A verdadeira história do MIOJO

0comentário

Suspeito que haja leitores que diante do título desta crônica estejam torcendo o nariz. Ouso desconfiar de que não estejam sendo sinceros. Torcem o nariz para o Miojo, de fato, mas não torcem a boca. Isso porque o MIOJO é mais consumido no Brasil que o arroz com feijão e, no mundo, são devorados mais de 3 mil pacotes e copos de macarrão instantâneo,  a cada segundo.

            Há lances épicos na sua trajetória vitoriosa. Vamos a ela.

            1.Pode-se dizer que o pai do Miojo foi a Segunda Guerra Mundial e sua mãe a Fome. Portanto, o Miojo foi filho de pais não casados – embora ligados indissoluvelmente. A ideia de gera-lo em blocos de macarrõezinhos encaracolados nasceu num Japão em ruínas com 3 milhões de mortos, economia destroçada e resquícios arrasadores de bombas atômicas, gerando  fome, muita fome.

            Ora, o alimento mais comum no Japão, além do arroz,  historicamente é o lámen – um macarrão fresco servido na forma de ensopado. Com a economia em baixa no pós-guerra o Ministério da Saúde tentou substituir esse alimento pelo pão fabricado com farinha de trigo, doado pelos USA. Só que  esqueceram  de combinar com a população, que comia o pão norte-americano  ‘na marra’, pois continuava com saudade do velho macarrãozinho.

            Foi então que Momofuku tirou uma ideia do Kofu (se a tradução fosse cofo não seria uma rima, mas seria uma solução).  

             Sua ideia foi produzir o macarrão desidratado em larga escala. Superando dificuldades financeiras Momofuku somente conseguiu desenvolver sua linha de fabricação em 1958, mas, agora, deparou com outro tipo de obstáculo: A essas alturas… Ninguém mais  estava com tanta fome assim.

            2.Momofuku, perseverante como todo japa,  não desistiu. Se estudou a fundo matemática não se sabe, mas o certo é que chegou a uma fórmula que, se não revolucionou a ciência moderna, pelo menos, influenciou diretamente a forma da boca humana lidar com alimentos, no mundo inteiro:

            Fome + Falta de Tempo = MIOJO

            Esse postulado determina que o ideal para um faminto acelerado matar a fome é um alimento que apenas  se faz de conta que está comendo. Assim, unindo o útil ao desagradável o Miojo se estabeleceu como a alimentação mais adequada a um século de gente apressadinha aqui, ali e em todo lugar do mundo.

            3.O resto todo mundo sabe. Continua vitorioso mesmo diante daqueles que o acusam de ser uma bomba de sódio. (Cada saquinho contém 1,6 grama desse “carrasco” do coração quando o máximo recomendado pela saúde é 2 gramas).

            Embora isso seja verdade, ninguém pode acusar nosso herói de ser infiel às suas origens. Cada vez que alguém encara um pratinho de Miojo sabe que está lutando contra a fome, em guerra contra o sabor e arriscando sua vida contra bombas (de sódio). Ou seja, guerra, fome e bomba. Tal como foi no início.

sem comentário »

O diário da Ilha (contado por ela mesma)

0comentário

artigo publicado no jornal O estadoma

O DIÁRIO DA FUNDAÇÃO DE SÃO LUIS

Escrito pela própria Ilha:

“Hoje, 8 de setembro de 1612 resolveram me batizar de São Luís. Nada melhor que começar, portanto, a escrever meu próprio diário. Assim como inventaram um nome para mim, sei lá as histórias que ainda poderão inventar a meu respeito.

Sou uma ilha. Na verdade, nunca liguei muito pra esse negócio de ser um pedaço de terra cercado de água por todos os lados. Isso nunca fez diferença para mim, a não ser que basta estender os braços em qualquer direção que encontro água. Sou uma felizarda, portanto!

Não sei até hoje dizer quando, de fato, nasci e me criei e porque virei ilha. Dizem que foi de tanto o mar bater no continente que adquiri esse formato. Bote tempo nisso. Sei que tenho milhares e milhares de anos, o que não é tanta velhice assim para pedaços de  terra como eu, só sei que me separo do continente por um pequeno trecho de água chamado de Estreito dos Mosquitos.

Como ia dizendo, resolveram me batizar hoje. O nome que escolheram foi São Luís., em homenagem ao rei da França, que nunca vi mais gordo . Isso embora eu já tivesse o nome de Upaon Açu,  que me foi dado pelos Tupinambás que viviam há muito tempo por aqui e que acho até mais bonito.   Upaon Açu, significa Ilha Grande o que não soa nada mal pra mim não é?

E por que essa gente vir de tão longe para me apelidar de São Luis, se eu já tinha nome? Aí é que está, essa turma não veio de tão longe, sem segundas, terceiras e… quintas intenções. Certamente não vieram só por causa de meus belos olhos, que é essa a minha paisagem de sol , mar , praia, horizonte à beira do mar, linda de morrer, sem falsa modéstia.

Na verdade, faz mais de século que, de vez em quando, eles começaram a aparecer por aqui para encher de madeira suas  canoas grandes ( por eles chamadas caravelas) ,  que levavam para os seus lugares de origem.

Se eles chamam os daqui de índios, os nativos que moram sobre o meu solo, os tupinambás, chamam os portugueses de peró, ou seja tubarões, e os franceses de ayurujuba, ou seja, papagaios amarelos por estes serem louros ou ruivos, portanto um pouquinho diferente dos primeiros , os portugueses,   e falarem muito. Faz sentido, não é? Quem fala demais ouve o que não quer. Até ser chamado de papagaio.

Desta vez eles, os papagaios amarelos, chegaram em  número bem maior com 500 homens em 3 caravelas cujos nomes são Regente, Charlotte e Saint Anne Construíram um forte, rezaram missa, cantaram, homenagearam o rei da terra deles, , Luís XIII e, assim, em pouco tempo eu estava batizada e com novo nome.

Quanto às suas verdadeiras intenções?  Continua no próximo capítulo.

sem comentário »

MULHERES À CAÇA. DELAS

0comentário

645 é o pensador politicamente incorreto da Pandemia

SINCERO COMO A MATEMÁTICA

ÍNEGRO COMO UM NÚMERO

sem comentário »

VASCO. A VERDADEIRA HISTÓRIA

0comentário

1.Na época em que O Vasco da Gama foi fundado, 1898,  o turfe, o ciclismo e o remo eram as modalidades esportivas que seduziam os jovens na capital da República. D,Pedro II ainda era o regente quando no Brasil surgiram as primeiras agremiações dos esportes náuticos.

A sedução pelos  esportes náuticos dava-se  pela movimentação das elites dos centros urbanos fugindo da insalubridade em busca do ar puro da orla da baía de Guanabara. O mar sugeria saúde  em contraponto aos lugares centrais vítimas da sujeira provocada pela contaminação dos esgotos a céu aberto, proliferando epidemias.  

Nas 3 primeiras décadas  de sua fundação o Vasco tornou-se uma das principais agremiações do remo só vindo a aderir ao futebol em 1915 após sua fusão com o Lusitânia SC, que também nasceu da colônia portuguesa do Rio. Com o nascimento da República as associações desportivas cariocas começaram a se estruturar como times de futebol a partir de 1904.

2.No ano 1922, já na primeira divisão o Vasco venceu todas as disputas que participou.  E qual era o seu diferencial? No Vasco todos participavam diariamente de treinos técnicos e físicos. Em seu livro O negro no futebol brasileiro Mario Filho escreve: ‘Às vezes, de noite, se a noite era de lua podiam-se ver  os jogadores do Vasco treinando.” Mas havia uma outro diferencial a ser destacado: a origem de seus jogadores. Clubes como Fluminense, Botafogo e Flamengo eram formados por jovens da classe média carioca. O Vasco apresentava  um time de gente negra e parda, operários oriundos da classe pobre, trazidos da periferia da cidade.

A massa sentia-se atraída a acompanhar o Vasco onde quer que fosse, provocando ressentimento dos adversários. Para eles  o Vasco era um estranho no ninho  que, no entanto, vencia e vencia. Assim que tricolores, flamenguistas etc deram-se conta de que iam para os estádios para assistir a derrota dos seus para os ‘camisas pretas’  a coisa mudou de figura. A bronca com os portugueses, gerada por uma onda de xenofobia era que, se não fosse por eles,  aquele time formado por operários, pretos e mulatos não estaria desafiando e vencendo  gente de boa família.

Começou então uma onda de xenofobia e jacobinismo. Ainda Mário Filho: “O português levava a culpa. Pouco importava que o time do Vasco  com seus brancos, pardos, mulatos e negros fosse brasileiríssimo.”

O resto já se sabe. Inexplicável má vontade perdura até hoje contra o clube especialmente na mídia dominante no Rio e, daí para o país,  a ponto de se tentar transferir para outros times toda aura de popularidade e  tradição vanguardista conquistada, em sua origem, pela equalização dos direitos individuais e pela absorção dos desvalidos. Bastou um resultado adverso na copa de 1950 para se iniciar o processo de tentativa de demolição da popularidade do time, (que foi a base dessa seleção brasileira)  escolhendo-se  para bode expiatório  o grande goleiro Barbosa, eternamente considerado culpado pelo revés, por causa de sua negritude.   

Nada disso arrefece o apego de sua torcida ao time apesar de recentes dissabores. Combalido financeiramente à reboque de  administrações desastrosas, peculiares à estrutura avulsa do futebol brasileiro, o Vasco , no entanto, ostenta como patrimônio , além de sua imensa torcida, um estádio de futebol,  São Januário,  que é o único dessa envergadura no país, a  ter sido construído, tijolo por tijolo, com a ajuda apenas do suor de seus  torcedores.

sem comentário »

APAVORADO

0comentário

Claudionor, 55 anos, é um homem normal,  tem boa saúde, tanto assim que tem resistido bem ao surto da Pandemia, mas há algo que passou a incomodá-lo de algum tempo para cá. O medo de algo.

Aprendeu que melaxofobia é medo de amar, grafofobia é medo de escrever à mão, peladofobia é medo de carícias e araquibutirofobia é medo de que a pipoca grude no céu da boca. Medo de quê? Isso mesmo, de que a pipoca grude no céu da boca. Portanto tem gente por aí que não tem medo de feminicidas (tanto assim que são soltos das cadeias com  metade da metade da pena original)  mas tem medo de que a pipoca grude no céu da  boca.

Com tanta celebridade assumindo publicamente suas fobias ( Julia Roberts tem agarofobia, que é medo de espaço aberto, David Beckam tem atoxofobia, medo de desordem e Megan Fox tem ovofobia, que é medo de ovo) Claudionor  começou a desconfiar que sua normalidade fosse anormal, o que tornou sua ida ao psicanalista uma questão de tempo.

 Isso aconteceu após ter dito , numa roda de amigos, que detestava dupla musical sertaneja. Uma mulher do grupo não se conteve, exibindo ares de pavor.

– Como? Juro que não entendi. Você não gosta de música sertaneja? Jorge e Mateus? Simone e Simaria ? Latão e Sucata?

– Tentei fazer com que meus ouvidos se acostumassem, mas desisti. É muito ruim!

-Não acredito que estou ouvindo isso! Juro que estou com medo de você!

Estupefato, Claudionor olhou ao redor pedindo um socorro que não veio. Pelo contrário, alguém o interpelou.

– Não só ela, todos nós estamos com medo de você. Como é possível alguém normal não gostar de música de dupla sertaneja?

Depois dessa Claudionor correu para o analista. A sessão,  surpreendeu pelo diagnóstico rápido e preciso

– Você está sofrendo de uma psicose moderna, pós-pandemia  Claudionor.

-Como?

– Você teve o azar de continuar normal, mesmo após tudo que aconteceu. Mas não se preocupe,  todos nós fomos infectados e   temos uma fobia

– E como se chama a minha?

– Ainda não está catalogada, mas poderíamos chama-la de NORMALFOBIA, o medo de ser normal.

– E você  aconselharia algum tipo de tratamento?

– Que tal um pouco de loucura, de vez em quando?

sem comentário »

FEMINICIDAS SOLTOS E À SOLTA

0comentário
645 O PENSADOR POLITICAMENTE INCORRETO DA PANDEMIA

SINCERO COMO UM NÚMERO

ÍNTEGRO COMO A MATEMÁTICA

sem comentário »

LIÇÕES DO JURIDIQUÊS PANDÊMICO

0comentário
Artigo publicado no jornal O estado do Maranhão

É recorrente a frase, oriunda da sabedoria popular, que diz que tudo no Brasil acaba em pizza. A Pandemia, que alterou tanta coisa, fez isso mudar também:  O que acabava em pizza agora acaba no STF.  (…)

1.Persona non grata.

Pessoa cuja presença não é desejada em determinado local ou ambiente. Para um entendimento rápido, por exemplo, pode-se dizer que, de uns tempos para cá, Persona Non Grata mais perfeita que a Covid 19 não existe. Alguns dirão que o exemplo força a barra, já que o Covid não é uma pessoa.

Certo, um Covid  nem ser vivo é, portanto  é um quase nada . Mas, justamente por isso, se um quase nada enche de pavor aquele que tudo se arroga ( o homem) é porque   tem que ser respeitado. Latim, nele!

3.De facto e de Jure.

Traduzida ao pé da letra, significa de fato e de direito, o que, num país conturbado como o nosso, opõe uma expressão a outra.  Neste país, o que é de fato não é de direito e vice-versa. Isso se aplica até para as leis e a Justiça. O STF, por exemplo,  é constituído por ministros que são de facto (pelo menos se vestem como tal) , mas , seriam também de Jure? Claro  que não,  se chegaram lá por favores  políticos.

4.In Camera.

Diz-se do caso judicial analisado no privado, sem público e sem imprensa,  o que se tornou coisa rara no mundo pós-pandêmico. Hoje, cada julgamento parece mais uma sessão do BBBrasil com os ministros do STF se comportando como brothers, ávidos por segundos de fama. A diferença é que um brother depois vira exBBB;  já um ministro permanecerá ministro ad eternum.

6.Modus Operandi.

Diz-se de uma maneira comum, quase um padrão, de operacionalizar crimes, tão semelhantes nas ações, que nos levam a  concluir que poderiam ser cometidos por um só autor.

Como exemplo prático, no Brasil, o Modus Operandi dos crimes contra a corrupção jamais se altera, mesmo quando se tenta interrompê-los, obedecendo sempre à mesma sequencia: 1.Aliciamento. 2.Propina. 3.Roubo. 4.Milhões no Bolso. 5.Denúncia. 6.Prisão. 7.Álibi. 8.Pedido de habeas Corpus 8.Recorrência à primeira instância. 9.Recorrência à segunda, à terceira, …até onde for possível. 10.STF. 11.Liberdade. 12.Aplausos. 13.Dinheiro de volta. 14.A Nação  e os pobres que se fodam!.  

sem comentário »

A VIDA ÚTIL DE UM CAIXÃO DE DEFUNTO

0comentário

artigo publicado no jornal O estado do Maranhão

1.Vida Ùtil de uma cirurgia estética.

Hoje vale muito pouco. Uma implantação de botox  só tem de serventia o tempo do cliente se contemplar num espelho e olhe lá. Sim, já que, coberto com uma máscara, todo mundo estará cagando e andando para seu rosto novo.

2.Vida Útil de uma aliança de casamento.

Como a quantidade de casamentos diminuiu muito e a possibilidade de realiza-los mais ainda., se você ganhou uma aliança de presente, é melhor tentar trocá-la por um quilo de filé. O lucro será seu.

3.Vida Útil de um marido.

Antes da Pandemia a vida útil de um marido durava o tempo de a mulher engravidar e ter um filho. Hoje em dia, ninguém dá nada por um marido. Se estiver desempregado, então nem se fala. (,,,)

5.Vida Útil de um pacote de viagens.

Sua validade está mais baixa que a temperatura dos lugares para onde você iria  (Canadá, Finlândia, etc) doido para aparecer com cobertores do tamanho de seu buxo e fazendo de conta que está morrendo de felicidade. (…)

6.Vda Útil de um caixão de defunto.

Valorizou-se. Nestes dias é melhor prevenir do que remediar comprando imediatamente o seu e evitando que seus filhos o  xinguem para o resto da vida pela despesa que deixou.  Lembre-se da frase dos cemitérios: “Nós, os ossos que aqui estamos pelos vossos esperamos”. Cumpra sua parte e siga em frente.

8.Vida Útil de um animal de estimação.

            Sua cotação aumentou baseando-se  na experiência pandêmica que diz : “Para espantar a solidão, melhor um animal de quatro patas  na mão, do que um de duas  arrodeando.”

9.A Vida Útil da vida.

Segundo o JN DA Globo  a vida útil da vida caiu, já que a vida média encurtou 2 anos depois da Pandemia.

Porém, pensando bem, essa notícia induz ao contrário, porque  quanto menos vida tivermos  para viver mais valor devemos dar à parte que sobra.  

È cumprir  a orientação bíblica “ Ajude-te que o céu te ajudará!”,  tomar seus remédios (desde que seu médico os  aprovem) e vender caro o resto de vida que você tem. “Não se imobilize à espera da morte”.

sem comentário »

AS PÉROLAS TIJUBINAS

0comentário

artigo publicado no jornal O estado do Maranhão

COMEÇO DA CRONICA

Jamais me preocupara antes em saber o significado exato da palavra Tijubina, senão agora, para prestar uma singela homenagem póstuma ao amigo e poeta caxiense Carvalho Jr. falecido semana passada.

Isso mesmo tendo apreciado seu livro de poemas O Homem-Tijubina, quando  intuí  que se tratasse de um réptil, à primeira vista repulsivo, mas que nunca havia visto tão bonito quanto na capa do seu livro. Interpretei que se tratava de uma simbologia que incorporava o espírito livre e impetuoso de seu autor, e isso bastava.

Apenas em uma oportunidade o vi e foi justamente na noite de autógrafos de seu O homem-Tijubina, no sebo do Poeme-se.  Já o conhecia de nome, dos grupos literários , de sua intensa participação e de seu envolvimento com tudo que se referisse a arte poética. Parecia-me que ele movia o seu caminhão, carregado de poesia, a 200 por hora, enquanto os demais iam a 80 por hora ou sequer haviam  ligado seus motores.  

sem comentário »

UM INFLUENCER

0comentário

Você sabe o que é um influencer? Acho que nem mesmo aquele que se diz influencer, sabe exatamente. Fosse apenas influenciador, como sugere a tradução do termo, aí sim, todos saberiam, já que influenciador, obviamente, é aquele que influencia um grupo de pessoas. O que dificulta a compreensão é que  Digital Influencer ( esse é o nome certo) pretende significar alguma coisa a mais. Ou de menos.

1.Se estivéssemos falando apenas de influenciador, então Jesus Cristo deve ter sido o maior que já existiu, porque tem até hoje uma legião imensa de influenciados. Até mesmo aqueles que o negam (os ateus), dependem dele  para se exibirem como contestadores e costumam a ele recorrer, sem o menor pudor, nos seus momentos mais difíceis.   Ser um influenciador, portanto, não depende de estar vivo, já que Jesus Cristo em vida teve apenas 12 seguidores, e olhe lá. Morreu pregado numa cruz, ao lado de dois ladrões, dos quais apenas um resolveu segui-lo aumentando a sua exígua conta de seguidores na Terra  para 13.

2.Eu falei seguidores? Talvez esteja aí o que faltava para a gente entender melhor de que se trata o tal do Influencer, já que, um de responsa, tem que ter milhares de seguidores, sem que a maioria destes saiba objetivamente para onde estão seguindo o dito cujo, nem para quê.

Isso porque esse “seguir”, não se refere ao ato físico de seguir, como seguiam os apóstolos a Cristo em suas caminhadas e pregações. Esse seguir atual refere-se ao ato, também físico, porém milhares de vezes mais leviano e distraído,  de dar um mísero toque no visor de um aparelho. E, pronto, num passe de mágica você já virou seguidor do sujeito e, este, automaticamente, já botou mais um na sua conta.

Em conversa sobre esse assunto, um amigo jornalista chegou a sugerir que se fosse hoje JC seria milionário, pelo tanto de grana que os influencers arrebatam. Retruquei que se JC fizesse mesmo uso dos recursos da Internet para sua pregação jamais teria metade dos seguidores que teve em vida já que essa profissão não é coisa para filósofos, ou homens especiais, haja vista a extraordinária semelhança em seus propósitos de vida dos grandes influencers do Brasil, de Luciano Hulk a Anitta, De   Felipe Neto a Neymar. .

3.Estabelecida a condição de muitos seguidores como sine qua non para classificar alguém como um influencer, lembro que  li, recentemente, a notícia publicada em jornal e reproduzida na net de que uma garota atraente e bonita surpreendeu um rico e jovem empresário na noite paulistana, fazendo um ‘raspa’ em seu apartamento em um breve encontro noturno.  Autuada pela polícia nesse mesmo dia, ela apresentou ao delegado, antes de ser tratada como garota de programa, a sua profissão de influencer.

O que leva a concluir que essa ocupação abrange, em seu mar de possibilidades, a  alternativa de poder ser usada para legitimar quem não tem uma profissão e não sabe exatamente o que quer fazer  na vida.

Como, aliás, fazem, com enorme talento, os profissionais de outro emprego hoje em dia também muito disputado. O de  ex -BBB.  

sem comentário »
https://www.blogsoestado.com/ewertonneto/wp-admin/
Twitter Facebook RSS