RUBEM ALMEIDA, A LUA E APOLO

0comentário

No último sábado, 20 de julho, cinquenta anos se passaram da chegada à Lua dos astronautas americanos Neil Armstrong, Buzz Aldrin e Michael Collins, feito memorável transmitido pelas emissoras de rádio e televisão, que mostraram a tripulação do Apolo 11 fincar a bandeira dos Estados Unidos e a ela prestar continência, façanha aplaudida pelo mundo inteiro, mas suscitou polêmica e controvérsia entre otimistas e pessimistas, em torno da veracidade da inédita missão.

Em São Luís, o notável espetáculo astronáutico, visto por um contingente expressivo da população, ganhou auspiciosa repercussão, sobretudo depois que uma figura humana respeitada, da dimensão do professor e membro da Academia Maranhense de Letras, questionou a autenticidade do extraordinário evento americano.

Trata-se de Rubem Almeida, que, do alto de seus conhecimentos científicos, até então desconhecidos da sociedade maranhense, revelou a sua incredulidade quanto ao resultado positivo da arrojada empreitada, segundo ele, uma obra de arte cinematográfica e produzida com requinte tecnológico.

Como um rastilho de pólvora, o comentário do ilustre professor, imediatamente se propagou e virou assunto em todas as rodas sociais, o que me impulsionou a ir ao seu encontro, ele, meu ex-professor de Português, no Liceu Maranhense, a quem dedicava respeito e admiração, por ser um intelectual de relevo no cenário cultural do Maranhão.

À época, eu, escrevia a festejada coluna Roda Viva, publicada diariamente no Jornal do Dia, razão porque precisava urgentemente entrevista-lo, antes que outro jornalista o fizesse, para informar aos meus leitores, que se encontravam ávidos de saber os motivos que o levaram a bater de frente com o mundo científico e a levantar suspeitas quanto ao êxito dos astronautas americanos.

Depois de algumas buscas, finalmente, encontrei o mestre na Praça Benedito Leite, sobraçando livros e jornais, com o qual iniciei um diálogo descontraído e interessante.

Como se tivesse ansioso para tornar público o que carregava consigo, Rubem Almeida não se nega a discorrer sobre um assunto, que parecia dominar com tamanha desenvoltura, tanto que imaginei estar diante não de um professor provinciano, mas de um cientista da NASA. 

A entrevista, de apenas uma pergunta e seis respostas, publicada na edição do Jornal do Dia, de 5 de agosto de 1969, começa pela óbvia pergunta: saber se ele acreditava ou não missão do Apolo 11.

Com tranquilidade, Rubem Almeida antes de entrar diretamente no assunto, esclarece: – “Amigo velho, a presença de sangue índio no meu corpo, faz com que eu seja um homem desconfiado, daí porque só acredito nessa missão do Apolo 11 se me derem explicações a respeito das seguintes questões, sem isso, não darei a minha mão à palmatória.”

Ei-las: “1) Dentre dez possibilidades da missão ser bem-sucedida, se nove não seriam de fracasso; 2) As fotografias não mostraram e nem provaram as subidas e descidas dos astronautas. 3) As cenas vistas pela televisão eram como se eles já tivessem na Lua; 4) As fotos apresentadas se comparadas com as do deserto do Arizona são semelhantes; 5) O excesso de detalhes (horas, minutos e segundos) mostra que não houve nenhuma falha na viagem; 6) A superfície irregular da Lua, não permitiria o pouso tranquilo do módulo, em que se encontravam os astronautas.”

Cinquenta anos depois da extraordinária façanha americana, com os avanços cada vez mais audaciosos das viagens interplanetárias, como pensaria hoje o professor Rubem Almeida: continuaria cético ou teria mudado de posição?

Se ele baixar numa sessão espírita, a gente sabe.

BOLSONARO EM SÃO LUÍS

Depois do recente arranca-rabo entre o presidente Jair Bolsonaro e o governador Flávio Dino, duas perguntas estão na ordem do dia: 1) Bolsonaro virá ou não inaugurar a reforma da Rua Grande, marcada para agosto em São Luís? 2) Se vier, o governador Flávio Dino marcará presença no evento?

GIGI E TAYNARA OG

O que é certo: a vida imita a arte ou o contrário?

Com base nesse questionamento, levando-se em conta o fenômeno da internet, pergunto: é a personagem Vivi, interpretada pela bela atriz Paola Oliveira, na novela “A dona do pedaço”, que imita a maranhense a Taynara OG ou o contrário?

PEDRO LEONEL

Ao longo da vida, o advogado Pedro Leonel sonhou ver o Brasil governado por um político da direita.

O sonho transformou-se em realidade com a eleição do presidente Jair Bolsonaro, que vem praticando ações estribadas no figurino da direita.

           ALCIONE E OS FANS

Como cantora, Alcione pela sua bela voz, é uma unanimidade no país.

Agora, como manifestante política, surpreendeu os seus admiradores, que ficaram divididos com relação ao episódio em que o presidente Bolsonaro teria ofendido os nordestinos.

OUTUBRO CULTURAL

No mês de outubro vindouro, o povo maranhense, que gosta de cultura, terá a oportunidade de participar de quatro eventos importantes.

Em São Luís, a Feira do Livro; em São José de Ribamar, o Festival de Literatura, promovido pela prefeitura em parceria com a Academia Maranhense de Letras, em Imperatriz, o SLIMP – Salão de Leitura; em Itapecuru Mirim, o FLIM – Festival de Literatura.           

 MELHOR E DISPARADO

Gastão Vieira, para tristeza dos amigos, não teve a sorte de ficar entre os eleitos à Câmara de Deputados, no pleito de 2018.

Como suplente, graças a uma operação política do governador Flávio Dino, assumiu o mandato e em pouco tempo de atuação deu mostras de sua competência e de seu produtivo trabalho em favor do Maranhão e do Brasil.

Não por acaso, Gastão foi escolhido como o deputado da bancada maranhense de melhor desempenho no Congresso Nacional.

FALTA NA RUA GRANDE

Eu encontrei um defeito no projeto de reforma que o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional executou na Rua Osvaldo Cruz.

A falta de espaços destinados à instalação de restaurantes, barzinhos e lanchonetes, que se previstos, evitariam a proliferação de vendedores de PFs (pratos feitos) e consumidos em plena rua.

PRESIDENTE DO TJ

Depois de vinte e nove anos, repete-se um ato nada comum no processo de sucessão do poder.

O governador Flávio Dino, em 2019, para prestigiar o presidente do Tribunal de Justiça, José Joaquim dos Anjos, usa o mesmo modelo do governador João Alberto. Em 1990, para permitir o presidente do TJ, Emésio Dario de Araújo, a assumir o Governo do Estado, João Alberto ausenta-se do Maranhão, em companhia do presidente da Assembleia, Antônio Carlos Braid.

   ADESÃO Á INDEPENDÊNCIA

  Acho que sou o único maranhense a lembrar que amanhã, 28 de julho, por ser a Adesão do Maranhão à Independência, comemorava-se o evento com certa pompa.

Dava-se tamanha importância à efeméride, que o Governo do Estado decretava ponto facultativo nas repartições públicas, os alunos marchavam pelas ruas da cidade e as instituições culturais realizavam sessões especiais.

sem comentário »

149 ANOS DE ITAPECURU-MIRIM

0comentário

Recebo convite do prefeito da minha terra, Miguel Lauand, para participar de uma programação de eventos que acontece este mês, em comemoração a uma efeméride importante: a elevação de Itapecuru-Mirim à categoria de cidade.

Ao contrário dos anos anteriores, este ano, a prefeitura procedeu de modo certo e correto, pois não foi a 21 de julho de 1870, que, historicamente, se deu a fundação de Itapecuru-Mirim, mas a 20 de outubro de 1818, portanto, há 201 anos “quando o desembargador, ouvidor e corregedor da Comarca de São Luís do Maranhão, Francisco de Paula Ferreira Duarte, juntou-se ao alcaide-mor, José Gonçalves da Silva, representado pelo seu procurador, Antônio Gonçalves Machado, e diante do clero e do povo, que se achavam reunidos na Praça da Cruz, leu-se em voz alta e inteligível a provisão régia de 27 de novembro de 1817, expedida em consequência do decreto de 14 de junho do dito ano, e despacho  da mês do desembargo do Paço de 17 de julho e 24 de novembro do mesmo ano, determinando  fundação e instalação da Vila de Itapecuru-Mirim” , ato transcrito,  com todo requinte de verdade, no Dicionário Histórico-Geográfico da Província do Maranhão, do notável professor César Augusto Marques.

A 21 de julho de 1870, portanto, a 149 anos, o que aconteceu na realidade fo, em decorrência do progresso material da vila, a Assembleia Legislativa Provincial do Maranhão, votou e aprovou a Lei nº 919, sancionada pelo vice-presidente, José da Silva Maia, que elevava Itapecuru-Mirim à categoria de cidade.

Com essa mudança de comportamento, a prefeitura de Itapecuru-Mirim, poderia de agora por diante comemorar duas relevantes efemérides: a da fundação da vila e da sua elevação à categoria de cidade, atos distintos, mas de grande significação histórica, que vinham sendo confundidos ao longo do tempo,  com o que não concordava e vinha chamando a atenção das autoridades municipais desde 2003, quando escrevi um artigo no Jornal de Itapecuru, sob o título “A verdade sobre a fundação da cidade de Itapecuru-Mirim”.

E assim procedi, porque tomei por base a opinião de dois lúcidos historiadores, aos quais devoto especial admiração e respeito: Washington Cantanhede e Mauro Rego, que em artigos publicados na imprensa de São Luís, gritavam contra as autoridades de alguns municípios do Maranhão, que conscientemente ou não, deturpavam ou distorciam a história de vida das comunas, comemorando ou festejando efemérides que nada tinham a ver com as suas origens, criações e fundações.

Louvado, portanto, em fontes históricas confiáveis, busquei e encontrei a verdade que precisava vir à tona, para o povo itapecuruense  não continuar a  festejar, sob o beneplácito das autoridades municipais, ainda que de boa-fé, eventos não condizentes com a realidade que a História mostra de forma insofismável que uma coisa é a fundação da vila (20 de outubro de 1818), e outra coisa é a elevação da vila à categoria de cidade (27 de julho de 1870).

EDINHO LOBÃO, O PASTOR

Enfastiado com os tempos profanos e políticos, o ex-senador Edinho Lobão entregou-se de corpo e alma à vida evangélica.

Nessa sua nova vida, dedicada aos cultos evangélicos, Edinho, dotado de fluente oratória, tem conquistado muitos adeptos para a religião que abraçou.         

PRAÇA DAS MERCÊS

A nova Praça das Mercês, que o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico e Nacional, vai construir, nas proximidades do Museu da Memória Republicana, é uma homenagem ao ex-senador José Sarney.

Trata-se de um projeto concebido na época em que o Convento das Mercês pertencia à Fundação José Sarney, quando Kátia Bogéa se comprometeu a construí-lo, para que a instituição criada por José Sarney, com desvelo e desprendimento, se apresentasse com nova e bonita visibilidade.

O NOVO LARGO DO CARMO

O projeto que o IPHAN vai executar no Largo do Carmo é extremamente grandioso e certamente fará com que o antigo logradouro seja novamente o orgulho dos maranhenses, que o tinham como o mais bonito e o mais movimentado da cidade.

Pelo que se sabe, um novo relógio será instalado e para funcionar dia e noite. O horroroso abrigo, receberá um tratamento especial, mas sem perder as suas características arquitetônicas e as bancas de revistas retornarão aos espaços que ocuparam, mas com outra concepção.    

BOLSONARO VEM AÍ

Na agenda do Presidente da República, a confirmação da presença de Jair Bolsonaro em agosto em São Luís, para inaugurar as obras de requalificação da Rua Grande, que ficaram um show de bola.

Fala-se, também, na sua ida a Rosário, para reinaugurar a antiga estação de trem, e a Alcântara, para visitar o Centro de Lançamento.

Não se espantem se visitar São Pedro dos Crentes, a única cidade do Maranhão onde ganhou a eleição nos dois turnos.

GERENTES DE BANCOS

Até o final do século passado os gerentes de bancos oficiais em São Luís eram figuras de proa e tratados a pão de ló pelos empresários e autoridades governamentais.

Gerentes do Banco do Brasil, do Banco do Nordeste e do Banco da Amazônia eram presenças obrigatórias em qualquer evento privado ou público, sendo recebidos com toda pompa.

O puxa-saquismo devotado aos gerentes de bancos oficiais chegou ao fim e hoje são figuras anônimas e sem o brilho de outrora.

MAIS ACADEMIAS

Continua forte e intensa a febre da criação de Academias de Letras no interior do Maranhão.

Raro é o mês que não se funda em alguma cidade uma instituição voltada para a promoção da cultura local.

Na semana passada, mais duas cidades maranhenses passaram a contar com Academias de Ciências, Letras e Artes: Vargem Grande e Barreirinhas.

  HOTELARIA DE BARREIRINHAS

Nunca em tempo algum, a cidade de Barreirinhas esteve tão cheia de turistas como neste mês de julho.

A rede hoteleira que, entre hotéis, pousadas e pensões, conta com quase duzentas unidades, vive dias de euforia e de otimismo com a presença de gente do Brasil e do exterior.

Com toda essa avalanche de gente, a cidade continua precária de bons serviços e a estrada repleta de buracos, que faz do tráfego um martírio.

SAI PARAÍBA, ENTRA LUÍSA

Até recentemente, o centro da cidade, era repleta de lojas de eletrodomésticos dos Armazéns Paraíba.

 Brevemente, o consumidor verá um cenário diferente, pois os Armazéns Paraíbas serão substituídos pelos Magazines Luisas, que chegaram ao mercado maranhense com uma estratégia diferenciada: primeiro, o interior do Estado; agora invadem São Luís.  

 NOME EXTRAVAGANTE

Uma pergunta que não quer calar: será que a população de Santa Luzia se orgulha de ter como prefeita uma pessoa chamada França do Macaquinho?

TREMENDO NO TÚMULO

O Barão do Rio Branco, patrono da diplomacia brasileira, deve estar tremendo no túmulo ao saber que um filho do Presidente Jair Bolsonaro será o futuro embaixador do Brasil nos Estados Unidos. 

sem comentário »

A CULTURA POSTA EM QUESTÃO

0comentário

O Maranhão, nos séculos XVIII e XIX, conquistou o reconhecimento nacional, pela riqueza de talentos intelectuais.

Não por acaso, pelo expressivo número de escritores que oferecemos ao Brasil – João Lisboa, Gonçalves Dias, Odorico Mendes, Sotero dos Reis, Gomes de Sousa, José Cândido de Morais e Silva, Sousândrade, Antônio Henriques Leal, César Marques, Cândido Mendes de Almeida, Luís Antônio Vieira da Silva, Joaquim Serra, Adelino Fontoura, Celso Magalhães, Coelho Neto, Raimundo Correia, Graça Aranha, Artur e Aluísio Azevedo, Raimundo Lopes, conquistamos o meritório título de Atenas Brasileira.

Alguns desses renomados homens de letras, se projetaram com tamanha força na vida literária brasileira, que trocaram o Maranhão pelo Rio de Janeiro, o mais importante centro político e cultural do país.

A dimensão intelectual de nossos conterrâneos era de tal modo marcante na cena nacional, que ao se fundar a Academia Brasileira de Letras nada menos do que cinco escritores maranhenses dela fizeram parte: Artur Azevedo, Aluísio Azevedo, Coelho Neto, Raimundo Correia e Graça Aranha, façanha que nenhum outro estado da Federação brasileira realizou.      

Esse quadro de brilhantes intelectuais, que despontou no Maranhão e deixou o Brasil encantado, aflorou numa época em que aqui não contava com nenhum órgão público, dedicado a ajudar ou promover escritores e artistas, os quais, para tornarem as suas produções conhecidas, valiam-se do talento intelectual e da coragem pessoal, ou então do empurrão de um amigo, geralmente da área literária, que os conduziam a penetrar num espaço incógnito e competitivo, como o Rio de Janeiro.

O introito acima, conduz e sugere uma discussão oportuna sobre os motivos pelos quais o Maranhão, naqueles idos, mesmo sem a presença de nenhum órgão estatal, teve notável representatividade no cenário nacional.

Visto isso, cotejar aquele tempo com outro momento da vida cultural maranhense, a partir do qual criaram-se instrumentos governamentais, para a promoção de valores intelectuais e incremento da produção cultural nativa, mas que funcionaram timidamente. Essa situação só melhora quando a Lei de Incentivos Fiscais entra em ação, mesmo sendo desvirtuada pelo próprio Governo.

 A título de informação, adianto que foi a partir dos anos 1960 que o Poder Público começou a fazer incursões no campo cultural, por iniciativa do governador Newton Belo ao criar o Departamento de Assuntos Culturais, substituído nos anos 1970, pela Fundação Cultural do Maranhão, criada pelo governador Pedro Neiva, e transformada em Secretaria da Cultura, nos anos 1980, pelo governador João Castelo.

Agora, uma pergunta impõe-se inevitavelmente: por que com toda essa estrutura, o Poder Público até hoje não teve condições de criar uma positiva e elevada política estadual de cultura? A resposta é simples: porque à SECMA destinou-se no Orçamento do Estado uma dotação ridícula e irrisória que não é suficiente para manter nem a pesada carga de organismos que giram em torno dela, a exemplo da Biblioteca, Arquivo, Casa da Cultura, Teatros, Museus, Escolas de Música, de Artes Plásticas e de Dança.

Dessa acanhada dotação orçamentária, o que sobra, convém salientar, é praticamente impossível a SECMA promover ações para estimular, promover e divulgar publicações de livros de autores maranhenses, realizar exposições pictóricas, montar shows musicais e teatrais com os artistas da terra, fazer exposições fotográficas e outras atividades afins.

Nesses quase sessenta anos de presença do DAC, FUNC e SECMA na vida cultural do Maranhão, vinte agentes públicos foram seus titulares: Governo Newton Bello- José Martins Bello; Governo José Sarney – Domingos Vieira Filho; Governo Pedro Neiva – José Martins Belo; Governo Nunes Freire – Jomar Moraes; Governo João Castelo, Bernardo Almeida e Arlete Nogueira Machado; Governo Luiz Rocha- Joaquim Itapary e Jomar Moraes; Governo Cafeteira- Laura Amélia e Américo Azevedo Neto; Governo João Alberto- Benedito Buzar; Governo Edison Lobão- Nerine Lobão e Luis Phelipe; Governos Roseana Sarney- Eliézer Moreira, Luís Bulcão e Olga Simão; Governo José Reinaldo-Antônio Padilha; Governo Jackson Lago- Joãozinho Ribeiro; Governo Flávio Dino, Diego Galdino e Anderson Lindoso.

Importante: nove desses nomes, fazem parte da Academia Maranhense de Letras: Domingos Vieira Filho, Bernardo Almeida, Joaquim Itapary, Jomar Moraes, Laura Amélia, Américo Azevedo Neto, Benedito Buzar, Luís Phelipe e Eliézer Moreira.

O governador Flávio Dino foi o único que nomeou para a SECMA nomes sem nenhuma vinculação com os meios culturais: Diego Galdino e Anderson Lindoso.

BUMBA-MEU- BÚFALO

Não dá para esquecer o ex-deputado Bayma Serra nessa época junina, quando produziu uma de suas mais interessantes pérolas.

Foi no tempo do governo Pedro Neiva, quando o secretário de Agricultura, Lourenço Tavares quis introduzir na baixada maranhense a criação de búfalos.

Bayma Serra logo anunciou a apresentação de um projeto na Assembleia, para, no Maranhão, o Bumba-Meu-Boi ser Bumba-Meu-Búfalo.           

AVENIDA PAULISTA E COPACABANA.

Em vez da Secretaria de Turismo, como faz todos os anos, apresentar as brincadeiras do Bumba-Boi em eventos da Associação Brasileira de Agentes de Viagens, deve fazer algo mais positivo e promissor ao turismo maranhense.

Exibir os Bumbas-Bois e outras atividades folclóricas, aos domingos, ao longo da Avenida Paulista e da Praia de Copacabana.

 Garanto que no ano seguinte, São Paulo e o Rio de Janeiro mandariam legiões de turistas para São Luís.

OCUPAÇÕES DE CASARÕES

Acho extremamente importante essa ação do Governo do Estado de revitalizar alguns casarões do centro da cidade e transformá-los em moradias.

Mas há um porém: se o projeto for destinado aos moradores da classe média, na sua grande maioria proprietária de automóveis, os casarões reformados precisam ter garagem coletiva e subterrânea.

SERÁ MULHER?

O governador Flávio Dino tem dito em seus recentes pronunciamentos que “espera do próximo governador ou governadora realizar o que deixou de fazer”.

Se o aviso for para os homens, a fila é grande. Mas se for para as mulheres, a fila é pequena e formada por Roseana Sarney (quem,sabe?), Eliziane Gama, Maura Jorge, Kátia Bogéa e Cleide Coutinho.

REFORMA DA ACADEMIA

Quando se fala em reforma do Centro Histórico, omite-se o trabalho a ser feito na Academia Maranhense de Letras, a ser restaurado por iniciativa do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

A obra de restauração da AML, será licitada ainda este mês, com recursos conseguidos pelo presidente Benedito Buzar junto à presidente e ao superintendente do IPHAN, Kátia Bogéa e Maurício Itapary.

NUNES O POLIVALENTE

Em todo o Governo há uma figura, que por ser ligada e da confiança do governador, assume o papel de polivalente.

No governo de Flávio Dino, até agora, quem tem sido o seu polivalente é o advogado Antônio Nunes.

Começou o governo no cargo de diretor-geral do Detran, depois foi remanejado para a secretaria de Governo e agora aportou numa tal Empresa Maranhense de Parceria.

Alguém pode me dizer o que faz essa Empresa Maranhense de Parceria?

EU E JOÃO GILBERTO

Uma das maiores glórias e alegrias que tive na vida foi o de ver o grande e inesquecível João Gilberto cantar e tocar violão numa apresentação especial, no Rio de Janeiro, no Teatro Municipal.

Isso aconteceu no começo dos anos 1960, quando ele começava a se tornar conhecido por introduzir na música popular brasileira o toque da bossa nova, que a transformou em coqueluche mundial. 

Quem dividiu comigo toda aquela emoção foi o grande e inseparável amigo, José Mário Machado Santos.

FAMA DO MARANHÃO

Não é de hoje que os políticos e os partidos maranhenses não são bem vistos por personalidades de realce, que deixaram, pelas suas ações e atuações, marcas indeléveis na vida brasileira.

Uma dessas personalidades foi Duque de Caxias que ao chegar ao Maranhão em 1838, para combater os revoltosos da Balaiada, na sua primeira proclamação ao povo maranhense, disse em alto e bom som: “Mais militar do que político, eu quero ignorar os nomes dos partidos que por desgraça entre nós existem”. 

sem comentário »

O ENCONTRO DE FLÁVIO DINO COM SARNEY

0comentário

Sabendo que o ex-presidente José Sarney estava de viagem marcada para São Luís (sexta-feira, 28 de junho), aguardei a sua chegada para ouvir de viva voz o que ocorreu em Brasília, na tarde de 24 de junho, quando ele e Flávio Dino encontraram-se e conversaram durante duas horas, de modo respeitoso.

O encontro histórico, assim chamado pelo deputado Roberto Costa, veio à tona por iniciativa do governador maranhense, que, nos últimos tempos, encarnou o papel de impiedoso adversário político do sarneísmo, mas teve como intermediador o ex-presidente do PC do B, Renato Rabello, amigo de longas datas de Sarney.

Acertado o onde, quando e como, Flávio, que se fazia acompanhar do deputado comunista, Orlando Silva, foi recebido diplomaticamente na residência depor José Sarney, a e Sarney Filho, que deixaram Flávio à vontade para iniciar a longa e amistosa conversa, com a participação apenas do anfitrião e do governador. 

A conversa inicia com Sarney dizendo a Dino que, com respeito à política maranhense, se manterá em silêncio, pois dela se afastou em função da avançada idade, tanto que passou o bastão para Roseana, Sarney Filho e o neto, José Adriano.

O assunto que veio à baila em seguida, gira em torno da situação política nacional, em que ambos, apreensivos com os atos e os fatos que acontecem no país, precisam ser vistos e discutidos à luz dos preceitos democráticos e da legalidade.

Nesse particular, Sarney anuncia o lançamento de um livro de sua autoria, por meio do qual espera contribuir, em razão da experiência e do conhecimento, para o Brasil sair dessa crise sem o uso de medidas radicais e inconstitucionais.

 Em seguida, a conversa descamba para a temática literária, que Sarney espera dedicar-se de corpo e alma, com livros, alguns já lançados e ofertados ao governador.

Após esse momento literário, a palavra fica com Flávio Dino, que a usa para dissertar sobre assuntos de São Luís, onde executará o projeto “Nosso Centro”, para beneficiar o Centro Histórico e adjacências, com a aplicação de R$ 140 milhões, destinados a revitalizá-lo e dinamizar o turismo e a economia.

Sarney, aproveita a oportunidade para reclamar do pouco interesse do Governo com relação ao Convento das Mercês, ao qual doou e deixou um acervo de grande relevância cultural, artístico e histórico, mas sem receber um tratamento adequado, fato que o governador promete apurar e corrigir.

Terminado o encontro, que suscitou tanta controvérsia, uma pergunta se faz necessária e imperiosa: o que realmente Flávio Dino desejava de Sarney, naquela tarde brasiliense, se não estava em jogo qualquer proposta de acordo político a nível estadual?

Parafraseando Pirandello, diria que assim se me parece o gesto do atual governador: mostrar ao país que por pensar em sua candidatura a Presidente da República, procurou Sarney para uma conversa, não apenas por ser uma das figuras mais proeminentes do centro político brasileiro, mas que está aberto e pronto para dialogar com forças políticas semelhantes, sem as quais a sua candidatura não sairá do chão e sem chance de ele subir a rampa do Palácio do Planalto.

Flávio Dino também sabe que se apoiado só por grupos esquerdistas, sua candidatura corre o risco de não se viabilizar, haja vista as últimas eleições presidenciais, em que Lula e Dilma Rousseff galgaram ao poder porque tiveram como companheiros de chapa, respectivamente, o empresário mineiro, José Alencar, e o ex-deputado paulista Michel Temer.   

A propósito: reportagem da revista Veja, na semana passada, mostra que até agora só existem sete candidatos a candidatos à Presidência República: Jair Bolsonaro, Ciro Gomes, Sérgio Moro, Fernando Hadad, Rodrigo Maia, Wilson Witzel, João Dória e Luciano Huck.

Em tempo: a entrevista do governador Dino ao Jornal Pequeno, domingo passado, coincide literalmente com o que Sarney manifestou a este jornalista. Parabéns aos dois.

JUÍZA E PROMOTORA

Estou feliz e alegre com as presenças da magistrada, Mirela Freitas, e da promotora, Carla Mendes, na Comarca de Itapecuru-Mirim.

Desde que chegaram na minha terra, passaram a desenvolver um trabalho harmonioso e profícuo, que culminou, dias atrás, no lançamento de um projeto extremamente importante e saudável chamado “Teia de Sustentabilidade”.

Por meio desse projeto, a juíza e a promotora sensibilizaram a comunidade, sobretudo os jovens, da rede pública estadual e municipal, para a preservação do meio ambiente, a inclusão social e a promoção da saúde.

FESTAS JUNINAS

Quero parabenizar o Governo do Estado pelo espetacular festejo junino que São Luís viu este ano.

Há muito tempo eu não via a população e a cidade se mobilizarem em torno de um evento que funcionou maravilhosamente.

Menção especial para o arraial do IPEM, onde a montagem de um ambiente cenográfico, encantou o povo e virou a grande atração do evento junino.

O GLOBO NA CONTRA MÃO

Profundamente lamentável o tratamento discriminatório da TV Globo com relação aos festejos juninos de São Luís.

Como pode a principal emissora de televisão do país priorizar e destacar eventos realizados nas cidades pernambucanas e paraibanas, à base de forró e de quadrilhas (cada vez mais carnavalescas), e deixar de lado e não mostrar ao Brasil as ricas e maravilhosas manifestações populares e folclóricas do Maranhão?        

REDE HOTELEIRA

Tenho um amigo que mora em Brasília e, na época dos festejos juninos, precisou vir a São Luís para tratar de assuntos profissionais.

Dos hotéis mais sofisticados aos mais populares, todos lotados.

 A solução foi procurar uma casa de saliência (motel), onde hospedou-se, mas ficou em estado de abstinência e jejum sexual.

TROCA-TROCA

O governador Flávio Dino fez algumas mexidas no primeiro escalão do Governo.

Na secretaria da Cultura, tirou o apagado Diego Galdino e nomeou o desconhecido Anderson Lindoso.

Tomara que não seja uma troca de seis por meia dúzia.

DO CEUMA AO PALÁCIO

O técnico José de Jesus Azzoline, cuja vida profissional é marcada pela competência e honestidade, mudou de pouso.

Na iniciativa privada ou no setor público, Azzoline é o mesmo: trabalha com dedicação e responsabilidade.

Ao deixar o CEUMA recebeu imediato convite de Marcelo Tavares, para prestar serviços na Casa Civil do Governo.

EU E LOURIVAL

Este jornalista, que aos domingos ocupa a metade da segunda página do Caderno Alternativo, e o desembargador Lourival Serejo, integrantes da Academia Maranhense de Letras, recebemos comunicação do presidente da Academia Brasiliense de Letras, de que fomos eleitos para compor o Quadro de Membros Correspondentes daquela Instituição.     

BOIS DE PARINTINS

Observei nestas festas juninas, que alguns Bumba-Bois estão cometendo um crime contra a nossa cultura popular.

Influenciados pelos Bois de Parintins, trocaram a melodia de nossas toadas pela dos amazonenses.

A Secretaria da Cultura precisa ficar atenta a essa distorção e não ajudá-las financeiramente, ato da alçada do Governo do Amazonas.

DEFINIÇÃO DE ILHA

Ao assumir o cargo de prefeito de São Luís, em 1965, o novo gestor da cidade, Epitácio Cafeteira assim a definiu: – É uma ilha cercada de bosta e de buraco por todos os lados.       

sem comentário »