O drama das enchentes

5comentários

enchente1.JPGEra quinta-feira, dia 21 de maio, quando o meu telefona toca. Minha mãe diz do outro lado da linha que a sua casa havia sido inundada pelo rio Mearim. Não acreditei no que estava ouvindo. Dois dias depois, peguei um ônibus e segui rumo à cidade. Para meu espanto, quando me aproximei do município deparei-me com os campos próximos à estrada completamente inundados. Em Vitória do Mearim, contemplei uma cena que não via in loco desde quando tinha 11 anos de idade.  A minha terra natal estava debaixo d’água. Na porta da casa da minha mãe, que fica a mais 300 metros da margem do rio, a água dava na cintura. Ao andar pela cidade, percebi que a cheia era mais grave do que imaginava. Porém, o Maranhão não sabia.

Enquanto as populações de cidades como Pedreiras e Trizidela do Vale comemoram a redução do nível do rio Mearim, moradores de Vitória do Mearim, a 165 km da capital, começam a se mudar de suas casas por causa da enchente. O fato é registrado em todas as grandes cheias do maior rio maranhense. Quando começa a baixar na cabeceira, o volume das águas aumenta nas cidades próximas à foz, como está acontecendo agora em Vitória e Arari, cidades vizinhas uma da outra. 

enchentes21.JPGRuas e avenidas que passam próximas à margem do rio estão debaixo d’água. O nível subiu tanto que até na rodoviária estão atracando pequenas embarcações.  Cerca de 70 porcento da cidade foram inundados. Apenas o centro e os bairros do Alto das Palmeiras e Tapuitapera  ficaram imunes à cheia. Milhares de famílias estão desabrigadas em todo o município. O comércio não está vendendo como dantes. Famílias estão procurando outras cidades para passar a cheia, pois já não há tantas casas disponíveis no município para alugar.  As lavouras foram arrasadas pela enchente.

Com o transbordamento do rio e a mistura com o conteúdo dos açudes, a população está sem água em condições adequadas para ingerir. Em uma igreja que está servindo de abrigo, crianças dormem no chão por falta de colchonetes.  À noite, o drama aumenta com a presença de mosquitos. A dona-de-casa, diz que os desabrigados do local não recebem ajuda oficial há cinco dias. “Aqui está faltando comida, água para beber e até para tomar banho. Hoje o meu bebê de 1 ano não tomou banho. E para piorar, ele está com muita coceira. Nós não temos médico para atender tanta gente desabrigada”, comentou ela ao ser questionada sobre a situação das famílias do local.

enchentes3.JPGA história conta que para vencer a luta a força do rio Mearim, a cidade teve que mudar de local por três vezes. Mas em 1924, 1974 e 75 e 1985 e 86, Vitória do Mearim registrou as maiores enchentes de todos os tempos. Com a construção da barragem do rio Flores, o fenômeno da natureza deixou de atormentar os moradores da cidade.  Agora, 23 anos depois da última grande cheia, uma outra página dessa história de luta pela sobrevivência está sendo escrita às custas de muito sofrimento e perdas para milhares de vitorienses.

Vitória do Mearim pede socorro.

Texto e fotos: Ciro Nolasco, jornalista 

5 comentários para "O drama das enchentes"


  1. Evandro Araújo

    Máquina tapa buracos na MA-247.
    São Luis Gonzaga do Maranhão – A rodovia MA-247 que liga a cidade de São Luis Gonzaga do Maranhão a cidades como Trizidelas do vale, Bernados do Mearim e outras, os buracos aberto pela chuva que cairam intensamente na região nos ultimos meses, estão sendo tapados no trecho da rodovia que liga São Luis Gonzaga do Maranhão ao Povoado gavião.
    A MA 247 está cumprindo o seu papel, principlamente, nessa turbulência provocada pelas cheias do rio Mearim e, também, pela sua importância para o estado como rota alternativa para se chegar até a cidades como: Pedreiras, Baclaba, Trizidela, Lago da Pedra, Bomjardim e demais localidades circuvizinhas, inclusive, para se chegar em outros estado da federação, como ficou claro com o rompimento da estrada no município de Peritoró (BR-135). E é mais um motivo para ela merece ter atenção do poder público, além é claro da sua função de meio de escoamento de produtos.
    Há males que vem para o bem.

  2. Prof Hilton Franco

    Olha o que diz o nobre jornalista Ciro Nolasco

    O fato é registrado em todas as grandes cheias do maior rio maranhense.

    Detalhe, o maior rio maranhense é o rio Itapecuru viu.O rio Itapecuru tem 1.500Km de extensao e o rio Mearim tem aproximadamente 930 Km.Estudar um pouco mais nao custa nada.

    Abraços.

  3. Paulo MOITANO

    Professor Hilton Franco,ele tem que estudar mesmo,voltar ao primário,eitaaaa…

    n eh esse qu queria ser Vereador,que foi pra igreja assmbléia de Deus atrás de votos e nunca mais pisou lá?haha! por isso que a igreja virou curral eleitoral mesmo,e ngm confia mais nos chamados homens de Deus”

  4. Paulo Roberto

    Pediram 1 bilhão para os estragos das enchentes, como só veio alimentos como doações nem o governo se interessou para entregar muito menos os prefeitos em reeber. Estava todo mundo planjando como gastar a verba dos pobres! se tivesse cadeia para pulítico sobraria dinheiro para educação, saúde, segurança e ainda dava para brincar carnaval.

  5. Bismarques

    O maior rio do Maranhão não é o Itapecuru, já que o rio Parnaíba, o segundo maior do Nordeste, abrange o Estado do Piaui e Maranhão, este mesmo rio possui grande parte de sua bacia hidrográfica localizada no Maranhão.

deixe seu comentário