Plano de investimentos no turismo do governo Bolsonaro começará pelo Maranhão

1comentário

Execução terá início com revitalização de porto em Tutóia e construção da ponte sobre o Rio Preguiças

Parque dos Lençóis Maranhenses integra a Rota das Emoções

A conhecida Rota das Emoções, que engloba 14 cidades do Maranhão, Piauí e Ceará, é um dos destinos mais procurados pelos amantes do surf, windsurfe e kitesurf, além dos que procuram calmaria e cenários fotográficos.

O roteiro, percorrido pela costa destes três estados nordestinos, inclui passagens por áreas de proteção ambiental, como o Parque Nacional de Jericoacoara, no litoral oeste cearense; o Delta do Parnaíba, entre Piauí e Maranhão, e o Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses. Com uma mistura de cultura, belezas naturais e história, além da alta gastronomia, a Rota encanta turistas que procuram a região, uma das mais famosas do país

O Ministério do Turismo preparou um Plano de Ação para o Desenvolvimento Turístico da Rota das Emoções. As ações previstas por este planejamento terão início no estado do Maranhão. A revitalização do Porto de Tutoia (MA) é uma das intervenções previstas na estratégia. O local é a principal porta de entrada para o delta do Rio Parnaíba e ponto estratégico da Rota, pois permite a ligação turística fluvial entre o Maranhão e o Piauí. Além da revitalização do porto, o Plano inclui medidas de fortalecimento do ecoturismo, preservação do meio ambiente e segurança turística.

Pelo documento, idealizado a partir de demandas de gestores estaduais, municipais e representantes da Rota das Emoções, o Ministério do Turismo também irá finalizar obras no aeroporto de Barreirinhas. Além disso, viabilizará a construção, com custo estimado em R$ 8 milhões, de uma ponte com 180 metros de extensão para a Travessia do rio Preguiças. Sem a ponte, os turistas enfrentam longas filas para a travessia de barcos e balsas.

Fonte: Ministério do Turismo

1 comentário para "Plano de investimentos no turismo do governo Bolsonaro começará pelo Maranhão"


  1. carlos

    Ai diz que a fonte é o Ministério do Turismo, vc poderia ser mais específico? já saiu algum documento do Ministério do Turismo em relação a isso? vc poderia compartilhar esse PLANO DE AÇÃO?

deixe seu comentário