LISIANE, MINHA IRMÃ

0comentário

Lisiane, a segunda filha de Deonila e Abdala Buzar, nasceu em Itapecuru-Mirim a 20 de fevereiro. À sua frente, apenas eu. Depois dela, mais seis, pela ordem de nascimento, Raimundo, João Batista (já falecido), Maria Célia, Jorge, Amélia e Lélia.

Eu e ela, por sermos os primeiros de um batalhão de oito irmãos, usufruímos um privilégio que os nascidos depois de nós não tiveram.

A partir dos primeiros dias de vida, eu, por ser o primeiro da fila, vi-me envolvido pelos afagos de Rafiza e João Buzar,  os avós paternos. Tudo fizeram por mim e sem esconder de ninguém. Como neto preferido, tive o direito de receber carinho, benesses e bens patrimoniais, alguns, transferidos ainda em vida para o meu nome.

Lise, a segunda da fila, também, foi alvo de desvelo e da preferência de avós maternos, Neuza e José Paulo Pinheiro Bogéa. Encantaram-se de tal modo por ela, que fizeram questão de levá-la para o convívio deles.

Lise, portanto, foi uma criança criada à parte e de modo diferente dos irmãos. Ainda que a gente morasse na mesma cidade e fosse da mesma família, a criação dela foi marcada por uma linha bem distinta. Seus gostos e vontades nunca deixaram de ser atendidos.

No tocante à educação, por exemplo, ela começou a estudar em São Luis antes de todos nós. No internato do Colégio de Santa Tereza, época em que o estabelecimento era privativo de gente rica, passou bons anos. Ao sair do internato, morou na casa do tio e médico Paulo Bogéa, que dava a ela e à filha, Maria Paulo, severa orientação moral, espiritual e educacional.

Lise, na infância e boa parte da adolescência, por viver mais em São Luis do que em Itapecuru, teve pouca convivência com os irmãos e os pais verdadeiros. Essa situação perdurou até quando a avó, Neuza, veio a falecer, vítima de ataque cardíaco. A neta sofreu como nunca.

A morte inesperada da avó, que chamava de mãe, e com quem aprendeu prendas domésticas e a cozinhar divinamente, alterou completamente a sua vida. Depois de muita relutância, o avô paterno, afinal, concordou entregá-la aos pais, Deonilla e Abdala, que a receberam de braços abertos e efusivamente. Com os irmãos, relacionou-se rapidamente e sem constrangimento. Na nova família só estranhou a falta de certas bonomias, que só avô e avó são capazes de oferecer.

Não lembro o ano de seu retorno ao nosso convívio, mas sei que ocorreu sem traumas, o que facilitou a sua adaptação ao novo lar. O sangue dela era igual ao nosso, por isso, a nossa reaproximação foi integral e em harmonia.

Na sua volta, identificou-se imediatamente com o espírito festeiro e alegre do nosso pai, Abdala. Era a primeira a se apresentar para acompanhá-lo nas brincadeiras de carnaval de rua, quando ele se fantasiava para jogar talco nas pessoas.

Esse seu lado festeiro, dava ensejo aos organizadores da Festa do Divino Espírito Santo a convidá-la, todos os anos, para encarnar a figura da Imperatriz. Ao lado do Imperador, ambos vestidos a caráter, saiam pelas ruas da cidade, acompanhados de orquestra e das caixeiras, à cata de donativos e jóias para os leilões noturnos.

Lise só começa mudar a rotina de menina-moça quando encontra um namorado que pensa ser o homem ideal de sua vida e com o qual noiva, casa e tem três filhos, Evandro, Marcus Aurélius e Neusa. Depois de certo tempo de casada, a união entra em crise e ingressa numa fase que só a separação dos corpos resolve o problema do casal.

Solteira, com o passar dos anos, torna-se funcionária da Secretaria de Educação Municipal e depois de longo e exaustivo trabalho, aposenta-se. Pela dedicação à atividade, retorna ao lugar de origem, onde fica até adoecer. Nesse tempo, trava conhecimento com uma pessoa generosa e retilínea, chamada Orlando, do qual se torna companheiro durante 30 anos.

Novamente casada, surge o inesperado. Ela, que era uma fortaleza de saúde, sem aviso prévio, é atacada por um câncer de forma traiçoeira. Mas não se deixa abater, vai à luta e consegue, após penoso tratamento, dar a volta por cima, mercê de sua pertinácia e coragem.

O seu sorriso largo, depois de derrotar o câncer, localizado na região intestinal, volta a espargir-se pelo seu rosto, na suposição de que nunca mais seria molestada pela insidiosa doença.

Ledo engano. Nos primeiros meses de 2015, os sintomas da perigosa doença ameaçam novamente atacá-la, a despeito dos cuidados e das alertas. Tentamos reanimá-la e a persuadi-la de que o infame câncer já fora consumido pelo tempo. Médicos são procurados e exames são realizados, com vistas ao encontro do diagnóstico.

Lamentavelmente, o diagnóstico foi implacável. Após nove anos, a doença retorna e com mais crueldade. Viaja para São Paulo, onde o filho, Marcus Aurelius, comandante da TAM, a interna no Hospital Sírio-Libanês para os procedimentos de rotina. O resultado não discrepa do obtido em São Luis e a recomendação médica era uma só e urgente: submeter-se-ia às sessões quinzenais de quimioterapia, desta feita, mais rigorosa, porque o carcinoma avançara de forma avassaladora.

Em São Luis, Lise suporta apenas duas aplicações de quimioterapia, ambas violentas, no Hospital Aldenora Belo, que lhe empresta toda a assistência médica e hospitalar possível, mas, infelizmente, sem sucesso, haja vista a deflagração de uma infecção generalizada, cientificamente chamada sepsemia.

Foram dias terríveis e dramáticos para ela e para nós. Indefesa e só com as armas da fé ela lutava na crença de que os médicos e enfermeiros, que a acompanhavam dia e noite, pudessem livrá-la daquele deplorável quadro de desespero e de aflição

Com o passar dos dias, as esperanças foram se diluindo, pois nada dava certo para reabilitá-la.  Seu definhamento era visível e não deixava margem de que o pior estava por vir. A sua via crucis acaba depois de 14 dias de internação. Às 15 horas e 15 minutos, de 22 de agosto de 2015, aquela brava mulher chegava ao fim da vida, ela, que passou por vários reveses, mas sem nunca perder a alegria, sua inseparável marca registrada.

Lise partiu para a eternidade, mas ao longo de seu padecimento, sempre contou com a solidariedade, o carinho, o afeto e a assistência do esposo,  filhos, irmãos, netos,  bisnetos, sobrinhos, cunhados e  amigos, que, jamais vão esquecê-la, sobretudo da alegria de sua alma, que se estampava no seu rosto pelo imenso sorriso, que emanava de um coração tão ardente quanto bondoso.

Sem comentário para "LISIANE, MINHA IRMÃ"


deixe seu comentário