A Estrada das Onças

1comentário

Por José Sarney

A Estrada de Ferro Norte-Sul, pela qual paguei um alto preço e que foi combatida fortemente por aqueles que consideram a política acima do interesse público, está em fase de conclusão. Se tivessem permitido que a fizesse durante o meu governo, o Brasil seria outro hoje.

Sempre defendi o modelo ferroviário e por isso recebi um boné de maquinista da Associação dos Ferroviários, que até hoje guardo com o maior carinho. As estradas de ferro foram o transporte do passado e agora ressurgem como o transporte do futuro, com um horizonte aberto pelas novas tecnologias de construção e trens de alta velocidade.

Há três dias o governo assinou o contrato de concessão de dois ramos prontos da Norte-Sul, com o governo recebendo um ágio de 109,2 % acima do piso da licitação, isto é, dois bilhões e setecentos e dezenove milhões de reais, quando o preço mínimo era de um bilhão e trezentos milhões.

A disputa pela estrada foi tão grande que a RUMO, empresa vencedora, ouviu do Ministro dos Transportes a afirmação de que “a Norte-Sul é espinha dorsal dos transportes no Brasil”. Quando lancei a Ferrovia Norte-Sul, quase toda a imprensa dizia que a estrada seria uma desgraça para o Brasil, porque era “um golpe do Sarney para levar as cargas brasileiras para embarcar no Maranhão, no Porto do Itaqui, dinheiro botado fora”. O tempo é mesmo o grande mestre da razão: hoje vejo todos a favor da estrada e ela já está dando dinheiro para o País.

O tráfego é caótico 

Realmente, o Brasil precisa com urgência construir mais estradas de ferro. O modelo rodoviário está morto. As cidades estão saturadas de veículos, não se anda mais, o tráfego é caótico. As rodovias acabadas e engarrafadas. Esse o principal componente do “custo Brasil”, que diminui nossa competitividade internacional. E o mais grave: o País na mão dos operadores de transporte. Eles podem parar o Brasil a qualquer hora, estamos reféns de sua vontade. Basta uma greve. A que foi feita no final do ano passado provou isso.

São Luís, como um dos dez melhores portos mundiais, será no futuro o grande curador dessa tragédia.

Foram necessários muitos anos para que se abrissem os olhos da razão, e todos reconhecessem que se parou o Brasil.

Mas agora fico feliz. Dei ao Maranhão porto, estrada e energia. Temos a grande estrutura nacional para sermos o grande São Paulo do Norte-Nordeste.

Em vez de “estrada das onças”, como diziam quando a atacavam, hoje a Ferrovia Norte-Sul é a “estrada da salvação”.

1 comentário »

Norte-Sul e o futuro

0comentário

Por José Sarney

Quando eu, como Presidente da República, lancei a ideia de construir uma estrada de ferro de norte a sul, ligando a malha rodoviária nacional ao Porto do Itaqui, o de melhores condições do Brasil, competindo com os grandes portos mundiais, o mundo caiu. Os jornais de Sul/Sudeste, a começar pelos de São Paulo, vieram em cima de mim dizendo que era caipirismo do Sarney, querendo beneficiar o Maranhão ao canalizar a produção do Brasil central para escoar por aqui.

Enfrentei tudo, ataques dia e noite, comissões de inquérito, denúncias e o diabo. Comecei a construção pelo trecho que liga a estrada de ferro Carajás-Itaqui a Porto Franco e construí ali a ponte sobre o Tocantins. Inaugurei esta parte e mais um pedaço em Goiás. Os governos que me sucederam puseram uma pedra em cima do projeto.

Lula, candidato em 2002, veio a minha casa pedir apoio. Disse-lhe que sim. Pedi duas coisas: que restaurasse o Programa do Leite — em que eu distribuía oito milhões de litros de leite por dia para as crianças pobres — e terminasse a Norte-Sul.

Ele cumpriu e deu todo apoio à construção da estrada, que está praticamente pronta. Agora o governo resolveu privatizá-la — o que acho certo — e ontem realizou leilão, dando-a em concessão por 30 anos por 2,72 bilhões reais, um ágio de 100,92%.

Se esta estrada tivesse ficado pronta naquele tempo, como eu desejava, o Brasil seria outro — e o Maranhão também. Basta lembrar que tivemos então, com o programa de irrigação e os incentivos à produção agrícola, uma sucessão de maiores safras da história, chegando a 72 milhões de toneladas de grãos. Hoje, com o desenvolvimento da técnica, com as pesquisas da Embrapa, vamos chegar a 230 milhões de toneladas, transportadas 90% em caminhões. Isso polui o planeta, acaba com as estradas rodoviárias e custa 36 reais por quilômetro/tonelada, contra seis reais nas ferroviárias! Calculem quanto isso significaria para o Brasil ao longo dos trinta anos que se passaram desde que comecei a estrada.

Deixei o Maranhão preparado para o futuro. Fiz o Porto do Itaqui, trouxe o escoamento de minério de Carajás para ele, liguei o Tocantins e o Pará a São Luís. Evitei que o Geipot — o órgão responsável pelas estradas nacionais durante o regime militar — desativasse a São Luís-Teresina. A Norte-Sul vai fazer do Itaqui o maior porto do Brasil.

Os que foram contra a estrada e impediram que eu a concluísse hoje a exaltam e se arrependem publicamente. Muitas vezes Lula me pediu desculpas por ter sido contra; e tornou-se o entusiasta a quem devemos sua retomada.

Agora, com a Norte-Sul privatizada e, em breve, começando a operar, o Itaqui tirará uma grande parte da carga de Santos e Paranaguá, pois a estrada de ferro oferecerá a economia direta do seu custo somada à indireta do custo marítimo, por sua localização estratégica em relação ao canal do Panamá.

Dei ao Maranhão a melhor infraestrutura do Nordeste. Preparei-o para este dia. Como dizia Churchill, não olhe as próximas eleições, mas o futuro.

sem comentário »
https://www.blogsoestado.com/zecasoares/wp-admin/
Twitter Facebook RSS