Parceria entre Sedel e Seduc reforça esporte na escola

2comentários

A parceria firmada entre a Seduc e a Sedel em prol do esporte educacional começa a avançar. No Jardim América, em São Luís a requalificação do Centro Educa Mais Barjonas Lobão está em pleno andamento.

Este é o primeiro de muitos projetos em conjunto que serão desenvolvidos em conjunto pelos secretários Rogério Cafeteira (Sedel) e Felipe Camarão (Seduc).

O secretário de Esportes Rogério Cafeteira destacou que estão sendo recuperadas a quadra, o campo e a urbanização do entorno.

“Essa é a última imagem que vocês verão assim do Caic Barjonas Lobão, no Jardim América. A Sedel está realizando, em parceria com a Seduc, a obra de um campo, quadra e urbanização do entorno. Em breve entregaremos mais esses espaços requalificados para a comunidade”, disse Cafeteira.

O secretário de Educação Felipe Camarão reafirmou o compromisso e a parceria entre as duas secretaria para fortalecer o esporte educacional no Maranhão.

“Obras na quadra, campo e urbanização do Centro Educa Mais Barjonas Lobão, no bairro Jardim América, em São Luís, estão a todo vapor. Em breve, mais este espaço será entregues requalificado para a comunidade, dentro da parceria Sedel e Seduc, sob o comando do governador Flávio Dino em benefício do esporte educacional”, disse Felipe Camarão.

Sem dúvida esse é o caminho…

Fotos: Divulgação

2 comentários »

Secretários firmam parceria no esporte educacional

4comentários

Os secretários Felipe Camarão e Rogério Cafeteira estiveram reunidos na tarde desta terça-feira (9). Em pauta novas parcerias entre as secretarias de Educação e Esporte em prol do desenvolvimento do esporte educacional.

O secretário Felipe Camarão que foi atleta no período em que foi estudante defendeu a prática do esporte na escola e mostrou entusiasmo com a possibilidade de realização de projetos em conjunto com a Sedel.

“Foi um encontro muito proveitoso com o secretário Rogério Cafeteira no qual discutimos temas pertinentes à Educação e ao Esporte, a prática do esporte educacional que é uma base muito importante para os dois segmentos, pois através do esporte educacional descobrimos novos talentos para o esporte profissional, para o esporte competitivo e ao mesmo tempo melhoramos o desempenho escolar dos nossos estudantes com mais foco,mais concentração, mais disciplina”, disse.

“Eu mesmo sou fruto do esporte educacional e disputei vários JEMs, fui da Seleção Maranhense por muito tempo, enfim sou prova viva disso e pratico esporte até hoje. E no encontro, nós debater também assuntos relativo aos JEMs e a construção de equipamentos esportivos como quadras poliesportivas em escolas da nossa rede, notadamente escolas de tempo integral para garantir a prática do esporte”, explicou Felipe Camarão.

O secretário Rogério Cafeteira destacou algumas parcerias já em andamento entre as duas secretarias e reafirmou a importância de ampliá-las a outras escolas.

“Nós discutimos hoje novas parcerias entre a Sedel e a Seduc. Nós estamos construíndo uma quadra na Escola Barjonas Lobam que já está em andamento. Temos uma ação semelhante no Centro de Educação Especial João Mohana, no Vinhais e a partir de agora vamos identificar novas escolas que poderão ser beneficiadas também. Discutimos também maior interação entre as escolas através do JEMs”, disse.

“Alinhamos projetos do Esporte que envolvem a Educação, junto com o amigo-irmão, competente secretário Felipe Camarão. Amigo, obrigado pela parceria! Juntos, faremos mais! Valeu! “, finalizou.

Foto: Divulgação

4 comentários »

Números que animam e desafiam

0comentário

Por Felipe Camarão

Uma das frases do combativo líder norte-americano, Martin Luther King, que mais aprecio é: “Suba o primeiro degrau com fé. Não é necessário que você veja toda a escada. Apenas dê o primeiro passo. ” Parafraseando, posso afirmar que o governador Flávio Dino deu o primeiro passo em 2015, quando assumiu o Governo do Estado, em meio a um triste e vergonhoso cenário que colocava o Maranhão nos últimos lugares no quesito educação.

O Anuário Brasileiro da Educação Básica 2019, divulgado pela ONG Todos pela Educação, na última semana, demonstrou, através de dados e evidências, que a educação do Maranhão avançou muitos degraus na escada da dignidade. Os números nos animam bastante – citarei alguns deles aqui – e também nos desafiam a lutar implacavelmente por essa causa que move nossa alma, que é a educação, como enfatiza o governador Flávio Dino.

No quadro de avanços, destaco a inclusão de crianças e adolescentes, com algum tipo de deficiência, em classes comuns. Do total de 40.162 matrículas desse público, no Maranhão, 37.305 estão em classes comuns e apenas 2.857, em classes especiais e escolas especializadas, de acordo com o Anuário.  Isso significa que demos um passo significativo rumo à inclusão, ou seja, mais de 90% dos estudantes frequentam uma escola regular, parte delas já atendidas pelo Programa Escola Digna, com acessibilidade (rampas, banheiros adaptados), uniformes com inscrição em Braille, formação docente, além dos profissionais para o atendimento educacional especializado, admitidos no concurso realizado no atual governo.

Os números da Educação Integral, no Maranhão, também são relevantes. Até 2014, não havia oferta de ensino integral na rede pública estadual. Ao assumir a gestão, o governador Flávio Dino determinou a implantação do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (Iema) e dos Centros Educa Mais (escolas de ensino integral) que, juntos, somam 49 escolas em pleno funcionamento, com uma matrícula de mais de 15 mil estudantes, que ampliaremos no próximo ano.

Melhoramos a distorção idade-série (proporção de alunos com atraso escolar de 2 anos ou mais). Em 2014, o percentual era de 40,9%; em 2018, houve um decréscimo de 6,8%. O Maranhão foi bem avaliado nesse ponto, tanto para o Ensino Fundamental quanto para o Médio, acima da média nacional e a tendência é  reduzir mais ainda esse percentual.

O documento do ‘Todos pela Educação’, também, ratifica a elevação do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB), com um salto de 2,8 em 2013 para 3,4 em 2017. No ranking dos estados do Nordeste, o ensino médio público estadual do Maranhão saiu do 5º lugar para o 3º, entre os 9 estados, ficando atrás apenas de Pernambuco e Ceará; melhoramos o rendimento dos estudantes (aprovação, reprovação e abandono), com taxas superiores à média do nordeste, entre outros indicadores que demandariam mais laudas para registrar.

Por outro lado, há muitos desafios e degraus para subir. Um deles é elevar a proficiência dos estudantes em Língua Portuguesa e Matemática, ainda abaixo da média nacional, mas que está sendo enfrentada com o Pacto pela Aprendizagem, com os municípios maranhenses, cujo foco está na Educação Infantil e Ensino Fundamental, onde se fazem necessários reforços na leitura, escrita e Matemática.

No Ensino Médio, priorizamos, como meta a curto prazo, fazer com que o estudante aprenda mais. Para isso, o governador Flávio Dino já determinou a garantia das condições necessárias à aprendizagem e ao bom desempenho no chão das escolas.

A melhoria nos indicadores, apontada pelo anuário, corresponde ao volume de investimentos do Programa Escola Digna, que visa transformar a vida dos maranhenses, com a oferta da educação pública de qualidade, em todos os níveis e modalidades de ensino.

Desde 2015, o governo vem empreendendo ações que passam pela requalificação dos espaços escolares, valorização do magistério, formação continuada de professores, alinhamento da proposta curricular da rede estadual, acompanhamento dos indicadores, implantação do Sistema Estadual de Avaliação do Maranhão (Seama) e outras medidas importantes.

Indubitavelmente, os números divulgados pelo anuário mostram que esse é o caminho para a transformação social; é a maior obra do governador Flávio Dino, que não é feita de asfalto ou concreto e, sim, de gente com mais dignidade, através da educação. Os números nos alegram, mas, também, incentivam-nos a trabalhar por mais avanços e combate às desigualdades sociais!

“Nós não somos o que gostaríamos de ser. Nós não somos o que ainda iremos ser.  Mas, graças a Deus, não somos mais quem nós éramos. ” Martin Luther King.

*Felipe Camarão é secretário de Educação do Maranhão

sem comentário »

Bom trabalho na Cultura leva Galdino a novo desafio

1comentário

Muita gente acha que quando um secretário se destaca em uma pasta e é “convidado” a assumir outra é sinal que foi muito bem e apresentou em excelente resultados.

É o que acaba de acontecer com o secretário de Cultura Diego Galdino, anunciado pelo governador Flávio Dino como novo secretário de Governo.

A notícia, certamente poderá até não agradar a quem faz Cultura no Maranhão, mas isso é coisa que só o tempo dirá.

Diego Galdino era adjunto de Felipe Camarão quando assumiu a Cultura. Com o seu jeito simples e transparente, logo ganhou a confiança do governador e, sobretudo do meio cultural.

Em tempo recorde conseguiu melhorar o Carnaval no Maranhão com a criação do circuito Beira-Mar e no São João fez virar “febre” novamente o Arraial do Ipem.

Foi tudo isso que fez com que o governador olhasse Diego Galdino de outra forma e, por isso, certamente lhe confiou nova missão. Missão essa que, certamente fará com a mesma competência que comandou a Cultura.

O novo gestor da Secma, assim como Felipe Camarão e Diego Galdino, tem um perfil semelhante aos antecessores, e ao que tudo indica, as coisas na Cultura vão continuar evoluíndo também.

Foto: Zeca Soares

1 comentário »

Felipe Camarão comemora números da Educação

2comentários

Desde 2015, o Maranhão melhorou todos os indicadores avaliados do Ensino Médio e do Fundamental. Os dados são do Anuário Brasileiro da Educação Básica, divulgado nesta terça-feira (25) pela ONG Todos Pela Educação.

A melhora se deu ao mesmo tempo em que o Programa Escola Digna se espalhou pelo Estado, com a entrega de mais de 850 colégios construídos ou reformados desde então.

O Ensino Médio foi um dos que mais avançaram. Na rede pública, essa fase é de responsabilidade do Estado. As demais estão na esfera municipal. A taxa de matrículas no Ensino Médio era de 59,1% em 2014. Em 2018, subiu para 63,5%. O desempenho é melhor que a média do Nordeste, que ficou em 60,4%.

Considerando os jovens de 19 anos que concluíram o Ensino Médio, a taxa passou de 45,2% para 52% no período. Ainda de acordo com a pesquisa, a escolaridade média da população entre 18 e 29 anos subiu de 9 anos de estudo para 10,5 anos de estudo de 2014 a 2018.

Ideb – Outro índice mencionado pelo estudo do Todos pela Educação – e que já era conhecido – é o Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), que passou de 2,8 para 3,4 entre 2013 e 2017. Essa nota mede a qualidade das escolas públicas do Ensino Médio.

“Os dados apresentados pelo relatório do Todos pela Educação só reforçam nossa certeza de que a educação é um investimento extremamente importante. A ascensão dos índices maranhenses apresentados no documento coincide com os esforços envidados pelo governador Flávio Dino, que com o Programa Escola Digna tem tentado corrigir muitos déficits que o Maranhão acumulou ao longo de décadas”, diz o secretário de Estado da Educação, Felipe Camarão.

“Esses resultados só nos engrandecem e motivam para continuarmos nesse caminho da transformação social, que passa pela educação”, acrescenta.

Ensino Fundamental e creches – O Anuário também mostra que o Maranhão aumentou as matrículas no Ensino Fundamental de alunos entre 6 e 14 anos de 96,5% para 97% entre 2014 e 2018. Nas creches, o índice de frequência de crianças até 3 anos subiu de 26% para 29,6% entre 2014 e 2017. Os dados de 2018 não foram incluídos.

Na pré-escola, com crianças de 4 e 5 anos, o índice cresceu de 93,8% para 97,2% entre 2014 e 2017.

Blog do Jorge Aragão

2 comentários »

Felipe Camarão destaca avaliação na rede pública

0comentário

O secretário de Estado da Educação, Felipe Camarão, destacou que o Sistema Estadual de Avaliação do Maranhão (Seama) possibilitará ao Estado ter o seu próprio índice educacional, permitindo o estabelecimento de metas para a educação de todo Maranhão, seja para a rede estadual ou para as redes municipais.

Ao todo, cerca de 280 mil estudantes da rede estadual e redes municipais, de 4.242 escolas em todo o Maranhão vão participar do Sistema de avaliação. As provas foram aplicadas ontem (12), para alunos do 3º ano do Ensino Médio e hoje (13), para estudantes do 5º ano e 9º ano do Ensino Fundamental.

Segundo Felipe Camarão, a iniciativa do governo do Maranhão é inédita e faz parte da política de acompanhamento das escolas, seus indicadores educacionais e melhoria da aprendizagem dos estudantes maranhenses.

“O sistema possibilitará ao Estado acompanhar de forma mais precisa a aprendizagem dos nossos estudantes da rede e, também, dos estudantes matriculados nas redes municipais. Isso nos fará ter um acompanhamento preciso dos indicadores educacionais em tempo real, facilitando a implementação de políticas públicas educacionais mais assertivas, voltada diretamente para resolver problemas relacionados à aprendizagem, à distorção idade-série, evasão escolar”, afirmou Felipe Camarão.

Para o professor José Eduardo Soares, o Sistema de Avaliação é de suma importância para acompanhar o desempenho dos alunos, na tentativa de buscar uma excelência na preparação deles, quer seja para a vida profissional ou para a vida acadêmica.

“Esses índices acabam dando para a gente uma ideia, uma medida, uma dimensão de como é que isso deve ser investido ou reinvestido, na tentativa de melhorar cada vez mais. Eles ficam discutindo um pouco sobre as questões da prova, após o término, vendo quem acertou mais ou se a maioria das pessoas marcou a opção correta. Um processo importante de antes, durante e depois. Antes porque eles se preparam, durante quando eles fazem a prova e o depois porque isso acaba de alguma forma fazendo com que eles fiquem ainda voltados, discutindo e conversando”, disse.

Foto: Divulgação / Seduc

sem comentário »

Cadê o Fundeb que tava aqui?

1comentário

Por Felipe Camarão

O escritor colombiano Gabriel García Márquez, Nobel de Literatura (1982) e um dos criadores da corrente literária conhecida como realismo mágico, declarou certa vez que: “sempre acreditei que o poder absoluto é a realização mais alta e mais complexa do ser humano e que por isso resume ao mesmo tempo toda a sua grandeza e toda a sua miséria”. Essa é, indubitavelmente, a frase que melhor caracteriza o atual cenário de crise política e financeira no país.

Estamos a menos de um ano do encerramento da vigência do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) e, sob as mãos daqueles que têm a investidura dos mais altos cargos eletivos, urge a necessidade de recriar o Fundo.

Permita-me, leitor, explanar sobre o Fundeb. Foi criado em 2006 por uma emenda à Constituição e regulamentado em 2007 por lei e decretos federais. Substituiu o antigo Fundef – Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério, que vigorou oito anos e redistribuía, entre Estados e municípios, parte dos recursos constitucionalmente vinculados à educação para financiamento do Ensino Fundamental. Já o Fundeb, mais robusto, com vigência de 14 anos, redistribui uma parcela maior dos recursos vinculados à educação e contempla todas as etapas e modalidades da educação básica, da creche ao ensino médio.

Vale destacar que esse “bravo” Fundo, objetivando a universalização do ensino, precedeu o processo de municipalização do Ensino Fundamental, com transferência desse nível às prefeituras, ficando o Estado responsável, exclusivamente, pela oferta do Ensino Médio.

O Fundeb repassado aos entes federados é o montante arrecadado com os impostos, portanto, há variação no valor dos repasses, de acordo com o comportamento da atividade econômica; o total arrecadado é multiplicado por um coeficiente de distribuição, a cada ano, obtendo-se, assim, o valor que será repassado. O Fundo é constituído pela contribuição dos estados, DF e municípios, correspondente a uma parte dos recursos constitucionalmente vinculados a despesas com manutenção e desenvolvimento do ensino (MDE), conforme o art. 212 da Constituição Federal.

Resulta da receita de impostos e transferências de estados e municípios, na proporção de 20%. Compõem, também, o fundo as receitas da dívida ativa de juros e multas, incidentes sobre estas fontes. A União complementa com 10% do total de recursos do Fundeb, para os Estados e Municípios que não atingiram o valor mínimo anual por aluno, estabelecido nacionalmente.

Cada fundo estadual distribui seus recursos de acordo com o número de estudantes que estão matriculados em sua rede de Educação Básica. Na soma de estudantes matriculados de cada rede de ensino, é atribuído um peso diferente a cada matrícula, considerando suas especificidades (da pré-escola integral e no Ensino Fundamental II parcial).

Em 2018, o Estado do Maranhão recebeu do Fundeb o montante R$1.382.219.125,15, considerando as 357 mil matrículas (Censo Escolar). Como vem ocorrendo nos últimos anos, 100% desse recurso foi destinado ao pagamento de professores efetivos e o Estado ainda precisou aportar R$ 11.700,000,00 para o fechamento total da folha do magistério. Para se ter ideia, de 2015 até o ano passado, foram aportados cerca de R$ 452.852.000,00 à folha de professores efetivos.

Faz-necessário, portanto, frisar que estamos na “última hora” para a (re) criação do Fundeb e, caso isso não ocorra urgentemente, já a partir do ano que vem, poderá haver consequências reais e nefastas para a educação brasileira.  Salvo alguns poucos estados, a maioria das Unidades Federativas não poderá manter a folha da educação em dia, diante da baixa arrecadação própria de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços). E, em se tratando dos municípios maranhenses, os mesmos não terão condições, nem mesmo, de arcar com suas folhas. Será o sepultamento da educação básica brasileira.

Defendo, assim como o governador Flávio Dino, que o Fundeb precisa ser (re) criado, a partir de um modelo que atenda a atual conjuntura econômica dos entes e que seja estabelecido um novo pacto e repartição dentro da cooperação federativa. E, em vez de ser extinto, incrementado, ampliado e aprimorado. São necessários mais recursos para o Fundeb, a fim de garantir, de uma vez por todas, a universalização tão almejada por todos nós, gestores educacionais e, sobretudo, a qualidade da educação pública.

Finalizo com mais uma de Márquez, ao definir bem o processo de (re) criação, tão necessário neste momento. “Mas se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão a luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.”

*Felipe Costa Camarão é professor, secretário de Estado da Educação e membro da Academia Ludovicense de Letras e Sócio do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão

1 comentário »

Felipe Camarão regulamenta programa Mais IDEB

0comentário

O secretário de Estado da Educação, Felipe Camarão, assinou nesta terça-feira (21), a Portaria de nº 814, que regulamenta o Programa Mais IDEB e institui o Prêmio Mais IDEB, iniciativa que visa reconhecer e premiar estudantes, professores e gestores escolares por suas práticas e experiências exitosas nas escolas da rede pública estadual.

Instituído como programa, o Mais IDEB visa fomentar, ainda mais, a qualidade da educação básica nas escolas públicas da rede estadual, elevando a aprendizagem dos estudantes e a consequente elevação do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB).

Em sua nova versão, o Programa prevê o desenvolvimento de diversas ações, tais como: formação dos profissionais da educação; acompanhamento técnico-pedagógico dos indicadores de aprendizagem; implementação de tecnologias de gestão educacional; realização de simulados e aulões – inclusive nas férias escolares; além de premiação e reconhecimento das experiências exitosas, entre muitas outras atividades.

Prêmio Mais IDEB

Para valorizar as práticas, experiências e resultados, o Governo do Maranhão regulamentou o Prêmio Mais IDEB, que premiará estudantes, professores e gestores de escolas públicas da rede estadual, com base no resultado de desempenho expresso pelo Índice de Desempenho Escolar do Maranhão, calculado pelo Sistema de Avaliação da Aprendizagem do Estado do Maranhão (Sema) e pelos Simulados realizados pelo Programa Mais IDEB.

Serão premiados estudantes do 9º ano do Ensino Fundamental e da 3ª série do Ensino Médio, da rede estadual de ensino, professores de turmas do 9º ano do Ensino Fundamental e de turmas da 3ª série do Ensino Médio, além de gestores escolares, com base no desempenho de suas respectivas escolas.

As premiações variam de R$ 400,0 a R$ 2.500, de acordo com a categoria. Os 10 estudantes melhor classificados, também, serão contemplados com bolsa em faculdades privadas situadas no Estado do Maranhão (com limite máximo mensal de até R$ 1.000) ou com auxílio mensal de R$ 400, durante todo o curso, caso aprovados em universidades públicas.

Foto: Divulgação

sem comentário »

Reconhecimento ao trabalho de Felipe Camarão

0comentário

Estive visitando neste sábado (19), a centenária e mais importante escola da rede estadual, o Liceu Maranhense. Na última segunda-feira (13), o secretário de Educação, Felipe Camarão fez a entrega da escola que teve os  equipamentos educacionais revitalizados por meio do Programa Escola Digna.

Fomos acompanhar uma partida de voleibol entre as equipes do Liceu Maranhense e Reino Infantil, mas aproveitamos para conversar com alunos, funcionários e professores sobre a reforma.

Ouvimos depoimentos que comprovam a satisfação de todos. “Nossos laboratórios estão todos funcionando e o melhor que as nossas salas de aulas estão todas com ar condicionado funcionando”, destacou um estudante.

“Agora mais do que nunca temos que deixar tudo limpo e conservado porque a escola está nova de novo”, disse um funcionário que limpava a escola.

“A nossa quadra ficou nova. Temos uns problemas com a chuva e o sol, mas se comprometeram em melhorar, pois são coisas pequenas e fáceis de resolver”, destacou um professor de esporte.

De fato, problemas que já foram repassados ao secretário Felipe Camarão que se comprometeu em resolver o mais rápido possível.

Bom, saímos do Liceu Maranhense com a certeza de que o local por onde já passaram muitos nomes ilustres de nosso Maranhão está em plena condições de continuar oferecendo conforto e qualidade a todos que ali trabalham e estudam.

É necessário zelo por parte de quem estuda e trabalha no Liceu, mas a garantia dos gestores da Educação no Maranhão para que continuem dotando o Liceu e demais escolas de todas as condições para a melhoria da Educação.

Ao secretário Felipe Camarão o nosso reconhecimento pelo belo trabalho desenvolvido no Liceu Maranhense. Que esse reconhecimento seja motivo para que faça ainda mais pela nossa educação.

Foto: Zeca Soares

sem comentário »

Felipe Camarão destaca reforma do Liceu Maranhense

1comentário

Em continuidade ao cronograma de entrega de equipamentos educacionais revitalizados por meio do Programa Escola Digna, o Governo do Maranhão entregará, nesta segunda-feira (13), a reforma do Centro de Ensino Liceu Maranhense, tradicional escola da rede pública estadual, que fica localizada no Centro da capital maranhense.

Ao todo, foram investidos R$ 3.673.135,84 na obra do prédio centenário, que por mais de 14 anos não passava por reforma estrutural.

Conhecida também como Palácio da Educação, o Liceu Maranhense foi fundado em 24 de julho de 1838. A escola completou no ano passado 180 anos. Atualmente possui 2.200 alunos matriculados nos três turnos.

“O Liceu Maranhense é uma escola centenária de nossa rede que estava há anos sem uma reforma estrutural e agora está linda, com seus espaços recuperados e dignos para seus estudantes. Local muito importante para nossa história, por onde tantos ilustres de nosso Maranhão passaram”, destacou o secretário Felipe Camarão.

“Que satisfação cumprir mais um compromisso firmado pelo governador Flávio Dino. Hoje entregamos a reforma do quase bicentenário Centro de Ensino Liceu Maranhense, tradicional escola da nossa capital, por onde já passaram ilustres do nosso Maranhão. Cuidem desse patrimônio que é de todos nós! “, finalizou.

Foto: Divulgação / Seduc

1 comentário »