A felicidade no natal

0comentário

De fato, o natal, apesar das deformações históricas, mantém-se como uma data inspiradora, sua grande razão. Ao se exortar neste momento o nascimento de Cristo, nasce dentro de nós uma sensação positiva de fraternidade, companheirismo, comunhão e afeição e este amor entre nós ,que se desabrocha dentro de cada um, nos conduz a sesnações muito agradáveis, sobretudo de paz e harmonia. Ocorre que todas estas sensações inspiradas em boa venturança, não existe só nesta data, estes sentimentos estão dentro de cada um de nós, plantados, esperando momentos especiais para desabrochrem, isto é, eles não nascem só nesta data, mas existem permanentemente na gente. Na realidade, após o natal, voltamos para o cotidiano, para a mundaneidade, para o dia a dia às vezes crú e duro, fato que nos conduz a momentos mais pragmáticos, mais competitivos e que faz brotar outras viências internas bem diferentes às do natal e a sensação que se tem é que as sensações natalinas, desapareceram. Entretanto elas se mantém. Ao meu ver, o mais importante, é que se possa em cada dia ou em pequenos momentos de cada dia, nos permitirmos  experimentar o humanismo, a fraternidade, o companheirismo e o amor ao próximo da mesma forma como experimentamos na ocasião do nascimento de Jesus Cristo. Esta aproximação com ELE nos faz muito bem para o nosso espírito e para  nossa mente. Uma forma de promovermos e garantir nossa saúde mental e a paz social é amando e sendo solidário.
Um natal muito feliz para todos e 2013 repleto de paz e harmonia entre os homens.

sem comentário »

Aprovado reembolso de EMT

0comentário

Aprovado reembolso de EMT: Planos de saúde terão que repassar os valores do procedimento nos próximos dias

Publicado em 14 de dezembro de 2012 
Foi aprovado nessa sexta-feira, 14 de dezembro, em reunião na Câmara Técnica Permanente da Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos (CBHPM), em São Paulo, o reembolso para o procedimento de Estimulação Magnética Transcraniana (EMT).

Representando a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), na reunião de inclusão do procedimento EMT – contendo as diretrizes de utilização com os respectivos CID-10, o psiquiatra Marco Antônio Marcolin e o suplente do Conselho Fiscal da ABP, Sérgio Tamai.

“Esta foi a segunda reunião, onde na primeira foram solicitadas alterações no texto. Desta vez tivemos unanimidade na votação. Trata-se de um procedimento novo, cuja interferência da ABP foi fundamental para a incorporação do método, junto às seguradoras de saúde. Agora, os planos de saúde terão de repassar os valores referentes ao 3C mais uma Unidade de Custo Operacional (UCO) de 5,30”, disse Marco Antônio Marcolin.

Para entender – A estimulação magnética teve aprovação em outubro de 2008 do órgão governamental americano Food and Drug Administration (FDA) para tratamento de depressões e para o planejamento de neurocirurgias. No Brasil, a pesquisa para o reconhecimento da técnica foi realizada pelo Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP).

Em maio deste ano, o Conselho Federal de Medicina (CFM) reconheceu a técnica de Estimulação Magnética Transcraniana como ato médico privativo, onde passou a ser cientificamente válida para uso nacional, com indicação para depressões uni e bipolar, alucinações auditivas nas esquizofrenias e planejamento de neurocirurgia.

Após a aprovação do CFM fez-se um levantamento de custos, onde foi encaminhado para a ABP, que concordou e remeteu para a Câmara Técnica da Associação Médica Brasileira.

Para Marco Antônio Marcolin esta foi uma importante decisão que contou com a intervenção da ABP para que pudesse chegar à aprovação do repasse das operadoras de saúde. “A Associação teve significativa participação neste processo. Agora, é encaminhada uma ata de reunião, que consta o número do procedimento, onde os especialistas que utilizam o método, já podem exigir seus direitos”, finalizou o psiquiatra.

Fui pioneiro na introdução desta técnica entre nós e desde esta época que realizamos tratamentos com emt. Tata-se de uma técnica indolor, não invasiva e altamente eficaz no tratamento, especialmente de depressão, zunbido,  TOC e alucinações auditivas de pacientes esquizofrênicos e, agora com os custos asegurados pelas operadoras de saúde, a população pode ter acesso facilitado a esta forma importante de tratamento da psiquiatria e da neurologia.

 

 

sem comentário »

Realidades sobre o Transtorno Obsessivo Compulsivo – TOC

0comentário

Também conhecido como TOC o transtorno obsessivo-compulsivo é uma das doenças que no âmbito da psiquiatria ainda causa muita estranheza e dificuldades no seu diagnóstico e tratamento.

É um transtorno que cursa de forma lenta e insidiosa ao ponto da pessoa após certo tempo de exposição aos seus sintomas, já apresenta graus variados de sofrimentos a partir, entre outras coisas, de rituais psicopatológicos impostos pela doença. O TOC apresenta um quadro clínico exuberante, cuja descrição é praticamente universal, embora clinicamente seu diagnóstico não seja fácil.

Em geral os sintomas iniciais da doença fazem com que muitos pacientes os mantenham escondidos, pois embora reconheçam que seu comportamento não vai bem, eles tem muito medo de serem ridicularizados ou de serem descriminados pela presença destes sintomas. Em geral são pensamentos ou atitudes repetitivos que se instalam em sua mente e sobre os quais não tem mais comando ou controle. São pensamentos, idéias ou imagens contrárias a sua convicção, moralidade ou crença e condenáveis e ameaçadores que sobre os quais não consegue expulsá-los da mente.

Uma publicação recente da Associação Brasileira de Psiquiatria – ABP mostra que o TOC é um transtorno com sintomas heterogêneos, com um grande número de possibilidades de apresentações fenomenológicas.  Os diversos sintomas tendem a ocorrer no mesmo paciente e mudar de conteúdo ao longo do tempo.

 Além disso, frequentemente os sintomas do TOC se relacionam com sintomas de outras doenças, caracterizando a comorbidade psiquiátrica que é a existência de mais de uma doença no mesmo sujeito, fato que dificulta mais ainda seu manejo terapêutico e seu diagnóstico. A comorbidade mais freqüente do TOC é com a depressão e com outros transtornos de ansiedade tipo doença do pânico, fobia social e ansiedade generalizada.

Ainda no trabalho da ABP, são identificadas várias manifestações psicopatológicas que ocorrem no TOC, envolvendo principalmente alterações da vontade, do pragmatismo, do humor/afetividade, do pensamento e do juízo e de realidade, não havendo, todavia consenso sobre quais destes distúrbios é o mais importante na fisiopatológica (causa) deste transtorno.

Como vimos acima, um das características principais da doença é a persistência de idéias, pensamentos, ou outras vivências psicológicas, que se impõe na mente destas pessoas ameaçando seu equilíbrio e paz interior pelo caráter absurdo das idéias, pensamentos ou imagens que povoam sua mente ao mesmo tempo não consegue demove-los, a isto denomina-se obsessão.

Quando a obsessão vem acompanhada de rituais físicos, como limpar as mãos dezenas de vezes, ou examinar inúmeras vezes se fechou ou não a porta da geladeira, da janela ou do quarto ou mesmo outras dúvidas sobre suas atitudes, de forma descontrola, onde a própria pessoa reconhece o absurdo destas atitudes e não consegui alterá-las, denomina-se de compulsão. Portanto a compulsão tem haver com a atitude e a obsessão com o pensamento, as idéias ou as fantasias.

O tratamento do TOC é realizado com medicamentos e com psicoterapia. A técnica recomendada é a Terapia Cognitivo Comportamento – TCC e os medicamentos recomendados para seu tratamento são os anticompulsivos e anti obsessivos da categoria dos antidepressores e ansiolíticos. A aplicação destas duas estratégias tem oferecido um prognóstico favorável a estes pacientes. Podemos ainda sugerir a opção do tratamento com estimulação magnética transcraniana – EMTr um recurso formidável para o controle deste transtorno.

 

sem comentário »

O suicídio e a doença mental

0comentário

O suicídio constitui-se como um dos temas mais fascinantes e que sempre despertou muito interesse pela psiquiatria, muito embora ainda existam muitos medos tabus e preconceitos em seu entorno. Apesar de tudo, do ponto de vista da saúde mental, é um tema atualíssimo considerando o aumento vertiginoso nas taxas de suicídio no mundo de tal forma que tem levado muitos países a desenvolverem estratégias mais seguras e consistentes voltadas para o controle e a prevenção desta ocorrência na área da saúde pública.

Este é o segundo artigo que dedico este ano ao assunto, com o intuito de ajudar a quebrar os preconceitos sobre obre este assunto o que dificulta muito seu manejo em todos os sentidos e principalmente na sua prevenção. Outro achado epidemiológico importante é o aumento das taxas de suicídio entre jovens o que torna o mais preocupante, necessitando de medidas eficazes para se prevenir esta ocorrência.

Suicídio do ponto de vista psiquiátrico é um sintoma grave, que pode esconder patologias de tipos diferentes.  Portanto, é uma manifestação psicopatológica que se revela através de pensamentos ou em atos suicidas. É um sintoma muito grave, pois o que está em jogo é a interrupção da vida pela própria pessoa, que na realidade é o que temos de mais valioso e importante em nossa existência, de tal forma que quando alguém chega a pensar ou a praticar o suicídio, ele de fato está muito doente, pois ninguém desfrutando plenamente de sua saúde mental, incorreria a esta prática.

            Estima-se que mais de 80% dos suicídios ocorra entre pessoas portadoras de transtornos psiquiátricos e dentre estes estão: transtornos de humor com taxas em torno de 1/3; dependência e abuso de drogas, 7 a 15 %; transtornos de personalidade especialmente os do tipo Boderline; esquizofrenia; transtornos comórbidos, como por exemplo, alcoolismo e depressão, ocorrência muito frequente.

Nunca se estudou tanto sobre o suicídio quanto se estuda hoje e, parte deste interesse se atribui a curiosidade científica aliada aos inúmeros prejuízos emocionais, afetivos, sociais e financeiros ocasionados por este fenômeno.

            No Brasil, estima-se que ocorram 24 suicídios por dia, mas o número deve ser 20% maior, pois muitos casos não são registrados. As tentativas são dez a 20 vezes mais alta que a de mortes e a taxa de suicídio entre jovens, multiplicou-se por dez de 1980 a 2000: de 0,4 para 4%. De tal forma que nos últimos 45 anos o número de suicídio cresceu 60%, e que até 2020 a taxa global será de 2,4% e que no ano de 2020 ocorrerá 900.000 mortes por suicídio no mundo, de acordo com a OMS. Portanto ocorrerá uma morte a cada 35 segundos na população com idade entre 15 e 35 anos, passando o suicídio a figurar entre as três maiores causas de morte do planeta.

            Nosso país é o que apresenta a menor taxa de suicido no mundo, variando entre 3,9 a 4,5 para cada /100 mil habitantes, mas como é um país de dimensões continentais e populoso, estamos entre os 10 países com maior número absoluto de suicídio. Um fato que vem ocorrendo aqui e alhures é a migração de grupo de mais idade para grupos de mais jovens que tentam se matar. Nos estados Unidos esta prática está entre as 10 principais causas de morte, pois em sua população a taxa de morte por suicídio passou de 11º em 2008 para 10º em 2009 respondendo por um quarto (1/4) da carga global de doença no ano de 2002 neste país.

            Com estes novos conhecimentos acredita-se que seja mais fácil adotarem-se medidas preventivas mais eficientes evitando com isto a morte prematura e evitável de milhares de seres humanos. Suicídio, trata-se e evita-se. 

 

 

sem comentário »

Entrevista com Roberto Fernandes sobre Drogas

0comentário
Este link é sobre uma entrevista que concedi hoje ao jornalista Roberto Fernandes por ocasião do Jornal REporter Maranhão da TV BRASIL. Foi uma entrevista que gostei muito por ter nos dado chance de aprofundarmos um pouco sobre as deficiências encontrada na execussão de tratamentos propostos para dependentes químicose outras fragilidades que deverão ser modifidas para atingirmos os pontos mais favoráveis nesta área.ttp://www.facebook.com/#!/TvBrasilMaranhao?fref=ts

A TV Brasil é uma televisão pública com programação de abrangência nacional. Ela está presente no Maranhão, Brasília, Rio de Janeiro, São Paulo e em mais 21 estados. Na TV Brasil você encontra programas artísticos, científicos, culturais e de cidadania. Hoje somos uma das maiores janelas de exibição…

página: 60 curtiram isso
sem comentário »

Justiça Federal Proíbe Propaganda de Bebida Álcoolica

0comentário

 

Se for pra valer, e eu espero que se sim , será a primeira vez que a justiça se insurge conta uma prátia aboninável que é fazeem propaganda de bebidas sem qualquer controle ético neste país. Parabéns a Justiça Federal pela coragem e altivez em defender a pulação brasileira de um dos mais importantes problemas da atualidade, qual seja, o consumo abusivo de álcool e de outas drogas

 

http://www.jb.com.br/pais/noticias/2012/12/07/justica-federal-em-sc-restringe-propaganda-de-bebida-alcoolica/#

sem comentário »

Política pública sobre o uso de crack e outras drogas

0comentário
Este fato que está acontecendo em nossa bela Fortaleza é o mesmo que acontece aqui e em muios outros lugares deste país. É necessário uma arrojada política de saúde mental e particularmente sobre o uso de crack para se corrigir as as distorções de uma política equivocada e ineficiente sobre o manejo destes problemas relacionados com o uso de drogas. Temos que ter mais dispositivos médicos e psicosociais para ampliar o leque de proteção as famílias e aos usuários destas substâncias o que infelizmente não há e, ao mesmo tempo fortalecer a rede que existe como ainda não não houve nem uma coisa nem outra, estamos em um caos total que nesta área da saúde pública pública.
 
sem comentário »

Palestra no Ministério Público

0comentário

http://www.mp.ma.gov.br/

sem comentário »

Evite o primeiro gole

0comentário

Recentemente, publiquei um artigo tratando da recaída como algo que ocorre frequentemente entre pacientes que se submetem a tratamentos de dependência química, mostrando ser um fenômeno que faz parte do diagnóstico e da clínica dos pacientes.

Dizia que recair é retomar um padrão de consumo de uma substância (droga) de forma pior ou semelhante ao padrão de consumo anterior ao tratamento e que devido à alta frequência e aos graves danos provocados, especialmente para os familiares dos enfermos, a prevenção da recaída é considerada hoje como uma das mais importantes estratégias a serem utilizadas no tratamento e na recuperação.

Procurei mostrar também que, independente de alguém se tratar voluntária ou involuntariamente, haverá a possibilidade de recair e que o resultado do tratamento depende muito das medidas preventivas de recaídas adotadas.

Por sua importância, a prevenção de recaída é considerada um dos aspectos mais relevantes da prática médica em relação aos dependentes de drogas, que se dará através de um conjunto de técnicas psicossociais que o profissional e a equipe utilizarão ao longo do tratamento proposto para o enfermo.

Nesse sentido, os Alcoólicos Anônimos – AA, uma das mais importantes instituições internacionais que abordam a recuperação de pacientes dependentes de álcool, de forma sábia, cunhou uma expressão basilar que corresponde a uma espécie de “lei” na realização do tratamento que eles desenvolvem, qual seja, “evite o primeiro gole”. Para o AA, trata-se de um princípio fundamental para o doente garantir sua sobriedade. 

Embora leigos, os alcoólicos anônimos, com essa expressão, dão um show de sensatez e competência, pois quando alguém se torna dependente de uma droga desenvolve em seu cérebro uma espécie de “memória química” da substância, provocada pelo o uso continuado e sistemático. Essa memória nada mais é do que um circuito neuroquímico registrado no sistema nervoso central a partir da ação da substância no órgão, de tal forma que quando um dependente químico interrompe o uso, o contato com a droga reascende imediatamente a “memória” que desenvolveu no curso da doença, tornando a pessoa vulnerável à recaída.

Nesse caso, a droga passa a fazer parte da estrutura neurofuncional do cérebro, de tal forma que quando se volta a usar, a doença se reinstala.

Assim, não é por acaso que o AA constitui-se como uma das mais importantes instituições do mundo na recuperação desses enfermos, representando uma grande esperança aos dependentes de álcool.

Inspirado nos princípios do AA, foi criado a AL-ANON, destinado ao tratamento e recuperação de familiares afetados pelos problemas dos dependentes de álcool. Os “AL-ANONS” também utilizam os princípios e os doze passos do AA na recuperação dos familiares.

Portanto, evitar o primeiro gole e manter-se abstinente pelas próximas 24 horas é o grande legado da irmandade, uma das mais importantes orientações propostas por eles, sendo certo que para o dependente de álcool ou outras drogas o melhor mesmo é sempre evitar o contato com a substância.

 

sem comentário »

Gritos pela Paz

0comentário

Há três semanas assistimos a duas grandes mobilizações sociais que ocorreram respectivamente nos dias 18 e 23 de novembro em nossa cidade na Avenida Litorânea. Uma promovida pela Maçonaria denominada Dia Mundial em Memória às Vítimas de Trânsito, a outra organizada pelo Ministério Público do Estado, denominada “Conte até Dez”.

Em ambas a manifestação observou-se a participação de muitas pessoas que juntos aos organizadores buscavam sensibilizar e chamar a atenção dos outros para os graves problemas da violência em suas várias expressões bem como a necessidade de buscarmos continuamente a paz social.

“Conte até 10” é uma expressão antiga que foi muito utilizada em uma novela, onde Paulo Gracindo em seus rompantes contava até dez para controlar seu ímpeto para não agir com violência. Só a guisa de informação em 2010 no Brasil foram cometidos 49.932 homicídios por pessoas que nunca mataram antes e que mataram por impulso. Sendo as situações mais comuns, brigas de trânsito, discussões em bares e outros desentendimentos por motivos fúteis que acabaram tendo um final trágico. Portanto o grande mérito da campanha é termos serenidade mesmo em momentos de exaltação de nosso ânimo para não engrossarmos a lista de crimes cometidos de forma intempestiva e impulsiva.

A campanha da Maçonaria realçando a memória pelas vítimas de trânsito revelou a dor, o sofrimento pelas perdas inaceitáveis de pessoas que morreram prematuramente e de forma violenta, ocasionadas por um trânsito desorganizado, cruel e criminoso em consequência da incúria do poder público em não nos oferecer um trânsito seguro e saudável, pois falta entre outras coisas, leis mais ostensivas contra os que cometem tais crimes.

Na realidade sob qualquer enfoque, vive-se em uma sociedade insegura, temerosa e assustada. As pessoas parecem estranhar uma as outras, pois a impressão geral que se tem é que todos podem lhe dá o calote ou tirar proveito uns dos outros. Há uma espécie de desconfiança mórbida entre todos e, a partir destas incongruências psicossociais surge a violência como uma característica desta mesma sociedade.          Devidos os altos índices de problemas médicos, econômicos, sociais e previdenciários, a violência em nosso país se tornou predominantemente uma questão de saúde pública provocando altos índices de morbi-mortalidade em nossa população.

No Brasil nos últimos cinco anos 850 mil pessoas morreram por fatores diretamente ligados a violência, número este que não é qualquer doença chega a atingir epidemiologicamente. Ocorre que o mais preocupante de tudo, é o fato de não dispormos de medidas de claras e bem definidas a serem aplicadas de curto, médio e longo prazo ara controlar esta situação, pois se verifica que muito pouca coisa efetivamente está sendo feita para o controle social e epidemiológico da violência na sociedade. Psicológica e socialmente toda pratica violenta guarda consigo algo em comum que é a dor e o sofrimento em suas vítimas, só isto ao meu ver, deveria influenciar os distintos poderes na priorização das medidas para o enfrentamento da situação psicossocial social da violência, justamente para garantir o bem maior que todos aspiram, que é o de vivermos em paz.

Por isso quero parabenizar o ministério público que juntamente com outros órgãos, entre os quais o poder judiciário, por desenvolverem esta campanha, bem como a Maçonaria de nosso Maranhão pelo brilhantismo de sua  iniciativa e que sirvam de exemplos e inspiração para outros seguimentos da sociedade lutar para a garantirmos a PAZ para todos.

sem comentário »