Paralisação no Itaqui alerta para caos, crimes ambientais e mortes no porto que a propaganda comunista esconde

0comentário

Navio Star Fuji, de bandeira norueguesa, está atracado no Berço 100 do Porto do Itaqui com operação de carga suspensa

Sindicatos que representam categorias profissionais que atuam no Porto do Itaqui enumeram uma série de irregularidades e práticas de má gestão que desmentem categoricamente a propaganda do governo Flávio Dino (PCdoB) que apresenta o terminal como modelo de organização, eficiência e produtividade. Um dos exemplos da incompetência administrativa que impera no porto, segundo as entidades, é a paralisação da operação de carga do navio Star Fuji, de bandeira norueguesa, por causa de uma greve de trabalhadores portuários avulsos. A embarcação está atracada no Berço 100, desde o último sábado (12), para receber 35,5 mil toneladas de celulose provenientes da fábrica maranhense da Suzano.

A paralisação é motivada pela quebra de um acordo firmado em 20 de maio de 2016 entre o Sindicato dos Arrumadores de São Luís, à qual são associados os portuários que executam o serviço de carga em terra, e a empresa G5 Soluções Logística e Transporte LTDA., que pretende firmar vínculo com a mão de obra contratada para suas operações no porto, contrariando o parágrafo 13 do referido acordo, cuja vigência foi prorrogada por mais dois anos.

Os portuários recusam o vínculo empregatício para não de submeter às normas das empresas, consideradas impróprias, e para ter liberdade para negociar seus serviços. Entre os abusos apontados na relação formal de trabalho estão baixa remuneração, não condizente com as tarefas executadas, jornada excessiva e maior vulnerabilidade aos riscos da atividade. Na condição de avulsos, os trabalhadores podem optar pelas propostas que acharem mais vantajosas, além de se sentirem protegidos, com o devido amparo do sindicato que os representa.

Pressão, crimes ambientais e mortes

O presidente do Sindicato dos Arrumadores de São Luís, Carlos Magno Mais Castro, o Lixa, lista problemas graves na rotina portuária, como equipamentos sucateados, crimes ambientais ocultados pela gestão, acidentes constantes abafados pela administração portuária, uso de mecanismos de pressão contra os trabalhadores, a exemplo de investigações, mortes de trabalhadores sem providências efetivas para cessá-las, poder de mando excessivos das empresas apontadas como influentes no atual governo.

Outra prática irregular apontada pelo sindicalista é a falta de requisição, pelo Terminal de Grãos (Tegram), de mão de obra para o seu devido fim, como determina expressamente o artigo 40 da Lei nº 12.815, de 5 de junho de 2013, que dispõe sobre a exploração direta e indireta pela União de portos e instalações portuárias e sobre as atividades desempenhadas pelos operadores portuários.

O blog confirmou, às 15h57, com uma fonte do porto, que a operação de carregamento do navio, suspensa quando haviam sido embarcadas apenas três lingadas de celulose, continua parada. Não foi informado o prejuízo em dinheiro acumulado. O que se sabe é que já ultrapassa a casa dos milhares de dólares.

Emap diz que não intervém nas relações de trabalhadores com empresas

A Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap) informa que desde a manhã deste sábado, 12, os trabalhadores avulsos da categoria arrumadores de carga paralisaram a operação de embarque celulose no Berço 100 do Porto do Itaqui.

Na qualidade de Autoridade Portuária, a Emap está acompanhando ação para garantir a segurança das pessoas e do patrimônio público, e esclarece que as relações de trabalho portuário são regulamentadas pela Lei 12.815/2013, cujo texto determina que essas relações de trabalhadores com empresas com sede no porto sejam estabelecidas livremente entre empregadores e empregados, por meio de seus sindicatos, observando a legislação em vigor, não cabendo ingerências externas nessa relação.

O blog manteve contato, por telefone e por e-mail, com a empresa G5 Soluções Logística e Transporte LTDA. para tentar obter esclarecimento sobre o impasse com os operadores portuários avulsos, mas não obteve resposta.

Sem comentário para "Paralisação no Itaqui alerta para caos, crimes ambientais e mortes no porto que a propaganda comunista esconde"


deixe seu comentário