Um crime bárbaro

0comentário

Como se livrar de uma dívida? Para a maioria, pagando. Para alguns, simplesmente eliminando o credor. No início do século vinte, um homicídio (na verdade um duplo homicídio) deixou a população da pacata São Luís em alvoroço. O crime, relatado no livro “História do antigomobilismo em São Luís”, de Ramssés de Souza Silva, aconteceu no dia 10 de novembro de 1913, sendo a motivação absolutamente torpe.

Querendo livrar -se de uma dívida no Café São José (esquina da Rua Grande com a Rua do Passeio) o argentino Antônio Bazano e os espanhóis Antônio Lugo, Henrique Gomez e Manuel Sanchez tramaram a morte do seu proprietário, o português Tomaz de Aquino Silva.

Do planejamento para a execução, foi um pulo. Que, no entanto, deu errado. Por motivo de doença, naquele dia fatídico Tomaz não foi trabalhar, sendo substituído por seu irmão, José Diniz, que acabou sendo morto a facadas juntamente com Jorge Ribeiro, adolescente empregado no estabelecimento. Depois do bárbaro ataque, os assassinos envolveram as vítimas em um saco de estopa que foi abandonado no salão do estabelecimento e fugiram. Mas logo foram descobertos e presos.

Alguns criminosos foram extraditados para seus países. Já Antônio Bazano permaneceu preso no Brasil, para, depois de ser solto, levar uma vida pacata vivendo seus últimos dias na Rua Jacinto Maia, antes Rua da Cascata.

Os protagonistas do crime, que entrou para a crônica policial da cidade com o nome de Caso Bazano, vieram para São Luís contratados pelo francês Georges Guinard para trabalharem na primeira oficina mecânica da cidade, a Garage Franceza, que funcionou nos fundos do Seminário Santo Antônio.

sem comentário »

Uma história do automobilismo em São Luís

0comentário

Nhozinho Santos não introduziu apenas o futebol em São Luís. Quando, em outubro de 1905, retornava de Liverpool, na Inglaterra, onde formou-se em técnico de Indústria Têxtil, trazendo bola, chuteiras, regras do jogo e outros apetrechos do novo esporte, fazia também parte da sua bagagem um Speedwell, primeiro automóvel a circular pelas ruas da cidade.

O registro histórico, revelando ainda tratar-se de um carro de fabricação inglesa, marrom e com quatro lugares, está no livro “Passado e presente do ‘antigomobilismo’ em São Luís”, de autoria do pesquisador Ramssés de Souza Silva. Publicado por iniciativa da Associação Maranhense de Carros Antigos (Amava), mais do que história, o livro é repleto de curiosidades, a começar pelo termo ‘antigomobilismo”do título, neologismo que se refere à prática de colecionar, restaurar ou trabalhar com veículos ou maquinários antigos. Ao longo do texto, muitos outros fatos interessantes, tornando sua leitura não só instrutiva, como também bastante agradável e divertida.

A partir da ação pioneira de Nhozinho Santos, mostra o livro, aos poucos a frota de carros em São Luís foi crescendo. E, como não havia escolas ou regras disciplinando a operação dos nossos primeiros veículos automotores, estes eram dirigidos, naturalmente, por leigos e curiosos. O que logo resultaria, como dá para imaginar, em acidentes. Em 17 de janeiro de 1912, às 10 horas, relata o autor, Olavo Lafayette Galvão abriu a lista de vítimas, sendo atropelado sem gravidade na Rua de Santana. No início de setembro do mesmo ano, por imperícia do chouffer, como foi noticiado nos jornais, registrou-se evento mais grave. Segundo publicou “O Correio da Manhã” do dia 6 de setembro, o sinistro ocorrera na Alameda Gomes de Castro, ao lado de onde hoje se encontra a Biblioteca Pública Benedito Leite. Causa: o inexperiente motorista Fellipe Santiago perdeu o controle do veículo e tentando pará-lo, perdeu um dos pneus, fazendo o veículo tombar. À bordo, a cantora Renée d’Orleans e a soprano Marie Teskine, artistas do Cinema-Palace, que sofreram várias escoriações.

E 1914, quando já se tomavam as primeiras medidas no sentido de coibir problemas ocasionados pelo trânsito, veio o primeiro caso com vítima fatal: foi quando um adolescente ao correr atrás de uma bola, foi colhido por um veículo que descia a Rua do Sol. Por fim, depois de sustos e atropelos, veio a primeira multa aplicada a um motorista em São Luís. Foi no dia 10 de outubro de 1914, contra um condutor que descia a Rua Rio Branco sem respeitar o limite de velocidade : inimagináveis, para os dias de hoje, 12 quilômetros por hora.

Segundo o autor, a ideia da construção do livro partiu da necessidade de se registrar os principais passos da trajetória da Amava ao longo dos seus onze anos de existência. O resultado, como o leitor verá, foi também um delicioso apanhado histórico sobre os primórdios do automobilismo na cidade.

sem comentário »
https://www.blogsoestado.com/wilsonmarques/wp-admin/
Twitter Facebook RSS