‘Arrastão’ de Roseana tem 10 mil em Bacabal

3comentários

A praça da Cohab I foi o ponto de partida para o “Arrastão do 15” tomar as ruas de Bacabal, onde cerca de 10 mil pessoas caminharam com a candidata Roseana Sarney (MDB) na manhã deste sábado (22). O forte ato político organizado pelo atual prefeito Edvan Brandão (PSC) e pelo deputado estadual Roberto Costa foi mais uma grande demonstração de crescimento da campanha da ex-governadora no interior do Maranhão.

“No que depender do povo de Bacabal, a ex-governadora já pode planejar mais oito anos de gestão”, afirmou Edvan Brandão, que lidera as pesquisas de intenção de votos para a disputa municipal que ocorrerá simultaneamente ao segundo turno do pleito eleitoral 2018. “Esse carinho da população só nos fortalece nessa caminhada. Somos muito gratos ao povo de Bacabal”, agradeceu Roseana, ao lado dos candidatos ao Senado, Sarney Filho e Edison Lobão.

Sob sol forte, ao final da caminhada, Roseana falou de suas propostas de governo para a multidão que participou do “Arrastão do 15” em Bacabal.  Assumiu o compromisso de reduzir os impostos para os pequenos comerciantes, de devolver os veículos apreendidos que ainda não foram leiloados, parcelar o IPVA em oito vezes, retomar os programas sociais e criar outros, como o Viva-Gás, e inserir no ensino médio cursos que capacitem os jovens na área digital.

“Quero também restabelecer a qualidade no atendimento dos hospitais que havia na minha gestão, para que as pessoas possam ser atendidas em seus municípios. Não quero mais ver ninguém morrendo nas estradas, dentro de ambulâncias ou nas portas dos hospitais. Isso não é admissível”, enfatizou Roseana.

Também estiveram presentes o senador João Alberto (MDB), o ex-vice-governador Jura Filho, o deputado federal João Marcelo, e diversas outras lideranças políticas da região.

Fotos: Albani Ramos

3 comentários para "‘Arrastão’ de Roseana tem 10 mil em Bacabal"


  1. Magno Cunha da Silva

    POLÍTICA: Matéria da Revista Forum.
    21 DE SETEMBRO DE 2018, 20H10
    Com Roseana, família Sarney tenta retomar controle do feudo político no Maranhão
    História do clã no estado está ligada à grilagem; ex-governadora disputa o Palácio dos Leões com Flávio Dino (PCdoB), candidato à reeleição que governa com apoio de ruralistas

    Por Alceu Castilho, no De Olho Nos Ruralistas

    As políticas de José Sarney inspiraram um clássico da literatura brasileira sobre questão agrária: “Grilagem – corrupção e violência em terras do Carajás“, de Victor Asselin. No fim dos anos 60, aquele jovem político disparou a distribuir terras públicas, onde viviam camponeses. Entre os beneficiários, grileiros de todo o Brasil, numa escola que vinha do Paraná e passava por Goiás. Iniciava-se um domínio político no Estado que só foi interrompido – salvo uma gestão relâmpago de Jackson Lago – pelo atual governo de Flávio Dino (PCdoB), candidato à reeleição.

    Cinquenta anos depois, a família do ex-presidente vê na ex-governadora Roseana Sarney (MDB) a chance de retomada do feudo. Em 1966, o cineasta Glauber Rocha gravou um documentário sobre a posse de José Sarney, a pedido do amigo governador. As promessas de combate à miséria foram sendo substituídas por um domínio coronelista no estado, onde ficam hoje 70 dos 100 municípios mais pobres do Brasil.

    A palavra “comunista” na sigla PCdoB não significa que a gestão Dino esteja descolada dos interesses ruralistas. Alguns membros da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), como os deputados federais André Fufuca (PP) e Cleber Verde (PRB), têm influência direta no governo estadual, inclusive no Instituto de Terras do Maranhão (Iterma) – um velho conhecido da família Sarney.

    Lei Sarney de terras gerou êxodo rural

    No dia 15 de junho de 1969, saiu do forno o que viria ser conhecida como Lei Sarney de Terras. “Com a nova lei, facultava-se a venda das terras devolutas, sem licitação, a grupos organizados em sociedade anônimas, sem número limitado de sócios, podendo requerer cada um até três mil hectares”, conta Victor Asselin em seu livro. Estava em curso uma das maiores grilagens de terras da história do Brasil, numa área de 1,5 milhão de hectares conhecida como Fazenda Pindaré.

    Esses territórios eram ocupados por posseiros. No ano passado, no XXIX Simpósio de História Nacional, o historiador Roberval Amaral Neto, do Instituto Federal do Maranhão, observou que a lei significou a “institucionalização da grilagem nas terras maranhenses”. Entre elas, 9 milhões de hectares de terras devolutas na Amazônia Legal. Esse território, explica o pesquisador, era visto pela elite do estado “como a solução para modernizar o setor agrário maranhense”.

  2. João Ferreira

    … COMO UM CRISTÃO E COMO CIDADÃO, PARA CUMPRIR O MEU DEVER CÍVICO, NO DIA 7 DE OUTUBRO… NO Maranhão, Roseana Sarney,Governadora… Sarney Filho, Senador… Marcial Lima, Deputado Estadual… JÁ PODEM CONTAR COM O MEU VOTO, E OS DE MINHA Família, 12 Votos, NO TOTAL. AINDA NÃO ESCOLHI, Presidente…E O Segundo voto p/ Senador, E Deputado Federal, ESTÁ TUDO MUITO CONFUSO NESSA ÁREA. MAS A NÍVEL Estadual, JÁ FECHEI, CONSCIENTEMENTE E SEM DEMAGOGIAS, COM OS MEUS CANDIDATOS JÁ DECLARADOS !!!

  3. Carlos

    Tá eleita no 1turno…. Rosengana guerreira Lagosta 30% x 70% Super Dino… kakakakakakaka XÔ SATANÁS!!!

deixe seu comentário