O fator Roseana

8comentários

Um ex-prefeito, intimamente ligado ao governador Flávio Dino, ao encontrar-se comigo no restaurante preferido dos políticos, em São Luís, colocou a mão no meu ombro, puxou-me para o lado, afastando-me dos demais, e me perguntou meio que sorrateiramente se eu acredito que Roseana será candidata a governadora do Maranhão na eleição de 2018.
Vi em seus olhos a chama de uma curiosidade honesta. Curiosidade que se justifica plenamente, uma vez que informação é um capital importantíssimo, ainda mais em tempos toscos como esses pelos quais estamos passando.
O erro dele foi imaginar que eu pudesse realmente saber a verdadeira intenção de Roseana no que diz respeito a seu destino político e eleitoral. Ele, bem como outros, nem imaginam que eu devo ser a pessoa menos qualificada para prestar um depoimento confiável, pelo menos do ponto de vista da pessoa em questão. Eu só sei o que eu faria no lugar dela!
O motivo daquela pergunta se deve ao fato de que o quadro político-eleitoral maranhense será um com Roseana disputando a eleição e outro completamente diferente sem ela na disputa. Todo mundo sabe, inclusive os correligionários de Flávio Dino, que caso Roseana seja candidata, muita gente ficará com os “passes” supervalorizados!
Acredito que faz muito tempo que Roseana não se sente tão feliz! Na verdade não lembro quando ela tenha sido assim tão paparicada por políticos e pelo povo em geral, exatamente para ser candidata!
Lembro-me de alguns momentos de gloria pelos quais ela passou: Quando seu pai era presidente da República; Quando ela encabeçava um grupo de deputados favoráveis ao impeachment de Collor; durante seu primeiro mandato como governadora; e quando, mesmo doente, venceu uma eleição sem sair da cama do hospital.
Fora esses momentos, apenas este agora, quando ela é conclamada a ser candidata ao governo do Maranhão, como sendo a única pessoa capaz de enfrentar Flávio Dino com chance de vencer, pode ser inscrito em sua biografia como momentos de verdadeira felicidade e grande contentamento.
Apenas em horas como estas é que o político se sente realmente realizado. Quando seus correligionários imploram para que ele entre numa disputa, quando o povo diz que ele é a única opção a se contrapor ao status quo, quando até seus ocasionais adversários gostariam que ele se candidatasse, pois assim eles seriam mais valorizados pelo poder dominante.
É!… Tenho certeza que Roseana está muito feliz com todas essas manifestações de apoio e solidariedade, e com a grande quantidade de apelos que ela tem recebido para se candidatar ao governo em 2018.
É aí que começo a pensar e me pergunto. Por que será que Roseana não foi candidata a senadora em 2014? Se tivesse sido teria ganhado, mesmo que com certa dificuldade. Seria a primeira vez no Maranhão que uma chapa majoritária elegeria o governador e a outra o senador. Teria feito história e teria estabelecido claramente que aquele pleito não foi hegemônico.
Se ela se afastou da política eleitoral em 2014, quando todos precisavam tanto dela, por que voltar agora, em uma situação desfavorável? Parece incoerente!…
Talvez o meu raciocínio extremamente pragmático não consiga ver o que há por trás de toda essa história. Talvez eu entenda menos de política que eu e algumas pessoas imaginamos. Ou talvez eu esteja certo e Roseana realmente não será candidata a governadora.
Caso realmente ela não venha a ser candidata, o pleito será gélido, a vitória do atual governador será certa, os correligionários dele valerão menos que seus opositores, exatamente como ocorria quando o grupo Sarney mandava no Maranhão.
Caso ela seja candidata o cenário ficará bastante movimentado. O seu grupo poderá garantir a eleição de um senador, suas bancadas estadual e federal se fortalecerão para a disputa e até os adversários de seus aliados, nos municípios, ficarão mais valorizados pelo atual governo, que como os governos de antes, relega os políticos a um terceiro plano.
Só Flavio Dino tem algo a perder se Roseana for candidata ao governo em 2018.

8 comentários »

“Vamo Arreuní, Vamo Guarnicê…”

0comentário

O Festival Guarnicê de Cinema completa em 2017, 40 anos de existência, e resolvi contar pra você um pouco de minha relação com este que é um dos mais antigos festivais de cinema do Brasil.
No início dos anos 1980, mais precisamente em 1983, eu, Celso Borges, Roberto Kenard, Paulinho Coelho e Érico Junqueira Aryes, secundados pelo cartunista Cordeiro Filho, pela jornalista Dulce Brito e pelo músico Ronaldo Braga, criamos a Revista Guarnicê, publicação voltada para a cultura de modo geral, com foco na literatura. Na Guarnicê havia espaço para tudo e todos, tanto que em 1984, para apoiar um parceiro de aventuras, o jornalista e cineasta João Ubaldo de Moraes, eu criei a Guarnicê Produções, que a princípio só existia como marca de fantasia.
Em parceria com Ubaldo e incentivado por Ivan Sarney, realizei meus primeiros trabalhos em super 8. Depois, também Zé Louzeiro passou a nos apoiar.
Comprei uma câmera, um projetor, uma moviolazinha… Aprendi o ofício de fazer cinema da maneira mais rudimentar que poderia existir, mas era algo maravilhoso. Para mim era melhor que a literatura, que tanto exigia de mim, um disléxico.
A primeira realização da Guarnicê Produções, tendo eu e Ubaldo como roteiristas, diretores, produtores, editores, sonoplastas… Só não fomos neste filme, atores… Estou falando de “The Best Friend – O Amigão”, um filme que se pode chamar de experimental, uma vez que se utiliza da mímica para contar sua história.
Nesta película, duas mãos se relacionam! Uma mão brasileira e uma mão americana, ambas identificadas pelas cores nos punhos de suas luvas brancas e pelas músicas que cantarolam, quando elas aparecem.
Aqueles ainda eram os tais anos de chumbo. O FMI estava em todas as notícias dos telejornais e o nosso filme falava exatamente disso.
A mão americana oferecia dinheiro à mão brasileira, que aceitava e pagava juros exorbitantes, como se via acontecer na telinha.
A história se desenrola e há um “grand finale” que ainda hoje, quando o assunto não está mais em voga, ainda surpreende por sua originalidade.
Devo dizer, para ser justo, que, para aquela época, aquela foi uma boa produção, mas vendo alguns detalhes referentes exatamente à produção daquele filme, hoje, tenho vontade de chorar!
Resultado: “The Best Friend – O Amigão” ganhou dois prêmios. O de melhor filme maranhense, pelo júri técnico e o de melhor filme do ano, pelo júri popular, que compareceu às sessões do festival naquele ano de 1984.
Depois disso continuamos, eu e Ubaldo produzindo outros filmes.
Acabada a Revista Guarnicê, eu que naquela época já estava na política, já era deputado estadual, resolvi ser deputado federal constituinte, o que me afastou de São Luís e das atividades artísticas e culturais.
Mesmo que não estivesse totalmente afastado, pois não parei de participar da vida artística, literária e cultural de modo geral, demorou 23 anos para que eu voltasse a me atrever a fazer cinema, formalmente.
Em 2007 realizei “Padre Nosso”, que na verdade foi um ensaio, para que pudesse me familiarizar com as novas tecnologias, agora já tão avançadas.
Em 2008 realizei “Pelo Ouvido”, filme com o qual repetiria a façanha de ganhar mais dois prêmios no Festival Guarnicê de Cinema, melhor atriz para Amanda Acosta e mais uma vez, melhor filme do festival, pelo júri popular.
O “Pelo Ouvido” saiu daqui e foi selecionado para mais de 120 festivais de cinema do Brasil e do exterior, onde no final de dois anos tinha ganhado 21 prêmios.
Em 2016 duas produções das quais fui coprodutor sagraram-se campeãs em suas categorias. “Macapá”, cujo diretor é o jovem promissor cineasta Marcos Ponts e “Joca e a Estrela”, em parceria com a Dupla Criação, que tem feito trabalhos primorosos em animação.
A minha história com o Guarnicê é essa, mas a história do Guarnicê com a cidade de São Luís e com o cinema do Maranhão é algo muito maior.
Viva o Festival Guarnicê! Viva o cinema Maranhense!

sem comentário »