Após rebelião com morte de interno, Funac terá plano emergencial

1comentário


Elisângela Cardoso, presidente da Funac

Um plano emergencial de segurança será implantado imediatamente no Centro da Juventude Esperança, unidade de internação de adolescentes em conflito com a lei, mantido pela Fundação da Criança e do Adolescente (Funac), no bairro da Maiobinha. A informação é da diretora-presidente da Funac, Elisângela Cardoso, que esteve reunida, nesta sexta-feira, com o major da Polícia Militar, Luis Eduardo Vaz.

“As providências serão voltadas para evitar novos motins até que o plano de segurança definitivo seja concluído”, explicou Elisângela. A decisão foi tomada depois da última rebelião, na segunda-feira (19), considerada uma das mais violentas entre as dez ocorrências registradas este ano.

O saldo final foi a morte de um adolescente e 17 feridos, sendo 14 adolescentes e três educadores. Além disso, a ala A do CJE foi completamente destruída com a ação dos infratores. O centro tem hoje 53 internos entre 13 e 21 anos. A penalidade varia de seis meses a três anos de reclusão, de acordo com a infração cometida, pena estabelecida no Estatuto da Criança e do Adolescente.

“Não enfrentamos o mesmo problema nas demais unidades que também vão ser atendidas pelo Plano de Segurança que está sendo elaborado, visando garantir a segurança das unidades, além da capacitação do corpo funcional nas seguintes temáticas: negociação de conflitos, noções de inteligência e defesa pessoal”, esclareceu, Elisângela Cardoso.

Ao todo a Funac mantém seis unidades – quatro em São Luís e duas em Imperatriz. Na capital funcionam as unidades de internação, a de internação provisória, a semiliberdade e uma unidade de internação feminina, que possui apenas três internas. Imperatriz conta uma unidade provisória e uma semiliberdade.

A coordenadora de programas socioeducativos da Funac, Alexandrina Abreu, defende o aumento do efetivo policial na unidade da Maiobinha. “São apenas dois policiais na unidade. Esperamos mudanças nessa área”, revelou. O CJE possui 175 funcionários entre monitores, socioeducadores, técnicos, administrativo e operacional.

O major Vaz disse que serão implantadas algumas iniciativas visando ações preventivas de rebeliões. “As ações deverão ser integradas e deveremos contar com o apoio de outras secretarias como Cultura, Esporte, Saúde, Educação e Trabalho e Economia Solidária”, destacou.

A diretora administrativa da Funac, Anailde Everton Serra, revelou que acredita numa mudança de comportamento na unidade de internação com a implantação do plano de segurança. “Hoje, o público tem conhecimento do que realmente acontece na unidade da Maiobinha. O número de ocorrências, total de dez, significa que aumentaram as rebeliões, com isso se faz necessário implantar novas ações que venham mudar essa situação”, defende.

“Hoje a proposta é construir uma relação de confiança entre monitores, técnicos, socioeducadores e adolescentes, que junto com a jornada pedagógica aplicada na unidade e uma política de profissionalização permanente, contribuirá para a ressocialização desses adolescentes e jovens”, concluiu a presidente da Funac.

Fonte: Assessoria de Comunicação do Governo do Estado

1 comentário para "Após rebelião com morte de interno, Funac terá plano emergencial"


  1. NOTA ZERO

    TEM QUE COMEÇAR O PLANO MUDANDO A IMCOPETENTE QUE DIRIGE A INSTITUIÇÃO, BOTA IMCOPETÊNCIA NISSO!

deixe seu comentário