Badminton será uma das primeiras modalidades a abrir as portas para o clima olímpico no Rio de Janeiro

0comentário
Ainda pouco difundido no Brasil, o badminton será uma das primeiras modalidades a abrir as portas para o clima olímpico no Rio de Janeiro. Enquanto a vela disputa o seu evento-teste entre os dias 2 e 9 de agosto, na Baía de Guanabara, o badminton realiza, entre os dias 5 e 10, o Yonex Grand Prix Brasil de Badminton. A competição é uma etapa do circuito mundial e a primeira a ser realizada no país em toda a história.</p>
<p>“O Grand Prix do Rio de Janeiro faz parte da nossa estratégia para desenvolver o badminton, para gerar mais interesse na modalidade no Brasil, em particular, no Rio de Janeiro, que sediará os Jogos Olímpicos de 2016. O badminton já é um esporte em crescimento no Brasil e gostaríamos muito de torná-lo ainda mais popular, antes mesmo dos Jogos Olímpicos”, secretário geral da Federação Internacional da modalidade (BWF, na sigla em inglês).</p>
<p>Além de ótima oportunidade para os brasileiros conhecerem mais um pouco do esporte, será uma chance incrível dos atletas do Brasil disputarem uma grande competição em casa.</p>
<p>“Pela primeira vez a América do Sul está realizando uma etapa do Grand Prix, evento da BWF. Ter uma competição como essa no Rio de Janeiro, com tamanha importância, é fundamental para a preparação dos atletas e para o treinamento dos profissionais envolvidos nos Jogos Olímpicos de 2016. É um momento especial que o nosso esporte está vivendo antes do início das Olimpíadas”, disse Francisco Ferraz, presidente da Confederação Brasileira de Badminton (CBBd).</p>
<p>Ao todo, 107 atletas (64 homens e 43 mulheres) de 20 países competirão no ginásio da comissão de desportos da Aeronáutica, no Campo dos Afonsos, Zona Oeste do Rio de Janeiro, em cinco modalidades: simples masculino, simples feminino, dupla masculino, dupla feminino e dupla mista. O Brasil será o país com mais representantes (33) e já figura como uma das maiores apostas da BWF. Além da etapa do Grand Prix, o país receberá um programa de desenvolvimento da modalidade.</p>
<p>Fonte: CBBd

Ainda pouco difundido no Brasil, o badminton será uma das primeiras modalidades a abrir as portas para o clima olímpico no Rio de Janeiro. Enquanto a vela disputa o seu evento-teste entre os dias 2 e 9 de agosto, na Baía de Guanabara, o badminton realiza, entre os dias 5 e 10, o Yonex Grand Prix Brasil de Badminton. A competição é uma etapa do circuito mundial e a primeira a ser realizada no país em toda a história.

“O Grand Prix do Rio de Janeiro faz parte da nossa estratégia para desenvolver o badminton, para gerar mais interesse na modalidade no Brasil, em particular, no Rio de Janeiro, que sediará os Jogos Olímpicos de 2016. O badminton já é um esporte em crescimento no Brasil e gostaríamos muito de torná-lo ainda mais popular, antes mesmo dos Jogos Olímpicos”, secretário geral da Federação Internacional da modalidade (BWF, na sigla em inglês).

Além de ótima oportunidade para os brasileiros conhecerem mais um pouco do esporte, será uma chance incrível dos atletas do Brasil disputarem uma grande competição em casa.

“Pela primeira vez a América do Sul está realizando uma etapa do Grand Prix, evento da BWF. Ter uma competição como essa no Rio de Janeiro, com tamanha importância, é fundamental para a preparação dos atletas e para o treinamento dos profissionais envolvidos nos Jogos Olímpicos de 2016. É um momento especial que o nosso esporte está vivendo antes do início das Olimpíadas”, disse Francisco Ferraz, presidente da Confederação Brasileira de Badminton (CBBd).

Ao todo, 107 atletas (64 homens e 43 mulheres) de 20 países competirão no ginásio da comissão de desportos da Aeronáutica, no Campo dos Afonsos, Zona Oeste do Rio de Janeiro, em cinco modalidades: simples masculino, simples feminino, dupla masculino, dupla feminino e dupla mista. O Brasil será o país com mais representantes (33) e já figura como uma das maiores apostas da BWF. Além da etapa do Grand Prix, o país receberá um programa de desenvolvimento da modalidade.

Fonte: CBBd

sem comentário »

CEV Novidades – •Panathlon: Conclusões do X Congresso Panamericano de Guaiaquil

0comentário

Panathlon: Conclusões do X Congresso Panamericano de Guaiaquil

Posted:

  

Relação Entre Freqüência Cardíaca e Consumo de Oxigênio

Posted:

  

Legislação Desportiva – CEVLeis: Projetos Desportivos Ministerio do Esporte

Posted:

  

Legislação Desportiva – CEVLeis: Xxii Conferencia Nacional dos Advogados 2014

Posted:

  

Treinamento Desportivo: Quem é Responsável Pela Carreira de Treinador?

Posted:

sem comentário »

CEV Novidades – •A Formação do Profissional de Educação Física Para Atuar na Educação do Campo

0comentário

CBCE – Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte: Boletim de Notícias do Cbce – 30/07/2014

Posted:

  

Educação Física e Esporte: Cev, 18 Anos em 30/7/2014. Agradecimento Aos Cevnautas

Posted:

  

Educação Física em Alagoas: Oportunidade Trabalho em Educação Física em Alagoas

Posted:

  

Educação Física no Rio de Janeiro: Oportunidade de Trabalho em Ginástica Laboral no Rio de Janeiro

Posted:

  

Ginástica Laboral: Oportunidade de Trabalho. Ginástica Laboral. Rj.

Posted:

  

A Formação do Profissional de Educação Física Para Atuar na Educação do Campo

Posted:

  

Proposta Curricular de Santa Catarina e a Formação Continuada na Gered de Criciúma/sc: a Continuidade da Descontinuidade

Posted:

  

Sonhos no (de)gelo: a Análise Fílmica na Perspectiva da Estética Lukacsiana

Posted:

  

As Dimensões da Avaliação na Educação Física Escolar: Uma Análise da Produção do Conhecimento

Posted:

  

As Danças Folclóricas no Currículo de Educação Física do Estado de São Paulo: a Elaboração de Um Blog

Posted:

  

Educação Física em São Paulo: Rio 2016: The Olympic Games And Sustainable Water Management

Posted:

  

Legislação Desportiva – CEVLeis: Reversão de Atleta Profissional Para Amador

Posted:

  

Rio 2016: Rio 2016: The Olympic Games And Sustainable Water Management

Posted:

  

Legislação Desportiva – CEVLeis: Programa Casa de Direitos

Posted:

sem comentário »

1º DESAFIO UFMA de Corridas de Rua – inscrições abertas

0comentário
1º DESAFIO UFMA de Corridas de Rua.<br />
Dia:28/09/14 - 4.8km e 9.5km<br />
Inscrições: https://centraldacorrida.com.br/1o-desafio-ufma-de-corridas-de-rua<br />
INSCRIÇÕES ABERTAS

1º DESAFIO UFMA de Corridas de Rua.
Dia:28/09/14 – 4.8km e 9.5km
Inscrições: https://centraldacorrida.com.br/1o-desafio-ufma-de-corridas-de-rua
INSCRIÇÕES ABERTAS

º DESAFIO UFMA de Corridas de Rua. Dia:28/09/14 – 4.8km e 9.5km Inscrições: https://centraldacorrida.com.br/1o-desafio-ufma-de-corridas-de-rua
INSCRIÇÕES ABERTAS
sem comentário »

86 ANOS DO PROF. DIMAS – ANTONIO MARIA ZACHARIAS BEZERRA DE ARAUJO…

1comentário

ANTÔNIO MARIA ZACHARIAS BEZERRA DE ARAÚJO, aliás, Dimas

  10568873_339601086190817_3108066345090226523_n Antes de iniciarmos a trajetória de vida do Professor Dimas, é bom que se esclareça a origem de seu apelido. Segundo o próprio Dimas, seu nome de família é “Tonho”, que vem de Antônio [Antônio Maria Zacharias]; no Exercito, seu nome de guerra era “Zacharias”; quando retornou ao Maranhão, em 1954, passou a morar com o irmão. Seu irmão tinha uma loja – Casa Dimas -, e as pessoas ao perguntarem quem era, recebiam a resposta de que era o irmão do Dimas; então passaram a chamá-lo de Antônio Dimas. Começando a trabalhar com Educação Física, do dia para a noite passaram a chama-lo de Professor Dimas.

 

Antônio Maria Zacharias Bezerra de Araújo nasceu em 30 de julho de 1928 na cidade de Mirador, Estado do Maranhão. Filho legítimo de Fernando de Araújo Costa e Eloína Bezerra de Araújo, maranhenses. Eram sete irmãos. Casado com Maria da Graça Martins de Araújo, com quem teve seis filhos biológicos, “fora os criados” : Maurício (engenheiro, e técnico de basquetebol) Viviane (professora de Educação Física); Denise (professora de Educação Física); Silvana (professora de Educação Física); Rildo (instrutor de natação); e Hélio (ligado ao teatro); dos filhos adotivos, sente muito orgulho de Letícia (cursa Medicina)

 

Os estudos e os primeiros contatos com os esportes e a educação física: Seu pai era fazendeiro, pequeno proprietário – criador de gado, plantava cana, mantinha um pequeno engenho, para o fabrico de rapadura. Sua infância, passada na fazenda localizada num lugar chamado Mumbuca, ficava 12 léguas a cavalo da cidade, pois não havia estradas. Na fazenda, tinha contato com cavalo, com boi, ajudando muito ao pai no serviço da roça, nos afazeres com o engenho de cana, com o fabrico da rapadura, com caça e as brincadeiras de crianças de fazenda. Para estudar, tinha que ir para a casa de tios, na cidade. Os pais continuaram lá, na Fazenda Mumbuca. Aos 11 anos, em 1939, sua tia Delcina o trouxe para Mirador, para estudar. Daí, mudaram para Coroatá; depois, Timbiras e Coelho Neto, onde permaneceram até 1942.

 

Seu primeiro contato com o esporte foi em Coroatá, já com 13 ou 14 anos; seu tio era o Prefeito. Fez amizades e teve sua primeira experiência em jogar futebol. Quando estava no quarto ano, veio para São Luís, submeter-se ao exame de admissão – era1944 – no Colégio Ateneu Teixeira Mendes; não conseguindo passar, que sua base era muito pequena; então fez para o Colégio de São Luiz. Estudou um ano no Colégio São Luís, depois conseguindo transferência para o Liceu Maranhense, lá permanecendo até 47. Também estudou no Colégio Maranhense, dos Irmãos Maristas. Terminou o ginásio no Rio de Janeiro, no Colégio Frederico Ribeiro.

 

No Liceu começou a sua vida esportiva, participando do time de futebol, e tendo como professor de Educação Física, José Rosa. Esse professor foi quem despertou no jovem Tonho o gosto pela Educação Física. Participava até de demonstração de Educação Física; foi quando começou a se desenvolver – pegar corpo -; as aulas eram de Ginástica Geral e Calistenia; no Liceu, só futebol e ginástica de um modo geral, muitos exercícios acrobáticos, salto, mas sem as característica de ginástica – o nome era esse, ginástica acrobática.

 

É no Exército que continua a sua vocação esportiva, embora não tivesse experiência nenhuma antes; passou a se envolver mais com os esportes -, participava nas aulas de preparação física, com destaque; jogava futebol, bola militar, mas não chegou a ser destaque nenhum.

 

Antes de estudar no Liceu Maranhense, Dimas estudou no Marista e teve um primo distante, Eurípedes Bezerra, como professor de educação física Nas aulas de educação fisica, utilizava-se o método francês, a modalidade de ensino era: os exercícios preparatórios e propriamente ditos, constituía-se evoluções de marchas e depois os exercícios de saltar, trepar, levantar, e despertar, correr, atacar e defender e volta a calma, exercícios progressivos sem solução de continuidade. Era o mesmo método trazido pela Colônia Francesa, pela Missão Francesa em 1922, para o Brasil.

CLAUDIO VAZ, JOAQUIM HAICHEL, DIMAS

CLAUDIO VAZ, JOAQUIM HAICHEL, DIMAS

O SARGENTO ZACHARIAS Em 1948, Tonho já estava com 19 anos de idade, e serviu o Exército, no 24º Batalhão de Caçadores, unidade do Exército Brasileiro em São Luís. Deixa de ser “Tonho” e passa a ser “Zacharias”, seu nome de guerra no Exército. Durante seu tempo de quartel, fez exame de admissão para a Escola de Sargentos.

 

Já havia dado baixa, quando chegou a convocação: havia sido aprovado. Segundo Dimas, naquela época, não tinha faculdade, não tinha nada, as opções dos maranhenses ou era ir para o comércio, ou trabalhar nas Forças Armadas. Ele foi para as Forças Armadas, mas não para a Escola de Oficiais, pois não tinha mais idade, nem tinha estudo – ainda não terminara o ginásio – cursara até a terceira série, no Liceu.

 

Naquele ano de quartel, não estudou, perdendo mais um ano. A salvação foi a Escola de Sargentos; e de 200 candidatos, foram selecionados apenas 12.

 

Em fevereiro de 49, pega um navio – da linha ITA – e viaja 12 dias e 12 noites, para o Rio de Janeiro Dimas encontrou um conterrâneo, maranhense de Guimarães, no Rio de Janeiro: Ary Façanha de Sá, que já morara com ele na pensão da Rua Afonso Pena, quando ambos chegaram a São Luís para cursar o ginásio. Quando Dimas foi para o Rio de Janeiro, Ary já era estrela.

 

A vida do jovem militar era muito diferente da do jovem estudante, por essa razão tinham pouco contato. Por ser militar, Dimas não tinha vida esportiva civil; só no Exército disputava campeonatos das Forças Armadas, chegando a participar de alguns jogos de Basquetebol em um time do bairro de Realengo.

 

Dimas faz uma carreira brilhante no Exército, como Sargento. Pertenceu ao Batalhão de Guarda Presidencial, onde começou a se destacar em tudo, não só nos esportes, mas na carreira, tendo subido muito rapidamente em prestígio com seus comandantes. Depois foi para a Polícia do Exército, onde passou a treinar sistematicamente, então melhorando não só nos 400 m, passando a correr também 1.500m e a partir daí a sua vida esportiva foi cada vez mais se ampliando. Seu destaque mesmo foi no Atletismo e nas demonstrações de Educação Física.

 

A PE dava demonstrações constante de ginástica Calistenica e ginástica acrobática. Dimas destacava-se na Pista de Aplicações Militares, era como uma atividade de preparação física, pois levara já alguma experiência daqui: corridas, e jogos de volei e basquete.

 

No 24 BC, especializou-se em Tiro ao Alvo – fuzil -. Já no Rio de Janeiro, disputou o Campeonato das Forças Armadas, de tiro rápido de pistola – segundo lugar de todas as Forças Armadas, com uma pistola do dia a dia, de fazer patrulha. O Pentatlo foi uma conseqüência dos seus pré-requisitos, pois quando terminou o curso de Educação Física, e voltou para a PE, a equipe já estava treinando, se preparando para este Pentatlo, e um dos sargentos caiu do cavalo, se machucou e teve que ser substituído, já estava próximo das provas; precisavam de uma pessoa para substituir aquele sargento que adoeceu.

 

Como tinha vindo do curso de Educação Física, lá teve natação, esgrima, já tinha experiência de corrida e de tiro, faltava hipismo – cavalo -; sua experiência com cavalos vinha do sertão, correndo atrás de vaca; ainda teve a oportunidade de fazer uns dois cross-country, a cavalo, só para se adaptar, que nunca tinha montado num cavalão daquele – salto obstáculo, em altura e distância, são dois mil metros de cross-country -, então descia ladeira, subia ladeira, saltava; esgrima e natação, só havia feito no curso; não era nem nadador, nem lutador de esgrima, não era preparado para competir, mas mesmo assim o jogaram na fogueira… Saiu-se bem na prova de equitação – caiu uma vez só, porque o cavalo refugou em cima do obstáculo -, dimas copa “VOU PARA SÃO LUÍS, CRIAR GALINHA …” Dimas deu baixa no começo de 54, e retorna a São Luís, já como civil – Oficial do Exercito da reserva, mas sem nenhum direito a remuneração.

 

Tendo conseguido registrar seu diploma no MEC, por intermédio de um advogado, chegando a São Luís seu meu primeiro emprego foi exatamente no Ateneu, como professor de Educação Física.

 

Sua pretensão era voltar àquela origem de fazendeiro, de criador, pois antes de retornar ao Maranhão fez – como pretendia, com o meu irmão, explorar agropecuária, – cursos de Agricultura, nas férias. Foi o primeiro maranhense que fez o Curso de Inseminação Artificial para Bovinos, na Fazenda Experimental do Governo, em Barão de Gil Paraná, em Vassouras; mas nunca utilizou.

 

O negócio com o irmão não teve muito êxito; tentaram botar uma granja, uma vacaria, mas essa experiência não foi muito feliz. Paralelamente, passou a trabalhar como professor de Educação Física, no Ateneu, na Academia de Comércio. Naquela época, a Educação Física se dava às 05:00 horas da manhã, com muita dificuldade, sem muita perspectiva; as atividades eram só calistenia e um joguinho, uma coisa, e a motivação era um pouco pequena, porque não tinha quadra, não tinha nada; as aulas eram dadas no campo do Moto, Campo do Santa Izabel.

 

Atuava também como Professor de Natação,no Jaguarema – foi o primeiro professor de natação do Jaguarema, em 55 ou 56. Lá foi a primeira escola de natação. Nessa época também começou a dar aula em duas piscinas que existiam aqui na época, da família Domingos, na Rua Grande; e a outra piscina era do senhor Almir Moraes Corrêa, perto da Igreja de São Vicente de Ferrer, que existe ate hoje a casa dele, no lado da Igreja. Nessa mesma época, jogava Basquetebol pelo Moto Clube, no Campo do Santa Isabel.

 

Em 54, foi seleção maranhense, indo disputar o Brasileiro em Recife – Dimas, Rubem Goulart; Antônio Bento; Vieirão, Major Vieira; Bebeto, também da Policia; Willame Najas…

 

Jogava voleibol menos, mas jogava … não se lembrando de alguém que se destacasse, por exemplo, assim como tinha seis, sete clubes de basquetebol, não tinha de voleibol. O voleibol veio se destacar já mais para a frente, no Cassino Maranhense; Dimas lembra de algumas pessoas, que estavam sempre jogando – Murilo Gago, Rubem Goulart, Braga que jogava, Alemão, Mauro…

 

Passagem pelo Futebol – nessa época, era professor de dois colégios, do Jaguarema e jogava Basquetebol no Moto; e teve uma passagem pelo futebol também: foi Técnico da Seleção Maranhense de Futebol, mas só para dar o nome, não se lembrando se era um Campeonato Brasileiro, se era um campeonato regional; lembra que foram ao Pará e perderam Embora oCoronel Eurípedes afirma ser ele o introdutor do Futebol de Salão em São Luís, e que Dimas continuou o seu trabalho, quando retornou do Rio de Janeiro, Cláudio Vaz, o Alemão, esclarece que, quem deu o início do Futebol de Salão, foi João Rosa – um desportista que comandou a liga, era presidente da Liga.

 

VOU “M’EMBORA PRO” PINDARÉ Após essa primeira passagem pela Educação Física e nos esportes, antes de ir para o Pindaré. Dimas casa-se e seu sogro, um alto comerciante da época entendeu de montar uma Usina muito grande no Pindaré, naquela época, o celeiro da produção de arroz no Maranhão; era mato ainda, estava sendo descoberto. Dimas vai para construir a Usina, a maior Usina daquela época, Usina Uirapurú, com uma produção de arroz muito grande. Esporte e Lazer em Pindaré Quando foi para o Pindaré, levou na minha bagagem uma rede, uma bola de voleibol e uma vaca de leite. Criou um time de voleibol, de futebol de salão, um clube social, futebol de campo Além de se dedicar aos esportes, Dimas dava aulas nos colégios primários da cidade, “… mas tudo isso altruisticamente, sem fins lucrativos; organizou parada de 7 de setembro, desfile de colégios, mas isso só pela boa profissão, pelo bom desenvolvimento… “Quiseram me fazer Prefeito” Quando José Sarney estava fazendo a campanha para Governador do Maranhão, esteve na casa de Dimas, levado pelo seu sogro, José Espicho, que era conhecido dele. Nessa ocasião, convidou Dimas para ser prefeito de Pindaré Mirim e o apoiando ele para ser governador. Nessa época, Sarney estava tentando derrubar o Vitorinismo e Newton Bello.

 

O último canto da Uirapurú: a falência da usina O sogro de Dimas que um audacioso comerciante, contando muitas vezes com a sorte. Investiu demais no Pindaré Mirim; montando três Usinas, uma de arroz, uma de algodão e uma de madeira. Nessa época para a comercialização, tinha que ter muito capital de giro para ser manter, e contavam com os bancos. Essa ajuda, devido as circunstâncias políticas da época, faltou. Veio a quebra…

 

“ENDOIDEI NO PINDARÉ, VIM CRIAR JUÍZO”: A VOLTA A SÃO LUÍS Dimas, com seis filhos e sem mais nenhum patrimônio, larga o Pindaré e vem embora, devendo três bancos. Tinha ainda algum gado, que trouxe. Vende uma parte, paga alguns débitos, mas não deu para pagar tudo. Leva três anos para pagar o que ficou devendo, usando para isso o salário de professor de Educação Física: passou três anos trabalhando no CEMA, sem receber um tostão pois o meu dinheiro ia direto da tesouraria do CEMA para o Banco do Estado do Maranhão, num contrato que eu fez para pagar as contas…

 

Quando voltou do Pindaré, em 69, no começo do ano, foi procurar emprego, indo trabalhar no Colégio Batista Daniel de La Touche e no Colégio Maranhense, dos Irmãos Marista, e fez um curso para ir para o CEMA. No CEMA, fez uma carreira como a do Exército, tendo passado por todas as funções- começou dando aulas de Educação Física, em cima da piçarra; depois foi para o Parque do Bom Menino; depois passou a dar aulas pela televisão; depois, programador; e curriculista. Quando saiu do CEMA, já tinha passado por todas as funções…

 

Primeiras notícias sobre o Handebol… Dimas é considerado o introdutor do Handebol no Maranhão. Teve contato com o esporte em um curso, ministrado pelo Major Leitão; nessa época, ele falou sobre Handebol, mas nem chegou a dar aulas de Handebol. Veio realmente ver Handebol mesmo nos JEB’s, mesma época em que teve contato com a Ginástica Olímpica.

 

Os Professores de Educação Física … Segundo Dimas, em 1970, atuam como professor de Educação Física, em São Luís: no Batista: Rubem Goulart tinha morrido, e Dimas assume seu cargo; no Marista: Eurípedes, Nego Júlio e Furtado; no Ateneu não tinha mais ninguém; mas haviam outros professores, trabalhando nessa época: Odinéia; Clarice; Maria José; Ildenê Menezes, Dinorah; Clarice Lemos; Celeste Pacheco; Graça Helluy, Luiz Aranha; Rui Guterres; Batista; Cavagnac…

 

e as aulas Em 1969, ao voltar do Pindaré, Dimas já encontra o setor de educação física organizado, Mary Santos, no Departamento de Educação Física do Estado, e havia um outro no Município; já se cumpria a obrigatoriedade da lei, com as três horas semanais, mínimo de 45 minutos, dentro da legislação vigente. Dimas foi dar aulas no Batista – onde o professor Rubem Goulart que dava aula, era recém falecido. As aulas no Colégio Batista, encontrou-as muito rudimentar, só mesmo na base da ginástica, futebol de salão e um voleibolzinho. O Currículo já era voltado para o esporte, agora se existia alguma deficiência deveria ser de instalações dos colégios e talvez dos próprios profissionais de Educação Física. A chegada de Dimas no Marista modificou substancialmente a concepção que se tinha da educação Física, pois pela experiência, ele passou a funcionar como conselheiro dos demais professores – ex-atletas -, que trabalhavam empiricamente, de improviso, e o Dimas chegou, com os conselhos que deu, esses professores passaram a dar um cunho mais de profissionalismo na educação física; muitos fizeram o curso de Suficiência. Dimas começa a ter influencia junto à instituição organizadora dos esportes, na época era o DEFER.

 

Os esportes: Quando Dimas retornou a São Luís, vindo do Pindaré, encontrou os esportes de competição muito fraco, devagar, só Futebol e Futebol de Salão, mas de Colégio era só isso, tanto que houve um jogo de Basquetebol, entre Batista e São Luís, na época de Rubem Goulart, que terminou de 1×0, uma cesta de lance livre, isso é uma história do folclore dos esportes, o Basquetebol do Maranhão, a nível de Colégio, era esse nível aí… Em 55, 56, tinha um Basquete muito bom, Rubem Goulart, Ronald Carvalho, Fabiano, Cláudio Alemão, aquele pessoal do Oito de Maio, dos Milionários mas só adulto, a nível de colégio mesmo, não tinha nada, porque esses adultos já tinham terminado o Colégio e continuaram em faculdade, em clubes, em quartéis; muitos serviram o Exército – eram as experiências vindas de fora, não era como hoje que os esportes do Maranhão vem tudo do colégio -, naquela época não, está o inverso hoje.

 

A Introdução do Handebol Tanto que quando começou a trabalhar com os esportes nos colégios, para dar uma aula de Handebol, era uma luta muito grande, quando chegava na quadra, já estava ocupada com futebol de salão, então, para tirar esses alunos para dar uma aula de iniciação de Handebol, era uma guerra, era preciso moral. Em 1969, Mary Santos convidou Dimas para auxiliá-la junto à Coordenação de Educação Física do Estado; em 1970, teve os II JEB’s, em Curitiba, e o Maranhão não tive condições de participar.

 

Os III Jogos Estudantis Brasileiros, em Belo Horizonte Em 1971, estavam acontecendo os III JEB’s, em Belo Horizonte; Dimas toma a iniciativa de ir a para Belo Horizonte, por sua conta, para assistir os III JEB’s, para poder trazer alguma experiência. Saber o que eram os JEB’s. Chegando em Belo Horizonte com pouco dinheiro no bolso, foi para o Comitê Central e procurou por Ary Façanha de Sá, e relatou a situação – sua e do Maranhão – que passara dez anos fora, voltando a trabalhar com Educação Física, e a professora Mary Santos vivia o desafiando para trazer a equipe e estava desatualizado; que fora a Belo Horizonte para ganhar experiência, ver e se atualizar; Ary o recebeu muito bem, não só com maranhense, mas como a necessidade do Maranhão entrar no esquema; deu-lhe uma credencial de delegado do Maranhão, colocou em Hotel, e acesso a tudo, passando a assistir tudo; foi quando voltou a ter contato com a Ginástica Olímpica e com o Handebol…

 

Voltou a São Luís apaixonado pelos dois esportes e com material de Handebol, dado pelo Ary; as primeiras bolas de Handebol que chegaram no Maranhão foram essas e foram com elas que começou a trabalhar no Colégio Batista, no Colégio Marista e no CEMA. Dentro de pouco tempo, o Handebol tornou-se um esporte muito bem aceito nos três colégios que trabalhava.

 

Nessa época Cláudio Vaz que tinha assumido o lugar de Mary Santos. Quando retornou, informou-o do que eram os JEB’s, que tinha trazido aquele material e que já estava começando a trabalhar.

 

Nesse mesmo ato teve FEJ [Festival Esportivo da Juventude] que naquela época era festival, e foi quando Handebol entrou pela primeira vez. o Governador era Pedro Neiva de Santana, com quem o Cláudio Vaz tinha tudo; Haroldo Tavares era o Prefeito; e Jaime Santana, filho de Pedro Neiva, era o Secretário de Finanças; e foi daí que o Maranhão foi para o JEB’s pela primeira vez, de avião fretado, com muito dinheiro exatamente por isso.

 

Naquele primeiro Festival o Handebol entrou pela primeira vez, foram quatro equipes, três minha (Batista, Marista e CEMA) e Liceu, que naquela época tinha uma turma também de rapazes que faziam tudo, jogavam futebol, futebol de salão, volei, basquetebol e que inclusive se meteram para jogar Handebol também; então eram os quatro times, que disputou a primeira vez e a final, o ultimo jogo para sair o campeão foi entre Batista e Marista, meus dois times. Dimas, em parceria com o Cláudio Vaz, foi o grande mestre do Festival da Juventude, que virou JEM’s em 1973.

 

A “importação” de professores, técnicos e atletas Cláudio Vaz começou a trazer técnicos e atletas de fora, para continuar o trabalho iniciado por Dimas. O primeiro a chegar, foi Laércio Elias Pereira, depois, Marcão, Biguá, Vitché…. Com a chegada de Laércio, Dimas passa o Handebol para ele e passa a me dedicar mais à Ginástica Olímpica; com Natação, principalmente em aulas particulares, em piscinas particulares e à outras coisas. Dimas e Laércio procuravam entre os melhores alunos, os preparavam, e os deixam nos diversos estabelecimentos de ensino, para atuarem como técnicos, formando toda uma geração de atletas-professores. A influência de Dimas em toda uma geração de jovens atletas foi tamanha, que até hoje, trinta anos após, estes pequenos ginastas de outrora tornaram-se os responsáveis pelo esporte no Maranhão, e continuam honrando a posição de destaque ocupado pela Ginástica Olímpica maranhense no Brasil:

 

A EDUCAÇÃO FÍSICA NA UFMA Quando a prática de Educação Física se tornou obrigatória no terceiro grau, nossa Universidade teve necessidade de implantação do curso. O reitor solicitou do MEC que mandasse uma pessoa para fazer a implantação, e foi indicada uma maranhense e como já eram conhecidos, ela convocou Dimas para ajudar na implantação. Eu entrei na Universidade logo na implantação das práticas de Educação Física  

 

O Professor de Recreação – uma filosofia de/para a vida… A última disciplina que Dimas lecionou na Universidade foi Recreação, na qual se dediquei muito nos últimos anos. Para Dimas, na Recreação o aluno tem oportunidade de vivenciar tudo – percepção, iniciativa, todas as diferentes percepções espaço temporal, manual – e o aluno descobre o seu gosto, o seu jeito, a maneira dele se desempenhar sua coordenação motora, então ele vai descobrindo tudo nas aulas de recreação e dali para entrar no esporte já é um passo, que ele vai vivenciar todas as formas de habilidade motora e percepções; a recreação é uma atividade que trabalha perfeitamente as três áreas, motora, cognitiva e afetiva

 

” Fui professor de Educação Física, olhando sempre a Educação em primeiro lugar …” Dimas sempre trabalhou, em Educação Física, olhando o homem em seu global, preparando o homem para ser um grande cidadão, um grande profissional e com as sua saúde e aptidões atléticas para ocupar bem as suas horas livres, as suas horas de lazer, e aqueles que quiserem ser transformado num grande campeão, ganhar medalha e troféu também. Essa foi a forma como foi professor de Educação Física, olhando sempre a Educação em primeiro lugar e o desenvolvimento global do homem.

 

A TÍTULO DE CONCLUSÃO                            

 

Algumas palavras que definem Dimas, ditas por seus colegas e ex-alunos: “querido professor”; “mestre”; “educador”; “um mito”; “exemplo”; “bom companheiro”; “estudioso”; “dedicação, responsabilidade, justiça e determinação, são sua marca”; “sempre trabalhou com paz e amor”; “principal personagem da Educação Física no Maranhão”. Essa é a trajetória de vida do nosso “Querido Professor Dimas“.

 

Bibliografia ALBERTI, Verena. HISTÓRIA ORAL – a experiência do CPDOC. Rio de Janeiro : FGV/CPDOC, 1990 CORRÊA, Carlos Humberto P. HISTÓRIA ORAL – Teoria e prática. Florianópolis : UFSC, 1978 SILVA, M. Alice Setúbal: GARCIA, M. Alice Lima: FERRARI, Sônia C. Miguel. MEMÓRIAS E BRINCADEIRAS NA CIDADE DE SÃO PAULO NAS PRIMEIRAS DÉCADAS DO SÉCULO XX. São Paulo : Cortez, 1980

1 comentário »

CRONOGRAMA JUMS 2014

0comentário

MENSAGEM DO PRESIDENTE

O esporte nacional tem vivenciado atualmente grandes conquistas, vem se
consolidando como uma das forças emergentes no cenário esportivo mundial. Nossas
conquistas internacionais aliadas a responsabilidade de organizar os Jogos Olímpicos do Rio
(2016) e a Universíade (Brasília 2019) nos enchem de motivação para trabalhar com ainda
mais empenho e intensidade pelo desenvolvimento do país através do esporte.
Sabemos a importância do desporto universitário como um dos meios de desenvolver o
esporte nacional, ferramenta fundamental para o desenvolvimento e transformação do país.
Reconhecemos que a união entre educação e esporte é o grande estímulo para a organização
das seguidas edições dos Jogos Universitários Maranhenses (JUMs) e Jogos Universitários
Brasileiros (JUBs).
Assim, além do aspecto esportivo, esses eventos tem um caráter social de igual
importância. Neste sentido, em parceria com as Instituições de ensino, com as Secretarias de
Esporte do Estado do Maranhão e do Município de São Luís, a Federação Acadêmica
Maranhense de Esporte vem trabalhando de forma comprometida com esse desafio e vem
alcançando sucesso. Desta forma, temos certeza que estamos contribuindo também para o
desenvolvimento esportivo e social do Maranhão e do Brasil.
Em 2014 os Jogos Universitários Maranhenses serão realizadas em São Luís (MA) de 22
a 29 de agosto, tem como principal objetivo o constante aprimoramento da competição. O
cumprimento dos cronogramas e das diretrizes do evento será fundamental para que os
atletas participantes e as instituições de ensino aproveitem da melhor forma possível os
benefícios da competição e da prática esportiva.
Saudações Desportivas Universitárias,
Marcio Ribeiro Alves
Presidente

 

CRONOGRAMA JUMS 2014
DATA LIMITE PROCEDIMENTO FORMA
21/08/2014
Sexta – feira
Confirmar a inscrição da modalidade e gênero no site
da CBDU
(www.cbdu.org.br).
Site CBDU
22/08/2014
Pagamento da taxa de INSCRIÇÃO da INSTITUIÇÃO e
dos ATLETAS
Depósito no Banco
23/08/2014
Sábado
Inscrever nominalmente os seus representantes (atletas
e dirigentes) em cada uma das provas/categorias nas
modalidades individuais (Atletismo, Judô, Natação,
Volei de Praia e xadrez) e nas modalidades coletivas
(Basquetebol, Handebol, Futsal, Voleibol), no site da
CBDU. (www.cbdu.org.br).
Site CBDU
25/08/2014
Segunda – feira
Data limite entrega das FICHAS DE INSCRIÇÃO
01 (modalidades), 02 (coletiva), 03 (individual) Entregar na CCO
28/08/2014
Quinta – feira CONGRESSO TÉCNICO Presencial em local
a definir
29/08/2014
Sexta – feira ABERTURA DOS JOGOS A definir
De 29/08 a 05/09 Período da competição

sem comentário »

CEV Novidades – •Planejamento, Ações e Financiamento Para o Esporte em Tempos de Megaeventos

0comentário

Mídia e Esportes: Alunos da Ufs Fazem Reflexão Sobre a Mídia…

Posted:

  

Futebol: Palmeirenses Que Quebraram Cadeiras São Identificados, e Agora?

Posted:

  

As Equipes Colaboradoras do Programa Segundo Tempo e Suas Contribuições Para o Desenvolvimento de Uma Política de Esporte Educacional

Posted:

  

Políticas Públicas de Esporte e Lazer e Gestão da Informação: Incidência da Rede Cedes Como Foco em Pesquisas Acadêmicas

Posted:

  

Em Tempos de Megaeventos: as Políticas Públicas de Esportes em Uma Cidade do Interior de Minas Gerais

Posted:

  

Planejamento, Ações e Financiamento Para o Esporte em Tempos de Megaeventos

Posted:

  

Produção Científico-acadêmica em Políticas Públicas de Esporte e Lazer no Brasil

Posted:

  

Educação Física Militar: Siafis 2014.

Posted:

  
sem comentário »

COM UMA PEQUENA AJUDA DOS AMIGOS… a Sala Memória “Prof. Dimas”!!!

0comentário

Na quarta-feira passada completei 62 anos de idade! Uma das tres datas do ano que não gosto – nem costumo – comemorar… É uma data de reflexão, pessoal, individivel… só minha…

Mas nesse dia recebi talvez o maior presente que uma pessoa que dedicou sua vida – pelo menos os ultimos 35 anos… – ao resgate da Memória dos Esportes, da Educação Física e do Lazer no/do Maranhão – apresentar à minha querida amiga/quase irmã Denise Martins de Araujo – a Denise da Viva Água, um projeto, a ser executado imediatamente, de construir uma Sala Memória dedica ao Prof. Dimas, seu pai… já o encaminhei… ela já começou a reinir o material… nesse final de semana, abriu umas duas caixas de lembranças, de recortes da vida do ‘Querido Profesor Dimas”, como bem definiram os Biguás – Edivaldo e Tânia – em uma imprtante matéria publicada no jornal “O Estado do Maranhão”, na série “Onde Anda você?”. FELIS 2013 - ATLASATLAS DO ESPORTE NO MARANHÃO Dimas chegou à cidade do Maranhão – São Luis – em 1944. Veio, moleque do interior, estudar na Capital. São 60 anos!!! uma data expressiva… Nos ultimos anos – que lembre, pelo menos nos ultimos 25 – recebeu significativas homenagens, de várias instancias públicas, vários entes, pela sua trajetória profissional, de exemplo de vida, de construção – um dos principais, senão o principal  artífice - da Educação Física maranhense. Pode-se divir a memória dos esportes, do lazer e da educação física no Maranhão em fases, e desde a decada de 50, Dimas está presente em todas elas, com pequenos intervalos – na década de 50 – e intensamente a partir da decada de 60, junto com alguns outros ícones: Carlos Vasconcelos, Mary Santos, Cláudio Vaz dos Santos, Laércio Elias Pereira, Lino Castellani Filho, Ivone Reis Nunes, Vanilde Leão, Emilio Mariz, Geraldo Mendonça, Manoel Furtado, e mais Rinaldi Maia, Rubem Goulart (pai), Cecília Moreira, Biguá, Phil, Denise e Osvaldo…

 

Mas para tal empreitada, é necessária UMA PEQUENA AJUDA DOS AMIGOS – tal qual a canção dos Beatles… ouço-a aqui na voz de Joe Cooker e os Mad Dogs & Englishmen… what do you do

 

Para saber o que Dimas fez, é preciso que nos mandem tudo o que lembre a sua trajetória de vida… depoimentos escritos, fotos identificadas, com a data e a ocasião, em que voce aparece ao lado de Dimas, contando a história da mesma, recortes de jornais, de revistas, vídeos… o que tiverem que destaque a passagem de Dimas em sua vida… comporá o acervo da Sala memória…

 

Mas… em se tratando de Dimas e sua história de vida, se está referindo, também, à história da Educação Física, do Esporte, e do Lazer/Recreação no Maranhão nesses ultimos 60 anos – como disse… assim não se limitará apens à vida de Dimas, mas à História do Esporte (em seu significado mais amplo…) no Maranhão…

 

CLAUDIO VAZ, JOAQUIM HAICHEL, DIMAS

CLAUDIO VAZ, JOAQUIM HAICHEL, DIMAS

O material deverá ser entregue lá na Academia Viva Água. Denhise e Osvaldo, e Vitor estão, hoje, aproveitando o feriado, limpando a sala onde esse material sejá acondicionado, catalogado, registrado, tratado para servir, depois, e se possivel ainda este ano, do acervo da Sala Memória “Prof. Dimkas”.

 

Como diz nosso GeekGuru Laércio, o Pereira, oremos!!!!

 

PS. Não contem nada para o Dimas… é um segredo e será uma surpresa!!!

sem comentário »

CEV Novidades – •Política de Informação Científica e Tecnológica no Brasil

0comentário

Política de Informação Científica e Tecnológica no Brasil

Posted:

  

Conhecimento Tático Declarativo e Procedimental em Crianças e Adolescentes Praticantes de Futebol

Posted:

  

Olimpíadas Rio2016. Entre a Realidade e a Esperança

Posted:

  

O Estágio Supervisionado na Formação Inicial de Licenciados em Educação Física no Paraná

Posted:

  

Personalidade e Estilo de Liderança : Um Estudo com os Técnicos de Voleibol na Superliga

Posted:

  

Educação Física em Pernambuco: Olimpíadas Rio 2016, Entre a Realidade e a Esperança

Posted:

  
sem comentário »

CEV Novidades – •Os Jogos de Construção na Educação Infantil

0comentário

Os Jogos de Construção na Educação Infantil: Estudo de Caso na Creche AMAS (associação Metodista de Ação Social) – Piracicaba, SP

Posted:

  

Política Curricular em Educação Física do Município de Juiz de Fora- Mg: Hibridismo Entre o Contexto de Produção do Texto Político e o Contexto da Prática

Posted:

  

O Culto Ao Corpo em Academia de Ginástica: Um Estudo Etnográfico na Cidade do Rio de Janeiro

Posted:

  

Professoras Negras na Uerj e Cotidianos Curriculares, a Partir dos Primeiros Tempos do Acervo Fotográfico J. Vitalino

Posted:

  

O Esporte Como Meio de Prevenção e Combate Ao Uso de Drogas: Análise de Um Discurso

Posted:

  

Educação Física em São Paulo: Boas Vindas!

Posted:

  

Educação Física em São Paulo: III Congresso Nacional de Psicologia da Motricidade Humana, Esportes, Recreação e Dança

Posted:

  
sem comentário »