A decisão enferma

0comentário

Dependentes de álcool e outras drogas padecem de um dilema há muito conhecido por todos: SEMPRE DEIXAR PARA AMANHÃ a decisão de parar de BEBER ou usar DROGAS. Algumas expressões , como: “essa foi a última vez que bebi”, “depois dessa, não bebo nunca mais”, “essa quase me mata, vou parar”, são muito comuns entre essas pessoas e  são promessas, normalmente, formuladas após um consumo descontrolado de álcool e outras drogas, quase sempre carregadas  de culpa e arrependimento. E qual é a nossa surpresa ao perceber que pouco tempo depois, às vezes no dia seguinte ou no próximo fim de semana, repetem tudo novo. E assim vai dia após dia, semana após semana, mês após mês e ano após ano.

Por não cumprirem suas promessas, essas pessoas acabam sendo ridicularizadas e caindo no descrédito, especialmente da família e amigos, os quais atribuem tais afirmações à famosa ressaca da segunda-feira. muitos dizem:: “essa promessa já se conheço, é só conversa fiada!” ou “fulano só diz isso, quando está  de ressaca!”.

Essa ambiguidade entre os dependentes foi por muitos anos entendidas como um problema sério, cuja interpretação residia no âmbito moral ou em algum distúrbio de caráter. Muitos eram considerados e ainda hoje o são,  fracos, frouxos, covarde e irresponsáveis, por não cumprem o que prometem.   O próprio sujeito envolvido com esse problema se sente muito mal, pois apesar de a doença prejudicar sua capacidade de julgamento e avaliação sobre seu comportamento, ele também percebe que bebendo e consumindo drogas como o faz regularmente, gerará mais problemas a cada dia e que, se não mudar, a situação tende a piorar. Sente também que algo consigo está errado, pois em muitos casos há um desejo realmente de parar de beber ou de usar droga, ao mesmo tempo percebe que não consegue realizar seu intento.

Passam, então, a viver com mais esse problema angustiante de não conseguirem, por si mesmos, livrarem-se de algo que reconhecem como sendo algo prejudicial à sua vida e à dos outros e pouco podem fazer para mudar.

Muitas contribuições científicas têm procurado esclarecer as bases da dependência química,e sobre ela já acumulamos muitos conhecimentos, especialmente nos últimos 25 anos para cá e na realidade, não é novo a preocupação científica sobre as ambivalências desses enfermos. De fato, pois há anos se sabe que uma das maiores dificuldades dos dependentes é o de tomar uma decisão firme e segura quanto seu mudanças de comportamentos esse é um dos piores dilemas desses pacientes, isto é, permanecer bebendo e usando drogas muito embora queira de certa  forma parar.

Há muitos trabalhos científicos, especialmente realizados com esquizofrênicos e portadores de Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC), que também apresentam sintomas clínicos de ambivalência e muitas dificuldade em tomar decisão. No universo das doenças mentais, muitas enfermidades impedem esses enfermos de tomarem decisão com adequação.

Tomar decisão é uma atitude que, semelhantemente a muitas outras, implica no equilíbrio neurofisiológico do cérebro, de tal forma que qualquer alteração que haja nesse órgão poderá acarretar prejuízos formais às funções regidas pelo mesmo. Avançou-se tanto no campo da neurociência do comportamento acerca da capacidade de decidir dos seres humanos que hoje se fala até em uma “neuroanatomia da tomada da decisão”, isto é, na existência de uma área do cérebro encarregada de garantir a capacidade humana de decidir.

Evidentemente, que  decidir, é uma ação ultra complexa, não se revela tão somente por uma disfunção verificada apenas em uma estrutura neuroanatômica e funcional do cérebro, decidir requer respostas em bloco, originadas a partir da inter-relação de diferentes partes desse órgão.

A ciência descobriu uma área importante do cérebro, que quando não funciona adequadamente, provoca, entre outras coisas, a incapacidade de tomar decisão. Esse conhecimento foi certamente um dos mais importantes avanos  em neurociência, dos últimos anos pois se esclarece um dos sintomas cruciais da dependência de álcool e outras drogas, qual seja a indecisão sobre parar de beber ou usar drogas, mesmo sabendo dos graves problemas ocasionados por essa prática. Isso explicaria, entre outras coisas, o fato de o alcoolista e de outros dependentes repetirem, compulsivamente, o consumo da substância.

Todos sabem que álcool e outras drogas, por agirem no cérebro, acarretam importantes disfunções em diferentes áreas cerebrais, as quais irão repercutir na saúde física, mental e comportamental desses usuários. A tomada de decisão é uma delas. Essa capacidade implica um mecanismo que integra estímulos recebidos, relaciona valores, verifica objetivos de vida, estado emocional e situação social das pessoas. Envolve flexibilidade, planejamento e, sobretudo, pensar nas conseqüências sociais e pessoais do comportamento.

As contribuições neurocientíficas, que nos ajudam a entender melhor a indecisão, vêm se desenvolvendo há alguns anos e a região cerebral arrolada com essa função é denominada córtex óbito-frontal, região extremamente importante para processar, avaliar e filtrar informações sociais e emocionais. Essa região anatomicamente compõe uma superestrutura cerebral das mais importantes para o comportamento dos humanos e, entre outras coisas, torna o homem diferenciado dos outros animais. É a parte do córtex cerebral da região pré-frontal dorso lateral esquerda, situada na região retro orbitária. Todo comportamento tem relação com o córtex óbito-frontal, mas não se pode classificar a sua função em relação ao comportamento em uma única categoria.

Esses achados abrem novas perspectivas para a conquista de conhecimentos imprescindíveis para realização de tratamentos, sobretudo farmacológicos, mais eficazes aos dependentes de álcool e de outras drogas, bem como inauguram novos horizontes e oportunidades de se compreender melhor a clínica da indecisão patológica.

Sem comentário para "A decisão enferma"


deixe seu comentário