Ciúme doentio

0comentário

Nas relações humanas o ciúme é um dos fenômenos mais comum que ocorre emdiferentes etapas da vida, podendo-se considerá-lo uma experiência normal euniversal que surge em diferentes formas de relacionamentos. É definido como umacondição caracterizada por pensamentos, emoções e sentimentos de ameaça e percasde algo muito querido e desejado. O tema dominante do ciúme é suspeição da infidelidade do parceiro, podendo ocasionar sofrimento para os membros da relação.

Inúmeros estudos realizados em diferentes países e com diferentes populações indicam a presença do ciúme em boa parte dos pesquisados. É um fenômeno que pode aparecer ante uma imensa diversidade de situações, sendo comum em relacionamentos amorosos, entre filhos, pais e filhos, amigos e parentes.

Há níveis diferentes de se experimentar o ciúme, de tal forma que nem sempre esta experiência é patológica. Há ocasiões em que o ciúme tempera a relação e favorece a aproximação entre as pessoas de tal forma que em sua falta total o conflito se manifesta. Este tipo de ciúme é considerado normal ou funcional onde caso haja qualquer conflito por sua presença, uma boa conversa sempre resolve.

Todavia, quando esta fronteira é ultrapassada e a relação é formalmente afetada por dor, desconfiança mórbida, violência e sofrimento entre os envolvidos na relação aí estamos diante do ciúme doentio ou patológico. Este tipo de ciúme se expressa de forma heterogênea, através de idéias obsessivas, idéias prevalentes ou até mesmo atividade delirante. Este tipo de ciúme pode se constituir como um sintoma de diferentes doenças, como transtorno obsessivo-compulsivo (TOC), transtorno delirante, transtorno de personalidade, transtornos graves do humor, esquizofrenia e alcoolismo.

O ciúme patológico pode coexistir em pacientes internados em hospitais psiquiátricos em uma faixa de 1,1 % deles e a prevalência diagnóstica é a seguinte: psicoses orgânicas (doenças cérebro-vasculares, demências etc.) 7%; distúrbios paranóides 6,7%; psicoses alcoólicas 5,6% e esquizofrenias 2,5%.

Em pacientes ambulatoriais está muito presente entre os quadros de depressivos, ansiosos e obsessivos. A maioria absoluta dos portadores de ciúme patológico, entretanto, não está dentro dos hospitais, nem nos ambulatórios e sim nas ruas especialmente entre casais e muitos destes portadores deste tipo de ciúme estão sem tratamento médico e quando procura o especialista a relação já se encontra muito desgastada, restando tão somente a separação pela impossibilidade de recuperar a convivência.

Entre os dependentes de álcool é muito comum apresentarem delírios de ciúme, sintoma que pode ser considerado como característico do alcoolismo, especialmente entre alcoólicos crônicos. Neste caso a impotência sexual comum entre alcoólatras é um importante fator no desenvolvimento de idéias de infidelidade, sentimentos de inferioridade e rejeição. A prevalência do ciúme patológico no alcoolismo é muito alta e gira em torno de 34%. A evolução comum do ciúme patológico como sintoma do alcoolismo, pode ser, inicialmente, apenas durante a intoxicação alcoólica e, posteriormente, também nos períodos de sobriedade. Nas mulheres, fases de menor interesse sexual ou atratividade física, como ocorre na gravidez e menopausa, produz redução da auto-estima, aumentando a insegurança e a ocorrência do ciúme patológico.

Por se tratar de uma condição mórbida o portador de ciúme patológico deve sempre procurar tratamento médico e psicossocial, só assim estas pessoas podem se recuperar. A utilização de medicamentos é uma estratégia importante especialmente quando este ciúme é secundário a outros transtornos mentais: dependência de drogas, alcoolismo, depressões graves, quadros psicóticos esquizofrênicos etc. As psicoterapias se constituem armas poderosas na recuperação destes enfermos especialmente as terapias cognitivo – comportamentais – TCC.

sem comentário »

Insônia e Doença Mental

0comentário

            É certamente uma das piores queixas que alguém pode apresentar em uma consulta médica o fato de se ter dificuldades de dormir, ter uma noite mal dormida ou um sono atrapalhado. As alterações logo se apresentam no dia seguinte: indisposição geral, cansaço matinal, irritabilidade exagerada, dores de cabeça, indisposição, mau humor e muitos outros sintomas em geral muito desagradáveis. E, se a insônia se sucede estes sintomas se agravam ao ponto das noites se transformarem em “verdadeiros tormentos”.  

            Desde a antiguidade clássica que a insônia desperta grandes interesses e curiosidades. Filósofos e médicos como Hipócrates relacionava a insônia a aborrecimento e à tristeza, enquanto Aristóteles tinha mais interesse nos estudos da fisiologia do sono, acreditando que o sono era uma condição necessária para a manutenção da percepção. Desta época pra cá muitos outros estudos sobre o sono foram se desenvolvendo ao ponto de considerá-los atualmente como uma das mais importantes estudos da neurofisiologia e da medicina.

            Do ponto de vista funcional os distúrbios do sono são classificados em 04 categorias, estando as insônias na categoria das Dissonias. Que são distúrbios que refletem anormalidades na quantidade, qualidade ou tempo de sono. Neste grupo estão também as hipersônias, narcolepsias, pesadelos, terror noturno, sonambulismo, entre os principais distúrbios.

Entre estes distúrbios a insônia é um dos mais referidos, em torno de 20% dos adultos sendo mais comun entre mulheres. É incomum entre crianças e adolescentes, aparece geralmente no adulto jovem (entre 20 e 30 anos) e se intensifica gradativamente, sendo muito frequente entre os idosos.

            Clinicamente temos a insônia primária onde sua prevalência anual gira em torno de 30 a 40% entre os adultos. Em clínicas especializadas em transtornos do sono, aproximadamente 15 a 25% dos indivíduos com insônia crônica recebem o diagnóstico de Insônia Primária. Neste tipo de insônia a queixa principal é a dificuldade para iniciar ou manter o sono, que dura em geral no mínimo 1 mês e causa sofrimento clinicamente significativo ou prejuízo no funcionamento social ou ocupacional ou em outras áreas importantes da vida do indivíduo.

Temos ainda insônias secundárias onde a insônia é sintomas de um transtorno médico, psicológico ou social subjacentes: depressões, distress, transtornos de ansiedade, distúrbios ocupacionais, abuso de álcool e de outras drogas, bem como outros transtornos médicos de diferentes naturezas podem também alterar a fisiologia do sono provocando insônias graves.

            Clinicamente há três tipos de insônias: insônia inicial, intermediária e a final. A inicial é muito frequente e a que mais comumente aparece como queixa nos consultórios. Nesta a pessoa tem dificuldade de começar a dormir passando horas rolando na cama e o sono não chega. É uma situação angustiante e incomoda demais as pessoas. Esta situação pode estar relacionada a pessoas ansiosas, excessivamente preocupadas que estejam passando por problemas recentes ou são reações iniciais de episódio depressivo.

            A insônia intermediaria é aquela em que a pessoa inicia seu sono, porém na madrugada não dorme mais ou fica acordando várias vezes na noite, tendo um sono interrompido fazendo com que no dia seguinte a pessoa tenha a sensação de não ter dormido nada. E por último a insônia terminal na qual a pessoa acorda no raiar do dia e não consegue mais dormir. Este tipo é comum e muito angustiante observdo em paciente portadores de depressões graves.

A evolução dos meios de diagnóstico das insônias e o surgimento de modernos tratamentos farmacológicos e não farmacológicos destes distúrbios vieram ajudar muito o seu tratamento. Em princípio deve-se sempre buscar as causas da insônia seja ela primaria ou secundária, para orientar seu tratamento.  O uso de medicamentos nem sempre é o único recurso e se houver opção por este, deve-se sempre ter muita cautela para evitar que os portadores de insônias não fiquem viciados em hipnóticos.

 

 

 

sem comentário »

Vacina promete fim do vício em cigarro; pneumologista faz alerta

0comentário
 
A vacina desenvolvida pelos pesquisadores americanos tem a intenção de evitar que jovens comecem a fumar Foto: Getty ImagesA vacina desenvolvida pelos pesquisadores americanos tem a intenção de evitar que jovens comecem a fumar

Cientistas da Universidade de Cornell, nos Estados Unidos, criaram uma vacina que bloqueia a ação da nicotina no organismo. No experimento, por enquanto testado em camundongos, o indivíduo vacinado recebe anticorpos que o impedem de sentir prazer ao fumar, já que eles bloqueariam a entrada da nicotina no cérebro. As informações são do Daily Mail.

Durante a investigação, os ratos vacinados receberam doses de nicotina, porém, os anticorpos impediram que 85% delas chegassem ao cérebro, sem que houvesse prejuízos comportamentais. Uma das intenções da pesquisas é evitar o surgimento de novos fumantes, principalmente os mais jovens.

Irma de Godoy, pneumologista da  Universidade Estadual Paulista (Unesp), em Botucatu, diz que ainda não é possível afirmar que a eficiência da descoberta, já que não garante que a quantidade de anticorpos produzidos seja suficiente para impedir a chegada da nicotina ao cérebro.

“Na verdade, a nicotina não é só dependência física, mas é também comportamental. Não se pode garantir que a pessoa vá parar de fumar só por isso. O tratamento tem que ter outras abordagens associadas”, completa a especialista brasileira.

A pesquisa está em estágio inicial e deve demorar ao menos 5 anos para chegar ao mercado.

sem comentário »

Insônia e Doença Mental

0comentário

           É certamente uma das piores queixas que alguém pode apresentar em uma consulta médica o fato de se ter dificuldades de dormir, ter uma noite mal dormida ou um sono atrapalhado. As alterações logo se apresentam no dia seguinte: indisposição geral, cansaço matinal, irritabilidade exagerada, dores de cabeça, indisposição, mau humor e muitos outros sintomas em geral muito desagradáveis. E, se a insônia se sucede estes sintomas se agravam ao ponto das noites se transformarem em “verdadeiros tormentos”.

            Desde a antiguidade clássica que a insônia desperta grandes interesses e curiosidades. Filósofos e médicos como Hipócrates relacionava a insônia a aborrecimento e à tristeza, enquanto Aristóteles tinha mais interesse nos estudos da fisiologia do sono, acreditando que o sono era uma condição necessária para a manutenção da percepção. Desta época pra cá muitos outros estudos sobre o sono foram se desenvolvendo ao ponto de considerá-los atualmente como uma das mais importantes estudos da neurofisiologia e da medicina.

Do ponto de vista funcional os distúrbios do sono são classificados em 04 categorias, estando as insônias na categoria das Dissonias. Que são distúrbios que refletem anormalidades na quantidade, qualidade ou tempo de sono. Neste grupo estão também as hipersônias, narcolepsias, pesadelos, terror noturno, sonambulismo, entre os principais distúrbios.

Entre estes distúrbios a insônia é um dos mais referidos, em torno de 20% dos adultos sendo mais comun entre mulheres. É incomum entre crianças e adolescentes, aparece geralmente no adulto jovem (entre 20 e 30 anos) e se intensifica gradativamente, sendo muito frequente entre os idosos.

Clinicamente temos a insônia primária onde sua prevalência anual gira em torno de 30 a 40% entre os adultos. Em clínicas especializadas em transtornos do sono, aproximadamente 15 a 25% dos indivíduos com insônia crônica recebem o diagnóstico de Insônia Primária. Neste tipo de insônia a queixa principal é a dificuldade para iniciar ou manter o sono, que dura em geral no mínimo 1 mês e causa sofrimento clinicamente significativo ou prejuízo no funcionamento social ou ocupacional ou em outras áreas importantes da vida do indivíduo.

Temos ainda insônias secundárias onde a insônia é sintomas de um transtorno médico, psicológico ou social subjacentes: depressões, distress, transtornos de ansiedade, distúrbios ocupacionais, abuso de álcool e de outras drogas, bem como outros transtornos médicos de diferentes naturezas podem também alterar a fisiologia do sono provocando insônias graves.

Clinicamente há três tipos de insônias: insônia inicial, intermediária e a final. A inicial é muito frequente e a que mais comumente aparece como queixa nos consultórios. Nesta a pessoa tem dificuldade de começar a dormir passando horas rolando na cama e o sono não chega. É uma situação angustiante e incomoda demais as pessoas. Esta situação pode estar relacionada a pessoas ansiosas, excessivamente preocupadas que estejam passando por problemas recentes ou são reações iniciais de episódio depressivo.

A insônia intermediaria é aquela em que a pessoa inicia seu sono, porém na madrugada não dorme mais ou fica acordando várias vezes na noite, tendo um sono interrompido fazendo com que no dia seguinte a pessoa tenha a sensação de não ter dormido nada. E por último a insônia terminal na qual a pessoa acorda no raiar do dia e não consegue mais dormir. Este tipo é comum e muito angustiante observdo em paciente portadores de depressões graves.

A evolução dos meios de diagnóstico das insônias e o surgimento de modernos tratamentos farmacológicos e não farmacológicos destes distúrbios vieram ajudar muito o seu tratamento. Em princípio deve-se sempre buscar as causas da insônia seja ela primaria ou secundária, para orientar seu tratamento.  O uso de medicamentos nem sempre é o único recurso e se houver opção por este, deve-se sempre ter muita cautela para evitar que os portadores de insônias não fiquem viciados em hipnóticos.

 

 

 

sem comentário »

Confira 10 maneiras naturais de aliviar o estresse

0comentário

 Foto: Getty Images

A massagem relaxa os músculos tensos, reduz a dor e melhora a circulação, detalhes que podem fazer maravilhas para a mente. O estresse pode levar à pressão alta, obesidade, doenças cardíacas, ansiedade, depressão. Que tal tentar se livrar dele de maneira natural? Confira abaixo 10 dicas listadas pelo médico Manny Alvarez no site da Fox News:

Maracujá: a fruta é considerada um remédio popular para ansiedade e insônia, e alguns têm demonstrado que pode ser comparado à eficácia de benzodiazepínicos, que são usados para tratar o estresse. Embora não esteja comprovado, acredita-se que aumenta os níveis de um produto químico chamado ácido gama-aminobutírico no cérebro, o que diminui a atividade de algumas células do órgão, fazendo com que se sinta relaxado.

Massagem: relaxa os músculos tensos, reduz a dor e melhora a circulação, detalhes que podem fazer maravilhas para a mente.

Meditação: reservar 15 a 30 minutos por dia para meditar é fundamental. Esse tempo permite que seus pensamentos corram livres ou se concentrar apenas na sua respiração.

Exercícios físicos: a atividade física funciona como a meditação, porque fornece tempo para estar a sós com seus pensamentos. Também libera endorfinas no cérebro, o que melhora o seu humor. Ainda previne obesidade e outros problemas de saúde, dando-lhe menos motivos para ficar estressado.

Organize sua vida: organização oferece sensação de controle e paz de espírito. Se você é o tipo de pessoa que está sempre cheio de coisas para fazer, monte uma lista para se lembrar de tudo. Caso a casa esteja bagunçada, tire um tempo para colocar ordem nas coisas. Estudos têm demonstrado que simplesmente ver a desorganização pode nos deixar instáveis.

Coma de maneira saudável: alimentos saudáveis, como grãos integrais e proteínas, podem melhorar o humor e fornecer energia para enfrentar o dia a dia. As iguarias que são especialmente eficazes contra o estresse são mirtilo (blueberry), salmão, amêndoa. Lembre-se de que excesso de cafeína pode deixá-lo nervoso e ansioso.

Limite o uso de internet e celular: desconecte-se nos momentos de folga. Permita-se viver o momento sem ficar se lembrando dos problemas do trabalho, por exemplo. Fora isso, é importante cortar o uso de aparelhos eletrônicos durante a noite para evitar insônia.

Vitaminas B: promovem o funcionamento adequado do sistema nervoso e do cérebro, assim como ajudam a induzir o relaxamento e combater a fadiga. De fato, os indicadores de deficiência de vitaminas B incluem irritabilidade, depressão e apatia. Portanto, invista em alimentos ricos em vitaminas B, como grãos de cereais, feijão, ervilha, nozes, fígado, ovos e produtos lácteos.

Aromaterapia: em alguns casos, a inalação de determinados aromas apresenta efeitos de alívio de tensão imediatos por meio do aumento do humor, reduzindo a ansiedade e auxiliando a concentração. Especialistas explicam que os cheiros podem estimular o sistema límbico, que, por sua vez, libera substâncias químicas que afetam o cérebro, promovendo sensações de relaxamento, calma, amor e emoção. Os óleos populares para alívio do estresse e fadiga mental são lavanda, cipreste e alecrim.

Dormir: o sono é o redutor de estresse natural mais importante. Pouco sono torna as pessoas irritadas e, muito, lentas e deprimidas. Encontre o equilíbrio. Não pratique atividade física três horas antes de se deitar, tome banho quente e aposte em alimentos que contêm triptofanos, um precursor para a criação de melatonina: carboidratos, banana, amendoim, figo, leite.

sem comentário »

Estresse e depressão podem encolher cérebro, diz estudo

0comentário
O estresse e a depressão afetam no sistema que garante o bom funcionamento mental Foto: Getty ImagesA depressão grave e o estresse crônico podem encolher o cérebro, bloqueando a formação de novas conexões nervosas. Isso foi o que apontou um estudo americano divulgado no jornal Daily Mail. Segundo a pesquisa, esses problemas interrompem circuitos associados com o funcionamento mental e emotivo.

Isso poderia explicar porque pessoas com grande transtorno depressivo sofrem de perda de concentração e memória e têm suas respostas emocionais prejudicadas. De acordo com os cientistas, esses pacientes apresentam vários genes envolvidos na construção das sinapses, pontos de conexão entre as células cerebrais, suprimidos. Esse processo contribuiria para a retração do córtex pré-frontal do cérebro.

Os pesquisadores analisaram o tecido cerebral de pacientes que morreram após serem diagnosticados com grande transtorno depressivo. Eles descobriram sinais moleculares de atividade reduzida em genes necessários para a função e estrutura das sinapses no cérebro. As evidências apontam para o envolvimento de um único “interruptor” genético, ou fator de transcrição, uma proteína chamada GATA1.

“Nós queríamos testar a ideia de que o estresse provoca uma perda de sinapses cerebrais em humanos. Então, mostramos que os circuitos normalmente envolvidos na cognição são interrompidos quando este fator de transcrição único é ativado”, afirmou Ronald Duman, professor da Universidade de Yale e líder do estudo. A pesquisa foi publicada na última edição da revista Nature Medicine.

Outros estudos em ratos mostraram que quando GATA1 foi ligada, os roedores mostraram sinais de depressão. Isso sugere que a perda de sinapses no cérebro pode estar ligada a sintomas depressivos, bem como perturbações mentais. “Esperamos que através do reforço de conexões sinápticas, seja com medicamentos novos ou terapia comportamental, poderemos desenvolver terapias antidepressivas mais eficazes”, acrescentou Duman.

sem comentário »

Sedentarismo, saúde e doença mental

0comentário

A cada dia crescem as evidências que o homem contemporâneo, produto de uma era repleta de novos conhecimentos, pode viver mais e melhor. Esta é certamente uma das mais importantes notícias que todos nós queríamos ouvir, pois a busca da longevidade e da vida eterna é uma das mais antigas aspirações dos seres humanos e isto está se concretizando a passos largos.

Nos últimos 50 anos demos um salto muito grande na qualidade e em nosso estilo de vida atingindo índices de longevidade nunca antes alcançados, pois estamos vivendo mais e melhor. Sabe-se, que para atingirmos isto houve uma coincidência de fatores que garantiram estas conquistas quanto nossa maior longevidade: os avanços no crescimento da nutrologia, da bioquímica da imunologia, na farmacologia (surgimento de modernos e fármacos mais eficientes para o controle e combate ostensivo de doenças, da ergonomia e, principalmente, os conhecimentos de neurofisiologia e neuroquímica cerebral e do comportamento. Não se pode desconsiderar os avanços imprescindíveis no campo da tecnologia médica, os avanços sociais e econômicos, sobretudo na distribuição da renda e a maior participação de todos na cadeia produtiva e no trabalho.

Há algumas semanas, a revista médica britânica “Lancet” publicou um artigo científico mostrando que 5,3 milhões de mortes por ano no mundo estão relacionados ao sedentarismo. Para os pesquisadores, a falta de atividade física diminui a expectativa de vida da mesma forma que o tabagismo e a obesidade. Está no sedentarismo a causa para 10% das doenças não transmissíveis, como diabetes, câncer e problemas cardíacos.

Em outro estudo, coordenado por Pedro Hallal, da Universidade de Pelotas, informa que 30% da população mundial adulta é fisicamente inativa, e que 80% dos jovens entre 13 e 15 anos não se exercitam o suficiente. Outras informações mostram que 49% da população brasileira adulta não praticam atividade física, embora se saiba que o sedentarismo responde por 13% das mortes por infarto, diabetes e câncer de mama e do intestino.

 Em outros estudos, a inatividade física é descrita como a falta de exercícios moderados (como uma caminhada) de 30 minutos, cinco vezes por semana, e práticas mais rigorosas durante 20 minutos, três vezes por semana, ou a combinação dos dois. Mas, segundo os pesquisadores, identificar as causas do sedentarismo é importante para se pensar em intervenções eficazes e aumentar os níveis de atividade física. Outros enfoques importantes, relacionando atividade física e doenças mentais ocupam destaque neste debate.

 Especificamente sobre a saúde mental, um trabalho realizado com um grupo de mais de 700 indivíduos idosos sem demência, desenvolvendo níveis elevados de atividades físicas nas 24 horas, avaliada objetivamente pela actigrafia (que mede o ciclo de atividade/repouso através dos movimentos do pulso), verificaram que estes indivíduos apresentavam um menor risco para o desenvolvimento da doença de Alzheimer, bem como uma taxa mais lenta de declínio cognitivo. Esta descoberta dos pesquisadores apóia os esforços dos mesmos para incentivar a atividade física, mesmo em pessoas muito idosas.

A maioria dos estudos demonstra que a atividade física diminui o risco de declínio cognitivo e demência. Por outro lado segundo os pesquisadores, uma pessoa com baixa atividade física diária apresenta um risco 2 vezes maior de desenvolver Doença de Alzheimer (DA), em comparação com um que participe com alta atividade física cotidiana global. O nível de atividade física cotidiana global também foi associado com uma taxa mais lenta de declínio cognitivo global, particularmente para a memória episódica, memória de trabalho, velocidade na percepção e habilidades visuais / espaciais. Isto é, todas as funções cognitivas se beneficiam com atividade física regular

Os estudos também demonstram que não é só de exercício físico, mas também um incremento das atividades sem exercício está associado com um maior desempenho cognitivo na velhice. Indivíduos mais velhos, para quem a participação no exercício formal esteja limitado por problemas de saúde, pode se beneficiar de um estilo de vida mais proativo através do aumentos de todo o espectro de atividades de rotina. Isto é mesmo que a pessoa não pratique formalmente o exercício, mas se tem uma vida ativa, também se beneficiam evitando muitos transtornos neuropsiquiátricos.

Portanto atividade física é algo que não só mantém a beleza, como também saúde, vitalidade e longevidade, pois como se viu impede o surgimento de muitas doenças físicas e psíquicas graves e avassaladoras especialmente em populações de idosos.  

 

sem comentário »

Saiba mais sobre os sintomas e sobre como tratar a depressão

0comentário
sem comentário »

Síndrome Fetal Alcoólica – SAF

0comentário

O álcool etílico é uma das substâncias psicoativas mais utilizadas pelo homem ao longo de sua história e seus efeitos sobre o cérebro e o comportamento já são bastante conhecidos. Estima-se que o homem faça uso de álcool há aproximadamente 15 mil anos.

Na Inglaterra, primeira metade do século XVIII, quando o consumo de gim era disseminado, as crianças nascidas de mães alcoólatras eram descritas como fracas débeis e desatentas. Apesar disso, até o século passado, a prática de não ingestão de bebida durante a gravidez estava relacionada apenas a aspectos morais e culturais.

Com os avanços científicos sobre as ações do álcool em mulheres gestantes, em 1968, surgiram importantes trabalhos demonstrando os efeitos teratogênicos (malformações biológicas em fetos) do álcool etílico consumido durante a gestação. E, em 1973, foram identificadas alterações específicas em crianças nascidas nessas condições, denominadas de Síndrome Alcoólica Fetal (SAF).

A SAF é uma condição grave e irreversível relacionada diretamente à exposição do feto ao álcool. Porém, a ciência ainda não identificou a exata quantidade de álcool e o tempo de exposição às bebidas que serão necessários para o desenvolvimento desse transtorno. No entanto, há evidências que sugerem ser o consumo de 20 gramas de álcool suficiente para provocar supressão da respiração e dos movimentos fetais, o que se verificou por meio de ultrassonografia. (mais ou menos uma dose de uisk)

A SAF apresenta anomalias típicas na estrutura do crânio, da face e no comportamento, assim como disfunções no crescimento, no sistema nervoso central, além de outras alterações. Não se deve confundir esta síndrome com os “Efeitos Fetais do Álcool – EFA”, pois este último designa outra condição médica relacionada à exposição de crianças na vida intra-uterina com os efeitos do álcool.

Quais as características da SAF? Microcefalia (cabeça pequena); hipotonia muscular; incoordenação motora; irritabilidade exagerada; baixo peso ao nascer; retardo no crescimento (baixa estatura); retardo mental, leve e moderado; dificuldades no aprendizado; alterações morfológicas do crânio e da face, consistentes, principalmente, em: estreitamento da fissura ocular, lábios superiores finos e lisos, rebaixamento na fixação da orelha e nariz chato e profuso.

O álcool e outras drogas ao serem ingeridas pela gestante, atravessam a barreira hémato-placentária, agindo na criança da mesma forma como age na mãe. Ocorre, todavia, que para os fetos, os efeitos do álcool são maiores, devido seu metabolismo ser mais lento e sua eliminação mais demorada, consequentimente permanecendo por mais tempo no líquido amniótico.

O etanol induz a formação de radicais livres de oxigênio os quais são capazes de comprometer a estrutura e função das proteínas e lipídeos celulares. Isso aumenta a apoptose (morte celular), prejudicando, por conseguinte, a organogênese (mecanismo biológico que dá origem aos órgãos), fatos que explicariam os inúmeros problemas anatômicos e funcionais das crianças portadoras desse transtorno.

O álcool etílico também inibe a síntese de ácido retinóico, substância que regula o desenvolvimento embrionário. Tanto o etanol, quanto o acetaldeído (substância produzida no processo de metabolização do etanol em nosso organismo) têm efeitos diretos sobre vários fatores de crescimento celular, entre os quais, o de inibir a proliferação de certos tecidos.

Há outros fatores que tornam os fetos mais ou menos sensíveis aos efeitos do álcool: a quantidade da bebida ingerida, freqüência de uso do álcool na época da gestação, o estado nutricional da gestante e a capacidade de metabolização do álcool da mãe e do feto.

O consumo de álcool na gestação está também relacionado ao aumento do número de abortos, com o risco de infecções, descolamento prematuro de placenta, hipertonia uterina, prematuridade do trabalho de parto, etc.

Além da gravidade epidemiológica e clínica da SAF no Brasil que corresponde, a caso para cada 1000 nascimentos, ainda há enormes dificuldades para o diagnóstico e tratamento desta situação, especialmente por se saber que, a cada ano, no mundo as mulheres estão bebendo mais e engravidando mais, especialmente as adolescentes. Assim, a situação tende se agravar, exigindo medidas preventivas para evitar a incidência da SAF.

Estamos, portanto, diante de um dos mais importantes problemas de saúde pública da atualidade, que é a ocorrência da SAF, é preciso que se haja ênfase em políticas de saúde públicas especialmente as preventivas que esclareça bem este assunto, especialmente entre as mulheres que bebem durante a gestação.

 

sem comentário »