Folha aponta praias impróprias em São Luís

5comentários

Levantamento da FOlha aponta 16 pontos impróprios para banho em praias no Maranhão

Um levantamento da Folha de S. Paulo divulgado neste domingo (5) aponta que todas as praias de São Luís e São José de Ribamar estão impróprias para banho.

Folha analisou dados de balneabilidade de 1.180 pontos de praias em 14 Estados brasileiros e segundo os dados, três em cada dez praias brasileiras ficaram impróprias para banho por mais de três meses ao longo de 2016.

O levantamento da Folha aponta que 42% das praias foram classificadas como “bons” ou “ótimas”, 29% estão “regulares” e 29% “ruins” ou “péssimas”.

No Maranhão, os 16 pontos  analisados foram considerados “péssimos”.

Praia: Calhau
Ponto de medição: À dir. da elevatória 2 da Caema
Situação: Péssima

Praia: Calhau
Ponto de medição: Pousada Tambaú
Situação: Péssima

Praia: Calhau
Ponto de medição: Bar Malibu
Situação: Péssima

Praia: São Marcos
Ponto de medição: Bares do Chef e Marlene’s
Situação: Péssima

Praia: São Marcos
Ponto de medição: Barraca da Marcela
Situação: Péssima

Praia: São Marcos
Ponto de medição: Agrupamento Batalhão do Mar
Situação: Péssima

Praia: São Marcos
Ponto de medição: Ipem e Bar Kalamazoo
Situação: Péssima

Praia: São Marcos
Ponto de medição: Foz do rio CalhaU
Situação: Péssima

Praia: Olho d’Água
Ponto de medição: À dir. da elevatória Iemanjá 2
Situação: Péssima

Praia: Olho d’Água
Ponto de medição: À dir. da elevatória Pimenta
Situação: Péssima

Praia: Ponta d’Areia
Ponto de medição: Forte Santo Antônio
Situação: Péssima

Praia: Ponta d’Areia
Ponto de medição: Edifício Herbene Regadas
Situação: Péssima

Praia: Ponta d’Areia
Ponto de medição: Hotel Praia Mar
Situação: Péssima

Praia: Ponta d’Areia
Ponto de medição: Bar do Dodô
Situação: Péssima

Praia: Ponta d’Areia
Ponto de medição: Praça de Apoio ao Banhista
Situação: Péssima

Praia: Ponta d’Areia
Ponto de medição: Hotel Brisa Mar
Situação: Péssima

5 comentários »

Prefeitura de Ribamar explica pagamento

0comentário

Secretária recebe presidente do Sindicato de Servidores e esclarece andamento do pagamento

A secretária de Planejamento, Administração e Finanças do Município, Joana Marques (SEMPAF), recebeu hoje a visita do presidente do Sindicato dos Servidores Municipais de São José de Ribamar, Ramilson Araújo. O objetivo da reunião foi coletar informações sobre o processo de pagamento da folha relativo ao mês de janeiro de 2017.

O dirigente sindicalista saiu do encontro com um documento em mãos, o qual relata todos os passos que estão sendo adotados pela gestão para conclusão da folha até o quinto dia útil do mês, conforme determina a legislação.

“O nosso objetivo é repassar aos trabalhadores tudo que está sendo feito pela gestão. E de acordo com nossas expectativas, estamos saindo daqui com as informações requeridas e com a garantia de que todas as pendências estão sendo resolvidas, inclusive com a certeza de que a maior parte delas será resolvida ainda hoje”, afirmou Araújo.

No documento, a secretária reafirmou que “o processo de pagamento da folha continua em andamento, devendo ser cumpridos todos os compromissos legais”. “Todos os direitos estão sendo rigorosamente efetivados pela administração municipal. Alguns não receberam logo no primeiro dia, em decorrência das avaliações técnicas e seus respectivos laudos não terem sido concluídos no primeiro momento, mas na medida em que essas conclusões forem efetivadas, serão resolvidas”, garantiu a secretário ao dirigente sindical.

Joana Marques acrescentou ainda que o zelo que a administração pública está tendo tem como objetivo evitar que injustiças sejam cometidas. “Existias casos de funcionários receberem insalubridade sem terem o devido direito. Alguns deles estavam lotados até em gabinetes e ainda assim recebiam o adicional direcionado a quem trabalha realmente correndo os riscos associados às atividades”, disse.

O pagamento da folha de janeiro teve início no último dia 31, após a atual gestão conseguir desbloquear as duas cotas do Fundo de Participação do Município (FPM) do mês, que tinham sido bloqueadas por conta de débitos fiscais e previdenciários, que chegam à ordem de R$ 30 milhões, deixados pela gestão passada.

sem comentário »

Folha denuncia filho de Waldir Maranhão

3comentários

Destaque na coluna Painel, na Folha de São Paulo nesta segunda-feira (9).

Presidente da Câmara, Waldir Maranhão (PP) tem filho que está nomeado no Tribunal de Contas do Estado (TCE-MA), mas atua como médico em São Paulo.

Diz a coluna:

Painel

O TCE deve explicação…

3 comentários »

Folha inchada

3comentários

FlavioDIno

O governador Flávio Dino tem se recusado a honrar compromissos com os servidores públicos garantidos por lei – inclusive já transitados em julgado e com obrigação de fazerem-se cumprir. Mesmo assim, não consegue manter o controle sobre a folha de pagamento do funcionalismo, que inchou drasticamente desde janeiro de 2015.

No governo passado, o Maranhão chegou a gastar cerca de R$ 3,9 bilhões anuais com a folha de pagamentos do funcionalismo. Agora, só até o mês de outubro, o custo chegou a R$ 4,4 bilhões, um aumento de exatos R$ 474 milhões em menos de 12 meses.

Os dados fazem parte dos Relatórios de Gestão Fiscal, os demonstrativos requeridos pela Lei de Responsabilidade Fiscal – e que podem – ou deveriam – ser acessados no Portal da Transparência. E, ao que tudo indica, o aumento da folha se dá pelo inchaço no quadro de servidores, entre assessores e auxiliares diretos dos principais secretários de Flávio Dino, já que ele não deu qualquer aumento aos servidores efetivos. Pelo contrário, tenta tirar vantagens de todas as categorias.

O inchaço constante e persistente da despesa com servidores pode levar ao descumprimento da exigência da LRF em um período muito próximo. Para efeito de comparação, o primeiro RGF da gestão de Flávio Dino apontava, em abril, um comprometimento de 39,2% da Receita Corrente Líquida com a folha de pagamentos.

À época, apenas quatro meses depois de o governo assumir, o percentual já era 0,05% do que gastava o governo anterior. Em agosto, este índice subiu para 42,17% da RCL, ou quase 9% a mais que o deixado pelo governo passado.

Os dados mostram que a tendência é de aumento, o que pode inviabilizar o governo nos próximos exercícios, em relação à Lei de Responsabilidade Fiscal. E como o governo só tem aumentado o número de cargos para auxiliares, a tendência é que este limite estoure mesmo.

Coluna Estado Maior/ O Estado 

3 comentários »

Operação Laja Jato

2comentários

Por Jorge Aragão

A Folha de São Paulo apresentou nesta quinta-feira (4), um levantamento onde sete das nove empresas investigadas na Operação Lava Jato da Polícia Federal, repassaram algo em torno de R$ 40 milhões às campanhas de 19 governadores eleitos e reeleitos nas eleições deste ano.

A campanha do governador eleito do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), segundo a reportagem, baseada em dados do TSE, teria recebido R$ 1,45 milhão, o que representaria algo em torno de 20% do total arrecadado em sua campanha.

Clique aqui e veja a reportagem completa da Folha. O Blog disponibiliza abaixo o quadro com o levantamento dos governadores eleitos e reeleitos que receberam as doações de empresas que estão sendo investigadas na operação Lava Jato.

folha

2 comentários »

Castelo em situação difícil, aponta Folha

8comentários

Apesar do favoritismo, parte dos oito prefeitos de capitais que disputam a reeleição neste ano vêm encontrando dificuldades para conseguir mais um mandato a partir de domingo.

O retrospecto é amplamente favorável – em 2008, 19 dos 20 prefeitos-candidatos renovaram os mandatos nas capitais -, mas em metade dessas cidades concorrem ex-vices que assumiram em 2010 com a renúncia dos titulares.

São nomes que disputam pela primeira vez uma eleição dessa importância.

Em Curitiba, o prefeito Luciano Ducci (PSB), no cargo há dois anos, não lidera as pesquisas. Com 25% das intenções de voto, segundo a última pesquisa Datafolha, ele tem o governador Beto Richa (PSDB) como seu principal cabo eleitoral, mas está sete pontos percentuais atrás do líder da disputa, Ratinho Júnior (PSC), que tem 32%.

Situação de dificuldade vive também o prefeito de São Luís, o tucano João Castelo. Ele conta com dois problemas principais: o primeiro é que seu tempo de propaganda na TV representa apenas um terço do destinado ao petista Washington Luiz.

O adversário tem em seu bloco de apoio o grupo político do senador José Sarney (PMDB) e até o DEM, rival do PT na esfera nacional. Ainda assim, o PT não é o principal rival do tucano. Pesquisa do Ibope indica o candidato do PTC, Edivaldo Holanda, empatado tecnicamente com ele na liderança.

No cargo há dois anos e meio, o prefeito de Teresina, Elmano Férrer (PTB), tem como concorrente na campanha o PSDB, partido pelo qual se elegeu vice em 2008. Na última pesquisa do Ibope, Férrer estava em empate técnico com o tucano Firmino Filho 27% contra 32%.

Leia mais

8 comentários »