Consumo de álcool e pandemia II

0comentário

               O Brasil figura entre os países que mais bebem no mundo. Os índices são alarmantes e cada vez mais ocorrem problemas advindos desse consumo, no plano da saúde, do social, da segurança, da violência urbana e doméstica e da economia e estes problemas se sobressaem, entre os tantos outros que temos em nosso país, ao ponto dessa questão, ser considerada um problema de saúde pública.

           Em média, cada pessoa no mundo bebe 6,2 litros de álcool puro/ano. Apenas 38,3% da população mundial faz uso dessas bebidas. Isso é, a minoria bebe pela maioria. Os que bebem, na verdade, estão consumindo 17 litros/ano, em média. O alto consumo provoca mais de 3,3 milhões de mortes/ no mundo e por volta de 200 doenças, estão relacionadas direta ou indiretamente ao consumo excessivo de álcool.

              Há em nosso país, um milhão de pontos de venda de bebidas alcoólica, isso corresponde, a mais ou menos, um ponto de venda para cada duas mil pessoas e isso é um número bastante elevado considerando que essa aditividade comercial, colabora bastante para as pessoas beberem. Nosso padrão de consumo de álcool é excessivo regular, isto é, as pessoas em geral bebem de forma exagerada (beber em binge), até se embriagarem, padrão de consumo, nefasto à saúde física, social e mental.

            O álcool etílico, farmacologicamente, é uma substância de múltiplas ações no Sistema Nervoso Central- SNC. Ele, deprime as atividades do cérebro, muito embora, o consumo de baixas doses, é euforizante. Paradoxalmente, em doses baixas, reduz a ansiedade e promove certo relaxamento e bem-estar. Porém, em doses excessivas e regulares, faz o contrário, provoca crises de ansiedade e mal-estar difuso, sono irregular, alterações do apetite, da atenção, da memória de curto prazo e do pragmatismo.

            O álcool é também hedônico (induz ao prazer), pois age, preferentemente, em áreas cerebrais responsáveis pelo prazer humano. Essa área é designada, na nomenclatura científica, como área de recompensa cerebral – ARC ou área do prazer. Justamente, por ser uma região do cérebro altamente rica em DOPAMINA, neurotransmissor cerebral, encarregado, entre outras coisas, de proporcionar prazer. Por isso, o álcool ingerido em pequenas doses, melhora o desejo, o desempenho, o apetite sexual, a disposição, o interesse, a capacidade cognitiva e as relações sociais. Em excesso, é altamente patogênico e faz, justamente, o contrário.

                 Outro dado epidemiológico importante, é que 65% da população brasileira bebe e entre 10 a 13% dessa população são dependentes de álcool (alcoólatras). No Brasil, Quase 3% da população, acima de 15 anos de idade é considerada alcoólatra, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). Representa mais de 4 milhões de pessoas, nessa faixa etária. Segundo o Levantamento Nacional de Álcool e Drogas (II-Lenad), 32% da população brasileira bebe moderadamente e 16%, bebem de forma nociva.

                Como vimos acima, o uso de álcool ocasiona mais de 3 milhões de mortes por ano no mundo. No Brasil, cerca de 40 mil pessoas morrem por acidente automobilístico e 60 mil por homicídios. Esses dados mostram claramente a relevância desses problemas entre nós, nos chamando a atenção para a gravidade dessas questões.

             A OMS demonstra que o consumo de bebidas alcoólicas em pessoas acima de 15 anos, acelerou na década: em 2006 o consumo per capita/anual, era de 6,2 litros de álcool puro, em 2016 essa média passou para 8,9 litros/ano. O aumento é de 43,5%. Esses índices referendam estudos nos quais constatam que a população jovem brasileira está bebendo muito, ao ponto de, até 17 anos de idade 7% dessa população já serem dependentes de álcool. Isso é um problema muito grave do ponto de vista médico e psiquiátrico, pois todos esses jovens, com esse tipo de doença mental (alcoolismo), irão precisar de ajuda e tratamento profissionais.

             O consumo nacional de álcool está acima da média mundial, que é de 6,4 litros percapta/ano. Além do mais, o Brasil é o terceiro país na América Latina e o quinto em todo o continente com o maior consumo de álcool per capita, ficando atrás apenas de Canadá (10 litros), Estados Unidos (9,3 litros), Argentina (9,1 litros) e Chile (9 litros).

               Por último, sabe-se que o consumo excessivo do álcool está associado com mais de 60 condições clínicas (agudas e crônicas): entre estas, hipertensão arterial, diabetes e muitas outras doenças agravadas pelo consumo de álcool. Além, evidentemente de todos os outros problemas já citados anteriormente, sobretudo, sociais, como a violência doméstica e urbana, questões laborais, comportamento sexual de risco, entre outros. Sobre isso, o ponto que a OMS mais destaca é o impacto do consumo exagerado de álcool e o sistema imune. E, isso vem ocorrendo nessa época da pandemia do COVI-19. Estudos demonstram que houve um aumento de 50% no consumo de bebidas destilados e de 40% no de bebidas fermentadas.

                Evidentemente, que isso sinaliza para uma situação complicada considerando que o que mais precisamos, no presente momento, é que as pessoas estejam bem de saúde e, sobretudo com seu sistema de defesa arrojado (imunidade pessoal) para se contrapor à infecção pelo Corona vírus, tendo em vista que esse é um sistema é que irá nos defender dessa agressão viral. As angustias individuais, impostas pelas restrições sociais (isolamento social), o medo e pavor das pessoas de se contaminarem pelo vírus, as enormes frustrações por romperem suas atividades de trabalho, as perdas incomensuráveis financeiras, de emprego de renda, de outras atividades econômicas, as inúmeras mortes ocorridas de parentes, de pessoas queridas e amigos por complicações da COVID-19. Enfim, todas essas mazelas que estamos passando, são razões suficientes para explicar parte dos motivos das pessoas estarem atualmente bebendo mais.

            Observa-se, que a absoluta maioria dessas pessoas que estão bebendo excessivamente, já eram consumidores habituais e a pretexto desses fatores acima, enumerados, aumentaram, sobremaneira, esse consumo. Portanto, não é algo novo ocasionado pela pandemia. Pessoalmente, acredito que os novatos que estão iniciando a beberem agora, são bem menores.

            Outro fato, é que temos um número expressivo de jovens, adultos e da terceira idade, dependentes de álcool (alcoólatras), que se encontram em plena vigência de suas doenças e a maioria deles, sem qualquer tratamento psiquiátrico ou acompanhamento psicossocial, fato esse, os tornam mais vulneráveis às recaídas, portanto, mais propensos a beberem mais.

sem comentário »

Tratamento não-farmacológico do alcoolismo

0comentário

 

Em artigo anterior, publicado nesse Jornal, abordei o tratamento farmacológico do alcoolismo e chamava-lhes a atenção para dois aspectos importantes sobre esse assunto: a importância dos medicamentos atuais no tratamento da enfermidade alcoólica, considerando que esses fármacos, interferem, eficazmente, na compulsão do consumo do álcool, reduzindo, de forma drástica, essa compulsão, levando esses doentes a pararem ou a diminuírem a ingesta de bebidas. E, que, o tratamento farmacológico é um recurso a mais, no conjunto das medidas que podem utilizadas no tratamento do alcoolismo, pois só essa abordagem, isoladamente, não seria o mais recomendado.

Nesse artigo, tratarei de outros tratamentos ditos não-farmacológicos do alcoolismo, recursos tão importantes quanto os primeiros, na abordagem dessa doença. Esses outros tratamentos, são recomendados em razão da alta complexidade da doença alcoólica e dos inúmeros problemas médicos, psicossociais e comportamentais, relacionados a ela, exigindo, por isso mesmo, múltiplas abordagens.

Esses tratamentos, são: AA e grupos de autoajuda (Modelo Minnesotta); Entrevista Motivacional e estágios de mudanças; Terapia Breve e técnicas de moderação; Prevenção de Recaída; Terapia de família e Psicoterapia de dependência química.

Alcoólicos Anônimos – AA, é uma irmandade de homens e mulheres alcoólicos, que se reúnem sistematicamente, em determinados lugares da comunidade e nessas reuniões compartilham suas experiências, forças e esperanças, a fim de resolver problemas comuns e ajudar outros a se recuperarem do alcoolismo. O AA é uma das mais importantes instituições de autoajuda que existe na face da terra e tem prestado um serviço altamente valioso na recuperação de milhares de enfermos alcoólicos.

O AA foi fundado em 1935, em Akron, Ohio, EUA, portanto há 83 anos. E daí se espalhou pelo mundo. O único requisito para se tornar membro do AA é o desejo de parar de beber. Seu propósito primordial é manter seus membros sóbrios e ajudar outros dependentes de álcool a alcançarem a sobriedade. No Maranhão, o AA, foi fundado em 03 de janeiro de 1957, portanto, hoje com 61 anos e com dezenas de grupos aqui na ilha e em outros municípios do estado, presta excelentes serviços na recuperação de alcoólatras de nossa sociedade. Dezenas de municípios do estado dispões de grupos de AA. O contato da Central de Serviços é 3222 40 50.

Entrevista Motivacional e Estágios de Mudança. Outra modalidade importante no tratamento e na reabilitação de dependentes de álcool. É uma intervenção terapêutica que visa ajudar as pessoas a reconhecerem e modificarem seus comportamentos, aqui no caso o alcoolismo. São técnicas especializadas que visam mudar comportamentos e os conflitos, envolvendo a necessidade de mudança no estilo de vida dos dependentes.

Essa intervenção pode ser utilizada no tratamento de diversos problema, além da dependência química, e em todas as ocasiões, exige-se a disposição de mudar (motivação), e tratar das ambivalências comportamentais, além de exigir mudança de comportamento, como no caso de transtornos alimentares, do jogo patológico, de dependência de álcool e outras drogas, e até mesmo em comportamentos não-patológicos com o objetivo de promover a saúde mental.

A Entrevista Motivacional (EM) é uma intervenção terapêutica individualizada e busca aumentar a adesão ao tratamento dos paciente. Busca também, promover as mudanças necessárias para o enfrentamento do comportamento-problema e manter a pessoa mais segura na nova situação. Além do mais, a EM, também se orienta no sentido de evitar as recaídas tão frequentes entre esses enfermos.

Terapia Breve e técnicas de moderação. Outra técnica importante no manejo terapêutico do alcoolismo. Apresenta resultados terapêuticos bastante eficazes através de sessões realizadas em tempo curto, ocorre um atendimento semanal. São muito eficazes, dirigidas e focadas no enfrentamento do problema da pessoa e apresenta melhoras significativas já nos primeiros meses de tratamento. A técnica exige uma participação ativa do paciente e do terapeuta e trabalha a motivação de mudanças do paciente. Essa técnica não é específica para tratamento só do alcoolismo e de outras drogas, podendo, portanto, ser aplicada para o tratamento de outras condições psicopatológicas.

               Prevenção de Recaída. Trata-se de uma técnica desenvolvida nos anos de 80 e corresponde a uma das mais importantes abordagens que podemos oferecer aos enfermos dependentes de álcool e de outras drogas. O alcoolismo e a dependência química em geral são transtornos graves, de evolução lenta, crônica e recidivante. Isso é, o paciente alcoólico, não pode se dá ao luxo de beber depois que faz um tratamento e se recupera, devido a alta possiblidade de recaírem, ao voltarem a beber. Essa técnica, bem aplicada e de forma competente, impedi que isso ocorra, mantendo o enfermo abstinente e sóbrio.

               Terapia de família. A dependência química e o alcoolismo, em particular. é certamente, uma das doenças mentais que mais têm impacto na relação e na saúde familiar. Famílias de alcoólicos, sofrem tanto ou mais que os próprios enfermos. Filhos, esposos, maridos, ninguém escada. O sofrimento é geral e isso torna essas famílias muito vulneráveis ao desenvolvimento de muitas doenças afetivas, emocionais e comportamentais, não só ocasionada pelo comportamento idiossincrásico direto do parente enfermo, como também, por não saberem como lidar com os mesmos. Não raro, familiares de alcoólatras precisam de tratamento em razão desses problemas. A Terapia Familiar, portanto, é esse recurso destinado a tratar familiares desses enfermos. Apresenta resultado muito satisfatórios.

A Psicoterapia da dependência química, formalmente, é um outro recurso importante na abordagem desses enfermos dependentes de álcool e outras drogas. A técnica mais recomendada, atualmente, é a Terapia Cognitivo-Comportamental – TCC, muito embora, outras abordagens possam ser recomendadas. Essa técnica corresponde a um conjunto de recursos psicoterapêuticos aplicado aos enfermos, visando a mudar seu comportamento dependente. A técnica, busca a reestruturação cognitiva, a partir de uma conceituação cognitiva do paciente e de seus problemas, com vistas ás possíveis mudanças. Terapeuta e paciente têm papéis relevantes no desenvolvimento do processo de recuperação. A técnica tem um tempo previsto de tratamento, meio e fim.

 

sem comentário »

Pesquisa investiga saúde mental de mães de bebês com microcefalia

0comentário

             Cuidar de quem cuida. Esta é a linha de um estudo inédito realizado por pesquisadores do Hospital Oswaldo Cruz (Huoc), que fica no bairro de Santo Amaro, área central do Recife, sobre a saúde mental de mães de bebês com microcefalia. O projeto, realizado por médicos de várias áreas do hospital, foi submetido ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e ao Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade de Pernambuco para aprovação na segunda-feira (29).

            Cuidar de quem cuida. Esta é a linha de um estudo inédito realizado por pesquisadores do Hospital Oswaldo Cruz (Huoc), que fica no bairro de Santo Amaro, área central do Recife, sobre a saúde mental de mães de bebês com microcefalia. O projeto, realizado por médicos de várias áreas do hospital, foi submetido ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e ao Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade de Pernambuco para aprovação na segunda-feira (29).

            A pesquisa é coordenada pela psiquiatra do Huoc e pesquisadora Kátia Petribú, que desenvolveu a temática a partir da própria experiência nos corredores da unidade de saúde. “Eu trabalho há 21 anos no hospital e passo quase que diariamente pela pediatria. Eu nunca tinha visto tanta desolação como no caso das mães de bebês com microcefalia. Elas tinham um olhar de choque, perplexidade. Foi a partir deste comportamento que resolvi dar início ao estudo”, afirma a psiquiatra.

             A metodologia de pesquisa já havia começado de maneira mais informal com conversas na sala de espera; cerca de 40 mães participaram desta primeira parte. O estudo vai ser dividido entre mães de bebês com microcefalia e mães de bebês sem a malformação, que nasceram no mesmo período, para fazer um quadro comparativo. A primeira parte da pesquisa vai estudar bebês com até 20 semanas e, nas seguintes, crianças de 1 ano a 1 ano e meio.

             Em boletim divulgado pela Secretaria de Saúde nesta terça (1º), foram contabilizados 1.672 casos notificados de bebês com microcefalia em Pernambuco. Destes, 215 foram confirmados como tendo realmente a malformação através de exames de imagem.

“A gente precisa fazer algo por elas. Na maioria das vezes, só sabemos de caso de depressão pós-parto. Esses bebês, por exemplo, não se desenvolvem da mesma forma porque a mãe não dá o mesmo afeto, a mesma estimulação. Em casos de bebês com algum problema de saúde o risco do adoecimento mental dessas mães cresce inúmeras proporções. Se a mãe não estiver bem, logo, o bebê também não ficará”, pondera.

Nessa semana, de acordo com a médica, mães de bebês com microcefalia receberão atendimento psiquiátrico gratuito no ambulatório do hospital. Haverá também um grupo de psicoterapia duas vezes por semana na unidade de saúde. O Grupo de Ajuda à Criança Carente com Câncer (GAC) também deve treinar voluntárias para darem assistências a essas mães com orientações dentro do hospital.

Fonte: ABP

http://www.abp.org.br/portal/imprensa/clipping-2/

 

sem comentário »
https://www.blogsoestado.com/ruypalhano/wp-admin/
Twitter Facebook RSS