Eliziane critica declarações polêmicas de Bolsonaro

1comentário

A senadora maranhense Eliziane Gama (Cidadania) criticou, nas redes sociais mais uma daquelas declarações polêmicas do presidente da República Jair Bolsonaro (PSL) ao tentar explicar a indicação do seu filho como embaixador nos Estados Unidos.

“Estarrecedora a declaração de Bolsonaro de colocar o filho como Embaixador nos EUA para viabilizar a exploração mineral em terras indígenas. A saída para crise não é dizimar os índios e entregar nossas jazidas aos americanos. O Brasil não pode voltar a ser colônia de exploração”, escreveu eliziane.

A senadora Eliziane classificou como ináceitável o fato ocorrido no território do povo Wajãpi, no Amapá, onde um indígena acabou morrendo após invasão promovida por garimpeiros.

“É inaceitável o que ocorre no território do povo Wajãpi no Amapá, relatos absurdos de invasão das terras por garimpeiros e assassinato de líderes Wajãpi. É necessária uma ação rápida do poder público. Não podemos aceitar agressões, não podemos aceitar a barbarie”, destacou.

Nesta segunda-feira (29), Eliziane voltou a disparar contra Jair Bolsonaro….

“O presidente passa de todos os limites institucionais, quebra o decoro, ofende quem depositou nele a esperança de mudança, brinca de ser presidente. Inconcebível essa declaração quanto ao pai do presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, declaração abjeta e desumana”, disse.

“Essa nova barbaridade dita pelo presidente não é polêmica, não é opinião, não pode ser considerada “aceitável”, é cruel, é de uma violência atroz com um filho que perdeu seu pai para uma ditadura. O presidente desrespeita o cargo que ocupa, brinca de ser presidente”, finalizou.

Pelo visto não tem jeito mesmo para o presidente da República Jair Bolsonaro, a cada hora é uma nova frase e uma nova polêmica, por não pensar antes de falar.

Está claro que o presidente adora uma crise na mídia…

Foto: Reprodução / Redes sociais

1 comentário »

Márcio Jerry mais 10 parlamentares acionam Bolsonaro

4comentários

O deputado fedral Marcio Jerry (PCdoB) mais onze parlamentares representaram no Ministério Público Federal (MPF) contra o presidente da República Jair Bolsonaro.

Segundo Jerry, o presidente cometeu “ato racista” contra nordestinos e ameaçou estados (Maranhão e Paraíba).

“Eu e mais 11 colegas parlamentares representamos ao Ministério Público Federal contra o presidente Jair Bolsonaro por “ato de improbidade administrativa e dano moral coletivo” no caso em que cometeu ato racista contra nordestinos e ameaçou estados”, destacou nas redes sociais.

“Naturalizar ilegalidades graves de um presidente da República é o mesmo que autorizá-lo a persistir nas ilegalidades. O que pedimos ao MPF são as ações previstas no ordenamento jurídico e na própria missão institucional de defesa da ordem jurídica e do regime democrático”, acrescentou Márcio Jerry.

Além do deputado Márcio Jerry, assinam o pedido os deputados Daniel Almeida (PCdoB-BA), Marcelo Freixo (PSOL-RJ), Tadeu Alencar (PSB-PE), Edmilson Rodrigues (PSOL-PA) e Orlando Silva (PCdoB-SP) e os senadores Fabiano Contarato (Rede-ES), Humberto Costa (PT-PE), Randolfe Rodrigues (Rede-AP), Weverton Rocha (PDT-MA) e Veneziano Vital do Rêgo (PSB-PB).

Foto: Reprodução / Redes Sociais

4 comentários »

Guerra sem sentido

0comentário

Desde outubro de 2018, o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), deixou clara a posição política. Em outubro do ano passado, até é possível se entender as posturas do governador, porque a época era de eleições. Depois disso, a atitude do comunista causava estranheza e preocupação.

Estranheza porque, como chefe do Executivo estadual, ele deveria se preocupar, em primeiro plano, com as questões que envolvem o estado pelo qual foi eleito para um segundo mandato. Preocupação porque os constantes ataques ao então novo presidente do Brasil, Jair Bolsonaro (PSL), poderiam ter consequências políticas que atingiriam a população.

Menos de um ano após o início do debate político-partidário, uma “guerra” entre gestores já está declarada e, nesse meio, a população maranhense é quem vai sair perdendo. Não tem como vencer.

Flávio Dino atua de maneira questionável desde o início como gestor. O governador deveria se voltar para sua missão dada pelo resultado das urnas – administrar o Maranhão. Seus almejos pessoais e planos político-partidários deveriam ter ficado para 2022. Atacar o presidente da República de todas as formas é, no mínimo, uma atitude pouco republicana e inconsequente.

Depois, o presidente Jair Bolsonaro deveria deixar as querelas político-partidárias de lado e se voltar a administrar o Brasil. Não o país de seus eleitores. O país de todos os brasileiros, e isso inclui o Maranhão. Que essa guerra ideológica dos dois gestores eleitos para administrar o estado brasileiro e o Maranhão chegue ao fim e que a população receba de volta a sua escolha nas urnas.

Estado Maior

sem comentário »

Dino vira alvo

1comentário

As declarações do presidente Jair Bolsonaro (PSL) em relação ao governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), ainda rendem. O comunista passou a ser alvo de aliados do presidente da República, e fatos relacionados à gestão estadual estão sendo expostos em redes sociais.

Dois exemplos marcaram o início desta semana: a postagem da deputada federal Joice Halssemann (PSL-SP) com reportagem do Bom Dia Brasil sobre o aluguel de prédios com proprietários com cargos na gestão e a de um jovem que, no aeroporto, questionou o governador sobre aumento de impostos no Maranhão.

E a promessa dos defensores de Bolsonaro é de que “novos” fatos serão expostos. Na lista, há a circular da Polícia Militar determinando fichamento de adversários políticos do governador, as operações da Polícia Federal que terminou em prisão de membros do governo num esquema que, segundo a PF, desviou R$ 18 milhões da Saúde e ainda as denúncias de “grampos” a desembargadores e políticos determinados pelo secretário de Segurança, Jefferson Portela.

A tudo isso, serão postados ainda os dados sociais e econômicos no Maranhão, como o índice de extrema pobreza, que alcança mais de 50% da população do estado.

As munições já são conhecidas do governador e seus aliados. As estratégias para combater as informações não poderão ser a de silêncio, como ocorreu no Maranhão quando os problemas foram expostos.

O fato é que Dino não poderia esperar somente o bônus do confronto com o presidente da República. Haverá o ônus, e não deve ser pouco.

Estado Maior

1 comentário »

Vitimismo ou xenofobia?

1comentário

Repercutiu fortemente no fim de semana uma declaração do presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), com críticas ao governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB).

– Não tem que ter nada com esse cara – disse ele, numa conversa de pé de ouvido com o chefe da Casa Civi, Onyx Lorenzoni, mas que acabou vazando num microfone que já estava ligado para uma coletiva no Palácio do Planalto. Tudo foi transmitido ao vivo.

O pomo da discórdia, contudo, não foi exatamente a ordem para uma suposta retaliação ao comunista, mas o que ele disse antes disso.

O próprio presidente já declarou que fez crítica específica a Dino e ao governador da Paraíba, João Azevêdo (PSB). Mas o PCdoB compartilhou um vídeo com uma legenda sugerindo que Bolsonaro chamou os nordestinos, de uma forma geral, de “paraíbas” – termo pejorativo utilizado comumente no sul e sudeste.

O que se viu a partir disso foi uma reação em cadeia dos adversários do presidente, num protesto contra o que consideraram xenofobia. Os governistas, por outro lado, garantem que tudo não passa de vitimismo barato.

O fato é que não há como ter certeza, pelo áudio vazado, do que efetivamente disse Bolsonaro.

E, de toda a repercussão de um áudio inconclusivo, afinal, o que se pode concluir com segurança é que o governador Flávio Dino finalmente conseguiu o que tenta há quase um ano: posicionar-se como principal antagonista do presidente Jair Bolsonaro.

E que a esquerda, mesmo após fragorosa derrota nas eleições de 2018, segue atuando em bloco quando o objetivo é desestabilizar o governo.

Falando nisso… 

Por falar na polêmica do fim de semana, prova de que Flávio Dino foi o maior beneficiário foi dada pela deputada federal Jandirta Feghali (PCdoB-RJ).

Em entrevista a um canal do YouTube, ela voltou a falar sobre candidatura do governador do Maranhão à Presidência da República.

– A gente tenta convencê-lo a se colocar à disposição neste processo. Ele é um nome que amplia este campo. Dino foi apoiado por 14 partidos, então ele deve ser considerado por este conjunto -, declarou.

Estado Maior

1 comentário »

Eliziane pedirá que Bolsonaro explique declarações

2comentários

A senadora maranhense Eliziane Gama (Cidadania), aliada do governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), afirmou que irá pedir explicações formais do presidente da República, Jair Bolsonaro, sobre as suas críticas contra os governadores do Maranhão e Paraíba.

Eliziane teme que pelo fato dos governadores não serem aliados políticos de Flávio Dino, os dois Estados – Maranhão e Paraíba – sofram retaliações por parte de Bolsonaro.

“Através do Senado pediremos explicações formais sobre o que exatamente o presidente quis dizer com a frase: “nada para o Maranhão e Paraíba”. A obtusidade do presidente não pode de forma alguma penalizar o povo, seja dos eleitores do presidente ou dos que não votaram nele”, destacou.

A senadora disse ainda que não aceitará que o Maranhão seja prejudicado e disse que Bolsonaro precisa descer do palanque.

“A presidência da República é função impessoal e o presidente eleito é de todos os brasileiros, dos que votaram nele e dos que não votaram. A eleição acabou, é inaceitável, um acinte, que o presidente fale em perseguir estados por não ter simpatia pelos seus governantes. Como maranhense, como mãe nascida e criada no MA e como parlamentar eleita pelo meu Estado, não aceitarei de forma alguma que nosso Estado seja prejudicado por “estultice ideológica”. É hora de o presidente descer do palanque, parar de gerar crises em série e governar o país”, finalizou.

Blog do Jorge Aragão

2 comentários »

Eliziane diz que declaração de Bolsonaro foi revoltante

0comentário

Depois de defender o trabalho infantil, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) foi novamente alvo de críticas da senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) que classificou como revoltante uma nova declaração do presidente que parece não medir as coisas que diz.

Segundo Bolsonaro, o “Brasil é virgem que todo tarado de fora quer”, disse ao comentar pressão de líderes europeus contra o desmatamento que cresce no país.

A reação de Eliziane foi imediata. A parlamentar afirmou que o atual governo foi o que mais fragmentou a política ambiental brasileira.

“Revoltante. Esse é o presidente do Brasil que tem 13 milhões de desempregados. E nós mulheres lutando todos os dias pelo fim da naturalização do estupro. E mais grave ainda, essa frase está dita pelo governo que mais fragmentou a política ambiental brasileira”, destacou Eliziane nas redes sociais.

Foto: Agência Senado

sem comentário »

Eliziane critica Bolsonaro por defender trabalho infantil

1comentário

A senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) criticou, nas redes dociais, o presidente da República Jair Bolsonaro (PSL) que se manifestou a favor do trabalho infantil.

A declaração teve grande repercussão ao ponto de Bolsonaro, nesta sexta-feira (5) voltar a falar sobre o assunto e afirmar que foi mal interpretado. “Não estou defendendo trabalho infantil, muito menos trabalho escravo. Mas me fez muito bem trabalhar. Me transformou fisicamente muito bem. Depois fui ser pentatleta das Forças Armadas”.

Segundo Eliziane Gama, Jair Bolsonaro precida entender que ele é i presidente da República e que as suas declarações tem impacto gigante.

“Quando um presidente defende o trabalho infantil ele deixa de ser condutor da naçāo e vira propagandista de tese esdrúxula. A proteçāo de nossas crianças está acima de tudo. Jair Bolsonaro precisa entender que ele é o Presidente do Brasil e que suas opiniões tem impacto gigante.”, disse.

Eliziane disse que Bolsonaro não pode propor ilegalidades e muito menos trabalho infantil.

“O presidente não pode de forma alguma propor ilegalidades e trabalho infantil é, e não só no Brasil, como em todos os países desenvolvidos. E ainda o Brasil é signatário de acordos internacionais que também proíbem expressamente o trabalho infantil. Lugar de criança é na escola”.

A senadora condenou a prática do trabalho infantil ao tempo em que defendeu o fortelecimento da escola.

“Trabalho infantil é social e economicamente contraproducente, cria um círculo vicioso em que as crianças passam a estudar menos, o que levam a ter empregos mais precarizados. Temos que fortalecer a escola, cursos técnicos e profissionalizantes e combater o trabalho infantil”, afirmou.

“Diversos estudos, e também o Censo realizado pelo IBGE, mostram que só as famílias mais pobres sofrem mantendo as crianças em trabalho. Quando estas crianças em sua imensa maioria abandonam a escola ou quando terminam a educação básica, não avançam a outros níveis de educação”, finalizou.

Sem dúvida alguma essa foi uma lição ao presidente Jair Bolsonaro.

Foto: Reprodução / TV Globo

1 comentário »

Agenda confirmada

1comentário

Depois de muita especulação, o presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), confirmou sua vinda ao Maranhão. Não será para evento partidário nem agropecuário como se pensado anteriormente. Bolsonaro vem inaugurar a obra de recuperação da Rua Grande, que ficará pronta em julho, mas a solenidade oficial de inauguração ocorrerá na primeira quinzena de agosto.

A confirmação veio de Brasília, após a equipe do presidente acertar a agenda com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), que é o responsável pela obra em São Luís. Na comitiva de Bolsonaro, virá o ministro da Cidadania, Osmar Terra.

A vinda do presidente é aguardada com expectativa. Explica-se: a ideia é que Bolsonaro conheça as obras feitas pelo Iphan – que incluem o complexo Deodoro e a Rua Grande – e, com isso, o gestor mantenha “os cofres abertos” para mais serviços na capital maranhense.

O complexo Deodoro e a Rua Grande custaram aos cofres públicos R$ 38 milhões. Uma reforma que mudou o cenário das praças Deodoro e do Pantheon e também vem tornando a Rua Grande mais estruturada para comerciantes e consumidores.

Novos investimentos serão anunciados antes da vinda de Bolsonaro a São Luís. O superintendente do Iphan no Maranhão, Maurício Itapary, e a presidente nacional do instituto, Kátia Bogéa, vão anunciar as reformas das praças João Lisboa e Largo do Carmo – que incluirão o Abrigo da João Lisboa. Além dessas reformas, uma nova praça será construída: a Praça das Mercês, que ocupará o terreno onde ficava instalada a antiga fábrica da Oleama.

Participação 

As obras do Iphan no centro de São Luís ocorreram em parceria com a Prefeitura de São Luís. Apesar de não ter a participação financeira, a gestão municipal organizou todo o espaço.

A Prefeitura conseguiu retirar os vendedores ambulantes e reorganizar o trânsito com deslocamento de paradas de ônibus, e foi a responsável por toda a iluminação pública.

Para os vendedores informais retirados, tanto da Deodoro quanto da Rua Grande, a administração municipal iniciará a construção do Centro de Comércio Informal.

Pai da criança

A vinda de Jair Bolsonaro para a entrega da obra da Rua Grande vai retirar do secretário de Cidades, Rubens Júnior, a possibilidade de ganhar dividendos políticos com a obra.

Isso porque, no programa “Nosso Centro”, que será comandado pelo comunista, a maior parte da verba e das obras anunciadas são, na verdade do Iphan.

Com o presidente da República vindo assumir o “pai da criança”, Rubens Júnior já perde o espaço que pretendia ganhar com a obra.

Estado Maior

1 comentário »

Eliziane quer impedir reedição de decretos por Bolsonaro

1comentário

A senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA), destacou, nas redes sociais a apresentação de uma PEC de sua autoria que proíbe a reedição de decretos já sustados pelo Congresso pelo presidente da República.

Segundo Eliziane Gama é inaceitável a instabilidade criada pelo governo Bolsonaro.

“Apresentei PEC proibindo a reedição de decretos já sustados pelo Congresso. Em 6 meses de governo, já foram 7 decretos sobre armas, o que promove insegurança jurídica. Inaceitável essa instabilidade criada pelo governo”, disse.

A senadora acrescentou que os três novos decretos de Bolsonaro serão analisados em detalhes e que se forem constatados abusos serão sustados outra vez pelo Congresso.

“Vamos analisar criteriosamente os três decretos que tratam do porte e comercialização de armas editados hoje, e caso, seja encontrada alguma inconstitucionalidade, ou abuso de prerrogativa, iremos sustar novamente os decretos. A tarefa de legislar é do Congresso”, acrscentou.

Eliziane lembrou que a atuação firme do Congresso foi fundamental para que Bolsonaro revogasse o Decreto das Armas.

“O presidente recuou e revogou o Decreto das Armas. A atuação firme do Congresso mostrou q o executivo não pode governar por decreto. Precisamos evitar as armas nas mãos dos bandidos. Arma é para a Polícia”, finalizou.

Foto: Agência Câmara

1 comentário »