Referências!…

0comentário


Referências, para mim, são como bebida e comida, água e pasto… Cabe aqui uma pergunta para confrontar o poeta: “A gente tem sede de quê!? A gente tem fome de quê!?…”

Toda vez que assisto à série Billions, tenho mais certeza de como é importante sermos bem informados sobre tudo o que aconteceu e acontece no mundo. O conhecimento, a informação, o acesso sobre diversos pontos de vistas dos fatos históricos é, em minha opinião, uma das coisas mais importantes, enquanto somos passageiros desta nave chamada erradamente de vida.

A quantidade de informações salpicadas no decorrer de cada episódio de Billionsconstantemente nos confronta com essa necessidade!…

Imaginem estar em uma conversa sobre a atual situação e a importância dos índios americanos no contexto daquela nação, e falarem que os descendentes das tribos nativas da América do Norte não representariam tanto problema hoje em dia, se os administradores dos assuntos indígenas, nos idos do século XIX, tivessem distribuído a eles mais alguns cobertores contaminados! Só quem conhece um pouco da história e das versões sobre ela, comprovadas ou não, é capaz de entender esse texto e seu contexto.

Outro detalhe importante ocorreu quando personagens de Billions comentaram sobre basquetebol, referindo-se à importância que teve Larry Bird naquele maravilhoso time verde de Boston da década de 1970, os Celtics. Só os verdadeiros conhecedores de basquete saberiam sobre o que falavam!…

Nem vou comentar aqui a infinidade de referências sobre negócios, mercados financeiros ou termos legais de advogados e procuradores, assuntos e objetos principais da série. São tantas referências sobre esses temas que, se os quisermos acompanhar, só pausando o filme e recorrendo ao Pai Google, pois sobre a maioria delas, nós pobres mortais, nunca nem ouvimos falar.

Num episódio da quarta temporada, uma das referências chamou a minha atenção imediatamente, pois eu conseguia entender completamente o sentido do que estava sendo dito, mas não tinha a menor ideia sobre quem o Taylor e a Wendy estavam falando… Um tal de Kahn!…

Parei o vídeo e fui direto para o Google, pois não tenho mais nem a Delta-Larrouse, nem a Britânica, ou a Barsa ou a Mirador para recorrer… E se as tivesse, passaria horas até descobrir quem era o tal sujeito.

Só havia entendido a palavra Khan, e que o filho dele havia feito um filme a seu respeito, mas sabia também que o assunto envolvia urbanismo e arquitetura. Fui logo digitando o nomee apareceu: “Louis Isadore Kahn foi um dos grandes nomes da arquitetura mundial. Louis Kahn nasceu na Estônia, mas sua família mudou-se para os Estados Unidos, quando Kahn tinha apenas 5 anos. Foi naturalizado americano em 15 de maio de 1914”.

Mas isso não acontece só desta forma! Você, em uma conversa despretensiosa, se depara com assuntos de que jamais ouviu falar e para não ficar com cara de bobo, assim que pode, saca o smartphone, acessa algum espaço virtual que o coloque up-to-date sobre o papo, e de repente você está de volta, ligado e sincronizado!…

Outro dia dei uma carona para meu eterno mestre, Sebastião Moreira Duarte, que dos homens com quem convivo, é o mais culto, e estávamos conversando sobre a série que estou produzindo e dirigindo a respeito do padre jesuíta Antônio Vieira. No meio da conversa e inspirado por ela, comecei a viajar numa possível abordagem do tema jesuitismo… Repentinamente, Marcelo, meu motorista, deu uma freada. Olhei para ele e vi que ele ficou distraído com nossa conversa e se descuidou do volante, bem na hora em que eu e Sebastião comentávamos sobre as personalidades fortes tanto de Vieira quanto de Savonarola…

Savonarola!… Quem seria capaz de dizer quem foi Savonarola, mas sem recorrer ao Google!?…

Como comecei esse texto confrontando um poeta, quero encerrá-lo confrontando outro: “Ideologia! Eu quero uma pra viver!” Ao que respondo: Neste momento só a ideia pode nos livrar das ideologias, desgastadas e carcomidas por seu mau uso, meu caro amigo poeta, amigo do beija-flor.

sem comentário »

Justo reconhecimento

4comentários

J

É público e notório que faço restrições ao atual governo do Maranhão, mas é igualmente do conhecimento de todos que procuro sempre ser correto e justo em minhas ações e atitudes.

O fato de acreditar que o atual governo trouxe poucas mudanças para o quadro político do Maranhão, trocando algumas vezes o modus operandi e outras vezes o cenário dos acontecimentos, mas permanecendo na maioria das vezes com resultados idênticos aos de governos anteriores, não faz com que eu desconheça que em alguns aspectos aconteceram boas mudanças e até algumas evoluções.

Da mesma forma que vejo retrocessos em diversos pontos e igualdade em outros tantos, não posso negar que houve avanços.

Exemplo dessa escala pode ser visto claramente na SECMA. Se por um lado ela está completamente aparelhada, só dando apoio a quem se alinha de alguma maneira ao governo (vejam o caso do MAVAM), por outro lado ela continua prestigiando enormemente o Carnaval e o São João, coisa que governos anteriores já faziam.

Eu não seria correto se não reconhecesse a boa mudança que tem acontecido no setor audiovisual. Primeiro por ter sido implantada no IEMA, uma escola de cinema, mesmo que de forma precária (tanto que os primeiros equipamentos daquela escola, foram doados exatamente pelo MAVAM), é uma ação que demonstra interesse por esse importante setor da cultura e da economia criativa.

Há outro fato que deve ser citado. Em 2015 foi realizado o 1º Arranjo Regional entre a ANCINE e a SECTUR. A Agência disponibilizou 2 reais para cada 1 real aportado pelo Maranhão, o que resultou em 3 milhões de reais em projetos audiovisuais.

Este ano a ANCINE mudou a proporção, e como o Maranhão vai aportar novamente 1 milhão de reais, ela contribuirá com 5 milhões para o novo projeto de Arranjo Regional.

Mas há ainda outro fato que deve ser mais louvado. O município de São José de Ribamar se candidatou a participar do Arranjo Regional 2019, aportando 500 mil reais nele. Por ser um município que não é capital de estado, tem o privilégio de receber da ANCINE 6 reais para cada um que conveniar, o que totalizaria 3,5 milhões de reais a mais circulando no setor audiovisual do Maranhão. Ocorre que a prefeitura de Ribamar, devido à crise que aflige nosso país, iria desistir de participar deste projeto por não conseguir o montante pelo qual se comprometeu.

Foi aí que surgiu uma pessoa extraordinária! Uma mulher incansável! Uma produtora audiovisual incrível, que chamou para si a responsabilidade de resolver esse problema e buscou sensibilizar pessoas que pudessem ajudar o setor audiovisual do Maranhão a não perder 3,5 milhões de reais.

Sheury Manu falou com diversas pessoas, e conseguiu para a causa do audiovisual maranhense a simpatia do deputado Duarte Junior, a quem eu também faço restrições comportamentais e políticas, mas reconheço que neste caso ele ajudou bastante.

Por sorte Manu encontrou-se em um evento com o governador e conseguiu expor-lhe a questão, que pelo que me contaram, entendeu imediatamente o caso, com uma incrível praticidade cartesiana, que resultou na solução do problema.

Com o convênio que será feito com a Prefeitura de São José de Ribamar, o Maranhão aportará nos projetos de Arranjos Regionais de 2019 a quantia de 1,5 milhão de reais e a ANCINE entrará com 8 milhões, o que colocará no setor audiovisual maranhense 9,5 milhões de reais em projetos a serem aprovados por editais.

Não há como negar os fatos. Quando se faz necessário, não há como deixar de aplaudir ou de agradecer.

PS: Meia dúzia de babacas vão já dizer, nas redes sociais, que estou me oferecendo para Flávio Dino… É que estas pessoas não são capazes de entender o que é correto.

4 comentários »

Ainda sobre o MAVAM

0comentário

Fiz grande esforço para não tocar neste assunto, mas não aguentei e sucumbi!

A Fundação Nagib Haickel fez circular um documento comunicando que a partir de 1º de julho, o MAVAM – Museu da Memória Audiovisual do Maranhão suspenderá suas atividades, por não mais estar conseguindo manter satisfatoriamente em funcionamento este serviço, prestado gratuitamente à comunidade maranhense.

Depois de publicado o comunicado começaram a chover telefonemas, postagens nas redes sociais, mensagens de diversas formas e provenientes de diversos remetentes, todas de surpresa, mas principalmente de apoio, solidariedade e esperança de que em breve o MAVAM volte a funcionar regularmente.

O secretário geral da Academia Maranhense de Letras, Sebastião Moreira Duarte, publicou na semana passada um maravilhoso artigo tratando deste assunto, porém ressalto que outras tantas mensagens foram também muito significativas para nós.

Recebi um e-mail da ex-primeira dama do Maranhão, dona Eline Murad, onde ela dizia estar penalizada com o acontecido e nos oferecia sua solidariedade. Fiquei muito sensibilizado por ser a remetente uma pessoa tão respeitada e querida por todos.

Vi também o comentário de Kassandra Benevides, na página do MAVAM no Facebook, que dizia o seguinte: “Amo este lugar com todas as minhas forças!”. Amei essa declaração de Kassandra!

O colecionador e membro do IHGM, Antonio Guimarães, publicou em sua página no Facebook um belo texto que bem retrata essa situação, vista pelo prisma de alguém que vive neste segmento cultural.

Não foi surpresa saber dos bons sentimentos de Adson Carvalho, um dos voluntários no MAVAM. Surpresa foi ler o belo e emocionante relato dele, um rapaz tímido e recatado, falando numa rede social sobre sua experiência no tratamento de nossos acervos fotográficos: “Faz pouco mais de três anos que eu venho colaborando como voluntário, com o MAVAM… Tenho executado ações de conservação, limpeza, reprodução, digitalização, guarda e catalogação de fotografias… Tenho me dedicado a cuidar de três coleções… Que já serviram de auxílio para conclusão ou complementação de monografias, dissertações, teses e até mesmo trabalhos pessoais de diversas pessoas que procuram nossa instituição, buscando apoio nas imagens de seus acervos… Enfim, esta instituição tem um papel primordial para preservação da história e da memória maranhense e nacional…”

Outro que se manifestou, desta vez em mensagem pessoal diretamente para mim, foi Ângelo Guimarães Rosa, que durante algum tempo, antes de se transferir para Curitiba, foi um dos que voluntariamente ajudaram o MAVAM:“Não é fácil ver algo tão bonito não florescer da forma que merece… A grandeza dos projetos que participei não era medida pelo montante da verba ou equipamentos empregados, mas sim pelo sonho em fazer parte de um momento único… O MAVAM significou esse sonho, estávamos construindo o retrato da história passada em nosso presente e isso era o que nos motivava ainda mais a participar deste projeto… A força motriz da nossa inspiração era sem dúvida a sua audácia e comprometimento… Por vezes eu vi você bancar um projeto e seguir até o fim com ele sem medir consequências, tudo em prol da realização do objetivo maior do ideal… Por fim, queria deixar claro o meu agradecimento por todas as realizações que fizemos juntos, e as oportunidades que o MAVAM me proporcionou…”.

O comentário no Facebook, de um experiente e calejado produtor audiovisual, Joan Carlos Santos, resume tudo: “Amigos, estou aqui pensando no MAVAM e comecei a contabilizar mentalmente a quantidade de material que existe lá. Acervos fotográficos de Edgar Rocha, Antonio Guimarães, Ribamar Alves, milhares de outras fotos das mais variadas procedências; O acervo do escultor Celso Antonio; Acervo de áudio de Talvane Lucato; Acervos de vídeos de Lindberg Leite, da VCR, da Phocus, de diversos cineastas; A produção de filmes próprios e com diversos parceiros, isso sem contar com o apoio que o MAVAM sempre deu a TODOS que o procuram! Imagino que por baixo, exista lá algo em torno de 100.000 fotografias em diversos formatos e mídias, umas 500 horas de acervos de áudio, umas 4.000 horas de vídeos não editados ou tratados e umas 200 horas de material finalizado”.

A mim só resta agradecer a todos que se solidarizaram conosco, nas pessoas de Sebastião, Dona Eline, Kassandra, Guimarães, Adson, Ângelo e Joan.

sem comentário »

Aquele que não devia morrer

0comentário

Esclarecimento necessário

Na reunião da Academia Maranhense de Letras, na última quinta-feira, dia 6 de junho, fui surpreendido por meu querido professor, amigo e confrade naquela Casa de Cultura, Sebastião Moreira Duarte, com a leitura do texto abaixo, sobre o MAVAM, Museu da Memória Audiovisual do Maranhão.

Antecipo ao prezado leitor que a generosidade que Sebastião demonstra para com a minha pessoa neste texto é demasiada, uma vez que as minhas atitudes quanto a este assunto são pura e simplesmente uma quetão existencial.

De qualquer maneira fico muito grato ao autor desta bela peça literária, e estendo este agradecimento a AML, por todo apoio e solidariedade que tem sido dado à Fundação Nagib Haickel, ao MAVAM e particularmente a mim.

Aquele que não devia morrer.

Sebastião Moreira Duarte

Escrevo estas linhas à beira-mágoa, como diria o poeta. Recusei-me, de início, a escrevê-las, sem saber se o que me afligia mais era a mágoa em si, ou a sua causa inesperada e inexorável.

Encontrei-me ausente de São Luís, por alguns dias. De volta, retomando uma pauta de trabalhos adiados e inadiáveis, amanheço batendo as aldrabas da porta grossa do Mavam, o Museu da Memória Audiovisual do Maranhão, aos pés da igreja do Desterro. Preciso de imagens para ilustrar algumas publicações próximas da Academia Maranhense de Letras.

Bato, e ninguém me ouve. Bato e insisto. Abre-me a porta, relutante, alguém que estava ali só para deixar a notícia: o Mavam bateu portas. Encerrou as suas atividades.

Desabo em desalento. (Nos tempos do velho Machado, eu diria: “enfiei!” – para dizer: “estremeci, fiquei pasmo!”)

E eu bem que podia evitar o longo percurso – quase 20 km! – até as portas fechadas do Mavam. Bastaria ter tido tempo para ler, nos jornais que se acumularam à minha espera, a nota pesarosa dada à imprensa pela pesarosa, mas ingênita elegância de Joaquim Haickel.

Desde a sua ideia inicial, o Mavam é grande e generoso como Joaquim Haickel, o seu criador, amparado, desde o prédio que o abrigava, até às instalações e equipamentos que o faziam funcionar, pela fundação que leva o nome de seu pai, o imenso Nagib. Como Joaquim Haickel, o Mavam era feito de teimosia. Seguia adiante movido por teimosia, a acendrada convicção que parecia ecoar, às margens do Bacanga, a expressão famosa que um dia Alfieri pronunciou ao pé dos Alpes, explicando-se a si próprio: “Eu quis. Eu quis sempre. Eu quis fortissimamente.” Desde menino, Joaquim Haickel queria o Mavam, desde estudante, desde os tempos dos filmes em super-8, desde o primeiro até o último Festival Guarnicê, Joaquim Haickel queria o Mavam. Joaquim queria fortissimamente o Mavam.

Muita gente pensava – e continuará pensado – que o Mavam era um órgão público. E não está/estava sem razão: trata-se de uma das mais públicas de nossas instituições privadas. (Em comparação, só a própria Academia, já pra mais de centenária, e que não tem outra razão de ser senão oferecer-se sempre, de portas abertas, ao público).

Não sei quantas vezes eu vi Joaquim Haickel se movimentando de um lado para outro – é quase impossível encontrá-lo parado! – atrás de velhos acervos familiares e profissionais, à cata de material para guardar e preservar no Museu de tantos usuários. Eu mesmo, já nem sabia mais que tinha tido sido comerciante em São Luís, quando um dia me vejo, em pulsante renovação de vida, junto com meu pai e meu irmão, cortando a fita inaugural de uma loja de eletrodomésticos que ia de uma rua a outra, no centro de São Luís. Que emoção, rever-me, ainda em sonhos de mocidade, resolvendo fazer-me rico em meio aos meus familiares! Quantas outras pessoas terão tido, poderiam ter, emoções iguais!

Foi por causa do Mavam que os maranhenses de ontem e de agora puderam ver as imagens da velha capital maranhense explodindo de dentro de seu centro histórico congestionado, abrindo-se pela ponte e pela barragem, por bairros e avenidas cuidadosamente calculados (e por imprevistos desvios da ideia original), segundo planos de um engenheiro teimoso chamado Haroldo Tavares. Tudo ficaria esquecido, irremediavelmente perdido, não fosse o cuidado de pesquisar, encontrar, adquirir e manter disponíveis documentos que tão facilmente se perdem e perecem.

Escolas de nossa rede pública e privada, instituições públicas e particulares podem dispor, ainda agora, de material insubstituível para aprender a História de sua terra, graças ao trabalho realizado pelo Mavam.

Mas o Mavam era, muito, Joaquim Haickel. Não vem ao caso indagar aqui por que dar-lhe fim, por lenta asfixia e final estrangulamento. Basta saber que a entidade era o indivíduo, a criatura era o criador. Este seria abatido, abatendo-se a sua criação.

Aprendi, desde os bancos escolares, que Y-Juca Pirama significa “aquele que deve morrer”. Queria saber como se diz, em língua de índio, “aquele que NÃO deve morrer”, para, assim, proclamar por sobre todos os telhados da Taba dos Timbiras: O Mavam NÃO deve morrer! O Mavam NÃO pode morrer!

E se, em definitivo, não for possível reabrir mais as portas do nosso Museu da Imagem maranhense, que se grave em seu epitáfio o que um amigo incomparável – e incomparável amigo do Maranhão, e seu historiador – mandou escrever sobre o seu túmulo: “Aqui dorme Carlos de Lima. Sob protestos”.

sem comentário »

Reforma política já!…

0comentário


Todo mundo vive falando em reforma da previdência, reforma tributária e medidas de contenção da corrupção e da criminalidade, mas não escuto ninguém falar na mãe de todas as reformas, sem a qual as demais serão inócuas, pois sem ela o mal maior não será combatido de forma eficiente, eficaz e efetiva, a reforma política.

Relaciono a seguir 11 pontos que em minha modesta opinião não podem estar fora da pauta da urgente reforma política que precisamos aprovar para que o Brasil volte a ser um país viável.

1 – Eleições gerais e coincidentes: Com votação para representantes populares para os poderes Legislativo federal, estaduais e municipais, num sábado e para os candidatos a cargos dos poderes Executivo federal, estaduais e municipais, no domingo imediatamente depois;

2 – Mandato de seis anos para todos os cargos: Sem reeleição para os cargos executivos. Sendo que os mandatos dos senadores passarão a ter a mesma duração dos demais congressistas;

3 – Voto universal, secreto, direto e majoritário para todos os cargos: como não poderia ser diferente, o voto tem que ser universal, secreto e direto. A inovação neste quesito fica por conta do voto passar a ser majoritário, acabando com a possibilidade de elegerem-se pessoas que não tenham a devida representatividade eleitoral direta;

4 – Eleições únicas para o Congresso: nossos representantes nas casas do Congresso Nacional, Senado Federal e Câmara dos Deputados, passarão a ser eleitos juntos e em pé de igualdade, só que os três congressistas mais votados de cada Estado serão eleitos senadores e os demais, serão eleitos deputados. Os suplentes serão sempre os subsequentes;

5 – Financiamento público de campanha: o financiamento das campanhas eleitorais será público, mas deve haver a possibilidade de empresas privadas e pessoas físicas contribuírem para um fundo que deverá ser dividido, pela Justiça Eleitoral, entre os partidos políticos, de uma forma a ser estudada, mas sempre de modo equânime e proporcional;

6 – Fidelidade Partidária: o político que se eleger por um partido só poderá sair dele no final do mandato. Não haverá prejuízo em caso de mudança partidária para uma nova candidatura por outro partido. No caso do voto do parlamentar, este pertence a ele e à sua consciência, e não ao seu partido;

7 – União, Federação ou coligação de partidos: deve haver a possibilidade de formação de grupos ideológicos em torno de propostas políticas que juntem força na eleição de seus membros, principalmente para a disputa de cargos executivos;

8 – Cláusula de barreira: os partidos deverão ter um desempenho mínimo para continuar existindo. Esse desempenho deve respeitar os casos de União, Federação ou coligação de partidos;

9 – Candidaturas avulsas: estas devem ser aceitas, pois um cidadão deve ter o direito de não desejar se filiar a nenhuma agremiação partidária e ainda assim vir a ser candidato a um cargo eletivo, principalmente pelo fato da eleição passar a ser majoritária, o que nivela e igula todos os candidatos independentemente de estarem em partidos ou fora deles;

10 – Voto obrigatório: o voto facultativo só pode ocorrer em uma sociedade onde os cidadãos tenham consciência da necessidade de votar e do ônus de não votar, de participar das decisões sobre seus destinos ou deixar que outros tomem essas decisões. Em uma sociedade fragilizada como a nossa se encontra, a obrigatoriedade do voto se faz necessária, ela é uma etapa que não pode ser simplesmente descartada na formação da consciência do cidadão;

11 – Ficha Limpa: se vivéssemos em um país que tivesse uma cultura de respeito às leis, esse tipo de precaução não seria necessário, porém, até que atinjamos este patamar, como nação e sociedade faz-se indispensável que se elimine peremptoriamente os que comprovadamente não tem capacidade de se manter em conformidade com as leis.

Penso que algumas pessoas podem discordar de minhas opiniões expressadas acima. Em defesa delas só tenho a dizer que são resultado de uma vivência de mais de 40 anos na política, da luta renhida entre a teoria e a prática, do inconformismo entre o que se deseja e o que é possível.

Não sei o que o futuro nos reserva neste sentido, mas tenho certeza que alguma coisa precisa acontecer para mudar a forma de se fazer política no Brasil. Se isso não ocorrer, não haverá salvação.

sem comentário »