OS ÚLTIMOS DIAS DE TRUMP

0comentário

A imprensa mundial, desde semana passada, só comenta um assunto: o gesto insano do presidente dos Estados Unidos, Donaldo Trump, que, como o seu imitador brasileiro, o estabanado Jair Bolsonaro, mobilizou fanáticos seguidores para macular a democracia americana, uma das mais sólidas e importantes do universo.

Trata-se da invasão do Capitólio, sede do Senado e Câmara dos Deputados, por vândalos e bandidos, com vistas a pressionar os representantes do povo americano, a reverter o resultado das recentes eleições, que deram a vitória de modo insofismável, ao candidato do Partido Democrata, Joe Biden.  Aquela satânica operação, orquestrada e patrocinada pela figura demoníaca de Trump, que governou de maneira danosa e nada exemplar os Estados Unidos, país que se ufana de praticar uma forma de governo, estribada no respeito às leis e à Constituição.

Os jornais brasileiros, sobretudo os que circulam no Rio de Janeiro e São Paulo, têm dedicado edições especiais ao triste caso americano, por meio de seus correspondentes nos Estados Unidos e de repórteres e articulistas que glorificam a imprensa nacional.

Na condição de assinante de O Globo e da Folha de São Paulo, leio diariamente via internet os jornais carioca e paulista, nos quais acompanho com vivo interesse o que os seus colunistas e articulistas escrevem com competência e inteligência, a respeito do que acontece no país americano.

Na edição do último domingo, por exemplo, o jornal carioca O Globo, publicou um texto da lavra do jornalista Elio Gaspari, que eu não posso deixar de reproduzir nesta coluna, sob pena de cometer um desatino político, até porque o artigo pode prenunciar o que pode acontecer no Brasil em 2022, se esse desmiolado presidente que nos governa for candidato à reeleição e, no caso de  perdê-la, certamente não terá nenhuma cerimônia de querer fazer o mesmo em nosso país, ele, que tem a mania e o prazer de imitar o Trump em tudo e no que tem de pior.

O TEXTO DE ELIO GASPARI

“Em julho de 2016, o bilionário Michael Bloomberg, disse durante a convenção do Partido Democrata: “Eu reconheço um vigarista quando o vejo”. Referia-se a Donald Trump. Passaram-se quatro anos, e a questão da vigarice do doutor foi para mesa da procuradora-geral do estado de Nova York.

Em Washington, a questão tornou-se outra: a eventual a aplicação do dispositivo constitucional que permite empossar o vice caso o titular esteja incapacitado. Quando essa emenda foi aprovada, pensava-se num cenário no qual o presidente está sob intensos cuidados médicos.

No espetáculo da série “Os últimos dias de Trump”, a invocação do dispositivo nada tem a ver com uma anestesia geral, por exemplo. Trata-se de incapacidade por maluquice.

Trump é visto com um narcisista psicótico por muita gente que não gosta dele. Em julho passado, sua sobrinha Mary(psicóloga) publicou um livro com o subtítulo “O homem mais perigoso do mundo”. Parecia futrica familiar.

Desde novembro, Trump sustenta que venceu a eleição “de lavada”. Na terça-feira, os candidatos republicanos perderam a eleição na Geórgia. No dia seguinte, seus guardiões fizeram o que fizeram. Os senadores e deputados americanos foram obrigados a deixar o prédio. Numa decisão histórica, voltaram ao plenário horas depois e confirmaram o resultado eleitoral.

A senadora republicana, que perdeu a cadeira tirou sua assinatura do pedido de recontagem dos votos da eleição presidencial na Geórgia. Duas integrantes do primeiro escalão de seu governo foram-se embora, e seu fiel ex-procurador-geral acusa-o de ter traído o cargo.

O mundo está diante de um espetáculo constrangedor: o presidente dos Estados Unidos pirou. Isso só acontecia em filmes ruins. Desde o dia em que tomou posse, garantindo que ela foi assistida por uma multidão jamais vista, estava no tabuleiro a carta de que se tratava de um homem mentiroso.

Quatro anos depois, com o seu negativismo eleitoral e a mobilização de seus seguidores para a invasão do Capitólio, Trump encarna o personagem do teatrólogo Plínio Marcos em “Dois perdidos numa noite suja”: Sou o Paco Maluco, o perigoso”.

A série “Os últimos dias de Trump” não terminou. Se ele queria jogar golfe na Escócia no dia da posse de Joe Biden, deve buscar outro pouso. A primeira-ministra Nicola Sturgeon disse que lá o doutor não entra, pois o país está em lockdown.

Faltam poucos dias para o fim da série e Trump ainda surpreenderá a plateia. A Associação Americana de Psiquiatra continua funcionando, com sede a poucos minutos da Casa Branca. Isso porque malucos existem”.      

NARA LEÃO E GULLAR

Está no ponto de lançamento, o livro biográfico de Nara Leão, da autoria do jornalista Tom Cardoso.

A obra relata o namoro da cantora com o poeta Ferreira Gullar, ao qual ela propôs que se separasse da esposa e dos filhos.

Gullar não topou a proposta, mas continuaram bons amigos.

OS VICE-PREFEITOS

Este ano, um grande número de prefeitos de capitais, praticou um ato raro na vida municipalista do país.

Trata-se da nomeação de vice-prefeitos para cargos importantes na estrutura administrativa dos municípios.

Motivo: as nomeações fazem parte de uma estratégia política dos prefeitos das capitais, que, no caso de serem convocados para disputar eleições majoritárias em 2022, vão deixar em seus lugares, figuras de sua confiança.

Em São Luís, o prefeito Eduardo Braid seguiu à risca essa estratégia. Para a secretaria de Educação nomeou a vice Esmênia.

 A REAÇÃO DE FLÁVIO

O governador Flávio Dino foi o primeiro a protestar contra a aprovação da lei que tramita na Câmara de Deputados, propondo modificações nas escolhas dos comandantes-gerais da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros.

Se a lei for aprovada, os comandantes dessas corporações terão mandato de dois anos e serão escolhidos por meio de lista tríplice.

O pior de tudo: os militares indiciados em inquéritos policiais ou que são réus em processos judiciais ou administrativos, poderão ser promovidos.

Flávio acha que essa lei não pode ser aprovada, pois é matéria subordinada aos Poderes Executivo e Legislativo estaduais.   

O ABRIGO VELHO

Todas as vezes que eu transito pelo Largo do Carmo e não vejo mais aquele monstrengo que o desfigurava do ponto de vista urbanístico, não posso deixar de bater palmas ao ex-prefeito Edvaldo Hollanda e ao superintendente do IPHAN, Maurício Itapary.

Eles tiveram a indômita coragem, mesmo enfrentando vozes reacionárias, de botar abaixo um prédio que teve utilidade social no passado, mas, na atualidade, que comprometia a beleza do centro urbano.      

FESTAS POPULARES

As autoridades cariocas querem que os desfiles das escolas do Rio de Janeiro sejam transferidos de fevereiro para os dias 11 e 12 de julho.

Em São Luís não será fácil transferir o carnaval para tais datas.

Como o povo maranhense se esbalda nas festas juninas, não tem fôlego e dinheiro para brincar em dois eventos quase simultâneos.

MAIS VIVO DO QUE NUNCA

O meu caro amigo Aparício Bandeira, com a divulgação infundada de haver viajado para a cidade dos pés juntos, sofreu bastante para provar que está vivo, sadio e inteiro.

Quem faleceu foi o seu sobrinho Aparício Bandeira Neto, que casou com Cíntia, filha do ex-governador Luiz Rocha.

sem comentário »

CARTA A 2021

0comentário

Como sempre, costumo procurar em jornais e revistas do país, as mensagens de despedidas do ano em extinção e de saudação aos dias que estão aflorando e trazendo esperanças de vida melhor, de mais saúde e de prosperidade para o povo brasileiro.

No dia 31 de dezembro último, quando 2020 vivia os seus estertores e a gente procurava esquecê-lo para sempre, pelos males causados aos povos do mundo inteiro, ricos ou pobres, li na primeira página do jornal O Globo, do Rio de Janeiro, um extraordinário e primoroso texto do premiado escritor angolano, José Eduardo Agualusa, que, de forma notável e irretocável se despede melancolicamente de 2020 e saúda a chegada de 2021, do qual espera menos sofrimento e mais esperança.

A brilhante mensagem do intelectual angolano, que me deu alegria e otimismo, faço questão de levar ao conhecimento dos leitores, para sentirem, como eu, o prazer incomensurável de ler um texto especial e escrito como diria um poeta cubano, “verdadeiro e duro, mas pleno de ternura”, para no ano novo a gente não ter a sensação de ser igual àquele que passou, como registra a composição musical de antigos carnavais.

O TEXTO DO ESCRITOR ANGOLANO

“Querido 2021, seja bem-vindo!

Entre, a casa é sua.

Se não for pedir demais, nos devolva, por favor, todos os abraços que seu prezado antecessor nos roubou.

Queremos também as gargalhadas dos parentes e amigos, o livre sorriso dos desconhecidos, a brisa no rosto.

Gostaríamos ainda de ter de volta as alegrias das viagens, a tumultuosa euforia dos estádios e dos grandes shows; todas as tardes em que não fomos beber cerveja com os amigos no botequim da esquina.

Não se esqueça de nos devolver aqueles jantares intermináveis, em que discutíamos o fim do mundo e como iríamos recomeçá-lo.

Hoje, que sabemos muito mais sobre o fim do mundo, essas conversas antigas me parecem todas um tanto quanto ingênuas. Contudo, mais do que antes é importante conversar sobre recomeços. Trocar sonhos. Debater utopias.

Peço em particular que me devolva os festivais literários, dos quais, em 2019, eu estava até(confesso) um pouquinho enfastiado.   

Durante o seu reinado, quero regressar a Paraty. Não posso perder o FliAraxá, a Flup ou a Flica, em Cachoeira.

Eu, que não sou de futebol nem de carnaval, agora sinto ânsias de me perder entre multidões, gritando, sambando, abraçando meus velhos país sem medo de os contaminar.

A maior invenção da Humanidade não foi a roda nem o fogo. Não foi o futebol, a feijoada, o samba, o xadrez, a literatura, sequer a internet. A maior invenção da Humanidade, querido 2021, foi o abraço.  

Olho para trás e vejo a primeira mãe, acolhendo nos braços o filho pequeno. O nosso pai primordial apertando contra o nosso peito forte (e peludo) a mulher amada; dois amigos se consolam numa armadura de afeto. Depois desses abraços, alguma coisa mudou para sempre.

O mundo continuou perigoso, sim, o mundo sempre será perigoso, mas passamos a ter o conforto de um território inviolável.

Foi o abraço que fundou a civilização. Com elevada estima. José Eduardo Agualusa.” 

NOVENTA ANOS

No ano passado, foi o ex-presidente José Sarney que completou noventa anos, mas, lamentavelmente, por causa da pandemia, os familiares e amigos, não puderam comemorá-lo.

Este ano, quem chega à casa dos noventa anos é o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, data que também, se a pandemia deixar, será festivamente comemorada pelos amigos e admiradores.

UM ILUSTRE DESCONHECIDO

Para o lugar que o prefeito Eduardo Braid ocupava na Câmara dos Deputados, foi convocado o primeiro suplente, Josivaldo dos Santos Melo, que pertence ao Podemos.

Trata-se de um parlamentar literalmente desconhecido, que eu não sei de onde ele veio e arranjou votos para se eleger deputado federal.

Como dizia o Barão de Itararé, de onde menos se espera é de lá que não vem nada.

TRISTE OPÇÃO

Se o governador Flávio Dino resolver ser deputado federal em vez de senador, só para ajudar o PC do B a superar a cláusula de barreira, a fim de o partido ter acesso aos recursos do fundo partidário, fará a maior derrapada política de sua vida.

Se isso acontecer, será a primeira vez que vejo um homem público, abdicar espontaneamente de uma eleição majoritária sem risco para atender uma causa irrelevante. 

PREDICADOS DE EDVALDO

O ex-prefeito Edivaldo Holanda mostrou na sua gestão que se pode ser um bom administrador sem necessidade de estar em Brasília de pires na mão e pedindo socorro ao Palácio do Planalto ou participando dessas infrutíferas Marchas de Prefeitos.

Por falar em Marchas de Prefei,tos, pelo que me disse um ex-gestor maranhense,, elas só servem para melhorar a vida das praticantes da prostituição brasiliense.

REFORMA ADMINISTRATIVA

Quando tomou posse o prefeito Eduardo Braid anunciou que, em regime de prioridade, encaminharia à Câmara Municipal um projeto visando uma reforma administrativa na prefeitura.

Nessa reforma, pensava-se que ele fosse enxugar a máquina administrativa da municipalidade, extinguindo algumas secretarias, que não contribuem em nada para o funcionamento da prefeitura.  

Ledo engano. Em vez de desidratá-la, criou mais secretarias.

VENDA DE LIVROS

Incrível, porém verdadeiro: as editoras e as livrarias festejaram este ano como há muito não acontecia.

As vendas on-line ultrapassaram a comercialização física das lojas.

Em 2020, os dois livros mais vendidos foram: O amor nos tempos de cólera, Gabriel Garcia Marques e A peste, de Alberto Camus.

Em tempo: ganhei de presente, no ano passado, três excelentes livros, que recomendo aos amigos que gostam de uma boa leitura: Samuel Wayner, O homem que estava lá; A Organização Odebrecht e o esquema de corrupção que chocou o mundo; e De cu pra lua, de Nelson Mota.

sem comentário »

CONSELHO AOS NOVOS PREFEITOS

0comentário

Eu havia pensado, neste final de ano, escrever um texto dedicado aos novos gestores municipais do Maranhão, que assumiram o comando de centenas de cidades.

Ao término deste 2020, diga-se de passagem, adverso e dramático, resultado de uma infeliz pandemia, de malefícios cruéis e repercussões negativas na vida de populações de países ricos e pobres, era meu desejo, com a experiência jornalística de quem acompanha, desde os anos sessenta do século passado, atos ocorridos na vida política e administrativa do Maranhão, transmitir aos prefeitos recentemente eleitos, conselhos e advertências de como devem proceder à frente dos municípios que vão administrar.

Seriam palavras para não incorrerem, como os antecessores, em práticas ruinosas e lesivas aos interesses das comunidades e dos eleitores que votaram e acreditaram em palavras e promessas, proferidas nos palanques ao longo da campanha eleitoral.

Não deixariam de ser, também, avisos para não procederem em desacordo com as leis que regem o País, os Estados e Municípios, as quais registram e orientam a respeito dos caminhos burocráticos, dos regulamentos administrativos e contábeis, que os nortearão para não correrem o risco de posteriormente serem penalizados por infringirem os aparatos legais, a moral e os bons costumes e ainda ficarem sujeitos aos rigores dos órgãos que cuidam da fiscalização e da aplicação dos recursos públicos.              

Quando imaginava, repito, redigir um texto jornalístico com esse conteúdo, eis que, tomo conhecimento da mensagem da autoria do deputado Gastão Vieira, divulgada pelas redes sociais, que, com a sua competência, inteligência e preparo político e administrativo, tornou público o sentimento e o pensamento sobre o que devem fazer os bem-sucedidos nas recentes eleições.

Com o título de “Conselhos aos Novos Prefeitos”, reproduzo, com a permissão do autor, o que deve fazer um gestor municipal para chegar ao fim do mandato com a consciência tranquila pela realização de uma eficiente administração, bem como não ser taxado de desonesto e, pelo resto da vida, responder a  processos judiciais e implacáveis auditorias.

A MENSAGEM DE GASTÃO VIEIRA.

“Em quatro anos, o prefeito vai perder muito tempo à procura de uma inovação que funcione. Por isso não tenha medo, conheça programas que deram certo, copiem e adaptem à realidade.

“Quando Secretário de Educação, copiei e adaptei os projetos mais inovadores que pude conhecer em todo o País: Escola Ativa, Matrícula Bem Fácil, Professor Presente, Dinheiro Direto na Escola e outros, que tiveram bastante êxito.

“Então, senhores prefeitos, estabeleçam prioridades, comecem fazendo o básico: infraestrutura, educação, saúde, transporte e outras prioridades.

“Na pressa de resolver problemas individuais e imediatos dos cidadãos, a tendência é criar ações de atenções aos mais necessitados. Deixar o básico de lado prejudica os mais pobres.

“A prefeitura pode ser grande parceira e executora das políticas compartilhadas com a União e o Governo do Estado.

“Por exemplo, cabe aos municípios registrar as famílias no Cadastro Único de Políticas Sociais, que permite o pagamento do Bolsa Família e dos demais programas sociais.

“No Maranhão, mais de um milhão de famílias dependem do Bolsa Família e quase 600 mil casas não recebem o benefício social das contas de luz.

“A Equatorial tem um cadastro completo desses benefícios, basta trabalhar em parceria.

“Para não perder tempo com a burocracia exagerada, digitalize e integre as informações de arrecadação, orçamento, gastos e controle. Quem tem as informações em mãos, administra melhor, ganha tempo e evita punições futuras.

“Não é verdade que os municípios vivem de pires nas mãos. Nossas cidades se destacam por terem grande participação na receita.

“Município quebrado no Brasil só se vê no Maranhão, por causa da má gestão e não por falta de recursos. Gaste tempo trabalhando no seu município e menos tempo reclamando de Brasília.

“Por fim, passada a euforia da vitória, é hora de trabalhar muito e com honestidade e competência para honrar cada voto recebido”.

QUINCAS, O COMUNICADOR

 Foi uma bomba o anúncio de Joaquim Haickell, para chefiar a Secretaria de Comunicação Social, da Prefeitura de São Luís.

O convite surpreendeu o próprio convidado, que não esperava ter sob seu comando uma secretaria que com ela não sonhava.

Ao convidá-lo para assumir tal cargo, o novo prefeito pensou em ter perto de si um conselheiro político, um cara polivalente e bem relacionado na comunidade maranhense.

O MESMO SALÁRIO

Eduardo Braid assumiu as rédeas da prefeitura de São Luís, sem que o seu salário, como é de costume, fosse reajustado pela Câmara de Vereadores.

À falta desse procedimento, Braid terá de se contentar com o salário que o ex-prefeito Edvaldo Holanda Junior recebia dos cofres municipais.

A DEPUTADA ROSEANA

Rigorosamente certo: Roseana Sarney foi convencida por familiares e amigos para disputar as eleições de 2022 e retornar à atividade política.

Ela disputará o pleito concorrendo ao cargo que começou a sua brilhante carreira política: deputado federal.

Depois de eleita para o Congresso Nacional, aí, sim, pensará em cargos políticos mais relevantes.

REVISÃO CONSTITUCIONAL

As novas Mesas Diretoras da Câmara e do Senado Federal, a serem eleitas brevemente, deveriam pensar numa revisão constitucional.

Eu penso do mesmo modo do historiador Capistrano de Abreu, ou seja, de que a nova Constituição brasileira só deveria ter dois artigos.

Primeiro: Todo brasileiro deve ter vergonha na cara. Segundo: Revogam-se as disposições em contrário. 

PRESENÇA OBRIGATÓRIA

Nas centenas inaugurações de obras realizadas em São Luís, notava-se, ao contrário do visto em eventos passados, a ausência de claques e puxa-sacos.

Edivaldo, como bom marido, nessas ocasiões, só não abria mão de ter ao seu lado uma pessoa: a esposa Camila.

CACHIMBO DA PAZ

Nas agendas do governador Flávio Dino e do prefeito Eduardo Braid já estão marcadas um importante encontro.

O ato se realizará tão logo o governador retorne do recesso, que usufruirá apenas com os familiares.

 Nesse encontro, Dino e Braid fumarão o cachimbo da paz.       

sem comentário »
https://www.blogsoestado.com/buzar/wp-admin/
Twitter Facebook RSS