Maranhão registra 141 mortes violentas em agosto

0comentário

O Maranhão registrou 141 mortes violentas no mês de agosto, segundo o balanço da Secretaria de Segurança Pública do Maranhão (SSP-MA). O índice representa 2.0 mortes para cada 100 mil habitantes.

Em agosto, o estado obteve 136 homicídios dolosos e 5 latrocínios e nenhuma lesão corporal seguida de morte foi registrada. Neste mês, foram contabilizados 15 crimes a mais em relação ao mês de julho. Até o momento, o Maranhão já registrou ao todo, 1.126 mortes.

O levantamento realizado durante os oito primeiros meses, revelou que janeiro, março, junho e agosto são até o momento os meses mais violentos do ano, contabilizando ao total, 611 mortes. Abril segue sendo o mês menos violento, com o registro de 121 mortes.

Os dados foram levantados pelo índice nacional de homicídios criado pelo G1, ferramenta que permite o acompanhamento dos dados de crimes violentos mês a mês no país.

O mapa faz parte do Monitor da Violência, uma parceria do G1 com o Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo (USP) e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Confira os dados mês a mês:

JANEIRO: 164 mortes – índice de 2.33 mortes para cada 100 mil habitantes
FEVEREIRO: 131 mortes – índice de 1.86 mortes para cada 100 mil habitantes
MARÇO: 152 mortes – índice de 2.16 mortes para cada 100 mil habitantes
ABRIL: 121 mortes – índice de 1.72 mortes para cada 100 mil habitantes
MAIO: 137 mortes – índice de 1.90 mortes para cada 100 mil habitantes
JUNHO: 154 mortes – índice de 2.20 mortes para cada 100 mil habitantes
JULHO: 126 mortes – índice de 1.80 mortes para cada 100 mil habitantes
AGOSTO: 141 mortes – índice de 2.0 mortes para cada 100 mil habitantes

Leia mais no G1

sem comentário »

Vila Funil protesta contra a violência

0comentário

A comunidade do bairro Vila Funil, situada no Km 3 da BR-135, na Zona Rural de São Luís, está realizando um protesto na manhã desta segunda-feira (20). Os manifestantes cobram das autoridades mais segurança na região.

Segundo os moradores, no domingo (19) cinco famílias tiveram que abandonar as suas casas porque facções criminosas expulsaram os moradores de suas residências.

Por conta do protesto, a rodovia foi interditada por uma hora e meia pelos manifestantes nos dois sentidos com pedaços de pau e fogo causando o congestionamento dos veículos. A Polícia Militar já está no local com o intuito de manter a ordem e a segurança durante a manifestação.

O trânsito foi liberado pelos manifestantes às 7h26 pela Polícia Militar. O Corpo de Bombeiros permanece no local apagando as chamas e tirando a sujeira da pista.

G1 entrou em contato com a assessoria do Governo do Estado e aguarda um posicionamento do órgão sobre o assunto.

Foto: Douglas Pinto

Leia no G1

sem comentário »

Francisca Primo pede solução de crimes em Buriticupu

3comentários

A deputada estadual Francisca Primo (PCdoB) lamentou, na tribuna da Assembleia Legislativa, nesta quinta-feira (24), a morte do empresário Isaque Botelho Marques, mais conhecido como Júnior do Arroz no município de Buriticupu. De acordo com informações de populares ele foi executado com um tiro na cabeça, no início da noite de ontem em Buriticupu – MA.

Nos últimos meses, o registro de mortes por assassinato está crescendo de forma significativa em Buriticupu. Ainda na tarde de ontem, mais duas pessoas foram assassinadas na Casa de Farinha no povoado Vila São Raimundo na entrada da Quarta Vicinal a 18 km da sede do município.

Na oportunidade a parlamentar solicitou o empenho do secretário de Estado da Segurança Pública, Jefferson Portela e demais autoridades que façam uma investigação aprofundada no sentido de saber as verdadeiras motivações desses crimes e prendam os culpados.

“Espero que sejam tomadas as devidas soluções para esses crimes. Júnior do Arroz era um amigo que morava há mais de 15 anos em Buriticupu e empresário no ramo alimentício, dono da marca de Arroz Terra Bela que contava com vários caminhões que faziam o transporte do seu produto e também era proprietário de uma beneficiadora do grão. Solidarizo – me com a dor dos seus familiares e amigos. A sua esposa, Ildaci Lopes Marques e seus filhos, Iago Lopes e Ianca Thays Lopes. Desejo que Deus conforte o coração de todos”, destacou Francisca Primo.

Foto: JR Lisboa / Agência Assembleia

3 comentários »

Realidade nua e crua

0comentário

O governo Flávio Dino (PCdoB) investe pesado para vender uma ideia de segurança no Maranhão, mas uma realidade se impõe a ele: o aumento considerável da violência em seu mandato.

São assassinatos, latrocínios, roubo a bancos e caixas eletrônicos, explosões de carros-fortes, tráfico de armamentos pesados e de drogas e até balas perdidas fazendo vítimas nas comunidades. E isso não é contrapropaganda. É a realidade nua e crua do dia a dia do maranhense.

Os números não mentem, jamais, diria o professor. E eles mostram que o índice de homicídios cresceu 16% durante o mandato do comunista. A propaganda esconde esta realidade e fala de investimentos.

A realidade nua e crua é vista diariamente pelo cidadão; a esposa de um prefeito foi sequestrada, um delegado de polícia federal foi morto após assalto, outro só não morreu porque reagiu contra os bandidos, que agiam em plena luz do dia.

Um empresário está internado após receber um tiro no rosto, durante assalto à casa de sua mãe. E duas vítimas de bala perdida foram registradas nos últimos dias.

São números da violência que Dino não pode esconder.

Estado Maior

sem comentário »

Andrea diz que dados da segurança são manipulados

0comentário

Na sessão plenária desta segunda-feira (7), a deputada Andrea Murad (PRP) chamou a atenção para os crimes violentos que foram destaques na imprensa este fim de semana.

“David, Pedro, Otávio, Neurivania, vítimas da crueldade, da insegurança que ronda nosso estado, só neste fim de semana, enquanto dados são maquiados. David Aragão, delegado federal, morto dentro de sua própria casa por assaltantes. Pedro Martins, de apenas sete anos, um tiro no olho quando voltada da igreja com a mãe na hora que dois integrantes de facções rivais entraram em conflito. Otávio que aparece nas imagens de câmera de segurança quando 2 assaltantes rendem a vítima e um dispara no rosto de Otávio. Neurivania de Formosa da Serra Negra entrou para as estatísticas de feminicídio em um dos estados com os maiores índices de violência contra mulher. Estes foram apenas alguns dos casos, imaginem quantos outros ocorreram pelo interior do estado e que não são divulgados”, destacou Andrea.

A oposicionista ressaltou que a SSP não apresenta os números de crimes violentos do interior do estado e também não revela quais crimes realmente foram solucionados, e que o pouco divulgado apenas serve para maquiar as estatísticas da segurança no Maranhão e enfeitar propaganda comunista.

No site do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, até 2016, os dados de mortes violentas intencionais só aumentaram. No Anuário da Segurança Pública, divulgado ano passado, revelou que entre 2015 e 2016 o número de mortes violentas intencionais cresceu 2%, isso tendo como fonte a própria Secretaria de Estado da Segurança, que vem divulgando queda da violência no Maranhão. Andrea Murad defendeu mais uma vez a intervenção no setor que está sendo utilizado apenas para interesses eleitorais.

“Quando o secretário Jefferson Portela realmente tiver a seriedade de tratar a segurança pública como um órgão resolutivo, divulgando todos os dados, capital, região metropolitana, interior do Maranhão, e principalmente o que conseguiu elucidar e o que não conseguiu, aí sim todos verão a realidade da violência no estado, onde o que impera é o sucateamento das unidades de polícia no interior. Por isso, a intervenção no sistema de segurança é inadiável e imprescindível. A polícia tá sendo desviada de sua finalidade. Está sendo usada politicamente como um instrumento do PCdoB para espionar e constranger os adversários do governo e como comitê religioso eleitoral com pastores e padres escolhidos a dedo como cabos eleitorais. Enquanto isso a violência prolifera sem controle, fomentada pela ausência do governo. A polícia civil está destruída, sucateada como assistimos todos os dias o SINPOL denunciar a penúria que estão vivendo. E a militar não é diferente”, denunciou Andrea.

Foto: Nestor Bezerra

sem comentário »

Roseana Sarney espera ano de trabalho

3comentários

A ex-governadora Roseana Sarney (MDB) divulgou nas redes sociais um vídeo com sua mensagem de ano novo aos maranhenses

No vídeo que tem a duração de 30 segundos, Rosenaa deseja aos maranhenses um ano de muito trabalho, sem ódio, medo e violência.

“Ano novo, sempre esperança. Tenhamos um 2018 de trabalho. Sem ódio, sem medo e sem violência. Uma vida melhor para todos de nossas famílias. Paz, prosperidade e muitas oportunidades de emprego. Amor fraterno! São os votos de coração de sua amiga Roseana”, diz a mensagem.

Foto: Reprodução

Clique aqui e veja o vídeo

3 comentários »

Prefeitura alerta para violência contra a mulher

0comentário

“Violência contra a mulher, nós vamos meter a colher”. Foi com este alerta que a blitz alusiva à campanha de “16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres”, chamou atenção de motoristas e transeuntes da Avenida João Pessoa, no bairro João Paulo, na manhã desta quinta-feira (7). A ação foi realizada pela Prefeitura de São Luís, por meio da Secretaria Municipal da Criança e Assistência Social (Semcas). O objetivo foi fortalecer o enfrentamento contra a violência de gênero e sensibilizar a sociedade sobre a importância do engajamento de todos no combate ao problema.

A coordenadora do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) do Coroadinho, Tatiane Carvalho Penha, explica a motivação da ação. “Este é um dos tipos de violação de direitos que atendemos dentro dos Creas. Precisamos dizer para a sociedade que todos nós somos responsáveis por isso, e não podemos mais tolerar ou permitir que violências continuem acontecendo”, destacou a coordenadora.

No último mês, o Creas Coroadinho registrou cerca de 13 denúncias de violência contra a mulher. Nas proximidades da região, no bairro do Bom Jesus, foi notificado um feminicídio. Nos oito primeiros meses de 2017, os Creas atenderam ou acompanharam 130 casos, nos mais variados tipos de violação de direitos.

A partir da escuta do caso, o Creas encaminha a mulher para a rede socioassistencial, defesa de direitos e das demais políticas públicas para ser auxiliada e permanece no monitoramento e atendimento do caso. Nem sempre a violência detectada é a doméstica, pode variar entre as outras tipificadas pela Lei Maria da Penha como a patrimonial, sexual, moral e psicológica.

Natália Silva, agente de endemias, avalia positivamente a ação. “Ainda temos muitas mulheres que convivem com a violência. Nós não temos que apanhar de forma alguma, temos que ser amadas, valorizadas e esse alerta é muito importante. A sociedade precisa acordar para este ato cruel de mulheres que são vítimas de seus parceiros”, alertou Natália Silva.

Foto: Evandro Filho

sem comentário »

A (in)segurança comunista

0comentário

O governo Flávio Dino (PCdoB) provocou um desmonte nas instituições públicas e nos setores governamentais em todos os níveis. Mas nenhum outro setor vive mais problemas que a Segurança Pública, desde que o aparelhamento comunista se instalou no sistema.

Prefeitos revelam que são eles os responsáveis pela manutenção de todos os aspectos policiais no interior – desde alimentação até combustível para viaturas. O resultado é uma distorção que resultou em casos escabrosos, como a do mecânico Irialdo Batalha, em Arari, ou a do empresário morto após ter sido enjaulado, em Barra do Corda.

Mas para criar uma sensação artificial de segurança, o governo – dizia-se em todas as rodas – teria mantido um pacto de não agressão com facções criminosas: deu a ela o controle absoluto do sistema penitenciário em troca do fim das ações nas ruas das grandes cidades.

Ao que tudo indica, este pacto acabou ou foi precipitado pelas ações recentes de lado a lado.

Desde a morte do criminoso conhecido por Chacal, no fim de semana – executado na Maioba ao lado do padrasto, que era policial militar – uma onda de ações criminosas se espalhou por comunidades da periferia de São Luís, deixando um clima de terror na população assustada com a falta de segurança.

Em alguns bairros – como Bairro de Fátima, Vinhais Velho, Barreto e Liberdade já há até toque de recolher, gerando um clima de favela carioca nas comunidades de São Luís. E o chefe da Segurança comunista Jefferson Portela, parece preferir perseguir delegados que denunciam a falta de estrutura.

Estado Maior

sem comentário »

MP apresenta dados sobre violência em SL

1comentário

Foi realizada na tarde da última terça-feira (14), na Câmara Municipal de São Luís, a audiência pública “Diagnóstico da criminalidade na grande ilha de São Luís”. A iniciativa foi do presidente da Câmara, Astro de Ogum (PR), em parceria com o Ministério Público do Maranhão, Instituto Maranhense de Estudos Socioeconômicos e Cartográficos (Imesc) e Secretaria de Estado da Segurança Pública.

Durante a audiência, presidida pelo vereador Honorato Fernandes (PT), o promotor de justiça José Cláudio Cabral Marques, coordenador do Centro de Apoio Operacional Criminal (CAOp-Crim) apresentou o trabalho de georreferenciamento de crimes, que está sendo desenvolvido e subsidiando o diagnóstico criminal da capital maranhense. Esse trabalho faz a associação entre os crimes ocorridos e os locais onde eles aconteceram.

Cláudio Cabral enfatizou a importância do cruzamento dos dados obtidos com outras informações, como o contexto socioeconômico das comunidades. Dessa forma, consegue-se tratar um panorama mais real da criminalidade e trabalhar no desenvolvimento de estratégias de combate ao problema. Para isso, o promotor de justiça ressaltou o trabalho conjunto que vem sendo desenvolvido entre Ministério Público, Imesc, Secretaria de Estado de Segurança Pública e Câmara Municipal. O Legislativo Municipal viabilizou a aquisição do software necessário à implantação do projeto.

Para o coordenador do CAOp-Crim, a mudança na realidade de violência vai além do aumento de contingente policial ou de viaturas e armamentos. É preciso que se adote novas estratégias, utilizando-se de quatro Is: informação, inteligência, investigação e integração.

Em seguida, Yata Anderson Masullo, pesquisador do Imesc, apresentou o estudo que vem sendo desenvolvido pelo órgão. O histórico levantado desde 2005 aponta crescimento de crimes violentos com mortes durante 10 anos. De 2015 até agora, no entanto, os índices têm caído. O levantamento do Imesc também aponta outros dados como os bairros mais violentos e os dias e horários em que mais crimes acontecem.

Como recomendações, o Imesc apontou a possibilidade de melhorias no registro de ocorrências, a elaboração de uma Lei de Bairros em São Luís e de um Plano Municipal de Prevenção à Violência.

O diretor da Secretaria para Assuntos Institucionais do MPMA, Marco Antonio Santos Amorim, que representou o procurador-geral de justiça, Luiz Gonzaga Martins Coelho, também ressaltou a importância da integração entre as diversas instituições e o uso de estratégias de inteligência no combate à criminalidade. A esses fatores, Marco Amorim acrescentou o controle social e a transparência como indispensáveis não só na segurança pública quanto no combate à corrupção.

O secretário Jeferson Portela afirmou que a segurança pública não é um problema de polícia, e sim de Estado. Ele também defendeu a necessidade do controle social por parte da população, que é base da democracia.

Já a deputada federal Eliziane Gama (PPS) falou sobre as discussões sobre segurança pública que vem sendo desenvolvidas no Congresso Nacional. Para a parlamentar, além da atuação repressiva das forças de segurança, é necessário que se atue também no viés da prevenção. Nesse sentido, ela ressaltou a atuação no combate às drogas, pois muitos crimes estão ligados a elas, sejam por meio do tráfico ou do consumo de entorpecentes.

Também participaram da audiência pública a promotora de justiça Márcia Moura Maia; os vereadores Sá Marques (PHS), Estevão Aragão (PSB), Genival Alves (PRTB), Cézar Bombeiro (PSD), Chaguinhas (PP) e Pavão Filho (PDT); o subcomandante da Guarda Municipal, Heitor Máximo Soares; o subcomandante-geral da Polícia Militar, coronel Luongo; o delegado geral da Polícia Civil, Leonardo do Nascimento; o presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes no Maranhão (Abrasel), Jorim Itamar; e o ex-vereador José Joaquim Ramos.

1 comentário »

Honorato alerta para violência em São Luís

1comentário

Durante pronunciamento esta semana, na Câmara Municipal, o vereador Honorato Fernandes (PT) pontuou alguns crimes ocorridos na semana passada que refletem o elevado grau de violência da cidade de São Luís. Solicitou ainda ao Governo do Estado uma atenção maior com relação à segurança pública na região do Cajueiro, comunidade tradicional da zona rural de São Luís, que, atualmente, vive sob ameaça por conta do projeto de construção de um porto privado na região.

Ao falar sobre o alto grau de violência da cidade, o parlamentar destacou o assassinato da menina Allana, a troca de tiros que terminou com uma pessoa ferida, no bairro do Vinhais, e a tentativa de invasão à sede do Diretório Estadual do PT, no Cohafuma. Todos os crimes registrados a semana passada.

Quanto ao assassinato da menina Allana, representando a Comissão de Direitos Humanos da Câmara, na qual figura como presidente, Honorato repudiou o ato de covardia e brutalidade, chamando atenção ainda para o crescimento no registro de crimes cujos alvos são meninas ou mulheres, tipificado no código penal como feminicídio, uma vez praticado por razões atreladas à condição do sexo feminino.

“Um crime covarde e bárbaro cometido por alguém que deveria cuidar e proteger, mas se aproveita da inocência e da fragilidade daqueles que não conseguem se defender, violando assim o seu corpo. E, infelizmente, o caso da menina Allana é apenas mais um que deve servir de reflexão para nós, quanto à violência que acomete diariamente inúmeras meninas e mulheres da nossa cidade”, destacou o presidente da Comissão de Direitos Humanos.

Referindo-se a pichação e à tentativa de invasão à sede do Diretório Estadual do Partido dos Trabalhadores, o vereador, que também é presidente do diretório municipal do partido, lamentou o ocorrido, sobretudo, pelo sentimento de intolerância, motivação principal do ato criminoso, segundo ele.

“A pichação e a tentativa de invasão à sede do Diretório Estadual do Partido dos Trabalhadores muito me entristeceu também, não apenas pelo ato criminoso em si, mas pelo fato do ato ser uma clara demonstração do alto grau de intolerância da nossa sociedade, que não tem conseguido conviver com o diferente. Alimentadas pelo ódio, nossa sociedade tem sido intolerante com ideologias e pensamentos contrários, num claro ataque aos princípios democráticos”, destacou.

(mais…)

1 comentário »