Sociedade inquieta e ansiosa

0comentário

Ex Pres. da Academia Maranhense de Medicina – AMM
Prof. de Psiquiatria do Curso de Medicina da UFMA

 Uma queixa muito comum nos dias de hoje é o nervosismo. Fulano está tenso, ansioso, sem paciência, irritado e nervoso. Outros dizem, beltrano está agressivo, sem paciência e explode fácil. Todas essas expressões são muito comuns e traduzem o estado em que as pessoas estão no dia-a-dia e, na maioria das vezes, não sabem o que fazer para “controlar seus nervos”.

Dado a frequência dessas queixas, bem como o impacto que isso ocasiona à saúde coletiva, muito estudos estão sendo feitos em várias partes do mundo para se conhecer melhor essa condição e ajudar milhões de pessoas que sofrem pelo seu estado de ansiedade anormal

            Inicialmente, é importante que se esclareça o significado do que se conhece pelo nome de ansiedade, pois há, sobretudo entre os leigos, uma confusão em torno do conceito. A idéia predominante é que ansiedade é algo ruim, maléfico e prejudicial a todos. Passou a ser vista como uma condição problemática do ponto de vista emocional. A expressão corriqueira “fulano é ansioso, estressado, não relaxa” define bem a situação, pois muitos acreditam que pessoas sob essa condição vão muito mal e já estão com algum problema.

            Na realidade houve uma verdadeira distorção do seu significado, muito embora se saiba que estas figuras existem: a do ansioso, do estressado, do problemático. Porém, a ansiedade do ponto de vista médico e funcional é uma condição vital a todos nós e indispensável ao nosso equilíbrio e saúde, em todos os sentidos, físico, psíquico e social.

Todos nós, indistintamente, somos ansiosos. É uma condição fundamental ao ser vivo para garantir nosso crescimento, nosso desenvolvimento e a nossa saúde. Não fosse a ansiedade, nos manteríamos em nossa primitividade e não sairíamos da idade da pedra lascada. Trata-se de um dos mais importantes mecanismos de adaptação de que dispomos, sem o qual não nos adaptaríamos às diferentes condições de vida, pois somos permanentemente estimulados por inúmeros e diferentes fatores, de diferentes naturezas, e devemos lidar com todos eles sem prejuízos a nossa existência.  

É um fenômeno que significa um “sinal de alerta”, que nos adverte sobre perigos iminentes e desconhecidos. Tais perigos podem ser externos ou internos a nós mesmos, bem como podem ser reais ou imaginários. Dessa forma, a ansiedade é uma reação natural e necessária para a autopreservação de nossa espécie.

Trata-se de uma reação normal, que sempre surge diante de situações novas. É um anúncio de algo novo, que está acontecendo ou que pode acontecer, ao mesmo tempo em que nos prepara para enfrentá-lo, lutando ou fugindo da nova situação.

A ansiedade está presente ao longo do ciclo de vida do ser humano, sendo inerente a cada uma das fases de nosso desenvolvimento. Por exemplo, é normal para o bebê que se sente ameaçado se for separado de sua mãe, o adolescente no primeiro encontro ou o adulto em uma entrevista de emprego ou ainda para um idoso quando contempla a velhice e a morte, e para qualquer pessoa que enfrente uma doença.

As sensações físicas e psíquicas reveladas pela ansiedade normal são de uma sensação difusa, desagradável, de apreensão, acompanhada de mal estar epigástrico, aperto no tórax, falta de ar, palpitações, sudorese excessiva, mãos e pés frios, cefaléia (dor de cabeça), súbita necessidade de evacuar, inquietação etc. Os padrões individuais físicos de ansiedade variam amplamente de pessoa a pessoa. Alguns indivíduos apresentam apenas sintomas cardiovasculares, outros apenas sintomas gastrintestinais, há aqueles que apresentam apenas sudorese excessiva. Outra característica da ansiedade normal é o fato de sempre surgir diante de uma situação sentida como real, portanto tem sempre nexo com algum fato ou evento seja interno ou externo a pessoa.

A sensação de ansiedade pode ser dividida em dois componentes: a consciência de sensações físicas e a consciência de estar nervoso ou amedrontado. Como vimos, as sensações físicas são, em geral, muito desconfortáveis provocando um mal estar difuso que as sensações de nervosismo são reveladas por inquietação, apreensão e medos, que de conformidade com o evento pode ser muito intenso.

Essas sensações sempre ocorrem diante de eventos incomuns e inusitados e o organismo fica preparado para o devido enfrentamento da situação nova que surge. Ocorre que quando o evento desaparece, todas estas sensações e sintomas que acompanham o evento ansiogênico (gerador da ansiedade), desaparece inteiramente e a pessoa volta para suas condições emocionais anteriores. Quando, todavia, os sintomas permanecem, ao ponto de continuar prejudicando a pessoa em seu dia a dia e, sobretudo, em sua adaptação social, do lazer e do trabalho, poderemos estar diante de ansiedade patológica, condição patológica que requer tratamento especializado e que tem atingido muitas pessoas nos dias atuais.

sem comentário »

Saúde Mental e Uso de Cocaína

0comentário

A cocaína é um alcalóide extraído da planta Erythroxylon Coca, onde sua concentração gira em torno de 0,5% a 1%. Essa planta é produtiva por períodos de 30 ou 40 anos e, após atingir sua fase adulta, sua colheita pode ser realizada entre 4 a 5 vezes ao ano. É comercializada, em geral, na forma de um pó branco cristalino, inodoro, de sabor amargo e insolúvel em água. É obtida por meio da transformação das folhas de coca em pasta de cocaína (merla) e, a partir daí, transformada em cloridrato, o pó branco, que pode ser administrado por diferentes vias, sendo mais frequente por inalação ou dissolvido em água, via endovenosa. Suas duas outras formas de apresentação são a merla (pasta de coca) e o crack, compostos já conhecidos por muitos, por ser de consumo ser crescente em nosso país.
Estima-se que, no mundo, 13,3 milhões de pessoas, 0,3% da população acima de 15 anos, consumam regularmente cocaína. Pesquisa realizada pela Organização das Nações Unidas – ONU revelou que o consumo de cocaína entre os nove países da América do Sul foi descrito como “estável”, porém, em nosso país, houve aumento do consumo de 1%, em 2001, para 2,6%, em 2005, pela população entre 15 e 64 anos.
A cocaína é absorvida rapidamente pela mucosa oral, nasal, gastrointestinal, retal e vaginal, alvéolos e pulmonar. Por via oral, o pico de concentração plasmática se dá em 60 minutos e, por insuflação nasal, o início de ação é quase imediato. A substância por via intravenosa e inalatória se distribui rapidamente para o sistema nervoso central através da circulação sistêmica, atingindo o cérebro em pouco menos de 7 segundos.
A cocaína é uma droga com grande potencial de causar dependência. Uma pessoa que experimenta a cocaína não pode prever ou controlar a extensão de seu uso, por isso mesmo é que se recomenda não iniciar seu consumo.
Os efeitos físicos do uso da substância incluem constrição nos vasos periféricos, dilatação das pupilas, aumento da temperatura corporal, aumento da frequência cardíaca e da pressão arterial. A duração dos efeitos eufóricos imediatos ao uso da cocaína, que incluem hiperestimulação, redução do cansaço e clareza mental, depende da via de administração. Quanto maior a absorção, maior a intensidade dos efeitos. Por outro lado, quanto maior a absorção, menor o tempo de duração.
Pode ocorrer o desenvolvimento de tolerância, que é a necessidade de se consumir maiores quantidades da coca para se obter os mesmos efeitos que os adquiridos com doses mais baixas. Evidências científicas sugerem que as propriedades do poderoso envolvimento neuropsicológico da cocaína são responsáveis pelo seu uso contínuo, mesmo com as consequências físicas e sociais danosas que todos conhecem.
O paciente sob efeito dessa substância pode apresentar delírios de perseguição, designada popularmente por “nóia”, em que a pessoa acredita estar sendo perseguida ou mesmo que alguém quer lhe fazer mal ou prejudicar-lhe. Essas crenças são, em geral, infundadas e inspiradas em delírios os quais podem, inclusive, dependendo do grau de desorganização psíquica, reaparecer mesmo que a pessoa posteriormente não esteja usando mais a cocaína.
Usuários crônicos, ao interromperem seu uso, frequentemente apresentam depressão severa, muitos dos quais podem apresentar ideias acompanhadas de tentativas de suicídio, devido ao imenso sofrimento acarretado pela falta da substância. A depressão do humor determina alheamento social, retraimento do convívio familiar, desânimo, desinteresse, apatia e tristeza profunda. Relatam ainda, do ponto de vista médico, insônia significativa, medos difusos, insegurança psicológica. As mortes por overdose por uso da cocaína são frequentemente resultado de parada cardíaca ou convulsões seguidas de parada respiratória.
A comorbidade é alta entre usuários de cocaína. Eles podem apresentar, além da dependência, outras doenças mentais, simultaneamente. Há estudos que estimam em cerca de 30% a taxa de comorbidade entre usuários de cocaína: dependência de outras drogas, depressão, ansiedade, esquizofrenia, transtorno de personalidade, fobias etc., além de muitos outros problemas emocionais e psicossociais.
Os transtornos subjacentes são agravados pelo uso concomitante de cocaína, deixando os usuários mais vulneráveis aos efeitos deletérios da droga. Outra comorbidade que vem sendo muito estudada nos últimos anos é a que ocorre entre usuários de cocaína e portadores de TDAH (transtorno de déficit de atenção e hipercinéticos), doença comum entre adultos e crianças, caracterizada, principalmente, por hiperatividade, alterações na atenção e distúrbios no controle dos impulsos.
Muitos pacientes se tranquilizam, ao invés de se excitarem com o uso da coca. Alegam que ficam mais calmos e mais atentos. De fato, isso pode ocorrer pelo efeito paradoxal da cocaína. No decorrer do uso, os seus efeitos são substituídos por quadros psiquiátricos cada vez mais severos e de difícil tratamento.

Ruy Palhano
Ex.Pres. Da Academia Maranhense de Medicina – AMM
Prof. de Psiquiatria do Curso de Medicina da UFMA

sem comentário »