O PADRE DA BATINA PRETA

0comentário

Numa manhã ensolarada e calorenta de novembro de 2015, eu deixava o prédio da Academia Maranhense de Letras em direção à Praça João Lisboa, quando avistei nas proximidades do prédio dos Correios a figura de um jovem sacerdote católico, de estatura mediana e meio pesado fisicamente, rigorosamente vestido com uma batina de cor preta, modelo que os representantes da Santa Madre Igreja usavam num passado recente.

De imediato a cena transportou-me para o tempo de criança em Itapecuru e de jovem em São Luís, quando aquela vestimenta era peça obrigatória aos que ingressavam nos seminários, para se tornaram mensageiros da Santa Madre Igreja e o catolicismo predominava de ponta a ponta no Brasil, sem a presença e a concorrência de seitas evangélicas e outras religiões nada aconselháveis.

Ainda que a Igreja Católica Apostólica Romana, tivesse abolido a batina a partir do Vaticano II,  realizado em 1962, no papado de João XXIII, o jovem sacerdote João Dias Rezende Filho, desde que se ordenou, adotou e manteve-se fiel aos preceitos que fizeram do catolicismo a religião predominante, dentre os quais o de adotar no cotidiano, dentro e fora de seu habitat religioso, a batina preta, peça do vestuário clerical, que, no passado, a Santa Madre Igreja impôs aos mensageiros de seu apostolado, para assim se diferenciarem de seu rebanho e  se imporem na sociedade como figuras religiosas conceituadas e respeitadas.

Daquela maneira a minha geração e os meus antepassados se acostumaram a ver os que se entregaram aos ofícios religiosos do catolicismo e à pregação dos postulados cristãos, personificados nas figuras humanas dos padres, os quais, com poucas e honrosas exceções, com base na orientação do Vaticano, passaram a se apresentar diante dos fiéis  sem batina e como pecadores comuns.    

Foi, portanto, por causa da batina preta, que me aproximei do padre João Resende e com ele firmei sólida amizade, na medida que o identificava como um fiel e devotado representante de Cristo e dotado de invejável cultura religiosa e literária.

Por conta dessa postura do sacerdote, ainda que o Estatuto da AML fosse omisso no assunto, tomei a decisão de como presidente da Casa de Antônio Lobo, apresentar na sessão de 11 de agosto de 2016, uma Resolução que o nomeava capelão da AML, função que aceitou com alegria e honra, depois de receber o nada consta do bispo, Dom Belisário.

No exercício de capelão, o padre João Resende participava esporadicamente de nossas reuniões, fato que revelava o desejo de ingressar na instituição, tanto que poucos dias antes de seu infortúnio, endereçou-me o seguinte zap: “ Meu bom amigo Buzar, ao se abrirem as portas da AML, no tempo oportuno, certamente, é sinal de que muito antes o seu coração, há muito aberto, e de tantos outros amigos, se abrirão para mim. Obrigado pela sua amizade.”

Essa amizade manifestada pelo jovem e culto sacerdote era realmente tão sólida e sincera que quando eu e Solange completamos cinquenta anos de casados e felizes (18 de novembro de 2017), foi ele o celebrante da cerimônia religiosa.

PERTO DE FÁVIO

Comenta-se nos corredores do Palácio dos Leões que José Reinaldo Tavares poderá brevemente voltar a sentar praça naquele prédio.

Isso se dará quando o sobrinho Marcelo Tavares deixar a Casa Civil e for nomeado para o Conselho de Contas do Estado.

A presença de Zé Reinaldo nos Leões é para ficar mais perto do governador e possa melhor assessorá-lo politicamente, com vistas às eleições de Flávio Dino a senador e a de Carlos Brandão ao comando do Poder Executivo do Estado.

MINERADORA DE OURO

Por muito pouco, recentemente, ato semelhante ao acontecido na cidade mineira de Mariana, com o rompimento de uma barragem, não se repetia no povoado Auriza, município de Godofredo Viana, onde uma barragem de mineração de ouro ameaçou romper.

Eu, que me considero um cara bem informado, só agora vim a saber que no interior do Maranhão, uma empresa canadense explorava esse tipo de negócio.  

HOMENAGEM A CABRAL

A filha Carminha Cabral e o cunhado Nelson Almada Lima, de José Maria Cabral Marques, trabalham juntos num projeto para homenageá-lo e perpetuar a memória do saudoso professor, advogado e ocupante de cargos importantes na administração pública do Maranhão e do Amazonas.

Um farto material está sendo recolhido por Carminha e Nelson, com vistas a retratar a rica e preciosa vida de Cabral Marques em livro e vídeo.

O FUTURO DE ROBERTO ROCHA

Com os olhos nas eleições de 2022, a prioridade um do senador Roberto Rocha era concorrer ao Governo do Estado, para o qual esperava o apoio do presidente Bolsonaro, mas já viu que não tem nenhuma chance, pois a disputa à sucessão de Flávio Dino se dará entre Carlos Brandão e, com perdão da má palavra, Weverton Rocha.  

A segunda opção de Rocha, é se reeleger ao Senado, o que também não tem qualquer possibilidade de ser bem sucedido, pois essa vaga já tem dono e chama-se Flávio Dino.   

Resta a Roberto Rocha, se quiser continuar na política, ser candidato à Câmara de Deputados.

BASA E TJ

Brevemente, a agência do Banco da Amazônia, localizado na Avenida Pedro II, vai fechar as portas.

Motivo: foram coroadas de êxitos as negociações entre a diretoria do BASA e o presidente do Tribunal de Justiça do Maranhão, desembargador Lourival Serejo.

O TJ adquiriu o imóvel para ali instalar a sua imensa estrutura de informática.

SAUDADE DE SIMONE

Mais uma grande amiga acabo de perder: Simone Macieira, que conhecia de tempos remotos.

Mulher corajosa, inteligente e politicamente consciente de seu papel na sociedade maranhense, razão porque se elegeu vereadora à Câmara Municipal de São Luís, onde cumpriu o mandato de 1989 a 1992, com integridade moral e liberdade de opinião.

Casou com o meu grande amigo Roberto Macieira, com o qual viveu até o coração roubá-lo de nosso convívio.       

COITADA DA MINHA GERAÇÃO

O saudoso e brilhante jornalista Joel Silveira, deixou para a posteridade uma frase que vou rigorosamente segui-la: – A morte está ceifando a minha geração. Vou mudar o penteado para ver se ela não me reconhece.

Legenda da foto: O padre João Resende celebrando as Bodas de Ouro minha e de Solange.          

sem comentário »

O MARTELO E O NAÚFRAGIO DO TITANIC

0comentário

Às 23h40 de 14 de abril de 1912, portanto, há 109 anos, o Titanic, à época, o maior, o mais seguro e o mais luxuoso navio construído pelo homem, bateu num iceberg. Duas horas e quarenta minutos depois, repousava para sempre no fundo do Atlântico Norte, matando 1.523 pessoas.

Em São Luís, dentre os jornais que comentaram o sinistro evento, destaque para “O Martello”, jornal de formato médio, usado como “Propaganda da Pharmacia Marques”, publicado mensalmente e de distribuição gratuita.

A 16 de maio de 1912, dezesseis dias depois do fatídico desastre marítimo, “O Martello” anunciava em sua primeira página, “O naufrágio do Titanic”, assunto que abalou o mundo inteiro e divulgado nesta cidade de maneira peculiar por um jornal que chegava à opinião pública sem qualquer custo, razão pela qual era bastante lido.

Para o leitor saber como o ato e o fato aconteceram, no começo do século XX, cuja repercussão trágica abalou a humanidade e teve a sua odisseia levada para o cinema*, transcrevo ipsis litteris a infausta notícia veiculada no jornal do saudoso farmacêutico Augusto César Marques.

“Seria demasiada pretensão descrever o que foi esse pavoroso naufrágio ocorrido na noite de 14 de abril nos bancos de gelo da “Terra Nova” no Canadá.

“Todos os jornais do mundo já fizeram com as mais vivas e negras cores. Tocamos somente nesse facto para termos o ensejo de nos associar à dor por que passaram todos aquelles que perderam na catastrothe os seus entes queridos.

“De nada serviu a enormidade do navio construído pelo homem diante da monstruosidade do banco de gelo gerado pela natureza e da impiedade do frio próprio da região.

“Deixemos de lado esse quadro lúgubre, que já pertence ao passado e procuremos no presente agir de modo a evitar que no futuro se reproduzam essas horrorosas desgraças.

“É o que está fazendo o Senado dos Estados Unidos, que em sua sessão de 21 de abril( 5 dias depois da catastrophe) que aprovou um projecto que manda elaborar um regulamento mais completo da navegação marítima e designou uma comissão de inquérito para se entender com os diretores da companhia proprietária do Titanic.

“Isso é que é paiz!!

“Nessa república a politicagem não impede que o Poder Legislativo, 5 dias após um desastre já esteja providenciando para evitar a sua reprodução, chamando a si até atribuições que mais permitiam à polícia.

“É por essas e outras razões que nós apreciamos muito a orientação dos norte-americanos e que damos o maior valor à medalha de prata com que nos premiaram na Exposição de Saint Louis, os Preparativos Marques do saudoso chefe o velho pharmaceutico Augusto Cesar Marques.”

*Em tempo: Titanic, um filme épico, de romance e drama, produzido nos Estados Unidos por James Cameron, estrelado por Leonardo DiCaprio, Kate Winset, Glória Stuart e dirigido por Jerry Jameson.

BARBAS DE MOLHO

O deputado estadual, Othelino Neto, presidente da Assembleia Legislativa do Maranhão, deve o quanto antes botar as barbas de molho.

O parlamentar pode ser destituído do cargo para o qual se elegeu, caso o Supremo Tribunal Federal mantenha a coerência com o entendimento estabelecido na Carta Magna que proíbe a recondução na mesma legislatura.

Ação do Procurador-geral da República, Augusto Aras, pede a imediata destituição de todos por ferirem o preceito constitucional.

 A IRONIA DE ELIZIANE

A senadora Eliziane Gama, que vem se destacando no Senado da República, pelos projetos, discursos, apartes e intervenções, ironizou com bastante propriedade o ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, que se recusou comparecer à Comissão Parlamentar de Inquérito.

Disse ela em alto e bom som no plenário do Senado:- Ele entra sem máscara no shopping em Manaus e não pode marcar presença na CPI?            

NO CONSELHO DA VALE

O competente economista maranhense, Roberto Castello Branco, demitido recentemente da presidência da Petrobras, pelo presidente Bolsonaro, foi eleito para ocupar um cargo tão importante quanto o anterior.

Ele agora integra o Conselho da Mineradora Vale.

CUIDADO COM A PANDEMIA

A epidemia da coronavírus começa a dar sinais de desaceleração, fato bem-vindo, pois novos casos deixaram de aparecer.

Mas, segundo os cientistas, a pandemia, se a população não se vacinar e tomar os cuidados com a doença, ela poderá chegar por meio de ondas que vão e voltam.

Por isso, advertem os infectologistas, não se deve relaxar nas medidas de precaução.   

CHICO E GIL

Nos meios culturais do Rio de Janeiro, aflorou um movimento com vistas ao lançamento da candidatura de dois monstros sagrados da música popular brasileira para a Academia Brasileira de Letras.

Gilberto Gil e Chico Buarque, ambos letristas de excelente nível intelectual.

Quando Jomar Moraes, presidia a Academia Maranhense de Letras, convidou o compositor conterrâneo Chico Maranhão para se candidatar, com a garantia de elegê-lo, membro da Casa de Antônio Lobo. Convite recusado.

QUEM É?

Uma pergunta que não quer calar: existe ministro da Educação no Brasil?

Se existe, quero saber o nome dele e o que anda fazendo para melhorar o ensino no país.

FESTAS JUNINAS

O mês de junho, para muita gente, é o melhor do Maranhão, porque nele se realiza a maior festa popular de nossa terra: o São João

 No ano passado, as festas juninas não se realizaram por causa da pandemia.

Junho está chegando e até agora não se sabe se novamente as brincadeiras em homenagem a São João e São Pedro vão ser comemoradas e festejadas por boeiros e adeptos.

Pelo andar da boiada, provavelmente, as festas juninas serão mais uma vez canceladas. 

sem comentário »

A MEDICINA PRATICADA EM SÃO PAULO

0comentário

Até antes da década de 1970, os maranhenses quando adoeciam gravemente ou ficavam em situação delicada nos hospitais de São Luís, não titubeavam em viajar para o Rio de Janeiro, que por ser a capital do país, era servida pela melhor rede hospitalar, com médicos preparados para o atendimento de pacientes em condições precárias de saúde e/ou acometidos de enfermidades complicadas e necessitados de  cirurgias urgentes e de porte.

 Naquela época, os doentes se deslocavam para o Rio de Janeiro, não porque São Luís carecesse de hospitais e de competentes médicos. O problema, quase sempre residia na falta de equipamentos cirúrgicos avançados e mais eficazes do ponto de vista tecnológico, para permitir aos médicos maranhenses serem bem sucedidos em suas atividades profissionais.

Quando isso acontecia, os próprios médicos se encarregavam de recomendar aos pacientes a busca de centros mais adiantados, nos quais, provavelmente, obteriam resultados mais satisfatórios nos tratamentos clínicos ou cirúrgicos.

Em São Luís, a Santa Casa de Misericórdia, os Hospitais Português e Tarquínio Lopes (Geral), bem como o Centro Médico Maranhense, mesmo sem  disporem de relevante estrutura tecnológica, ofereciam condições para que os competentes cirurgiões, Carlos Macieira, Raimundo  Matos Serrão, José Henrique Moreira Lima, Benedito Murad, Zilo Pires, Antônio Dino, Santos Neto, Antônio Hadad, Benedito Penha, Geraldo Melo e outros, apresentassem desempenhos positivos em procedimentos melindrosos e nada corriqueiros.

 Do mesmo jeito, agiam e trabalhavam os abnegados clínicos, Djalma Marques, Amaral de Matos, José Murad, Clementino Moura, Bacelar Portela, Pedro Neiva, William Moreira Lima, Crisanto Azevedo, Alfredo Duailibe, Ivaldo Perdigão Freire, Fernando Viana, Nunes Freire, Salomão Fiquene, Orlando Araújo, Clovis Chaves, Lourival e Paulo Bogéa, João Maranhão Ayres, Joaquim Meneses, Nilson Oliveira e outros,  numa época em que os profissionais da medicina atendiam os pacientes a domicílio ou em consultórios modestos, situados geralmente no centro da cidade.         

Esta situação começa a se modificar quando o Rio de Janeiro, por não ser mais a capital da República, perde para São Paulo a hegemonia que detinha em quase todos os setores da vida brasileira, ressaltando-se a parte hospitalar e médica.

Pelos investimentos realizados nas áreas pública e privada, a economia paulista deu um salto quantitativo e qualitativo, transformando-se no motor da sociedade brasileira e impondo-se como o maior polo industrial e científico do País, fato que determina a implantação de uma rede hospitalar de primeiro mundo e dotada de notáveis equipes formadas por cirurgiões renomados e clínicos conceituados, à altura de atenderem pacientes vindos de qualquer parte do Brasil e portadores de doenças graves e desafiadoras.

Tendo como carros-chefes os Hospitais Sírio-Libanês, Albert Einstein, Do Alemão, Do Coração, das Clínicas, Nove de Julho, Beneficência Portuguesa, ACCamargo, São Paulo armou-se de uma estrutura médica e hospitalar sem igual no País, com capacidade para o tratamento de enfermidades complicadas e salvação de vidas.

De uns tempos para cá, felizmente, com a introdução nos principais hospitais de São Luís de equipamentos modernos e avançados, bem como de investimentos relevantes, já não se pode mais dizer como antigamente aquela frase maldita e constrangedora, de que os nossos melhores hospitais eram os “aviões de carreira”.

Em tempo: para concorrer com os Hospitais Sírio-Libanês e Albert Einsten, que ocupam a pole-position na medicina brasileira, São Paulo ganhou recentemente um novo e modelar estabelecimento hospitalar: o Vila Nova Star, da Rede D’Or, contratando reputados profissionais no mercado, que prestavam serviços a hospitais já consagrados.

Por falar em Rede D’Or, São Luís contará brevemente com um novo e moderno hospital, contíguo à área onde se encontra instalada a UDI.  

MORADORES DO PUNTA DEL LESTE

Seis meses depois do incêndio, que devorou quatro apartamentos e abalou profundamente toda estrutura do prédio, os moradores do Edifício Punta Del Leste, no Calhau, receberam o sinal verde para retornarem ao prédio sinistrado.

O Punta Del Leste, para poder ser novamente ocupado, sofreu ampla reforma, ao longo da qual os moradores passaram por problemas e sacrifícios.

SEIS CANDIDATOS À AML

 O presidente da Academia Maranhense de Letras, Carlos Gaspar, deve marcar esta semana a eleição para a Cadeira nº 02, vaga com a morte do escritor Waldemiro Viana.

Inscreveram-se seis candidatos: Roque Macatrão, Fernando Braga, Mauro Rego, Teodoro Pires Neto, Raimundo Pinheiro Pires e José Eulálio Figueiredo, todos habilitados a fazer parte da AML, segundo o parecer dos acadêmicos Benedito Buzar, Felix Alberto Lima e Ceres Costa Fernandes.

Até agora há uma imprevisibilidade quanto ao resultado da eleição.

ALEMÃO E ROBERTO CARLOS

Ao comemorar, sem pompas e festas, os oitenta anos de vida, o cantor Roberto Carlos recebeu merecidamente homenagens pela sua biografia e do vasto e refinado repertório musical construído ao longo do tempo.

Por falar no Rei, é bom lembrar que ele veio pela primeira vez em São Luís, no auge da carreira, nos anos oitenta, contratado por Cláudio Vaz dos Santos (Alemão), para uma apresentação no Estádio Santa Izabel.

RISOS PARA BOLSONARO

Aconteceu no Parlamento Francês, dias atrás. No momento em que o premiê Jean Castex discursava sobre a pandemia, disse que o Brasil recomendava a cloroquina para combater a Covid-19.

Foi o bastante para o plenário explodir numa estrondosa e vergonhosa gargalhada.    

PRESIDENTE DO TJ

Sem medo de errar, afirmo que o atual presidente do Tribunal de Justiça do Maranhão, desembargador Lourival Serejo, quando terminar o seu mandato, no ano vindouro, deverá ser reconhecido publicamente como um dos mais eficientes chefes do Poder Judiciário.

O trabalho de Serejo, ainda que silencioso por causa da pandemia, não se limita apenas ao aspecto físico e material, para melhorar o funcionamento do TJ, ele, como intelectual, cuida também e entusiasmado, da parte cultural e histórica da instituição que completou mais de duzentos anos de presença ativa na vida maranhense.

LUTA DE FOICE NO ESCURO

A cada dia, aumenta a luta verbal e jurídica entre o presidente Jair Bolsonaro e o governador Flávio Dino.

Se o governador maranhense ataca o chefe da Nação por meio jurídico, Bolsonaro não o perdoa e   se reporta a ele de modo verborrágico.             

 Nessa luta de foice no escuro, o Chefe do Executivo do Maranhão tem levado nítida vantagem sobre o boquirroto presidente, que, esta semana, foi novamente derrotado no Supremo Tribunal Federal, por uma ação que manda Bolsonaro realizar o Censo Demográfico de 2020.     

 A DEMISSÃO DO MARANHENSE

O único maranhense que fazia parte do Governo Bolsonaro era Roberto Castelo Branco, que presidiu a Petrobras não por influência política, mas pela reconhecida competência de técnico e economista.

Roberto nasceu em São Luís, filho do ex-juiz da Justiça Militar no Maranhão, José Castelo Branco e de Maria Cunha, filha do Dr. Josias Cunha. Era primo de Leônidas Caldas.

Roberto é Phd em economia e com pós-doutorado na Universidade de Chicago.  Foi demitido porque Bolsonaro não admite gente competente no seu governo.

DECLARAÇÕES INFELIZES

Saiu um livro imperdível, intitulado Bozo Presidente, com a seleção das piores e infelizes declarações do atual Chefe da Nação, dentre as quais estas: “Daqueles governadores de Paraíba, o pior é o do Maranhão”; “A Constituição sou eu”.   

sem comentário »
https://www.blogsoestado.com/buzar/wp-admin/
Twitter Facebook RSS