Parceria entre Universidade Ceuma e Colégio Upaon-Açu proporciona vivência acadêmica a estudantes do ensino médio

0comentário
Alunos do Colégio Upaon-Açu e equipe da Universidade Ceuma responsável por repassar informações sobre cursos de nível superior

A Universidade Ceuma e o Colégio Upaon-Açu firmaram uma importante parceria para implantação de um projeto pioneiro no Maranhão. Juntas, universidade e escola, vão oferecer, através do University On, uma experiência inovadora aos alunos da 3ª série do Ensino Médio, levando a adolescentes em fase de transição da vida escolar para vida acadêmica, uma amostra da realidade do ensino superior.

Estudantes do 3º ano do ensino médio conheceram o mecanismo de funcionamento do boneco simulador do curso de Medicina

Na prática, os alunos do Upaon-Açu, conhecerão a sofisticada estrutura da Universidade Ceuma e vivenciarão, por meio de aulas práticas ministradas pelo corpo docente da universidade, em laboratórios de ponta, um pouco do que é vivenciado na academia e o que se espera no mercado de trabalho.  O projeto, que acontecerá nos meses de abril a outubro, está dividido em 4 etapas, chamadas de Itinerários Formativos, em que os alunos conhecerão os mais 30 cursos oferecidos pela IES. Os Itinerários agrupam, por área de conhecimento, os cursos correlacionados, como gestão, saúde, ciências exatas e ciências humanas e sociais.

Educadores da área de saúde da instituição também fizeram explanação aos alunos sobre especificidades da graduação

A parceria surgiu em resposta ao que estabelece a Lei de Diretrizes e Bases para o Novo Ensino Médio que amplia a carga horária desse nível de ensino de 2.400 para 3.000 horas. De acordo com a lei, 40% dessa carga horária deve ser cumprida contemplando os itinerários formativos. Assim, a Escola Upaon-Açu uniu-se à universidade para viabilizar a aproximação dos estudantes com o futuro profissional.

Estudantes também conheceram estúdio de gravação de vídeo da Universidade Ceuma

Os alunos terão acesso a infraestrutura e as tecnologias que a universidade dispõe e sairão na frente, já que os desafios profissionais serão vislumbrados com antecedência. Para a Pró-Reitora de Graduação, Fabiana Lobato, “a parceria busca estreitar o relacionamento entre a escola e universidade, visando ao desenvolvimento tecnológico, à inovação e amplia responsabilidades. Pretende, também, abrir espaço para que os alunos e alunas conheçam o futuro da sua carreira profissional, com o auxílio dos universitários. Esperamos, com isso, contribuir para o desenvolvimento da nossa comunidade”, ressaltou.

sem comentário »

Fantástico revela que deputado federal do Maranhão é alvo da operação Tanque Furado por gastos milionários com combustíveis

0comentário

O programa Fantástico, da Rede Globo, revelou na edição de domingo, 18, que o deputado federal maranhense Marreca Filho (Patriota) é alvo de uma operação de voluntários no combate à corrupção, denominada operação Tanque Furado, que revelou consumos milionários de parlamentares com gastos de combustíveis beirando o absurdo. 
O jovem parlamentar é filho do ex-deputado federal e ex-prefeito de Itapecuru-Mirim, Junior Marreca (Patriota), tendo sido eleito em 2018, no lugar do pai, que fora considerado “ficha suja” e não pode concorrer ao pleito daquele ano.

Na investigação que abrange o período de janeiro de 2019 a dezembro de 2020, deputados federais gastaram mais de R$ 27 milhões em postos de combustíveis, utilizando verba indenizatória da Câmara Federal, ou seja, dinheiro público em excesso.

O fundador do instituto Observatório Político Sócioambiental (OPS), Lucio Big, disse à reportagem que a entidade denuncia às autoridades gastos irregulares e, desde 2013, já recuperou mais de R$ 6 milhões aos cofres públicos.

A ideia do OPS é fazer com que os eleitores acompanhem de perto os seus representantes na Câmara Federal e saber com eles estão usando a verba pública, que muita das vezes acabam em benefício próprio.

Veja abaixo íntegra da reportagem:

sem comentário »

Vulnerabilidade inclusiva é chave para o autoconhecimento

0comentário
A fisioterapeuta Patrícia Bogéa de Matos diz que o autoconhecimentos torna possível ver além da programação mental e em uma postura neutra de contemplação

São Luís – A palavra vulnerável significa estado de fragilidade, de destrutibilidade, de acordo com a origem da palavra. Entretanto, para a médica acupunturiatra Mércia de Souza e a fisioterapeuta e palestrante de saúde e bem-estar Patrícia Bogéa, autoras do e-book Janelas para Alma, vulnerabilidade está associada a um estilo de vida, uma forma de aceitação do próprio eu, saber lidar com todos os estágios da vida, seja no âmbito profissional ou pessoal.

Segundo as autoras, para chegar a essa capacidade de lidar de forma positiva com a vulnerabilidade, é preciso desenvolver o autoconhecimento e substituir a ideia de vulnerabilidade que exclui, habitualmente de fragilidade, vergonha e de culpa – por aquela que inclui e permite receber apoio, ajuda, escuta, assim como doar, em uma troca.

“Quando falo em vulnerabilidade inclusiva, falo de aceitação, sem culpas ou vergonha daquilo que realmente somos, uma aceitação do Eu integral,” frisa a médica acupunturiatra (que realiza acupuntura).

Já a fisioterapeuta define vulnerabilidade inclusiva como “um estado receptivo, ou seja, é estar aberto às experiências, dando a oportunidade de reconhecer a si mesmo, com todas as suas potencialidades”.

Reconhecer os momentos de vulnerabilidade faz parte do autoconhecimento. É desenvolver o estado de presença, quando se mantém corpo e mente no mesmo lugar, reconhecer que quem domina os sentimentos é você, segundo Patrícia. “Quando nos conhecemos, conseguimos nos ver além da programação mental e em uma postura neutra de contemplação”, pontua.

Pulsar

Por meio do Programa Pulsar, oferecido pela Elan Vital, empresa de desenvolvimento humano, o jornalista Oton Lima, de 38 anos, diz que ser vulnerável é lidar com imperfeições, pois segundo ele, não existe perfeição, e lidar com a própria vulnerabilidade lhe possibilita viver levemente. “Não é algo que acontece da noite para o dia. É preciso ir lapidando, exercitando o autoconhecimento, e a Elan foi uma aliada para que eu soubesse reconhecer, identificando esses momentos para lidar com a minha própria vulnerabilidade,” destaca o jornalista.

No e-book Janelas para Alma, as autoras afirmam que, aceitar que as pessoas são formadas, em sua essência pelo bem e o mal, pelo belo e feio, pela força e pela fraqueza, é a chave que abre a porta do caminho para a vulnerabilidade que inclui, é o caminho onde se encontra o que se foi, o que se é, e o que será.

Para a enfermeira Janaína Bezerra, de 33 anos, ser vulnerável, é se permitir reconhecer as dores do passado, aceitá-las e reconstruir um novo ‘Eu’. Ela conta que sua jornada de autoconhecimento começou quando buscava ajuda para outra pessoa, e ao conhecer o Programa Pulsar, percebeu estar em um momento vulnerável, pois se permitiu ser sensível ao acolher e ajudar o outro. “Eu consegui sentir verdadeiramente o significado de vulnerabilidade, uma sensação indescritível, uma evolução interna que sinto diariamente,” conta a enfermeira.

O livro Janelas para Alma mostra que revelar os sentimentos mais profundos é uma atitude de coragem e desprendimento. Mércia de Souza fala que ao escrever, deixou que sua vulnerabilidade fosse aflorada, para transmitir o que estava sentido em cada palavra escrita. “Em mim os textos do janelas causam um sentimento de alegria e realização como quando realizei meus sonhos de infância,” revela.

Para Patrícia de Matos, ‘Janelas para Alma’ nos permite descortinar nossas fragilidades de forma compassiva. Não importa que fomos feridos ou ferimos. “Quando nos conhecemos, conseguimos nos ver além da programação mental e em uma postura neutra de contemplação,” Enfatiza a Patrícia.

Janelas para Alma, até o momento disponível em e-book, já está em preparação para lançamento de um livro físico e um audiobook, sendo uma obra inclusiva àquelas pessoas que têm deficiência visual. A parceria entre as autoras mostra o quanto se permitiram conhecer uma a outra para troca de experiências e de conhecimento expressos em cada página. Para conhecer esse trabalho, acesse o site  http://janelasparaalma.launchrock.com/ e, a respeito do tema, assista à live com o tema “Ser vulnerável. É saudável ou perigoso?”, que acontece nesta segunda-feira (19), às 19h, com a fisioterapeuta Patrícia e a jornalista Maria Regina Telles, pelos perfis no Instagram @espacoelanvital e @comunicativama.

sem comentário »

Raiz Tribal e Duane Stephenson lançam, em parceria, novo single produzido por Rafael Labate e Keké Enes

0comentário

A banda maranhense Raiz Tribal lançou nessa sexta-feira (16) o single “Pra Deus”, em parceria com o cantor de reggae Duane Stephenson. A música já está disponível nas plataformas digitais. Gil Enes (vocalista do grupo) conta que a música é “uma oração, uma forma de agradecer a Deus pelos dias, pela saúde e, também, pelos 20 anos da banda Raiz Tribal. Ela foi composta pelo musicista com o jamaicano Duane Stephenson, produzida Rafael Labate e Keké Enes. Saiba mais agora mesmo, em poucos minutos, com o DJ Waldiney. Acesse aqui

sem comentário »

CANHOTEIRO E CANHOTINHO

0comentário

Na semana passada, reproduzi, nesta coluna, um comentário do cineasta Cacá Diegues, publicado no jornal O Globo, do Rio de Janeiro, sobre o português Manoel, que vive há anos na cidade maranhense de Cedral, especialista na arte de embarcações, que vive dia e noite em completa nudez.

Hoje, novamente, sirvo-me da leitura do jornal carioca, desta feita, de uma crônica intitulada “De direita e da esquerda”,  de outra figura de destaque, desta feita, do cenário nacional da publicidade, Washington Oliveto, que trata da radicalização da política brasileira, no caso de as próximas eleições presidenciais serem disputadas entre Bolsonaro e Lula.

Segundo o publicitário baiano, a radicalização entre essas duas candidaturas, tendem a levar a direita e a esquerda brasileira a um confronto nunca vista no país, sobretudo da parte da direita que tem a mania de acusar de comunistas os que se manifestam contra o seu candidato. Até mesmo uma simples placa de trânsito com a indicação de “vire à esquerda”, pode ser entendida como uma cilada ou uma conspiração política.  

Segundo Oliveto, aproximadamente 10 por cento dos seres humanos foram ou são canhotos e extremamente talentosos e se tornaram famosos e célebres nas artes, na política, no cinema, na música, no teatro, na literatura e nos esportes, a exemplo de figuras conhecidas como Jimi Hendrix, Paul McCartney, Bob Dylan, Paul Simon, Ronald Reagan, Bill Clinton, Barack Obama, Ayrton Senna, Bill Gates, Tom Cruise, Robert de Niro, Mike Tyson, Julia Roberts, Roberto Rivelino, Diego Maradona, Lionel Messi e Marta.

Em se referindo ao esporte, Oliveto não esqueceu o jogador maranhense Canhoteiro, sobre o qual escreveu: “Por falar em futebol, esporte preferido do povo brasileiro, existiu entre os anos 1950 e 60 um jogador perfeito, pela posição que ocupava e pelo apelido que tinha, e podia ser apontado pelos radicais da direita como o maior comunista de todos os tempos, o ponto esquerda Canhoteiro, do São Paulo Futebol Clube. Era um dos grandes dribladores da história do futebol mundial. Melhor driblador do que Canhoteiro, só o seu contemporâneo Mané Garrincha, que jogou no Botafogo, era destro, ponta direita, que morreu sem saber que esse negócio de comunista existia.”   

Em se tratando de Canhoteiro, lembrei que em São Luís, nos anos 1960 e 70, outro maranhense, também bom de bola, de nome João Carlos Sousa Martins, por ser canhoto, recebeu o apelido de Canhotinho, que jogou no Santos, time da segunda divisão, e no Sampaio Correia, da primeira divisão, não esquecendo o Cometas, principal time de futebol de salão da cidade.

Canhotinho, prestou bons serviços ao Banco do Brasil, instituição a que pertenceu mediante concurso. Recebeu esse apelido não por ser político ou militante da esquerda, mas pela intimidade com a bola de futebol e jogar na ponta esquerda. Recentemente, perdeu a fiel esposa e leal companheira.

LIVROS PREFERIDOS

Artistas, jornalistas, cientistas e profissionais de várias gerações se reuniram para citar os livros que mudaram suas vidas.

Os mais indicados: Cem anos de solidão, de Gabriel Garcia Marques; Em busca do tempo perdido, de Proust; O apanhador no campo do centeio, de J.D. Salinger; On the road ou Pé na estrada, de Jack Kerouac; O encontro marcado, de Fernando Sabino; A montanha mágica, de Thomas Mann; O segundo sexo, de Simone de Beauvoir; e Gabriela Cravo e Canela, de Jorge Amado.

Cemitério dos vivos, de Lima Barreto; Ensaio sobre a cegueira, de José Saramago; e Memória do Cárcere, de Graciliano Ramos, não mudaram a minha vida, mas as suas leituras me proporcionaram momentos de bastante prazer. 

CAMPEÃO DE VACINAS

Se eu participasse de um campeonato de vacinação, dificilmente perderia para algum competidor.

Ao longo da vida, fui vacinado contra varíola, sarampo, tifo, febre amarela, gripe e coronavírus, esta, a mais maligna de todas as doenças.

DISTRIBUIÇÃO DE RENDA

O deputado Josimar do Maranhãozinho declarou recentemente que quer ser governador para acabar com a pobreza no Maranhão.

Dizem que os 2 milhões de reais encontrados pela Polícia Federal em sua residência, destinavam-se a uma futura distribuição de renda no Estado.

CONSELHO DE ÉTICA

O deputado maranhense, Juscelino Rezende, na gestão do presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia, presidiu o Conselho de Ética, mas o colegiado teve atuação apagada sob seu comando.

Resultado: pelos serviços não prestados ao país, teria sido decapitado do cargo pelo novo presidente da Câmara dos Deputados.

MEMÓRIA POLÍTICA

O Maranhão, de uns tempos para cá, vem perdendo a sua memória histórica, esquecendo as figuras políticas que ocuparam cargos importantes na vida pública.

O deputado Ivar Saldanha, completaria cem anos no dia 8 de março passado, mas não foi lembrado pelo Governo do Estado e nem pela Assembleia Legislativa, ele, que teve atuação destacada como deputado estadual e federal, prefeito de São Luís e governador do Maranhão.

Como dizia o meu saudoso amigo e compadre Sálvio Dino, lembrando Cícero em suas Catilinárias: O tempora, o mores!    

 LITURGIA DO CARGO

Que me perdoem os bolsonaristas, mas o presidente que atualmente governa o Brasil, não tem a menor preocupação com a liturgia do cargo, predicado essencial para quem acumula as funções de chefe de Estado e chefe do governo.

Os palavrões e o linguajar chulo que saem de sua boca nas entrevistas e reuniões, são frequentes, sonoros e agressivos.

 PRISÃO DOMÉSTICA

O grande escritor gaúcho, Luís Fernando Veríssimo, enquanto se recupera de um AVC e por ser cardíaco, diabético e idoso, há mais de um ano vive confinado com a esposa em casa por causa do Covid-19.

Em São Luís, conheço pessoas e bem relacionadas, que há mais de um ano, também, vivem em completa reclusão doméstica, para não serem contaminadas pelo coronavírus : José Carlos Salgueiro, Natalino Salgado e Agostinho Ramalho Marques.

LEMBRANDO TIM MAIA

É do saudoso cantor e compositor a explicação porque o Brasil é um país que não deu certo: – Aqui prostituta goza, cafetão tem ciúme e traficante se vicia.

sem comentário »
Twitter Facebook RSS