A falência da autoridade dos pais II

0comentário

                                         

             Alguém tem dúvidas, que as relações familiares estão em crise? Os pais estão cuidando de fato de seus filhos? Filhos da modernidade, têm tido respeito por pai ou mãe? Esses filhos reconhecem a autoridade dos pais? Há diálogos, compartilhamento ou companheirismo nas famílias modernas? Nossos filhos estão engajados em alguma atividade social, algum partido político, na comunidade, na igreja, em algum clube de serviço ou esportivo ou em qualquer outra atividade social? Os pais sabem, inteiramente, o que acontece com seus filhos, fora de casa?

              Essas são algumas questões que estão na ordem do dia e devem ser examinadas com rigor e afinco. Pode até parecer que sejam questões duras, incisivas ou inquietantes, mas que devem ser trabalhadas, no dia a dia das famílias, para evitarem maiores problemas nas relações familiares. São situações que fazendo parte das nossas inquietações, do mal-estar geral porque passa a sociedade atual e dos dramas que muitas famílias estão vivendo.

           Quando o assunto é educação familiar, em qualquer roda de conversa, na escola, na universidade, na comunidade, nas ruas, no trabalho ou mesmo dentro da própria família, a percepção de todos é que essa situação vai muito mal e a constatação é a sempre a mesma: a família está se perdendo e não sabem que rumo toma. Parece haver um caos total nesse sentido e isso não é explicado não por um único fator e sim por múltiplos fatores que se interagem, provocando a situação como essa que está aí.

           Portanto, é um tema bastante complexo exige tempo e muito trabalho para mudar a situação e ao se contratar que o problema existe, haveremos de adotar medidas adequadas para mudar o cenário da educação dos filhos e isso exigirá tempo e esforço de todos: do estado, da família, da comunidade e

        Entre os fatores, destaca a visível falência da autoridade dos pais na relação com seus filhos. É uma situação grave pois colabora, sobremaneira, para gerar graves conflitos familiares. Nos dá a impressão que os pais estão perdendo o comando, o controle, as rédeas, a autoridade na educação dos filhos e não é de hoje que isso vem ocorrendo. A impressão é que os pais vêm se tornando reféns dos filhos e estão atônitos sem saber o que fazer.

         Essa falência da autoridadeé demonstrada através de várias maneiras. Uma delas, é se perceber que filhos, cada vez com menos idade, demonstram ter vida própria, independência e autonomia e tocam suas vidas, quase por conta própria. Sabe-se, que os filhos dependem dos pais, se protegem nos pais, se espelham nos pais e se nutrem dos pais, em todos os sentidos e isso vai fomento o crescimento dos mesmos ao longo da vida. Atualmente, percebe-se que esses filhos, desde muito cedo “vão pondo as unhas para fora” e os pais por outro lado se sentem submissos e temerosos ante os mesmos. O comportamento, opositor, desafiador dessas crianças, mesmo muito pequenas, põem em risco a disciplina, o controle das regras, das normas de convivência familiar, indispensáveis, para uma boa educação.

           As crianças estão agindo precocemente, como se fossem autônomos, independentes, cheios de vontade e donos de si e de todos ou como se fossem adultos pequenos. Fazem o que querem, fora e dentro de casa, dão as ordens na casa dos pais, e esses, progressivamente, vão se tornando refém, submissos e receosos, sem força para mudar a situação e isso acaba deixando os filhos tomarem conta da casa, um barco à deriva, sem saber que rumo tomar. Esse é um fato terrível na educação dessas crianças pois muitos pais passam a se acusarem, mutuamente sobre o que está ocorrendo e a situação vai se permanecendo. É um momento de acusações mútuas, atritos, e até embates corporais e de “busca dos culpados”, enquanto o isso, o filho reina sozinho.

         A falência da autoridade dos pais, se revela, também, quando esses adotam atitudes autoritárias, dominadoras, violentas, agressivas e cruéis ou quando adotam comportamentos de indiferença quanto aos filhos, gerando um clima de estranheza e anonimato familiar. Indiferentismos, maus tratos, negligencia, descuidos na segurança e cuidados a esses filhos, são situações que ferem, profundamente, a alma dessas crianças e a hegemonia familiar, provocando enormes alterações emocionais, afetivas, comportamentais e de caráter, na vida desses filhos.

            A falência da autoridade dos pais se revela também quando na família não houver mais diálogo, quando se silenciam mutuamente e quando um, não sabe mais sobre o outro. Esse anonimato familiar, produz monólogos e silencia a todos. O silêncio é um veneno e quando impera entre pai e mãe, entre irmãos, entre os pais e filhos, é a derrocada total e muitos pais tornam-se permissivos, frouxas e sem autoridade e com medo de dizer não e de cobrá-los. Se sentem endividadas e submissos. A falta de limites, das normas e regras da casa, também expressa essa falência.

          Muitas vezes, para encobrir esses conflitos, os pais apresentam desculpas, ora esfarrapas ora convincentes sobre tudo isso, sendo a mais comum, a falta de tempo para se dedicarem mais aos filhos, pois os compromissos no trabalho ou a corrida frenética por dinheiro, não permitem que esses pais estejam mais presentes em casa. Outros, atribuem essas tarefas, exclusivamente às mães, como se estas fossem as únicas a educarem os filhos, outros ainda atribuem à correria do dia a dia, (pagar as contas) e quando não, atribuem à internet, às redes sociais, aos games etc. os motivos para tantos descuidos na educação dos filhos.

          A internet, os games, as redes sociais e outros entretenimentos via online passaram a ser a “bola da vez”, para explicar conflitos familiares. Todos esses recursos eletrônicos são próprios da vida moderna e instrumentos no dia a dia das pessoas. O que pode estar em jogo é a forma inadequada de utilização desses instrumentos e não eles em si mesmos. Atribuir aos mesmos a responsabilidade dos problemas familiares, é não querer ver a realidade ou tentar tapar o sol com a peneira, isso não me convence. O uso desses instrumentos, por crianças e adolescentes, deverá ser feito com regras e disciplinas para o bom uso dos mesmos. De tal forma, que o abuso ou uso indiscriminado e sem controle que ocorre dentro e fora de casa por crianças e adolescentes, às vezes, incentivados pelos próprios pais, já podem por si só, serem sinais, inequívocos da desagregação profunda porque passa essa família.

             Portanto, fiquemos atentos aos fatos que ocorrem em nossas famílias com vista a garantirmos sua sagada missão de assegurar a saúde, a segurança e o bem social e o pleno desenvolvimento das nossas crianças e adolescentes.

sem comentário »

A ganância na sociedade moderna

0comentário

                                       

           A ganância é um sentimento, caracterizado pela volúpia incontida, pela vontade incontrolável de possuir tudo, especialmente o que essas pessoas admiram para si próprio. É ambição desmedida, é a avidez por algo, é a cobiça, a avareza, a concupiscência, a usura e a cupidez. É a vontade exagerada, incontrolável e apetitosa de possuir as coisas. É um desejo excessivo direcionado principalmente à riqueza material, qual seja, o dinheiro. Quase sempre realizam ganhos ilícitos, ou estão sempre atras de outras formas de poder, onde os gananciosos influenciam outras pessoas a se deixarem corromper, manipular e a enganar para garantir suas intenções.

           Em Aurélio, a palavra ganância vem do espanhol, ganancia, esp. Ganar, ganhar, significa ambição de ganho, ganho ilícito, usura, ambição desmedida. Em Michaelis trata-se de uma ambição desmedida de ganho, ou lucro, ambição, avidez, cupidez. Em Dicio dicionário online, ganância é ambição, cobiça ou desejo intenso, imoderado por bens e riquezas. É busca incessante pelo lucro; agiotagem, usura. Vontade intensa e permanente de possuir ou de ganhar mais do que os demais.

            Para Charles Caleb Colton (1780 – 1832) clérigo inglês “a ambição comete, em relação ao poder, o mesmo erro que a ganância em relação a riqueza: começa a acumulá-la como meio de felicidade e acaba a acumulá-la como objetivo”. É o que ocorre na prática dos ambiciosos.

             A ganância, portanto, é um traço abominável da condição humana. Ela nasce com o homem, é um traço de sua personalidade, desde cedo aparece na vida das pessoas e pode prosseguir com ela a vida toda. Muitos podem nascer com esse traço, porém, ao longo da vida, pode se desfazer dele. É uma condição humana, comportamental, trans-histórica e transcultural.

              A ganância é e já foi objeto de muitos estudos e especulações, sobretudo do ponto de vista psicossocial e sócio antropológico. Entre os católicos, é um dos sete maiores pecados humanos, já identificados desde o final do século VI no Papado de Gregório Magno e aqui, a ganância se confunde com avareza.

            Gananciosos são figuras insaciáveis, têm um apetite voraz por tudo, especialmente por dinheiro e poder. São avaros e nada os satisfaz, sempre querem mais e mais, de forma desenfreada. Agem compulsivamente atrás de ganhos e dificilmente se desfazem do que têm.

          Na história recente de nosso país, por ocasião da Lava-Jato, assistíamos, frequentemente, pela grande mídia, casos notórios de grandes gananciosos serem denunciados ao Ministério Público, devido a uma intensa roubalheira ao erário. Eram pessoas que exerciam papéis importantes no cenário das atividades pública e política, e se comportavam como agentes insaciáveis na obtenção do dinheiro, mesmo por meios ilícitos. Os bandidos se organizavam em quadrilhas, regidas por meios sofisticados de cometem esses crimes e o faziam de forma absolutamente natural, na cara limpa, sem qualquer remorso, pudor ou arrependimento por estarem roubando o que era do povo. Eram gananciosos.

           Essas figuras, em geral, são disfarçadas, insensatos, arrogantes e indiferentes, são dissimulados. sentem-se sempre acima de tudo. São indiferentes e se apropriam indiferentemente do erário público de forma natural e tergiversam dentro das circunstâncias que vivenciam.

           São também evasivas. Quando são pegos, se sentem injustiçados ante tais medidas. A maioria sequer manifesta arrependimento e sempre procura explicar seus atos. São indiferentes aos danos cometidos pelos seus crimes. Avidez por ganho, lucros, vantagens, tanto por via lícita quanto ilícita são de valores enormes, incalculáveis. É a ganância se revelando em cada uma dessas pessoas. Tornam-se cegos e avaliam mal as consequências de seus atos. Esquecem-se da ética, dos sentimentos de dó e piedade, do dever e da cidadania. Esquecem-se que têm filhos, esposas, amigos e que ainda há quem sinta vergonha no mundo. Seus atos revelam uma disposição desmedida de ter, possuir, dispor de algo, e o pior, que não lhes pertence. É um egoísmo excessivo, inconsequente e incomensurável.

             Vejam o que ocorreu com os ladrões da Lava-Jato, a volúpia por dinheiro era suas grandes marcas. Em condições normais de vida, jamais gastariam todo dinheiro que roubaram, a não ser em extravagâncias e na perspectiva de uma vida desmedida, mesmo assim roubaram compulsivamente.

            A ganância, como outros comportamentos humanos, é muito influenciada pela cultura e pelo ambiente onde se vive. Vive-se em uma cultura e em uma sociedade que incentiva e estimula a prática da ganância. O egocentrismo, a vaidade, a insinceridade, a superficialidade nos comportamentos pueris são comportamentos comuns na sociedade atual, gerando pessoas arrogantes, presunçosas, desumanas, blasfemadoras e desrespeitosas. E tudo isso acaba por incentivando gananciosos a pretender se dar bem na vida.

            O ambicioso, dificilmente, estabelece relações seguras e confiáveis com alguém, pois suas motivações, nas relações interpessoais, são sempre interesseiras, pragmáticas e visam ganhos. São pessoas envolventes e sedutoras e sempre tem na cabeça “dá o golpe” com o intuito de atingir seus objetivos, quaisquer que sejam eles, independente se suas atitudes mesmo que isso possa gerar problemas para alguém, para a comunidade ou para a sociedade. Para os gananciosos a vida e todas as suas relações são inspiradas em um balcão de negócios, por isso mesmo estão sempre atentas as vantagens que pode extrair em suas atividades.

              A ganância, está diretamente relacionado com transtornos de personalidade antissocial, isto é um traço forte dos psicopatas, pelo seu absoluto indiferentismo, ausência de sentimentos de culpa ou remorso oriundos de suas atitudes. São figuras malévolas, frias e e insensíveis, sem remorsos, culpa ou arrependimentos, portanto “temos que ter sempre um pé atrás com essas pessoas” pois você pode representar um trampolim para essas maus-caracteres alcançarem seus cruéis objetivos.

sem comentário »

A ganância na sociedade moderna

0comentário

                                     

           A ganância é um sentimento, caracterizado pela volúpia incontida, pela vontade incontrolável de possuir tudo, especialmente o que essas pessoas admiram para si próprio. É ambição desmedida, é a avidez por algo, é a cobiça, a avareza, a concupiscência, a usura e a cupidez. É a vontade exagerada, incontrolável e apetitosa de possuir as coisas. É um desejo excessivo direcionado principalmente à riqueza material, qual seja, o dinheiro. Quase sempre realizam ganhos ilícitos, ou estão sempre atras de outras formas de poder, onde os gananciosos influenciam outras pessoas a se deixarem corromper, manipular e a enganar para garantir suas intenções.

           Em Aurélio, a palavra ganância vem do espanhol, ganancia, esp. Ganar, ganhar, significa ambição de ganho, ganho ilícito, usura, ambição desmedida. Em Michaelis trata-se de uma ambição desmedida de ganho, ou lucro, ambição, avidez, cupidez. Em Dicio dicionário online, ganância é ambição, cobiça ou desejo intenso, imoderado por bens e riquezas. É busca incessante pelo lucro; agiotagem, usura. Vontade intensa e permanente de possuir ou de ganhar mais do que os demais.

            Para Charles Caleb Colton (1780 – 1832) clérigo inglês “a ambição comete, em relação ao poder, o mesmo erro que a ganância em relação a riqueza: começa a acumulá-la como meio de felicidade e acaba a acumulá-la como objetivo”. É o que ocorre na prática dos ambiciosos.

             A ganância, portanto, é um traço abominável da condição humana. Ela nasce com o homem, é um traço de sua personalidade, desde cedo aparece na vida das pessoas e pode prosseguir com ela a vida toda. Muitos podem nascer com esse traço, porém, ao longo da vida, pode se desfazer dele. É uma condição humana, comportamental, trans-histórica e transcultural.

              A ganância é e já foi objeto de muitos estudos e especulações, sobretudo do ponto de vista psicossocial e sócio antropológico. Entre os católicos, é um dos sete maiores pecados humanos, já identificados desde o final do século VI no Papado de Gregório Magno e aqui, a ganância se confunde com avareza.

            Gananciosos são figuras insaciáveis, têm um apetite voraz por tudo, especialmente por dinheiro e poder. São avaros e nada os satisfaz, sempre querem mais e mais, de forma desenfreada. Agem compulsivamente atrás de ganhos e dificilmente se desfazem do que têm.

          Na história recente de nosso país, por ocasião da Lava-Jato, assistíamos, frequentemente, pela grande mídia, casos notórios de grandes gananciosos serem denunciados ao Ministério Público, devido a uma intensa roubalheira ao erário. Eram pessoas que exerciam papéis importantes no cenário das atividades pública e política, e se comportavam como agentes insaciáveis na obtenção do dinheiro, mesmo por meios ilícitos. Os bandidos se organizavam em quadrilhas, regidas por meios sofisticados de cometem esses crimes e o faziam de forma absolutamente natural, na cara limpa, sem qualquer remorso, pudor ou arrependimento por estarem roubando o que era do povo. Eram gananciosos.

           Essas figuras, em geral, são disfarçadas, insensatos, arrogantes e indiferentes, são dissimulados. sentem-se sempre acima de tudo. São indiferentes e se apropriam indiferentemente do erário público de forma natural e tergiversam dentro das circunstâncias que vivenciam.

           São também evasivas. Quando são pegos, se sentem injustiçados ante tais medidas. A maioria sequer manifesta arrependimento e sempre procura explicar seus atos. São indiferentes aos danos cometidos pelos seus crimes. Avidez por ganho, lucros, vantagens, tanto por via lícita quanto ilícita são de valores enormes, incalculáveis. É a ganância se revelando em cada uma dessas pessoas. Tornam-se cegos e avaliam mal as consequências de seus atos. Esquecem-se da ética, dos sentimentos de dó e piedade, do dever e da cidadania. Esquecem-se que têm filhos, esposas, amigos e que ainda há quem sinta vergonha no mundo. Seus atos revelam uma disposição desmedida de ter, possuir, dispor de algo, e o pior, que não lhes pertence. É um egoísmo excessivo, inconsequente e incomensurável.

             Vejam o que ocorreu com os ladrões da Lava-Jato, a volúpia por dinheiro era suas grandes marcas. Em condições normais de vida, jamais gastariam todo dinheiro que roubaram, a não ser em extravagâncias e na perspectiva de uma vida desmedida, mesmo assim roubaram compulsivamente.

            A ganância, como outros comportamentos humanos, é muito influenciada pela cultura e pelo ambiente onde se vive. Vive-se em uma cultura e em uma sociedade que incentiva e estimula a prática da ganância. O egocentrismo, a vaidade, a insinceridade, a superficialidade nos comportamentos pueris são comportamentos comuns na sociedade atual, gerando pessoas arrogantes, presunçosas, desumanas, blasfemadoras e desrespeitosas. E tudo isso acaba por incentivando gananciosos a pretender se dar bem na vida.

            O ambicioso, dificilmente, estabelece relações seguras e confiáveis com alguém, pois suas motivações, nas relações interpessoais, são sempre interesseiras, pragmáticas e visam ganhos. São pessoas envolventes e sedutoras e sempre tem na cabeça “dá o golpe” com o intuito de atingir seus objetivos, quaisquer que sejam eles, independente se suas atitudes mesmo que isso possa gerar problemas para alguém, para a comunidade ou para a sociedade. Para os gananciosos a vida e todas as suas relações são inspiradas em um balcão de negócios, por isso mesmo estão sempre atentas as vantagens que pode extrair em suas atividades.

              A ganância, está diretamente relacionado com transtornos de personalidade antissocial, isto é um traço forte dos psicopatas, pelo seu absoluto indiferentismo, ausência de sentimentos de culpa ou remorso oriundos de suas atitudes. São figuras malévolas, frias e e insensíveis, sem remorsos, culpa ou arrependimentos, portanto “temos que ter sempre um pé atrás com essas pessoas” pois você pode representar um trampolim para essas maus-caracteres alcançarem seus cruéis objetivos.

sem comentário »

Doença mental não é um bicho de sete cabeças

0comentário

            Maluquice, médico de doido, fulano é louco, essas são, entre tantas outras, expressões preconceituosas sobre as doenças e os doentes mentais. E, não é de hoje que isso ocorre, há séculos que convivemos com tais expressões pejorativas, as quais só trazem prejuízos para os próprios pacientes, para seus familiares, para os psiquiatras e para todos que lidam com esses enfermos.

           Essas expressões escondem os tremendos preconceitos sociais que sempre houve e ainda há pairando sobre esses seguimentos de tal forma que o preço que se paga é enorme. Como todos sabem, preconceitos são práticas cruéis, massacrantes, utilizadas para discriminar, segregar alguém ou um grupamento de pessoas. É uma prática discriminatória e uma violência inominada, qualquer que seja a sua forma de expressão, pois todos eles segregam, geram intolerâncias, rejeições e repúdios.

           As atitudes preconceituosas se manifestam de diferentes maneiras: por gestos, atitudes, palavra, na escrita, no olhar e na forma de agir, etc. Todas essas formas vão em um único sentido, qual seja, o de marginalizar, criar estereótipos sobre ao que ou a quem é dirigido. O resultado final na vigência de qualquer preconceito é produzir sentimentos de hostilidade, implicância e exclusão, por isso mesmo, afastam as pessoas do convívio pessoal, social ou familiar.

            Os preconceitos, são evidenciadas nas relações humanas, pessoal e social os quais não permitirem que outros vejam os fatos como são. Para Aurélio, preconceitos são conceitos antecipados sem maiores ponderações ou conhecimentos dos fatos sobre os quais as pessoas são envolvidas. São ideias preconcebidas. Pode também ser considerado um julgamento ou opinião formada sem se levar em conta os fatos que os contestem.  Para Voltaire (1694 – 1778), poeta, dramaturgo, historiador e filósofo iluminista francês, dizia “preconceito é opinião sem conhecimento”.

          Por outro lado, por conceito, entendemos que é a representação do objeto pelo pensamento por meio de suas caraterísticas gerais. É a ação de formular uma ideia por meio de palavras, é definir, é caracterizar. O conceito nos aproxima daquilo sobre o qual estamos tratando e o preconceito nos afasta. Também consideramos conceito como sendo uma concepção, uma ideia ou a caracterização de algo ou alguém.

         Nos dias atuais, os movimentos políticos, humanísticos, sociais, institucionais, jurídicos e culturais estão mais bem motivados para o enfrentamento dos preconceitos, em todos os sentidos. A luta é ferrenha para desnudar-nos dessas pechas preconceituosas, que não nos levam a quaisquer lugares ao mesmo tempo não colaboram para as boas práticas sociais e humanas. Por serem fenômenos históricos, os preconceitos estão incrustrados, psicológico e socialmente, em toda sociedade, por isso mesmo é muito difícil o seu enfrentamento.

              Albert Einstein (1879 – 1955) físico e humanista alemão, autor da teoria da relatividade, e Prêmio Nobel de Física de 1921, reconhecendo as dificuldades de se demolir os preconceitos dizia: “Triste época! É mais fácil desintegrar um átomo do que um preconceito”.

           Há vários tipos de preconceitos: de gênero (sexismo), de cor (racismo), de idade (criança, idoso), intolerância religiosa, de nacionalidade (xenofobia), de condição social e econômica, de enfermidades (ex. doença mental), culturais e de tudo que diga respeito ao estar do homem no mundo. Em qualquer das situações, o legado principal é a opressão, a discriminação, estereotipagem, a segregação de pessoas ou grupos sociais vítimas dos mesmos. O processo de marginalização imposto pelos preconceitos é algo abominável e o sofrimento vivido por suas vítimas, é atroz. 

         Do ponto de vista médico, os preconceitos aplicados às doenças mentais, podem ser considerados os piores entre os que existem. Os doentes mentais foram atingidos, em cheio ao longo da história e os mesmos são seculares. As consequências foram enormes e ainda são até hoje, interferem, fortemente, nos tratamentos e na recuperação desses pacientes, nas relações sociais (exclusão), familiares, em políticas públicas, nas medidas de prevenção dessas doenças, na imagem social dos enfermos, em seus direitos civis e humanos, na acessibilidade a serviços médicos especializados e em tudo mais, que giram em torno a esses transtornos.

            Paradoxalmente, nos últimos 30 anos avançou-se muito no manejo e entendimentos sobre essas doenças. Houve uma verdadeira revolução no pensamento psiquiátrico ou científico sobre essas doenças em diferentes aspectos, fato que ajudou muito no enfrentamento desses preconceitos. Hoje, sabe-se bastante sobre as bases fisiopatológicas das doenças mentais, fato que também aproximou a Psiquiatria das outras especialidades médicas, pois em todas essas doenças, indistintamente, apresentam: uma fisiopatologia (causa), um quadro clínico, uma evolução (curso), um diagnóstico, um prognóstico e um tratamento, sem qualquer distinção entre as mesmas.

              O surgimento de modernos fármacos para o tratamento dessas enfermidades é outro avanço histórico na Psiquiatria moderna. Surgiram medicamentos, altamente eficazes no tratamento e na prevenção dessas doenças, possibilitando melhorias na recuperação e prevenção de recaída nesses enfermos. O aperfeiçoamento de técnicas em psicoterapia corresponde a outro aspecto, altamente evolutivo na prática médica e psicológica. São recursos, indispensáveis do ponto de vista terapêutico, que associados às boas práticas medicas, auxiliam milhares de enfermos no manejo de seus problemas emocionais e psiquiátricos.

          Devido a todos esses avanços, aperfeiçoaram-se os critérios diagnósticos dessas enfermidades, tornando-os mais fidedignos e seguros. Todos esses avanços tem favorecido o enfrentamento dos preconceitos em Psiquiatria e em saúde mental.

           Temos no Brasil, uma das mais importantes campanhas contra os preconceitos aos portadores de transtornos e deficiências mentais, qual seja a PSICOFOBIA. Ela foi implementada pela Associação Brasileira de Psiquiatria – ABP, em 2014. Hoje, a Psicofobia, internacionalizou-se e já existe uma legislação federal que criminaliza qualquer prática preconceituosa contra esses enfermos. É preciso que o cidadão, os familiares, os próprios doentes mentais, a classe médica e todos os profissionais da área, colaborem para assegurar melhores condições de assistência a esses enfermos.

sem comentário »
https://www.blogsoestado.com/ruypalhano/wp-admin/
Twitter Facebook RSS