Promotor confirma a CPI existência de cartel de combustíveis em São Luís

0comentário
Membros da CPI dos combustíveis em mais uma audiência na AL

Membros da CPI dos Combustíveis em mais uma audiência na Assembleia

O promotor José Osmar Alves (Defesa da Ordem Tributária e Econômica) disse, em depoimento na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Combustíveis, nesta terça-feira (29), que um cartel formado por donos de postos atua em São Luís.

O promotor relatou as investigações que realizou em 2011, quando detectou a ação do cartel, e garantiu que o mesmo tipo de operação está em execução no momento na capital. O depoimento foi tomado pelos deputados Othelino Neto (presidente), Jota Pinto, Francisca Primo e Manoel Ribeiro. José Osmar contou que dez pessoas envolvidas com o cartel foram denunciadas à Justiça, sendo que oito fizeram acordos e receberam penas alternativas. Já duas recorreram contra a decisão.

De acordo com o promotor, as investigações mostraram que havia cinco corredores de preços fixados pelos donos de postos. Através de escuta telefônica, o promotor disse que conseguiu detectar até ameaças de morte contra quem vendia por menor preço e confissões de colocação de água na gasolina. “Concluímos que havia acordo de preços entre alguns concorrentes. Acredito que o mesmo está acontecendo nesse momento em São Luís”, afirmou José Osmar Alves.

Além disso, contou que atualmente o cartel atua de forma mais forte porque não existem mais cinco corredores de preços, resumindo-se a quase um preço só, com diferenças de alguns centavos. O promotor assegurou que hoje “o lucro é exorbitante e estrondoso”, de R$ 0,50 centavos. Revelou também que em Teresina, cujo combustível vai do Maranhão, o preço do litro de gasolina é de R$ 2,69, enquanto em Barreirinhas chega a R$ 3,24.

O deputado Manoel Ribeiro disse que o cartel se repete também nos preços de gás de cozinha. Ele reagiu com indignação aos números mostrados pelo promotor e classificou de “roubalheira”, comparando que os postos estão lucrando mais que a Petrobrás. O empresário Dileno de Jesus Tavares, ex-presidente do Sindicato dos Combustíveis, que deixou de comparecer à primeira convocação da CPI e não enviou justificativa, deve ser ouvido pela comissão. Ele era o presidente da entidade no período em que o promotor fez a investigação.

Fonte: Agência Assembleia

Sem comentário para "Promotor confirma a CPI existência de cartel de combustíveis em São Luís"


deixe seu comentário