 19h00 – 19h30: Solenidade de abertura (Local: Anfiteatro do CESA) 19h45 – 22h00: Mesa 1 – Abertura: “Esporte: naturezas históricas na relação entre Estado e Sociedade”  (Local: Anfiteatro do CESA) Prof. Dr. Victor Andrade de Melo (UFRJ) e  Prof. Dr. Wanderley Marchi Jr. (UFPR).  Coord.(a) Profa. Dra. Larissa Michelle Lara (UEM).

20/08/14 (QUARTA-FEIRA)

14h00 – 16h00: Sessão de comunicação (Local: Salas do Centro de Educação Física e Esporte-CEFE) – ver páginas 4-7. 16h30 – 18h30:  Mesa 2 – “Fontes e métodos em história da Educação Física, Esporte e Lazer”  (Local: Sala de eventos do Centro de Letras e Ciências Humanas-CCH) Prof. Dr. Célio da Costa Juvenal (UEM) Prof. Dra. Magda Sarat (UFGD)  Prof. Dr. Thiago Pelegrine (UEL)  Prof. Dr. Ricardo Lucena (UFPB) Coord.(a) Prof. Drdo. Anisio Calciolari Jr. (UEL). Mesa 3 – “Práticas e prescrições sobre o corpo: a dimensão educativa dos métodos ginásticos”  (Local: Anfiteatro do CESA) Prof. Dra. Andrea Moreno (UFMG),  Prof. Dra. Carmen Lúcia Soares (UNICAMP),  Prof. Dr. Edivaldo Góis Jr (UNICAMP) e  Prof. Dra. Evelise Quitzao (UNICAMP).  Coord.(a) Profa. Dra. Marilene Cesário (UEL). 18h30 – 19h00: Intervalo / Coffee-break (Anfiteatro do CESA). 19h15 – 21h15: Mesa 04 – “Copa do mundo de futebol no Brasil: naturezas históricas na relação entre Estado e Sociedade”  (Local: Anfiteatro do CESA) Prof. Dr. Antonio Jorge Gonçalves Soares (UFRJ),  Prof. Dr. Luiz Carlos Ribeiro (UFPR) e  Prof. Dr. Antonio Geraldo Magalhães Gomes Pires (UEL).  Coord.(a) Prof. Dr. Fernando Augusto Starepravo (UEM).

21/08/14 (QUINTA-FEIRA)

09h00 – 12h00: Visitação ao Museu e ao Centro da Cidade de Londrina. (saída Hotel Crystal Palace) 14h00 – 16h00: Mesa 5 – “Esporte nas cidades brasileiras: fontes e práticas de pesquisas”  (Local: Anfiteatro do CESA) Prof. Dr. Carlos Fernando Cunha Jr. (UFJF),  Prof. Dr. Coriolano Pereira da Rocha Junior (UFBA) e  Prof. Dr. Cleber Augusto Gonçalves Dias (UFMG).  Coord.(a) Prof. Dr. Ricardo Lucena (UFPB). 16h30 – 18h30: Mesa 6 – “Esporte e Educação Física: história, representações e gênero”  (Local: Anfiteatro do CESA) Prof. Dra. Marizabel Kowalski (UFV),  Prof. Dra. Silvana Vilodre Goellner (UFRGS) e  Prof. Dr. Sebastião Josué Votre (UGF).  Coord.(a) Profa. Dra. Maria Helena Câmara Lira (UFRPE). 18h30 – 19h00: Intervalo / Coffee-break (Anfiteatro do CESA). 19h15 – 21h15: Mesa 7 – “Lazer: naturezas históricas na relação entre Estado e Sociedade” (Local: Anfiteatro do CESA) Prof. Dr. Ademir Gebara (UNICAMP),  Prof. Dr. Marco Antonio Bettine de Almeida (USP) e  Prof. Dr. Giuliano Gomes de Assis Pimentel (UEM).  Coord.(a) Prof. Dr. Jorge Both (UEL) 21h30 – Confraternização – Valentino Bar (Show “Tonho da Costa e Meire Rodriguês”) Rua: Faria Lima, n. 486, Londrina. R$ 7,00 (ingresso no local) http://www.barvalentino.com.br/ Cartaz do show mapa

22/08/14 (SEXTA-FEIRA)

14h00 – 16h00: Sessão de comunicação (Local: Salas do CEFE) – ver páginas 8-10. 16h30 – 18h30:  Mesa 8 – “Educação Física: naturezas históricas na relação entre Estado e Sociedade” (Local: Anfiteatro do CESA) Prof. Dr. Carlos Herold Junior (UEM),  Prof. Dr. José Luis Simões (UFPE),  Prof. Dr. Marcus Aurélio de Oliveira Taborda (UFMG) e  Prof. Dr. Tarcísio Mauro Vago (UFMG).  Coord.(a) Dra. Ângela Pereira Teixeira Victória Palma (UEL). Mesa 9 – “Futebol: história, Estado e sociedade”  (Local: Sala de eventos do CCH) Prof. Dr. André Mendes Capraro (UFPR) e  Prof. Dr. Flávio de Campos (USP).  Coord.(a) Prof. Dr. Coriolano Pereira Rocha Jr (UFBA). 18h30 – 19h00: Intervalo / Coffee-break (Anfiteatro do CESA). 19h15 – 21h15: Mesa 10 – “Olimpíadas, história e memória” (Local: Anfiteatro do CESA) Prof. Dra. Janice Zarpellon Mazo (UFRGS),  Prof. Dra. Katia Rubio (USP) e  Prof. Dr. Marcelo Weishaupt Proni (UNICAMP).  Coord.(a) Profa. Drda. Bárbara Schausteck de Almeida (UEL). 21h15 – Avaliação Coord.(a) Profa. Dra. Vânia de Fátima Matias de Souza (UEM) Prof. Dr. Fernando Augusto Starepravo (UEM) Encerramento

PROGRAMAÇÃO COMUNICAÇÕES ORAIS

20 e 22 de agosto de 2014 Local: CEFE/UEL Horário: 14h às 16h (A programação poderá sofrer alterações conforme necessidade da Comissão Organizadora)

20/08/2014 – QUARTA-FEIRA

Eixo temático: Educação do Corpo LOCAL: CEFE, sala 914 Coord.(a):  Profa. Dra. Vânia de Fátima Matias de Souza (UEM)/  Prof. Dr. Edivaldo Góis Jr (UNICAMP).

Autor(es) Instituição Título
1 Leonardo M. M. Silva Edivaldo Góis Junior Unicamp-SP A educação do corpo na Associação Brasileira de Educação: o caso da semana de educação de 1928
2 Carlos Herold Junior UEM-PR A educação corporal nas primeiras décadas do século XX: duas possibilidades analíticas e temáticas a partir do movimento escoteiro
3 Ingrid D. Wiggers UNB-DF Educação e cultura corporal infantil em Brasília, na década de 1960
4 Miria Izabel Campos UFGD-MS Relações de gênero nas brincadeiras de meninas e meninos na educação infantil
5 Maria H. C. Lira Ana Paula Souza UFRPE-PE Sobre a Educação Física e práticas sexistas: lembranças de atividades físicas em escolas católicas (Recife-PE, 1970)
6 Daniele C. C. de Medeiros Carmen Lúcia Soares Unicamp-SP Práticas de cura, regeneração e educação do corpo nas estâncias hidrominerais paulistas (1930 – 1940)

Eixo temático: Educação Física, Cultura Escolar e Intelectuais  LOCAL: CEFE, sala 913 Coord.(a):  Profa. Dra. Magda Sarat (UFGD)/  Prof. Dr. Ernani Xavier Filho (UEL).

Autor(es) Instituição Título
1 Tuany D. Begossi Josiana Ayala Ledur Janice Z. Mazo UFRGS-RS Lembranças das aulas de Educação Física em uma escola da cidade de Nova Prata/RS (1937-1949)
2 Diego Ferreira Lima Edivaldo Góis Junior Unicamp-SP Primeiras evidências de práticas corporais no Colégio Salesiano Santa Rosa
3 Clailton Lira Perin Elizabeth Figueiredo de Sá UFMT-MT A prática da Educação Física e a cultura escolar a partir da análise de imagem na Escola Vitória Furlani da Riva em Alta Floresta-MT
4 Paula C. T. Marroni Terezinha Oliveira UEM-PR Um corpo perfeito carregado de honra e nobreza: o cavaleiro ideal sob a ótica de Raimundo Lúlio em o livro da ordem de cavalaria
5 Rachel R. de Souza Unicamp-SP Educar o corpo na natureza, considerações sobre o Emílio de Rousseau
6 Vivian Iwamoto Renato N. Suttana UFGD-MS Jogos e brincadeiras nas memórias de escritores brasileiros

Eixo temático: Corpo, Dança e Escola LOCAL: CEFE, sala 912 Coord.(a): Profa. Dra. Kátia S. Martins Mortari (UEL) Profa. Drda. Silvana Santos Silva (UEM).

Autor(es) Instituição Título
1 Dariani C. Afonso Paula C. T. Marroni FAMMA-PR Dança e história: a relação dança de salão com a sociedade
2 Patrícia A. Proscêncio Silvia P. Sborquia UNINORTE UEL-PR A dança clássica em Londrina na década de 1980: as conquistas de uma geração
3 Laryssa Mota Guimarães Rocha UNB-DF A história da dança nas escolas de Brasília e sua relação com a Educação Física escolar
4 Joalice S. Batista Jonathan C. C. Rodrigues Juliane M. da Silva UESB-BA O corpo nas páginas do jornal “À Tarde”: uma análise das cem primeiras edições do ano de 1914
5 Cecília Nunes da Silva UFES-ES Moda, esporte e mulher na década de 1920 nas imagens publicadas no periódico Vida Capichaba, Vitória/ES
6 Tuany D. Begossi Vanessa B. Lyra Janice Z. Mazo UFRGS-RS O ensino da Educação Física nas escolas do Rio Grande do Sul: percorrendo a trajetória de sua obrigatoriedade (1840-1940)

Eixo temático: História das Lutas LOCAL: CEFE, sala 911 Coord.(a): Prof. Dr. Deoclécio Rocco Gruppi (UNICENTRO)/ Prof. Dr. Leopoldo G. D. Vaz (IHGM/ALL).

Autor(es) Instituição Título
1 Leopoldo Gil Dulcio Vaz IHGM / ALL-MA O “chausson/savate” influenciou a capoeira?
2 Jonathan C. C. Rodrigues Joalice S. Batista Juliane M. da Silva UESB-BA Modernidade e capoeiragem na Bahia nas cem primeiras edições do jornal “A Tarde”
3 Fernando D.C. Ferreira Ricardo Sonoda-Nunes Wanderley Marchi Júnior UFPR-PR China no Brasil: pensando a cultura chinesa a partir da disseminação do kung fu em solo brasileiro
4 Marcelo A. de Oliveira Carlos A. B. dos Reis Júnior UFPR-PR A introdução do karatê shotokan em Curitiba: relações com a ditadura e imigração
5 Erik Yudi Horiye Ana Maria Pereira UEL-PR A história do karatê-dô: um saber da arte marcial a ser ensinado nas aulas de Educação Física
6 Leopoldo Gil Dulcio Vaz IHGM / ALL -MA Tarracá, atarracar, atarracado...

Eixo temático: Educação Física, Esporte e Impressos  LOCAL: CEFE, sala 917 Coord.(a): Prof. Dr. Leonardo Brandão (FURB-SC) Prof. Ms. Felipe Nakamura (UEL).

Autor(es) Instituição Título
1 Ana Carolina Silva Bozz Thiago Pelegrini UEL-PR Representações sobre a teoria da motricidade humana na Revista Brasileira de Ciências do Esporte (1979-1986)
2 Marli Hatje UFMS-RS Reflexões sobre a influência do noticiário esportivo na história da Educação Física/esporte gaúcho
3 Tiago Giovani Fonseca Tony Honorato UEL-PR Folha de Londrina (1952-1953): notícias para a construção de um índice de pesquisa histórica do esporte e do lazer em Londrina-PR
4 João Paulo M. Malagutti Fernando Starepravo UEM-PR O esporte moderno e o esporte universitário: algumas perspectivas
5 Ronaldo D. de Moraes Eduardo M. de Oliveira Paulo R. Vicari UFRGS-RS O ciclismo e sua divulgação nos jornais de Porto Alegre (1895-1898)

Eixo temático: História do Futebol LOCAL: CEFE, sala 916 Coord.(a): Prof. Dr. André Mendes Capraro (UFPR)  Prof. Drdo. Juliano Souza (UNICENTRO).

Autor(es) Instituição Título
1 Eduardo M. de Oliveira Paulo R. Vicari Ronaldo D. de Moraes UFRGS-RS A transformação dos espaços esportivos dos clubes de futebol em Porto Alegre na primeira metade do século XX
2 Pedro P.S. Brandão Carmen L. da C. Faro PM de Castanhal-PA Futebol em Belém do Pará: pontapé inicial
3 Paulo R. Vicari Eduardo M. de Oliveira Ronaldo D. de Moraes UFRGS-RS Primórdios do futebol de salão no Rio Grande do Sul
4 Edilson de Oliveira Miguel Archanjo de Freitas Jr. UEPG-PR Futebol de várzea: identidade e memória pontagrossense
5 Ana Paula de F. Altoé Marizabel Kowalski Dolores M. G. Pereira UFV-MG Biguá – de Irati a cidadão Flamengo!
6 Jefferson da Silva Pereira UEM-PR O futebol como propaganda política pela ditadura militar brasileira na Copa de 1970

Eixo temático: História, Lazer e Grupos de Futebol LOCAL: CEFE, sala 915 Coord.(a):  Prof. Dr. José Luis Simões (UFPE)/  Prof. Dr. Jorge Both (UEL).

Autor(es) Instituição Título
1 Alexandre P. Loro Giuliano Gomes de Assis Pimentel UFFS-SC UEM-PR O lazer nas fronteiras do Mercosul
2 Renata Brauner Ferreira FURB-SC Usos do tempo livre, ostentação e estratificação social no século XIX – considerações a partir do caso de Pelotas/RS
3 Alexandre P. Loro Ademir Gebara UFFS-SC UFGD-MS OS jogos infantis na região fronteiriça
4 Gabriel Modenuti Tony Honorato UEL-PR Notícias de lazer na cidade de Londrina: Jornal Paraná-Norte (1934-1953)
5 Sabrina C. Santos Laís C. A. Santos Riqueldi Straub Lise UFPR #SOMOSTODOSMACACOS: analisando as relações amalgamadas entre marketing e racismo no futebol globalizado
6 Wendell L. Linhares Edilson de Oliveira Miguel A. de Freitas Jr. UEPG-PR Futebol de várzea: construção do campo em Ponta Grossa

Eixo temático: História das Modalidades Esportivas  LOCAL: CEFE, sala 908 Coord.(a):  Prof. Ms. Ricardo Gonçalves (UEL) Prof. Dr. Alfredo Cesar Antunes (UEPG).

Autor(es) Instituição Título
1 Aline Melnyk Miguel Archanjo de Freitas Jr UEPG-PR Rugby uma história a ser contada para os brasileiros
2 Jamile M. Klanovicz Suélen S. Andres Silvana Goellner UFRGS História do handebol no Rio Grande do Sul: primeiros passos
3 Michel P. Paiva Tony Honorato UEL-PR Notas de uma história oral do tênis em Londrina
4 Jeferson R. Rojo Fernando Starepravo UEM-PR 40 anos de história da prova rústica Tiradentes
5 Heidi Jancer Ferreira Marizabel Kowalski José Geraldo Do C. Salles UFV-MG Atletismo universitário em Viçosa
6 Josiana Ayala Ledur Tuany D. Begossi Janice Z. Mazo UFRGS Campeonato mundial de atletismo master no Rio Grande do Sul (2013): uma história do tempo presente

Eixo temático: Memória, Educação Física e Formação de Professores LOCAL: CEFE, sala 909 Coord.(a): Profa. Drda. Morgana C. Silva (Fac. Integrado Campo Mourão; UEL) Prof. Dr. José A. Victória Palma (UEL).

Autor(es) Instituição Título
1 José A. V. Palma Cesar A. Nunes Ângela P. T. V. Palma UEL-PR Congresso norte-paranaense de Educação Física escolar: uma história de 10 anos que começa a ser contada
2 Josiana Ayala Ledur Vanessa Bellani Lyra Janice Zarpellon Mazzo UFRGS Escola de Educação Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul: a construção de um espaço próprio para a produção de sentidos comuns
3 Natanael Vaz Sampaio Junior Felipe E. F. Marta UESB-BA Memória, esporte, formação profissional em Educação Física: primeiras aproximações
4 Marco Antonio Lima Rizzo UEM-PR Homens, natureza e prática corporal: um todo indissociável
5 Marcelo G. C. G. Pereira Anna Rita V. F. Machado Maria H. C. Lira UFRPE Debates e experiências sobre a história da Educação Física na formação de professores(as)
6 Vitor Hugo Marani Sandra Aparecida Zotovici Vânia de Fátima Matias de Souza UEM-PR O conceito de cultura na Educação Física escolar argentina: perspectivas de docentes do ensino superior

 

PROGRAMAÇÃO COMUNICAÇÕES ORAIS

22/08/2014 – SEXTA-FEIRA

Eixo temático: História do Futebol LOCAL: CEFE, sala 910 Coord.(a):  Prof. Drdo. Juliano Souza (UNICENTRO) Prof. Dr. Luiz Carlos Ribeiro (UFPR).

Autor(es) Instituição Título
1 Miguel Archanjo de Freitas Jr Alfredo Cesar Antunes UEPG-PR Futebol, história, estado e sociedade: uma análise da organização da Copa do Mundo de 1950
2 Túlio Inácio Garrido UFMT Torcidas organizadas de futebol – estudo de caso da torcida Independente subsede Cuiabá/MT
3 Ernesto S. Marczal UFPR Argentina 1978: o futebol entre o boicote e a campanha anti-argentina
4 Luiz Henrique de Azevedo Borges UEG-GO Faculdade Cambury Armando Nogueira: o futebol brasileiro – arte no jogo e na escrita
5 Igor A. S. Bueno Francisco X. F. Rodrigues UFMT Um breve histórico do futebol em Mato Grosso
6 André Xavier da Silva Tony Honorato UEL-PR História do futebol, imprensa e a produção de identidade regional: uma revisão de literatura

Eixo temático: Olimpíadas, Esporte e Políticas LOCAL: CEFE, sala 909 Coord.(a): Profa. Dra. Larissa Michelle Lara (UEM) Prof. Dr. Ernani Xavier Filho (UEL).

Autor(es) Instituição Título
1 Dolores M. G. Pereira Marizabel Kowalski Ana Paula de F. Altoé UFV-MG Manifestações bioantropológicas nos Jogos Olímpicos de Berlim – 1936
2 Dolores M. G. Pereira Marizabel Kowalski Ana Paula de F. Altoé UFV-MG Manifestações étnicas na historiografia do esporte: os Jogos Olímpicos de Berlim 1936
3 Bárbara S. de Almeida Wanderley Marchi Júnior UEL-PR UFPR Melbourne 1956: os Jogos Olímpicos pela primeira vez no hemisfério sul
4 Raoni Perrucci Toledo Machado UFLA-MG Aproximação entre o olimpismo e os “esportes de aventura”
5 Marcos Ruiz da Silva Laura Alice Rinaldi Camargo UEM-PR Quando o campo esportivo “cruza” com o campo político: a disputa do CONFAO e o COB pelo benefício da lei Piva na alteração da lei Piva
6 Felipe Canan Rhaylla G. L. Martins Fernando Starepravo UEM-PR A possível existência de função pública delegada às confederações esportivas

Eixo temático: Memória e esporte LOCAL: CEFE, sala 908 Coord.(a): Prof. Dr. Coriolano P. da Rocha Junior (UFBA) Prof. Drdo. Alexandre P. Loro (UEM).

Autor(es) Instituição Título
1 Christiane G. Macedo Silvana V. Goellner UFRGS Centros de memória da Educação Física e esportes: o início de uma pesquisa
2 Thiago Pellegrini UEL-PR O esporte como objeto histórico: considerações as controvérsias sobre sua gênese
3 Jorge Miguel A. Soares Estefânia K. C. Fraga PUC-SP A criação da justiça desportiva no Brasil
4 Fernando Starepravo Luciana L. S. R. Santos UEM-PR Esporte como direito social? O esporte na Constituição de 1988
5 Deoclecio Rocco Gruppi Maria Beatriz Rocha Ferreira Unicentro-PR Unicamp-SP Iniciativas indígenas: jogos escolares brasileiros e comitê intertribal – memória e ciência indígena
6 Leonardo Brandão FURB-SC Heterotopias: a emergência do street skate

Eixo temático: Mulheres no Esporte LOCAL: CEFE, sala 907 Coord.(a): Profa. Dra. Marizabel Kowalski (UFV) Profa. Msda. Marta Soares Araujo (UEL).

Autor(es) Instituição Título
1 Carla Lisbôa Grespan UFRGS As mulheres nas artes marciais mistas: uma história de mixagens e invisibilidades
2 Adriana Brum UFPR Keiko, Sarah e Rena: três ícones do judô mundial
3 Bruno José Gabriel Miguel Archanjo de Freitas Jr. UEPG-PR A cobertura da Folha de São Paulo acerca da seleção brasileira feminina durante o ano de realização da Copa do Mundo da Alemanha (2011)
4 Leila Salvini Wanderley Marchi Júnior UFPR-PR Recortes de uma história: 10 anos de futebol feminino no Novo Mundo Futebol Clube
5 Marcela Caroline Pereira José Edenilson Montani Miguel A. de Freitas Jr UEPG-PR Uma “análise de conteúdo” na mídia impressa: mundial de futebol feminino como objeto de estudo

  Eixo temático: História da Educação Física, Sujeitos e Práticas  LOCAL: CEFE, sala 915 Coord.(a): Profa. Dra. Silvia Pavesi Sborquia (UEL) Prof. Ms. Fernando Pereira Cândido (UEL).

Autor(es) Instituição Título
1 Leopoldo Gil D. Vaz IHGM / ALL -MA Influência militar na Educação Física escolar
2 Antonio C. M. Miranda Carlos Herold Junior Larissa Michelle Lara UEM-PR Hedonismo x militarismo: tensões na história da Educação Física francesa durante a década de 1940
3 Carolina Nascimento Jubé Unicamp-SP O Guide Pratique D’éducation Physique e o método natural de Georges Hébert
4 Leopoldo Gil Dulcio Vaz IHGM / ALL -MA Miguel Hoerhann – pioneiro da Educação Physica no Maranhão
5 Leopoldo Gil Dulcio Vaz IHGM / ALL -MA Fran Paxeco – um dos propugnadores da Educação Física no maranhão
6 Talita Ferreira Evando Carlos Moreira UFMT Interfaces entre a Educação Física, a história e a linguagem: possibilidades dialógicas a partir da biografia

Eixo temático: História – Escola de Educação Física e Conhecimento Acadêmico LOCAL: CEFE, sala 916 Coord.(a): Profa. Dra. Ana Maria Pereira (UEL) Profa. Drda. Sandra Aparecida Zotovici (UEM).

Autor(es) Instituição Título
1 Felipe Nakamura Jeane Barcelos Soriano Tony Honorato UEL-PR Publicações da revista JOHPER de 1958 e as proposições de Franklin Henry (1964)
2 Marcio Yasuhiko da Costa Adaniya Thiago Pelegrini UEL-PR Representações sobre teorias pedagógicas de Educação Física na Revista Brasileira de Ciências do Esporte (1979-1986)
3 Alantiara Peixoto Cabral Felipe E. F. Marta UESB-BA Memórias de um professor de Educação Física: formação profissional e formação continuada em uma cidade do interior da Bahia (1984-2012)
4 Suzane Santos Fonseca Andréia Paula Basei UEM-PR Educação Física escolar e esportivização: em busca de uma compreensão histórica
5 Felipe Benassi Martins José A. Victoria Palma UEL-PR História do esporte e da Educação Física: uma crítica ao modelo esportivista

Eixo temático: Escola, Práticas Educativas e Esporte  LOCAL: CEFE, sala 917 Coord.(a): Prof. Drdo. Marco Antonio Lima Rizzo (UEM).

Autor(es) Instituição Título
1 Carolina R. Volpini Paula Marçal Natali Verônica Muller UEM-PR Projeto brincadeiras com meninos e meninas de/e na rua: a educação social e sua relação com as práticas educativas escolares
2 Heloisa M. Corradi Vera Lúcia Nogueira UEMG Reflexões sobre as concepções de corpo e as dinâmicas corporais na escola atual
3 Carlos V. de J. Borelli Ana Maria Pereira UEL-PR A história do futebol: um saber a ser ensinado nas aulas de Educação Física
4 Leandro Aguiar Penedo Ricardo Gonçalves UEL-PR Breves apontamentos sobre o futebol no brasil
5 Érica Fernanda de Paula Miguel A. de Freitas Jr. UEPG-PR Análise sobre o conceito de fair play, desde sua origem até sua visão atual
6 Rodrigo A. Ardengue Ricardo Gonçalves UEL-PR Arenas esportivas: uma revisão



 

sem comentário »

CEV Novidades – •Escala de Mobilidade Ativa em Ambiente Comunitário (news – Versão Brasileira) : Validade e Fidedignidade.

0comentário

Teste de Força de Preensão Manual: Estudo da Fadiga Mioelétrica do Flexor Radial do Carpo e Flexor Superficial dos Dedos.

Posted:

  

O Imaginário do Lazer e do Lúdico Anunciado em Práticas Espontâneas do Corpo Brincante.

Posted:

  

Educação Física no Ensino Médio: Desenvolvimento de Conceitos e da Aptidão Física Relacionados à Saúde.

Posted:

  

Escala de Mobilidade Ativa em Ambiente Comunitário (news – Versão Brasileira) : Validade e Fidedignidade.

Posted:

  

Revista Cpaqv – Centro de Pesquisas Avançadas em Qualidade de Vida

Posted:

  

Educação Física no Mato Grosso: Fef/ Ufmt é Premiada em Evento

Posted:

  

Educação Física no Mato Grosso: IV Congresso Brasileiro e I Congresso Internacional de Educação Física do Centro-oeste e I Simpósio Regional de Atividade Física e Saúde

Posted:

 
sem comentário »

Ex-atleta de Handebol e Historiador Nicolau Sevcenko Morre em São Paulo Aos 61 Anos

0comentário


Cevnautas do Handebol,

A morte continua sendo uma coisa com a qual eu não concordo.

O Nicolau, ex-atleta da GM e São Caetano que se tornou um grande escritor e historiador, foi mais cedo. Para os dedicados ao Handebol, e esportistas em geral, deixou, como artigo na Folha de São Paulo, a sua alegria em ter jogado Handebol, no artigo “Dança com Lobos”:

http://cev.org.br/biblioteca/danca-com-lobos/

A fila teima em andar.  Orações e reverências para o Nicolau.

Historiador Nicolau Sevcenko morre em São Paulo aos 61 anos

15/08/2014

Agência FAPESP – Morreu na quarta-feira (13/08), em São Paulo, aos 61 anos, o historiador Nicolau Sevcenko, professor livre-docente do Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da Universidade de São Paulo (USP).

Graduado em História pela USP, Sevcenko tinha doutorado em História Social também pela USP e pós-doutorado pela University of London, no Reino Unido. Além do interesse pela história cultural, moderna e contemporânea, o intelectual preocupava-se em divulgar o conhecimento para o público mais amplo.

Sevcenko, que estava aposentado pela USP, também era professor de Literatura e Linguagens do Romance na Harvard University, nos Estados Unidos.

Entre seus livros estão Orfeu Extático da Metrópole (Companhia das Letras/1992), Literatura como missão (Companhia das Letras/2003) e A Revolta da Vacina (reeditado em 2010 pela Cosac Naify).

Em 1999, foi um dos ganhadores do prêmio Jabuti na categoria Ciências Humanas pelo livro História da Vida Privada no Brasil (volumes 3 e 4) (Companhia das Letras).

Handebol: Ex-atleta de Handebol e Historiador Nicolau Sevcenko Morre em São Paulo Aos 61 Anos

Posted:

  

Legislação Desportiva – CEVLeis: Indd /academia Nacional de Direito Desportivo Conheça

Posted:

  

Educação Física e Esporte: Gifs e Vídeos Que Ajudam os Estudantes a Aprender, e Melhoram a Vida do Professor.

Posted:

  

Legislação Desportiva – CEVLeis: Caso Luis Suárez Tas Mantem Decisão da Fifa

Posted:

  
sem comentário »