A compulsão sexual, o prazer e a dor.

0comentário

O desejo sexual se manifesta de diversas formas e em diferentes intensidades. Sua fonte, a sexualidade, é uma condição que está presente nos indivíduos do nascimento á morte. É, e sempre foi, uma das funções humanas mais estudadas pela medicina, pela psicologia e pela neurociência. Essa, como outras funções, pode se disfuncionar e acarretar inúmeros problemas ás pessoas. Um dos distúrbios mais frequentes e mais importantes é o sexo compulsivo, transtorno grave revelado pelo descontrole do impulso sexual, onde a pessoa, entre outras coisas, não consegue resistir aos pensamentos e desejos, que precisam ser saciados imediatamente, no mesmo momento, não importando com quem. Quando esse transtorno se verifica entre as mulheres denomina-se ninfomania, entre homens hipererosia.
A compulsão sexual ocorre clinicamente da seguinte maneira: pensamentos sexuais ou atos compulsivos recorrentes os levam a “só pensar naquilo”, e tais pensamentos, ideias, imagens, ou fantasias giram em torno da sexualidade os quais penetram na mente do indivíduo, de forma intensa, repetida e de forma estereotipada, onde tais vivências podem ser angustiantes, violentas, repugnantes ou obscenas, sem sentido, e a pessoa não consegue demovê-las ou resistir a elas. Apresentam atos sexuais impróprios, exagerados ou cognições que causam sofrimento subjetivo e comprometimento das funções ocupacionais e interpessoais. Esse comportamento tem sido comparado a uma espécie de dependência (adição ao sexo). Há outras designações, para descrever esse transtorno: sexo impulsivo, compulsão sexual, sexo compulsivo, dependência do sexo e adito sexual.
Esse distúrbio ocorre frequentemente em pessoas na faixa dos 40 anos e, com o passar dos anos esse processo tende a ser mais denso e “aperfeiçoado”. Os portadores de sexo compulsivo, em geral não admitem ter o problema e dificilmente se dispõe a buscar ajuda médica ou psicológica. Atinge em torno de 3% a 6% da população, predominantemente homens, e costuma ter início no final da adolescência ou no início da terceira década de vida.
O sexo compulsivo evolui de forma crônica, com episódios alternados de piora e melhora. No curso clínico verifica-se inicialmente, um comportamento parecido ao estado de transe na qual a pessoa encontra-se completamente absorta em pensamentos de sexo, partindo para a busca obsessiva de se relacionar sexualmente. Em seguida, ocorre uma espécie de ritualização para realizar seu intento, isto é, desenvolve uma rotina que leva ao comportamento sexual, que serve para intensificar a excitação. Segue-se a gratificação sexual propriamente dita, mediante o ato sexual, onde a pessoa se sente incapaz de controlar seu desejo, de tal forma que, quanto mais intenso for esse desejo mórbido maior será o descontrole sobre ele. Por último, surge uma espécie de desespero, que vem após o ato sexual compulsivo e se caracteriza por uma sensação de impotência e desânimo, ás vezes culpa arrependimento.
Esses enfermos podem desenvolver complicações clínicas em decorrência direta dessa compulsão sexual, que incluem lesões genitais (contusões) e doenças sexualmente transmissíveis (hepatite B, herpes simples ou infecção pelo vírus da imunodeficiência humana). Podem ocorrer lesões físicas nos comportamentos sexuais de alto risco ou na atividade sadomasoquista. Nas mulheres, podem ocorrer gestações não-desejadas e complicações de aborto em razão desse descontrole sexual.
As causas do sexo excessivo, embora haja poucos estudos, há evidências de diferentes sistemas cerebrais envolvidos em sua causa. Lesões frontais, por exemplo, podem ser acompanhadas por desinibição, por resposta hipersexual impulsiva. Lesões ou disfunções estriatais podem ser acompanhadas por desencadeamento repetitivo de padrões de resposta gerados internamente. Lesões límbicas temporais podem ser acompanhadas por desequilíbrios do próprio apetite sexual, inclusive alteração do direcionamento do impulso sexual. Enfim, a neurobiologia desse transtorno está sendo muito estudada e acredita-se que em um futuro próximo essa situação seja melhor esclarecida.
As repercussões desse comportamento se dão em várias áreas: social, pode ocorrer desafetos com amigos e familiares, envolvimentos policiais, perda de emprego, perda da reputação social e moral e toda sorte de desadaptação social e familiar em decorrência direta de investidas, assédios e relacionamentos sexuais. Familiar: costumam ter relações conjugais complicadas. Primeiramente devido ao apetite sexual exagerado, vindo a submeter o parceiro (o) a uma atividade nem sempre prazerosa ou desejada. Em segundo, devido às maiores probabilidades à infidelidade e, em terceiro, devido à maior possibilidade de envolvimentos sexuais com amigos ou familiares, aumentando mais ainda o constrangimento. Por últimos os problemas pessoais, pois apesar dos inúmeros problemas que o transtorno pode ocasionar o mesmo não se dispõe a se tratar nem a mudar seus hábitos inspirados nessa condição.
O tratamento desse transtorno se dá sob dois aspectos: terapia comportamental, técnica através da qual os enfermos reorganizariam seus pensamentos, suas fantasias e seus desejos visando um maior controle e adequação dos mesmos. A outra forma de tratamento é realizado através de medicamentos, que os auxiliam a controlarem melhor seus impulsos e, atualmente existem medicamentos efetivos nesse sentido. Faz-se também, necessário uma avaliação laboratorial e clínica rigorosas, incluindo exames de imagem como a ressonância magnética do crâneo e outros exames laboratoriais para se descartar a existência de outros transtornos médicos, psiquiátricos ou comportamentais, que possam coexistir com essa doença.

sem comentário »

O dia mundial da saúde em nosso país, o que comemorar?

0comentário

Dia 07 desse mês comemorou-se o dia mundial da saúde, certamente um dos temas humanos que pela sua importância e significado é de fato merecedor dessa homenagem. A saúde é a consagração da vida, considerando que só, e tão somente através dela, garantimos e damos sentido a nossa existência. É através dela que nascemos, vivemos, prorrogamos a nossa vida e a da nossa espécie.
Saúde é uma condição complexa, que resulta de uma intrincada rede de fatores inter articulados entre si, de diversas naturezas, que, como resultado dessas inter-relações entre os distintos fatores que a produzem, nos conduzem a um estado de bem estar, físico, psíquico e social. É essa, em um sentido abrangente, o conceito de saúde segundo a Organização Mundial da Saúde – OMS. Sob essa perspectiva, a saúde é um bem, uma condição inalienável onde a pessoa se encontra em plenas condições de viver e, viver bem, estando em consonância com seu mundo, com os outros e com seu ambiente. Não há saúde em um ambiente inóspito ou onde não haja paz social e, um ambiente inóspito e que não haja paz, não produzirá indivíduos saudáveis. E, esse é o sentido maior: saúde é o bem estar de um sujeito em seu ambiente em relação com os outros, de tal forma que, nessa perspectiva, a saúde deve sempre ser examinada identificando quais os fatores que em determinada momento ou circunstância estão ou não a favorecendo.
Se estendermos as coisas nesse sentido, de forma mais abrangente, incluiríamos obrigatoriamente a saúde mental, que prefiro chama-la de saúde comportamental. Que pode ser entendida por sua vez, como a possibilidade concreta e objetiva dos indivíduos expressarem sua saúde através de seu comportamento. Isto é, não há saúde mental, sem saúde física, muito menos saúde social, pois são condições indispensáveis para um comportamento saudável. A saúde mental se traduz ou se revela em nosso comportamento, seja ele objetivo ou subjetivo, que por sua vez expressa a vivência do bem estar psicológico dos sujeitos em se ambiente e com os outros.
A saúde mental promove e traduz o agrupamento das pessoas em sociedade, no trabalho e nas distintas formas de das relações sociais. O nível de saúde mental e o bem-estar da população é um indicador importante que nos informa como o homem vive e isso sinaliza para a realização dos objetivos dos povos e do planeta.
Epidemiologicamente, as doenças mentais no mundo e particularmente na Europa vêm aumentando. Hoje, nessa região, estima-se que haja 50 milhões de cidadãos, cerca de 11% da população, portador de alguma forma de doença mental, tanto em homens quanto em mulheres. Entre essas, a Depressão já é em muitos Estados-Membros da União Europeia, o problema de saúde mais prevalente. O Suicídio permanece sendo a maior causa de morte nessa região, pois ocorrem cerca de 58.000 suicídios por ano, dos quais 3/4 são cometidos por homens. Oito dos Estados-Membros dessa região estão entre os quinze países com a taxa de suicídio masculina mais alta do mundo.
Nunca é por demais repetir que entre as condições humanas as que mais geram sofrimento e dor para os indivíduos, para suas famílias e para a sociedade em geral, são as doenças mentais, sendo o suicídio entre essas a condição que mais provoca isso.
Pelo aumento vertiginoso dessas doenças, as ações deveriam ser priorizadas em políticas públicas de saúde, através de ações complementares que promovam prevenção, assistência e reabilitação desses enfermos, fortalecendo e priorizando, sobretudo, medidas de prevenção disponibilizando suporte para pessoas que têm problemas de saúde mental e suas famílias. Além disso, poderiam ser adotadas medidas que garantam maior acessibilidade e abrangência dos meios de tratamentos oferecidos a esses enfermos. Portanto, deve-se reconhecer que existe uma necessidade de ações políticas decisivas no sentido de dá prioridade em ações em saúde mental.
Para tanto, necessita-se que haja por parte dos agentes políticos e de dos legítimos representantes de um povo, medidas efetivas que incluam outras áreas de significação e abrangência interligadas á saúde, como a da educação, o sector social, a justiça a economia e muitos outros parceiros sociais, de outras organizações da sociedade civil, para implementar e desenvolver medidas para garantir e promover a saúde dos indivíduos.
É preciso se implementar pesquisas epidemiológicas que nos dê uma fotografia real da saúde mental da população, em diferentes momentos, que nos ajude a identificar as causas ou fatores que estão colaborando para os agravos nessa área. Situações como suicídio, depressão, usa de álcool e outras drogas, violência urbana e rural, desigualdades sociais, má distribuição de renda, desemprego e muitos outros fatores urbanos, psicológicos e ambientais colaboram sobremaneira para o adoecimento mental da nossa população e quando nós vemos o que está sendo feito para se evitar tudo isso, se constata que o que está sendo efetivamente feito é muito pouco ou quase nada para se evitar esses problemas.
Em nosso país, as questões da saúde mental e a saúde em geral estão precarizadas. Há uma dívida histórica dos governos, e desse em particular, com o povo brasileiro em matéria dessas políticas . O que se vê são medidas inconsistentes que não garantem de fato o bem estar de nossa população em todos os sentidos. O sucateamento e ineficiência dos serviços de saúde, inadequação de verbas destinada á saúde, má versação do erário, redução acentuadas do número de leitos na rede pública especialmente na área mental, o contingenciamento dos recursos destinados á saúde, o empobrecimento dos municípios que praticam tais políticas, não dão conta dessa responsabilidade. Está um caos total. É preciso mudar. Feliz 07 de abril Dia Mundial da saúde para todos nós e para o mundo.

sem comentário »

Diagnóstico e tratamento da depressão na infância e na adolescência

0comentário

Há algum um tempo, dificilmente se fazia diagnóstico de depressão na infância e, mais raramente, na adolescência e isso era devido, entre outras coisas, a falta de instrumentos de diagnósticos mais precisos desse transtorno e aos imensos e prejudiciais preconceitos que ainda há em torno dessa doença. Nesse sentido, avançou-se muito nos últimos anos quanto ao manejo dessa transtorno, pois houve uma retração desses preconceitos, houve avanços científicos sobre o conhecimento da natureza da depressão, e simultaneamente, aperfeiçoaram-se as técnicas e instrumentos no seu diagnóstico e tratamento.
Segundo dados recentes da Organização Mundial da Saúde – OMS a depressão atinge cerca de 2% das crianças e 5% dos adolescentes do mundo. A OMS informa que até 2025, a depressão se tornará a doença mais comum do mundo, e a mais invalidante laboral e socialmente, atingindo mais pessoas do que o câncer e as doenças cardiovasculares. Atualmente, mais de 450 milhões de pessoas no mundo são afetadas por transtornos mentais diversos, sendo a depressão a principal e, a maioria delas ocorre em países em desenvolvimento.
Entre as crianças, o índice de depressão também é preocupante. A depressão incide em torno de 6 a 10 % na população geral e nos últimos 15 anos, o número de diagnóstico de depressão em crianças, entre 6 e 12 anos, passou de 4,5 para 8%, o que representa um problema ascendente. Muitos adultos que apresentam quadro de depressão têm histórico da doença na infância, de tal forma que se não os tratarmos bem cedo, isso contribuirá para a cronificação dessa doença, (Fábio Barbirato, Neuropsiquiatra da Associação Brasileira de Psiquiatria -ABP).
Do ponto de vista clínico, diagnosticar depressão na infância não é fácil, pois nessa fase, os sintomas depressivos podem ser confundidos com alguns comportamentais naturais visto nessa etapa da vida: má-criação, birra, mau humor, tristeza, agressividade, irritabilidade ou nervosismo, impaciência, inquietude, condições psicossociais e emocionais frequentes e que fazem parte das características do desenvolvimento psicológico dessas crianças. O que vai distinguir uma coisa da outra é a evolução, a avaliação neuropsicológica e laboratorial e as características clínicas dessas queixas.
Na adolescência, o diagnóstico de depressão é também complexo, pois o mesmo também se insere no espectro das caraterísticas próprias dessa etapa da vida, tais como: desinteresse, apatia e retraimento social, irritabilidade, negativismo e comportamento contestatório, mudanças do humor etc. Tem que haver experiência, acuidade e competência do profissional para se fornecer esse diagnóstico até porque são elevados índices de suicídio na adolescência especialmente se a situação não for adequadamente diagnosticada e tratada.
Não devemos confundir depressão com as angústias provenientes dos conflitos naturais próprios da infância ou da adolescência, já que adolescer é uma condição delicada e que se caracteriza, entre outras coisas, pelas contradições, rebeldias, insatisfações constantes e ânsias de mudanças onde alguns sintomas da depressão podem se mascarar com estas peculiaridades naturais da idade.
Entre os principais sintomas de depressão estão: mudanças de humor, irritabilidade e/ou choro fácil, desinteresse geral, falta de atenção e de concentração, queda no rendimento escolar, insônia, ou hipersônia, anedonia (falta de prazer) perda de energia física e mental, reclamações por cansaço, sofrimento moral ou insatisfação consigo mesmo, sentimento de que nada do que faz está certo, dores difusas no corpo, sentimento de auto rejeição, condutas anti-sociais e destrutivas, distúrbios de peso (emagrecer ou engordar demais), enurese e encoprese (xixi na cama e eliminação involuntária das fezes).
Para a OMS se a pessoa apresentar cinco, entre os sintomas acima, o diagnóstico poderá ser efetivado.E, neste caso ante os primeiros sinais ou sintomas da depressão, os pais devem encaminhá-los a um profissional o mais rápido possível. Na maioria das vezes, o apoio da família e a psicoterapia são suficientes para ultrapassar a situação. Se, a partir dos 9 anos de idade, persistirem ou se agravarem tais sintomas, faz-se necessário, em alguns casos, intervir com medicamentos. Além do mais a depressão infantil pode desencadear várias outras condições médicas, tais como: anorexia, bulimia, etc.
A depressão, como outros transtornos psiquiátricos, tem causas multifatoriais, nunca uma única causa, por isso mesmo o tratamento e a reabilitação devem envolver uma fama de procedimentos onde o uso de medicamentos é um dos procedimentos. Aspectos genéticos, ambientais e socioculturais são condições relevantes como causadores dessas doenças.
Portanto, o mais importante é que tanto o diagnóstico quanto o tratamento sejam realizados o mais cedo possível para evitar que a doença se cronifique, dificultando muito a recuperação dessas pessoas e, graças aos avanços, sobretudo em farmaterapia da depressão, as respostas aos tratamentos atualmente empregados são sempre muito favoráveis e efetivos.

sem comentário »

É melhor prevenir do que remediar.

0comentário

É uma frase antiga, mas cheia de sentido. As medidas de prevenção em diversas áreas da atividade humana, sempre foram bem consideradas, devido sua importância na vida das pessoas. Ocorre que na prática, poucas iniciativas nesse sentido, são de fato efetivadas e, em nosso meio e em nossa cultura, a pratica de evitar que algo aconteça conosco é muito pouco incentivada e praticada. Haja vista o velho chavão conhecido por todos, “o brasileiro só fecha a porta depois que é assaltado”. Essa é a realidade. Prevenir é importante, mas é pouco valorizado. É uma atividade antecipatória, evitável, são medidas que impedem que algo ocorra e, dependendo do que se preveni os ganhos são incomensuráveis para uma a vida de uma pessoa ou de uma sociedade.
Se aplicado á saúde, a prevenção representa uma ferramenta imprescindível e indispensável para se lidar com inúmeros agravos. A maioria absoluta das doenças humanas pode ser evitada, especialmente as de evolução crônica, pois através de medidas preventivas se impede seu surgimento, sua evolução ou se reabilita as pessoas afetadas por esses agravos.
Em medicina, a própria formação desses profissionais a ênfase é dada prioritariamente no sentido de se tratar os eventos médicos e muito pouco se ensina ou se dá ênfase ás medidas de prevenção na formação dos mesmos. Na realidade, não é que não seja importante o médico saber tratar seus doentes, muito pelo contrário, é o que mais se quer e o que mais se deseja em medicina, ocorre que na prática médica e conhecendo a natureza dos diferentes agravos á saúde como se conhece hoje, o tratamento da doença não deveria ser o único enfoque em nossas práticas. Entendo que a prevenção deveria, quiçá, ser bem mais realçada ao longo do próprio currículo de formação desse profissional para ser aplicada em qualquer situação onde haja a necessidade de sua atuação.
Em psiquiatria particularmente, essa prática não foge á regra. O psiquiatra é formado para tratar e, muito pouco, para prevenir. A prática psiquiátrica é sempre uma prática curativa. Até aí tudo bem, mas, e as medidas preventivas que deveriam ser aplicadas para evitar que esses enfermos adoeçam, onde estão? Por essa e por muitas outras razões é que o paradigma de só tratar, está em cheque.
Está havendo um movimento progressivo no mundo científico no sentido de se mudar essa prática, aperfeiçoando sistematicamente os tratamentos já existentes em psiquiatria. Primeiro, através da busca incessante de fármacos cada vez mais eficazes e com menos efeitos colaterais para o tratamento desses doentes. Segundo, através do aperfeiçoamento de procedimentos físicos, não invasivos cerebrais, para garantir respostas mais rápidas e duradouras ao tratamento. Terceiro, aperfeiçoando as práticas existentes psicossociais reabilitadoras no sentido de uma maior recuperação e reabilitação desses enfermos. E, por último, estabelecendo novas estratégias psicoterapêuticas através de técnicas de vanguarda que auxiliem esses pacientes a não recaírem. Esse conjunto de medidas, em bloco, está mudando o cenário da assistência psiquiátrica no mundo.
Sabe-se hoje, que a absoluta maioria das doenças mentais tende a reaparecer mesmo depois de um bom tratamento médico. Isto é, as doenças mentais são recidivantes e isso, faz parte de sua natureza e sobre isso, a ciência atual muito pouco pode fazer. Doenças como a esquizofrenia, depressões, transtorno afetivo bipolar, transtornos de ansiedade, dependência química e, muitas outras, recidivam, embora adequadamente tratados em suas fases iniciais, tendem a reaparecer ao longo da vida dessas pessoas.
Veja o que ocorre com a depressão. Organização Mundial de Saúde – OMS estima que até 2020 a depressão seja a principal causa de incapacitação em todo o mundo de tal forma que muitas pessoas se tornarão incapazes e improdutivas do ponto de vista do seu trabalho e da sua vida social e boa parte dessa alta prevalência de depressão são de enfermos que não realizaram tratamento preventivo mesmo depois de terem tratados das crises. Há atualmente, mais de 350 milhões de pessoas que sofrem de depressão no mundo. No Brasil, estima-se que existam mais de 17 milhões dessas pessoas. Cerca de 850 mil morrem, por ano, em decorrência de suicídio, que tem como base a depressão, mesmo assim, damos muito pouca ênfase na aplicação de medidas de prevenção dessa doença. Além disso, a OMS, afirma ainda, que 45% das recaídas em depressivos é atribuída a interrupção inadequada do uso, ao mau uso, ao desuso precoce, ou ao uso inadequado desses medicamentos indicados para seu tratamento. Imaginem o que poderíamos evitar quanto ao sofrimento, aos danos sociais, aos gastos financeiros e de muitos outros danos á pessoa e a sociedade, se impedíssemos que tanta gente voltasse a adoecer na vida desse problema?
Outro transtorno severo é a esquizofrenia, doença grave, que incide em pessoas muito jovens, que evolui cronicamente e que, como a depressão, deve-se prevenida desde cedo para garantir que não reapareça depois de tratado a crise. Nesses casos, deveríamos ser mais rigorosos devido à evolução rápida e dramática dessa doença em direção á sua cronificação.
Recair, portanto é algo evitável e prevenível e, com a adoção de medidas preventivas ao longo dos diferentes tratamentos, todos ganham: o paciente, a família os médicos e os trabalhadores em saúde mental. Prevenção, já!!!

sem comentário »

O voo, o preconceito e a doença mental.

0comentário

O desfeixe trágico ocorrido com o voo do Airbus A320 da Germanwings, fato que nos atingiu a todos pela dimensão da tragédia, resultando na morte de centenas de pessoas e, que foi ocasionado, ao que tudo indica, pelo comportamento suicida do co-piloto, reascendeu inúmeras discussões na área da aviação, da psiquiatria e da segurança dos voos na perspectiva humana. Nesse sentido, algumas recomendações já estão sendo tomadas pelas empresas encarregadas dessas atividades e pelas agências aeronáuticas internacionais estabelecendo novas regras que evitem tais tragédias, em todo mundo, corrigindo as distorções, envolvida com esse voo da morte. Entre os temas em debate, quiçá, o mais envolvente, foi o fato desse evento ter sido provocado supostamente por um doente portador de depressão.
A forma como a grande mídia anuncia esse fato, de certa forma generaliza as circunstâncias e não examina outras possibilidades em torno desse fato, transparecendo a ideia de que depressão impõe a tais enfermos, a possibilidade de cometerem tais atitudes, nos levando a crer que tais ações transloucadas seja prerrogativa de quem tem depressão ou mesmo outra doença mental.
Temos que ter muita cautela em apontar uma enfermidade humana, como a depressão, com todas suas peculiaridades, como sendo a responsável por qualquer tragédia, a meu ver, correndo-se o risco de praticar generalidades, e o pior, criando-se uma ideia falsa de que toda depressão poderia causar isso, o que não é verdadeiro. Os depressivos não são assassinos, não suicidas nem perigosos. Veja, que da forma como a grande mídia trata o evento, ajuda a mistificar a doença e a segregar esses doentes.
Outra particularidade, é que não há depressão, há depressivo. Cada um de nós vive sua depressão ou sua doença de forma muito particular, não havendo qualquer chance de se generalizar as doenças que somos acometidos como é o caso sobre o que houve com o co-piloto envolvido com esse acidente. Essa verdade clínica deve ser aplicada para qualquer condição de adoecimento, por isso mesmo, não há doença, há doente. A prática médica se inspira nesse axioma. Cada um de nós empresta para cada doença que se tenha aspectos particulares de nosso caráter, de nossa cultura, do nosso ambiente e de nossa personalidade. Portanto, é um tremendo equivoco tratar o assunto da forma, tão generalizada atribuindo a uma doença, no caso a depressão, todas as responsabilidades sobre o que houve com esse voo.
Todos os doentes mentais e, particularmente os depressivos, não apresentam qualquer perigo á vida de ninguém especialmente, se devidamente tratado e bem orientado sobre o que se passa com ele, que é o que se recomenda do ponto de vista terapêutico para qualquer enfermo, nenhuma pessoa com depressão ou portador de outra doença mental, oferece qualquer perigo, a si mesmo ou a outrem, considerando que inúmeros outros aspectos podem interferir nessa condição.
Objetivamente, já se sabe que todos os enfermos, particularmente os psiquiátricos, deveriam passar por um rigoroso controle médico, situação que se recomenda em todas as áreas da atividade médica, principalmente no âmbito da psiquiatria e da psicologia. Dialeticamente, se alguém quiser investigar exclusivamente a mente (comportamento) de alguém, sem levar em conta a saúde como um todo, e sua relação com seu meio e sua cultura (psicossociocultural), fatalmente isso o conduzirá a atitudes preconceituosas. O fato que houve com esse voo, e a forma como esse acidente está sendo anunciado, nos dá a impressão que todas as pessoas com depressão podem ser perigosos ou capazes de praticarem atitudes como essas, o que não é verdade.
A professora Anne Skomorowsky, Psiquiatra da Universidade de Colúmbia (EUA), alertou que “usar a palavra ‘depressão” para descrever um comportamento inexplicável ou violento, ( como esse que ocorreu), nos remete a dois sinais falsos: primeiro, que a sociedade não tem nenhuma obrigação com a nossa felicidade – porque a angústia é um problema médico – e segundo, segundo, que uma pessoa depressiva corre o risco de cometer atos deploráveis”. E eu, complemento: atitudes como essa, embora deveras incomum, quando ocorre envolvendo supostos doentes mentais, fatalmente houve algo que, em qualquer momento, ou mesmo por qualquer motivo, atrapalhou seu tratamento, isto é, no curso do seu tratamento algo ocorreu que o prejudicou, pois em condições regulares na consecução de um tratamento psiquiátrico, dificilmente isso ocorreria.
Outra particularidade, é que o que houve é uma situação rara, envolvendo acidentes aéreos e doentes mentais. Nos últimos anos, ao que nos consta, pouquíssimas ocorrência foram registradas. Particularmente, sobre o suicídio em si mesmo, trata-se de um fenômeno psicopatológico grave de causas complexas, às vezes imprevisível, que está presente em diversas condições psiquiátricas, inclusive entre depressivos, no entanto, nem todos os depressivos tentam ou chegam a se suicidar. Portanto, não há nada de novo nesse sentido. Algumas doenças mentais, entre essas a depressão podem até favorecer alguns desses comportamentos inusitados, entre os quais o comportamento violento e o suicídio, mas as tragédias como essa que ocorreu com esse voo em si mesmo, não pode ser explicado só por conta dessa condição psicopatológica, correndo-se o risco de estigmatizar e generalizar essa condição médica.
Homicídios se sucedem por muitos outros fatores que não ligados a doenças mentais e são bem menos frequentes entre essa população que na população em geral. Uso de drogas, surto psicóticos agudos, esquizofrenia, alcoolismo, e em muitas outras situações psiquiátricas frequentes. Mesmo assim, em qualquer desses casos, devemos sempre contextualizar as causas que levaram a tais desfeixes, para não se consolidar preconceitos que em nada nos ajudam, na lidar com esses enfermos.

sem comentário »