COM UMA PEQUENA AJUDA DOS AMIGOS… a Sala Memória “Prof. Dimas”!!!

0comentário

Na quarta-feira passada completei 62 anos de idade! Uma das tres datas do ano que não gosto – nem costumo – comemorar… É uma data de reflexão, pessoal, individivel… só minha…

Mas nesse dia recebi talvez o maior presente que uma pessoa que dedicou sua vida – pelo menos os ultimos 35 anos… – ao resgate da Memória dos Esportes, da Educação Física e do Lazer no/do Maranhão – apresentar à minha querida amiga/quase irmã Denise Martins de Araujo – a Denise da Viva Água, um projeto, a ser executado imediatamente, de construir uma Sala Memória dedica ao Prof. Dimas, seu pai… já o encaminhei… ela já começou a reinir o material… nesse final de semana, abriu umas duas caixas de lembranças, de recortes da vida do ‘Querido Profesor Dimas”, como bem definiram os Biguás – Edivaldo e Tânia – em uma imprtante matéria publicada no jornal “O Estado do Maranhão”, na série “Onde Anda você?”. FELIS 2013 - ATLASATLAS DO ESPORTE NO MARANHÃO Dimas chegou à cidade do Maranhão – São Luis – em 1944. Veio, moleque do interior, estudar na Capital. São 60 anos!!! uma data expressiva… Nos ultimos anos – que lembre, pelo menos nos ultimos 25 – recebeu significativas homenagens, de várias instancias públicas, vários entes, pela sua trajetória profissional, de exemplo de vida, de construção – um dos principais, senão o principal  artífice - da Educação Física maranhense. Pode-se divir a memória dos esportes, do lazer e da educação física no Maranhão em fases, e desde a decada de 50, Dimas está presente em todas elas, com pequenos intervalos – na década de 50 – e intensamente a partir da decada de 60, junto com alguns outros ícones: Carlos Vasconcelos, Mary Santos, Cláudio Vaz dos Santos, Laércio Elias Pereira, Lino Castellani Filho, Ivone Reis Nunes, Vanilde Leão, Emilio Mariz, Geraldo Mendonça, Manoel Furtado, e mais Rinaldi Maia, Rubem Goulart (pai), Cecília Moreira, Biguá, Phil, Denise e Osvaldo…

 

Mas para tal empreitada, é necessária UMA PEQUENA AJUDA DOS AMIGOS – tal qual a canção dos Beatles… ouço-a aqui na voz de Joe Cooker e os Mad Dogs & Englishmen… what do you do

 

Para saber o que Dimas fez, é preciso que nos mandem tudo o que lembre a sua trajetória de vida… depoimentos escritos, fotos identificadas, com a data e a ocasião, em que voce aparece ao lado de Dimas, contando a história da mesma, recortes de jornais, de revistas, vídeos… o que tiverem que destaque a passagem de Dimas em sua vida… comporá o acervo da Sala memória…

 

Mas… em se tratando de Dimas e sua história de vida, se está referindo, também, à história da Educação Física, do Esporte, e do Lazer/Recreação no Maranhão nesses ultimos 60 anos – como disse… assim não se limitará apens à vida de Dimas, mas à História do Esporte (em seu significado mais amplo…) no Maranhão…

 

CLAUDIO VAZ, JOAQUIM HAICHEL, DIMAS

CLAUDIO VAZ, JOAQUIM HAICHEL, DIMAS

O material deverá ser entregue lá na Academia Viva Água. Denhise e Osvaldo, e Vitor estão, hoje, aproveitando o feriado, limpando a sala onde esse material sejá acondicionado, catalogado, registrado, tratado para servir, depois, e se possivel ainda este ano, do acervo da Sala Memória “Prof. Dimkas”.

 

Como diz nosso GeekGuru Laércio, o Pereira, oremos!!!!

 

PS. Não contem nada para o Dimas… é um segredo e será uma surpresa!!!

sem comentário »

CEV Novidades – •Política de Informação Científica e Tecnológica no Brasil

0comentário

Política de Informação Científica e Tecnológica no Brasil

Posted:

  

Conhecimento Tático Declarativo e Procedimental em Crianças e Adolescentes Praticantes de Futebol

Posted:

  

Olimpíadas Rio2016. Entre a Realidade e a Esperança

Posted:

  

O Estágio Supervisionado na Formação Inicial de Licenciados em Educação Física no Paraná

Posted:

  

Personalidade e Estilo de Liderança : Um Estudo com os Técnicos de Voleibol na Superliga

Posted:

  

Educação Física em Pernambuco: Olimpíadas Rio 2016, Entre a Realidade e a Esperança

Posted:

  
sem comentário »

CEV Novidades – •Os Jogos de Construção na Educação Infantil

0comentário

Os Jogos de Construção na Educação Infantil: Estudo de Caso na Creche AMAS (associação Metodista de Ação Social) – Piracicaba, SP

Posted:

  

Política Curricular em Educação Física do Município de Juiz de Fora- Mg: Hibridismo Entre o Contexto de Produção do Texto Político e o Contexto da Prática

Posted:

  

O Culto Ao Corpo em Academia de Ginástica: Um Estudo Etnográfico na Cidade do Rio de Janeiro

Posted:

  

Professoras Negras na Uerj e Cotidianos Curriculares, a Partir dos Primeiros Tempos do Acervo Fotográfico J. Vitalino

Posted:

  

O Esporte Como Meio de Prevenção e Combate Ao Uso de Drogas: Análise de Um Discurso

Posted:

  

Educação Física em São Paulo: Boas Vindas!

Posted:

  

Educação Física em São Paulo: III Congresso Nacional de Psicologia da Motricidade Humana, Esportes, Recreação e Dança

Posted:

  
sem comentário »

Taffarel e o Exercício Ilegal da Profissão

0comentário

Legislação Desportiva – CEVLeis: Espaço do Colecionador Cevleis Série Revistas,site

Posted:

  

Jogando Juntos – Guia de Mobilização Pelo Direito Ao Esporte Seguro e Inclusivo

Posted:

  

A Infância Entra em Campo – Riscos e Oportunidades Para Crianças e Adolescentes no Futebol

Posted:

  

Educação Física em São Paulo: Fórum de Reabilitação Sp

Posted:

  

Sistema Confef/crefs : a Expressão do Projeto Dominante de Formação Humana na Educação Física

Posted:

  

Corporeidade e Conhecimento : Diálogos Necessários à Educação Física e à Escola.

Posted:

  

Educação Física e o Reordenamento no Mundo do Trabalho: Mediações da Regulamentação da Profissão

Posted:

  

Legislação Desportiva – CEVLeis: Anvisa e Proibição Suplemento Para Atletas

Posted:

  

Futebol: Taffarel e o Exercício Ilegal da Profissão

Posted:

  

Criança: Mutirão Pelo Direito da Criança Brincar. Cev & Unicef

Posted:

sem comentário »

EFEMÉRIDES CAXIENSES – Apresentação ao livro de Arthur Almada Lima Filho, Caxias – MA, por Edmilson Sanches

0comentário
Foto de Edmilson Sanches.
Foto de Edmilson Sanches.
Foto de Edmilson Sanches.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

EFEMÉRIDES CAXIENSES

(Apresentação ao livro de Arthur Almada Lima Filho, Caxias – MA. )


Explique-se logo: efêmero é uma coisa; efeméride, outra. Efêmero é o transitório; efeméride, o histórico. Efêmero pode até durar o dia todo. Efeméride, resiste todo dia. O que é efêmero passa em branca nuvem. O que é efeméride inscreve-se em alva celulose.

Todos e tudo têm suas efemérides: o universo, o planeta, países, estados, municípios, profissões, academias…

Tem as “Efemérides Astronômicas” e as “Efemérides da Aeronáutica”. As “Efemérides Navais”, as “Efemérides Judiciárias” e “Efemérides Médicas”. As “Efemérides do Teatro Brasileiro”. Das Artes Plásticas.

Tem as “Efemérides Acadêmicas”, da Academia Brasileira de Letras. As “Efemérides da Academia Mineira de Letras”. E da Pernambucana de Letras também.

Tem as “Efemérides Universais”, de M. A. Silva Ferreira. Tem as “Efemérides Luso-brasileiras”, de Heitor Lyra. As “Ephemerides Nacionaes”, de 1881, de Teixeira de Mello. As “Efemérides Brasileiras”, do Barão do Rio Branco. As “Efemérides da Campanha do Paraguai” e as “Efemérides de La Historia del Paraguay”. As “Efemérides y Comentários”, de G. Maragñon. As “Efemérides e Sinopse da História de Portugal”, as “Efemérides Literárias Argentinas”, as de Macau…

Tem as “Efemérides Alagoanas”, de Moacir Medeiros. As “Efemérides Cariocas”, de Antenor Nascentes. As “Efemérides Mineiras”, de Xavier da Veiga. E, completando 90 anos em 2013, as “Efemérides Maranhenses”, de José Ribeiro do Amaral.

As “Efemérides de Brasília”, de Cáceres, do Cariri, de Diamantina, da Freguesia de Nossa Senhora da Conceição da Praia, de Guarapuava, de Itaúna, de Juiz de Fora, de Júlio de Castilhos, de Porto Feliz, de Rio Claro, de São João del-Rei…

Portanto, seja no Universo infinito ou na limitada localidade coisas acontecem, fatos ocorrem. E há, entre essas acontecências e ocorrências, há as que duram, perduram… e que merecem ser registradas como efemérides, como legado de memória e história que se passou, a ser herdado e, no mínimo, respeitado pelos tempos que haverão de vir.

E entre tantas efemérides — de diferentes atividades, de diversas instituições, de distintos lugares (países, estados, municípios)… — faltava a de Caxias, uma cidade cujo solo, segundo a geologia humana, se assenta fundamente sobre camadas e camadas de (form)ações políticas, sociais, econômicas e culturais.
Pois bem: não falta mais a Caxias seu livro de efemérides. E para costurar retalhos do passado, para colher e coser pedaços dos ontens, para cerzir nesgas d’antanho, para retrazer esses registros à memória das gerações viventes e vindouras, o desafio encontrou quem o arrostasse. Alguém com o conhecimento, a determinação, a vivência e, entre outras pré-condições, a paixão pela cidade onde nasceu — Arthur Almada Lima Filho, jurista, desembargador aposentado, professor, escritor, presidente do Instituto Histórico e Geográfico de Caxias.

Ante a historicidade do município, parece que as “Efemérides Caxienses” teriam demorado a chegar. Não importa. Chegaram.

***

Quem pegar deste livro e suas páginas manusear, um favor por gentileza: faça-o com respeito; a obra é recente, mas o que ela contém é basicamente mais velho que nós — e devemos respeitar os mais velhos…

Cada entrada, vale dizer, cada data que aqui se perfila e enfileira, cada data deste que é o repositório cronológico pioneiro senão o mais extenso da bibliografia e historiografia caxiense, quiçá maranhense, cada entrada daria pelo menos um livro — e cada esforço para fazê-la, dois… tanto é o que há neste livro de trabalho, de talento, de tempo, de tino e de tesão pelo que se faz, tudo empregado em cada item cronográfico. Trabalho, porque é ação, fazimento. Talento, pois que é conhecimento, raciocínio, intuição. Tempo, posto que é chama e limitação, devendo ser aproveitado antes que o murrão encurte e a chama enfraqueça… e tudo escureça. Tino, vez que é “queda” para algo, para o alto, inclinação, tendência, propensão. E tesão por ser a energia intensa e impulsionadora para ritmados movimentos de (pro)criação.

Seus “Ensaios”, Montaigne já os apresentava como “um livro de boa fé” (“c’est icy un livre de bonne foy”). Mas, sabia o notável francês, um livro vai além, muito além da pureza de intenção, do agir com correção.

Livro é gestação e parição. Alegria e dor. Realidade e incerteza. Sou testemunha ocular e auricular do enorme esforço do autor, Arthur Almada Lima Filho, de seus exigentes cuidados, da busca, localização e posterior seleção de dados e eventos e o texto final para esta coleção de datas. Para encontrar algumas agulhas, vi Arthur Almada mover toneladas de palha e feno no armazém sem-fim da História: livros, jornais, revistas, documentos, mídias digitais e espaços virtuais — enfim, todo tipo de suporte crível, confiável, onde pousava e repousava a informação acerca de algum aspecto da caxiensidade, em especial filhos e fatos da terra.

Schopenhauer observou que “livros são escritos ora sobre esse, ora sobre aquele grande espírito do passado, e o público os lê, mas não as obras desses próprios; porque só quer ler o recém-impresso (…)”. Com o índice de venda de livros e o nível de leitura que temos em nosso país, estado e município, bem que um autor se daria por satisfeito por pelo menos sua obra “recém-impressa” ser lida.

Mas tem razão o filósofo alemão, autor de Sobre Leitura e Livros: um livro, em especial um livro como o “Efemérides Caxienses”, é do tipo que deve(ria) suscitar o gosto, instigar o espírito, provocar a inteligência, estimular a curiosidade, ampliar o orgulho do leitor, em relevo o leitor caxiense e maranhense, para o conhecimento mais encorpado acerca dos homens e mulheres, dos fatos e feitos aqui expostos com comedimento, pois que em obra deste gênero não cabe desmedir.

Tenho certeza, pelas conversas e debates que (man)tivemos e pelo que nele “leio”, tenho certeza de que Arthur Almada Lima Filho se sentiria agradecido se este livro incitasse uma saudável “ressurreição” de parte(s) do passado histórico e glorioso de nossa cidade ou ampliasse o interesse de mais e mais caxienses pelas bases, pelas fundações, pelos alicerces do passado sobre os quais os anos posteriores e os dias atuais alevantaram paredes, assentaram pisos e construíram tetos. Alicerce de que não se cuida compromete a estrutura que por sobre ele se pôs ou que a partir dele se ergue.

Sabemos, nós caxienses, que não cuidamos de nosso passado como ele deveria ser cuidado… e não é por vergonha dele — muito pelo contrário! Nós nos descuidamos de nossa ancestralidade sobretudo porque a desconhecemos, ou somos apáticos, preguiçosos, somos esse coletivo de pessoas, essa ruma de gentes atarefadas com o “hic et nunc”, o aqui e agora de nossa vida presente, paradoxalmente passadiça — passadiça porque nela (nessa vida) somos passageiros, consumidores, quando dela (dessa vida) temos de ser motorneiros, condutores. (Afinal, é a vida que nos conduz ou nós é que devemos conduzi-la?)

Os ditos países e comunidades desenvolvidos são aqueles que têm e se sabem fortes em seus fundamentos históricos e em suas fundações de historicidade, que enriquecem sua Cultura e enrijecem sua Identidade, cada vez mais afirmadas e reafirmadas com o passar das eras. No mundo todo paga-se muito dinheiro para (vi)ver cultura, para (re)viver história(s).

A Caxias de hoje parece (parece?!) fazer questão de eleger o fugidio, o fugaz, o presente que está em trânsito, daí tão transitório…

Caxias parece (parece?!) fazer questão de não querer conhecer-se a si mesma, não escutar seu grito primal, não analisar seu DNA mitocondrial, sua vida ancestral.

Como querer sermos reconhecidos, se de nós mesmos somos desconhecidos?

Como lembrar aos outros o que somos pelo que fomos se, no dizer de Pierre Chanou, somos amnésicos do que somos (“se nous sommes amnésiques de ce que nous sommes”)?

Quem sabe até cairia bem, em muitos aspectos, a máxima do espanhol George Santayana (1863—1952): “Os que são incapazes de recordar o passado, são condenados a repeti-lo”. Com certeza há tempos, pessoas, modos e feitos do passado caxiense que pegaria bem se pudessem ser reproduzidos, copiados, repetidos, adequadamente adotados no presente — descontados os pecados veniais e tais e mais que cada um possa ter, já que adiante não se verá uma lista hagiográfica, um rol de santos. De toda sorte, teríamos talentos à maneira de

ADERSON FERRO (“Glória da Odontologia Nacional”),

ADERSON GUIMARÃES (cônego, latinista, jornalista, professor),

ALDERICO SILVA (empresário pioneiro, jornalista, acadêmico),

ANICETO CRUZ (empresário pioneiro, jornalista),

ARTHUR ALMADA LIMA (desembargador, presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão, juiz de Direito, promotor público, professor concursado da Universidade Federal do Maranhão, orador, com obra inédita de discursos),

BENEDITO JOAQUIM DA SILVA (primeiro prefeito de Caxias pós-Revolução de 1930),

CÂNDIDO RIBEIRO (“O maior industrial do Maranhão dos séculos 19 e 20”),

CARLOS GOMES LEITÃO (magistrado, político, fundador do município de Marabá – PA),

CELSO MENEZES (pintor, professor, considerado um dos maiores escultores do Brasil),

CÉSAR FERREIRA OLIVEIRA (“revolucionário constitucionalista” em São Paulo e “Herói da Guerra de Canudos”),

CÉSAR MARQUES (médico e historiador),

CHRISTINO CRUZ (criador do Ministério da Agricultura; agrônomo, com estudos em outros países; presidente honorário da Sociedade Nacional de Agricultura),

CID ABREU (escritor, professor, latinista, acadêmico),

CLÓVIS VIDIGAL (monsenhor, educador),

COELHO NETTO (escritor, “Príncipe dos Prosadores Brasileiros”),

DÉO SILVA (poeta, jornalista),

DIAS CARNEIRO (os dois: o industrial e jornalista e o magistrado e desembargador),

ELEAZAR SOARES CAMPOS (advogado, professor, magistrado, escritor, interventor federal do Maranhão),

ELPÍDIO PEREIRA (músico de renome internacional, autor do Hino de Caxias),

FLÁVIO TEIXEIRA DE ABREU (advogado, jornalista, escritor, poeta, professor),

GENTIL MENESES (administrador, jornalista, escritor),

GONÇALVES DIAS (poeta, etnógrafo, professor, fundador do Indianismo na literatura brasileira),

HERÁCLITO RAMOS (jornalista, escritor, poeta; irmão de Vespasiano Ramos),

JOÃO LOPES DE CARVALHO (pintor e desenhista, estudou sua arte em Portugal, onde, por seu grande talento, já aos 16 anos foi elogiado por diversos jornais de Lisboa),

JOÃO MENDES DE ALMEIDA (considerado o mais completo jornalista brasileiro; advogado, abolicionista, redator da Lei do Ventre Livre),

JOAQUIM ANTÔNIO CRUZ (médico, militar e político, participou da demarcação de fronteira do Brasil com a Argentina e votou pela lei que terminou por abolir os castigos corporais nas Forças Armadas),

LAURA ROSA (educadora, poeta, escritora, nascida em São Luís),

LIBÂNIO LOBO (escritor, acadêmico),

MÃE ANDRESA (Andresa Maria de Sousa Ramos, sacerdotisa de culto afro-brasileiro de renome internacional, última princesa da linhagem direta fon, comandou durante 40 anos a Casa de Mina em São Luís),

MARCELLO THADEU DE ASSUMPÇÃO (médico humanitário, professor, criador e mantenedor de escola gratuita, prefeito de Caxias),

NEREU BITTENCOURT (professor, escritor),

NILO CRUZ (magistrado, desembargador),

ODORICO ANTÔNIO DE MESQUITA (advogado, político, magistrado),

OSMAR RODRIGUES MARQUES (jornalista e escritor),

PAULO RAMOS (advogado, deputado federal, interventor e governador do Maranhão, criador, entre outras instituições, do Banco do Estado do Maranhão e da Rádio Timbira),

RAIMUNDO FONSECA FREITAS NETO (poeta; ex-funcionário do Banco da Amazônia),

SINÉSIO SANTOS (fotógrafo),

SINVAL ODORICO DE MOURA (bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais, ainda hoje um raro caso de alguém que governou quatro estados – Amazonas, Ceará, Paraíba e Piauí),

TEIXEIRA MENDES (escritor, filósofo, autor da Bandeira Brasileira),

TEÓFILO DIAS (advogado, jornalista e escritor, sobrinho de Gonçalves Dias, introdutor do Parnasianismo e colocado por Sílvio Romero entre os “quatro dos maiores poetas do Brasil”),

TIA FILOZINHA (Filomena Machado Teixeira, professora),

UBIRAJARA FIDALGO DA SILVA (primeiro dramaturgo negro brasileiro, ator, diretor, produtor, bailarino, apresentador de TV e criador do Teatro Profissional do Negro),

VESPASIANO RAMOS (poeta),

VÍTOR GONÇALVES NETO (jornalista, escritor),

WALFREDO DE LOYOLA MACHADO (jornalista, bacharel em Direito, escritor),

WILSON EGÍDIO DOS SANTOS (professor universitário, escritor, odontólogo)…

Em todos os campos — Administração (Empresarial e Pública), Artes, Cultura, Direito e Justiça, Literatura, Política, Ciências etc. –, são inúmeros os nomes, muitos deles desconhecidos, poucos deles reconhecidos, no sentido de que (não) são lembrados, cultivados, publicados e republicados, biografados, estudados, pesquisados (eles e seus trabalhos, suas atividades, sua obra). E a listagem acima (não intencional, aleatória) é só uma impressão digital, marca pequena no grande locus e corpus cultural, artístico, político, histórico e social do município caxiense. É patente que o céu histórico-cultural de Caxias tem mais estrelas. Muito mais.

Claro, temos orgulho de nossos atuais professores, historiadores, cientistas, pesquisadores, escritores, poetas, músicos, artistas, intelectuais… Para citar três caxienses, três mulheres, que saltaram obstáculos, quebraram barreiras e transpuseram limites (inclusive geográficos), temos orgulho de gente que nem Aline de Lima, que cantou e encantou na França e em mais uma dezena de países; de Tita do Rêgo Silva, que faz artes (plásticas) na Alemanha; de Bruna Gaglianone, bailarina, premiada pelo Bolshoi Brasil e integrante do corpo de dançarinos do Teatro Bolshoi de Moscou…

… Mas o de que se trata aqui não é a transposição pura e simples de um passado que tem seu tempo. Trata-se de um presente que não tem memória — pelo menos não com a desejada consistência, não com o necessário zelo e a sadia revivificação ou reviçamento.

Que os caxienses procurem saber mais acerca do passado de Caxias, e reforcem em si o sadio orgulho do porque ele é sinônimo, em igual tempo, de reverência e referência.

***

“Efemérides Caxienses” quer lembrar isso para nós. Dia a dia. De janeiro a dezembro. E mais: do ponto de vista editorial e didático, o livro traz um aporte de, digamos, instrumentos para facilitar a vida do leitor ou corresponder às expectativas do pesquisador. Assim, veem-se aqui índices onomástico e cronológico, com os quais, no primeiro caso, o interessado encontrará rapidamente as páginas onde determinado nome próprio é citado; e, no outro caso, a listagem em ordem crescente dos anos, cobrindo séculos de história caxiense.

Claro que um livro de poucas centenas de páginas não poderia cobrir, abarcar todos os fatos, todas as pessoas, toda a quadrissecular e multivariada História de Caxias. Testemunhei a vontade imensa do autor à cata de mais dados e percebi as imensamente maiores limitações materiais e de tempo que se impunham, imperiais, em desfavor do escritor. Até que ele se convenceu da verdade borgeana: um livro não se termina — se abandona.

Foi para chegar a esta obra — repita-se: sem a inútil pretensão de ser completa — que Arthur Almada Lima Filho dedicou muito do seu tempo, muito de sua saúde física e de sua energia intelectual, além de outros recursos, a serviço da materialização desse seu desejo pessoal e dessa nossa necessidade coletiva: ter um livro de referência histórico-cronológica das acontecências mais pretéritas de nossa Caxias, mas sem esquecer alguns registros da recentidade. Um livro que estudantes e professores, jornalistas e historiadores, curiosos e pesquisadores, aquele escritor em especial e todo o povo em geral pudessem diariamente folhear e consultar: o que aconteceu? quem nasceu? quem morreu? o que houve em determinado dia de determinado mês de determinado ano em minha cidade? Este livro traz as respostas, e a partir dele podem ser iniciados ou referenciados trabalhos escolares, pesquisas universitárias, matérias jornalísticas, pronunciamentos políticos, festas comemorativas, reuniões familiares… ou simplesmente enriquecer uma conversa, um discurso, o orgulho e amor pela terra natal.

Ao lado de fazeres cotidianos e afazeres especiais, o autor, desembargador aposentado, deveria ter saído do ofício para o ócio… mas Arthur Almada não larga dos ossos de uma ocupação útil (coletivamente falando) e quase sempre dá expediente com fidelidade bancária, de manhã e à tarde (às vezes entrando pela noite), no Instituto Histórico e Geográfico de Caxias que ele há dez anos fundou e dirige com amor, gosto e dedicação de recém-casados. No escritório ou na residência, tal qual o pintor Apeles, “nulla dies sine linea” — ao menos uma linha todo dia. O autor-arqueólogo, à maneira do que escreveu Shakespeare, vai retirando dos escombros da História as “ruínas amorfas” e o “pó do olvido”, que recobrem tanto “o que passou” quanto “o que está por vir”. E assim foi-se formando e formatando este livro.

Arthur Almada é um homem de Hoje que sabe cuidar do Ontem. Que seu exemplo comunique aos de Amanhã para cuidarem eles do Agora — a que os pósteros chamarão Passado. Pois, no dizer do poeta brasileiro-nordestino-universal Manuel Bandeira, “só o passado verdadeiramente nos pertence. O presente… O presente não existe (…)”.

Parabéns, Arthur. Esta obra do Passado tem tudo para estar presente. Tem tudo para ter futuro. Tem tudo para permanecer no Tempo. Confirma-o o poeta brasileiro Dante Milano:

“O Tempo é um velho leitor, eterno leitor, atento e incansável. Nem um instante larga o livro.”

E finaliza:

“Parece que da vida só existe para o Tempo aquilo que ficou escrito. O resto desaparece, o Tempo não o lê”.

Pois é, Arthur. Está escrito.

***

Caxias, a partir deste instante, tem sua cronologia de fatos notáveis, seu calendário de eventos históricos.

Passado caxiense, doravante, é igual a Efemérides.

Pois efêmero, agora, só o presente…

EDMILSON SANCHES
edmilsonsanches@uol.com.br

____
Fotos: Caxias – foto panorâmica de Luís Borges. Balneário Veneza, em Caxias.

Ver mais

sem comentário »

176 anos do LICEU MARANHENSE – Inauguração do bicicletário

0comentário
FALA DA PROFA. DELZUITE DANTAS BRITO VAZ,  de História:

Caros Alunos,

Professores, Servidores,

Senhoras e Senhores

 

Pediram-me algumas palavras sobre o Liceu Maranhense. Como sabem todos, sou Professora de História; e os cacoetes da profissão nos fazem sempre iniciar pela História… Estou nesta casa de ensino – neste Palácio da Educação – desde 1979; muitos de vocês nem haviam nascidos… Já se passaram 35 anos, desde então… Este é o começo de uma história de amor…

 

Entre 4.200 a 4.500 alunos passaram pelas minhas aulas, nestes anos… Essa minha história, com o Liceu…

 

Quando lembro dos colegas professores que passaram por aqui, desde Sotero dos Reis, Estevam Rafael de Carvalho, Domingos Tribuzi, Frederico Magno de Abranches, Justo Jansen Ferreira, Sousândrade, José do Nascimento Moraes, Mata Roma, Antolio Lopes… Professores de História foram Candido Mendes de Almeida, Oscar Galvão, Fran Paxeco, José Ribeiro do Amaral, Correa de Araujo, Raimundo Lopes, Sá Valle, Jerônimo José de Viveiros, Monsenhor Mourão… Apenas para citar alguns colegas anteriores a nós… Daí nossa responsabilidade, como professores, de mantermos a tradição de (re) escrever a nossa História…

 

Vocês, alunos, devem sentir orgulho de sentar nas mesmas cadeiras que se sentaram Presidentes, Governadores, Desembargadores, Juízes, Advogados famosos, Jornalistas, Escritores… Profissionais das mais diversas profissões, todos homens e mulheres que fizeram parte de nossa História – e ainda fazem – passaram por esses bancos: Alex Brasil, Colares Moreira, Aluisio Azevedo, Aluisio Porto, Antonio Lobo, Artur Azevedo, Benedito Leite, Bernardo Almeida, Dunshee de Abranches, José e Evandro Sarney, Roseana Sarney, Gastão Vieira, Frutuoso Ferreira, Josué Montelo, Luis Augusto Cassas, Nascimento Moraes, Neiva Moreira, Nina Rodrigues, Urbano Santos…

 

Falar do Liceu, de sua História, é contar a História do Maranhão e a História do Brasil, de nossas Ciências, da construção da identidade brasileira e maranhense… pois todos os ramos e formas de conhecimento, de fazer política (aqui, no seu sentido amplo), foram influenciados por aqueles que passaram por essas portas, nos últimos 176 anos… sejam professores, servidores, alunos…

 

Pensem no privilégio que todos temos, por fazer parte dessa comunidade liceista… e na responsabilidade que temos, em manter essa tradição…

 

Somos liceistas… orgulhem-se disso, e nos orgulhem…

 

            “VICENTE TOMÁS PIRES DE FIGUEIREDO DE CAMARGO, Presidente da Província do Maranhão, faço saber a todos os seus habitantes que a Assembléia Legislativa Provincial decretou, e eu sancionei a Lei seguinte:

 

Art. 1o. Formar-se-á um Liceu na Capital da província com a reunião das seguintes cadeiras:

 

            1a. Filosofia Racional e Moral

            2a. Retórica e Poética

            3a. Geografia e História

            4a. Gramática Filosófica da Língua, e análise dos nossos clássicos

            5a. Língua Grega

            6a. Língua Latina

            7a. Língua Francesa

            8a. Língua Inglesa

            9a. Desenho

            10a. Aritmética, 1a. parte de Álgebra, Geometria, e Trigonometria Plana

            11a. 2a. Parte de Álgebra, Cálculo, e Mecânica

            12a. Navegação, Trigonometria Esférica, e Observações Astronômicas

            13a. Cálculo Mercantil, e Escrituração por Partidas Dobradas, formando esta                                                                

             Cadeira com a 10a. o Curso de Comércio, e as 10a., 11a. 12a. o de Marinha.

Art. 2o. Os Professores das Cadeiras mencionadas no artigo antecedente, ou existente, ou novamente criadas, formarão a Congregação do Liceu Maranhense, que organizará estatutos adequados, tanto ao método de ensino que se deve adotar. como ao bom regime das aulas.

Art. 3o. Os Estatutos serão feitos sob as seguintes bases: 1a.) Aula uma só vez no dia; 2a.) Feriados às 5a.-feiras, quando não houverem Dias Santos na semana; 3a.) Ferias pelo Natal, Semana Santa, e no fim do ano letivo, contanto que estas não excedam a dous meses em cada ano. Estes Estatutos serão organizados com a possível brevidade, e submetidos à aprovação da Assembléia Provincial, enquanto porém não forem definitivamente aprovados serão postos em execução com aprovação do Governo.

Art. 4o. O Liceu terá um Diretor, Secretário, e Porteiro nomeados pelo Governo. Os dous primeiros serão retirados dentre os Professores do Liceu, e perceberão, além dedos seus respectivos ordenados, uma gratificação equivalente à quarta parte dos mesmos cada um, e o último vencerá o ordenado de trezentos e cincoenta mil réis. As obrigações destes empregados serão designados nos Estatutos.

Art. 5o. Todas as Aulas Públicas provinciais ficam sujeitas à inspeção da Congregação do Liceu, que poderá servir-se de Inspetores de sua nomeação nos lugares fora da Capital para melhor desempenho desta obrigação.

Art. 6o. Os Professores das Cadeiras novamente criadas no Art.. 1o. vencerão o mesmo ordenado que atualmente vence o Professor de Filosofia Racional.

Art. 7o. Quando para reger qualquer das cadeiras da Província senão apresente em concurso cidadão algum brasileiro com os requisitos necessários, o Presidente da Província abrirá novo concurso para o qual serão também convidados estrangeiros que tiverem conduta regular, e a necessária idoneidade. Se neste segundo concurso, não se apresentarem nenhum cidadão brasileiro com os requisitos necessários para reger a Cadeira que se pretende prover, será admitido a exame o estrangeiro, e verificando-se que é idôneo a regê-la, será nela provido por tempo que não excederá a seis anos, findo o qual será a cadeira novamente posta a concurso. Quando porém no sobredito segundo concurso se não consiga ainda a habilitação de algum cidadão brasileiro, ou estrangeiro na forma referida, poderá o mesmo Presidente nomear dentre nacionais, ou estrangeiros quem sirva interinamente, renovando em tal caso o concurso todos os anos, e com a admissão dos estrangeiros até que se obtenha algum com os requisitos necessários.

Art. 8o. Os estudantes que fizerem o exame público, e forem aprovados nas matérias especificadas nos Estatutos depois de aprovados pela Assembléia receberão o grau de Bacharel em Letras.

Art. 9o. A Congregação apresentará todos os anos à Assembléia Legislativa Provincial, por intermédio do Governo, um Relatório circunstanciado do número e aproveitamento dos alunos, tanto do Liceu, como das Aulas Públicas da Província, acompanhando-o de observação tendentes ao melhoramento do ensino público.

Art. 10o. O Governo providenciará a respeito do edifício para o Liceu, assim como dos utensílios, e quaisquer despesas necessárias a este estabelecimento.

Art. 11. Ficam revogadas as disposições em contrário.

Mando, portanto, a todas as autoridades a quem o conhecimento e execução da referida Lei pertencer, que a cumpram, e façam cumprir tão inteiramente como nela se contém. O Secretário da província a faça imprimir, publicar e correr. Palácio do Governo do Maranhão, aos vinte quatro de julho de mil oitocentos e trinta e oito, décimo sétimo da Independência e do Império. Vicente Tomás Pires de Figueiredo Camargo.“. (O PUBLICADOR OFICIAL – 16/8/1838, in CARVALHO, Estevão Rafael de. A metafísica da contabilidade comercial. São Luís : Secretaria da Fazenda, 1987, Prefácio).

 

Comemoração dos 176 anos do LICEU MARANHENSE. Inauguração do bicicletário – ação em prol de uma melhor sustentabilidade e qualidade de vida.

Participantes da UFMA: Sérgio Souza, Isidoro Cruz Neto e Paulo Trindade Nerys Silva.

Foto de Sérgio Souza.
Foto de Sérgio Souza.
Foto de Sérgio Souza.
Foto de Sérgio Souza.
Foto de Sérgio Souza.
sem comentário »

EFEMÉRIDES CAXIENSES”: CAXIAS GANHA SUA MAIOR OBRA DE REFERÊNCIA –

0comentário

“EFEMÉRIDES CAXIENSES”: CAXIAS GANHA SUA MAIOR OBRA DE REFERÊNCIA

Neste dia 25 de julho de 2014 o município de Caxias e o estado do Maranhão ganham uma das principais obras de sua historiografia contemporânea. Será lançado às 20 h o livro “Efemérides Caxienses”, do historiador, professor e desembargador aposentado Arthur Almada Lima Filho. O evento ocorrerá na sede do Instituto Histórico e Geográfico de Caxias, na avenida Getúlio Vargas, 951, centro da cidade. Convidados de todas as partes do estado já se encontram em Caxias e outros ainda devem chegar até a hora do lançamento.

Arthur Almada revela que investiu pelo menos 30 meses na realização da obra, a partir das primeiras ideias até o lançamento. Mesmo durante a edição e até na hora da impressão foram feitos inclusões e reparos, o que, segundo Arthur Almada, de algum modo melhorou o conteúdo mas não isentou a obra de involuntárias falhas.

Uma segunda edição já está sendo pensada e ampliará o total de mais de 400 páginas atuais. Ainda assim, adverte o autor, “Efemérides Caxienses” não pretende ser completa ou perfeita.

* * *

AS “EFEMÉRIDES”

Uma viagem por quatro séculos de história, com diversos pontos de parada obrigatória. Afinal, em “Efemérides Caxienses”, de Arthur Almada Lima Filho, veem-se cerca de 500 entradas (unidades de textos iniciadas por um ano) as quais, só elas, as entradas, referem-se a quatro séculos de história.

Em relação a personagens, fatos e lugares, entre outros, o livro é também de riqueza ímpar. Do “A” do jornal “A Balaiada” ou do engenheiro Aarão Reis, presidente da Companhia Maranhense de Desenvolvimento que doou um martelo de prata para bater, em 1891, a primeira estaca do início da ferrovia que ligaria Caxias a Timon (na época, Cajazeiras), ao “Z” da professora Zuleide Bogéa, “Efemérides Caxienses” elenca, só no Índice Onomástico, mais de 2.200 nomes — e este total seria sensivelmente maior, bem maior, se a ele fossem agregadas as centenas e centenas de nomes próprios presentes no livro — ainda que, em alguns casos, “en passant”, mas assim mesmo objeto da Onomástica ou Onomatologia –, a saber, entre outros, os antropônimos (nomes de pessoas – prenomes, sobrenomes, cognomes, alcunhas, hipocorísticos, patronímicos, antonomásicos, pseudônimos); hierônimos e hagiônimos (nomes sagrados e de santos); mitônimos (deuses, semideuses, mitos, lendas); topônimos em geral ou nomes de lugares, como os corônimos (nomes de países, continentes, regiões), nesônimos (ilhas), orônimos (serras, montes, cordilheiras), politônimos (cidades), talassônimos (oceanos, mares), potamônimos (rios, riachos), limnônimos (lagos), topônimos urbanos (rua, avenida, praça); e intitulativos (instituições de ensino, de pesquisa e de serviços oficiais, estabelecimentos comerciais, periódicos, livros e textos literários isoladamente).

O arrolamento de nomes em um índice foi desejo, quase imposição, do autor, ele próprio sabedor (e sofredor) do quanto podem fazer falta listagens onomásticas no final de uma obra, em especial obras históricas e de referência. Desde os primeiros ensaios de edição do livro de Arthur Almada já se viam os primeiros inventários de nomes próprios presentes no conteúdo das “Efemérides”.

“Efemérides Caxienses” é um livro estimulador e facilitador para mentes desejosas de ir adiante, a partir do sem-número de indicativos que a obra sugere, explícita e implicitamente. Este é um livro cheio de bons e desafiadores “motes”, a serem desenvolvidos em verso(s) por aqueles que sabem sentir e sabem saber. “Efemérides Caxienses” entra com o fazer saber para alguém saber fazer. O livro dá pistas; seus leitores, procurem os tesouros.

É assim que”Efemérides Caxienses”, sem pretensão e com suas limitações, intenta ser útil aos historiadores e jornalistas, aos pesquisadores e professores, aos estudantes e estudiosos, aos cidadãos e a todo o povo, à História em geral e à historiografia local — também do estado, quiçá do país –: como indicador de que algo e alguém, algures ou alhures, passaram perto ou perpassaram por esta nossa terra, com seus feitos e fatos, seus pensamentos e atos.

“Efemérides Caxienses”, sabem-no os que sabem dos versos de Homero, dos escritos bíblicos, das inscrições rupestres, “Efemérides Caxienses” veio para ficar — pois todo livro é um diamante de papel, é eterno –, mas, sobretudo, vem para se abrir ou ser aberto pelas pessoas, para as pessoas.

Um livro, no mínimo, é para ser lido. Se não for pedir muito, um livro é para inspirar uma ação, ou reação — algo, de preferência, que contribua para colocar mais luz, mais brilho e mais calor (seja: mais vida) no corpus e locus da grande, rica, orgulhosa e única História de Caxias.

Nossa História.  Nossa Caxias.

EDMILSON SANCHES
edmilsonsanches@uol.com.br

Foto de Edmilson Sanches.
Foto de Edmilson Sanches.
sem comentário »

“O esporte e as Forças Armadas na Primeira República: das atividades gymnasticas às participações em eventos esportivos internacionais (1890-1922)”

0comentário

Estou escrevendo pois a Karina Cancella e eu gostaríamos de te convidar para o evento de lançamento do livro de autoria dela intitulado “O esporte e as Forças Armadas na Primeira República: das atividades gymnasticas às participações em eventos esportivos internacionais (1890-1922)” publicado pela Editora Biblioteca do Exército.

 livro_karinacancella


A obra versa sobre o processo de introdução das práticas de atividades físicas de forma sistematizada nas Forças Armadas brasileiras desde o século XIX, analisando os principais argumentos e usos adotados pela Marinha do Brasil e pelo Exército Brasileiro para a introdução das ginásticas e dos esportes no processo de treinamento de seus militares. Aborda também o movimento de transição das práticas corporais somente com objetivos de preparação militar para o esporte competitivo, a partir da fundação das Ligas Esportivas Militares em 1915, culminando com análises sobre a participação das Forças Armadas na organização e preparação de esportistas para eventos internacionais, como os Jogos Olímpicos de 1920 e os Jogos Esportivos do Centenário de 1922. Essa é a primeira obra publicada no Brasil na área de “História do Esporte Militar” e contém informações historiográficas inéditas e relevantes. 

O evento será no dia 15 de agosto às 10h no Palacete Laguna (São Cristóvão – RJ). Seria uma grande alegria poder contar com vossa presença e de demais interessados na temática.
lancamento_livro

Em anexo, segue o convite com todas as informações detalhadas.

Um forte abraço,
Leonardo Mataruna  e  Karina Cancella.

Prof. Dr. Leonardo Mataruna
Research Fellow – CTPRS
Coventry University – UK
sem comentário »

CEV Novidades – •O Estado e a Formulação de Uma Política Nacional de Esporte no Brasil

0comentário

Psicologia do Esporte: 5 Mentiras Sobre Psicologia Que Você Provavelmente Acredita

Posted:

  

Fisioterapia Esportiva: Fórum de Reabilitação em São Paulo. 13 a 15 de Agosto.

Posted:

  

Atividade Motora Adaptada: Fórum de Reabilitação .13 a 15 de Agosto de 2014. Sp

Posted:

  

Representações da Cultura Esportiva e da Mídia em Moçambique na Perspectiva do Desenvolvimento Humano.

Posted:

  

Legislação Desportiva – CEVLeis: Lei de Responsabilidade Fiscal no Esporte

Posted:

  

Legislação Desportiva – CEVLeis: Lei Nº 13.015, de 21 Julho de 2014.alteração Clt Matéria Recursal

Posted:

  

Psicologia do Esporte: Psicologia do Esporte e Copa do Mundo

Posted:

  

Sobre os Pontos de Partida da Produção Acadêmica

Posted:

  

O Estado e a Formulação de Uma Política Nacional de Esporte no Brasil

Posted:

  

Rugby: Seja Bem Vinda Thamires Pereira Matos

Posted:

  

Rugby: Seja Bem Vinda Flavia Lourenção Silva

Posted:

sem comentário »

•O Profissional de Educação Física e o Contexto do Trabalho em Equipe no Setor da Saúde : Uma Análise das Interações Interprofissionais

0comentário

Professores Universitários em EF: Educação Física no Enade 2013

Posted:

  

ANPPEF – Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Educação Física: Auxilio Para Busca de Patentes

Posted:

  

Tecido Circence : a Influência de Um Programa de Intervenção Motora no Desenvolvimento Motor, Percepção de Competência e Ansiedade de Crianças.

Posted:

  

Práticas Corporais Afro-brasileiras em Uma Realidade Quilombola no Paraná : Perspectivas de Uma Ação Interventora

Posted:

  

Personalidade e Estilo de Liderança : Um Estudo com os Técnicos de Voleibol na Superliga

Posted:

  

Percepção de Competência e Desempenho Motor : Um Estudo Correlacional com Escolares

Posted:

  

O Profissional de Educação Física e o Contexto do Trabalho em Equipe no Setor da Saúde : Uma Análise das Interações Interprofissionais

Posted:

  

Dopagem na Atividade Física e Esportes: Glasgow 2014

Posted:

sem comentário »